‘Não venham à Europa’, pede Tusk a migrantes econômicos

Presidente do Conselho Europeu também irá para a Turquia discutir a crise migratória

ATENAS — Após uma reunião sobre a crise de refugiados em Atenas com o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, pediu nesta quinta-feira que os migrantes econômicos desistam de ir à Europa e pediu mais unidade entre os países do bloco para lidar com a situação. Mais tarde, Tusk viajará à Turquia, onde se encontrará com o premier turco, Ahmet Davutoglu.

Veja também

— Quero lançar um apelo a todos os migrantes econômicos ilegais potenciais, de onde forem. Não venham à Europa. Não acreditem nos traficantes. Não coloquem em risco suas vidas e seu dinheiro. Tudo isso não servirá de nada — disse em uma entrevista coletiva, ressaltando que nem a Grécia, nem nenhum outro nação europeia pode continuar sendo países de trânsito.

Tusk aproveitou a ocasião para prometer que os regulamentos do acordo Schengen (que permite a livre circulação de pessoas) voltarão a ser aplicados e criticou as decisões unilaterais tomadas por alguns países do bloco europeu na tentativa de conter a crise migratória. Para ele, prejudicam a solidariedade entre os parceiros.

— As decisões unilaterais, sem coordenação prévia, embora sejam compreensíveis em um contexto nacional, prejudicam o espírito europeu de solidariedade — afirmou, fazendo um alerta: — A Grécia vai requerer que todos os países respeitem o Tratado Europeu e que haja sanções para aqueles que não o fizerem.

Nas últimas semanas, as nações dos Bálcãs limitaram a entrada de imigrantes a 580 por dia, uma medida encabeçada pela Áustria e seguida por Macedônia, Sérvia, Croácia e Eslovênia que criou um gargalo na Grécia. Com os guardas bloqueando a passagem do território grego para o macedônia, foram registrados confrontos entre imigrantes e policiais nos últimos dias.

Por sua parte, Tsipras disse que a Grécia continuará fazendo o que for possível para garantir que imigrantes ou refugiados não fiquem sem assistência, mas ressaltou que o país não pode suportar o peso da crise sozinho.

Nós não vamos permitir que a Grécia ou qualquer outro país se transforme em um armazém de almas — disse o premier grego.

IMIGRANTES NÃO PARAM DE CHEGAR

Desde o início de janeiro, mais de 131 mil imigrantes desembarcaram no continente europeu pelo mar Mediterrâneo — número que supera a quantidade de pessoas entraram na Europa nos primeiros cinco meses do ano passado, segundo a ONU. Dentre os refugiados, houve mais de 410 mortes durante as perigosas travessias marítimas clandestinas que chegam, sobretudo, à costa grega.

Para lidar com a crise, a UE propôs na quarta-feira um novo programa de ajuda no valor de de 700 milhões de euros, similar ao tipo de alívio para desastres oferecido para países em desenvolvimento. Se aprovado, o projeto irá destinar neste ano 300 milhões de euros do orçamento anual, principalmente para a Grécia, e prevê usar 200 milhões de euros nos próximos dois anos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/nao-venham-europa-pede-tusk-migrantes-economicos-18793777#ixzz41tVy5R1p
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s