Arquivo da tag: #al-Nusra

Estado Islâmico decreta jihad à Rússia

O autoproclamado Estado Islâmico decretou uma jihad, ou guerra santa muçulmana, contra a Rússia e Estados Unidos. No espaço de uma semana, tornou-se no segundo grande grupo extremista na Síria a ameaçar Moscovo  pela sua campanha aérea a favor de Bashar al-Assad.

“A Rússia será derrotada”, disse um dos porta-vozes do grupo extremista, numa mensagem áudio publicada nesta quarta-feira. Nela, Abu Mohamed al-Adnani apela a que “muçulmanos por toda a parte lancem uma jihad contra os russos e americanos”, responsáveis, segundo ele, por uma “guerra de cruzada contra os muçulmanos”.

Há muito que os Estados Unidos são referência habitual nas ameaças do grupo extremista, mas esta é a primeira vez em que a Rússia é expressamente visada. Moscovo começou a bombardear posições de grupos insurgentes na Síria no dia 30 de Setembro, a pedido do Presidente sírio e sob o pretexto de atacar o Estado Islâmico. Os caças russos já fizeram vários ataques contra os jihadistas na Síria, embora estes representem apenas uma fracção das suas ofensivas aéreas.

Os alvos da Rússia na Síria são motivo de divergências com o Ocidente, que acusa Moscovo de atacar grupos de rebeldes moderados, alguns deles financiados pelos Estados Unidos. Os caças russos atacam sobretudo o Noroeste do país, território onde o Estado Islâmico não tem uma presença relevante – à excepção de Aleppo. Esta área é maioritariamente controlada por alianças de grupos islamistas radicais, embora haja lá também grupos do fragmentado Exército Livre da Síria, apoiado pelo Ocidente e aliados árabes. Vários grupos ditos moderados aliaram-se a jihadistas para fazerem frente à dupla ofensiva de Moscovo e Damasco aos seus territórios.

O embaixador da Rússia na Síria afirmou nesta quarta-feira que, para além do Estado Islâmico, a ofensiva de Moscovo é dirigida também contra a Frente al-Nusra, o poderoso braço da Al-Qaeda no país. “Está tudo claro: estas organizações são reconhecidas como terroristas por todo o mundo e constam da respectiva lista do Conselho de Segurança da ONU”, disse Alexandre Kinchtchak.

A Frente al-Nusra declarou também guerra contra a Rússia esta semana. Em comunicado, o grupo islamista – uma das principais facções na guerra da Síria –, pediu aos jihadistas no Cáucaso que atacassem a população russa e prometeu que o envolvimento de Moscovo na guerra “fará com que os russos esqueçam os horrores que encontraram no Afeganistão”.

Do Ocidente, disse o embaixador russo na Síria, há “especulações, deformações e tentativas de apresentar estes grupos de bandidos como rebeldes, membros do braço armado da oposição moderada na Síria”. Alexandre Kinchtchak põe o dedo na ferida do Ocidente, que resiste à noção de que a oposição moderada na Síria é em larga medida inviável e que em nada se compara aos mais fortes e bem preparados grupos extremistas.

“À medida que a guerra civil na Síria se radicalizou, os ditos grupos de rebeldes moderados foram ou derrotados ou absorvidos pelos grupos islamistas, que passaram ao primeiro plano”, afirmou, citado pela AFP.

http://www.publico.pt/mundo/noticia/estado-islamico-decreta-jihad-a-russia-1711150

Syrian group says Nusra abducted its leader, in blow to U.S. plan

The al Qaeda-linked Nusra Front has abducted the leader of a U.S.-backed rebel group in north Syria, opposition sources and a monitoring group said, in a blow to Washington’s efforts to train and equip fighters to combat ISIS.

A statement issued in the name of the group, “Division 30”, accused the Nusra Front of abducting Nadim al-Hassan and a number of his companions in a rural area north of Aleppo. It urged Nusra to release them.

A Syrian activist and a second opposition source said most of the 54 fighters who have so far completed a U.S.-led train and equip programmed in neighbouring Turkey were from Division 30.

The Syrian Observatory for Human Rights, a UK-based group that reports on the war, said the men were abducted while returning from a meeting in Azaz, north of Aleppo, to coordinate efforts with other factions. The opposition source said they were abducted on Tuesday night.

