Duas jovens cristãs executadas por grupo muçulmano na Nigéria

Pastores Muçulmanos Fulani mataram duas jovens cristãs no sul do estado de Kaduna, na Nigéria, na sexta-feira (17 de janeiro), disseram fontes.

Os pastores de moto chegaram à vila de Gora-Gan, no condado de Zango Kataf, por volta das 17 horas, matando aldeões à vista, de acordo com um morador local. Luka Biniyat, porta-voz da União dos Povos Kaduna do Sul (SOKAPU), confirmou o assassinato de Briget Philip, 18 anos, e Priscilla David, 19.

“As duas meninas, que eram alunas do ensino médio, adoravam na paróquia católica de Gora-Gan”, disse Biniyat ao Morning Star News.

Foram feridos no ataque à comunidade predominantemente cristã os adolescentes Henry Jonathan, 18 anos, Benjamin Peter e Goodluck Andawus, 12 anos, disse Luka Biniyat.

O grupo muçulmano atacou quando as pessoas se reuniram na praça da vila, onde são realizadas atividades evangelísticas e sociais.

“Quando as pessoas fugiram para os arbustos próximos para se esconder, os atacantes recuaram e foram embora”, disse o morador da região, Solomon John, ao Morning Star News por mensagem de texto. “Estamos tristes com esses ataques ao nosso povo, que parecem intermináveis.”

O presidente do conselho do condado, Elias Manza, confirmou o ataque a jornalistas no sábado (18 de janeiro).

“Os feridos estão atualmente recebendo tratamento em um hospital não divulgado, mas a boa notícia é que a normalidade foi restaurada na área”, disse Manza.

Trabalhadores sequestrados libertados

Dois dias antes, no estado de Borno, no nordeste da Nigéria, cinco trabalhadores humanitários seqüestrados pela Província da África Ocidental do Estado Islâmico (ISWAP) foram libertados.

Os trabalhadores humanitários foram sequestrados pelo ISWAP, que se separou do Boko Haram em 2016, em 22 de dezembro, ao longo da estrada Monguno-Maiduguri, no estado de Borno, enquanto visitavam os campos de deslocados para fornecer itens médicos e alimentares.

Entre os trabalhadores libertados estava Jennifer Samuel Ukumbong, cuja família reside em Jos. Jummai Markus, um vizinho da família, disse ao Morning Star News que ligou para sua casa na quinta-feira (16 de janeiro), dizendo que havia sido libertada.

“Desde que Jennifer foi seqüestrada pelo Boko Haram [anteriormente aliado à ISWAP], sua família mantém vigílias de oração e jejua por sua libertação”, disse Markus. “De fato, sua mãe, que é viúva, estava na igreja orando pela liberdade de sua filha quando as notícias sobre ela resgatada chegaram.”

Não ficou claro como se deu a liberdade dos trabalhadores humanitários. Peter Afunanya, porta-voz da polícia secreta da Nigéria, o Departamento de Serviços de Estado, disse em um comunicado à imprensa de Abuja que eles foram resgatados pelo pessoal da DSS e outras agências de segurança, incluindo os militares na quarta-feira (15 de janeiro).

Ukumbong, juntamente com os trabalhadores de ajuda humanitária Asabe Cletus Musa, Arthur Ibojekwe Chima, Adamu Ozeshi e George Danbaba Micheal, foram levados para o escritório do DSS em Maiduguri por volta das 16 horas daquele dia, segundo o comunicado.

120 permanecem em cativeiro

Mais de 120 cristãos ainda estão sendo mantidos em cativeiro por grupos extremistas islâmicos, incluindo Grace Taku. O trabalhador humanitário da Action Against Hunger (AAH), sediado na França, foi seqüestrado pelo ISWAP em um ataque a um comboio em Damasak, estado de Borno, em julho.

“Congratulamo-nos com a libertação de cinco trabalhadores humanitários que foram seqüestrados no nordeste da Nigéria em 22 de dezembro”, disseram autoridades da AAH em comunicado à imprensa. “Mas, apesar dessas boas notícias, continuamos extremamente preocupados com Grace Taku, que é mantida refém desde 18 de julho de 2019. Reiteramos nossos pedidos de libertação imediata”.

Taku é a única sobrevivente de um grupo de seis detidos desde então, segundo a AAH. Ahmad Salkida, jornalista nigeriana com um relacionamento próximo com o Boko Haram, que supostamente ajudou a facilitar a libertação dos cinco ativistas de direitos humanos cristãos na semana passada, informou que Taku seria escravizada por toda a vida desde que as negociações para sua libertação com o governo nigeriano fracassassem.

Entre os cristãos ainda mantidos em cativeiro estão 112 meninas sequestradas de uma escola de ensino médio em Chibok , estado de Borno, em abril de 2014. A ativista dos direitos Gapani Yangas disse em comunicado que as meninas estão em cativeiro há mais de 2.100 dias.

Também está em cativeiro Dapchi, a estudante do ensino médio do estado de Yobe, Leah Sharibu, bem como a assistente social Alice Ngadda, Bitrus Z. Bala, o Rev. Lawan Andimi, Patience Ishaku, Awagana Kwagwi, Saratu Kwagwi e outros, disse Yanga.

Taku e Ngadda são trabalhadores humanitários cristãos com organizações que ajudam pessoas deslocadas. Ngadda é mãe de dois filhos que trabalha com a UNICEF.

Também está presa Lilian Gyang, uma estudante da Universidade de Maiduguri, sequestrada por terroristas do Boko Haram em 9 de janeiro ao longo da estrada Damaturu-Maiduguri enquanto ela retornava à universidade.

Gyang, um estudante do primeiro ano em Zoologia, é de Foron, no estado de Plateau, no estado de Barkin Ladi. O Senador Istifanus Gyang, que representa o estado de Plateau na Assembléia Nacional da Nigéria, apelou ao governo nigeriano e às Nações Unidas para que rapidamente intervissem pela libertação de Lilian Gyang e outros.

Leah Sharibu era a única cristã entre 110 meninas seqüestradas na Escola Técnica e Científica de Meninas do Governo em Dapchi, estado de Yobe, em 19 de fevereiro de 2018. Meninas muçulmanas foram libertadas enquanto Leah foi impedida por se recusar a renunciar à sua fé cristã. 

O Boko Haram anunciou em um vídeo que ela e Ngaddah agora eram escravas. 

Nigéria está classificada no 12º lugar no ranking de perseguição religiosa, segundo a entidade Portas Abertas que apresenta anualmente a lista dos 50 países onde os cristãos sofrem mais perseguição, mas o país está em segundo lugar no número de cristãos mortos por sua fé, atrás do Paquistão.

Artigo publicado originalmente por Morning Star News. Usado com permissão pelo site Christian Headlines.

Foto cedida por Joshua Oluwagbemiga / Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s