Arquivo da tag: África

O drama das meninas que têm os seios queimados a ferro para ‘adiar a puberdade’

BBC – Simone teve os seios queimados aos 13 anos. Kinaya passou pelo mesmo aos 10. Os nomes das meninas são fictícios, mas suas histórias, não.

As duas vivem no Reino Unido e são de famílias de origem africana, onde a prática de queimar a ferro seios de adolescentes, na tentativa de atrasar seu crescimento, é muito comum em algumas regiões.

“Minha mãe dizia que se (meus seios) não fossem queimados a ferro, os homens iriam começar a se aproximar de mim, buscando sexo”, conta Kinaya.

Normalmente é a própria mãe quem queima o peito das filhas. Usam uma pedra, uma colher ou até mesmo um ferro de passar quentes para achatar os seios das jovens na puberdade.

A prática pode se repetir ao longo de meses.

“O tempo não apaga esse tipo de dor. Você não pode chorar. Se você chora, dizem que você envergonha a família por não ser uma garota forte”, relata Kinaya.

Estima-se que mais de mil meninas tiveram os seios queimados dessa forma no Reino Unido. A prática está sendo questionada e o Sindicato Nacional de Educação britânico alerta que as escolas britânicas são obrigadas a proteger as meninas desse tipo de abuso. Para o governo, professores têm obrigação de comunicar a prática.

Kinaya e sua filh
Image caption‘Kinaya’ não deixou que a filha passasse pelo mesmo sofrimento que passou

Kinaya já é adulta e tem filhas. Quando a mais velha completou 10 anos, a mãe dela sugeriu submetê-la à prática. “Eu disse não, não, não. Nenhuma filha minha vai passar pelo que eu passei. Eu ainda vivo com o trauma”.

Ela mudou-se para longe da família, temendo que seus parentes fossem querer queimar o peito das filhas à força, sem a autorização dela.

No programa matinal Victoria Derbyshire, da BBC, uma mulher relatou que só descobriu que o que fizeram com os seios dela não era normal durante uma aula de educação física. Na hora de trocar de roupa, no vestiário, reparou que tinha algo de errado com ela.

garota com faixa aperdada prendendo o peitoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionNormalmente são as mães que queimam e amarram os seios das filhas

Mas os professores nunca repararam, nem mesmo quando ela parou de frequentar as aulas de educação física.

“Se o meu professor soubesse, se tivesse treinamento, eu poderia ter tido a ajuda que eu precisava enquanto ainda era criança”, relatou, contando que a irmã dela também teve os seios queimados aos oito anos.

Simome também contou sua história ao programa Victoria Derbyshire. Ela teve os seios queimados aos 13 anos, quando a mãe descobriu que ela era gay.

“Minha mãe achava que, talvez, eu fosse atraente por causa dos meus seios. Então, se ela conseguisse achatá-los, eu seria feia e ninguém ia me admirar”, relatou.

Por meses, os seios de Simone foram queimados. Ela foi obrigada a usar uma faixa apertando o peito. “Às vezes era difícil respirar”, contou.

Stone used for breast ironingDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionUma pedra ou uma colher aquecidas no fogo são, normalmente, usados para queimar os seios de meninas na puberdade

Anos depois, ela teve um bebê com o homem com quem foi forçada a se casar.

Amamentar se transformou em algo mais difícil do que normalmente é. “O leite não sai normalmente, parece que tem um nó dentro. Acho que tive alguns nervos comprometidos”.

Crime escondido

No Reino Unido, não há um crime especifico para quem queima os seios a ferro. Mas o governo encara a prática como abuso infantil e informa que quem comete o ato pode ser processado.

A enfermeira Angie Marriott, que já trabalhou com ginecologistas e hoje dá palestras para polícia de Cheshire, no Reino Unido, afirma que a prática é mais comum do que se imagina no país e que existe subnotificação.

