Ataque em festival religioso deixa ao menos quatro mortos em Bangladesh

Cerca de 300 mil pessoas participavam de cerimônias para marcar o fim do Ramadã na cidade de Kishoreganj

DACA — Militantes atacaram nesta quinta-feira policiais de Bangladesh que protegiam o maior festival do país que marca o fim do Ramadã, matando três pessoas e ferindo outras 14, dias após o Estado Islâmico (EI) reivindicar responsabilidade por um grande ataque na capital. Um dos terroristas foi morto.

Ao menos cinco militantes atacaram um posto policial na cidade de Kishoreganj, a cerca de 140 quilômetros da capital, Daca, com pequenas bombas e então seguiram para cima da polícia com “armas afiadas”, disse o chefe distrital, Mohammad Azimuddin Biswas.

Até 300 mil pessoas se juntaram para cerimônias religiosas para marcar o festival de Eid al-Fitr na cidade durante o momento de violência, cerca de uma semana após militantes do EI matarem 20 pessoas em um ataque em uma cafeteria em Daca.

Um policial foi morto em uma explosão e outro foi morto a facadas. Uma mulher que participava do festival também foi morta.

Um agressor foi morto e três foram presos, disseram autoridades. Não ficou imediatamente claro a qual grupo eles pertencem.

— A reunião dos fiéis não foi afetada pelos confrontos — disse à AFP Azimuddin Biswas, administrador do distrito.

O ataque é o mais recente em um surto de violência na nação de 160 milhões de habitantes no sul da Ásia.

APELO POR PAZ

Nas celebrações do Eid al-Fitr, líderes religiosos fizeram um apelo a favor da paz. Na capital do país, a maior cerimônia religiosa pelo fim do Ramadã reuniu mais de 50 mil pessoas.

A polícia utilizou equipamentos e cães farejadores para detectar bombas. Os fiéis foram proibidos de carregar bolsas e foram obrigados a esperar uma hora antes de entrar no local da cerimônia.

O país também enfrenta desde o início do ano uma onda de assassinatos de intelectuais, membros de minorias religiosas e blogueiros ateus, em atos reivindicados pelo Estado Islâmico e por um braço da Al-Qaeda.

Porém, o governo se nega a admitir a presença de redes extremistas internacionais em seu território. O Executivo atribuiu o ataque de Dacca a um grupo islamita local que é considerado ilegal há 10 anos.

Em junho, o governo iniciou uma operação contra os jihadistas locais e mais de 11 mil pessoas foram detidas. Para os críticos do governo, as detenções foram arbitrárias ou pretendiam calar os opositores políticos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/ataque-em-festival-religioso-deixa-ao-menos-quatro-mortos-em-bangladesh-19662005#ixzz4DjVf48hl
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s