A Convenção Batista Brasileira vai “tolerar” as ações antibíblicas da Igreja Batista Betânia?

Após denunciar o seminário ocorrido no templo da igreja Batista Betânia no RJ, onde promoveu-se violações irrefragáveis à fé cristã, fui afrontada por alguns simpatizantes do sr. Neil Barreto, líder do templo. No entanto, as afrontas notadamente de cunho pessoal consubstanciaram ofensas sem o mínimo lastro argumentativo. Inobstante tal fato, minha conta no facebook sofreu ataques sucessivos na tentativa de calar a “voz dos mártires”, e hoje, foi bloqueada em virtude da denúncia referente ao nome utilizado, pois, eu era conhecida na rede virtual pelo meu apelido … bloquear um crítico é “coisa de gente muito tolerante”, não?

Sendo assim, no momento, aguardo a decisão do facebook para reaver meu direito a exercer livre manifestação do pensamento, como preconiza a Constituição Federal. Entrementes, há algo que os “intolerantes” não conseguiram excluir: a sensação do dever cumprido e a satisfação de saber que NÃO houve argumentação racional ou bíblica que refutasse quaisquer colocações em meu artigo por NENHUM simpatizante dos líderes religiosos que se reuniram num templo evangélico para, dentre outras aberrações, ouvir parte da música de Gilberto Gil onde se diz que “o nome de Deus pode ser Oxalá, Jeová, Tupã, Jesus, Maomé”! Tudo em nome da “tolerância religiosa” que dá a palavra a um muçulmano, a um candomblecista e a um padre, mas exclui o judeu!

Aliás, eu jamais imaginaria que denunciar ações reprováveis de uma igreja sob o pretexto de “combate à intolerância” traria tanto ódio e perseguição contra um trabalho sério de defesa dos diretos humanos, visto que, no meu perfil do facebook, o objetivo prioritário era defender cristãos, minorias e muçulmanos que são vítimas de violações graves dos direitos humanos perpetradas por governos e facções terroristas no mundo muçulmano, além de combater o antissemitismo. De maneira que, a “fé cega” não permite à oposição a recomendável atitude de tentar travar um debate racional sobre a questão ou mesmo perceber a injustiça de silenciar covardemente uma das poucas vozes nesse país que tenta conscientizar a igreja e a sociedade sobre a perseguição aos cristãos tão escamoteada pela mídia.

Daí, vem a dúvida: por que usar instrumentos repugnantes para tentar calar uma defensora dos direitos humanos?

Talvez a resposta esteja no fato de ter denunciado AÇÕES GRAVES que deveriam ser averiguadas minuciosamente pela CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA, se é que a referida igreja ainda pertence à entidade. Nesse mister, é importante lembrar que no episódio recente da “pedrada numa adolescente candomblecista”, importantes lideranças batistas se pronunciaram afirmando que a ação não representava a comunidade religiosa. E agora? O ato vergonhoso foi praticado por uma igreja que se orgulha das suas “boas obras” e as declara sempre em resposta aos críticos como uma espécie de “salvo-conduto” para a permissividade de eventos que contrariam a fé cristã.

Assim, as ações do líder batista Neil Barreto descritas em meu artigo postado em 26 de setembro representam o pensamento das Igrejas Batistas vinculadas à Convenção Batista Brasileira (CBB)?

Meu artigo foi visualizado por mais de 3 mil pessoas, e por certo, pastores leram as denúncias e se estão acompanhando o desenrolar dos acontecimentos, tiveram acesso à resposta que ofereci a um defensor das práticas da igreja batista Betânia, que aliás, foi desastroso e preconceituoso em suas opiniões sobre cristãos e judeus.

Devo salientar que o posicionamento da Convenção Batista Brasileira se mostra indispensável, até porque, o sr. Neil conta com diversos “simpatizantes” de outras igrejas batistas, cujos jovens qualificam o líder como “referência”. Lembro-me que a líder de missões de uma igreja batista localizada em Rio da Prata (Bangu) me excluiu de um grupo no whatsapp por ter respondido às críticas de dois jovens que se revoltaram com a postagem do meu artigo.