The train and equip programme aims to bolster Syrian insurgents deemed politically moderate enough by the United States to fight ISIS that has seized wide areas of Syria.

The Nusra Front, which Washington has designated a terrorist organisation, has a track record of crushing U.S.-backed rebels in Syria. Last year, it routed the Syria Revolutionaries Front led by Jamal Maarouf, viewed as one of the most powerful insurgent leaders until his defeat.

It was also instrumental in the demise of the U.S.-backed Hazzm Movement, which collapsed earlier this year after clashing with the Nusra Front in the northwest.

The U.S. military launched the program in May to train up to 5,400 fighters a year in what was seen as a test of President Barack Obama’s strategy of getting local partners to combat ISIS.

But many candidates were declared ineligible and others dropped out. U.S. Defense Secretary Ash Carter said it has fallen far behind plans.

Washington and Ankara this week announced their intention to provide air cover for Syrian rebels and jointly sweep ISIS fighters from a strip of land along the border, with U.S. warplanes using bases in Turkey for strikes.

But the United States and Turkey have not yet agreed which Syrian rebels they will support in the effort.

https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/07/30/Syrian-group-says-Nusra-abducts-its-leader-in-blow-to-U-S-plan.html

Syria’s Aleppo suffering three-week ‘water crisis’

Government and rebel-held parts of Syria’s Aleppo have been without safe water for nearly three weeks because the war-torn city’s only pumping station is not functioning, residents said Thursday.

The cause of the problem is disputed, with some residents saying a lack of fuel was the issue, but a monitor reporting that the opposition group controlling the facility had shut it down.

“There is a water crisis in the whole city,” said Mamun Abu Omar, head of a pro-rebel press agency.

“All our water was from the Euphrates River. The pumps would bring it in, filter it, and it would reach Aleppo’s residents,” Abu Omar told AFP.

But for the past 20 days, residents have been forced to purchase individual cisterns of unfiltered water.

“The water from these cisterns isn’t healthy — it’s often uncovered and exposed to the air,” Abu Omar said.

According to the Syrian Observatory for Human Rights monitoring group, people were drawing water from wells.

“Many residents have suffered cases of poisoning after drinking this water… Those who can are buying bottled water,” the Britain-based monitor said.

An AFP journalist in Aleppo city said the water had caused rashes and cases of poisoning among inhabitants.

In a video filmed by activists, a man identified as a doctor said that residents were suffering gastrointestinal infections after drinking “unsafe” water.

“Water from the wells is not safe to drink, and it’s often polluted with insect waste,” the man said.

Once Syria’s commercial hub, Aleppo city has been divided between government control in the west and rebel control in the east since shortly after clashes there began in mid-2012.

Due to heavy regime bombardment of rebel-held neighbourhoods and fierce clashes in the city, Aleppo’s electricity infrastructure has been severely damaged.

As a result, residents and the Observatory said, the city’s sole water pumping station now relies on diesel rather than electricity to distribute water.

Residents told AFP that the Al-Qaeda affiliated Al-Nusra Front group controlling the Sleiman al-Halabi pump says it has run out of diesel to operate it.

But the Observatory’s Abdel Rahman said the group was trying to pressure the government to restore electricity.

“They have issued a list of demands, including constant provision of fuel from the Red Crescent, but mainly they want the regime to provide electricity to all of Aleppo city,” he said.

Mohammed al-Khatieb, an activist speaking on the Internet from Aleppo, said an initiative by a neutral grouping of residents was trying to resolve the issue.

Last month, health authorities in Aleppo province issued distress calls over severe fuel shortages resulting from a jihadist blockade.

Doctors Without Borders (MSF) said a fuel blockade by the Islamic State group was hindering the work of health facilities and health organisations in Syria’s north.

https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/07/16/Syria-s-Aleppo-suffering-three-week-water-crisis-.html

Obama, GCC leaders forge consensus on Iran

GCC official says summit “exceeds expectations”

In what might be characterized as a breakthrough by the trying standards of Middle East diplomacy, US President Barack Obama forged a diplomatic consensus with leaders of the Gulf Cooperation Council (GCC) around the possible benefits of a nuclear agreement with Iran and a more collaborative approach to security in the Middle East.

