A Herança da Cultura do Ódio

  • “Eu odeio os cristãos e os judeus. Não sei porque. Não tenho nenhum motivo aparente para odiá-los, mas eu sempre ouço minha mãe falar mal deles. Ela também os odeia e é por isso que eu os odeio, acho eu. Mamãe sempre me disse que os muçulmanos são o povo escolhido por Alá” — F., uma menina tunisiana de 15 anos de idade.

  • “Eles diziam que aqueles que não são muçulmanos merecem morrer e que não devemos ter nenhuma piedade para com eles. De um jeito ou de outro eles queimarão no inferno”. — M., um menino tunisiano de 16 anos de idade.
  • Pessoas que não leem tendem a temer o que não entendem e esse medo pode se transformar em suspeição, agressão e ódio. Estas pessoas precisam preencher o vazio para remover o desconforto, então elas se voltam para o terrorismo para criar uma meta em suas vidas: defender o Islã.
  • Como a maioria dos tunisianos não lê, assiste muito à TV. “Depois de assistir a série Hareem Al Sultan, eu queria ser uma das concubinas do sultão e viver na época do Império Otomano, eu queria ser como elas”, revelou S., uma menina de 14 anos de idade.

Um relatório do Pew Research Center publicado em 2013, intitulado: “Religião, Política e Sociedade dos Muçulmanos no Mundo“, explora as atitudes e opiniões dos muçulmanos ao redor do mundo em matéria de religião e seu impacto na política, ética e ciência.

Em uma sondagem realizada entre novembro e dezembro de 2011 foram entrevistados 1450 tunisianos muçulmanos de todas as 24 províncias da Tunísia. De acordo com o estudo, 50% dos tunisianos consideram estar em conflito entre a religião e o mundo moderno. Segundo o levantamento, 32% dos tunisianos consideram o divórcio antiético — o maior índice do mundo árabe e muçulmano — se comparado com os 8% do Egito, 6% do Líbano e 3% da Jordânia. Apesar de 46% dos entrevistados responderem que a religião é compatível com o mundo moderno, o estudo indicou que a população da Tunísia está mais propensa a defender a escolha individual — com 89% a favor — do uso da nicabe (véu que cobre o rosto).

Na mesma linha, com base no relatório das Nações Unidas e segundo o levantamento da Quilliam Foundation em 2014, os terroristas tunisianos representam o maior contingente (3.800) dos terroristas estrangeiros acantonados na Síria e no Iraque. As autoridades sírias também confirmaram que os terroristas tunisianos já ultrapassam a marca dos 10.000, de um total de 48.000 terroristas em território sírio.

Quais são as principais razões para que haja um índice tão elevado de terroristas da Tunísia?

As religiões, em geral, atuam como faca de dois gumes: elas contribuem na resolução de muitos problemas sociais e ajudam a promover segurança e proteção, devido à imposição de leis éticas. Espera-se que a maioria das pessoas não cometa crimes por temer a Deus e a sua punição. A religião também pode representar segurança e estabilidade psicológica para determinadas pessoas que precisam ser tranquilizadas pela crença de que uma força ilimitada de bondade toma conta delas.

Por outro lado, muitas pessoas têm interpretado mal a religião — às vezes de forma deliberada, às vezes não — tantas outras vezes criam conflitos entre etnias e religiões, como o conflito entre judeus e muçulmanos. A religião, portanto, também tem sido usada para incitar a violência, o ódio e as guerras — assim como o faz o ISIS, um grupo jihadista salafista, que está recrutando cada vez mais soldados do mundo inteiro.

A maioria dos jihadistas é doutrinada desde a mais tenra infância por intermédio de programas de televisão. Por exemplo, o Spacetoon, um programa infantil da TV árabe, criou uma personagem chamada Fulla. O programa normalmente mostra Fulla como uma pessoa devota, rezando, usando a hijab — imagem esta que influencia um grande número de crianças. Y., uma menina de 15 anos, explica:

“Quando eu era mais jovem, com sete ou oito anos de idade, eu costumava assistir Fulla e pedir à minha mãe para usar uma hijab como ela, uma vez que eu achava que era assim que uma mulher deveria se vestir. Eu também tentei usar a hijab diversas vezes e pedia à minha mãe para me deixar usá-la”.

Os jardins de infância também desempenham um importante papel na doutrinação das crianças.

“No jardim de infância os professores costumavam contar como nós seríamos punidos depois da morte, como queimaríamos no inferno se nos comportássemos mal. Tive tanto medo ao ouvir essas histórias que imaginava cenas terríveis na minha cabeça”, segundo relatou T., um menino de 15 anos de idade.

