Arquivo da categoria: Oriente Médio

A Anistia Internacional condena o “encobrimento saudita” no caso de Khashoggi e pede uma necrópsia

A Anistia Internacional disse no sábado que  a explicação da Arábia Saudita sobre a morte do jornalista Jamal Khashoggi  no consulado saudita em Istambul apareceu para esconder “um assassinato hediondo.”

“As conclusões do inquérito das autoridades sauditas, que afirmam que Khashoggi morreu como resultado de uma briga dentro do consulado não são confiáveis ​​e marca um abismo no registro de direitos humanos da Arábia Saudita”,  disse em um comunicado Samah Hadid, diretor do grupo direitos humanos no Oriente Médio.

Ele pediu às autoridades sauditas que revelem a localização do corpo de Khashoggi para que especialistas forenses independentes possam realizar uma autópsia. Ele também disse que as Nações Unidas deveriam investigar sua morte.

“Um inquérito independente é a única garantia contra o que cada vez mais parece como um encobrimento da Arábia em torno das circunstâncias do assassinato de Khashoggi ou qualquer tentativa por outros governos para varrer o problema para debaixo do tapete para preservar negócios lucrativos de armas e outros laços comerciais com Riyadh “, disse Hadid.

A afirmação da Arábia Saudita que Khashoggi teria morrido em uma luta, em vez de ser morto deliberadamente, foi o primeiro reconhecimento de sua morte por Riyadh após duas semanas de negações sobre o envolvimento saudita em seu desaparecimento.

“Esse assassinato atroz dentro das fundações do Consulado equivale à uma execução extrajudicial”, disse a Anistia Internacional.

Com imagem The Millennium Report e informações Israel Noticias

Anúncios

Promotor-chefe do Irã: é pecaminoso mulheres assistirem homens seminus jogando futebol

O procurador-chefe do Irã, Mohammad Jafar Montazeri, ameaçando autoridades que permitem que mulheres entrem em estádios de futebol, causou um alvoroço entre ativistas iranianos.

Montazeri, o poderoso chefe do judiciário do país, afirmou que as mulheres deveriam ser proibidas de ir aos estádios porque é “pecado” para elas assistirem “homens seminus jogarem futebol”. Ele acrescentou que a ação será tomada se elas continuarem indo.

Os estádios de futebol estão proibidos para as mulheres nas últimas quatro décadas no Irã, uma proibição que dividiu o establishment político do Irã.

Patricia González@PatriGlez8

Yesterday🇮🇷 they did one more step but still a long way to go. As long as Iranian women can’t buy tickets to enter the stadiums, keep fighting.
Football is for ALL!

O líder da Guarda Revolucionária Iraniana, Abdullah Hajj Sadeqi, também chocou o público quando pediu aos guardas para impedir que as mulheres entrassem nos estádios e disse que “a presença das mulheres nos estádios é perigosa”.

“Primeiro, permitimos que as mulheres assistam à Copa do Mundo na televisão, depois permitimos que elas entrem nos estádios para assistir às reivindicações do futebol. Em seguida, as mulheres vão querer se misturar com os homens e assistir aos jogos juntos. Não devemos perder nossa fé religiosa e precisamos ter cuidado com nosso comportamento social ”, disse Sadeqi.

Autoridades do Estádio Azadi, em Teerã, selecionaram cerca de 150 mulheres para participar da partida de futebol entre as equipes iraniana e boliviana na terça-feira, que terminou com uma vitória para o Irã.

As mulheres foram autorizadas a participar de estádios de futebol quando a FIFA exigiu que a Federação Iraniana de Futebol permitisse que as mulheres assistissem aos jogos de futebol.

O assessor cultural da Federação, Gholam Hussein Zanam Abadi, disse: “A FIFA solicitou que as mulheres fossem permitidas nos estádios. Não poderíamos nos arriscar a ser barrados da competição por causa da proibição ”.

Durante a última partida de futebol, as autoridades permitiram que algumas mulheres entrassem no estádio e proibiram outras. Eles também proibiram os fotógrafos de tirar fotos de fãs do sexo feminino, a fim de evitar a reação dos fundamentalistas. No entanto, fotos e vídeos de fãs do sexo feminino foram amplamente divulgados nas redes sociais com legendas incentivando mais liberdade para as mulheres iranianas.

Irony Of India@IronyOfIndia_

Iranian women attended the international friendly match between Iran and Bolivia at the Azadi Stadium for the first time in nearly 40 years! Women were banned from entering male sports stadiums.