No one expects the GCC countries to embrace a nuclear agreement with Iran, given the well-earned animosity and mistrust between Iran and some of the GCC countries, especially Saudi Arabia and the United Arab Emirates, and the bloodletting taking place in Syria and Yemen. And there will of course be leaks about the understandable anxieties of certain Arab leaders with Iranian behavior whether there is a nuclear agreement or not, as change is neither immediate nor smooth, let alone assured.

But the detailed US-GCC Joint Statement following the May 13-14 Washington Summit should now be the benchmark for the positions of the United States and the GCC in addressing Iran and the broader issues of regional security in the Middle East. The summit statement should nullify the tired talking point by US critics that the Barack Obama administration is somehow selling out its Arab allies by pursuing a deal with Iran. Following the Camp David Summit, the United States and the GCC are, at least for now, and with eyes wide open about Iran, on the same page.

The joint statement “emphasized that a comprehensive, verifiable deal that fully addresses the regional and international concerns about Iran’s nuclear program is in the security interests of GCC member states as well as the United States and the international community.”

Barbara Slavin reports that “GCC assistant secretary general Abdel Aziz Abu Hamad Aluwaisheg told a press conference May 15 that the Camp David summit ‘exceeded the expectations of most of us’ by reassuring GCC states of an ‘unequivocal’ commitment to their security. President Obama also stressed, Aluwaisheg said, that an impending nuclear deal with Iran does not represent a ‘pivot’ toward Tehran.”

While reassuring the GCC that the United States has its back, Obama also made clear that “the purpose of any strategic cooperation [between the United States and the GCC] is not to perpetuate any long-term confrontation with Iran, or to even marginalize Iran.” An annex to the joint statement noted that “the United States and GCC member states reaffirmed their willingness to develop normalized relations with Iran should it cease its destabilizing activities and their belief that such relations would contribute to regional security.”

Seyed Hossein Mousavian writes that Iran has its own incentives to normalize relations with GCC countries: “Over and above the economic woes, Tehran will also have to focus on efforts to stabilize its surrounding environment, requiring, among other things, mending fences with its neighbors to prevent such potential security threats as the still rampaging Islamic State in Syria and Iraq from menacing Iran as well in the coming years. This, as already manifested in the Iranian assistance in the anti-IS military campaign, should serve as a base for better regional interaction between Iran and its neighbors in the Persian Gulf as well as with Turkey and Pakistan.”

The annex also referenced a forthcoming, second meeting of the US-GCC Strategic Cooperation Forum Working Group on Counterterrorism and Border Security. This column has repeatedly emphasized the need for a “new, regionally based mechanism to address counterterrorism taken up by those countries most affected by the rise of forces affiliated with al-Qaeda and jihadists.”

US: Syria no-fly zone not viable

The US-GCC Joint Statement made no mention of a safe or no-fly zone in Syria, which had been an aspiration for some GCC countries and Turkey.

White House deputy national security adviser Ben Rhodes told the Washington Post, “We have not seen a no-fly zone as being a viable option that can contribute to essentially changing decisively the situation on the ground given the nature of the fighting that’s taking place in urban areas and across the country.”

Last week, this column reported on the remarks by US Defense Secretary Ashton Carter on May 6 that a no-fly zone in Syria is “a difficult thing to contemplate,” describing the establishment and enforcement of “safe zones” as “a major combat mission.”

Julian Pecquet reports that the annual National Defense Authorization Act (NDAA), passed by the House of Representatives this week and referred to the Senate, requires the Department of Defense to provide a report on the feasibility of creating a no-fly zone in Syria, as well as seemingly conflicting provisions that Syrian rebel forces backed by the United States can defend themselves against the Syrian government, and that those groups that use US assistance to battle government forces would be precluded from further aid. The NDAA will now be taken up in the Senate.

The joint statement annex noted that the GCC committed to intensifying “efforts to combat extremist groups in Syria, notably by shutting down private financial flows or any form or assistance to ISIL/DAESH [Islamic State], Al Nusrah Front [Jabhat al-Nusra], and other violent extremist groups, and to intensify efforts to prevent the movement of foreign terrorist fighters in and out of Syria.”

