Muçulmanos matam 1 cristão e 2 policiais em ataque à igreja ortodoxa na Chechênia

Dois oficiais e um cristãos foram mortos quando militantes muçulmanos armados tentaram invadir uma igreja ortodoxa na Chechênia. O ataque foi frustrado por policiais, que mataram quatro militantes.

A Igreja de Miguel Arcanjo, em Grozny, capital da República da Chechênia, na Rússia, foi atacada no sábado por um grupo de homens armados que tentaram deixar paroquianos como reféns.

“Um dos homens correu para bloquear a porta com uma cadeira … estávamos segurando a porta”, uma religiosa disse à RIA-Novosti a experiência assustadora, acrescentando que tiros do que ela achava serem pistolas e metralhadoras foram disparados.

O tiroteio fora da igreja começou durante a missa da noite, que contou com a participação de cerca de 15 pessoas, disse ela. Os filhos do padre estavam brincando do lado de fora quando o ataque começou, e sua esposa teve que sair correndo da igreja para levá-los em segurança, acrescentou a testemunha.

Imagens dramáticas da polícia mostraram forças especiais usando um aríete para entrar no prédio da igreja onde os terroristas armados estavam escondidos, enquanto o líder checheno, Ramzan Kadyrov, chegou ao local para supervisionar pessoalmente a operação. O vídeo concluiu com mulheres resgatadas e crianças evacuadas da igreja pelos oficiais.

O Comitê de Investigação da Rússia disse que dois policiais foram mortos na igreja, enquanto um cristão também perdeu a vida. Facas e uma espingarda foram recuperadas dos militantes depois de serem eliminados.

“O profissionalismo dos policiais que protegiam a igreja impediu as consequências mais sérias do ataque e evitou um grande número de vítimas”, disse o Comitê de Investigação em seu site.

Kadyrov também confirmou a eliminação dos militantes como resultado de uma “operação de segurança rápida”. Três dos militantes mortos eram moradores da Chechênia, enquanto o líder do grupo era de “uma das regiões vizinhas” , acrescentou.

Kadyrov também disse que “há dados de inteligência de que os militantes receberam a ordem [de realizar o ataque] de um dos países ocidentais”.

 

O mufti Ismail Berdiyev, presidente do Centro de Coordenação dos Muçulmanos do Norte do Cáucaso, condenou o ataque, que ele disse ter como objetivo desestabilizar a situação na Chechênia.

“Foi deliberadamente feito durante o mês sagrado para desestabilizar a situação. É o mês do Ramadã agora. É o momento em que não apenas as guerras são proibidas, mas até mesmo a linguagem polêmica é proibida ”, disse Berdiyev à TASS.

O ataque foi “mais uma tentativa de extremistas pseudo-islâmicos de colocar ortodoxos e muçulmanos uns contra os outros”, disse Vladimir Legoyda, chefe do Departamento de Informação Sinodal da Igreja Ortodoxa Russa.

 

Com informações de RT

Anúncios

Paraguai vai abrir embaixada em Jerusalém na próxima terça-feira

País sul-americano será o terceiro, depois dos EUA e da Guatemala, a transferir sua missão diplomática para a capital

O governo do Paraguai disse na quinta-feira que o presidente Horacio Cartes abrirá a nova embaixada do país em Israel em Jerusalém na próxima terça-feira, seguindo passos semelhantes dos Estados Unidos e da Guatemala.

O porta-voz do governo, Mariano Mercado, disse que Cartes deixará seu país a caminho de Israel no sábado.

O Paraguai será o terceiro país a transferir sua embaixada para Jerusalém, depois que os Estados Unidos e a Guatemala abriram embaixadas na cidade nesta semana.

No mês passado, Cartes disse que queria transferir a embaixada do país para Jerusalém antes do final de seu mandato presidencial em agosto.

A decisão de transferir a embaixada para Jerusalém é controversa no Paraguai. Chega menos de dois meses antes que Mario Abdo Benitez substitua Cartes, e o presidente eleito disse que não foi consultado.

