Paquistão: muçulmano mata a irmã por se casar com cristão

Shoebat – Uma mulher muçulmana no Paquistão se casou com um homem cristão. Alguns muçulmanos  disseram ao seu irmão que “seria melhor matar a irmã. É melhor do que deixá-la ter essa relação “. Ele, então, pegou uma pistola e atirou na cabeça da irmã. E ainda disse: “Eu não podia deixá-la ir. Era tudo que eu conseguia pensar. Eu tive que matá-la “.

Durante dois meses, os colegas de trabalho zombavam de Mubeen Rajhu por causa de sua irmã.

Algumas pessoas tinham visto Tasleem numa comunidade em Lahore com um homem cristão. Ela tinha 18 anos, uma boa menina muçulmana, em público com um homem. Mesmo que o homem se convertesse ao Islã por amor a ela, isso não poderia ser permitido.

“Alguns caras tem que saber que sua irmã estava tendo um relacionamento”, diz Ali Raza, um colega de trabalho na fábrica. “Eles diziam: ‘Você não pode fazer nada? Qual é o seu problema? Você não é um homem. “

Rajhu lhes disse que tinha comprado uma pistola, e um dia em agosto, ele parou de vir para o trabalho. Rajhu descobriu que sua irmã tinha desafiado a família e se casou com o cristão. Durante seis dias, ele andava. Sua raiva cresceu. Como poderia?

Ele olhou para ela rindo ao telefone, ignorando os apelos de sua mãe para deixar o homem.

No sétimo dia, ele pegou a pistola de onde ele havia escondido e se aproximou de sua irmã e com uma bala na cabeça, ele a matou.

___

Por gerações no Paquistão, eles chamam de “honra” o assassinato, realizado em nome da reputação de uma família.

Os assassinos rotineiramente invocam o Islã, mas raramente eles podem citar qualquer coisa que não seja a sua crença de que o Islã não permite a mistura dos sexos. Mesmo o linha-dura Conselho de Ideologia Islâmica do Paquistão – que é pouco conhecido por falar de proteger as mulheres – diz que a prática desafia princípios islâmicos.

Não importa: em favelas e distantes aldeias, longe dos centros das cidades cosmopolitas, as pessoas vivem em um mundo onde a religião está intimamente ligada à cultura e tradição, onde conselhos tribais podem encomendar punições publicamente às mulheres, e uma família pode decidir matar um dos seus próprios, mesmo para vingar um delito cometido por outra pessoa.

Na grande maioria dos casos, o assassino de “honra” é um homem e a vítima é uma mulher.

Ela é uma irmã que se apaixona por um homem que não é da escolha de sua família. Ela é uma filha que se recusa a aceitar um casamento arranjado, às vezes com um homem com idade para ser seu pai. Ela é uma mulher que não quer ficar em um casamento abusivo e se divorcia de seu marido.

Ele é um irmão, como Rajhu, que não pode suportar as provocações de outros homens, acreditando que as mulheres são subservientes e devem ser mantidas nas sombras, e o seu valor muitas vezes é medido pelo número de filhos que elas podem gerar. Ele é um vizinho, como Raza na fábrica, que pensa que seu amigo não fez nada de errado ao tirar a vida de sua irmã. Ele é um pai, como Tasleemo, que está com raiva do assassinato não porque ela está morta, mas porque sua morte vai revelar sua “vergonha” para outros membros da família e demais conhecidos.

O Paquistão tem visto um aumento no número de mulheres e meninas mortas em nome da honra: no ano passado, 1.184 pessoas morreram, apenas 88 deles homens. No ano anterior, o valor era de 1005, e em 2013, foi de 869, de acordo com a Comissão Independente de Direitos Humanos do Paquistão. Acredita-se que os números verdadeiros dever ser ultrapassar os informados, pois muitos casos não são notificados.

