Grupos rivais da Líbia farão nova proposta de governo de unidade

Após rejeição do Parlamento, novo governo deverá equilibrar forças com menos ministérios.
BENGHAZI — As facções rivais líbias tentarão mais uma vez compor um governo de unidade que responda ao vácuo político instaurado no país desde a revolta popular de 2011. A ideia agora é enxugar a proposta de formação do Executivo, já que o Parlamento recusou, na segunda-feira, o primeiro plano de governo por considerar excessivo o número de 32 ministérios.

O primeiro-ministro, Fayez al-Sarraj, se comprometeu a colocar um novo projeto na mesa nos próximos três dias. Para ser aprovada, a proposta precisa do voto afirmativo de pelo menos dois terços do parlamento do Extremo Oriente, reconhecido pela comunidade internacional.

No entanto, a possibilidade de um governo mais enxuto preocupa algumas das autoridades locais sobre a viabilidade de administrar diferentes regiões em um território que abriga, desde 2014, acentuadas divisões internas. Na Líbia, há dois governos, com seus respectivos parlamentos, e um grupo local afiliado ao Estado Islâmico que tenta avançar sobre o território rico em petróleo.

COMBATE MILITAR

Os parlamentares ainda pediram a revisão de uma cláusula que estabelece o controle da hierarquia militar no acordo político firmado, em dezembro, entre políticos e representantes da sociedade civil, sob intermédio da ONU. Antes de votar o acordo, os deputados querem garantir a soberania de controle das forças líbias reconhecidas pela comunidade internacional ao general Khalifa Hafter, pressionado a renunciar pelo governo rival, o Congresso Geral Nacional.

— A atual comissão encarregada de representar o Parlamento no diálogo auspiciado pela ONU será dissolvida e uma nova equipe será nomeada, na próxima segunda-feira, para negociar a supressão deste artigo — indicou o deputado Salatana al-Mismari à AFP.

O debate em relação à cláusula dificulta a união nacional, porque o governo de Trípoli reivindica, como condição, o afastamento de Hafter. O general tem comandado incursões militares em Benghazi, no Leste líbio, onde atuam milícias islamitas armadas.

A comunidade internacional pressiona pela composição de um governo central na Líbia antes de se comprometer a ajudar no combate militar ao Estado Islâmico. A união nacional seria o primeiro passo para a contenção dos extremistas no território líbio, onde dois ataques em janeiro deixaram mais de 50 mortos.

O chefe da missão da ONU na Líbia reiterou que a prioridade é encontrar uma solução em consenso, ouvindo todas as partes, mas pediu que as autoridades líbias tenham pressa em acertar as decisões necessárias à estabilização da política no país, caótica desde a derrubada e a morte do ditador Muammar Gaddafi, em 2011.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/grupos-rivais-da-libia-farao-nova-proposta-de-governo-de-unidade-18546236#ixzz3ySTXKpkW
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s