Israel reivindica a cidade inteira como sua capital eterna. Os palestinos buscam Jerusalém Oriental como sua futura capital e ficaram furiosos com os movimentos da embaixada.

A maioria dos países mantém embaixadas em Tel Aviv e se recusam a mudá-las até que o status legal internacional da cidade seja resolvido nas negociações entre Israel e os palestinos.

Além dos EUA, Guatemala e Paraguai, vários outros países expressaram interesse em transferir suas embaixadas para Israel, entre elas HondurasRepública Tcheca e Romênia .

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contrariou o consenso internacional de longa data com seu reconhecimento em 6 de dezembro de Jerusalém como a capital de Israel, quando também anunciou que mudaria a embaixada para a cidade.

Em uma mensagem de vídeo mostrada na inauguração da embaixada de segunda-feira, Trump disse que seu reconhecimento era da “simples realidade de que a capital de Israel é Jerusalém“, notando que a cidade abriga as principais instalações governamentais de Israel, Suprema Corte, Gabinete do Primeiro Ministro e sede do presidente.

Ele também enfatizou que os EUA continuam empenhados em facilitar um acordo de paz entre israelenses e palestinos e pediu que Israel preserve o status quo em locais religiosos em Jerusalém.

Com imagem e informações de The Times of Israel

Gaza:Palestino ao ser entrevistado antes de empinar pipa com suástica diz “queremos queimar os judeus”

Um jovem palestino se gabou na terça-feira em programa na Rádio Pública Nacional (NPR) ao colocar suásticas em pipas incendiárias e levá-las para Israel, dizendo que “os judeus enlouquecem” quando vêem e “queremos queimá-los“.

O anfitrião da NPR, Steve Inskeep, fez reportagem ao vivo da Faixa de Gaza após uma onda de violência dos palestinos na segunda-feira quando se dirigiram à fronteira com Israel. Ele falou com um residente de Gaza de 19 anos, que estava segurando uma pipa branca caseira.

Esta é uma pipa que vai para os judeus“, disse o palestino através de um tradutor.

A pipa incendiária, projetada para pegar fogo, foi decorada com “escrita reivindicando Jerusalém para os palestinos” e com a suástica, o principal símbolo do nazismo.

“Por que você coloca isso lá?” Perguntou Inskeep.

Os judeus ficam loucos por Hitler quando vêem“, disse o jornal.

Os israelenses sabem que as pessoas estão empinando pipas com suásticas”, disse Inskeep. “Eles sabem disso e usam isso para desacreditar vocês, para dizer que isso mostra que vocês são pessoas ruins. O que você acha disso?”

Isso é realmente o que queremos que eles saibam, que queremos queimá-los“, respondeu ele, segundo Inskeep.

Com imagem de Daily Mail e informações de Jihad Watch

Protestos em Gaza: palestinos atacam soldados israelenses na fronteira e alegam 43 mortes

O Exército atira em homens plantando bombas e ataca o Hamas depois que atiradores atiram em tropas; os manifestantes arremessam pedras, queimam pneus antes da inauguração da embaixada dos EUA; IDF promete impedir a violação das fronteiras

Quarenta e três palestinos teriam sido mortos na segunda-feira em confrontos violentos com as forças israelenses na fronteira da Faixa de Gaza com Israel, disseram palestinos, em uma explosão de derramamento de sangue que lançou uma nuvem sobre a inauguração da nova Embaixada dos EUA em Jerusalém.

Foi o dia mais mortal em Gaza desde a devastadora guerra entre os governantes do Hamas e Israel em 2014.

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza disse que 41 palestinos foram mortos e mais de 500 ficaram feridos na violência, em meio aos maiores tumultos e manifestações em uma campanha de protestos de semanas contra Israel.

O exército israelense disse que cerca de 50 mil moradores de Gaza se manifestaram em 12 locais ao longo da fronteira. Disse, ainda, que mais outros milhares foram reunidos em pontos a centenas de metros da cerca.

Por volta das 16h, o horário em que os EUA estavam inaugurando sua embaixada em Jerusalém, fontes militares disseram que grupos estimulados pelo Hamas estavam tentando invadir a fronteira em vários pontos ao longo da cerca de Gaza.

