Pais alemães enfrentam tribunal por não permitirem viagem do filho para mesquita sob o comando da escola

Os pais de um adolescente alemão podem enfrentar um julgamento e uma multa por “falta às aulas” depois de se recusarem a permitir que seu filho fosse a uma mesquita local em uma excursão escolar por medo de que isso levasse à sua “doutrinação” pelos radicais islâmicos.

Reuters  – Em junho, os pais de um estudante de 13 anos se opuseram à ideia de que seu filho visitasse uma mesquita na cidade de Rendsburg, no norte da Alemanha, visita organizada como parte de uma aula de geografia.

Em uma carta ao professor citado pelo NDR, o pai do adolescente argumentou que seu filho seria “doutrinado” na mesquita. Ele prosseguiu dizendo que “há anos temos ouvido relatos de violência motivada na religião ligada ao povo islâmico”.

Uma autoridade local de educação posteriormente multou o casal em um total de € 300 ($ 328), referindo-se a regulamentos escolares e leis regionais que incluem penalidades por ausência escolar.

Quando os pais se opuseram à multa, o caso foi encaminhado a Peter Mueller-Rakow, um promotor local, que decidirá se deve ou não prosseguir com um julgamento judicial, informou Spiegel na quarta-feira.

O advogado dos pais, Alexander Heumann, argumenta que eles recusaram a viagem escolar por medo da “segurança física” de seu filho.

Negando qualquer motivação baseada na fé, ele enfatizou que o casal não pertence a nenhum grupo religioso, e são de opinião que “ninguém será forçado a ir a um lugar sagrado contra a sua boa vontade”.

Heumann, no entanto, é um ex-membro do partido Alternativa para a Alemanha, um grupo político anti-imigrante, e participou na criação da “Pegida”, um ramo do movimento de extrema-direita PEGIDA.

De acordo com o relatório da NDR, os pais encontraram-se com o advogado através do movimento “Pax Europa”, um grupo cívico que se opõe à “islamização da Europa”.

A história provocou um debate acalorado entre os usuários da mídia social, com muitos dizendo que visitar mesquitas não tem nada a ver com geografia ou aulas de escola.

“Que viagem à mesquita tem a ver com as aulas de geografia?”, Perguntou um usuário chamado Arthur Dent.

Outros compararam as ações das autoridades com a parte mais escura da história da Alemanha, com um usuário tweetando: “Visitar mesquitas é uma prioridade em nosso regime, semelhante a ter uma imagem de Fuhrer no apartamento de todos”.

“Se os pais obtiverem o veredicto do tribunal, eu vou votar na AfD”, prometeu o usuário do Twitter Sarah S.

No entanto, a diretora da escola, Renate Fritzsche, disse à NDR que a excursão à mesquita destinava-se a promover tolerância e diversidade.

“Nós também temos crianças muçulmanas conosco e os pais muçulmanos também sabem que não há exceções”, disse ela, acrescentando que as aulas de natação e educação sexual também são obrigatórias para crianças muçulmanas. “Não é responsabilidade dos pais dizer: ‘Meu filho vai assistir a essa ou aquela classe'”, afirmou Fritzsche.

O incidente certamente vai acrescentar ao debate em curso na sociedade alemã, que ainda está lutando para encontrar o equilíbrio certo entre liberdade religiosa e outras preocupações das pessoas. Os críticos da introdução do Islã como parte integrante da paisagem cultural jogam sobre os temores populares da islamização, que é alimentada pela atual crise dos imigrantes.

Algumas vozes moderadas propõem, ao invés, engajar mais os muçulmanos nas comunidades, ou mesmo elaborar uma nova versão do Islã que se adapte mais aos valores democráticos e à cultura européia.

https://www.rt.com/document/5812040dc461884f4e8b459d/amp

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s