Ela descreve o problema como um crime escondido e sensível. Diz que as mulheres têm medo de falar e de sofrerem retaliação das suas comunidades. “Sei o que está acontecendo porque pessoas já se confidenciaram comigo e disseram que era a primeira vez que estavam falando sobre o assunto. Tinham vergonha”, conta a enfermeira.

Simone ainda carrega as cicatrizes dos abusos aos quais foi submetida. Ela quer aumentar a consciência das pessoas sobre o que está acontecendo.

“Para mim foi, no mínimo, abuso. Machuca, te desumaniza”, disse.

Angie Marriott
Image captionA enfermeira Angie Marriott diz que as mulheres têm medo de falar sobre a prática

Kiri Tunks, do Sindicato Nacional da Educação do Reino Unido, pede que professores e funcionários de escolas prestem mais atenção aos sinais.

Kicky Morgan, membro do Parlamento britânico, também se envolveu com o tema. Ela diz que é preciso treinar professores e pessoas que trabalham com jovens para que fiquem cientes de que o problema é real e acontece no Reino Unido.

“É preciso abordar o tema, falar sobre ele e parar com a prática”, afirma Morgan.

Imagem e informações BBC

“Pare a sua política de abrir fronteiras na Europa, precisamos da nossa juventude aqui”, exortam os líderes africanos

Muitos chefes de Estado africanos estão surpresos com a política de fronteiras abertas da Europa e pedem ao continente que o mude, disse o chanceler austríaco Sebastian Kurz ao tablóide alemão Bild.

Kurz, que estava em uma viagem à África, disse que alguns chefes de Estado o exortaram a “impedir sua política de abrir fronteiras na Europa“, já que isso leva a juventude africana a deixar o continente.

Isso só motiva a juventude africana a se separar“, disse o chanceler austríaco, citando seus equivalentes anônimos.

De acordo com o presidente etíope, Sahle-Work Zewde, é melhor que a juventude africana permaneça em seus países e nem queira vir para a Europa.

Está claro que não devemos perder nossa juventude porque eles fogem para a Europa. Precisamos atacar as causas em vez de nos preocupar com os sintomas.

A fuga é perigosa. Contrabandistas humanos criminosos ganham dinheiro com isso. Devemos manter as pessoas que conduzirão a Etiópia – e a África – em um futuro melhor ”, disse Sahle-Work Zewde.

Quando perguntado pela Bild se a Europa deveria ignorar os fluxos de migrantes da África, o Presidente disse:

Não, claro que não, mas temos que fazer uma distinção mais clara entre migrantes e refugiados. A África foi muito generosa em receber refugiados (…)

É bem simples: enquanto não melhorarmos as condições de vida locais, mais pessoas vão querer fugir para a Europa. E muitos deles têm ideias completamente erradas sobre o que esperar na Europa. ”

Com imagem e informações Voice of Europe

Egito: terroristas muçulmanos matam pelo menos sete cristãos em ônibus lotado de peregrinos

CAIRO – Na sexta-feira, terroristas islâmicos emboscaram um ônibus que levava peregrinos cristãos a um remoto mosteiro no deserto ao sul da capital egípcia, Cairo, matando pelo menos sete pessoas e ferindo 12, informou o Ministério do Interior. 

O porta-voz da igreja, Bouls Halim, disse que o número de mortos no ataque de sexta-feira provavelmente aumentará. Funcionários da igreja local na província de Minya, onde ocorreu o ataque, estimaram o número de mortos em 10, mas este valor mais alto não pôde ser confirmado.

Nenhum grupo foi imediatamente responsabilizado pelo ataque, que tinha o selo do Estado Islâmico, que há anos combate as forças de segurança na Península do Sinai e na fronteira porosa do deserto do Egito com a Líbia.

O ataque na sexta-feira é o segundo a assassinar os peregrinos que se dirigem ao mosteiro de San Samuel, o Confessor, em tantos anos. O ataque anterior, em maio de 2017, deixou quase 30 mortos.