Desse modo, torna-se clarividente o fato de que a convenção batista precisa se posicionar, posto que, corre o sério risco de ter a sua reputação maculada, o que não seria admissível por se tratar de uma guardiã da tradição de respeito à sã doutrina bíblica.

Espero que os pastores e demais integrantes do ministério comprometidos com a verdade bíblica se manifestem sobre o evento e solicitem um posicionamento PÚBLICO da Convenção Batista a respeito das ações perpetradas no templo. O cristão não pode se omitir quando doutrinas básicas da sua fé estão sendo violadas em razão das “tendências secularistas” que estão destronando o senhorio de Cristo nas igrejas!

Ademais, é lamentável constatar que para alguns membros da igreja batista, o amor a um “líder religioso” que permite a defesa tácita da Irmandade Muçulmana sem qualquer contestação, é maior do que a compaixão pelas milhares de vítimas, inclusive cristãs, que são torturadas, mutiladas, escravizadas sexualmente, enterradas vivas e massacradas por facções terroristas oriundas da ideologia consagrada pela referida entidade política que teve o seu representante, ex-presidente Morsi, deposto no Egito. O sr Samir Isbelli, representante muçulmano do evento sediado pela igreja do sr. Neil, considerado “amigo” pelo moderador do seminário, teve liberdade para defender o ex-presidente Morsi, mesmo sabendo do vínculo com a Irmandade Muçulmana, considerada como organização terrorista pelo berço da fé islâmica, a saber, Arábia Saudita!

Será que o sr. Neil terá a coragem de reconhecer o notório ERRO e tomará a honrosa atitude de pedir PERDÃO à igreja e ao público em geral por propiciar “voz de defesa” a um ex-presidente representante da Irmandade Muçulmana, que é a “mãe ideológica” de grupos terroristas como o Hamas, al-Qaeda e o próprio Estado Islâmico, conhecido por disseminar atos de terror contra cristãos no mundo muçulmano? Se ele não o fizer, espero que haja manifestação da Convenção Batista nesse sentido!

Creio que a Convenção Batista Brasileira não concorda com a ideologia da Irmandade Muçulmana, e por isso, se manifestará refutando as palavras do sr. Samir, reprovando a ação do líder da igreja batista Betânia. E aqueles que amam seus irmãos martirizados devem comungar do mesmo sentimento de rejeição a discursos defendendo entidades que promovem a violência, caso contrário, configura-se como “hipócrita” a discussão acerca de intolerância religiosa!

Por derradeiro, agradeço as manifestações de apoio dos religiosos de diversas vertentes que compreenderam a urgência de lutarmos para formação de uma consciência humanitária nas igrejas, a fim de que possam ser promovidas ações robustas de socorro às vítimas de tantos conflitos sectários.

por Andréa Fernandes (advogada, bacharel em Relações Internacionais e Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires)

Anúncios

23 opiniões sobre “A Convenção Batista Brasileira vai “tolerar” as ações antibíblicas da Igreja Batista Betânia?”

  1. Deus te abeçoe e te guarde, não sse cale diante da injustiça.
    Só o SENHOR YAHVEHé Deus e JESUS CRISTO SEU FILHO , e o nosso UNICO Salvador!
    Mateus
    6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;

