O Terror Disfarçado de Religião: EI clama por Ataques durante o Ramadã

por Amir Kater

No último sábado se iniciou o Ramadã, nono mês do calendário islâmico, onde “Maomé”, Mohamad, teria recebido a “iluminação” sobre os primeiros versos do “Al Kouran” e de como deveriam servir a “Allah”. Esse período é de um mês no calendário islâmico, é o mesmo mês em que o EI conclama mais ataques na Europa.

Certamente que pensando na questão de “iluminação divina” a última coisa que se deveria fazer é a conclamação de ataques pelo mundo a fora. Mas claro que o Estado Islâmico assim como outros grupos, talvez de menor expressão, não poderiam deixar de fazer o que sabem melhor; promover o terror.

O que já se mostra factível, pois se nesse período os seguidores de “Maomé” devem além do jejum integral (de comida e bebida) durante o período noturno, a ideia é de que se desprendam dos bens materiais enaltecendo as reflexões, a contrição e levando-os ao desapego material. Teria momento melhor, para estes que dão apoio, simpatizam ou participam da mentalidade do EI para morrer, mesmo que levando calmos e tranquilos, “infiéis” junto? Não, não há!

Mas há a utopia em afirmar, na Europa, que o aparato de segurança está alerta e atento; devemos nos perguntar se, o alerta, será da mesma forma que vimos quando da explosão em show há cerca de uma semana em Manchester. Afinal se a operacionalidade de triagem, inteligência e proteção dos “infiéis” for igual ao daquela noite, só podemos lastimar as consequências.

Mas voltando; dias atrás o grupo “DAESH” (Estado Islâmico) conclamou, mais uma vez,  para que seus seguidores e/ou simpatizantes, por que não, para que iniciem uma onda de ataques de “guerra total” contra os infiéis daquele continente. Mas é compreensível, por pior que pareça, que tal chamado seja feito nessa época e  possa fazer com que haja ataques em qualquer ponto do globo, onde haja seguidores ou simpatizantes desse grupo. E não só na Europa.

Por outro lado, por mais que pareça estranho Trump, que recentemente esteve em Israel e Vaticano, que tenta desde o início de mandato a proibição de entrada solo Estadunidense de pessoas oriundas de 06 (seis) países de “fé” muçulmana (Somália, Líbia, Irã, Iêmem, Sudão e Síria) acaba por expedir nota com votos de “bom ramadã”. Ao mesmo tempo em que reforça que o Ocidente não pode se dobrar ou aceitar qualquer tipo de violência, importante é que o tal presidente, Trump, invoca o sentimento, se é que há algum, islâmico do período do ramadã para frisar que não podemos nos curvar ou aceitar a violência. Mas deveria ter inserido no contexto de suas palavras que não se pode aceitar a violência, e, ainda mais, o terrorismo, em qualquer época, sendo ramadã ou não; até por que, esses que conclamam ataques sangrentos para esse período, já deixaram claro que não aceitaram ou aceitarão qualquer comemoração cristã ou de outras denominações religiosas.

Para piorar, são apoiados por lideranças do sistema teo-político colonizador, que bradam aos sete ventos, que sofrem de “islamofobia” através de palavras ou atos contra suas mesquitas. Mas evidente é a manobra casada, bem engendrada para tentar sensibilizar os desavisados, se é que ainda existem estes.

Lembremos sempre desses passos para a islamização:

HÉGIRA (migração): É uma tática tradicional de ocupação pacífica, na qual a comunidade Kafir tem a falsa sensação de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tenha ganhado força.

TAYSIR: Permite ensinar fórmulas falsas do Islã em terras estrangeiras, ou ignorar os princípios mais rígidos da Sharia, como uma versão “light” do Islã – para facilitar sua observância pelos novatos – que mais tarde serão endurecidos.

MURUNA: É a suspensão temporária da SHARIA, a fim de que os imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”.

HUDNA: É uma trégua temporária (muitas vezes entendida como “paz” pelo kafir), que os muçulmanos podem quebrar a qualquer momento, quando se tornar estrategicamente vantajoso. É geralmente para fins de armamento e reagrupamento (ver as ondas de ataques dos palestinos a Israel).

ALWALA’ WA’LBARA’: Esta é a convocação geral – uma conclamação aos muçulmanos para se unirem (incluindo os terroristas) e se ajudarem contra os não-muçulmanos. A ordem para todos é evitar se opor à Jihad, incluindo participar no esforço de guerra aos não muçulmanos.

Acordemos! Urge a necessidade de acordarmos para a realidade, deixando todo e qualquer preconceito de lado, pois a cimitarra que se coloca sobre as nucas, se aproveita, se fortalece e se engrandece a cada cisão, a cada ponto de preconceito interno, de desentendimento entre pares. Acordemos!

Abraços, com votos de paz e bons olhos para enxergar melhor o que se aproxima.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s