Ministério do Interior que supervisiona a polícia disse que os terroristas usaram estradas de terra secundárias para chegar ao ônibus que transportava os peregrinos, que estavam perto do mosteiro no momento do ataque.

O ataque do ano passado foi o mais recente de uma série letal de ataques contra igrejas no Cairo, na cidade mediterrânea de Alexandria e Tanta no Delta do Nilo, ao norte da capital. Esses ataques, todos reivindicados pelo grupo do Estado Islâmico, deixaram pelo menos 100 pessoas mortas e levaram a uma maior segurança nos locais de culto cristãos e outras instalações ligadas à Igreja.

Os cristãos no Egito, que representam cerca de 10% dos 100 milhões de habitantes do país, queixam-se da discriminação no país de maioria muçulmana. A Igreja aliou-se ao presidente Abdel-Fattah el-Sissi quando ele, como ministro da Defesa, liderou a derrubada militar em 2013 de um presidente islamita, Mohammed Morsi.

Imagem US News & World Report e informações e  NBC News e Israel Noticias

Menina somali de 10 anos morre após mutilação genital feminina

JOHANESBURGO (AP) – Uma menina de 10 anos sangrou até a morte depois de passar por mutilação genital feminina na Somália, disse uma ativista, uma rara morte confirmada no país com a taxa mais alta da prática no mundo.

A menina morreu em um hospital dois dias depois de sua mãe levá-la a um local que faz tradicionalmente a “circuncisão” num vilarejo remoto perto da cidade de Dhusamareb, no estado de Galmudug, Hawa Aden Mohamed, disse em um comunicado o Centro de Educação Galkayo para a Paz e o Desenvolvimento.

“Na circuncisão há suspeito de ter se cortado uma veia importante no decorrer da operação”, disse Mohamed.

Cerca de 98% das mulheres e meninas da região do Chifre da África sofrem mutilação genital feminina, de acordo com as Nações Unidas. Embora a Constituição da Somália proíba a prática, Mohamed disse que nenhuma lei foi promulgada para garantir que aqueles que realizam as circuncisões sejam punidos.

Os legisladores estão “com medo de perder sua influência política entre os grupos tradicionais e religiosos conservadores e todo-poderosos que desejam manter a prática”, disse ela.

Os profissionais de saúde alertaram contra os riscos da prática em que, na maioria dos casos, a genitália externa é removida e a vagina é costurada e quase fechada.

Apesar das campanhas na Somália contra a prática, ela é “obscurecida em segredo, então reduzir isso tem sido um enorme desafio”, disse Brendan Wynne, da Donor Direct Action, de Nova York, que conecta ativistas em todo o mundo.

Mais de 200 milhões de mulheres e meninas em 30 países em três continentes experimentaram mutilação genital, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, no início deste ano, chamando-a de “grave violação dos direitos humanos de mulheres e meninas”.

O Fundo de População da ONU pontua que as estimadas 3,9 milhões de meninas submetidas a cortes genitais a cada ano aumentem para 4,6 milhões até 2030, devido ao crescimento esperado da população, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

Com imagem e informações Breitbart

Nigéria: Dois cristãos são assassinados por muçulmanos após culto evangélico

“Pastores fulanis”(muçulmanos) emboscaram e mataram dois cristãos no centro da Nigéria quando deixaram um culto evangélico e estavam voltando para casa.

A Morning Star News  noticiou na quinta-feira que Ibrahim Weyi, 45, e Larry More, 53, foram atacados pelos pastores muçulmanos fulanis na noite de domingo, quando voltavam para casa de motocicleta após o culto na Igreja Evangélica Winning All, em Kwall, estado de Plateau.

Os radicais também feriram outro cristão de 23 anos, Samuel Weyi, que sobreviveu e está sendo tratado em um hospital em Jos.

Os pastores fulanis continuaram matando cristãos inocentes em nossas aldeias, mas o governo nigeriano não tomou medidas proativas para acabar com o ataque”, disse o residente Lawerence Zango.

