Arquivo da tag: #ameaça

Estado Islâmico adverte muçulmanos para evitar os “lugares de encontro dos cruzados”

“A agência de notícias de apoio ao ISIS diz aos muçulmanos que evitem” se reunir nos lugares dos cruzados “enquanto os fanáticos planejam” explodir, atravessar as pessoas e cortar o pescoço a qualquer momento “,” Iain Burns, Mailonline , 8 de junho de 2017 (graças a The Religião da paz ):

Uma agência de notícias pro-ISIS disse aos seguidores que se afastassem dos “lugares de encontro dos cruzados”, pois avisa que “milhares de leões solitários” estão preparados para abater civis a qualquer momento.

Em um comunicado publicado pela Nashir News Agency, pessoas na América, Rússia, França, Grã-Bretanha, Canadá, Bélgica, Austrália e aqueles que estão fora do Califado são advertidos de ataques quase diariamente abençoados por combatentes do Estado islâmico.

“Vamos explodir, atropelar as pessoas com veículos e cortar o pescoço a qualquer momento”, diz a declaração.

Ele vem como a revista on-line do grupo terrorista disse que o foco de seus seguidores mudou para a realização de ataques contra o “solo Cruzado”.

Em uma seção do aviso de Nashir intitulado ‘O! Vocês cruzados! ‘, O autor aborda pessoas fora do Estado Islâmico dizendo:’ Você começou a agressão contra nós … e você pagará caro por isso ‘.

Ele acrescenta: “O Estado islâmico não iniciou a guerra contra você, como seus governos e meios de comunicação imaginam.

“Nós preparamos para você piores dias, surpresas depois de surpresas, e para atender o chamado de atingir os países dos cruzados, milhares de leões solitários foram preparados em seus países e venderam seus corpos e almas por causa de Allah”.

Conclui: “E aguarde os ataques e esperamos também!”

Um editorial doentio na revista Rumiyah dos jihadistas, publicado antes do ataque da Ponte de Londres, disse: “Apenas uma semana antes do bendito mês do Ramadã, a atenção do mundo estava focada na cidade britânica de Manchester.

“Um soldado do Khilafah realizou uma operação do Justo Terror, marcando a Arena Manchester na conclusão de um show por uma cantora americana”.

A peça continuou: “A explosão abalou a cidade e encheu seus moradores de terror, como muitos deles tentaram entrar em contato com seus entes queridos e garantir que eles estavam seguros.

“Então, os números de acidentes começaram a surgir: mais de 20 foram mortos e dezenas mais foram feridas. O total aumentaria para quase 100 mortos e feridos.

“Os inimigos do Islã fizeram o seu melhor para enfrentar um rosto corajoso e desafiador, mas seus esforços foram um completo fracasso. Eles estavam claramente sofrendo. ‘…

https://www.jihadwatch.org/2017/06/islamic-state-warns-muslims-to-avoid-the-gathering-places-of-the-crusaders

Anúncios

Reino Unido: Muçulmanos gritando “Allah Allah” e “Eu vou matar todos vocês” em área judaica é considerado ato não relacionado ao terrorismo

“O homem foi detido pela polícia no norte de Londres depois de percorrer a área com forte presença judaica gritando ‘Allah Allah’ e ‘vou matar todos vocês'”, por Harvey Day, Mailonline , 8 de junho de 2017:

Um homem foi detido pela polícia no norte de Londres depois de percorrer uma área fortemente judaica gritando ‘Allah Allah’ e ‘Eu vou matar todos vocês’.

Os oficiais foram convocados para assistir a cena em Stamford Hill na manhã de quinta-feira.

Voluntários com o Nordeste de Londres, Shomrim, um grupo de observação do bairro judeu, divulgou sobre o incidente: “Shomrim seguiu um homem em Stamford Hill gritando” Allah, Allah “e” Eu vou matar todos vocês “.

O homem foi autuado pela polícia de Hackney sob a Lei de Saúde Mental.

Michael Scher de Stamford Hill Shomrim disse: “O homem estava gritando ameaças, com os membros do público afastando-se dele, temendo pela sua segurança imediata.