O exército disse que três dos mortos estavam tentando plantar explosivos na cerca da fronteira. Em dois incidentes separados, tropas da IDF abriram fogo contra homens armados que tentavam atirar neles, disse a TV Hadashot.

O exército também disse que um avião atingiu um posto do Hamas depois que homens armados abriram fogo contra as tropas. Não houve feridos entre os soldados. Segundo relatórios, a IAF também atingiu cinco alvos na área de Jabaliya.

A IDF confirmou que realizou uma série de ataques aéreos em Gaza “em resposta aos atos violentos das últimas horas que estão sendo realizados pelo Hamas ao longo da cerca de segurança”.

“Há pouco tempo, um jato da IAF atingiu cinco alvos terroristas em um centro de treinamento militar pertencente à organização terrorista Hamas no norte da Faixa de Gaza”, disse o Exército em comunicado na tarde de segunda-feira.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que 41 palestinos foram mortos e mais de 5.000 ficaram feridos nos confrontos.

As IDF operam com determinação para impedir que atividades terroristas em massa sejam constantemente lideradas pela organização terrorista Hamas. Cada ato de terror será recebido com uma resposta dura”, disse o Exército.

O Hamas disse que provocou violentos confrontos

Fontes militares disseram que o Hamas estava determinado a desencadear uma nova revolta a longo prazo contra Israel, estendendo-se à Cisjordânia.

A Hadashot transmitiu um novo vídeo do Hamas, que continha legendas em hebraico, no qual jovens de Gaza foram mostrados dizendo que “voltariam à nossa terra natal“. A reportagem da TV afirmou que o Hamas estava estimulando os protestos violentos e dizendo aos moradores de Gaza que morram no país pois a violência lhes garantirá um lugar no paraíso. Frisou-se que as mulheres eram proeminentes entre os manifestantes.

A organização disse que os líderes do Hamas estavam tentando controlar até mesmo uma pequena parte do território israelense, mesmo por um breve momento, a fim de reivindicar uma vitória simbólica e o início de um “retorno” a caminho da libertação da Palestina.

Autoridades de inteligência israelenses disseram na segunda-feira que homens armados do Hamas estavam se mantendo afastados da fronteira durante os protestos, prontos para invadir Israel e realizar ataques terroristas se a cerca fosse violada.

Os manifestantes de Gaza atearam fogo aos pneus, enviando grossas nuvens de fumaça preta para o ar em vários pontos ao longo da fronteira, enquanto os militares disseram que os manifestantes atacaram a cerca da fronteira e atiraram pedras contra os soldados.

Inúmeros incêndios eclodiram em campos agrícolas perto de comunidades israelenses, provocados por pipas carregadas de contêineres de combustível de Gaza em território israelense. Os bombeiros foram chamados para combater as chamas. Mas muitos fazendeiros não esperaram por ajuda e trabalharam para apagar as próprias conflagrações, molhando o solo ao redor das fogueiras para acabar com as chamas.

Não houve relatos de feridos dentro de Israel ou cálculos imediatos de quantos hectares de terras agrícolas haviam sido queimados.

Segundo Hadashot, a Autoridade Palestina estava encorajando os protestos, inclusive mostrando os confrontos na fronteira de Gaza na televisão em uma transmissão ao vivo.

Na Cisjordânia, milhares de pessoas se reuniram no centro de Ramallah, enquanto centenas marcharam até a passagem de Qalandiya, nos arredores de Jerusalém, onde os manifestantes atiraram pedras contra as tropas israelenses.

As IDF disseram que estão usando armas menos letais para afastar os manifestantes de Gaza, além de usar armas de fogo em casos específicos. Um soldado ficou levemente ferido e foi levado ao hospital para tratamento.

Israel disse antes dos protestos de segunda-feira que o Hamas planejava invadir a

fronteira de Gaza e “massacrar” os israelenses, e que isso impediria uma possível violação das fronteiras a todo custo, alertando os manifestantes de que eles estavam colocando suas próprias vidas em risco.