O Rev. Sunday Zibeh, pastor da igreja da ECWA em Nzharuvo, Miango, disse que 11 cristãos foram mortos pelos fulanis na região de Bassa desde fevereiro.

E essas são apenas uma parte das centenas de crentes  que foram massacrados em todo o país desde o início do ano, com os Fulani aumentando seus ataques mortais mês a mês.

“Nestes casos, as vítimas foram emboscadas e mortas pelos pastores ou atacadas em suas casas à noite”, disse Zibeh“A triste realidade é que o governo nigeriano liderado pelo presidente Muhammadu Buhari, ele próprio um muçulmano e fulani, não agiu de forma alguma para acabar com esses ataques.”

Cristãos de diferentes denominações insistiram que Buhari não está fazendo o suficiente para proteger o povo. Após o assassinato de dois padres em um ataque que matou 19 pessoas durante uma missa católica no Estado de Benue em abril, a Conferência dos Bispos Católicos da Nigéria disseram em um comunicado :

“Estamos tristes. Estamos com raiva. Nos sentimos totalmente expostos e mais vulneráveis. Diante dessas nuvens escuras de medo e ansiedade, nosso pessoal está sendo cotado diariamente por alguns para se defender. Mas se defender com o quê?”

Os bispos acrescentaram que os cristãos “se sentem violados e traídos em uma nação que todos nós continuamos a sacrificar e a orar. Nós nos sentimos abandonados e traídos coletivamente”.

Buhari chamou o ataque aos crentes na igreja de “particularmente desprezível“.

“Violar um local de culto, matar padres e fiéis não é apenas vil, perverso e satânico, é claramente calculado para provocar conflitos religiosos e mergulhar nossas comunidades em derramamentos infinitos de sangue”, disse ele na época.

Ainda assim, os líderes católicos enfatizaram que, independentemente da razão pela qual Buhari esteja impedido de conter as mortes, “ele não deve mais continuar a presidir os campos de extermínio e o cemitério em massa que nosso país se tornou”.

A frustração foi repetida pela predominantemente cristã Irigwe Development Association, cujos membros foram mortos e sofreram muito nas mãos dos fulanis.

“A nação Irigwe sente-se compelida, mais uma vez, a alarmar a contínua perda de vidas de ataques a aldeias inocentes”, disse em abril domingo Abdu, presidente da associação.

“Você está ciente de que nós enterramos 25 pessoas no dia em que havíamos planejado enterrar quatro dos cinco que foram mortos na noite da visita do presidente ao estado, isso é um acréscimo aos que foram enterrados numa série de ataques desde janeiro, para não mencionar o número de casas que perdemos de tais ataques e a destruição de fazendas que garantiu uma fome iminente “.

Com imagem The Gospel Herald e informações Christian Post

Muçulmanos decapitam 10 pessoas, inclusive, crianças em Moçambique

Dez pessoas, incluindo crianças, foram decapitadas em um vilarejo no norte de Moçambique em um ataque no fim de semana, atribuído a islamitas, disseram fontes locais na terça-feira.

O ataque ocorreu em Monjane, uma aldeia não muito longe de Palma, uma pequena cidade que se prepara para ser o novo centro de gás natural do país na província de Cabo Delgado, no norte do país. “Fomos informados sobre essa tragédia“, disse o administrador de Palma, David Machimbuko, com a informação também confirmada por um residente local, que culpou os islamitas. A emissora estatal de Moçambique também reportou “10 pessoas decapitadas” na área de Palma.