Os assassinatos têm alimentado uma crescente indignação pública na prática e um coro de vozes dizendo que não há honra em matar – unicamente desonra. Eles estão trabalhando para fechar a brecha legal que permite que os assassinos fiquem em liberdade.

A proliferação de canais de televisão e jornais trouxe os horrores de meninas estranguladas, queimadas vivas ou com um tiro na cabeça para fora do sigilo da casa e para o público.

Mas para muitos que têm vindo a lutar contra este tipo de morte, é a mentalidade do rapaz que poderia matar sua irmã, ou o pai que poderia matar uma filha, que tem de ser entendida e mudar.

Rajhu diz que amava sua irmã, uma jovem quieta que nunca antes tinha se rebelado contra sua família. Certa vez, ele lhe deu uma chance, exigindo que ela jurasse no livro sagrado do Islã, o Alcorão, que nunca iria se casar com o homem. Assustada, ela jurou que não iria.

“Eu lhe disse que não teria cara para mostrar na fábrica, para mostrar aos meus vizinhos, por isso não deveria me desobedecer. Mas ela não quis me ouvir “, diz ele.

___

O pai da jovem assassinada, Mohammed Naseer Rajhu, estava relutante em admitir visitantes em sua casa pobre. Os quartos são tão pequenos, mal há espaço para um banco de madeira deteriorada e a cama tradicional, onde ele se senta. Na cozinha, o sangue de Tasleem ainda mancha a parede áspera.

Ele está convencido de que a imagem da filha morta não pode ser veiculada em vídeo ou em uma fotografia de acordo com a sua interpretação do Islã, que alguns dizem proibir imagens humanas. Ele diz que é a razão da família não ter fotos de Tasleem, a quem os vizinhos chamavam atenção pela beleza. A única imagem de Tasleem, com o cabelo preto grosso caindo descuidadamente sobre o rosto, foi levada pela polícia depois de sua morte.

“Nunca você pode mostrar o meu rosto. Meu filho matou a minha filha para salvar seu rosto, para não ter ninguém vendo o rosto de sua irmã, e agora você está me pedindo para fazer a mesma coisa “, diz ele.

Ele concorda, por breves minutos falar com a cabeça virada para longe da câmera até mesmo isso é demais. Sua indignação cresce – tudo isso dirigida a sua filha.

Ele está com raiva do seu filho matar a irmã por apenas dois motivos: o jovem está na cadeia e não vai mais a ganhar cerca de US$ 200 por mês, e sua família, espalhada por todo o Paquistão, vai saber mais rápido as indiscrições de Tasleem.

“Minha família está destruída”, diz ele, levantando a voz. “Tudo está destruído somente por causa dessa menina vergonhosa. Mesmo após a morte, eu estou destruído por causa dela “.

Mais tarde, sentado nos degraus quebrados da casa do seu vizinho, ele concorda firmemente como seus vizinhos que elogiam o homem que matou sua irmã.

“Estou orgulhoso deste homem porque ele fez a coisa certa ao matá-la”, diz um deles, um homem com uma barba desgrenhada chamado Babar Ali. “Não podemos permitir que qualquer pessoa se case fora da nossa religião. Ele fez a coisa certa.”

Depois que seu filho matou Tasleem, o pai foi à polícia e apresentou uma queixa. No Paquistão, os pais muitas vezes fazem isso não para ver o assassino punido, mas para estabelecer as bases legais para que eles possam perdoar o culpado – uma brecha legal que os ativistas estão lutando para ter fim.

Ele não disse explicitamente que ele perdoa o filho, mas é claro que ele acha que o jovem tinha todo o direito de matar sua irmã.

Mais informações: http://shoebat.com/2016/10/03/muslim-woman-marries-a-christian-man-some-muslims-tell-her-brother-it-would-be-better-to-kill-your-sister-it-is-better-than-letting-her-have-this-relationship-he-takes-a-gun-and-blows-her-brai/

Anúncios

Uma opinião sobre “Paquistão: muçulmano mata a irmã por se casar com cristão”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s