Imagem e informações Al Arabiya

As punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

OLHO POR OLHO 

Paralisia, perfuração e crucificação dos olhos – as punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

A Arábia Saudita continua a usar métodos bárbaros de execução alegando que são justificados pelo Alcorão e suas tradições.

Decapitações públicas, amputações, retribuição e espancamento fazem parte do sistema de justiça.

Resultado de imagem para A man who paralysed his friend was sentenced to himself be paralysed SAUDI ARABI

Uma execução pública por decapitação na Arábia Saudita (The Guardian)

Como o The Sun relatou esta semana, um assassino foi crucificado após ser considerado culpado de esfaquear repetidamente uma mulher. O corpo dele foi pendurado em uma cruz após a execução.

O príncipe herdeiro Salman quer tornar o reino do deserto uma  nação do século XXI experiente em tecnologia e introduziu reformas liberais.

A Arábia Saudita mantém a pena de morte para um grande número de crimes, incluindo tráfico de drogas e “feitiçaria”, além de assassinato.

Imagem relacionada

Os corpos de cinco homens iemenitas decapitados na Arábia Saudita são deixados pendurados depois que suas cabeças foram colocadas em sacos (observers.france24.com)

A maioria das sentenças de morte é executada em público por decapitação, fazendo comparações com a chocante brutalidade do Estado Islâmico.

O sistema é baseado na lei Sharia, que os sauditas dizem estar enraizada na tradição islâmica e no Alcorão.

Os julgamentos duram um dia e as confissões são extraídas sob tortura.

O país não tem código penal escrito e nenhum código de procedimento criminal e procedimento judicial.

 

Resultado de imagem para King Salman, pictured with PM Theresa May, makes the final decision on executions in Saudi Arabia
Rei Salman e a chanceler  Theresa May (Sputnik International)

Isso permite que os tribunais tenham amplos poderes para determinar o que constitui uma ofensa criminal e quais sentenças os crimes merecem.

O único meio de recurso é diretamente para o rei, que decide se o condenado vive ou morre.

A lista de punições leva à leitura sombria.

Decapitação

No ano passado, o ano do reino levou a cabo 146 execuções, a terceira maior taxa do mundo, atrás da China e do Irã, segundo a Anistia Internacional.

Só nos primeiros quatro meses deste ano foram realizadas 86 decapitações, metade delas para crimes não violentos, como delitos de drogas.

Houve um surto de execuções desde o mês passado, com pelo menos 27 pessoas executadas somente em julho, segundo a Anistia Internacional .

A decapitação continua a ser a forma mais comum de execução e a sentença tradicionalmente realizada em uma praça pública na sexta-feira após as orações.

Deera Square, no centro da capital Riyadh é conhecida localmente como “Chop Chop Square”.

Resultado de imagem para Saudi executioner Muhammad Saad al-Beshi

O carrasco saudita Muhammad Saad al-Beshi (O Explorador)

O trabalho talvez sombrio, mas o carrasco-chefe do país parecia se orgulhar de seu trabalho.

Depois de visitar a família da vítima para ver se querem perdoar o prisioneiro, eles são levados para a decapitação.

“Quando eles chegam à praça da execução, sua força se esvai”, informou a BBC Muhammad Saad al-Beshi.

“Então eu leio a ordem de execução, e em um sinal eu corto a cabeça do prisioneiro”.

Um aumento recente na taxa de execuções levou a anúncios de oito carrascos no site do serviço público.

Um formulário de inscrição em PDF para empregos dizia que eles se enquadravam no termo “funcionários religiosos” e estariam no nível mais baixo da escala salarial do funcionalismo público.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Um homem ajoelhado é decapitado em Jeddah, ao lado do cadáver sem cabeça de outro que acabara de sofrer o mesmo destino (The Sun)

Crucificação

Na Arábia Saudita, a prática da “crucificação” refere-se à exibição pública ordenada pelo tribunal após a execução, juntamente com a cabeça separada, se decapitada.

Em um dos casos, imagens nas redes sociais aparentam mostrar cinco corpos decapitados pendurados em um poste horizontal com suas cabeças embrulhadas em sacos.

A decapitação e a “crucificação” ocorridas em frente à Universidade de Jizan, onde os estudantes estavam fazendo os exames, ocorrem em uma praça pública para agir como um impedimento.

Paralisia

A capacidade dos tribunais de decidir por si mesmos as sentenças que se encaixam no crime levou a sentenças de “qisas” ou retribuição.

