Arquivo da tag: #ameaça

Austrália: jornalista convertido ao Islã diz sobre cristãos”comprei uma cimitarra e pretendo cortar a cabeça deles”

Este artigo diz que Waugh tinha “crenças religiosas extremas” e ameaçou decapitar os cristãos, a quem chamou de “politeístas”, mas mesmo que isso torne óbvio que Waugh é muçulmano, o artigo nunca diz isso. Como sempre, a mídia do establishment considera sua principal responsabilidade que ninguém pense mal do Islã.

“Ex-jornalista de Canberra que supostamente ameaçou decapitar os cristãos  recebeu fiança”, por Elliot Williams, Canberra Times , 28 de agosto de 2019:

Um ex-jornalista de Canberra que supostamente fez ameaças de decapitar os cristãos como represália ao massacre de Christchurch recebeu fiança na quarta-feira.

James Michael Waugh, 28, foi preso em abril, depois que uma dica da Linha Direta de Segurança Nacional alertou as autoridades sobre uma série de postagens on-line supostamente feitas por Waugh.

Em um post, Waugh supostamente ameaçou matar membros da Casa de Oração de Canberra e postou seu próprio endereço convidando os membros a confrontá-lo.

“Eu vou matar cada um de vocês politeístas c -“, dizia um post que ele escreveu.

Waugh se declarou inocente por possuir um objeto a ser usado para matar, ameaçando com a intenção de causar alarme público e usando um serviço de transporte para ameaçar ou assediar.

O tribunal ouviu que Waugh comprou uma cimitarra do Paquistão e a afiou antes de fazer ameaças à decapitação de cristãos em seu quintal.

“Eu fiz ameaças, juntamente com meu nome e endereço, a todas as igrejas de cães covardes de Canberra. Se você conhece alguém com bolas, envie-os. Eu comprei uma cimitarra e pretendo cortar a cabeça deles no meu quintal como represália ”, ele escreveu em uma mensagem on-line para amigos.

Waugh já havia pedido a fiança duas vezes e teve os pedidos rejeitados por dois magistrados por receio de que ele cometeria outras ofensas.

Sua advogada Helen Hayunga fez a solicitação na quarta-feira, afirmando que havia novas informações no tribunal que precisavam ser consideradas.

Ela disse que seu tempo em custódia permitiu que a saúde mental de Waugh fosse avaliada mais detalhadamente, pois quando ele foi preso, ele foi considerado como sem qualquer condição de saúde mental.

Hayunga disse que desde então ele foi diagnosticado com um distúrbio ilusório e que foi encontrado um alojamento adequado para Waugh com dois amigos da família em Curtin.

A promotora Vivian Wei se opôs fortemente ao pedido de fiança, dizendo que Waugh estava “completamente preocupado com opiniões religiosas extremistas” e representava um perigo para a comunidade.

Ela disse que o relatório mais recente de saúde mental apresentado perante o tribunal indica que Waugh tem uma resposta mínima ao seu tratamento atual e que enquanto ele estava sob supervisão na prisão, ele apresentava um risco baixo para os outros.

No entanto, ela disse que o relatório afirmou que havia um provável aumento desse risco se ele fosse libertado na comunidade.

Wei disse que as crenças religiosas extremistas de Waugh foram “contínuas e fixas” por um período de dois anos e causaram o colapso de um relacionamento de longo prazo, tornando-o sem-teto e perdendo o emprego como jornalista.

Imagem e informações Jihad Watch

Brasil e Venezuela, futuro sombrio para América do Sul

Por Gil Carlos Montarroyos[1]

Não é nenhuma novidade que a situação Venezuela – Brasil vem paulatinamente se deteriorando, ao ponto de chegar a total ruptura das relações diplomáticas do Brasil com o regime socialista venezuelano.  A última eleição deixou claro que a maioria absoluta dos brasileiros não mais comunga com a agenda comuno-bolivarianista, muito embora hajam atores no cenário político brasileiro alinhados com o regime venezuelano.