    Curtido por 2 pessoas

  2. Não entendi muito bem este artigo, não estou por dentro do assunto. Mas, sou membro da igreja batista ha mais de 50 anos, as igrejas batista são independente de qualquer instituição.Temos nossas juntas das convenções estaduais que as igrejas se filiam a elas, mas estas convenções não tem nenhum poder sobre as igrejas, nem mesmo a convenção nacional. Quando surgem algum problema de ordem doutrinário cabe aos membros fieis na doutrina em assembleia decidir. Cada igreja tem seu estatuto e regimento interno, a junta só intervem quando é solicitada pelos membros. Já acompanhei caso de desfiliação de igreja por infidelidade a doutrina. Mas o patrimônio da igreja ficou com o grupo que permaneceu fiel a doutrina para continuar o seu trabalho,o grupo infiel mesmo sendo maioria é que saiu a procura de outro lugar para fazer o seu trabalho. É bom que todas igrejas batistas rezam em seu estatuto esta clausula se houver divisão por questão doutrinaria o templo e demais patrimônio fiquem com o grupo que permanece fiel a doutrina. Espero que isto tenha sido um mal entendido e que os envolvidos estejam pensando no bem da causa, pois se não for assim quem vai ser prejudicado é a obra de Deus.

    Curtir

    1. Sr. Mario,
      Não sou batista e fiz justamente o que V. Sa. comentou: solicitei aos membros e pastores que se posicionem junto à Convenção Batista.

      Quanto à minha denúncia, houve o cuidado de relatar os fatos ocorridos dentro do templo com bastante rigor e os apreciei à luz dos rudimentos cristãos e também dos conhecimentos que tenho acerca do Oriente Médio.

      Estou aberta a ponderações.

      Curtir

  3. Gostaria de saber o porque de todo esse alarde?? Quando um muçulmano fala ele representa todos né? ? Mas quando alguém que se denomina cristão mata outro cidadão por causa da fé, nós dizemos que esse não era cristão, na idade média a IGREJA CRISTÃ matou milhares não se esqueçam disso, de maneira nenhuma vim defender assassinos, mas gostaria de dizer que toda essa argumentação é estúpida e firmada em preceitos errados, pois quer descontar todos os erros de um grupo num indivíduo, é como se eu viesse aqui xingar cristãos por uma morte q nenhum de vcs causou. Sou cristão como os irmãos, e moro perto da IBB, e posso dizer q Deus está naquele lugar, vejam pregações do Neil na Internet e depois falem sobre o cristão q ele é. Admiro muito igrejas q busquem dialogar com pessoas que manifestem uma fé diferente da nossa. Lembre-se que Jesus andava com pro titular, políticos, pescadores, ladrões… enfim todo tipo de gente. E ele veio para quem estivesse doente.

    Curtir

    1. Sr. Daniel,
      Em primeiro lugar, V. Sa. ao externar ira, só demonstra que seu intento é defender “homens” e não a doutrina cristã ou o povo muçulmano. E mais… tenha certeza que se o representante muçulmano que se manifestou no evento defendesse o seu povo das ações tenebrosas de GOVERNOS MUÇULMANOS E FACÇÕES TERRORISTAS, teria todo meu apoio, já que, o senhor não teve interesse em conhecer meu trabalho, mas luto por socorrer esse povo tão sofrido. E aqui, são mais de mil notícias e artigos mostrando a dor desse povo, ok?Então, a tentativa de “argumentos firmada em preceitos errados é sua”, porque, volto a repetir, o seu objetivo é defender a ação do sr. Neil, que aliás, devo frisar, é uma “referência” para a sua pessoa e os fiéis que o seguem! Minha crítica foi ao ato que ele propiciou…

      Aliás, lhe convido a demonstrar no TEXTO, qual a linha em que estigmatizo os muçulmanos pelas palavras do sr. Samir. Sei que esse senhor não representa os muçulmanos, e sim, APENAS uma entidade muçulmana. E, lamentavelmente, o sentimento faccioso não lhe permitiu perceber que minha crítica foi dirigida apenas a UM muçulmano, “amigo do sr. Neil”, que defendeu o ex-presidente Morsi, que por certo, V. Sa. não conhece! Dessa forma, não faça especulações infundadas, afirmando que eu teria qualquer preconceito contra um povo que amo e pelo qual luto para que tenham socorro!

      E aprenda uma ensinamento básico: Jesus andava com pecadores para levara a Palavra de Deus e não para compactuar com suas ações. E Ele jamais deixou de EXORTAR autoridades religiosas e discípulos quando erravam… Hoje, nem o sr. Neil goza do “direito divino” de não receber exortações quando erra, porque os “líderes religiosos” também erram….