O exemplo de maior destaque foi o de Ali al-Khawahir, que tinha 14 anos quando esfaqueou um amigo no pescoço, deixando-o paralisado da cintura para baixo.

Resultado de imagem para injeção

Um jovem que paralisou seu amigo foi condenado a ficar paralisado (Imagem Parou Tudo)

Dez anos depois foi condenado a ficar paralisado, a menos que pagasse um milhão de riais sauditas à vítima.

Na época, a Anistia Internacional disse que a sentença era “totalmente chocante” mesmo para a Arábia Saudita.

Nesses casos, a vítima pode exigir que a punição seja executada, solicitar compensação financeira ou conceder um perdão condicional ou incondicional.

Lapidação

O apedrejamento continua sendo uma punição por adultério para mulheres na Arábia Saudita.

De acordo com uma testemunha, as acusados ​​são colocados em buracos e, em seguida, têm pedras derrubadas sobre elas de um caminhão.

Em 2015, uma mulher casada de 45 anos, originalmente do Sri Lanka, que trabalhava como empregada em Riad, foi condenada à morte por apedrejamento.

Seu parceiro, que era solteiro e também do Sri Lanka, foi punido com 100 chicotadas depois de ser considerado culpado do mesmo delito.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Amputação de membros é outra das terríveis punições no país

Arrancar os olhos

Abdul-Latif Noushad, um cidadão indiano, foi condenado a ter seu olho direito extorquido em retribuição por sua ação numa briga em que um cidadão saudita foi ferido.

Ele trabalhou em um posto de gasolina e entrou em uma briga com cliente que queria um reembolso e na luta que se seguiu atingiu o outro homem na cabeça, batendo em seu olho.

Um tribunal de apelação em Riad teria simplesmente perguntado se o saudita aceitaria uma compensação monetária, segundo a Human Rights Watch.

Em 16 de setembro de 2004, o jornal saudita Okaz informou que um tribunal em Tabuk ordenou que o olho direito de Muhammad `Ayid Sulaiman al-Fadili al-Balawi fosse arrancado.

O tribunal deu-lhe a opção de pagar uma indemnização no prazo de um ano e foi relatado que ele tinha levantado os 1,4 milhão de riais necessários.

Outro jornal saudita, o ArabNews, informou em 6 de dezembro que um tribunal havia recentemente condenado um homem egípcio a ter seus olhos arrancados.

Ele foi acusado de jogar ácido no rosto de outro homem, que posteriormente perdeu a visão.

Resultado de imagem para A man is brutally flogged by uniformed guards in Saudi Arabia

 

Um homem é brutalmente açoitado por guardas uniformizados na Arábia Saudita (The Sun)

Flagelação

Aqueles condenados por insultar o Islã também podem esperar ser açoitados.

Em um caso que trouxe condenação internacional, o blogueiro  Raif Badawi foi condenado a 1000 chicotadas, bem como 10 anos atrás das grades.

Vídeo mostra uma multidão aplaudindo quando os primeiras 50 chicotadas de sua sentença foram executadas, uma ocorrência que sua esposa Ensaf Haidar diz que quase o matou.

No ano passado, um homem foi sentenciado a dez anos de prisão e 2.000 chicotadas por expressar seu ateísmo no Twitter.

O jovem de 28 anos teria se recusado a se arrepender, insistindo que o que ele escreveu refletia suas crenças e que ele tinha o direito de expressá-las.

Com imagem e informações The Sun

ONU: sete mil crianças sírias vitimadas pela guerra

As Nações Unidas calculam em sete mil o número de casos de crianças mortas ou mutiladas durante a guerra da Síria. Os dados foram avançados na passada sexta-feira no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A guerra da Síria dura há sete anos. Desde então, as Nações Unidas apontam para a morte ou mutilação de sete mil crianças. No entanto, relatórios não verificados colocam o número em mais de 20 mil casos.

“Está na hora de as crianças reaverem a infância que lhes foi retirada. Têm sido utilizadas e vítimas de abusos, pelo e para o conflito, há demasiado tempo”, declarou Virginia Gamba, representante especial das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados.

Durante o Conselho de Segurança, Gamba afirmou que as crianças da Síria sofreram ataques terríveis, tanto nas suas casas como nas suas comunidades, escolas, centros de detenção e campos de deslocados.

Tal como é explicado no site das Nações Unidas, em 2005 o Conselho de Segurança criou um mecanismo de monotorização e comunicação (MRM) para seis violações graves contra crianças em situações de conflito armado.