Em face desse distanciamento e da percepção mais clara dos males perpetrados pelas gestões petistas, muito em relação aos abusos do Partido dos Trabalhadores com o dinheiro público e com a coisa pública brasileira, alocados criminosamente em ditaduras em toda América Latina, África e também no mundo islâmico, percebe-se nesse caso, que o alinhamento comuno-bolivarianista-islâmico não é coisa de teoria da conspiração ou retórica de campanha. Vários fatos embasam essa argumentação, inclusive, o fato do segundo na cadeia de comando do grupo terrorista libanês Hizballah, Tareck El Aissami[2] ser o vice-presidente da Venezuela.

O regime venezuelano está muitíssimo atrelado ao modelo islamo-socialista implantado por Hassan Al Banna e Sayyd Qutb desde a fundação da Irmandade Muçulmana no Egito, em 1922, evocando ideias revolucionárias claramente leninistas, para implantação da ditadura do proletariado, na visão de um pan-arabismo-salafista no mundo islâmico, com pretensões expansionistas para todo mundo no intuito da construção de uma grande Ummah (islamização total da humanidade).

Vale salientar que o envolvimento das esquerdas latino-americanas com grupos terroristas islâmicos não é um fato novo. Como já elencamos, essa relação incestuosa remonta ao período de fundação da Irmandade Muçulmana, perpassando à criação da OLP (Organização para Libertação da Palestina), atual Fatah, bem como na criação do Hizballah.

Todo o imbróglio presenciado na Venezuela não está nem perto de ser resolvido. Há fatos que corroboram a presença de atores do sistema internacional como China e Rússia, membros permanentes do CSNU (Conselho de Segurança das Nações Unidas), no problema venezuelano, servindo-lhe de anteparo político junto à ONU. Não obstante a tudo isso, fica claro, pelo menos a quem possui um pouco de conhecimento geopolítico, que a Venezuela passou a ser um ponto de pressão junto aos EUA, já que, ao que tudo indica, a desestabilização da América Latina, apesar de não ser algo novo, entrou de vez na agenda sino-russa.

É aqui que entra todo o protagonismo político brasileiro. Potência regional sine quaestione, em algum momento nós teremos que agir, e não falo apenas no contexto político, mas, principalmente militar. Há movimentos evidenciando que há um prenúncio de uma possível ação militar internacional na Venezuela, apesar das constantes negativas dos  principais atores políticos regionais. O fato é que, nossa soberania terá que ser defendida em caso de agressão venezuelana, condição essa que já entrou nos cálculos dos estrategistas militares dos EUA, Colômbia e Brasil.

Outro fator de grande preocupação é a constante presença de membros do alto escalão do grupo terrorista islâmico Hizballah na Venezuela, além do vice-presidente, segundo na hierarquia da facção terrorista, bem como alguns atores que trabalham arduamente na manutenção de Nicolás Maduro no poder, como exemplo podemos citar a Rússia e o Irã.

Segundo fontes de inteligência, ocorreram várias tentativas do governo iraniano de influenciar nas últimas eleições brasileiras, fato que veio à tona após o twiter do Especialista em Segurança Nacional e Política Externa da Fox News, mencionar uma possível interferência do regime iraniano na eleição presidencial do Brasil, conforme print abaixo.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Vale ressaltar que todas essas informações foram veiculadas por órgãos de comunicação internacionais. Desde 1992, no mínimo, conhece-se da presença de agentes da Guarda Revolucionária Iraniana atuando na América do Sul (desde o atentado à embaixada israelense em Buenos Aires).

Não obstante a todos os fatos exaustivamente noticiados sobre a atuação do Hizballah no problema venezuelano, há também fortes evidências da atuação do referido grupo terrorista com a facção criminosa paulista PCC[3]. Entretanto, como quem manda no Hizballah é o regime iraniano, entendemos que há pelo menos mais um ator estatal agindo nas sombras na Venezuela com operações secretas, tanto para salvaguardar o regime, como para ampliar sua influência no principal ator político sul-americano – o Brasil, ajudando diretamente a maior facção criminosa do país, bem como em uma atuação direta sobre partidos de esquerda como o Partido dos Trabalhadores (PT)[4], o Partido Socialismo e Solidariedade (PSOL), o Partido Comunista do Brasil (PC do B), o Partido Democrata Trabalhista (PDT) e outros.

