Análise: Os EUA deixaram a bola cair no Iêmen

A ONU e Obama focaram na al-Qaeda e não conseguiram ver direito a ameaça muito maior debaixo de seus narizes.

Os Estados Unidos, está uma vez mais confuso nesse grande momento – desta vez, no Iêmen, onde ele subestimou o poderio militar dos Houthis, que são apoiados pelo Irã e tribos sunitas leais ao antigo regime. Não é que os EUA não tinham inteligência – os americanos tinham, e ainda têm, mais inteligência no Iêmen que qualquer outra pessoa, incluindo os iranianos.

Os norte-americanos também compreendem a importância estratégica da captura do estreito de Bab-el-Mandeb por uma tribo xiita leal ao Irã, que agora controla a entrada para o Mar Vermelho ao Oceano Índico. Mas o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos e o presidente Barack Obama eram tão obcecadas na necessidade de lutar contra o ramo da Al-Qaeda no Iêmen que eles não conseguiram ver a ameaça muito maior que estava sendo criada bem debaixo de seus narizes.

Felizmente para Barack Obama, o Pentágono já havia ordenado uma evacuação do pessoal de inteligência militar norte-americanas e forças especiais que operam contra a Al-Qaeda fora de uma base aérea no Iêmen. A ordem veio há uma semana e na terça-feira, os Houthi capturaram a base. Os militares americanos e sua comunidade de inteligência já estavam longe, e um fiasco ainda maior foi evitado.

A questão permanece sobre o que causou a cegueira americana, e se houve quaisquer medidas preventivas que poderiam ter tomadas. A razão é bastante clara: a falta de visão dos EUA resultou, principalmente, de sua apreciação errada da força dos Houthis, mas eles também não queria perturbar os iranianos em uma fase crítica na formulação de um acordo sobre o programa nuclear da República Islâmica.

Mesmo agora, depois que os sauditas já entraram em ação, os americanos preferem “levar por trás”, como fizeram na Líbia, mantendo um perfil ainda mais baixo. Eles só estão proporcionando o suporte de inteligência a Arábia saudita com alvos dentro do Iêmen e sobre o progresso das forças Houthis para a capital do sul do Iêmen, Aden, e em direção ao Estreito de Bab-el-Mandeb.

Os norte-americanos, que têm dezenas de drones que operam na área, têm excelente inteligência sobre o que está acontecendo lá em qualquer momento, e eles passam essa informação para a Força Aérea da Arábia Saudita, com seus F-15 e F-16 aviões de guerra, bem como para as forças aéreas de outros países do Golfo Jordânia e Egito, que também participam na operação. Mas, ao contrário, da Líbia, os norte-americanos não estão a prestar assistência real. Mais uma vez, de modo que não irá perturbar os iranianos.

Mas o fracasso americano no Iêmen não é a história principal aqui. A aquisição Houthi do sul do Iêmen e da ameaça para o estreito de Bab-el-Mandeb é o principal perigo, porque ele permite que o Irã de bloqueie as principais rotas marítimas internacionais através do Canal de Suez e o Mar Vermelho para a Ásia e África Oriental, em um dado momento.

http://www.i24news.tv/en/opinion/65698-150327-analysis-the-us-dropped-the-ball-on-yemen

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s