Al-Qaeda e Estado Islâmico avançam na Síria

EI se aproxima de aeroporto em Deir Ezzor, província rica em petróleo.
Rússia se diz disposta a ajudar regime sírio, mas nega envio de armas.

O Exército sírio continua enfrentando grandes dificuldades frente aos grupos Al-Qaeda e Estado Islâmico (EI) no noroeste e no leste do país e, nesta quinta-feira (10), a corporação informou que pelo menos 54 combatentes morreram ontem em intensos choques do regime com o EI.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), o Estado Islâmico se aproxima do aeroporto militar da cidade de Deir Ezzor (leste). O EI já controla alguns setores dessa localidade.

“Trata-se de um dos ataques mais violentos lançados pelo EI contra o aeroporto. Dezoito soldados morreram, assim como 36 membros do EI”, afirmou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Os jihadistas cometeram dois atentados suicidas com carro-bomba e, segundo Abdel Rahman, um deles foi lançado por um garoto.

Rica em petróleo, a província de Deir Ezzor, na fronteira com o Iraque, está em grande parte nas mãos do EI. Há um ano o grupo tenta assumir o controle do aeroporto.

‘Soldados executados’
Se o grupo for bem-sucedido, Deir Ezzor pode se tornar a segunda capital da província a cair nas mãos do EI, depois de Raqa, designada “capital” do califado proclamado pelo Estado Islâmico entre Síria e Iraque.

Na quarta-feira, a Frente al-Nusra e outros grupos rebeldes islâmicos tomaram o aeroporto de Abu Duhur, na província de Idlib, informou o OSDH, acrescentando que eles cercavam a instalação há dois anos. Em março, já haviam invadido a capital da província no final de março.

“Houve 56 mortos ontem e pelo menos 40 presos e dezenas de desaparecidos”, disse Abdel Rahman, nesta quinta-feira à AFP.

“Alguns soldados foram executados”, afirmou.

Em sua conta no Twitter, a Al-Nusra publicou fotografias de cerca de 15 homens apresentados como soldados de Abu Duhur, “nas mãos dos mujahedine”. Os reféns estão sem camisa, de barba e aparentam fraqueza.

Na província de Idlib, os povoados xiitas de Foua e de Kafraya continuam cercados pelos rebeldes e são defendidos, não pelo Exército, mas por milícias pró-regime e combatentes do Hezbollah xiita libanês.

De Idlib, desde o final de julho, os jihadistas e seus aliados conseguiram avançar mais ao sul e lançar uma ofensiva que ameaça a província de Latakia (oeste), um dos principais redutos do regime.

Desmentido russo
A Rússia garantiu nesta quinta-feira que está disposta a oferecer um maior apoio militar ao regime sírio, mas negou que isso vá prejudicar os planos da coalizão internacional que luta contra o Estado Islâmico.

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, disse que o Kremlin quer evitar uma repetição do “cenário líbio” na Síria e que, por isso, dará maior assistência militar ao Exército do presidente Bashar al-Assad, se for solicitado.

Lavrov negou, contudo, estar aumentando sua presença militar na Síria, depois que autoridades de Washington acusaram Moscou, esta semana, de enviar veículos de transporte blindados e dezenas de soldados a Latakia.

Iniciado em março de 2011, o conflito na Síria deixou mais de 240 mil mortos e levou ao êxodo de mais da metade da população. Cada vez mais refugiados instalados na Turquia e no Líbano tentam chegar à Europa.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/al-qaeda-e-estado-islamico-avancam-na-siria.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s