“Felizmente, a polícia conseguiu detê-lo e evitar novos incidentes”.

Um policial da Met contactou MailOnline: “A polícia foi chamada pela primeira vez às 10h08 na quinta-feira, 8 de junho, para um relatório de um homem que usava palavras e comportamentos ameaçadores em Leaside Road.

“Oficiais participaram e posteriormente localizaram e pararam o homem em Lealand Road, Tottenham.

“Ele foi detido por oficiais sob a Lei de Saúde Mental.

“Ninguém foi ferido. Isso não está sendo tratado como relacionado ao terror. ‘…

https://www.jihadwatch.org/2017/06/uk-muslim-screaming-allah-allah-and-im-going-to-kill-you-all-in-jewish-area-deemed-not-terror-related

Uzbequistão: cristãs são perseguidas pela família e vizinhos

Hostilizadas por vizinhos e parentes, Gulnor e Karima ainda enfrentam a perseguição da polícia, que ameaça prendê-las. O crime delas é seguir a Jesus.

Quando descobriu que a esposa havia se convertido e que os filhos a seguiram na fé, o marido de Gulnor* abandonou a família e foi morar na Rússia, muito longe da mulher e filhos. Diante de vários problemas financeiros que teve por conta da saída do marido, Gulnor foi morar com sua mãe e irmão em um vilarejo uzbeque. A irmã também é cristã mora em condições precárias, necessitando de várias reformas, principalmente no telhado e um novo poço para coleta de água. Além disso, os remédios da mãe, que além de não aceita-las como cristãs, depende totalmente do cuidado das filhas. Entre todos os problemas, o filho mais velho de Gulnor, Amir*, está em um hospital por conta de um problema cardíaco. Ele faz parte da equipe de louvor de sua igreja e acredita que em breve poderá voltar para suas tarefas em comunidade.

Atualmente, as irmãs e suas famílias estão sendo ameaçadas pela polícia por atividades ilegais religiosas. Elas são delatadas pelos vizinhos que desaprovam a presença delas no vilarejo. “Eles nos acusam de traição ao islã e por isso acreditam que toda a doença e pobreza de nossa família provêm disso. Mas não vamos deixar de confiar em Deus. Se não nos deixam pegar água no poço da comunidade, vamos cavar poços próprios e Deus vai nos ajudar”, declara a cristã.

*Nomes e foto alterados por motivo de segurança.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/12/cristas-sao-perseguidas-pela-familia-e-vizinhos

Cristão é agredido e ameaçado de morte

A polícia se recusou a fazer um boletim de ocorrência, alegando que o reclamante era um “causador de problemas”.

Os cristãos marroquinos pedem oração por Mohammed Saeed Zao, um cristão que sobreviveu a uma tentativa de assassinato na primeira semana de novembro. Ele é bem conhecido por causa de sua atuação nos direitos dos cristãos, e tem sido destaque na mídia do país, em matérias que abordam o tema “liberdade religiosa”. Já era noite quando ele estava entrando em seu apartamento e foi surpreendido por um homem que segurava uma espada e tentou agredi-lo.

Mohammed conseguiu se proteger ficando atrás da porta de entrada e o agressor foi embora gritando e fazendo sérias ameaças. No dia 7, o cristão foi para a delegacia relatar o incidente à polícia, que se recusou a registrar um relatório, alegando que ele era um causador de problemas. A situação dos cristãos marroquinos é bastante delicada.

Recentemente, a liderança muçulmana declarou que pretende proteger as minorias religiosas no país. O governo é representado por mais de 250 líderes muçulmanos religiosos e chefes de Estado. Mas, parece que a intenção é manter as normas de segurança somente no papel, já que a ideologia muçulmana é o que se coloca em prática quando se trata de alguém que não segue o islamismo. Segundo um dos colaboradores da Portas Abertas “só um milagre resolveria a situação dos cristãos perseguidos”. Ore pela igreja em Marrocos.