Nicolás Maduro e o seu animus belli

Desde o início da crise venezuelana, o ditador Nicolás Maduro vem demonstrando o interesse em iniciar um conflito militar na região. Esse animus belli venezuelano, se exacerbou e muito com o início da campanha presidencial brasileira. Quando ficou evidente as reais chances do então candidato e atual presidente do Brasil, houveram várias manifestações contra o atual presidente, Jair Bolsonaro[5] e sérias provocações ao nosso vice-presidente, Gal. Hamilton Mourão[6] durante a campanha e logo após vencido o pleito.

Todo o engajamento do povo brasileiro contra o projeto de poder idealizado pelo Partido dos Trabalhadores, demonstrou que, em caso de derrota do PT e aliados nas eleições, perder-se-ia o principal aliado do regime na América Latina, o que de fato aconteceu. Com a consolidação da vitória do atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, todos os pesadelos do regime se concretizaram. A mudança do paradigma marxista para o de viés liberal conservador, da nova direita brasileira, provocou um verdadeiro pânico no regime de Maduro – financiamento, apoio político, intercâmbio ideológico, tudo ruiu!

Com isso, as provocações do ditador venezuelano ficaram mais incisivas e constantes, principalmente após a aproximação do atual governo brasileiro aos EUA e o seu apoio irrestrito ao presidente interino venezuelano Juan Guaidó[7], causando ainda mais acirramento dos ânimos com o regime de Maduro. Vendo que estava cada vez mais isolado e sem apoio internacional, com exceção do apoio de Cuba, Rússia, China, Irã, Nicarágua, Bolívia e Coreia do Norte, Maduro acelerou o seu alinhamento com esses atores estatais do sistema internacional.

Esse estreitamento de relações com países ditatoriais ou semi-ditaduras, demonstrou que o regime fará o que for preciso para se manter no poder. Portanto, partindo dessa premissa, fica claro que é possível uma intervenção militar na Venezuela a curto prazo, mesmo muitos dizendo o contrário. Como já mencionamos acima, houveram vários episódios e intervenções tanto venezuelana, como de seus aliados para que o Partido dos Trabalhadores não perdesse a eleição.

Há casos de agressões por parte de militantes da esquerda ao eleitores de Jair Bolsonaro[8], quebra-quebra, fraudes[9] em urnas eletrônicas e a suspeita da atuação iraniana[10] em um plano de assassinato do então candidato à presidência Jair Bolsonaro, ou seja, confirmando que houve toda uma série de intervenções da esquerda com uma possível influência direta do regime venezuelano dentro do território brasileiro, a fim de impedir a eleição e a consequente perda de todo e qualquer apoio da potência regional – o Brasil. Com todas essas informações, fica claro que, mesmo que muitos tentem negar, principalmente com a chegada de tropas regulares russas[11] e chinesas[12] à Venezuela, isso sem contar com mercenários russos do Wagner Group[13], que estão atuando ativamente na Venezuela, bem como membros da inteligência cubana, norte-coreana, nicaraguense e boliviana oprimindo e perseguindo com mão-de-ferro os opositores do regime.

Diante dos fatos e de todas as evidências, além é claro de todo o reforço que nossas forças armadas vêm recebendo, fica demonstrado para a maioria dos especialistas que há sim uma preparação para uma possível intervenção militar na Venezuela, com o emprego de pelo menos três países, no intuito de erradicar o risco chamado “Maduro” e suas relações incestuosas com ditaduras, organizações terroristas e criminosas do mundo inteiro – ALEA JACTA EST – A SORTE ESTÁ LANÇADA!

[1] Internacionalista e historiador com estudos voltados ao terrorismo islâmico.

Imagem República de Curitiba

[2] Conferir sitio: <https://oglobo.globo.com/mundo/novo-vice-de-maduro-acusado-de-ligacoes-com-narcotrafico-terror-20734945>.

