Vítimas de casamento infantil dizem que a lei do Reino Unido legitima abuso ‘terrível’

Thomson Reuters Foundation – Quando Zee tinha 13 anos, ela voltou da escola um dia para ir à uma festa de noivado em sua casa no norte da Inglaterra, mas seu entusiasmo pelas celebrações rapidamente se transformou em choque.

“Perguntei à minha mãe, quem vai se casar? Ela disse: ‘É você'”, disse Zee à Thomson Reuters Foundation.

Seu prometido era representado por uma foto – um primo mais velho que ela nunca conhecera e que morava no Afeganistão, o país de nascimento de seus pais.

Um dia eu nem tenho permissão para conversar com garotos e no dia seguinte sou informada de que vou me casar“, disse Zee.

“Eu estava vestida para parecer uma árvore de Natal – muito brilhante, muito alegre. Todo mundo estava feliz. A única pessoa que estava infeliz era eu.”

O casamento infantil – definido internacionalmente como casamento com menos de 18 anos – permanece legal na Grã-Bretanha. Na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte, os adolescentes podem se casar aos 16 anos com o consentimento dos pais. Na Escócia, eles não precisam de consentimento.

Zee, que não quis dar seu nome completo, escapou fugindo de casa, mas ela diz que muitas meninas ainda estão sendo empurradas para o casamento.

Os militantes dizem que é hora de a Grã-Bretanha – que tem defendido a eliminação do casamento infantil nos países em desenvolvimento – colocar suas próprias leis em ordem.

Eles ficaram particularmente consternados quando Bangladesh mudou sua lei recentemente para permitir o casamento aos 16 anos – e citou a lei britânica como uma justificativa.

“O Reino Unido deve praticar o que prega”, disse Mabel van Oranje, presidente do grupo de defesa global Girls Not Brides.

“O atraso da Grã-Bretanha em reformar suas próprias leis de casamento é cada vez mais contraproducente”.

A Parlamentar britânica Pauline Latham concorda. Ela apresentou um projeto de lei para aumentar a idade do casamento para 18 anos, que deverá receber sua segunda leitura ainda este ano.

Ela disse que era “loucura” que a Grã-Bretanha ainda permitisse o casamento infantil quando gastava cerca de 39 milhões de libras (51 milhões de dólares) em cinco anos para apoiar os esforços para acabar com isso nos países em desenvolvimento.

Mudar a lei também é crucial para proteger as meninas em casa, ela disse.

CASAMENTO FORÇADO

Quase 2.000 jovens na Grã-Bretanha, a grande maioria meninas, se casaram antes dos 18 anos entre 2010 e 2015, segundo dados oficiais.

Embora os números sejam baixos, os participantes da campanha acreditam que a maioria é pressionada a se casar por suas famílias. Se a idade mínima fosse aumentada, as meninas teriam mais poder para dizer não.

Girls Not Brides diz que o impacto de se casar com jovens é semelhante, onde quer que as meninas vivam. É mais provável que abandonem a escola e corram um maior risco de violação conjugal, abuso doméstico e problemas de saúde relacionados com a gravidez na adolescência.

A idade mínima de 16 anos foi estabelecida em 1929, quando morar juntos ou engravidar fora do casamento era socialmente inaceitável. Mas os ativistas disseram que a cláusula de “consentimento dos pais” para menores de 18 anos agora se tornou uma “porta aberta” para o casamento forçado.

Latham disse que havia apoio geral no parlamento para aumentar a idade do casamento, mas seu pedido pode não ser ouvido devido à falta de tempo.

Se assim for, ela vai pressionar os ministros para inserir uma emenda em outra lei. Os ativistas sugerem que isso pode ser incluído na Lei de Violência Doméstica.

VIDA SACRIFICADA

As meninas de origens do sul da Ásia e do Oriente Médio são vistas como tendo maior risco de casar cedo na Grã-Bretanha porque ter relacionamentos fora do casamento é muitas vezes considerado vergonhoso.

Amina, mãe de quatro filhos em Londres, nunca conversou com o marido antes do casamento, logo após o seu aniversário de 17 anos.

O casamento, feito para agradar seus pais, pôs fim a seus estudos e mergulhou-a em depressão enquanto lidava com o temperamento do marido e controlava a sogra.

“O casamento era todo sobre medo. Eu era uma completa estranha em minha própria casa”, disse Amina. “Eu era realmente ingênua. Eu me senti como uma criança quando eu tive meus primeiros filhos.”

Amina, cujos pais nasceram em Bangladesh, diz que as meninas ainda são coagidas a se casar cedo na Grã-Bretanha.

“Foi um grande sacrifício na minha vida. Não tive chance de explorar as coisas. Passei por momentos terríveis”, disse Amina, que ainda é casada com o marido e pediu para não usar seu nome verdadeiro.

Ativistas dizem que as estatísticas oficiais de casamento não refletem a verdadeira escala do problema, já que muitas meninas se casam no início de cerimônias tradicionais, mas os casamentos não são oficialmente registrados.

Outras são levados para o exterior para o casamento e trazidas de volta à Grã-Bretanha quando estão mais velhas.

No ano passado, a Unidade de Casamento Forçado do governo recebeu relatos de cerca de 1.200 casos possíveis de pessoas, a maioria meninas e mulheres, sendo coagidas a se casar – um número amplamente dito que representa a ponta do iceberg.

Quase 30 por cento dos casos em que a idade era conhecida diziam respeito a menores, e mais da metade deles envolvia crianças menores de 16 anos.

A Grã-Bretanha proibiu o casamento forçado em 2014. Ela tomou medidas para resgatar garotas do exterior, processou pais e emitiu ordens de proteção contra o casamento forçado.

Ativistas dizem que não faz sentido investir no combate ao casamento forçado, mantendo uma lei que facilita isso.

“É uma anomalia. Precisamos resolver isso – e a hora é agora”, disse Latham.

Com imagem Dirfam e informação Thomson Reuters Foundation News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s