 

O serviço de segurança Shin Bet disse na segunda-feira que o Hamas, com financiamento do Irã, está encorajando a violência nas fronteiras por parte de civis , particularmente crianças e adolescentes, como cobertura para possíveis ataques armados do grupo. A agência citou interrogatórios de agentes capturados da Hams.

As IDF disseram no domingo que o Hamas planejava encorajar violações em massa da fronteira e estava com o objetivo de “massacrar” os israelenses.

Na segunda-feira 14 de maio, a organização terrorista Hamas planeja enviar terroristas armados entre os 250.000 manifestantes violentos para invadir a fronteira de Israel com Gaza e entrar nas comunidades israelenses”, alertaram as IDF em um vídeo em inglês. “O Hamas planeja realizar um massacre em Israel. As Forças de Defesa de Israel não permitirão ”.

O manifestante Mohammed Hamami, de 40 anos, disse que as manifestações eram uma “mensagem para Israel e seus aliados de que nunca abandonaremos nossa terra”. A maioria dos moradores de Gaza é descendente de refugiados da Guerra da Independência de Israel em 1948. Israel retirou todas as tropas e civis de Gaza em 2005. O Hamas, que busca destruir Israel, assumiu o controle da Faixa da Autoridade Palestina dois anos depois. Seus líderes dizem que as marchas e protestos são projetados para apagar a fronteira e “libertar a Palestina“.

Perto da cidade de Gaza, centenas se reuniram a cerca de 150 metros da cerca. Um repórter da AP testemunhou duas pessoas sendo baleadas nas pernas.

Bilal Fasayfes, 31, estava em um ônibus gratuito para a fronteira com sua esposa e dois filhos na cidade de Khan Younis, no sul de Gaza. “Se metade das pessoas morrer, não vamos nos importar”, disse ele. “Vamos continuar assim a outra metade pode viver com dignidade.”

Também em Khan Younis, grupos de jovens mascarados, alguns carregando bastões de madeira, caminhavam entre as lojas, forçando-os a fechar para respeitar uma greve geral.

Muataz al-Najjar, de 18 anos, que disse ter sido ferido quatro vezes nas últimas sete semanas, uma vez por uma bala e os outros por bombas de gás, disse que esperava romper a cerca. Vamos voltar e a mudança da embaixada de Tel Aviv será evitada“, afirmou.

No Hospital Shifa, onde os médicos dizem que estão ficando sem suprimentos essenciais e sendo forçados a dispensar os pacientes mais cedo para abrir espaço para a próxima onda de feridos, uma grande tenda foi instalada em frente à sala de emergência. Nas mesquitas das cidades, foram instalados grandes palestrantes que devem transmitir mensagens incentivando as pessoas a irem para a fronteira.

Aeronaves militares israelenses lançaram panfletos sobre a Faixa de Gaza na madrugada de segunda-feira advertindo os palestinos a se manterem longe da cerca que separa o enclave costeiro de Israel, disse a IDF.

Os jatos da IDF mais uma vez distribuíram panfletos alertando contra a aproximação da cerca de segurança, tentando sabotá-la ou realizar ataques terroristas”, twittou o porta-voz do Exército.

Os panfletos árabes também disseram aos moradores do enclave costeiro que o Hamas estava arriscando suas vidas.

O Hamas está tentando esconder seus muitos fracassos colocando em risco suas vidas”, disseram os panfletos. “Ao mesmo tempo, o Hamas está roubando seu dinheiro e usando-o para cavar túneis às suas custas.

View image on TwitterView image on Twitter

IDF

@IDFSpokesperson

A few minutes ago, IDF jets once again distributed leaflets warning against approaching the security fence, attempting to sabotage it or to carry out terror attacks

O ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, alertou na segunda-feira os moradores de Gaza a se manterem longe dos protestos. “Eu sugiro aos moradores de Gaza: não sejam cegos pelo [líder do Hamas Yahya] Sinwar, que manda seus filhos sacrificarem suas vidas sem esperança”, ele twittou. “Nós protegeremos nossos cidadãos por todos os meios necessários e não permitiremos que a cerca seja violada.