      E mais, segundo a bíblia, não é a “pregação” de um cristão que mostra quem é ele, e sim, suas obras, ok? Então, dispenso o convite de ouvir o líder que tanto admira. Na sua visão, ele pode até “pregar bem”, mas não agiu da forma recomendável, o que vem sendo afirmado por DIVERSOS batistas, que são da mesma denominação desse senhor.

      Curtir

    2. MOREI POR 15 ANOS PERTO DESSA DITA IGREJA E SEI QUEM ESSE DITO PASTOR, E COMO SE POSICIONA E PELAS SUAS PREGRAÇÕES E SHOWS QUE FAZ DENTRO DO TEMPLO. E DIGO É UM FILHO DE ASSEMBLEIANO REBELADO FALSO PROFETA, COMPLETAMENTE MUNDANO!!

      FALO DO QUE EU VI E PRESENCIEI LÁ!!
      VIROU UMA SEITA!!

      Curtir

  4. Existe sim, algo MUITO GRAVE acontecendo: a falta de amor ao próximo! E isso está acontecendo em toda parte, até mesmo onde jamais deveria acontecer: entre os que dizem seguir a Jesus Cristo.

    Em várias partes do mundo, em todos os tempos, pessoas se odeiam e se matam por conta da religião que professam. Fazem da fé a justificativa para o ódio que de alguma forma tomou seus corações. E o amor ao próximo passa longe…

    Ao longo da História é o que mais vemos… Quantas torturas e mortes feitas pelas mãos dos seguidores de algum mestre, de alguma religião e infelizmente e lamentavelmente de Jesus também. Quanta gente foi torturada e morta pelas mãos dos católicos, mas também dos protestantes!

    Fiquei muito emocionada e feliz em saber do seminário! Ali, ninguém abriu mão daquilo que crê, mas todos se sentaram à mesma mesa, em paz, com respeito e amor e dialogaram. Um ouviu o outro. Um respeitou o outro, apesar de discordarem. Seres humanos tratando um ao outro com amor, independente se em outras partes do mundo gente da mesma fé possa estar torturando e matando. O tempo inteiro nesse seminário foram vividos alguns mandamentos de Jesus, a saber: “Ama ao teu próximo como a ti mesmo”. E dentro da visão de que o representante dos muçulmanos representa os grandes inimigos da fé cristã, no momento em que ele foi acolhido e tratado com respeito, claramente aconteceu: “Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;” Ali foi um momento de viver o amor com aqueles que pensam diferente de nós. Não teve espaço para o ódio. Não teve espaço para o derramamento de sangue. Não teve espaço para agressões verbais ou físicas. Não teve espaço para a opressão. Não teve espaço para o grande tribunal onde as pessoas se julgam e se condenam mutualmente sem nenhuma misericórdia.Não teve espaço pra nada disso, porque o espaço foi completamente preenchido pelo AMOR.

    Sabe, conheço o pastor Neil e bem sei que do jeito que ele é inteligente e convicto de suas decisões, já sabia muito bem que um seminário desse lhe custaria muitas pedradas de toda parte… Faz parte. Quem conhece os frutos que esse homem tem produzido, juntamente com a igreja que lidera, sabe bem quem é o seu Senhor. E não sou eu, ou você, ou convenções ou quem quer que seja que vai tirar isso dele, porque é entre ele e Deus. Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.

    Agora o fato de eu não concordar, não quer dizer que te odeio ou coisa do tipo. Muito menos vou te desrespeitar ou a qualquer um aqui. Discordar é um direito que todos temos… mas que assim como foi no seminário, seja também entre nós. Que não nos falte respeito e amor, afinal “Deus é amor e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.”
    Paz.