The focus on foreign terrorist fighters will be put to the test, especially regarding Jabhat al-Nusra, an affiliate of al-Qaeda. Some US partners in the region have been seeking to engineer a split from al-Qaeda by a faction within Jabhat al-Nusra, as reported by David Ignatius on May 12. Cengiz Candar writes: “Turkey has become a strong supporter of the Army of Conquest that defeated the regime forces. That front mainly consists of al-Qaeda’s Syria branch Jabhat al-Nusra and the jihadist group Ahrar ash-Sham. Turkey’s support for and benign attitude toward the latter is an open secret. The Turkish-Saudi alliance cemented by Qatar that has transformed itself into heavy support for the actions of Jabhat al-Nusra and Ahrar ash-Sham may produce certain battlefield advantages for the non-IS Islamist opposition in Syria, but unless it’s fully endorsed by the United States, it’s far from certain to bring the regime down.”

This column warned last week about the role of Jabhat al-Nusra and other Islamic groups in recent military defeats of Syrian government forces. Whatever Bashar al-Assad’s crimes, the normalization or acceptance of al-Qaeda “factions,” past or present, should be cause for alarm and give greater urgency to diplomatic efforts to end the war sooner rather than later. There is no future for Syria in the advances of the “Army of Conquest” seeking an Islamic state in Syria. In December 2013, this column wrote that the rise of the Islamic Front, was “a disaster for Syria’s opposition and future. Most Syrians will likely want no part of the front and its jihadist brothers, given its agenda, patrons and increasing levels of foreign fighters.”

More encouraging for those seeking a diplomatic solution and political transition in Syria than the efforts to mainstream Jabhat al-Nusra may be the meeting in Sochi on May 12 between US Secretary of State John Kerry and Russia’s Foreign Minister Sergey Lavrov. In a joint press conference Kerry said: “From the Geneva communique to the removal of Syria’s chemical weapons, I would emphasize that we have seen what happens when Russia and the United States work together. It is clearly possible to make real progress and make important things happen … There is an urgent need, we agree, for that same kind of cooperation that brought about the removal of weapons from Syria — chemical weapons — that has characterized our cooperation on Iran. The same kind of effort is now necessary on some other challenges that we face together.”

Read more: http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2015/05/obama-gcc-consensus-iran.html#ixzz3aWNpduUO

Síria: Combates não param no campo de refugiados de Yarmouk e os palestinos não têm acesso a água , comida e medicamentos

Em Gaza, dezenas de palestinos, na maioria mulheres, manifestaram-se à porta do quartel-general das Nações Unidas para exigir o fim da violência contra os refugiados que ainda se encontram no campo de Yarmouk, nos subúrbios de Damasco, na Síria.

E“Mundo livre – ajuda o nosso povo no campo de Yarmouk” ou ainda “Queremos um campo livre de armas e militantes” foram algumas das mensagens que se podiam ler nos cartazes empunhados pelos manifestantes.

Segundo a ONU, ainda se encontram no campo, situado uma dezena de quilômetros ao sul do palácio presidencial de Bashar al-Assad, cerca de 18 mil civis, na maioria crianças.

O complexo foi tomado, na quarta-feira, por guerrilheiros do autodenominado Estado Islâmico, que controla atualmente cerca de 90% do campo, segundo as escassas informações disponíveis.

Os combates entre militantes de várias facções prosseguiam esta segunda-feira e o exército de Damasco teria voltado a lançar bombas sobre o campo de refugiados.

Em Barcelona, um representante da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Médio (UNRWA) afirma que “não tem sido possível enviar comida ou caravanas humanitárias para o campo desde que começou a atual fase de combates. Isto significa que não há comida, não há água e os medicamentos escasseiam. A situação no campo é pior do que desumana”, conclui Chris Gunness.

O campo é palco de confrontos e alvo de um cerco das forças fiéis a Assad desde Dezembro de 2012, quando foi tomado por rebeldes.