*Nome alterado por motivos de segurança.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/11/cristao-e-agredido-e-ameacado-de-morte

Aumenta violência contra cristãos africanos

Grupos militantes islâmicos que operam em regiões africanas pretendem criar uma sociedade exclusiva, onde prevalecem as leis do islã e a imposição de suas regras de vida.

Atualmente, a maioria dos países norte-africanos, como a Argélia, por exemplo, tem enfrentado uma séria ameaça de grupos militantes islâmicos que operam na região. Sabe-se que esses grupos pretendem criar uma sociedade exclusiva, onde prevalecem as leis do islã e a imposição de suas regras de vida em todos os sentidos, desde a vida social até a religiosa. Esse tipo de sociedade não deixa espaço para os cristãos.

De acordo com relatórios do exército argelino sobre as operações contra militantes islâmicos, na província oriental de Batna, cerca de 50 militantes do exército inimigo foram mortos no primeiro semestre desse ano. Acredita-se que 5 deles estavam associados ao Al-Qaeda, um dos grupos que está em atividade nas partes mais remotas do país.

O DIP 2017 (Domingo da Igreja Perseguida) vai abordar a situação de alguns países africanos, onde o extremismo islâmico também está agindo com muita violência. A Argélia faz fronteira com dois deles: Mali (44º da atual Classificação da Perseguição Religiosa) e Níger (49º). Para esses governos, aqueles que criticam o islã são considerados os “apóstatas do Estado”. Dessa forma, os governantes ferem a liberdade de religião e de expressão no país.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/11/aumenta-violencia-contra-cristao-africanos

Grupo no Brasil declara apoio ao Estado Islâmico

Ansar al-Khilafah Brazil afirmou que treinamento da polícia brasileira não conseguirá impedir País de sofrer ataques.

Um grupo extremista no Brasil declarou lealdade ao Estado Islâmico (EI, ex-Isis) e criou um canal chamado Ansar al-Khilafah Brazil na rede social Telegram, que se assemelha ao popular WhatsApp. A informação foi divulgada pela especialista norte-americana em monitoramento de atividades terroristas na web Rita Katz, do SITE, nesta segunda-feira (18).

De acordo com Katz, esta é a primeira vez que uma organização anuncia aliança com o Estado Islâmico na América do Sul e declara submissão ao líder do califado, Abu Bakr al-Baghdadi. Dentro do canal no Telegram, o Ansar al-Khilafah Brazil comentou que, “se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treinamento dado à polícia brasileira não servirá em nada”, referindo-se ao apoio que agências internacionais de inteligência têm oferecido ao governo brasileiro na prevenção de ataques terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Em um post no Twitter, Katz ressaltou que o grupo está aproveitando o momento para espalhar a ideologia extremista antes da competição esportiva. No fim de maio, o Estado Islâmico criou o primeiro canal em português da organização, também dentro do Telegram. A página, para propaganda do califado, é uma versão em português do já existente Nashir Channel.

Estado Islâmico planejou ataque para Olimpíadas, diz França

Em menos de 20 dias, pelo menos 480 pessoas morreram em 11 atentados ao redor do mundo

Procurada pela ANSA, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ainda não retornou ao contato sobre a suposta aliança de um grupo no Brasil ao Estado Islâmico.

O cientista político Heni Ozi Cukier, professor de Relações Internacionais da ESPM, disse em entrevista à ANSA que qualquer ameaça precisa ser verificada para se constatar se é falsa ou real.

“Pode ser só uma oportunidade de aterrorizar antes dos Jogos”, afirmou, destacando, porém, que, caso seja verdadeira, o Brasil precisa aumentar sua vigilância. Na semana passada, a Assembleia Nacional da França publicou o relatório de uma audição com o chefe da Direção de Inteligência Militar (DRM), general Christophe Gomart, no qual o especialista admitia ter informações de que o Estado Islâmico planejara um atentado contra a delegação francesa durante os Jogos.

As Olimpíadas do Rio de Janeiro ocorrerão entre os dias 5 e 21 de agosto. Devido ao massacre em Nice há quatro dias, quando Mohamed Bouhlel atropelou uma multidão e matou 84 pessoas, o governo brasileiro adotou medidas extras de segurança para os Jogos.