    Curtir

    1. Sra. Marcia discorreu tanto sobre AMOR e esqueceu dos verdadeiros cristãos que estão sendo mortos pelo fundamentalismo islâmico e regimes comunistas. Aliás, esta é uma característica COMUM entre os seguidores do sr. Neil! O “amor de vocês” só não conseguiu explicar à luz das Sagradas Letras o motivo pelo qual não seria reprovável a defesa do ex-presidente Morsi como representante de uma entidade terrorista que é a mãe de grupos que estão fazendo limpeza religiosa em diversas regiões do Oriente Médio, África e Ásia. É muito fácil V. Sa. defender esse tipo de evento quando não é a SUA FAMÍLIA que está sendo massacrada em terras distantes

      Infelizmente, o egocentrismo reinante não lhe permitiu perceber que a CASA DE DEUS não é a casa do seu líder que faz o que quer nela… existem regras, e eu nunca vi no manual de fé dos cristãos algum permissivo de se cultuar ou dar GLÓRIA a outro deus!

      Quando à história de perseguição, pela sua falta de conhecimento, percebe-se que é “ovelha ideológica” do sr. Obama. Seu discurso é exatamente igual…

      No mais, respeito a sua OPINIÃO, principalmente porque V Sa. nada sabe sobre fundamentalismo islâmico. E enquanto seguirá defendendo a “visão de um homem”, eu seguirei defendendo um povo que está sendo dizimado enquanto vocês se reúnem para “diálogos inter-religiosos”. O mundo está gemendo e vocês não conseguem constatar… mas, as Escrituras demonstram que o amor de muitos esfriaria…

      O mais triste é ver uma pessoa com dificuldade seríssima em hermenêutica bíblica estar mais preocupada com o que lhe convém chamar de “pedradas” ao seu líder religioso do que com as pedradas daqueles que dão testemunho da sua fé num mundo cristofóbico!

      Sua cegueira é lamentável… O que vale, é que a grande maioria dos cristãos que tomou conhecimento desse evento se escandalizou com o mesmo, e ainda que não se escandalizasse, não estou preocupada em agradar a todos!

      Curtir

      1. Sra. Marcia Luquine,

        Pode apontar os “argumentos fundamentalistas” no artigo?

        Claro que não… sendo assim, continue com sua cegueira! Pelo menos reconhece essa sua realidade mais lamentável ainda.

        Só não entendo como V. Sa. consegue escrever o termo “paz” com tanto ódio no coração!

        Curtir

  5. Com todo respeito, esse artigo soou mais como alguém que não sabe receber réplicas.
    Se você faz críticas a uma certa denominação e a um pastor que nem ao menos conhece, deveria estar pronta para pessoas que defendem e conhecem as obras desta igreja. Não digo que é correto se recebeu ofensas, pelo contrário, isso deve ser repudiado – mas, novamente, não culpe um indivíduo X colocando a culpa em algo “maior”, isso é generalizar. Pelo que li rapidamente nos comentários, não vi ataques ofensivos, mas, novamente, se teve, não generalize porque gente infantil existe independente de religiões, clubes de futebol, etc…
    Chegar ao extremo de insinuar que não deve ser uma denominação batista e fazer uma denúncia… Quem julga o correto? Por que seria você a julgar o que é recomendável? E por que alguém que nem é batista e muito menos conhece o trabalho de anos da igreja se acha capaz de julgar por algo que aconteceu e você não concordou? Humildade faz bem, senhora.
    Um seminário de Intolerância religiosa levando em conta a realidade brasileira é válido sim para a conscientização! Não apaga o sofrimento e problemas que os judeus passam por séculos. Mas se tratava da realidade brasileira, carioca… E aqui, uma menina leva pedrada por ir a um centro espírita, preconceito com os de origem árabe está crescendo pela imigração em massa… Não é certo medir qual é o sofrimento maior por número de mortes, isso seria um seminário ainda mais amplo quando este se tratava da realidade de nossa cidade, a Intolerância religiosa brasileira, qualquer outra coisa seria fugir do tema! Deus os ama da mesma forma que nos ama, Ele “É o mesmo” porque é amor. Antes de tudo devemos amá-los para sermos capazes de aceitar e pregar o evangelho de Cristo ao próximo. Jesus exortava quando erravam, mas o mesmo Cristo demonstrou amor a uma mulher samaritana! Em outras palavras, o seminário se tratou de amor ao próximo e não de ecumenismo. Mas interpretações variam, cada uma tem a sua… E quando alguém que nem conhece o pastor, se recusa a sequer ouvir sua palavra e conhecer as obras na comunidade, sinceramente, forma uma interpretação mais baseada em cunho pessoal e tendenciosa e explana isso ao mundo.

