Secretário-Geral da ONU admite que removeu Arábia Saudita da lista de “assassinos de crianças” devido à extorsão

O Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon reconheceu publicamente quinta-feira que removeu a liderança saudita da coalizão que está bombardeando o Iêmen de uma lista negra de assassinos de crianças – 72 horas depois que foi publicada – devido a uma ameaça financeira para não enviar fundos a programas das Nações Unidas.

O secretário-geral não revelou o nome da fonte da ameaça, mas reportagens indicaram que veio diretamente do governo saudita.

O relatório da ONU de 2015 “Crianças e Conflitos Armados”  originalmente coloca a coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen em “partes que matam ou mutilam crianças” e “partes que se envolvem em ataques a escolas e / ou hospitais.” O relatório, que foi com base no trabalho dos investigadores da ONU no Iêmen, atribui u ao bombardeio da coalizão 60% das 785 crianças mortas e 1.168 feridos.

Após altas objeções públicas do governo saudita, Ban disse na segunda-feira que estava revisando o relatório para “rever em conjunto os casos e números citados no texto,” a fim de “refletir os mais elevados padrões de precisão possível.”

Mas na quinta-feira, ele descreveu sua verdadeira motivação. “O relatório descreve horrores que nenhuma criança deve ter de enfrentar”, disse Ban numa conferência de imprensa. “Ao mesmo tempo, eu também tinha que considerar a possibilidade muito real de que milhões de outras crianças iriam sofrer muito se, como me foi sugerido, os países impedissem a remessa de fundos a muitos programas da ONU. Crianças já em risco na Palestina, Sudão do Sul, Síria, Iêmen e muitos outros lugares iriam cair ainda mais no desespero “.

A Arábia Saudita é um dos maiores doadores da ONU no Oriente Médio, dando centenas de milhões de dólares por ano para programas de alimentação da ONU na Síria e no Iraque. Em 2014, a Arábia Saudita deu $ 500.000.000 – a maior doação única humanitária à ONU – para ajudar os iraquianos deslocados pela ISIS. Nos últimos três anos, a Arábia Saudita também se tornou o terceiro maior doador para agência de ajuda da ONU na Palestina, dando dezenas de milhões de dólares para ajudar a reconstruir Gaza e ajudar refugiados palestinos.

“É inaceitável que os Estados membros exerçam pressões indevidas”, disse o secretário-geral. “Escrutínio é uma parte natural e necessária do trabalho das Nações Unidas.”

Ban chamou a decisão de “uma das decisões mais dolorosas e difíceis que tive de fazer.”

O Embaixador saudita na ONU Abdallah al-Mouallimi, que realizou depois uma conferência de imprensa, ofereceu a sua própria versão desajeitada do que aconteceu. “Nós não usamos ameaças”, disse ele, “mas essa lista, obviamente, terá um impacto sobre as nossas relações com a ONU”

“Não está no nosso estilo, não está em nossos genes, não é da nossa cultura usar ameaças e intimidações”, concluiu.

Ban convidou uma equipe da coalizão liderada pela Arábia Saudita a se dirigir à Nova York para realizar uma “revisão conjunta” à frente das discussões da ONU agendadas no relatório, prevista para agosto.

Na segunda-feira, no entanto, após as mudanças serem anunciadas, o embaixador saudita na ONU declarou que as mudanças foram “finais e incondicionais” e que a Arábia Saudita tinha sido “justificada”.

https://theintercept.com/2016/06/09/u-n-chief-admits-he-removed-saudi-arabia-from-child-killer-list-due-to-extortion/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s