Ontem (17) foi realizado o terceiro treinamento de forças conjuntas para simular a cerimônia de abertura, que ocorrerá no Maracanã. A estimativa é de que cinco mil homens da Força Nacional de Segurança Pública e 21 mil oficiais das Forças Armadas, além do contingente fixo do Rio de Janeiro, façam a segurança durante os Jogos Olímpicos.

Itamaraty confirma morte de brasileira no atentado em Nice

Como aplicativo ajudará a evitar ataques terroristas na Rio 2016

http://noticias.r7.com/internacional/grupo-no-brasil-declara-apoio-ao-estado-islamico-18072016

Terrorismo Jihadista: Você Acha Que É Só com os Judeus? Pense Bem.

por Giulio Meotti

  • Na última quinta-feira, 14 de julho, pelo menos 84 pessoas foram assassinadas na cidade francesa de Nice e dezenas ficaram feridas, em consequência de um atentado cometido por um terrorista islamista natural da Tunísia.
  • Independentemente de sermos pacifistas ou belicistas, gays ou heterossexuais, ateus ou cristãos, ricos ou pobres, blasfemos ou devotos, franceses ou iraquianos, para o terrorismo jihadista, isso não faz nenhuma diferença. Cada um de nós é um alvo: o terrorismo islamista é genocida.
  • Quando terroristas islamistas têm como alvo blogueiros dissidentes muçulmanos, longínquas mulheres yazidis ou meninas israelenses — issodeveria nos preocupar no Ocidente. Os islamistas estão apenas afiando suas facas nelas antes de virem atrás de nós.
  • Se nos calarmos hoje, seremos punidos pela nossa indolência amanhã.

Na última quinta-feira, 14 de julho, pelo menos 84 pessoas foram assassinadas na cidade francesa de Nice e dezenas ficaram feridas, em consequência de um atentado cometido por um terrorista islamista natural da Tunísia. O assassino jogou um caminhão de 19 toneladas em cima de uma enorme multidão que comemorava o Dia da Bastilha, feriado nacional da França, atropelando homens, mulheres e crianças ao longo de um trecho de 2km de avenida e de calçada.

Caminhão perfurado de balas usado por um terrorista islamista natural da Tunísia para matar 84 pessoas em Nice, França em 14 de julho de 2016. (Imagem: captura de tela da France24)

Em 2 de julho, nove cidadãos italianos foram massacrados por islamistas no ataque a um restaurante em Daca, Bangladesh. Eles foram torturados e mortos com “lâminas extremamente afiadas” brandidas por terroristas sorridentes que pouparam a vida daqueles que conheciam o Alcorão. Já faz quase um ano que bengaleses pobres têm experimentado esse tipo de massacres. Mas as vítimas bengalesas não eram ricos estrangeiros não muçulmanos — eram blogueiros anônimos muçulmanos, acusados de “blasfêmia“, foram assassinados com “lâminas afiadas” — cinco vítimas em 2015 e um estudante de direito em 2016, bem como um sacerdote hindu esfaqueado até a morte.

O mesmo ciclo aconteceu na Síria e no Iraque, onde os decapitadores do Estado Islâmico inicialmente visavam uma série de jornalistas ocidentais, em seguida expulsaram e mataram cristãos em Mossul e então desembarcaram em Paris com o objetivo de exterminar civis ocidentais.

Há duas semanas uma menina israelense de 13 anos foi morta a facadas enquanto dormia em sua cama. Assim como em Bangladesh o terrorista árabe palestino usou uma faca para matarHallel Yaffa Ariel. Não se trata de um simples assassinato, é uma carnificina que equivocadamente equipara a construção de um lar com o assassinato de uma criança. Os jornais italianos ocultaram a identidade dela. O Corriere della Sera, segundo maior jornal da Itália, estampou: “Cisjordânia: assassinada americana de 13 anos“.

