Milhares de pessoas foram às ruas da Tunísia em protesto contra terrorismo

O presidente francês também participou de ato, convocado pelo governo.
Ataque a museu deixou 20 turistas mortos em 18 de março.

Milhares de pessoas foram às ruas da Tunísia neste domingo (29) para protestar contra o terrorismo internacional, uma manifestação de união nacional que só não foi apoiada pela Frente Popular, partido esquerdista que representa a quarta força no Congresso do país.

Convocados pelo governo e por líderes religiosos, os manifestantes partiram da histórica praça de Bab Saadoun, em direção ao museu Bardo, local do atentado que no último dia 18 de março matou 21 pessoas, 20 delas turistas estrangeiros.

“Hoje é um dia para dizer que que na Tunísia somos livres, que o terrorismo não poderá abalar nosso país e a nossa liberdade”, disse à Efe uma das manifestantes.

Centenas de bandeiras do país foram levadas pelos participantes do protesto, acompanhado por helicópteros do Exército tunisiano, e gritavam “terrorismo fora da Tunísia”.

Somaram-se à passeata o presidente do país, Beji Caid Essebsi, acompanhado de líderes árabes e europeus, fortemente escoltados, como o presidente da França, François Hollande, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.

Concluído o trajeto, Essebsi inaugurou uma placa em homenagem aos mortos na entrada do museu, onde centenas de pessoas voltaram a gritar ‘liberdade para a Tunísia’ enquanto mostravam cartazes com os nomes dos 21 turistas mortos.

No último dia 18 de março, três terroristas invadiram o estacionamento do museu e abriram fogo contra um ônibus no qual viajavam cerca de 40 turistas. Depois, eles se atrincheiraram no interior do local e foram mortos pelas forças especiais da Polícia Nacional. Um deles, no entanto, conseguiu fugir e ainda está sendo procurado pelas autoridades locais.

Apesar de o atentado ter sido reivindicado pelo Estado Islâmico (EI), o governo da Tunísia acusa a Brigada Okba Ibn Nafaa, ligada à Al Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI) e que vive refugiada nas montanhas de Chaambi, na fronteira com a Argélia, de ser responsável pelo ataque.

Pouco antes do início da manifestação, a Tunísia divulgou que a Guarda Nacional conseguiu abater na madrugada deste domingo nove integrantes do grupo, em uma operação realizada na região de Gafsa.

Segundo fontes oficiais, o líder da organização e mentor do ataque contra o museu Bardo, Lokman Abou Sakher, foi morto na ação.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/milhares-de-pessoas-vao-ruas-da-tunisia-em-protesto-contra-terrorismo.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s