O Exército atirou e incendiou montes de pneus preparados por manifestantes perto da fronteira, segundo as notícias de Hadashot, para queimá-los prematuramente e impedir que os manifestantes os utilizem mais tarde para criar uma cortina de fumaça.

O principal temor do exército durante os protestos é que dezenas ou centenas de palestinos, incluindo membros do Hamas, consigam romper a cerca de segurança de Gaza e causar estragos em uma das comunidades israelenses do outro lado, atacando moradores, dando início a incêndios e destruindo edifícios.

Os militares acreditam que o Hamas concentrará suas energias neste tipo de ataque massivo e caótico, mas as FDI também estão se preparando para mais combates armados diretos, incluindo ataques a tropas ao longo da fronteira, ou seqüestros de soldados israelenses, como aconteceu na fronteira com Gaza nos últimos anos.

As IDF despacharam duas brigadas adicionais para ocupar posições ao longo da fronteira de Gaza antes dos tumultos previstos. Soldados adicionais também foram mobilizados para fornecer segurança extra às comunidades israelenses próximas à fronteira de Gaza.

No domingo, ouviram-se manifestantes gritando “Morte à América”, segundo um vídeo divulgado pelo MEMRI, o instituto de pesquisa de mídia do Oriente Médio.

 

MEMRI

@MEMRIReports

Gazans Protest Transfer of U.S. Embassy to Jerusalem with Chants of “Death to America” – Scenes from Gaza “Return March”

Nas últimas sete sextas-feiras, milhares de moradores de Gaza participaram dos comícios da “Marcha de Retorno”.

Durante esses protestos violentos, os palestinos arremessam pedras e coquetéis Molotov nas tropas das IDF, rolaram pneus queimando na cerca de segurança ou tentaram derrubá-la com correntes. Bombas foram detonadas contra tropas também. Cada vez mais, os manifestantes têm empinado pipas carregadas de contêineres de combustível queimado para iniciar incêndios em Israel.

A Inteligência Militar não acredita que o Hamas esteja atualmente interessado na guerra, mas espera que os próximos dias sejam de uma violência significativa na fronteira de Gaza.

De acordo com as avaliações militares israelenses, o Hamas está em apuros, enfrentando pressão mais significativa desde que assumiu o controle de Gaza, mais de uma década atrás. A organização terrorista vê os tumultos da “Marcha de Retorno” como uma maneira de ganhar tempo.

A “Marcha de Retorno” recebe o nome do “direito de retorno” exigido por milhões de palestinos para voltar às aldeias ancestrais no atual Israel, algo que nenhum governo israelense aceitaria, pois significaria efetivamente o fim de Israel como um Estado judeu.

As mortes de segunda-feira elevaram para quase 70 o número de palestinos mortos por soldados israelenses atirando do outro lado da cerca da fronteira desde que os protestos começaram no final de março. Mais de 2.000 moradores de Gaza foram feridos na época pelo fogo israelense. O Hamas reconheceu que cinco de seus terroristas estavam entre as vítimas fatais após a primeira manifestação na sexta-feira, mas desde então se absteve de reconhecer se seus homens estão entre os mortos. Israel identificou outras fatalidades como membros de grupos terroristas. Israel diz que só abre fogo quando necessário para impedir infiltrações, danos à cerca e ataques.

Inicialmente, as IDF acreditavam que os protestos atingiriam o auge com o Dia Nakba na terça-feira, mas as avaliações de Inteligência Militar indicavam que o Hamas tentaria pegar carona no evento da embaixada dos EUA na segunda-feira para chamar a atenção internacional para sua causa.

O Coordenador da Unidade de Atividades Governamentais nos Territórios informou neste domingo que o Hamas recentemente tomou medidas para aumentar a pressão sobre os moradores de Gaza, mais recentemente impedindo os pescadores de Gaza de trabalhar a partir de segunda-feira.