Antes da guerra civil na Síria, era uma espécie de “oásis” para cerca de 160.000 refugiados palestinos. Existiam aqui muitas lojas abertas, mais de duas dezenas de escolas, cafés, salões de beleza, táxis e outros serviços, como em qualquer bairro de uma cidade. Hoje, é apenas mais um dos muitos campos de batalha de uma guerra que matou mais de 220.000 pessoas.

http://pt.euronews.com/2015/04/06/siria-combates-nao-param-no-campo-de-refugiados-de-yarmouk/

Braço sírio da al-Qaeda sequestra 300 curdos em Idlib, dizem autoridades

Frente al-Nusra leva grupos que viajavam de ônibus por cidade tomada por jihadistas perto de Homs e Aleppo

BEIRUTE – A Frente al-Nusra, braço sírio da al-Qaeda, sequestrou até 300 curdos que viajavam de ônibus na província de Idlib para as regiões de Aleppo e de Damasco, autoridades locais informaram nesta segunda-feira.

Apesar de não haver maiores detalhes sobre as circunstâncias, a rede al-Mayadeen informou que crianças também estariam entre as vítimas levadas a até 30 km de Aleppo. Ativistas curdos ouvidos relataram que, na cidade de Dana, grupos fugiam da região para chegar a outras cidades ainda não tomadas por jihadistas. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos também confirmou o sequestro.

No Noroeste do país, Idlib se concentra principalmente em uma cidade homônima de menos de 200 mil habitantes que foi tomada do governo de Bashar al-assad por uma coalizão liderada pela al-Nusra.

A al-Nusra tem como principal objetivo derrubar o govern ode Assad, mas ao mesmo tempo domina territórios e combate outros rebeldes. Em algumas circunstâncias, o grupo já se degladiou com o Estado Islâmico, enquanto cooperou em outras atividades.

Foto: Homem corre com criança ferida durante confrontos em Idlib – AMMAR ABDALLAH / REUTERS
http://oglobo.globo.com/mundo/braco-sirio-da-al-qaeda-sequestra-300-curdos-em-idlib-dizem-autoridades-15791091

Ataques sírios matam 26 em campo de refugiados tomado pelo EI em Damasco

Mais de 2 mil moradores são retirados às pressas de Yarmouk, que tem 90% do território em mãos dos jihadistas.

BEIRUTE — Cerca de 400 famílias palestinas, ou 2 mil pessoas, fugiram nos últimos dias do campo de refugiados de Yarmouk, 8km ao Sul de Damasco, por medo de ataques de militantes do Estado Islâmico e da Frente al-Nusra e das reações do Exército sírio. Um dos mais conhecidos campos de refugiados palestinos, Yarmouk foi invadido pelos militantes islâmicos na quarta-feira passada e, desde então, é palco de uma violenta batalha entre insurgentes e forças do presidente sírio, Bashar al-Assad. Neste domingo, a ONU confirmou a retirada de 96 pessoas, sendo 20 crianças. A maioria foi levada para hospitais ou abrigos em Damasco, segundo a imprensa estatal síria. No total, 26 pessoas morreram nos combates. .

Informações não confirmadas indicam que os ataques do governo levaram ontem à retirada dos militantes de alguns pontos do campo. Mas a batalha por Yarmouk é uma das mais próximas à capital síria desde o começo da guerra civil no país, que completou quatro anos, com 220 mil vítimas. Segundo a ONG britânica Observatório Sírio para Direitos Humanos, os combatentes passaram a controlar 90% do campo no dia 1° de abril, apoiados por outras milícias que lutam para derrubar o governo de Damasco. Em resposta, de acordo com a ONG, a força aérea síria tem lançado bombas de maneira indiscriminada no campo.

A Agência das Nações Unidas de Assistência a Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA) classificou os acontecimentos em Yarmouk como “fonte de vergonha universal”. E pediu intervenção internacional para dar ajuda humanitária aos que ficaram no campo.

—Temos no momento um conflito armado intenso acontecendo nas ruas. As pessoas estão escondidas em suas casas, temerosas demais para se mover — disse o porta-voz da UNRWA, Chris Gunness.

Segundo a Organização para Libertação da Palestina (OLP), a retirada de civis acontece em duas frentes, coordenada com as forças do governo. Dados da ONU indicam que 18 mil civis ainda estão em Yarmouk. O campo chegou a abrigar 150 mil pessoas, mas desde 2011 foi abandonado por cerca de 90% dos moradores.