Este foi aplicado à situação síria em 2013, verificando situações de morte e mutilação, recrutamento de crianças no conflito, violência sexual, rapto, ataques em escolas e hospitais e recusa de acesso humanitário.

“Desde então, todos os anos tem havido um enorme aumento em todas as violações graves, cometidas por ambas as partes do conflito”, afirmou Virginia Gamba.
“Mera fração das violações cometidas”
Desde o início deste ano, o mecanismo verificou mais de 1200 violações graves contra crianças. Mais de 600 foram mortas e mutiladas e cerca de 180 recrutadas para o conflito.

Para além disso foram atacadas 60 escolas e 100 hospitais e outras instalações médicas.

Virginia Gamba assegura que a maior parte do recrutamento de crianças é feito por grupos não estatais, enquanto que grande parte das mortes e mutilações é atribuída ao Governo e a forças que o apoiam, como aponta a CNN.

Gamba acrescenta que se estima que uma em cada três escolas não seja utilizada, quer por estar danificada ou destruída, quer por ser utilizada como abrigo ou para propósitos militares. Cerca de 2,1 milhões de crianças sírias não vão à escola por insegurança, falta de instalações, fraca qualidade na educação e pobreza.

“Devo enfatizar que os casos documentados pelo MRM, apesar de serem verificados pelas Nações Unidas, representam uma mera fração das violações cometidas na Síria até hoje”, reforçou a representante especial das Nações Unidas.

Com imagem e informações RTP Noticias

Egito condena 75 à morte, incluindo líderes da Irmandade Muçulmana

A mídia estatal egípcia disse que um tribunal condenou à morte 75 pessoas, incluindo figuras importantes do grupo Irmandade Muçulmana por sua participação nos protestos de 2013.

A decisão de sábado no Tribunal Penal do Cairo será agora encaminhada ao Grande Mufti, a principal autoridade teológica do país, por sua opinião não vinculante sobre as sentenças. Em geral, aprova a decisão do tribunal.

A sentença para mais de 660 pessoas foi marcada para 8 de setembro, segundo o site estatal de notícias Al-Ahram.

O caso envolve 739 acusados, incluindo o Guia Supremo da Irmandade Muçulmana Mohammed Badie e o fotojornalista Mahmoud Abu Zeid. As acusações variam de assassinatos a danos à propriedade pública.

O ex-presidente islâmico Mohammed Morsi, apoiado pelos protestos em 2013, foi expulso militarmente após protestos em massa contra seu regime divisional de um ano. Morsi veio da Irmandade. As manifestações foram violentamente dispersas.

Com imagem Egyptian Streets e informações Noticias Israel

Parlamentar jordaniana elogia desejo da mãe se explodir entre ‘judeus sionistas’

Huda Etoom diz que a causa palestina “é uma prioridade sobre a qual devemos nos comprometer”

Uma parlamentar jordaniana disse na terça-feira ao Parlamento sobre o desejo de sua falecida mãe de ser uma mulher-bomba e matar “judeus sionistas”.

“Um único desejo foi deixado em sua alma: vestir um cinto de explosivos e explodir-se entre os judeus sionistas. Este é um exemplo do nosso sentimento – o sentimento de todas as pessoas livres ”, disse ela.

“Continuaremos a sentir remissão a menos que sejamos martirizados na terra da Palestina”.

Em uma transcrição traduzida pelo grupo de vigilância de mídia do Instituto de Pesquisa de Mídia do Oriente Médio (MEMRI), Huda Etoom disse que a causa palestina “é uma prioridade sobre a qual devemos nos comprometer”, e pediu um Estado livre da Palestina, do Mar Mediterrâneo até o Rio Jordão.

De acordo com o MEMRI, o discurso foi proferido em uma sessão da Câmara dos Representantes em 17 de julho, e foi transmitido pela televisão.

Com imagem e informações The Times of Israel

Abbas vai assistir o jogo do final da Copa do Mundo

O presidente da Autoridade Palestina , Mahmoud Abbas, enfrenta críticas internas por sua decisão de assistir à final da Copa do Mundo em Moscou em meio a escalada em Gaza , onde Israel e os grupos terroristas palestinos trocaram tiros, o que causou vítimas em ambos lados da fronteira.

O chefe do futebol palestino , Jibril Rjoub, anunciou no mês passado que Abbas viajaria à Rússia para o partido e se reuniria com o presidente Vladimir Putin para discutir “as relações bilaterais e os últimos desenvolvimentos políticos“.