Mas, de forma mais dramática, durante os últimos protestos na fronteira na sexta-feira, o oficial da COGAT disse que membros do Hamas ordenaram que desordeiros destruíssem e incendiassem partes importantes da Kerem Shalom Crossing , a passagem principal e muitas vezes exclusiva de bens comerciais e ajuda humanitária para dentro e para fora. da Faixa de Gaza. Linhas de gás foram destruídas e dezenas de milhões de shekels de dano foram causados.

Judah Ari Gross e Raoul Wootliff contribuíram para este relatório.

Com informações e imagem de The Times of Israel

Parlamentares iranianos queimam a bandeira dos EUA enquanto gritam “Morte à América!

“O principal líder do Irã e os legisladores atacam os EUA devido  acordo nuclear”, de Nasser Karimi e Amir Vahdat, Associated Press , 09 de maio de 2018:

TEERÃ, Irã (AP) – O líder supremo do Irã repreendeu o presidente Donald Trump na quarta-feira por sua decisão de tirar os Estados Unidos do acordo nuclear de 2015, enquanto os legisladores acendiam uma bandeira dos EUA dentro do parlamento gritando: “Morte à América!”

A reação do governo refletiu a ampla revolta do Irã com a decisão de Trump, que ameaça destruir o acordo histórico. Enquanto autoridades iranianas, incluindo o presidente do Parlamento, dizem que esperam que a Europa trabalhe com elas para preservar o acordo, muitos são pessimistas.

Em comentários a professores da escola, o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, disse a Trump: “Você não pode fazer nada!” A exortação de Khamenei, que tem a palavra final sobre todos os assuntos do Estado, segue um padrão de líderes iranianos declarando a capacidade de resistir a estrangeiros. pressão ou interferência.

Khamenei descreveu o discurso de Trump na terça-feira anunciando sua decisão como tendo “mais de 10 mentiras”, sem especificar as mesmas. Ele também disse que as declarações de Trump ameaçavam tanto o povo do Irã quanto seu governo teocrático.

O corpo deste homem, Trump, vai se transformar em cinzas e se tornar o alimento dos vermes e formigas, enquanto a República Islâmica continua de pé“, disse Khamenei.

No início da quarta-feira, os legisladores, incluindo um clérigo xiita, atearam fogo à bandeira dos EUA enquanto seus colegas se juntavam aos cantos. Eles também queimaram um pedaço de papel representando o acordo nuclear e pisaram nas cinzas do papel.

Mais tarde, dezenas de radicais incendiaram uma bandeira dos EUA durante um protesto em frente à antiga embaixada dos EUA e pediram uma resposta retaliatória.

Enquanto a queima de bandeiras dos EUA é comum no Irã e as duras críticas à América têm sido um marco da política parlamentar iraniana há anos, foi a primeira vez que observadores políticos se lembraram de qualquer coisa que estivesse sendo queimada dentro do próprio parlamento.

O acordo de 2015 impôs restrições ao programa nuclear do Irã em troca do levantamento da maioria das sanções americanas e internacionais.

No entanto, o acordo veio com limites de tempo e não abordou o programa de mísseis balísticos do Irã ou seu apoio a grupos militantes em toda a região, rotulados como terroristas pelo Ocidente. Trump apontou repetidamente para aquelas omissões em se referir ao acordo como o “pior negócio de todos os tempos”. Os defensores do acordo disseram que esses prazos foram feitos para encorajar mais discussões com o Irã no futuro que poderiam eventualmente resolver outras preocupações.

No final da noite de terça-feira, o presidente Hassan Rouhani disse que enviaria o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, para os países que ainda seguem o acordo – China, França, Alemanha, Rússia e Reino Unido.

Com imagem de Pinterest e informações de Jihad Watch

Suécia: Polícia se recusa a publicar descrição de três homens que estupraram uma menina de dez anos

É provável que isso ocorra porque 92% dos estupros na Suécia são cometidos por imigrantes , e o governo e a mídia suecos pretendem ocultar essas informações e manter as pessoas ignorantes e complacentes com relação ao que está acontecendo com seu país por causa do influxo de migrantes muçulmanos.

