Arquivo da categoria: #terrorismo

Alemanha fecha jardim de infância islâmico ligado a islamistas

Autoridades na cidade de Mainz cassaram a licença do único jardim de infância muçulmano em meio a alegações de que a instalação no estado de Renânia-Palatinado estava promovendo o salafismo.
O presidente do departamento de jovens do estado, Detlef Placzek, disse que a promoção de materiais salafistas significava que o berçário não mais respeita a constituição alemã .
Oficiais tinham o dever de intervir, disse Placzek, quando um operador não estava disposto ou “incapaz de criar as condições que garantam o bem-estar das crianças”.
O presidente da Arab Nil-Rhein, Samy El Hagrasy, rejeitou as acusações de extremismo e disse que ele seria atraente. “Nós aceitamos e respeitamos a constituição”, disse El Hagrasy, acrescentando que a decisão foi “incompreensível e um mistério”.
Os alarmes soaram pela primeira vez em 2012, quando um pregador polêmico começou a participar de eventos para a associação da mesquita árabe Nil-Rhein, que é responsável pela creche da Al Nur.
Imagem e informações Voice of Europe
Anúncios

Ex-escravas sexuais do ISIS abrigadas no Canadá ameaçadas com telefonemas e textos

Ex-escravos sexuais do Estado Islâmico, que foram abrigados no Canadá, estão novamente vivendo com medo após serem bombardeados por mensagens de voz e textos ameaçando estupros e assassinatos.

Cinco mulheres e uma menina de 14 anos apresentaram relatórios à Polícia Regional de York. As vítimas são todas yazidis que sobreviveram a um genocídio liderado pelo Estado Islâmico no Iraque em 2014.

Eles entregaram à polícia gravações de telefonemas e capturas de tela dos textos, que fazem referência ao Estado Islâmico e incluem fotos de decapitações e jihadistas armados.

O W5 ouviu as chamadas telefônicas. Em uma deles, um homem ri ao dizer em árabe: “Eu sou o homem que te fodeu. Eu sou seu estuprador. ”Uma segunda chamada denuncia Yazidis como adoradores do diabo. E uma terceira chamada faz uma referência gráfica ao estupro.

Os homens parecem ter sotaques do Iraque, Norte da África e do Golfo. A Polícia Regional de York montou uma equipe para tentar rastrear onde as chamadas são originadas.

“Nossos investigadores vão trabalhar através de registros telefônicos, informações obtidas pelas vítimas e qualquer informação sobre o motivo pelo qual isso pode estar ocorrendo”, disse Const. Andy Pattenden. Fontes do W5 dizem que a unidade de inteligência da Polícia Regional de York e o CSIS também estão cientes das ameaças, que começaram há duas semanas.

Um dos telefonemas veio de um número 1-800 e outro de uma central telefônica de Alberta. A polícia diz que com os aplicativos de “spoofing”, as chamadas poderiam ter sido feitas em qualquer lugar do mundo.

Juntando-se a uma casa em Richmond Hill, Ontário, as mulheres que sobreviveram a tantos traumas em sua terra natal estão mais uma vez nas garras do terror. Adiba, que foi comprada e vendida seis vezes por caças ISIS em 2014, diz: “Viemos aqui por segurança, mas depois dessas ameaças eu não me sinto segura. Queremos viver sem ameaças e medo. ”Outra, Milkeya, diz:“ Estou com medo. Meu filho tem quatro anos, ele está com medo. ”Temeroso que o ISIS volte e os pegue.

Eles são sobreviventes do genocídio. Eles são sobreviventes da escravidão sexual e vieram para o Canadá começando uma nova vida para ser sãos e salvos e agora este pesadelo parece estar se repetindo ”, disse o Reverendo Majed el-Shafie, fundador da One Free World International, uma organização de direitos humanos. organização que defende as minorias religiosas.

A caridade de Toronto tem apoiado membros da comunidade yazidi que se reinstalaram no Canadá depois do genocídio.

Imagem Jpost e informações CTV W5

Israel exige ação internacional contra o Hezbollah por construir túneis terroristas

IDF lançaram a “Operação Escudo do Norte”, com o objetivo de descobrir e eliminar os túneis de ataque construídos pelo Hezbollah do Líbano para Israel.