Durante sua reunião no sábado, Putin disse estar satisfeito por poder discutir os problemas que os palestinos enfrentam.

Estou feliz pela oportunidade de falar sobre o contato que tivemos com seus vizinhos e líderes de vários países“, disse Putin, entre aspas transmitidas por agências russas.

Eu sei que a situação na região é difícil e estamos agradecidos por ele ter usado a Copa do Mundo como uma razão para ir a Moscou“, acrescentou o presidente russo.

Alguns comentaristas palestinos criticaram Abbas por seus planos de permanecer em Moscou e participar da final da Copa do Mundo entre a França e a Croácia .

“No momento em que uma agressão israelense contra Gaza está sendo lançada e as crianças da Faixa são mortas … o presidente Abbas vai celebrar e relaxar na Rússia, assistindo à final da Copa do Mundo”, disse Ibrahim Madhoun, colunista do jornal. O Hamas, al-Resalah, disse em um tweet“Estamos diante de um presidente que está isolado de seu povo e causa”.

Em resposta às críticas, o membro do Comitê Central do Fatah, Abbas Zaki, defendeu a decisão e argumentou que o líder palestino não pode recusar um convite de seu colega russo.

O presidente não pode recusar um convite do presidente russo“, disse Zaki ao jornal Times of Israel. “Ele está indo para o jogo porque Putin o convidou e temos que ficar muito perto do presidente russo“.

Em seu encontro, é relatado que Abbas disse a Putin sobre suas preocupações com a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de transferir a embaixada do país para Jerusalém, bem como sobre a “atividade de assentamentos israelense“.

Nós resistimos às tentativas dos americanos de impor suas decisões sobre os problemas mais delicados da Palestina ” , disseram as agências de notícias russas em declarações traduzidas.

De acordo  com uma leitura do encontro  com a notícia oficial através de AP, Wafa, Abbas e Putin discutiram “temas de interesse mútuo para a Rússia e Palestina” e “os últimos desenvolvimentos na Palestina“. Não está claro se Abbas trouxe algum problema relacionado a Gaza. A leitura não menciona o enclave costeiro.

Abbas vem impondo sanções ao Hamas na tentativa de forçar o grupo terrorista a ceder o controle do enclave costeiro, que prendeu o grupo Fatah, de Abbas, em 2007.

As negociações vieram com os palestinos de Gaza dispararando dezenas de foguetes e morteiros contra Israel e as IDF bombardearam dezenas de alvos do Hamas nos maiores ataques aéreos desde a guerra em 2014.

Com imagem The Times of Israel e informações Israel Notícias

Apresentadora de TV Saudita foge do país em meio à investigação por usar ‘vestes indecentes’

Uma apresentadora de TV saudita deixou o reino, pouco depois de a autoridade de radiodifusão ter dito que vai iniciar uma investigação sobre suas violações do código de vestuário no reino conservador.

A Comissão Geral de Mídia Audiovisual anunciou a investigação depois que um vídeo circulou nas mídias sociais mostrando Shereen al-Rifaie uma reportagem sobre as mulheres sauditas que dirigem no reino.

No clipe, ela está usando roupas que violam os regulamentos do reino: um lenço solto com uma abaya branca, um vestido tradicional, que estava aberto, mostrando suas calças e blusa por baixo.

>> Quando a Arábia Saudita era um reino judeu ■ Mulher saudita dirige carro de Fórmula 1, marcando o fim da proibição de mulheres

A comissão disse que a investigação prosseguirá apesar de al-Rifaie ter deixado o país. Ela trabalha para a estação de TV Al-Aan, dos Emirados Árabes Unidos.

 

Ela rejeitou as acusações, dizendo ao site de notícias saudita Ajel: “Eu estava vestindo roupas decentes e Alah revelará a verdade do que foi dito sobre mim”.

A Arábia Saudita é conhecida por sua interpretação estrita do Islã. As mulheres devem cobrir os cabelos e usar roupas largas e soltas.

Com imagem IBTimes India e informações Haaretz

As vozes do “terror iraniano” no parlamento brasileiro

Por Andréa Fernandes

Um dia após a prolação de mais uma resolução antissemita da Assembleia Geral da ONU condenando Israel por “uso excessivo da força” e negando acréscimento de condenação explícita aos ataques terroristas, bem como o lançamento de foguetes contra a população civil de Israel promovidos pelo grupo terrorista Hamas[1], o Brasil abraça definitivamente a agenda islâmica extremista do Irã celebrando no Plenário da Câmara dos Deputados o “Dia de Al-Quds[2].

