Serei racista por criticar o Islã?

Por Félix Soibelman

A definição de racismo de Wiezel é a mesma que serviu para condenar Siegfried Erwangler, no STF, por racismo/antissemitismo, ou seja, independentemente da biologia, haveria racismo sempre que se atribui uma característica negativa a alguém tão somente por nascer numa etnia ou comunidade.

Não obstante, estudar as características que fazem uma sociedade ser como é, como são as sociedades islâmicas, não é o mesmo que atribuir a cada indivíduo isoladamente x ou y característica. Estudá-las é simplesmente olhar seus valores e crenças tendo em conta como eles se refletiram no passado e SE CONTINUAM ATUAIS REFLETINDO-SE NO SEU COMPORTAMENTO PRESENTE.

Apenas para se ter uma ideia de que esta idiossincrasia não está tão longe do homem comum islâmico, basta a famosa pesquisa divulgada por Bem Shapiro, realizada pelo Instituto Pew (https://youtu.be/LCMYkcZS1Ns), na qual constatou-se que em diversos países islâmicos uma expressiva parte e muitas vezes a grande maioria apoia o ataque ao WTC, matar mulheres, matar civis com bombas em ataques suicidas, a Al-Qaeda, ou a implantação da sharia no país, o que, segundo informa Shapiro, alcançaria 680 milhões de pessoas, podendo-se supor o mesmo nos países muçulmanos onde não houve entrevistas, de modo que este número poderia chegar a mais de 800 milhões de pessoas. Proporções igualmente alarmantes aparecem na mesma pesquisa realizada com muçulmanos residentes em países ocidentais.

Neste contexto, mulheres oprimidas, gays enforcados, extirpação do clitóris, Boko Haram escravizando, Estado Islâmico cometendo decapitação de prisioneiros, radicais promovendo atentados no Paquistão e no Iraque, são elementos que se somam ao terrorismo em solo ocidental querendo reprimir por dentro as sociedades liberais.

Logo, a abordagem do passado para constatar como os antecedentes axiológicos se plasmam no presente não é o mesmo que consagrar uma culpa coletiva pelos atos do passado, mas sim um estudo imprescindível para compreender e o que é e onde pode chegar uma cultura.

Uma boa comparação para entender isto seria aquela entre os islâmicos e os judeus atuais. Se cerca de 3000 anos atrás, quando se estima que houve o Êxodo, nós, judeus, tivemos um comportamento belicista, isto nunca mais se repetiu e o estudo da Torah e da Mischná tornou-se cada vez mais metafísico, interiorizado, simbólico, sem reflexos como atitude hostil ou fideisticamente desajustada às sociedades ocidentais nas quais fomos inseridos pela diáspora.
Não nos vêem, como judeus, apregoando discriminação racial, aprisionamento de vencidos e o direito de usar suas mulheres como escravas, como estava na Torah, etc. Ao contrário, a ética mosaica dos mandamentos e o amor ao próximo transbordou do judaísmo ao mundo inteiro pelo cristianismo, e os judeus, tão logo lhes foi permitido o acesso às universidades encerrando-se o ciclo dos guetos, brindaram à humanidade alguns dos maiores gênios que o Ocidente produziu. Nossos filhos não viram terroristas nem se explodem nas ruas ou em aviões e nunca fizemos isto mesmo com 2000 anos de perseguição, sempre baixando a cabeça, suportando o golpe e só agora temos uma atitude diferente.

Enquanto nós, judeus, nunca reivindicamos alteração dos estatutos republicanos para que se adaptassem as sociedades ocidentais à nossa métrica, facilmente, agora, por temor a que existam atos radicais e represálias na forma de atentados por parte de islâmicos, passamos a não exercer o espírito crítico com a liberdade que o ocidente conquistou.

O mais impressionante de tudo é ver como o despreparo das pessoas as leva a condescender com o retrocesso nas liberdades críticas, achando correto que não se deva zombar de crenças ou religiões, tal como se estivéssemos ainda nos tempos do processo de Jean Calas em que o fanatismo religioso atingia elevada temperatura, pelo que num dos muros de Paris viu-se, com toda razão, há pouco tempo, o escrito “clamemos a Voltaire”, que no calor do citado caso escreveu seu “tratado da tolerância”.

Não foram poucas as pessoas, inclusive no Brasil, que ficaram a repetir que o grupo humorístico “Porta dos Fundos” faz um especial caçoando de Jesus mas não tem coragem de fazer a mesma coisa com Maomé pelo temor a que alguns islâmicos realizem uma retaliação terrorista como se fosse certo e honorável que tais islâmicos, reajam assim, recepcionando um retrocesso fanático de 300 anos que a civilização deles traz à liberdade crítica.

A constatação que fazemos aqui sobre as sociedades islâmicas leva-nos, com pontaria certeira, a mirar o seu passado de matanças, conquistas e genocídios e vê-lo como persistente no presente (basta lembrar dos 300.000 mortos em Dafur ou do uso de armas químicas contra curdos) , de forma que o conhecimento desse passado e a flagrância dele na atualidade por intermédio das atitudes idiossincrático-religiosas que transluzem na pesquisa servem-nos como um alerta que nos deve municiar na desconstrução da identidade vitimista que pela mão da esquerda eles foram perfilados. Foi o modo moralmente venal da esquerda de negligenciar o choque civilizacional previsto por diversos historiadores e que tem se concretizado pouco a pouco.

Esta prevenção não é nem nunca será racismo. É uma estupidez cegar-se ao discernimento balizado pelo inventário do passado islâmico e sua cimentação no presente, para que conscientes disto, possamos deter o uso das democracias como cavalo de Tróia pelas suas hostes fideístas, estranhas à preponderância da razão. Capitular infantilmente esse estado de alerta como racismo é um desatino completo e um perigo.

Essa qualificação como racismo para a crítica aos contornos do islamismo na sociedade atual é um discurso simplório do multiculturalismo e do relativismo cultural por parte daqueles que pensam que a tolerância deve tolerar sua própria sucumbência sem ver que o contrato social que precede as democracias não precisa ser democrático.

Noutras palavras, o concerto entre determinados indivíduos que os fez firmar e colocar as estacas da democracia não está sujeito a uma revisão democrática, do mesmo modo que Godel mostrou que há sistemas que só podem ser coerentes se forem incompletos, descabendo a demonstração do sistema dentro dele mesmo.

O sistema democrático deve ser defendido a partir do estabelecido de fora dele mesmo como cláusulas não democraticamente revisáveis que são as cláusulas pétreas. Jamais devemos nos curvar às exigências islâmicas com respeito a sua fé fazendo concessões sobre nossas liberdades críticas como se fosse autoevidentemente natural que não se possa criticar desabridamente tudo de uma religião, como certos idiotas parecem pretender.

Este sobreaviso no qual nos lança o conhecimento histórico, fazendo-nos divisar um passado que persiste, e, sendo persistente, sinaliza um porvir sombrio, não pode ser classificado de modo algum como racismo, mas sim como a salvaguarda pela qual nos posicionamos a favor de nossa liberdade no choque civilizacional.

É de pasmar ver judeus de esquerda que, ingenuamente, pensam que estão cultivando a concórdia e a paz ao recepcionar acriticamente culturas hostis à liberdade, sem ver, inclusive, que em muitos países do Oriente Médio os “Protocolos dos Sábios do Sião”, o maior libelo antissemita que houve, são governamentalmente disseminados e viraram um best-seller.

Félix Soibelman é advogado.

Imagem by Charisma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s