As escolas na Tunísia lecionam educação religiosa compulsoriamente logo no 1º ano do ensino fundamental, para ajudar as crianças a descobrirem e compreenderem os fundamentos da sua religião.

“Eu costumava colar nas provas de educação religiosa que ocorriam no final de cada período,” disse E., uma menina de 15 anos de idade.

“Eu não colava porque eu era preguiçosa, mas porque tínhamos apenas uma hora a cada período para estudar teologia na classe, na qual o professor nos dava uma longa surata (capítulos do Alcorão) e algumas citações do Hádice do profeta. Não entendíamos nada durante a aula, alguns de nós decoravam os textos sem entender seu significado. Outros colavam porque não conseguiam aprender algo que não entendiam. O problema é que a escola não nos dava a oportunidade de saber nada sobre outras religiões, já que os judeus e os cristãos são considerados para a maioria dos muçulmanos kuffar (infiéis)”.

Esta cultura de ódio herdada em relação às outras religiões criou uma forma extremista de pensamento e um sentimento de superioridade.

“Eu odeio os cristãos e os judeus. Não sei porque. Não tenho nenhum motivo aparente para odiá-los, mas eu sempre ouço minha mãe falar mal deles. Ela também os odeia e é por isso que eu os odeio, acho eu. Mamãe sempre me disse que os muçulmanos são o povo escolhido por Alá”, disse F., uma menina de 15 anos de idade.

“Depois do ataque em Nice, vi amigos meus nas redes sociais expressando desaprovação em relação àqueles que demonstravam empatia para com as vítimas. Eles diziam que não muçulmanos merecem morrer, que não devemos ter nenhuma piedade para com eles. De um jeito ou de outro eles queimarão no inferno”, disse M., um menino de 16 anos de idade.

Essa maneira extremista de pensar é reforçada pelo fato de que 80% dos tunisianos não leem livros, de acordo com um estudo realizado em março de 2015. Pessoas que não leem vivem em um vazio emocional: eles tendem a temer o que não entendem e esse medo pode se transformar em suspeição, agressão e ódio. Estas pessoas precisam preencher o vazio para remover o desconforto, então elas se voltam para o terrorismo para criar uma meta em suas vidas: defender o Islã.

“Eu conheço um rapaz tunisiano que mora na Arábia Saudita com seus pais e costuma viajar para a Tunísia para passar as férias no meu bairro”, disse R., uma menina de 14 anos de idade.

“Ele era um adolescente normal de 15 anos que costumava jogar futebol com meu irmão e seus amigos. Recentemente todos notaram que o menino se isolou e começou a ler livros sobre a fé e o Islã. Um dia ele chegou para o meu irmão e seus amigos e lhes disse para pararem de jogar futebol, que futebol era haram(proibido). Logo depois, ele foi visto na vizinhança, caminhando na escuridão, lendo o Alcorão.”

Como a maioria dos tunisianos não lê, assiste muito à TV. “Hareem Al Sultan” (“harém do sultão”), uma série da TV turca é muito popular na Tunísia. A série mostra como as atraentes concubinas procuram seduzir o sultão com a dança, canto, sendo obedientes e submissas — tudo aquilo que pode incentivar as meninas a se juntarem à jihad al-nikah (“jihad sexual“), através da qual as meninas proporcionam sexo aos jihadistas.

“Depois de assistir a série Hareem Al Sultan, eu queria ser uma das concubinas do sultão e viver na época do Império Otomano, eu queria ser como elas”, revelou S., uma menina de 14 anos de idade.

“O Harém do Sultão”, uma série da TV turca, muito popular na Tunísia, mostra atraentes concubinas procurando seduzir o sultão com a dança, canto, sendo obedientes e submissas — tudo aquilo que pode incentivar as meninas a se juntarem à “jihad sexual”, através da qual elas proporcionam sexo aos jihadistas.

Todos esses fatores contribuem indiretamente para a formação do modo de pensar de um extremista e de um terrorista. Sempre achamos que é no Iraque ou na Síria que devemos lutar contra o terrorismo. Mas o campo de batalha está nas escolas, nos lares, na televisão e nas redes sociais. É lá que temos que lutar contra as ideologias extremistas e contra o ódio racial e religioso — eles são o ponto de partida de todos os terroristas.

Tharwa Boulifi, de 15 anos de idade, vive na Tunísia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s