    Curtir

    1. Sra. Bruna, como os demais, V. Sa. se preocupou tanto em defender o sr. Neil e as “suas obras”, que esqueceu, ou faltou conhecimento para refutar minhas argumentações.

      Pela sua perspectiva, só pode fazer crítica a ação de um líder religioso se houver conhecimento de suas ações pretéritas, ainda que as ações atuais e PÚBLICAS sejam reprováveis!

      Pois bem, aguardarei o seu posicionamento quanto à defesa de um membro da facção terrorista Irmandade Muçulmana dentro de templo religioso. Dê uma olhada na sua bíblia e pesquise se Cristo teria a mesma iniciativa, ok?

      Curtir

  6. Bom dia. Olhando todos os comentários, pensei muito antes de deixar aqui minha opinião. Observo e vejo que seu coração está partido e adoecido. Vejo uma pessoa incoerente, pois fala de Amor , mais com o coração cheio de uma raiva muito doida pela falta profunda de CRISTO e que precisa de cura.

    CRISTO é o amor de minha vida, meu tudo. Não frequento nenhuma igreja e quase não é encontrado na maioria das igrejas e na religiões. ELE, é encontrado dentro das nossas ações. Não tenho paciência pra viver dentro de religião nenhuma pela falta de verdadeiro amor.

    A IGREJA BATISTA BETÂNIA é uma das poucas que assisto o culto on-line. Todas as vezes que acesso, encontro paz e respostas vindas de Deus para o meu coração. Não conheço o Neil pessoal ou intimamente, portanto, não estou aqui para defende-lo.
    O que vejo, é uma igreja que trabalha incansavelmente, por toda e qualquer criatura que precise de ajuda.

    Hoje no nosso pais dizer que é defensor dos direitos humanos, é sinônimo de defensor de bandido. Seria justo rotular você? Não encontramos nenhum defensor de direitos humanos nos enterros de policiais militares covardemente assassinados por bandidos,nem nunca vi, nenhum deles levar assassinos sanguinários para recuperar no ceio de sua família e por ai vai. Precisamos colocar no nosso coração, que somos o que plantamos. Discurso eloquente , palavras acadêmicas, não me impressionam. Atitudes sim.

    Esta igreja fica na porta de uma favela, e de lá desceram os jovens e nessa igreja encontraram atividades que preencheram suas vidas de coisas boas e de um futuro melhor, sem nenhuma discriminação. No natal, os membros dessa igreja, deixam suas casas e junto com suas famílias passam a noite de natal, com moradores de rua desta cidade,Os que cheiram mal, bêbados, drogados , abandonados e ali naquele contato muitos são devolvidos as suas famílias e nos anos seguintes voltam pra ajudar com testemunho próprio outros em abandono de vida e sociedade. Da uma olhada nos jornais e você verá o que é amor ao próximo. E tudo isso, com a direção de DEUS , no coração do Neil.

    Contra fato não há argumento. FATO é FATO. É pelas obras que se conhece o nosso coração.

    Deixe seus títulos, seus diplomas, ligue pra igreja, marque uma hora com Neil, e faça perguntas, espere as respostas e depois escreva com verdade o que você quiser . Garanto você será recebida com amor e respeito. Ai sim, escreva o que você quiser.