Durante uma manifestação em prol dos refugiados sírios em al-Bireh, na Cisjordânia, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, lamentou os últimos acontecimentos.

— Os palestinos estão pagando o preço por guerras e violência que eles não começaram. É preciso encontrar uma solução para os moradores de Yarmouk, que não fizeram nada para merecer isso.

http://oglobo.globo.com/mundo/ataques-sirios-matam-26-em-campo-de-refugiados-tomado-pelo-ei-em-damasco-15785919

Estado Islâmico controla 90% de campo de refugiados em Damasco

O Estado Islâmico assumiu o controle de 90% de um campo de refugiados palestinos nos subúrbios de Damasco, onde 18 mil civis sofrem há anos com bombardeios, cercos e controle de milícias, afirmou neste sábado (4) um grupo de monitoramento.

A ofensiva do EI em Yarmouk dá à organização uma importante presença na capital. Grupo insurgente mais poderoso na Síria, o Estado Islâmico está a apenas poucos quilômetros do local onde o presidente Bashar al-Assad governa o país.

A ONU (Organização das Nações Unidas) disse estar preocupada com a segurança e proteção de sírios e palestinos no campo. Civis encurralados há tempos sofrem um cerco do governo, que causou fome e doenças no local.

“A situação em Yarmouk é uma afronta à humanidade, uma fonte de vergonha universal”, afirmou o porta-voz da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina e do Próximo Oriente, Chris Gunness.

“Yarmouk é um teste, um desafio para a comunidade internacional. Não podemos falhar. A credibilidade do próprio sistema internacional está em jogo”, afirmou.

O Estado Islâmico lançou na quarta-feira um ataque contra outros grupos de combatentes em Yarmouk, principalmente o Aknaf Beit al-Maqdis, uma milícia anti-Assad formada por sírios e palestinos do campo.

Partidários do EI postaram fotos nas redes sociais de duas cabeças de homens que foram decapitados e que seriam da Aknaf Beit al-Maqdis.

ONU disse estar preocupada com a segurança e proteção de sírios e palestinos.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que monitora o conflito a partir da Grã-Bretanha, afirmou que o Estado Islâmico e o braço oficial da Al-Qaeda na Síria, a Frente Al-Nusra, obtiveram ganhos durante a madrugada, chegando a ocupar o nordeste do distrito, próximo ao centro de Damasco. Eles controlam agora 90 por cento do local.

O Estado Islâmico comanda grandes porções da Síria e do Iraque. Uma campanha aérea liderada pelos Estados Unidos tenta conter o avanço do grupo.

Yarmouk era o lar de meio milhão de palestinos antes do início do conflito na Síria, em 2011. A guerra já matou 220 mil pessoas e deixou milhões desabrigadas.

Autoridades do governo não foram encontradas para comentar. A agência de notícias estatal síria, Sana, afirmou que os terroristas do campo impedem que a ajuda humanitária chegue aos civis. Ela também informou que o Exército cercou a região.

http://noticias.r7.com/internacional/estado-islamico-controla-90-de-campo-de-refugiados-em-damasco-04042015

Al-Qaeda dá um passo para mais perto de Israel através da Jordânia

Afiliados da Al-Qaeda na Síria agora controlam todos os postos de fronteira com a Jordânia, trazendo o grupo terrorista a um passo de ameaçar Israel. Hamas está combatendo o ISIS em Damasco.

Rebeldes filiados da Al-Qaeda na Síria assumiram o último remanescente de passagem da fronteira para a Jordânia. Este sucesso coloca a organização terrorista a um passo de ameaçar a segurança israelense. Em Damasco, o Hamas e ISIS estão enfrentando uns aos outros em conflito.

Uma coalizão de grupos rebeldes atacaram a passagem de fronteira Nasib na terça-feira, e se juntaram a eles membros da Frente al-Nusra na quarta-feira. O exército sírio retirou-se do cruzamento e bombardeou os rebeldes com explosivos improvisados ​​feitos de tambores e barris de óleo readaptados. O bombardeio não conseguiu restaurar o controle do regime Assad.