Quando quatro israelenses foram assassinados no mês passado no restaurante Max Brenner em Tel-aviv, a mídia estrangeira também estampou com manchetes “equivocadas”. Do Le Monde ao Libération, a imprensa francesa usou a palavra “tiroteio” em vez de terrorismo. ACNN transmitiu a matéria sobre os “terroristas”, entre aspas. La Repubblica, o maior jornal da Itália, chamou os terroristas árabes palestinos de “agressores”.

O que significam essas manchetes distorcidas? Que nós, no Ocidente ingenuamente acreditamos que há dois tipos de terrorismo: o “terrorismo internacional” que visa os cidadãos ocidentais em Nice, Paris, Daca, Raqqa ou Tunísia; e o terrorismo “nacional”, que ocorre entre os árabes e Israel, diante do qual os judeus israelenses deve recuar e se render. Há também o “terror sem rosto”, como o de Orlando, onde um afegão-americano muçulmano massacrou 50 americanos e, todos, como de costume nos Estados Unidos se recusaram a usar a palavra “Islã”.

De acordo com Winston Churchill é a reação do contemporizador, “aquele que alimenta o crocodilo, esperando que ele será o último a ser devorado”. O problema é que independentemente de sermos pacifistas ou belicistas, gays ou heterossexuais, ateus ou cristãos, ricos ou pobres, blasfemos ou devotos, franceses ou iraquianos, para o terrorismo jihadista, isso não faz nenhuma diferença. Cada um de nós é um alvo: o terrorismo islamista é genocida.

Apesar dos belíssimos slogans como “Je Suis Charlie”, poucos no Ocidente mostraram solidariedade para com os cartunistas franceses do Charlie Hebdo. A maioria dos europeus acredita que os jornalistas estavam procurando sarna para se coçar e a encontraram. Ou pior ainda, conforme ressaltou o editor do Financial Times: eles foram “idiotas“. Mas depois do 7 de janeiro veio o 13 de novembro. A essa altura, ninguém mais culpava as caricaturas de Maomé pelos ataques terroristas em Paris.

Enquanto o Estado Islâmico escravizava e estuprava centenas de meninas yazidis, nossas intrépidas feministas no Ocidente estavam muito ocupadas lutando por um referendo irlandês sobre o casamento gay. Elas claramente não davam a mínima no tocante ao destino das suas “irmãs” yazidis e curdas. Elas estavam escondidas em algum lugar remoto e exótico no Oriente. Da mesma maneira que foram assassinados os blogueiros seculares em Daca.

Já está na hora de nos lembrarmos do famoso poema de Martin Niemöller, pastor cristão alemão que ficou preso em um campo de concentração durante 7 anos pelo regime nazista:

Primeiro vieram buscar os socialistas, eu me calei —
Porque eu não era socialista.

Depois vieram atrás dos sindicalistas, eu me calei —
Porque eu não era sindicalista.

Depois vieram buscar judeus, e eu não protestei —
Porque eu não era judeu.

Depois vieram me buscar —

Já não restava ninguém para me defender.

Nessa mesma linha, quando terroristas islamistas têm como alvo blogueiros dissidentes muçulmanos, longínquas mulheres yazidis ou meninas israelenses — que são escravizadas, açoitadas, estupradas ou assassinadas — isso deveria nos preocupar no Ocidente. Os islamistas estão apenas afiando suas facas nelas antes de virem atrás de nós.

Se nos calarmos hoje, seremos punidos pela nossa indolência amanhã.

Giulio Meotti, Editor Cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano.

http://pt.gatestoneinstitute.org/8497/terrorismo-jihadista-nice

Irán difunde vídeo en el que Jerusalém es destruida por Hezbollah

Un spot realizado por una organización vinculada a la Guardia Revolucionaria del régimen teocrático muestra a combatientes persas, de Hezbollah y Hamas, listos para conquistar la ciudad santa.

Irán continúa su campaña por la destrucción total de Israel. Un video publicado por un sitio iraní muestra a soldados persas de pie sobre una colina mirando hacia Jerusalén, previo a su conquista.

El clip animado comienza mostrando a cuatro combatientes con las caras cubiertas, atándose sus botas y preparando el armamento. Los soldados llevan insignias de la Guardia Revolucionaria iraní y de los grupos terroristas Hamas (Palestina) y Hezbollah (Líbano).