Mas, o que é comemorado no “Dia de Al-Quds”? Esse é o título referente ao nome árabe de Jerusalém e a data celebrada por diversos muçulmanos foi inventada pelo falecido aiatolá Ruhollah Khomeini, líder da sanguinária revolução iraniana de 1979, que impôs um dos mais brutais regimes teocráticos do mundo muçulmano, famoso por promover atrocidades contra a população impondo uso obrigatório do véu para as mulheres sob pena de prisão e enforcando milhares de homossexuais, além de diversas outras brutalidades medievais em nome da sharia (lei islâmica).

Dessa forma, o “Dia de Al-Quds” é um evento anual realizado na última sexta-feira do Ramadã[3] por iniciativa do Irã propondo unificar o mundo muçulmano para “libertar” o povo palestino da “disputada ocupação da entidade sionista” com protestos em apoio aos palestinos e consequente oposição ao sionismo, à existência de Israel e ao controle do Estado judeu sobre Jerusalém. Assim, a “celebração” é realizada em forma de “marchas” conclamando nada mais que a DESTRUIÇÃO DE ISRAEL com ataques antissemitas, sendo comuns os gritos “morte à Israel” e “morte à América”, não faltando a queima de retratos do chanceler israelense Benjamin Netanyahu e do rei da Arábia Saudita Salman Al-Saud, o qual entra nos “discursos de ódio” por causa do conflito sectário entre o xiismo iraniano e o sunismo saudita.

A natureza belicosa da celebração de Al-Quds é farta. No ano de 2015, o general Safavi, então assessor militar do aiatolá Khamenei, discursou propalando tacitamente apoio militar iraniano à violência anti-Israel: “a união dos muçulmanos e a CONTINUAÇÃO DA JIHAD ARMADA e a resistência islâmica da nação palestina constituem A ÚNICA ESTRATÉGIA PARA SALVAR E LIBERTAR A SANTA QUDS”. Em 2018, Nazim Ali, diretor da Comissão Islâmica de Direitos Humanos e líder do Dia Mundial de Al-Quds, realizado em Londres, na condição de organizador da marcha anual pediu a “aniquilação de Israel” e acusou os judeus da prática de crime em relação ao incêndio num complexo de apartamentos ocorrido em 2017[4].

Ora, será que o brasileiro, em geral, apoiaria uma celebração onde a jihad (guerra santa) é apregoada contra a população civil de Israel para a formação de um Estado palestino? Por sinal, nos meios diplomáticos, o Brasil se orgulha por supostamente defender a “paz” nos foros internacionais em meio aos mais diversos conflitos, mesmo em casos absurdos como o combate ao Estado Islâmico, quando a presidente impichada Dilma Roussef defendeu a estratégia da “negociação” com a facção terrorista que decapitava cristãos nos territórios ocupados pela jihad.

Já imaginando a possibilidade de algum entusiasta da “causa palestina” afirmar que em países ocidentais os protestos não costumam contemplar manifestações antissemitas – o que é natural, uma vez que a imprensa normalmente não noticia casos de judeufobia – vale informar que tal qual ocorre no Irã, Síria ou em outros países muçulmanos, “manifestantes pacíficos” queimam bandeiras e “gritam morte à Israel” não apenas em Londres. Inacreditavelmente, os atos de ódio acontecem em algumas cidades no Ocidente.

Na Grã-Bretanha,  o “evento de ódio” acontece desde o ano de 2012 e tem milhares de pessoas marchando pelo centro de Londres com a presença garantida de apoiadores do grupo terrorista Hezbollah que vibram hasteando bandeiras da facção ostentando um fuzil AK 47 como “símbolo da paz”. O Hezbollah, também conhecido como “Partido de Alá” é um grupo terrorista islâmico xiita estabelecido no Líbano e financiado pelo Irã. Embora suas lideranças não façam distinção entre as atividades políticas e militares, o Reino Unido decidiu banir apenas a ala militar mantendo como “legal” a ala política, ao contrário de países como Japão, Canadá, França, Estados Unidos, dentre outros, que baniram a organização islâmica reconhecendo-a como “terrorista”.