Desde outubro, Cabo Delgado tem visto vários ataques por suspeitos islamitas radicais. Uma das vítimas do ataque de fim de semana foi o líder da aldeia de Monjane, disse um morador local, sem dar seu nome por medo de represálias. “Eles atacaram o chefe enquanto ele dava informações à polícia sobre a localização do al-Shabaab nas florestas“, disse ele à AFP, referindo-se a um grupo armado que acredita ser responsável por um ataque mortal em outubro a uma delegacia de polícia e posto militar no país. cidade de Mocimboa da Praia. Dois policiais morreram e 14 criminosos foram mortos no que se acreditava ser o primeiro ataque jihadista ao país. O grupo não tem vínculo conhecido com o grupo jihadista somali de mesmo nome. Nas semanas seguintes, pelo menos 300 muçulmanos foram presos e várias mesquitas fechadas à força.

AFP

Com imagem de The Conversation  e informações Vanguard

Filho de pastor nigeriano relata que pai foi queimado vivo pelo Boko Haram

Um líder da igreja nigeriana que fugiu da perseguição islâmica na Nigéria compartilhou os detalhes horríveis de como seu pai foi morto por não abandonar a fé cristã e como os terroristas alinhados do Estado Islâmico incendiaram o prédio da igreja onde congregava.

David-Olonade Segun, que agora reside na Holanda, disse ao Holland Sentinel  que um novo capítulo de sua vida começou há alguns anos, depois que sua família foi alvo de extremistas afiliados ao Boko Haram (também conhecido como Estado Islâmico da África Ocidental desde 2015).

Segun e sua esposa, que eram originalmente da área de maioria cristã do sudoeste da Nigéria, dirigiam um ministério chamado Assembléia da Vida Vitoriosa, dirigindo também serviços vinculados à escola, orfanato e socorro às viúvas.

Embora o ministério tenha começado originalmente no sudoeste da Nigéria, Segun e sua família tomaram a decisão de transferir o ministério para a parte norte da Nigéria, que tem sido atormentado pela violência nos últimos anos, mesmo sabendo dos riscos que corriam.

De acordo com o Holland Sentinel, o ministério fornecia casa para 150 crianças órfãs e ofereceu cuidados aos pobres e viúvas em partes do norte da Nigéria. Além disso, o ministério forneceu água limpa para as aldeias locais.

As ações dos cristãos causaram ira no grupo terrorista Boko Haram, que vem aterrorizando o estado de Borno, no nordeste da Nigéria, com seu jihadismo salafista desde 2011 matando milhares de pessoas. O grupo também escravizou inúmeras mulheres e meninas da escola.

O pastor recordou o ataque que mudou sua vida para sempre. No entanto, ele não estava lá quando aconteceu.

Segun disse ao jornal que no dia seguinte em que ele, sua esposa e seus quatro filhos saíram de casa para ir a um congresso em que Segun seria orador, os militantes do Boko Haram chegaram em sua casa. Embora a mãe de Segun tenha conseguido escapar, seu pai não teve tanta sorte.

Militantes supostamente questionaram o pai de Segun sobre onde ele estava. O pai disse a eles que seu filho havia ido à igreja. Depois que os militantes não puderam encontrar Segun na igreja, eles atearam fogo e mataram o pastor assistente da igreja.

Segun afirmou que os militantes voltaram para seu pai e colocaram uma Bíblia e um Alcorão na frente dele e lhe disseram para escolher um dos dois livros sagrados. Segun disse que depois que seu pai escolheu a Bíblia, os militantes lançaram gasolina em seu corpo e o queimaram até a morte.

Se eles tivessem destruído tudo o que eu possuía, isso não significaria nada para mim“, afirmou Segun. “Mas meu pai, ele amava a Jesus, ele me ensinou a ser forte”.

Meu amigo me encorajou: ‘Seu pai ficou com Cristo no final‘”.

Segun disse que perdeu tudo o que trabalhou por mais de 18 anos para conseguir.

Após o ataque, ele finalmente decidiu ir para os EUA, considerando que apenas algumas semanas antes eles tinham recebido vistos para visitar os EUA para um período planejado de férias, tendo conseguido sua permanência no país.