[3]Conferir links: <https://www.oantagonista.com/brasil/conexao-pcc-com-o-hezbollah/>, < https://istoe.com.br/o-hezbollah-pode-dominar-o-pcc/>.

[4] Conferir os links: <https://www.tercalivre.com.br/relacao-entre-pt-e-ira-e-antiga/>, <http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL1388940-5601,00-AO+LADO+DE+AHMADINEJAD+LULA+DEFENDE+DIREITO+DO+IRA+A+PROGRAMA+NUCLEAR+PACIF.html>.

[5] Conferir link: <https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/12/20/venezuela-nao-vai-ter-um-bolsonaro-diz-nicolas-maduro-em-discurso.ghtml>.

[6] Conferir link: <https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/12/12/maduro-diz-que-brasil-quer-paz-mas-mourao-e-louco-e-ameaca-dar-licao.htm>.

[7] Conferir link: <https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/28/internacional/1551378266_935933.html>.

[8] Conferir link: <https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/eleicoes/2018/noticia/2018/10/28/rio-tem-relatos-de-agressoes-e-feridos-em-domingo-de-votacao.ghtml>.

[9] Conferir link: <https://folhapolitica.jusbrasil.com.br/noticias/112550662/grupo-hacker-diz-que-urnas-eletronicas-do-brasil-sao-propositalmente-falhas-e-acusa-vulnerabilidades>.

[10] Conferir link: <https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-10-20/deputado-norte-americano-eleicoes-brasil.html>.

[11] Conferir link: <https://oglobo.globo.com/mundo/avioes-militares-russos-carregando-tropas-equipamentos-chegam-venezuela-23546894

[12] Conferir link: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/venezuela-inicia-exercicios-com-anfibios-chineses-e-misseis-russos.html

[13] Conferir link: <http://www.defesanet.com.br/russiadocs/noticia/31891/Venezuela—Mercenarios-Russos-do-Grupo-Wagner-em-acao-no-pais/

Alemanha: Ex-chefe de espionagem diz “2.200 terroristas em potencial que poderiam realizar ataques a qualquer momento”

“2.000 islamitas estão prontos para executar ataques a qualquer momento”, diz o ex-chefe da espionagem alemã, por Virginia Hale, Breitbart , 18 de fevereiro de 2019:

A ameaça à segurança representada por mais de 2.000 suspeitos de terrorismo islâmico é apenas um exemplo de como o “erro” de Angela Merkel em abrir as fronteiras continua a assombrar o diário alemão, disse o ex-chefe de espionagem do país.

Hans-Georg Maassen, que foi forçado a se aposentar como chefe do Gabinete Federal de Proteção da Constituição (BfV) no ano passado depois de manifestar ceticismo sobre as imagens promovidas pela Antifa para afirmar que os alemães realizaram um “pogrom” contra imigrantes, dizendo que a segurança doméstica’foi comprometida desde que a chanceler passou a acolher bem mais de um milhão de migrantes em 2015.

Tendo sido co-autor das leis de residência alemãs enfatizando o papel e o dever do Estado de garantir o “controle e limitação da imigração”, Maassen “sentiu calafrios” ao ver que “milhares de [terceiros imigrantes do mundo] puderam entrar como isso ”, ele disse ao tablóide Bild .

“A situação de segurança foi agravada pela chamada crise migratória”, afirmou o ex-advogado e chefe de inteligência, participando de uma conferência conservadora em Colônia, onde recebeu homenagem de defensores da direita. 

Há agora “em torno de 2.200 terroristas potenciais que poderiam realizar ataques  [islâmicos] a qualquer momento”, o ex-chefe BfV disse, acrescentando que o número de extremistas islâmicos que vivem na Alemanha aumentou de 3.800 em 2012 para 11.500 hoje.

“Não só os erros [da política de migração] de 2015 continuam a afetar [o país], mas são repetidos diariamente”, lamentou Maasen, antes de afirmar que é extremamente improvável que a Alemanha consiga integrar com êxito o enorme número de pessoas que residiram no país nos últimos anos.

Com imagem Reuters UK e informações Jihad Watch

Suécia libera da prisão muçulmanos que queriam “matar o máximo possível” em 2010

Quatro cidadãos suecos e um tunisiano com residência sueca, condenados por preparar um ato terrorista em 2010, serão libertados no sábado.

