Anistia Internacional: Mulher palestina torturada na prisão da Autoridade Palestina

A Anistia Internacional nesta quinta-feira pediu à Autoridade Palestina para abrir uma investigação sobre a tortura e maus tratos de Suha Jbara, uma mãe palestina de três filhos, que está detida em uma prisão palestina em Jericó.

Jbara, que é cidadã dos EUA e panamenha, foi presa pelas forças de segurança da Autoridade Palestina durante um ataque em sua aldeia ao norte de Ramallah em 3 de novembro.

Ela é suspeita de estar envolvida com instituições de caridade islâmicas que fornecem assistência financeira às famílias de palestinos mortos ou presos por Israel.

Em uma declaração, a  Anistia Internacional  citou Jbara dizendo que ela havia sido espancada contra uma parede e ameaçada com violência sexual por seus interrogadores palestinos .

Em 4 de dezembro, um representante da Anistia Internacional encontrou Jbara e ouviu sobre o tratamento brutal. Ela também disse à organização que havia sofrido assédio implacável por parte das autoridades para pôr fim a uma greve de fome que começou em 22 de novembro em protesto contra sua detenção e tortura.

“Suha Jbara descreveu sua tortura com detalhes angustiantes. Em seu depoimento, descreve interrogadores cruéis que desobedeceram sem qualquer pudor as obrigações da Autoridade Palestina para tratar os prisioneiros humanamente e violaram a proibição absoluta sob a lei internacional de tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes ” disse Saleh Hegazy, diretor adjunto para o Oriente Médio e Norte da África da Amnesty International.

As autoridades palestinas devem urgentemente realizar uma investigação independente e imparcial sobre essas alegações. Qualquer funcionário identificado como responsável deve ser imediatamente suspenso, processado e levado à justiça. “

Jbara descreveu à Anistia Internacional como, após sua prisão, ela teve um ataque e perdeu a consciência e foi transferida para um hospital. No entanto, agentes de segurança armados a retiraram de seu leito de hospital, descalça, e a transferiram para a prisão da Autoridade Palestina em Jericó.

“Eu estava na cama com tubos em meus braços quando lembro claramente que homens armados entraram na sala. Os homens armados puxaram os tubos e me levaram para fora. Eu me senti muito fraca e mal conseguia me mexer ou falar. Eles me colocaram em uma minivan e eu dormi no chão. Eu acordei em outro lugar e eles me disseram: Bem-vinda ao matadouro de Jericó “, disse ele.

Ela disse à Anistia Internacional que um interrogador masculino derramou água em seu rosto quando ela pediu uma bebida, bateu nela, deu-lhe um soco no peito e nas costas e a ameaçou com mais violência. Ela estava vendada e algemada durante o interrogatório e não tinha permissão para beber água ou usar o banheiro, reclamou Jbara.

Ele me insultou o tempo todo, usou linguagem sexual muito suja e violenta, ameaçou levar um médico para investigar minha virgindade e me dizer que eu era uma prostituta, e ameaçou machucar minha família e levar meus filhos para longe de mim, disse Jbara.

A ela foi negado o acesso a um advogado durante o interrogatório e não foi autorizado a ler seu testemunho antes de assiná-lo, disse a Anistia Internacional. Ele exortou os doadores internacionais a reverem sua assistência às  forças de segurança da Autoridade Palestina para garantir que não estejam facilitando as violações dos direitos humanos.

Imagem Exame  e informações Israel Noticias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s