O governo israelense exigiu na terça-feira uma ação internacional contra o Hezbollah por construir túneis para se infiltrar e lançar ataques contra Israel.

“Esses túneis terroristas transfronteiriços foram construídos pelo Hezbollah com apoio direto e financiamento do Irã. Eles foram construídos com um objetivo em mente: atacar e matar homens, mulheres e crianças israelenses inocentes “, disse o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu no Ministério da Defesa em Tel Aviv. “Esta é uma violação grave da soberania de Israel e uma séria violação da  Resolução nº 1701 do Conselho de Segurança da ONU . É um ato inaceitável de agressão sem sentido “.

A IDF lançou a “Operação Escudo do Norte” na terça-feira para descobrir e eliminar os túneis de ataque construídos pelo Hezbollah do Líbano para Israel.

“Eu tenho uma mensagem para o povo do Líbano: o Hezbollah está colocando suas vidas em perigo”, disse Netanyahu. “Eles estão sacrificando seu bem-estar para cumprir os objetivos agressivos do Irã. Israel responsabiliza o governo libanês por todas as atividades terroristas que emanam do Líbano contra Israel “.

“Como qualquer outra nação, Israel mantém o direito de se defender. Continuaremos a fazer todo o necessário para nos defendermos dos esforços do Irã para usar o Líbano, a Síria ea Faixa de Gaza como bases terroristas avançadas para atacar Israel “.

Netanyahu acrescentou que mencionou a imposição de novas sanções contra o Hezbollah durante sua  reunião na segunda-feira  com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

Em uma carta ao Conselho de Segurança da ONU, o embaixador israelense nas Nações Unidas, Danny Danon, exigiu o corpo mundo para condenar o Hezbollah “nos termos mais fortes possíveis” e acusou o governo libanês “desestabilização perigosa região “.

“O governo libanês deve cumprir seus compromissos internacionais e implementar integralmente as resoluções do Conselho de Segurança acima mencionadas”, escreveu ele.

“A construção destes túneis, construído pelo Hezbollah e financiado pelo Irã, juntamente com os esforços em andamento para transferir armas, convertem mísseis mísseis imprecisos e mísseis de precisão de fabricação de precisão no Líbano são uma flagrante violação da soberania de Israel . Outro estágio dos esforços contínuos do Hezbollah para expandir seu acúmulo militar e desestabilizar ainda mais a já volátil região “, acrescentou.

Os Estados Unidos também condenaram os túneis.

“Os Estados Unidos apóiam fortemente os esforços de Israel para defender sua soberania, e pedimos [ao Hezbollah] que pare seu túnel para Israel e que se abstenha de escalada e violência”, disse o Conselheiro Nacional de Segurança dos Estados Unidos, John. Bolton. “Em termos mais gerais, apelamos ao Irã e a todos os seus agentes para que parem com suas agressões e provocações regionais, que representam uma ameaça inaceitável à segurança israelense e regional”.

Imagem Isto É e informações Israel Noticias

Hamas explora a entrada de pacientes de Gaza em hospitais israelenses para ajudar as células da jihad a planejar assassinatos em massa de civis israelenses

“Israel frustra plano terrorista na Cisjordânia”, Bicom , 23 de novembro de 2018 (graças a The Religion of Peace ):

A Agência de Segurança de Israel (Shin Bet) descobriu uma célula terrorista trabalhando para a ala militar do Hamas na Cisjordânia, revelou ontem.

De acordo com o Shin Bet, membros da ala militar do Hamas recrutaram palestinos na Cisjordânia, ensinaram-nos a construir bombas e instruíram-nas a localizar locais lotados em Israel – como grandes edifícios, shopping centers, restaurantes, hotéis, trens e ônibus. .

O Shin Bet divulgou a informação que foi revelada sob o questionamento de Awis Rajoub, um jovem de 25 anos de idade de Dura, perto de Hebron, que foi preso em 23 de setembro. “Sua prisão só foi possível depois que ele cooptou vários de seus amigos e parentes em sua atividade terrorista e os usou para comprar materiais para uso na produção de IEDs”, disse o Shin Bet.