A travessia está localizada na província de Daraa da Síria, uma cena crucial de combates entre as várias facções em guerra civil na Síria. Nasib serviu como um ponto de trânsito para uma importante rota de caminhões que se estende desde o Líbano para o Golfo Pérsico. A Jordânia fechou seu lado da passagem de fronteira na quarta-feira, a fim de não prejudicar os viajantes.

Jordânia, até agora, conseguiu manter-se de fora do combate perto de suas fronteiras em virtude de seus fortes serviços militares e de inteligência. O país reprimiu a al-Qaeda após os atentados de 2005 em hotel em Amã. A Jordânia é um país participante ativo em ataques aéreos liderados pelos EUA contra ISIS no Iraque, especialmente depois que a organização terrorista queimou um dos seus pilotos de caça até a morte. Além disso, muitos dos líderes da Al-Qaeda são de origem jordaniana, incluindo Abu Musab al-Zarqawi, o fundador da al-Qaeda no Iraque, que mais tarde se tornou ISIS.

Se a luta transbordar para a Jordânia, será um desastre para Israel, que já está em alerta sobre as Colinas de Golã. Da Síria, Bashar al-Assad evitou conflito com Israel, mas o regime de Assad é apoiado pelo Hezbollah, que trocaram tiros com a IDF. Nem são os grupos sunitas que lutam contra Assad amigos de Israel, embora Israel tenha fornecido apoio humanitário para grupos rebeldes não-islâmicos ao longo da fronteira.

Ao mesmo tempo, o ISIS assumiu grande parte do campo de refugiados palestinos de Yarmouk, em Damasco. Hamas prendeu vários agentes do ISIS por suspeita de assassinar um oficial do Hamas lá. O ISIS respondeu atacando o acampamento. Grupos rebeldes tinham anteriormente ocupado Yarmouk, mas deixaram em 2014 ao abrigo de um acordo que permitiu apenas os grupos anti-regime permanecerem. A população de Yarmouk caiu quase 90% desde o início da guerra de 160.000 para apenas 18.000.

http://unitedwithisrael.org/al-qaeda-takes-one-step-closer-to-israel-via-jordan/

ONU: Mais de 30.000 pessoas são deslocadas com a invasão de Idlib na Síria

O Coordenador Humanitário da ONU para a Síria diz que dezenas de milhares de civis foram deslocados após os terroristas da Al-Qaeda ligados tomaram a cidade síria de Idlib noroeste de tropas do governo.

Yacoub El Hillo disse segunda-feira que, como resultado de uma escalada dos combates entre os terroristas da Al-Qaeda ligados e tropas do governo, muitos civis também perderam a vida e cerca de 30 mil pessoas fugiram de suas casas.

“Estou seriamente preocupado com a luta ocorrendo em curso em Idlib governadoria e seu possível impacto sobre centenas de milhares de civis,” El Hillo acrescentou.

Segundo as autoridades, os deslocados fugiram para a província central de Hama, com o governo sírio fornecimento de comida e abrigo para eles.

Enquanto isso, a ONU alertou que, em caso de a continuação da violência, algum deslocamento em grande escala poderia empurrar civis em províncias vizinhas e do outro lado da fronteira para a Turquia.

A ONU advertiu sobre uma situação humanitária “horrível” na Síria, a menos que 8,4 bilhões seja gasto para resolver a crise do país.

Enquanto isso, as forças sírias foram se reagrupando nos arredores de Idlib para retomar a cidade depois que caiu para os terroristas da frente Al-Nusra há poucos dias.

Idlib tem sido o epicentro da luta mortal entre tropas do governo e militantes durante meses. Ela está localizada perto da rodovia principal estrategicamente significativa que liga Damasco ao norte da cidade-chave de Aleppo.

Idlib é a segunda capital da província da Síria a cair nas mãos de militantes após a queda do norte da cidade de Raqqah em março 2013.

A frente al-Nusra é um grupo terrorista que é responsável por atos hediondos de terror contra civis inocentes na Síria.

O país árabe está em seu quinto ano de um conflito patrocinado por estrangeiros que até agora custou a vida de mais de 215.000 pessoas e rastros de destruição maciça.

http://www.presstv.ir/Detail/2015/03/31/404047/Syrias-Idlib-fall-to-militants-uproots-30000