Kuwait busca na ONU estabelecer missão internacional de ‘proteção’ para palestinos

Os EUA devem vetar medida, outros países exigem mais detalhes; Israel pede ao Conselho de Segurança que reconheça o Hamas como grupo terrorista

Na terça-feira, o Kuwait distribuiu uma versão preliminar da resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a criação de uma missão de proteção internacional para os palestinos em uma tentativa de ganhar apoio europeu na votação prevista para esta semana, disseram diplomatas.

O conselho poderia realizar uma votação, possivelmente na quinta-feira, sobre o projeto de resolução, que deve enfrentar um veto dos EUA, disseram os diplomatas. Os países europeus e africanos também expressaram preocupações.

Ainda assim, o Kuwait, um membro do Conselho não permanente representando os países árabes, espera ganhar um grande número de votos a favor de sua proposta para destacar o isolamento de Washington na questão israelo-palestina.

O rascunho revisado elimina uma demanda total por uma missão de proteção internacional e, em vez disso, solicita que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres apresente recomendações.

O novo texto “exige a consideração de medidas para garantir a segurança e a proteção da população civil palestina” na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, de acordo com o esboço obtido pela AFP.

Solicita que Guterres apresente um relatório dentro de 60 dias sobre propostas para a proteção de civis palestinos, incluindo o estabelecimento de uma missão internacional.

A França e a Grã-Bretanha, dois membros do conselho com poder de veto, reclamaram que o projeto de resolução carecia de detalhes sobre o escopo e o objetivo da missão de proteção proposta, disseram diplomatas.

O embaixador israelense Danny Danon criticou a proposta de resolução como “vergonhosa” e disse que ela foi planejada para ajudar o Hamas, o grupo terrorista que governa Gaza e que busca abertamente a destruição de Israel.

O Kuwait apresentou o projeto de resolução dez dias atrás depois que confrontos durante protestos violentos ao longo da fronteira de Gaza que levaram à morte 62 palestinos, pelo menos 53 membros de organizações terroristas, e os Estados Unidos abriram sua embaixada em Jerusalém.

Os EUA afirmaram que a medida era tendenciosa contra Israel durante duas reuniões de especialistas realizadas na semana passada, segundo fontes diplomáticas.

As negociações, no entanto, foram duras, com os europeus e africanos pressionando por mais informações sobre a missão de proteção proposta, segundo diplomatas.

Diplomatas disseram que os palestinos podem recorrer à Assembléia Geral da ONU se o projeto de resolução sobre proteção não conseguir o apoio do Conselho de Segurança.

O conselho se reúne nessa quarta-feira a pedido dos EUA para discutir o lançamento de pelo menos 110 foguetes e morteiros contra as comunidades israelenses de Gaza dentro de 24 horas.

Na terça-feira, pelo menos 70 projéteis foram lançados em Israel a partir de Gaza, bem como dezenas de ataques retaliatórios das IDF contra alvos na Faixa, depois de semanas de crescentes tensões. Em ataque morteiros de manhã cedo, um deles explodiu num jardim de infância pouco antes da chegada das crianças.

Milhares de israelenses passaram a noite posterior em abrigos quando terroristas na Faixa de Gaza dispararam alguns mais 40 foguetes e morteiros contra comunidades perto do enclave costeiro no início quarta-feira, com vários deles sendo interceptados pelo Iron Dome. Não houve relatos de feridos, mas um projétil atingiu diretamente uma casa na região de Eshkol.

Washington divulgou um esboço de declaração do conselho que condenaria o lançamento de foguetes por facções terroristas palestinas em Gaza, mas ainda não está claro se ele será aprovado.

Antes da reunião de emergência, o enviado de Israel, Danon, pediu ao Conselho de Segurança que designe oficialmente o Hamas como uma organização terrorista.

O fato de o Conselho de Segurança estar finalmente se reunindo para discutir os ataques do Hamas contra os cidadãos de Israel é um desenvolvimento positivo, mas atos hediondos de terror devem ser enfrentados com ações, não apenas com palavras”, disse Danon em um comunicado.

 “Eu peço ao Conselho de Segurança que designe oficialmente o Hamas como uma organização terrorista. Já é tempo de a comunidade internacional combater os mentores palestinos do terror com as mesmas ferramentas e o mesmo vigor que usam contra a Al Qaeda e o ISIS ”, concluiu.
Com informações e imagem The Times of IsraelThe Times of Israel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s