O Hamas também explorou a entrada de doentes em Gaza em hospitais israelenses para tratamento médico que salva vidas. Naama Mikdad, 53 anos e mãe de nove filhos, acompanhou sua irmã Samira Smot, residente de Khan Yunis e que sofre de câncer, em Israel em 9 de agosto para receber tratamento médico. Eles passaram um telefone e “deram uma calça Awis na qual havia sido costurada uma faixa de tecido em que instruções haviam sido escritas”, disse o Shin Bet….

Com imagem Yahoo Notícias e informações Jihad Watch

Oficial dos EUA: o Irã gasta 1 bilhão de dólares por ano em apoio ao terrorismo

Nathan Salles, o principal representante de contraterrorismo dos EUA acusou o Irã de gastar US $ 1 bilhão por ano em apoiar grupos considerados organizações terroristas pelos EUA.

Nathan A. Sales, embaixador-geral do Departamento de Estado e coordenador do contraterrorismo, atacou o Irã em uma palestra proferida na terça-feira no Washington Institute for Near East Policy, um centro de estudos fundado pelo ex-vice-diretor de pesquisas da Comissão de Assuntos Públicos. Ele acusou Teerã de apoiar várias milícias em toda a região, incluindo o movimento libanês xiita muçulmano Hezbollah, o grupo palestino sunita Hamas e a milícia Zaidi xiita muçulmana Ansar Allah, também conhecida como Houthis.

“Deixe-me dar alguns números. Isso pode parecer difícil de acreditar, mas o Irã fornece ao Hezbollah apenas cerca de US $ 700 milhões por ano. Dá outros US $ 100 milhões a vários grupos terroristas palestinos. Quando você joga o dinheiro fornecido a outros terroristas, chega perto de um bilhão de dólares “, disse Sales.

“Vamos fazer uma pausa para considerar isso, porque vale a pena repetir: o regime iraniano gasta quase um bilhão de dólares por ano apenas para apoiar o terrorismo. Eu ficaria tentado a fazer uma referência ao Dr. Evil se as apostas não fossem tão altas”, ele disse. acrescentou, referindo-se ao antagonista  da  série de filmes Austin Powers .

O presidente Donald Trump e seu governo citaram o suposto apoio do Irã a grupos militantes no exterior e o desenvolvimento de tecnologia de mísseis balísticos como base para a saída do acordo nuclear assinado em 2015 pelos EUA, Irã e outras potências mundiais. Desde que deixou o acordo, a Casa Branca restabeleceu pesadas sanções para fazer negócios com o Irã, embora tenha isentado oito países – China, Grécia, Índia, Itália, Japão, Coréia do Sul, Taiwan e Turquia – das sanções energéticas por seis meses.

O Irã, por sua vez, acusou os EUA de tentar desestabilizar seu revolucionário governo muçulmano xiita e de prejudicar a situação de segurança da região por meio de intervenções sobrepostas por Washington. Tanto os EUA quanto o Irã contribuíram fortemente para a luta contra o grupo militante do Estado Islâmico (ISIS) no Iraque e na Síria, mas eles argumentaram contra a presença de longo prazo uns dos outros lá e em outras nações.

Outros países signatários do acordo nuclear, como China, França, Alemanha, Rússia e Reino Unido, tentam manter o acordo vivo por meio de extensas negociações com o Irã e do possível estabelecimento de um sistema de pagamentos independente do dólar, mas enfrentaram pressão de Washington. A Corte Internacional de Justiça também pediu à administração Trump para remover certas sanções que restringem a assistência humanitária , que o secretário de Estado Mike Pompeo prometeu não ser afetada, apesar de dizer à BBC Persian que a “liderança do Irã tem que tomar uma decisão que eles querem para o povo comer . “

Vários iranianos que vivem na capital, Teerã,  expressaram à Newsweek preocupação sobre como as sanções dos Estados Unidos afetaram suas vidas.

Com imagem e informações Newsweek

Líbano protege comércio de cocaína do Hezbollah na América do Sul

Embora os Estados Unidos tenham reforçado as sanções contra o Hezbollah desde que este se retirou do Acordo Nuclear com o Irã, sua política em relação a esse grupo terrorista continua sendo insuficiente. O país se opõe ao Hezbollah enquanto apoia as instituições do Estado libanês que controla, cancelando sua busca por fontes de financiamento ilícitas.

