Terroristas islâmicos entre centenas de prisioneiros radicalizados estarão livres das prisões em 2019, diz ministro francês

Cerca de 450 detidos radicalizados, incluindo 50 terroristas islâmicos, estarão livres das prisões até o final de 2019 na França, disse o ministro da Justiça. As prisões francesas lutam contra a superlotação, a violência e muitas vezes não conseguem combater a radicalização.

Temos cerca de 500 detidos que são terroristas islâmicos radicais. Desses 500, vinte sairão da prisão este ano [2018] e trinta serão libertados no próximo ano [2019] ”, disse Nicole Belloubet à BFMTV em uma entrevista na quarta-feira.

Há também pessoas presas por crime comum, que foram radicalizados – não necessariamente na prisão, explicou o ministro. Cerca de 30% desses detidos estarão livres em 2019. Em suma, o número de detidos radicalizados, incluindo os 50 terroristas acima mencionados, que ficarão livres até o final de 2019, será de cerca de 450, concluiu.

A França testemunhou uma onda quase sem precedentes de ataques jihadistas no início de 2015, que deixou mais de 200 mortos e centenas de feridos. A maior perda de vidas ocorreu em novembro de 2015, quando pelo menos 130 pessoas foram mortas em ataques coordenados em Paris e Saint-Denis, um subúrbio do norte de Paris. O último ataque  aconteceu  em Paris em maio deste ano, quando um francês de origem chechena esfaqueou pessoas em um ponto turístico, matando uma e ferindo outras cinco.

Enquanto isso, as prisões francesas estão se esforçando para lidar com os presos jihadistas, além da superlotação e da falta de pessoal. A maior cadeia da Europa, a Fleury-Mérogis, localizada a 24 km de Paris, é notoriamente conhecida pela radicalização. Já assistiu a vários incidentes de grande repercussão este ano, incluindo a recusa de presos em regressar às suas celas numa ocasião e protestos entre funcionários da prisão que criticaram as condições de trabalho. O Fleury-Mérogis já está começando a explodir. Porque estamos cansados ​​disso ”, disse  Ambroise Koubi, representante da União das Penitenciárias da CGT, no início de junho.

A prisão abrigou vários jihadistas conhecidos. Entre eles estava Salah Abdeslam, que estava por trás dos ataques de Paris em 2015, Amedy Coulibaly, que atacou uma loja kosher em janeiro de 2015, e o terrorista do Charlie Hebdo, Cherif Kouachi.

A França já frustrou um ataque preparado por prisioneiros radicalizados. Em outubro de 2017, a polícia francesa  acusou dois presidiários de tramar ataques terroristas – poucos dias depois do lançamento previsto. Os homens cumpriram pena atrás das grades por crimes não vinculados ao terrorismo.

Em 2016, um  relatório  de um think tank do Reino Unido afirmou que as prisões europeias se tornaram “locais de procriação” para movimentos extremistas, acrescentando que as prisões se tornaram  locais de vulnerabilidade  onde jihadistas podem encontrar muitos  “jovens furiosos”  que estão  “maduros”  para radicalização.

Com imagem de   e informações RT

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s