Aviões sauditas bombardeiam posições Houthi no Iêmen

Aviões de guerra da Força Aérea Real Saudita bombardearam as posições das milícias Houthi do Iêmen, destruindo uma base aérea em Sanaa e a maioria das defesas aéreas da milícia noticiou o canal Al Arabiya,  na quinta-feira, citando fontes sauditas.

O rei Salman bin Abdulaziz ordenou os ataques aéreos sobre a milícia Houthi, apoiada pelo Irã na quinta-feira, às 12 horas, informou o canal de notícias Riyadh, acrescentando que a força aérea do reino estava “totalmente no controle do espaço aéreo do Iêmen.”

Pouco depois, o embaixador da Arábia Saudita em Washington Adel al-Jubeir anunciou que o reino havia lançado uma operação militar envolvendo ataques aéreos no Iêmen contra militantes Houthi que reforçaram seu domínio sobre o sul da cidade de Aden, onde o presidente do país havia se refugiado.

Al-Jubeir disse a jornalistas que uma coalizão de 10 países se juntaram na campanha militar, em uma tentativa de “proteger e defender o governo legítimo” do Iêmen presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi.

“Faremos o que for preciso para proteger a queda do governo legítimo do Iêmen”, disse Jubeir.
Ele disse a jornalistas que Washington não estava participando da operação militar, mas as autoridades dos EUA disseram que os Estados Unidos estavam fornecendo suporte para a Arábia Saudita, já que realiza operação militar no Iêmen, de acordo com a Al Arabiya News.

Al Arabiya News Channel disse que o Egito estava tomando parte na coalizão com as forças terrestres, navais e aéreas.

A coalizão militar liderada Arábia declarou o espaço aéreo do Iêmen como “área restrita”.

O ministro da Defesa saudita, príncipe Mohammed bin Salman tinha avisado Ahmed Ali Abdullah Saleh, filho do ex-presidente Ali Abdullah Saleh do Iêmen, contra o avanço em direção a Aden.

Os Houthis juntaram força com os legalistas do ex-presidente Saleh em sua ofensiva para assumir o controle do Iêmen.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Iêmen, Riad Al Arabiya, disse a Yassine News Channel que as operações continuarão até que os Houthis aceitem a sentar-se para as negociações de paz e recuem em todas as medidas tomadas desde a ocupação da capital Sanaa em setembro passado.

“Nós não reconhecemos nada do que aconteceu depois de 21 de setembro”, disse a Al Arabiya Yassine News, afirmando que a operação militar iria ajudar os iemenitas do sul a “recuperar a confiança.”

Manifestações teriam ocorrido em Hadramout e Aden em apoio aos ataques aéreos sauditas sobre a milícia Houthi.

A operação militar veio logo depois dos Estados Árabes do Golfo, barrando Omã, anunciarem que decidiram “repelir a agressão dos Houthi” no vizinho Iêmen, na sequência de um pedido do presidente do páis Mansour Hadi Abedrabbo.

Em sua declaração conjunta a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Qatar e Kuwait disseram que “decidiram repelir milícias Houthi, al-Qaeda e ISIS [Estado Islâmico do Iraque e da Síria] no país.”

Os países do Golfo alertaram que o golpe Houthi no Iêmen representava uma “grande ameaça” para a estabilidade da região.

Os Estados do Golfo também acusaram a milícia iraniana de realizar exercícios militares na fronteira com a Arábia Saudita com “armas pesadas.”

Em uma aparente referência ao Irã, a declaração do Golfo disse que a “milícia Houthi é apoiada por potências regionais, a fim de que seja a sua base de influência.”

Os países do Golfo disseram ter monitorado a situação do golpe Houthi no Iêmen com “grande dor” e acusaram a milícia xiita de não responder aos avisos do Conselho de Segurança das Nações Unidas, bem como o CCG.

O comunicado ressaltou que os países árabes haviam procurado relação ao período anterior para restaurar a estabilidade no Iêmen, notando a última iniciativa de sediar negociações de paz sob os auspícios do CCG.

Em uma carta enviada ao Conselho de Segurança da ONU e vista por Al Arabiya News, Hadi pediu “apoio imediato para a autoridade legítima, com todos os meios e medidas necessárias para proteger o Iêmen e repelir a agressão da milícia Houthi que é esperada a qualquer momento sobre a cidade de Aden e na província de Taiz, Marib, al-Jouf [e] an-Baidah. ”

Em sua carta Hadi disse esse apoio também foi necessário para controlar “a capacidade de mísseis que foi saqueado” pelas milícias Houthi.

Hadi também disse ao Conselho que ele tinha pedido dos Estados Árabes do Golfo e da Liga Árabe “apoio imediato com todos os meios e medidas necessárias, incluindo a intervenção militar para proteger o Iêmen e seu povo contra a agressão Houthi em curso.”

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/03/26/GCC-states-to-repel-Houthi-aggression-in-Yemen-statement-.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s