A marcha de domingo em Londres não foi diferente dos anos anteriores: muitíssimos pedidos para proibir as bandeiras do Hezbollah foram realizados e até petição com 17 mil assinaturas foi apresentada tentando convencer o ministro do interior Sajid Javid[5], que é muçulmano, filho de imigrantes paquistaneses[6]. Porém, o ministro Sajid sabe como “bom muçulmano” que não há separação entre “mesquita” e “Estado”, de forma que o dogma religioso islâmico deve prevalecer sobre suas decisões como representante de um Estado que nada mais tem de secular, pois já se submeteu às exigências das lideranças islâmicas. Sajid não ousaria perturbar os agentes do “Partido de Alá” na sua manifestação religiosa de apoio à jihad contra os judeus!

Se ainda assim, houver “um pitaco” de dúvida sobre a beligerância do “filhote do Irã” (Hezbollah) e a real motivação do Dia de Al-Quds, aconselho consultar o discurso do seu líder libanês, Hassan Nasrallah, na sexta-feira sagrada para os muçulmanos, que serviu de notória ameaça de guerra, leia-se “jihad”, termo mais apropriado para os islâmicos ortodoxos: Não queremos destruir, matar ou jogar alguém no mar. Peguem seus aviões e barcos e voltem para os países de onde vocês vieram. Mas se vocês insistirem na ocupação, o DIA DA GRANDE GUERRA ESTÁ CHEGANDO, o dia em que todos nós iremos orar em Jerusalém.

Em Toronto, no Canadá, o sheik Shafiq Hudda, diretor do Serviço Humanitário Islâmico, em Kitchener, disse durante a manifestação que chegará o dia em que “veremos a erradicação dos poderes injustos como o império norte-americano e como os sionistas israelenses[7]”.

Todavia, sabedor de que falta ao brasileiro conhecimento sobre a “cultura de ódio do Irã”, o deputado federal Evandro Roman, do Partido Social Democrático (PSD/Paraná), que também é presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Irã, se habilitou como proponente de uma Sessão Solene em Homenagem ao Dia Mundial de Al-Quds[8]. O gesto de estranha “afeição” aos propósitos jihadistas do Irã é o resultado de uma política de aproximação com totalitárias ditaduras islâmicas desde o governo Lula. Em março, o deputado Evandro teve encontro na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional com o embaixador iraniano no Brasil Seyed Ali Saghaeyan e o presidente da Comissão de Agricultura, Água e Recursos Naturais do Parlamento Islâmico do Irã, Ali Akbari, tendo como suposto objetivo “impulsionar ainda mais a troca comercial e simplificar operações financeiras entre as duas economias, além de adensar os LAÇOS DE AMIZADE e de COOPERAÇÃO PARLAMENTAR[9].

Uma sessão solene honrando um evento costumeiramente de ódio contra o Estado judeu. Nada mais “útil” para aperfeiçoar os “laços de amizade” e “cooperação parlamentar” com um país que promete sempre “varrer Israel do mapa”! O deputado certamente tem conhecimento que o parlamento religioso iraniano jamais celebrará qualquer evento religioso em apoio ao Brasil.

Além disso, o deputado Evandro ainda utilizou de ardil quando a bancada evangélica pressionou o presidente da Câmara Rodrigo Maia, que temporariamente suspendeu a sessão solene, conforme noticiado na coluna do jornalista Ancelmo Gois[10]. Todavia, a suspensão só serviu para “mascarar” o evento, pois, apenas trocaram o nome de “Al-Quds” para “Jerusalém”ao mudar parte do título da sessão solene. Aliás, o deputado Evandro leu o discurso de Rodrigo Maia, frisando que o objetivo seria “homenagear a milenar cidade de Jerusalém, cujo nome em árabe é Al-Quds”, porém, deixou claro que “a data é comemorada na última sexta-feira do mês sagrado do Ramadã”. A propósito, o embaixador do Estado palestino – que de fato não é reconhecido como tal pela ONU – esclareceu que o “Dia Mundial de Jerusalém” trata-se de evento criado pelo aiatolá Khomeini, fala esta repetida por autoridades islâmicas presentes.

O evento teve apoio do Deputado Ivan Valente (PSOL/SP), que demonstrou bizarro desconhecimento do tema, repetindo duas vezes o direito dos “povos palestinos”(sic) que remontaria à 1848, mostrando dificuldade de conhecimento acerca da data de independência do Estado de Israel, ocorrida no ano de 1948.