Eles planejavam “matar o máximo possível” em um banho de sangue planejado contra a sede do jornal dinamarquês Jyllands-Posten devido cartuns de Maomé.

Os condenados cumpriram apenas dois terços da sua punição, comum para o sistema penitenciário escandinavo. Desde a sentença eles foram transferidos para diferentes instituições em toda a Suécia.

O Serviço Prisional Sueco relatou que todos os terroristas haviam sido denunciados por ameaças de violência aos funcionários e outros prisioneiros durante a sentença de prisão, com um exigindo isolamento após a tentativa de radicalizar os detentos. Aparentemente, esses incidentes não foram motivo suficiente para adiar sua libertação.

Pesquisador sênior do National Defense College e especialista em terrorismo, Magnus Ranstorp disse ao jornal Dagens Nyheter:

“Não é possível dizer com certeza que eles recairão e tornar-se-ão perigosos ao serem soltos. Mas em tais crimes há um grande risco de recaída” e ainda “como eles são tratados como ‘estrelas do rock’ em seu ambiente anterior após o lançamento”.

Foi revelado que todos os quatro islamitas que vivem na Suécia e atualmente têm entre 37 e 52 anos, foram aprovados para monitoramento pós-lançamento do Serviço de Segurança da Suécia (SÄPO), se assim o desejarem. Dois dos terroristas são considerados um alto risco de recaída de acordo com o Serviço Prisional e de Prisão.

Ranstorp ainda afirma que com 1.500 terroristas a serem libertados em 2019, a falta de programas de reabilitação para ressocializá-lo e reintegrá-lo é um assunto negligenciado internacionalmente.

No entanto, ele reconhece que alguns países estão iniciando discussões sobre programas obrigatórios como pré-requisito para a liberação condicional. A Alemanha e a Dinamarca conversaram durante o tempo de prisão dos presos.

Com imagem e informações Voice of Europe

Chefe do Estado-Maior austríaco: A imigração em massa é a maior ameaça à nossa segurança; a proteção das fronteiras é necessária

O major-general Robert Brieger, novo chefe do Estado-Maior do exército da Áustria, considera a imigração em massa a maior ameaça à segurança do país, informa o tablóide Wochenblick .

“O problema da imigração se desenvolveu de maneira que agora todos os Estados membros da União Européia são afetados. Enquanto a proteção das fronteiras externas não for totalmente garantida, é necessário atuar em nível nacional ”, diz Brieger em entrevista ao Ö1 Morgenjournal, da Áustria.

Segundo o Major General, a proteção de fronteira pode proteger o país de ameaças terroristas. Brieger é o novo Chefe de Gabinete do Exército austríaco desde julho e é o sucessor do General Othmar Commenda.

O ministro da Defesa, Mario Kunasek, que atribuiu a função a Brieger na terça-feira, está confiante no novo chefe do Estado-Maior.

“Tenho o prazer de poder entregar o cargo ao sucessor na função do Chefe do Estado Maior hoje com uma cerimônia militar. Estou convencido de que o general Brieger tem a visão e a experiência necessárias para atender às demandas ”, disse o ministro da Defesa no Facebook.

Com imagem e informações Voice of Europe

Suécia: menina é ameaçada de estupro e chamada de vadia em escola por não se vestir como muçulmana

Uma menina receberá cerca de dois mil euros de indenização depois de ter sido exposta a assédio por outros estudantes da escola Johannes em Malmö, segundo reportagem da Fria Tider .

Outros incidentes incluíram ter suas calças abaixadas e ameaças de estupro porque ela não era “muçulmana o suficiente”, disse o pai da menina.

De acordo com um artigo em Sydsvenskan de novembro de 2016, os pais contam como as crianças da escola Johannes em Malmöalgumas com apenas seis anos de idade – foram espancadas e assediadas sexualmente durante o horário escolar.

