Europa tem protestos contra imigrantes

Milhares de pessoas foram às ruas em diversos países; dezenas foram presas.

DRESDEN — Milhares de pessoas participaram ontem de manifestações anti-imigrantes em diversas cidades da Europa convocadas pelo movimento islamofóbico Pegida. Os principais protestos foram em Dresden, no Leste da Alemanha, onde se concentraram entre seis mil e oito mil pessoas, e em Praga, onde marcharam cinco mil pessoas.

Também foram registradas manifestações em França, Eslováquia, Áustria, Holanda, Irlanda, Polônia e Reino Unido. Dezenas de pessoas foram presas durante os protestos contra a entrada de refugiados na Europa.

Linha dura. Manifestantes do movimento alemão Pegida levam faixa onde se lê “Maomé não é bem-vindo”, na cidade de Apeldoorn: grupo se difunde pelo descontentamento dos europeus com partidos conservadores tradicionaisGrupo alemão de extrema-direita ganha adeptos no restante da Europa

Milos Zeman criticou a aceitação de imigrantes nos países europeus
Integração de muçulmanos na Europa é quase impossível, diz presidente tcheco
As manifestações realizadas ontem, batizadas de “Fortaleza Europa”, foram convocadas no fim de janeiro pelo Pegida, como é conhecido o movimento de extrema-direita alemão Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente.

Em Dresden, o berço do Pegida, os manifestantes agitaram bandeiras com dizeres contra a chanceler federal Angela Merkel, criticada por seus projetos de acolhimento de imigrantes. No ano passado, 1,1 milhão de refugiados pediram asilo no país, um recorde histórico.

— Temos de ter êxito em guardar e controlar as fronteiras externas e internas de novo — pregou Siegfried Daebritz, do Pegida.

Por outro lado, muitas cidades também receberam comícios contra o movimento. Em Dresden, 3.500 pessoas reivindicaram a tolerância aos imigrantes. Os cartazes tinham inscrições como “Não há lugar para nazistas” e “Não temos necessidade de xenofobia, nem de demagogia, nem de Pegida”.

IGREJA PEDE LIMITES

Numa entrevista publicada no jornal “Passauer Neue Presse”, o cardeal Reinhard Marx, presidente da Conferência Episcopal alemã, afirmou que o governo precisa “reduzir o número de refugiados”.

— A Alemanha não pode acolher todos os necessitados do mundo — enfatizou, pedindo que, neste caso, não se leve em conta apenas “a caridade, mas também a razão”.

Merkel anunciou no fim do mês novas restrições para reduzir o fluxo imigratório.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/europa-tem-protestos-contra-imigrantes-18627127#ixzz3zimYaETq
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s