Você sabe, às vezes, você pensa em algumas coisas boas. Eu penso: ‘Deus, e se [Boko Haram] viesse ontem (antes que a família partisse para a conferência)?’ Este é o caminho de Deus para nos salvar. Eu também penso nisso … Eu oro pelos cristãos no norte da Nigéria, porque eles são mortos todos os dias. “

A Nigéria classifica-se  como o 14º pior país do mundo no que diz respeito à perseguição cristã, de acordo com a World Watch List de 2018 da Open Doors USA.

 Em seu relatório de 2018  divulgado no mês passado, a Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos EUA pediu novamente ao Departamento de Estado dos EUA que listasse a Nigéria como um “país de preocupação particular” por violações sistemáticas, constantes e notórias da liberdade religiosa.

 

Em fevereiro, o Boko Haram sequestrou mais de 100 estudantes de uma escola secundária na cidade de Dapchi. Embora a maioria das alunas que ainda estavam vivas fossem libertadas, o grupo terrorista supostamente manteve uma colegial porque ela se recusou a renunciar sua fé em Cristo.

No início deste mês, a mãe de Leah Sharibu declarou  quão orgulhosa se mantpem por saber que sua filha não renunciou sua fé em Cristo.

E por causa disso, eu sei que Deus nunca a abandonará,” teria dito a mãe da menina sequestrada . “Quando ela foi para a escola, eu dei a ela uma cópia da Bíblia para que ela pudesse ter suas devoções mesmo quando eu não estava lá. Como mãe, eu sei que ela é uma filha obediente, respeitosa e alguém que coloca os outros antes dela mesma.

Com informações de Christian Post e imagem Reuters

Argélia continua promovendo forte perseguição contra cristãos

Governo muçulmano argelino impõe pesadas multas aos cristãos pelo transporte de Bíblias e fecha igrejas

O governo argelino impôs pesadas multas a dois irmãos por transportar mais de 50 Bíblias em seu carro, apenas algumas semanas depois de negar que esteja discriminando a minoria religiosa do país, ordenando o fechamento de várias igrejas nos últimos meses, segundo o World Watch Monitor .

Os irmãos, Nouredine e Belabbes Khalil, afirmaram que as Bíblias que eles carregavam eram para uso exclusivo da Igreja, mas os promotores insistiram que os livros seriam usados ​​para proselitismo.

De acordo com o World Watch Monitor , os dois irmãos foram multados em 100 mil dinares (US $ 900) em 8 de março por um tribunal em Tiaret, a cerca de 300 quilômetros a sudoeste da capital, Argel.

O caso dos irmãos vem da sua prisão em 2015, quando foram interrogados sobre a origem das 56 Bíblias e o que estavam planejando fazer com elas.

Eles sustentavam que as Bíblias eram destinadas à comunidade da igreja, que Nouredine lidera, então a polícia devolveu os livros e libertou os dois homens. No entanto, os irmãos enfrentaram uma ação judicial depois que seu caso foi encaminhado a um promotor.

Um tribunal condenou inicialmente os irmãos a dois anos de prisão e uma multa de 50.000 em dezembro de 2017, mas as sentenças de prisão foi anulada em 8 de março. Os irmãos receberam penas suspensas de três meses cada, mas suas multas foram duplicadas.

A Igreja Protestante da Argélia (conhecida por sua sigla em francês, EPA) denunciou as multas contra os dois homens como “intimidação”. A organização designou um grupo de advogados para ajudar os irmãos a apelar do veredicto de 8 de março.

 As multas contra os dois homens ocorreram quando o ministro de Assuntos Religiosos da Argélia negou discriminação contra a minoria cristã, ordenando o fechamento de igrejas. Mohamed Aissa insistiu que as igrejas “não cumprem os padrões exigidos de um local de culto.

“As instituições que foram fechadas foram fechadas porque foram construídas sem cumprir os regulamentos da República”, disse ele, observando que os estabelecimentos devem ser fechados se um prédio não tiver saídas de emergência, “mesmo que seja uma mesquita”.

“Quando um local de culto é construído sem qualquer aviso mostrando que é um local de culto, que pode permitir ao Estado protegê-lo, este lugar deve ser fechado”, acrescentou.

