Grupo radical Estado Islâmico desafia Al-Qaeda no Iêmen

Massacre realizado por EI deixou 142 mortos e 351 feridos na sexta (20).
Mergulhado na guerra civil, país está dividido entre xiitas e sunitas.

Com os sangrentos atentados cometidos no Iêmen na sexta-feira (20), o grupo Estado Islâmico desafia a Al-Qaeda na luta por conquistar uma população sunita descontente e confrontada com os xiitas, que controlam o poder em Sanaa, avaliam especialistas.

Pelo menos 142 pessoas morreram e outras 351 ficaram feridas em atentados suicidas de sexta contra duas mesquitas na Capital do país, frequentadas por fiéis e milicianos xiitas hutis, que desde janeiro passado controlam a capital iemenita.

O massacre aconteceu 48 horas depois do ataque ao Museu do Bardo, na Tunísia, que deixou 20 turistas estrangeiros mortos, e foi reivindicado pelo Estado Islâmico, o que leva a crer que o grupo jihadista tenha lançado uma campanha de ataques coordenados, estimam os analistas.

O grupo Estado Islâmico (EI) informou que estes atentados, os mais mortais cometidos até hoje em Sanaa, foram apenas “a ponta do iceberg”. Já a Al-Qaeda na Península Arábica (AQPA), também sunita, reafirmou que não ataca “mesquitas e mercados” para evitar a morte de “inocentes”.

Mergulhado na anarquia e em uma guerra civil, o Iêmen está dividido em dois.

O nordeste é controlado desde setembro do ano passado pelos xiitas hutis, apoiados pelo Irã. O sudeste é dominado pelas forças aliadas ao presidente Abd Rabo Mansur Hadi, vinculado à Arábia Saudita, que fugiu de Sanaa e se refugiu em Áden.

No mundo jihadista, o Iêmen era, até poucos meses atrás, domínio da AQPA, com forte presença no sul do país.

O grupo Estado Islâmico, que suplantou a Al-Qaeda na Síria e no Iraque após combates fratricidas, não tinha qualquer visibilidade no Iêmen.

Apesar dos enfrentamentos entre jihadistas na Síria e no Iraque, a AQPA conclamou em outubro passado os muçulmanos a apoiar o EI contra os “cruzados”, o que foi interpretado como um indício de divisões dentro da Al-Qaeda.

Em fevereiro, combatentes da Al-Qaeda nas províncias iemenitas de Dhaar e Sanaa juraram lealdade ao líder do EI, Abu Bakr al-Bagdadi.

“Desde que as milícias hutis tomaram o controle da capital e conquistaram parte do país, a Al-Qaeda perdeu credibilidade, se mostrando incapaz de defender as províncias sunitas”, explicou Mathieu Guidère, professor da Universidade de Toulouse, na França, e especialista no Islã.

Com o massacre em Sanaa, o grupo Estado Islâmico “quer demonstrar à base jihadista sua capacidade para atingir o inimigo, que considera “herege”, com mais violência que a AQPA”, acrescentou o professor francês de Relações Internacionais Jean-Pierre Filiu. “Atualmente, seções inteiras da AQPA se inclinam ao” Estado Islâmico, diz.

Para Bagdadi “se trata de obter, a qualquer preço, a lealdade da AQPA e absorver, assim, a primeira geração jihadista”, acrescentou.

“O Iêmen evolui para uma situação similar à da Síria e do Iraque, com uma guerra confessional, que confronta sunitas e xiitas”, diz Guidère. Para o EI, se trata de “defender os sunitas das agressões xiitas e estrangeiras” em Síria, Iraque e “agora no Iêmen”, avalia o especialista.

O Estado Islâmico nunca escondeu a intenção de estender o território do califado para a Arábia Saudita, e o Iêmen, considerado o berço dos árabes, é um objetivo de primeira ordem”, explica Guidère.

“A organização continua com a estratégia de cercar a Arábia Saudita. Após as posições tomadas no norte da península (Iraque), agora se aproxima pelo flanco sul a partir do Iêmen”, acrescenta.

Jean-Pierre Filiu vai mais longe, ao dizer que o grupo EI demostrou “sua capacidade de coordenar um vasto movimento de expansão, primeiro na Líbia, depois na Tunísia e agora no Iêmen, sem esquecer a afiliação do Boko Haram” na Nigéria.

“Isto é o prelúdio ao reinício de uma campanha terrorista no continente europeu”, conclui Filiu, ao analisar o desenvolvimento do EI nas últimas semanas.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/grupo-radical-estado-islamico-desafia-al-qaeda-no-iemen.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s