En la escena en la que aparecen los combatientes sobre la colina, de fondo brilla la emblemática mezquita Al Aqsa, que forma parte del complejo religioso de la explanada de las mezquitas de Jerusalén.

Seguido aparece un primer texto con la leyenda: “Los jóvenes verán el día que ocurrirá”, en referencia a la destrucción de Israel a manos de los musulmanes. Sobre el final del video, una nueva línea de texto destaca la intención iraní de que Israel “sea borrado de los anales de la historia”.
Fuente: InfoBae

Autorizado con la siguiente mención: http://www.estadodeisrael.com/2015/08/iran-difunde-video-en-el-que-jerusalem.html
© estadodeisrael.com

Erdogan ameaça barrar acordo com UE sobre refugiados

Em encerramento de cúpula da ONU, presidente turco afirma que ratificação da medida depende da isenção de visto prometida pelo bloco. UE espera de Ancara, porém, alteração na polêmica legislação antiterrorismo.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou nesta terça-feira (24/05) barrar o acordo com a União Europeia (UE) sobre refugiados, caso o bloco não garanta a isenção de visto para cidadãos turcos.

No discurso do encerramento da Cúpula Humanitária Mundial, promovida pelas Nações Unidas em Istambul, Erdogan lembrou que o acordo prevê que a isenção de vistos entre em vigor no início de julho.

“Se a isenção de visto não acontecer, nenhuma decisão e legislação para a readmissão do acordo sairá do Parlamento turco. Nossos ministros do Exterior terão que negociar com os europeus. Se houver resultado, ótimo. Se não houver, me desculpe”, disse Erdogan.

A isenção de visto para cidadãos turcos está prevista no acordo entre a UE e a Turquia para diminuir o fluxo migratório em direção ao bloco. Porém, Ancara deve alterar a legislação antiterrorismo no país, que prevê a prisão de jornalistas e críticos do governo. Erdogan se recusa a revisar a lei, e o impasse coloca em risco o acordo.

Durante o discurso, Erdogan ressaltou também que os fundos prometidos para a Turquia pela União Europeia referentes ao acordo sobre a crise migratória ainda não foram liberados. “A Turquia não está pedindo favor, o que queremos é honestidade”, argumentou.

Ancara se comprometeu a receber refugiados sírios que entraram ilegalmente na Grécia. Em contrapartida, a UE concedeu 6 bilhões de euros ao país para financiar o alojamento dos migrantes, além de aceitar receber refugiados que se encontram na Turquia.

As declarações do presidente turco foram feitas um dia após seu encontro com a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel. Na ocasião, Merkel descartou a isenção de visto para turcos já em julho e ressaltou que Ancara precisa cumprir as exigências da UE para garantir a medida.

http://www.dw.com/pt/erdogan-amea%C3%A7a-barrar-acordo-com-ue-sobre-refugiados/a-19281029

Chanceler britânico alerta para cooperação entre EI e Boko Haram

Philip Hammond teme que presença de grupo jihadista na Líbia fortaleça ações de extremistas nigerianos

ABUJA — Jihadistas do Boko Haram podem reforçar a cooperação com o Estado Islâmico (EI) caso o grupo consiga fortalecer sua presença na Líbia, afirmou um funcionário do governo britânico neste sábado à agência Reuters. No ano passado, o Boko Haram, que há sete anos trava um conflito no Norte da Nigéria, jurou lealdade ao Estado Islâmico.

— Se o EI estabelecer uma presença mais forte na Líbia, criará uma rota uma rota de comunicação direta, que acabará intensificando a cooperação prática entre os dois grupos — disse o ministro do Exterior britânico, Philip Hammond em uma conferência de segurança na Nigéria.

Na sexta-feira, um funcionário do alto escalão do governo americano afirmou que ainda não havia sinais de que combatentes nigerianos estivessem seguindo para a Líbia.

Continuar lendo Chanceler britânico alerta para cooperação entre EI e Boko Haram