 O ministro destacou que a liberdade de religião é protegida pela Constituição da Argélia, mas ele observou que o Estado é responsável pela prática religiosa dos não-muçulmanos. Em 2008, 26 igrejas na Argélia foram fechadas após a implementação de uma lei de 2006 para regular o culto não-muçulmano.

Sob a lei de 2006, uma permissão deve ser obtida  antes que um edifício possa ser usado para o culto não-muçulmano, e tal atividade só poderia ocorrer em edifícios especificamente designados para esse fim.

Com informações de  Christian Today e  imagem de Stock

Aumenta violência contra cristãos africanos

Grupos militantes islâmicos que operam em regiões africanas pretendem criar uma sociedade exclusiva, onde prevalecem as leis do islã e a imposição de suas regras de vida.

Atualmente, a maioria dos países norte-africanos, como a Argélia, por exemplo, tem enfrentado uma séria ameaça de grupos militantes islâmicos que operam na região. Sabe-se que esses grupos pretendem criar uma sociedade exclusiva, onde prevalecem as leis do islã e a imposição de suas regras de vida em todos os sentidos, desde a vida social até a religiosa. Esse tipo de sociedade não deixa espaço para os cristãos.

De acordo com relatórios do exército argelino sobre as operações contra militantes islâmicos, na província oriental de Batna, cerca de 50 militantes do exército inimigo foram mortos no primeiro semestre desse ano. Acredita-se que 5 deles estavam associados ao Al-Qaeda, um dos grupos que está em atividade nas partes mais remotas do país.

O DIP 2017 (Domingo da Igreja Perseguida) vai abordar a situação de alguns países africanos, onde o extremismo islâmico também está agindo com muita violência. A Argélia faz fronteira com dois deles: Mali (44º da atual Classificação da Perseguição Religiosa) e Níger (49º). Para esses governos, aqueles que criticam o islã são considerados os “apóstatas do Estado”. Dessa forma, os governantes ferem a liberdade de religião e de expressão no país.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/11/aumenta-violencia-contra-cristao-africanos

Cristãos africanos precisam da nossa ajuda

Enquanto enfrentam a violência, eles oram com fé e também contam com as nossas orações para que sejam fortes e perseverantes apesar de tudo enfrentam a violência, eles oram com fé e também contam com as nossas orações para que sejam fortes e perseverantes apesar de tudo.

Nossos irmãos perseguidos em diversos países africanos têm histórias que contam sobre suas lutas e também sobre suas vitórias. Entre a pobreza e a fome, eles estão abastecidos espiritualmente da Palavra. Enquanto enfrentam a violência, eles oram com fé e também contam com as nossas orações para que sejam fortes e perseverantes apesar de tudo. Na Nigéria, por exemplo, há vários casos em que a perseguição assolou a vida de famílias inteiras, e que hoje, contam com a nossa ajuda.

O caso das meninas do Chibok, que foram sequestradas há dois anos de uma escola secundária, por guerrilheiros do Boko Haram, deixou pais e mães inconsoláveis. Nesse mês, 21 delas foram libertadas, além de outras duas que foram resgatas anteriormente. Mas o número total de meninas sequestradas é de 228. Ainda há pelo menos duas centenas de famílias que choram a perda de suas filhas. E há notícias de que algumas já perderam suas vidas em bombardeios.

Os pais dessas meninas ainda vivem sob intensa pressão, pelo menos 18 deles já morreram de doenças relacionadas ao estresse dessa situação. Muitos buscam refúgio em Deus e se declaram firmes na fé, mas todos eles continuam precisando de ajuda. Esses pais ainda expressam a esperança de reencontrar suas filhas, que foram arrancadas deles por conta da violência de grupos extremistas islâmicos e da perseguição religiosa no país. Em suas orações, interceda por eles.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/10/cristaos-africanos-precisam-da-nossa-ajuda