Durante a solenidade, uma senhora visivelmente desequilibrada passou a atacar o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC/SP), no momento em que fazia discurso expondo as violações dos direitos humanos promovidas por palestinos. Após alguns minutos, houve balbúrdia e o deputado Evandro ameaçou pedir a retirada daqueles que, descontrolados, tentavam impedir a fala de Eduardo Bolsonaro numa deprimente cena de intolerância ao pluralismo de ideias que deve vigorar em países democráticos. Espantosamente, o deputado que presidia a sessão solene ainda prometeu conceder o “direito à palavra” para a desordeira numa tentativa de acalmá-la, apesar da mesma não estar inscrita no programa oficial.

Fato é que a falaciosa motivação pacífica da sessão solene caiu por terra com o pronunciamento das lideranças convidadas: o Presidente do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Lutas pela Paz (Cebrapaz), por exemplo, defendeu abertamente a “intifada”(ações violentas) contra Israel, enfatizando que teria respaldo no “Direito Internacional”, e ainda justificando a pretensa “paz” que defende através da imposição da jihad contra o povo judeu. Por sua vez, além de proferir raivosas e inverídicas acusações contra Israel, o embaixador iraniano em irascível colocação chamou o país de “NÓDULO CANCERÍGENO no Oriente Médio” e ainda acusou o Estado judeu de “tentar deformar a identidade cultural” da região. O embaixador pediu apoio de “todos os defensores da liberdade no mundo”, omitindo a dura realidade: não há liberdade alguma no Irã, onde até o Tweeter foi banido pelo violento regime.

Enfim, se essa união imoral com um país totalitário islâmico continuar “inflamando corações” de parlamentares comunistas brasileiros – como o Evandro Roman e Ivan Valente PSOL/SP –  corremos o sério risco de vermos a cena da bandeira dos Estados Unidos sendo queimada no Congresso assim como aconteceu no Irã[11]. Enquanto isso, as minorias étnicas, religiosas e de gênero continuarão sendo perseguidas e torturadas sem a necessária solidariedade do “anão diplomático” chamado “Brasil, empenhado em salvaguardar o “direito à tirania” dos governos carniceiros que celebram os “encantos sanguinários da jihad”.

Publicado originalmente no Portal Gospel Prime  com  imagem Central da Pauta

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, Líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos no Oriente Médio e colunista de alguns portais.

[1] https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2018/06/14/resolucao-da-onu-condena-israel-por-forca-excessiva-na-fronteira-de-gaza/

[2] http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/webcamara/videoArquivo?codSessao=74029#videoTitulo

[3] Mês sagrado dos muçulmanos onde é praticado o jejum ritual.

[4] https://www.gatestoneinstitute.org/12483/london-al-quds-terrorism

[5] https://altnewsmedia.net/general/al-quds-london-2018/

[6] https://www.thenews.com.pk/latest/311353-new-uk-interior-minister-is-son-of-pakistani-immigrants

[7] https://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/247375

[8] http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/POLITICA/558947-AGENDA-DO-DIA.html

[9] http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/credn/noticias/evandro-roman-recebe-parlamentar-iraniano-na-camara

[10] https://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/rodrigo-maia-suspende-sessao-de-evento-em-apoio-causa-palestina.html

[11] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/05/lider-supremo-do-ira-diz-que-trump-sera-comido-por-cobras-e-formigas.shtml

 

Dia de Al-Quds: Irã promete destruir Israel, mas milhares de iranianos defendem Israel e rejeitam “terrorismo islâmico”

Alguns jornais ocidentais noticiaram manifestações no Irã contrárias à Israel  no chamado “Dia de Al-Quds“, (Dia de Jerusalém), em apoio aos palestinos na sexta-feira. Palavras de ódio como “morte à israel” e “Jerusalém é a eterna capital da Palestina foram proferidas por milhares de manifestantes.

Porém, a mídia desconsiderou algumas notícias notáveis ​​do ex-muçulmano iraniano Amil Imani:

Enquanto o regime iraniano terrorista e assassino celebrava hoje [o Dia de Al-Quds no qual prometia aniquilar Israel, milhares de iranianos rejeitaram isso e twittaram: #WeStandWithIsrael. O ódio do regime mullah não vai parar o amor, respeito e amizade entre nossos povos. ”

E:
و ترور به سرزمین ایران وارد شده اعلام می کنیم

Tradução:

De Tel Aviv a Teerã, ficamos juntos

Nós, o povo iraniano, não temos hostilidade com Israel nem com nenhuma nação. Nós declaramos a República Islâmica do Irã como um governo ilegítimo e ocupante que foi forçado ao povo do Irã com armas, balas e terror islâmico.

Com imagem LobeLog e informação Jihad Watch