Suíça: imigrante muçulmana condenada a 8 meses de prisão por mutilação genital de suas duas filhas

Isso, no entanto, continuará acontecendo e se tornará mais comum na Europa. Isto porque a MGF é fundamentada na lei islâmica: “A circuncisão é obrigatória (para todos os machos e fêmeas) (cortando o pedaço de pele na glande do pênis do macho, mas a circuncisão da fêmea é cortando a bazina) ‘clitóris’ [isso se chama khufaadh ‘circuncisão feminina’]]. ”‘Umdat al-Salik e4.3, traduzido por Mark Durie, The Third Choice, p. 64

Por que é obrigatório? Porque considera-se que Muhammad  teria dito: “Abu al-Malih ibn, o pai de Usama relata que o Profeta disse: ‘A circuncisão é uma lei para os homens e uma preservação da honra para as mulheres.’” – Ahmad Ibn Hanbal 5:75

Narrado Umm Atiyyah al-Ansariyyah: As mulheres costumavam realizar a circuncisão em Medina. O Profeta (que a paz esteja com ele) disse a elas: ‘Não faça cortes severos, pois isso é melhor para uma mulher e mais desejável para um marido’. ”- Abu Dawud 41: 5251

A menos que e até que suas justificativas islâmicas, que todos parecem querer encobrir e negar, sejam abordadas, a MGF nunca será erradicada. Movimentos anti-MGF dirão às mulheres muçulmanas (e homens) sobre os riscos para a saúde da MGF, e sobre como é bárbaro trabalhar para negar o prazer sexual das mulheres e tentar controlá-las, e nada disso irá parar a MGF. Tudo o que vai irritar os crentes e o que restará será o fato de que isso é justificado no Islã – e essa é a única coisa que os ativistas anti-FGM se recusam a abordar. Então, eles, infelizmente, nunca terão sucesso.

“Primeira sentença sob nova lei sobre mutilação genital”, Swiss Info , 13 de julho de 2018:

Uma mulher somali do cantão de Neuchâtel foi condenada a oito meses de prisão por causa da mutilação genital de suas duas filhas, no primeiro caso suíço de sua espécie depois de uma mudança na lei.

As meninas tinham seis e sete anos quando o procedimento foi realizado entre 2013 e 2015 na Somália e na Etiópia.

A mãe, que agora vive em Neuchâtel, na parte francesa da Suíça, não negou as acusações. Ela foi denunciada às autoridades por seu marido distante, que também é da Somália.

O julgamento baseou-se em um artigo relativamente novo na lei suíça que visa impedir que as famílias baseadas na Suíça tenham suas filhas circuncidadas, seja na Suíça ou no exterior.

A mulher, que é analfabeta, estava sob imensa pressão social em seu país de origem para as meninas se submeterem ao procedimento.

É por isso que a sentença é principalmente de natureza simbólica, explicou a juíza. Mas dada a gravidade da ofensa, uma curta sentença ainda era necessária, disse ela.

Com imagem e informações Jihad Watch

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s