Líderes cristãos são discriminados pelo governo turco

Líderes cristãos questionam o salário que o governo turco paga aos líderes muçulmanos

9_Turquia_0110100228

No dia 20 de janeiro, o veículo de comunicação Al-Monitor publicou um artigo sobre a organização do governo turco e como eles protegem os muçulmanos em relação aos outros líderes religiosos. O Diyanet, que é o Departamento de Assuntos Religiosos do país, emprega 100 mil funcionários religiosos muçulmanos sunitas, com seus salários pagos pelo Estado. Já os não-muçulmanos, incluindo os não-sunitas, não são remunerados pelo governo e esta política tem sido oficial desde 2010. Ocupando a 45ª colocação na Classificação da Perseguição Religiosa deste ano, a Turquia tem a forte presença do islã radical, além de conflitos étnicos e recentes mudanças políticas que afetam o cristianismo.

O Al-Monitor ainda afirmou em sua reportagem que a fundação cristã Boyacikoy Yerits Mangonts Church, recentemente levou a questão para o Diyanet e pediu o pagamento de seus membros também, mas o Departamento recusou. Os cristãos decidiram levar a questão ao Provedor de Justiça Nacional alegando que não há nenhuma cláusula da Constituição que oficializa o islamismo como religião estatal e muito menos que apenas os muçulmanos recebam salários e benefícios do governo. Em outras palavras, a alegação afirmou que o Diyanet está violando os princípios constitucionais da igualdade entre os cidadãos. Eles não tiveram apoio do Ministério de Finanças que também se negou a remunerar líderes religiosos não muçulmanos.

Um dos analistas de perseguição da Portas Abertas enxerga a situação como uma das últimas “convulsões” do secularismo turco tradicional. “A laicidade não é mais respeitada pelo governo de Ancara, a capital da Turquia. O objetivo dos líderes políticos é a islamização, então, é muito provável que o primeiro-ministro não concorde em pagar salários para os líderes religiosos não muçulmanos. Os cristãos turcos não estão realmente interessados no salário que o governo oferece, já que a remuneração com certeza vai acarretar na interferência permanente do Estado em relação aos projetos religiosos. A alegação dos líderes é somente para alertar sobre a discriminação e tentar fortalecer a laicidade do país, o que não é uma tarefa fácil, já que os planos parecem ter sido traçados pelos muçulmanos há vários anos. Ore por essa nação.

Leia também
Islã nacionalista pode oprimir ainda mais os cristãos na Turquia

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/03/lideres-cristaos-sao-discriminados-pelo-governo-turco

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s