Um pai falou sobre como sua filha foi maltratada durante anos, sendo chamada de “vadia” e ameaçada de estupro. Garotos ameaçando estuprá-la e dizendo que seus pais também vão “f * ck” ela e chamaram-na de vadia. Também perguntando a ela qual é sua afiliação religiosa.

Segundo o pai da menina ameaçada, “ela não é muçulmana o suficiente“, portanto ela é maltratada.

Chocante, a escola não considerar que a menina tenha sido submetida a assédio sexual. O Provedor da Discriminação, juntamente com Malmö Contra a Discriminação, apontaram deficiências na investigação do município sobre os acontecimentos.

O município será obrigado a pagar 20.000 coroas suecas (cerca de 2.000 euros) em danos à menina, que atualmente frequenta outra escola em Malmö.

Com imagem e informações The Voice of Europe

O câncer que é a sociedade islâmica da América do Norte (ISNA)

Fonte: O câncer que é a sociedade islâmica da América do Norte – Entendendo a ameaça

O objetivo da Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA) e suas quase 300 afiliadas nos Estados Unidos é travar a jihad  contra a civilização até que um Estado islâmico sob a sharia (lei islâmica) seja estabelecido na América.

Estabelecida no início dos anos 80 como a próxima geração da Associação de Estudantes Muçulmanos (MSA) – a primeira organização criada pela Irmandade Muçulmana nos EUA – a ISNA é, de acordo com documentos do MB descobertos pelo FBI, o “núcleo” do Movimento Islâmico na América do Norte.

Os Estatutos da ISNA declaram que seus “Objetivos e Propósitos” são: Os objetivos e propósitos da ISNA serão promover a causa do Islã e servir os muçulmanos na América do Norte, de modo a capacitá-los a adotar o Islã como um modo de vida completo”.

Evidências no maior estudo sobre financiamento do terrorismo já processado na história americana – EUAFundação da Terra Santa para Ajuda e Desenvolvimento, Distrito Norte do Texas (Dallas) 2008 – revelam que a ISNA não é apenas uma organização da Irmandade Muçulmana, fornece financiamento direto ao terrorismo do grupo Hamas e aos líderes do Hamas.

De fato, quando ISNA tentou ter seu nome removido como Co-Conspirador não indicado no caso HLF, o Juiz Federal Jorge Solis decidiu: “O Governo produziu ampla evidência estabelecendo as associações de CAIR, ISNA e NAIT com o HLF, IAP  com o Hamas. ”

Veja os registros financeiros do ISNA aqui .

Fundada em Plainfield, Indiana, a ISNA continua sendo uma forte presença para o Movimento jihadista na América hoje. A influência que tem e continua a exercer dentro do governo dos EUA, no movimento “Interfaith Outreach”, treinamento de militares e muito mais é impressionante.

Por exemplo, até a posse do presidente Trump, o ex-presidente da ISNA, Mohamed Magid: foi convidado para as funções na Casa Branca; sentou-se no Comitê Consultivo de Segurança Interna e realizou uma autorização secreta; aconselhou Secretários de Estado sob o governo Obama; deu palestras na sede da CIA em Langley, Virginia; e recebeu vários prêmios do FBI, incluindo o Prêmio do Diretor do FBI em 2016, apresentado pelo diretor do FBI, Comey.

 

MB Leader (ISNA) Mohamed Magid recebendo o prêmio do diretor do FBI

No Passado e no presente, os líderes da ISNA encontram portas abertas para os salões do poder em Washington, DC e são tratados com grande reverência. O Diretor Nacional da ISNA para o Escritório de Alianças Interconfessionais e Comunitárias é Sayyid Syeed é recebido de braços abertos nas maiores organizações e funções cristãs nos Estados Unidos e tratado como um amigo.

O Presidente da UTT, John Guandolo, falou pessoalmente com muitos líderes cristãos em eventos nos quais a Syeed estava presente, e a ignorância sobre a Syeed e a ISNA é incompreensível.