Essa contradição é evidente no Paraguai, onde a embaixada libanesa está tentando bloquear a extradição do financista do Hezbollah Nader Mohamad Farhat.

Os armamentos e combatentes do Hezbollah estão concentrados no Líbano e na Síria, mas a América Latina é um lugar indispensável de operações para as redes criminosas que geram uma grande parte da renda desse movimento xiita.

O Paraguai hospeda uma crescente operação de lavagem de dinheiro conectada com o Hezbollah na Tríplice Fronteira.

Cada vez mais, agentes locais do Hezbollah estão envolvidos no boom local do tráfico de cocaína e há evidências de que o grupo terrorista enviou altos funcionários à Tríplice Fronteira para coordenar essas atividades.

Em 17 de maio, autoridades paraguaias invadiram um escritório de câmbio em Ciudad del Este e prenderam Farhat por seu papel no esquema de US $ 1,3 milhão para lavagem de dinheiro.

Farhat é membro do Componente de Assuntos Comerciais, o ramo da Organização de Segurança Externa do Hezbollah encarregado de dirigir operações de tráfico ilícito e finanças ilícitas no exterior.

Autoridades norte-americanas querem extraditar Farhat, demonstrando que a lavagem de dinheiro afetou o sistema financeiro dos EUA. O governo libanês quer impedir que isso aconteça.

O Paraguai espera receber garantias dos Estados Unidos de que vai punir e extraditar os culpados de corrupção e tráfico de drogas.

O plano de lavagem de dinheiro de Farhat é a ponta do iceberg criminoso do Hezbollah na Tríplice Fronteira. Investigadores que invadiram o negócio de Farhat encontraram cheques em branco no valor de milhões de dólares.

Imagem Jerusalem Post e Informações Israel News

Dinamarca: em pregação, imã afirma que a jihad exige conquista da Europa e pede aniquilação dos judeus

Em um discurso transmitido ao vivo no Facebook há um ano, em 23 de julho de 2017, descoberto e traduzido por MEMRI após sua denúncia em 24 de julho de 2018 na Dinamarca por pedir o assassinato de judeus, o Imam Mundhir Abdallah, do Masjid Al-Faruq, Mesquita em Copenhague, disse que “a solução final para o problema do Levante – após o estabelecimento do califado e a eliminação da entidade judaica – será através da conquista da Europa.” “A Europa deve ser invadida novamente”, disse ele, pedindo uma nova conquista islâmica do Al-Andalus, dos Bálcãs e de Roma, a fim de cumprir a promessa do profeta Maomé. No discurso, o imã Abdallah disse que os judeus “estão apressando a sua própria aniquilação pela sua fúria, pela sua imundície e pela sua vileza, que refletem a natureza imutável dos judeus”.

O Imam Abdallah foi indiciado por pedir o assassinato de judeus em um sermão de sexta-feira, 31 de março de 2017, que foi traduzido e divulgado pelo MEMRI (vide MEMRI TV No. 6013, Sermão de sexta-feira em Copenhague: o Imam Cita o hadith antisemita, Diz: Logo o Califado arrancará a entidade judaica e o colonialismo cruzado ). Esta é a primeira vez que acusações foram trazidas sob um código criminal introduzido na Dinamarca em janeiro de 2017. Após esse sermão, em 16 de maio de 2017, Abdallah insistiu que assim que os muçulmanos recuperarem o poder, eles “apagarão” e “destruirão”. “Israel e todas as bases dos Estados Unidos na região (veja MEMRI TV Clip No. 6033,  Imam Mundhir Abdallah, de Copenhague: Nós vamos obliterar Israel; Ataques terroristas no oeste levados a cabo por vítimas problemáticas e desesperadas de atrocidades ocidentais ).

Para ver o clipe de Mundhir Abdallah na MEMRI TV, clique aqui ou abaixo.

Com imagem e informações MEMRI

Igreja francesa é incendiada e pichada com a expressão muçulmana “Allahu Akbar”

Uma igreja em Orleans foi incendiada em 25 de julho. A polícia descobriu as palavras “Allahu Akbar” pintadas em uma parede, 20minutes France .

Na noite de quarta-feira, a igreja de Saint-Pierre du Matroi em Orleans foi incendiada com “intenção criminosa”, segundo fontes policiais.