    Não to nem ai pra religião ou religiosidade, to muito aqui pra viver a vida como ela deve ser vivida, amando meu semelhante, respeitando nossas diferenças. Na minha família, tem crente, católico, espiritas do candomblé, kardecistas, sentamos todos na mesma mesa e nos amamos e nos respeitamos. E ai de quem começar uma discussão que aborreça o outro, do um basta na hora. Minha família é sagrada, e ta acima de qualquer crença religiosa, e tenha certeza, CRISTO senta na nossa mesa e ceia conosco, porque ele é o único que pode nos JULGAR.

    Liga pra igreja e marque uma hora com o Neil, esclareça suas queixas, de ao outro o direito de explicar o ponto de vista dele. O pastor Neil, prega e realiza trabalhos humanitários no Brasil e no mundo, e não cobra um centavo para ir ha lugar nenhum. Realiza de fato os direitos humanos em silencio, sem aplausos ou notoriedade.

    Hoje amanheci e dei Graças a DEUS por este dia de vida e proteção neste mundo violento em que vivemos. Amanheci pra ser um ser humano melhor e me coloquei como instrumento pra abençoar minha família e ao meu próximo. Desejo o mesmo pra você. Que Deus te guarde, te cure e te use pra ser uma benção na sua família, na sua vizinhança,no seu país . Um beijo no seu coração querida.

    Curtir

    1. Sra. Sueli,
      Sinceramente, até onde consegui ler suas colocações, não constatei UM ARGUMENTO sequer PROVANDO que a articulista mentiu… Percebi apenas uma religiosa vociferando acusações sem fundamento algum e defendendo um líder religioso, mas não vi NADA que refutasse o fato dele ter levado, por exemplo, um LÍDER MUÇULMANO QUE DEFENDEU UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA, QUE É MÃE DO TERRORISMO MODERNO.
      Ademais, não tenho culpa se V. Sa. se sente ofendida pela titulação acadêmica da articulista… ela não tem “culpa” por ter estudado o mundo muçulmano para não ficar repetindo como papagaio a ladainha multiculturalista que dissemina mentiras no Ocidente.
      No mais, basta apenas UM ARGUMENTO para acabar com seu discurso cheio de revolta por não aceitar críticas a um líder religioso que errou… Se CARIDADE fosse a resolução de todos os problemas do mundo, não existiriam grupos terroristas islâmicos, ou você não sabe que a Irmandade Muçulmana defendida nessa igreja também faz DIVERSAS OBRAS DE CARIDADE? Mas, se formos acompanhar sua perspectiva “equivocada”, a organização islâmica considerada terrorista até pela Arábia Saudita, é “maravilhosa” porque AJUDA os carentes, e pouco importa os milhares que já perderam a vida devido sua ideologia disseminando o terror! Percebe como sua tentativa de argumento é falha? Então, se a entidade AJUDA os pobres pode fazer qualquer coisa? Até apoiar discurso defendendo terrorista?! Acorda!!!!
      Dessa forma, pouco importam as obras de caridade que você diz que o “pastor” faz… levar um líder que defende terrorista o torna reprovável, ok? Isso é fato!
      No mais, devo ressaltar que a articulista trabalha numa ONG secular, portanto, não religiosa, e não sendo vinculada a igreja alguma, continuará usando o lídimo direito de criticar toda e qualquer autoridade religiosa que dê motivo para tal. Afinal de contas, não vivemos num país islâmico onde a crítica a autoridades religiosas é proibida.
      Por fim, aconselho que aprenda com seu líder, Sr. Neil a “amar o seu próximo”. Parece que essa “lição” V. Sa. não aprendeu… o rancor com que se dirige a articulista não é próprio de uma seguidora de um “líder ” com todos os predicativos do Sr. Neil! E lamento, não termos “tempo” para ler a sua “propaganda” sobre o pastor… temos muito trabalho a realizar!
      Att,
      EVM