Mas agora essa determinação de impedir as pessoas de desenvolver pensamentos negativos sobre os imigrantes muçulmanos na Suécia está interferindo ativamente na segurança pública.

“Criança sueca violada por ‘três homens’ a caminho de casa: a polícia se recusa a dar descrição dos perpetradores”, Voz da Europa , 6 de maio de 2018:

Uma menina de 10 anos foi atacada por três homens depois que ela deixou a escola e estava voltando para casa. A criança foi estuprada em um cemitério em Östervåla, nos relatórios da Aftonbladet na Suécia .

Era quinta-feira, por volta das 15:00h, o terrível incidente ocorreu. Segundo a polícia, três perpetradores estavam envolvidos. Pelo menos um deles estuprou a garota.

“Nenhuma pessoa foi presa, mas recebemos uma boa descrição dos criminosos. Nós não queremos publicá-lo na mídia ”, diz o investigador da polícia Daniel Nilsson à SVT .

Com informações de Jihad Watch e imagem de Red Ice

Em Moscou, Netanyahu diz a Putin que o Irã ainda está buscando a destruição dos judeus

Visitando o memorial da Segunda Guerra Mundial, Bibi diz que é “inacreditável” que 73 anos depois do Holocausto, Teerã ainda peça o genocídio do povo judeu”.

Fonte: The Times of Israel

Violência palestina: Policial ferida em motim após bomba lançada contra policiais

Uma policial de fronteira foi ferida num motim de manifestantes palestinos fora de Jerusalém depois que os manifestantes atiraram uma bomba nos policiais, diz a polícia.

A policial foi ferida por uma pedra lançada por desordeiros na cidade de Abu Dis, na Cisjordânia. Ele foi levada ao Centro Médico Hadassah Ein Kerem para tratamento.

A bomba lançada contra os policiais causou danos ao portão da base policial, mas nenhum ferimento foi relatado na explosão. Uma declaração da Polícia de Fronteira diz que os policiais estavam usando “medidas não-letais” para dispersar as dezenas de manifestantes.

– Jacob Magid

Com informações de The Times of Israel

Merkel diz que a Europa fará tudo para manter o Irã em acordo nuclear

A Alemanha, a França e a Grã-Bretanha farão “tudo” para garantir que o Irã permaneça no marco do acordo nuclear de 2015, afirmou a chanceler Angela Merkel, um dia depois de os EUA terem desistido do acordo.

“Continuaremos comprometidos com este acordo e faremos de tudo para garantir que o Irã cumpra o acordo”, disse Merkel, acrescentando que Berlim tomou a decisão em conjunto com Paris e Londres.

Com informações de The Times of Israel e imagem de Spiegel

Emirados Árabes Unidos e Bahrein apoiam a saída dos EUA do acordo com o Irã

Mais duas nações do Golfo Árabe, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, expressam apoio à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do acordo nuclear com o Irã.

Os Emirados Árabes Unidos dizem que o acordo não garante que o Irã se abstenha de buscar uma arma nuclear no futuro.

O Bahrein, que acusou o Irã de armar e treinar manifestantes xiitas do Bahrein com o objetivo de desestabilizar o país, afirmou na noite de ontem que a decisão de Trump reflete o compromisso dos EUA de enfrentar as “contínuas tentativas do Irã de espalhar o terrorismo na região”.

A Arábia Saudita – um dos mais ferozes inimigos regionais do Irã – apressou-se em expressar seu apoio à decisão de Trump, dizendo que o Irã explorou os benefícios econômicos das sanções para continuar com suas atividades desestabilizadoras.

Omã, uma nação do Golfo Pérsico que ajudou a mediar as conversas entre os EUA e o Irã que levou ao acordo, diz que “valoriza a posição dos cinco parceiros (P5 + 1) em aderir a este acordo, contribuindo para a segurança regional e internacional” e estabilidade ”, referindo-se aos co-signatários do acordo – Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia e China – todos os quais instaram os EUA a aderir ao acordo.

– AP

Com informações de The Times of Israel

Lutando pelos cristãos e minorias perseguidos