Ex-muçulmana grávida convertida ao cristianismo é decapitada pela família no Egito

EGITO – Quatro anos atrás, em Alexandria, no Egito, uma muçulmana de 22 anos, chamada Marwa A. E. se divorciou do seu marido muçulmano. Mais tarde, ela se apaixonou pelo vizinho, um jovem cristão copta. Ela, então, converteu-se ao cristianismo, se casou com o cristão e o casal se mudou para uma vila distante a fim de se esconder de possível vingança. Eles tiveram dois filhos e ela estava grávida de dois meses. Na semana passada, o casal decidiu visitar secretamente sua igreja em Alexandria para ter alguma comunhão com outros cristãos amigos e parentes na igreja. Quando Marwa retornava da igreja e caminhava para a casa da amiga, sua filha (fruto do casamento com o muçulmano) a reconheceu e irada resolveu informar aos demais parentes o paradeiro da mãe.

O tio e irmão de sua mãe imediatamente adotaram o “costume” utilizado em casos semelhantes: sequestraram a cristã convertida e levaram-na para a casa da família onde foi mantida sob “cárcere tribal” até que negasse a nova fé.

A ira não apenas terminar aqui, e o tumulto em seguida, entra em erupção na aldeia de Tamia, onde os muçulmanos criam confusão na vila onde o casal tinha residência e começa o litígio dos muçulmanos contra os cristãos que são acusados de abrigar uma fugitiva e converter Marwa do islamismo para o cristianismo.

A família muçulmana de Marwa, em seguida, exige para impor os termos de uma trégua, que seja determinado como punição que todos os cristãos tenham o prazo de 10 dias para vender todas as suas propriedades e deixar Tamia com seus pertences. No entanto, o marido cristão e os dois filhos de Marwa só seriam poupados da morte na condição de Marwa dar a sua vida de acordo com a justiça da Sharia (lei islâmica).

Em seguida, o diretor de segurança da região, Major General Nasser Abed, supervisionou o acordo entre a família muçulmana e várias famílias cristãs na aldeia de Tamia para garantir a evacuação dos cristãos do local.

E para encerrar o conflito entre as duas partes, o tio de Marwa , o irmão e todos os primos, em seguida, levaram Marwa ao amanhecer para ser decapitada. A pessoa que fez a decapitação foi a irmã de Marwa, a fim de ensinar uma lição a todas as mulheres que deixam o islã. Em seguida, o corpo da cristã foi deixado em um cemitério próximo.

A tenebrosa realidade no Egito é que esses convertidos não têm defesa e a igreja cristã copta tem as mãos amarradas temendo perseguição.

Fonte: http://shoebat.com/2015/11/26/88507/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s