      Curtir

  7. BOM DIA!
    NÃO PERTENÇO A BATISTA BETÂNIA, NÃO PARTICIPEI DO EVENTO, NEM TOMEI CONHECIMENTO DO QUE FOI DITO.
    ACOMPANHO O PR. NEIL BARRETO E O TRABALHO DE SUA IGREJA PELA INTERNET TEM MUITOS ANOS, SOU MUITO ABENÇOADA POR SUAS MENSAGENS.
    E COMO NÃO PARTICIPEI DO EVENTO OCORRIDO NA IGREJA E NEM CONHEÇO OS ENVOLVIDOS, A NÃO SER O PR. NEIL, NÃO POSSO DIZER NADA SOBRE O OCORRIDO.
    O QUE EU QUERIA SABER É PORQUE ELE FOI CHAMADO DE ANTISSEMITA, POIS PRA MIM É ALGO MUITO SÉRIO.
    SE POSSÍVEL GOSTARIA MUITO DE UMA EXPLICAÇÃO.
    É PELO FATO DE NÃO TER UM JUDEU PARTICIPANDO DO DEBATE? COISA QUE TAMBÉM ESTRANHEI, MAS PENSEI SER PELO FATO DE NENHUM LÍDER JUDEU TER ACEITADO PARTICIPAR.
    OU TEM ALGO A MAIS?
    DESDE JÁ AGRADEÇO.

    Curtir

    1. Boa tarde, Alessandra Almeida,
      Em seu comentário há o seguinte questionamento: “O QUE EU QUERIA SABER É PORQUE ELE FOI CHAMADO DE ANTISSEMITA, POIS PRA MIM É ALGO MUITO SÉRIO”.

      E, eu também gostaria de saber de onde você concluiu essa ideia? Pode, porventura, apontar no TEXTO a parte em que o Sr. Neil é chamado de antissemita?

      O único momento em que o termo é usado pela autora do artigo foi justamente para especificar a atuação da ONG em que trabalha, conforme trarei à baila: “Aliás, eu jamais imaginaria que denunciar ações reprováveis de uma igreja sob o pretexto de “combate à intolerância” traria tanto ódio e perseguição contra um trabalho sério de defesa dos diretos humanos, visto que, no meu perfil do facebook, o objetivo prioritário era defender cristãos, minorias e muçulmanos que são vítimas de violações graves dos direitos humanos perpetradas por governos e facções terroristas no mundo muçulmano, além de combater o antissemitismo.”

      Não ficou claro com o parágrafo novamente exposto que a autora explicou o fato de ser injustamente perseguida no facebook onde o seu OBJETIVO prioritário era se opor a violações dos direitos humanos perpetradas por entidades muçulmanas e COMBATER O ANTISSEMITISMO? O Sr. Neil nem mesmo é citado nesse parágrafo e não há alusão tácita ao referido líder religioso!

      E quanto à NÃO participação de um líder religioso judeu, devo frisar que NÃO houve qualquer manifestação da direção da igreja nesse sentido, e dessa forma, há uma certa incoerência de se “supor” que não haveria aceitação de algum líder judeu para participar.

      Curtir

  8. Nunca vi tanta ignorância . Vamos desmistificar esta história de templo. As paredes não são sagradas. Mas partindo deste princípio seu equivocado, vc (que é o verdadeiro templo) só conversa com crentes e evanjegues???? Entendi. Ainda bem q Jesus não é assim .

    Curtir

    1. Sr. Sergio, enquanto você está preocupado com questões doutrinárias, quero esclarecer que como internacionalista, a minha visão não está restrita a nuances teológicas que, infelizmente, variam dependendo da vertente cristã que se coloca como “detentora da verdade”, como você está fazendo ao ofender outros cristãos, o que é típico do senso comum quando falta argumento… Basta “desumanizar” os demais, não é verdade?
      Pois bem, a minha preocupação central não é com o que fanáticos seguidores de líderes cegos, como ocorre no seu caso, ok?
      Enfim, sei que não será possível um diálogo saudável com o vulgo que nada sabe sobre fundamentalismo islâmico que vem sendo defendido em muitas igrejas, inclusive, no TEMPLO do senhor Neil. O dia que vc aprender sobre esse assunto a partir de fontes estrangeiras, notadamente, árabes, poderemos debater. Por ora, lhe vejo apenas como um “fanático raivoso”!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s