Móveis e partituras foram queimados e o hediondo grafite foi encontrado. Um deles disse “Allahu Akbar“. Felizmente, o fogo foi extinto rapidamente pelos bombeiros e não queimou a estrutura de sustentação da igreja.

O fogo, rapidamente extinto pelos bombeiros, não afetou a estrutura do prédio. Uma investigação policial foi aberta pelo departamento de polícia de Orleans.

Este não é o primeiro ataque a uma igreja francesa. Em 26 de julho de 2016, dois terroristas islâmicos atacaram os participantes em uma missa em uma igreja católica na Normandia. Os homens mataram o padre Jacques Hamel, de 85 anos, cortando-lhe a garganta e ferindo gravemente um homem de 86 anos.

No ano passado, uma mulher muçulmana, conhecida apenas pelo seu primeiro nome “Kenza”, recebeu uma sentença suspensa por dois anos por vandalizar a Igreja Sainte Marie Madeleine em Rennes-le-Château.

De acordo com o Christianophobia Observatory, uma organização francesa sem fins lucrativos que rastreia ataques contra cristãos no país, houve 128 incidentes de vandalismo de igreja ou outros ataques anticristãos na França nos primeiros cinco meses de 2018.

Com imagem e informações Voice of Europe

Dois israelenses gravemente feridos em esfaqueamento perpetrado por terrorista palestino

Um terrorista palestino apunhala três israelenses depois de entrar em uma casa no assentamento de Adam na Cisjordânia, segundo as IDF.

Uma das vítimas, em seus 50 anos, está em estado crítico e outra, em seus 30 anos, está em estado grave, segundo os médicos do MDA.

O terceiro está levemente ferido.

O terrorista foi baleado, confirma o IDF. Sua condição não é imediatamente clara, embora alguns relatórios digam que ele está morto.

Imagem e informações The Times of Israel e Noticias israel

O líder da AP, Abbas, declara: ‘Nós nunca vamos parar de pagar mártires e prisioneiros’

“Mesmo que tenhamos apenas um centavo sobrando, vamos primeiro colocá-lo em direção a esses pagamentos”, promete Mahmoud Abbas, ignorando a pressão israelense para parar de pagar estipêndios a terroristas e famílias • A lei israelense pode ver a AP perder parcela significativa do orçamento de US $ 5 bilhões .

 – O líder da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, prometeu na segunda-feira que não cortaria pagamentos às famílias de terroristas, apesar de uma lei israelense punir seu governo por fazê-lo.

“Nós nunca vamos parar de pagar as famílias dos mártires e dos prisioneiros, apesar dos esforços para nos impedir de fazê-lo”, disse ele.

Ele alertou que “mesmo que tenhamos apenas um centavo sobrando, vamos primeiro colocá-lo em direção a esses pagamentos”.

O Knesset recentemente promulgou uma lei para penalizar financeiramente a Autoridade Palestina pelo pagamento de estipêndios a terroristas presos em Israel e suas famílias. A lei permite que Israel retenha várias receitas fiscais que arrecada em nome dos palestinos como um meio de pressionar a Autoridade Palestina a parar com essa prática, que tem sido chamada de “pagamento para matar”.

Israel há muito tempo pressiona os palestinos a suspenderem os estipêndios e disse que a prática encoraja a violência. Entre os beneficiários estão as famílias de terroristas suicidas e outros terroristas envolvidos em ataques mortais.

Os estipêndios totalizam aproximadamente US$ 330 milhões, ou cerca de 7% do orçamento de US $ 5 bilhões da Autoridade Palestina em 2018.

A declaração de Abbas na terça-feira foi feita em uma reunião com ativistas que promovem a libertação de prisioneiros palestinos mantidos em prisões israelenses. Abbas disse que os prisioneiros daqueles que “martirizaram” a si mesmos pela causa palestina foram as estrelas da luta contra Israel, e é por isso que eles e suas famílias devem permanecer como prioridade máxima.

Abbas lembrou a decisão do líder da Organização para a Libertação da Palestina, Yasser Arafat, de estabelecer uma organização para cuidar das famílias dos prisioneiros, dizendo que essa foi uma das primeiras coisas que ele fez como ativista palestino. Abbas passou a premiar os prisioneiros libertados de medalhas de honra.

Com imagem e informações Jewish news Syndicate