Hoje, de acordo com dados do IRS, existem quase 300 afiliados da ISNA nos Estados Unidos. Da Sociedade Islâmica de Basking Ridge (NJ) para a Sociedade Islâmica de Birmingham (AL) para a Sociedade Islâmica de Arlington (TX) para a Sociedade Islâmica de Stillwater (OK) para a Sociedade Islâmica de Orange County (CA), estas sociedades fazem o trabalho da ISNA e da Irmandade Muçulmana dos EUA diariamente – realizando a jihad da civilização.

Nem todo o trabalho feito por esses jihadistas vestindo terno é não violento.  Americanos são mortos por causa dos jihadistas que foram ensinados e treinados nas Sociedades Islâmicas nos EUA.

Os maratonistas da Maratona de Boston participaram da Sociedade Islâmica de Boston.

Em 2015, um muçulmano chamado Muhammad Youssef Abdulazeez matou quatro fuzileiros navais e um marinheiro da Marinha quando atacou duas instalações militares. Abdulazeez freqüentou a Sociedade Islâmica da Grande Chattanooga.

Veja o vídeo da UTT deste evento e a Sociedade Islâmica da Grande Chattanooga aqui .

Alton Nolen, um muçulmano que decapitou seu colega de trabalho em Oklahoma, frequentava a Sociedade Islâmica da Grande Irmandade da Irmandade Muçulmana.

Ouça uma parte do testemunho de John Guandolo perante a Assembléia Legislativa do Estado de Oklahoma sobre esses assuntos aqui .

Por que esses muçulmanos matariam em nome do Islã? Porque é isso que a Irmandade Muçulmana ensina em suas Sociedades Islâmicas.

ISNA é um câncer perigoso que precisa ser extirpado até não existir mais.

Com imagem Women in the World e informações Creeping Sharia

Igreja Presbiteriana dos EUA Rejeita Resolução para Condenar o Terrorismo do HAMAS; Ativista recebe Ameaça de Morte

Fonte: defensor dos direitos humanos muçulmanos afirma agora que os presbiterianos são ‘extremistas’

Um ativista palestino dos direitos humanos que participou de uma recente reunião da Igreja Presbiteriana dos EUA diz que a denominação é mais extrema que os extremistas do Oriente Médio, e sua tolerância aparentemente agora se estende às ameaças de morte contra aqueles cuja opinião difere.

relatório sobre os comentários de Bassem Eid vem do Breaking Israel News.

Eid participou da Assembléia Geral da PCUSA em St. Louis, Missouri, para argumentar em nome de uma resoluçãoque buscava condenar o Hamas pela militarização das crianças palestinas na faixa de Gaza”.

A resolução foi rejeitada.

“Esses presbiterianos eram mais extremistas do que muitos extremistas do Oriente Médio – eles estão completamente desconectados da realidade”, disse Eid.

Mas, pior ainda, o relatório explicou, foi uma ameaça de morte que veio quando outro palestino na conferência gritou: Eu sei quem você é. Eu vou te matar.”

Eid disse no relatório que ele ignorou a ameaça, mas o homem o seguiu e “novamente disse em árabe que ele me mataria e que eu sou um traidor e um colaborador sionista”.

Esse termo, ele observou, “é uma acusação que o Hamas usa para justificar a execução de pessoas”.

Uma chamada WND para o PCUSA solicitando comentários não gerou uma resposta.

Eid disse que apesar de ter denunciado a ameaça à polícia, o suspeito foi autorizado a retornar à conferência.

“Enquanto o PCUSA disse que iria prender o agressor e bani-lo da instalação, nenhuma ação foi tomada“, disse o relatório.

O CEO da StandWithUs, Roz Rothstein, chamou a inação da PCUSA de “perturbadora“.

Michael Gizzi, um presbítero da igreja e oficial dos Presbiterianos para a Paz no Oriente Médio, disse: “Ameaças de morte, intimidação e assédio são geralmente levadas a sério. A menos que, aparentemente, você seja um orador em um evento defendendo um grupo que demore a criticar Israel.

Gizzi disse ao Breaking Israel News: “Cada viagem a Israel me convence ainda de como os ativistas da PCUSA estão equivocados em suas abordagens e preconceitos”.

Eid disse que a denominação americana, na verdade, está “se tornando parte do conflito e não parte da solução.

Antes de fazer declarações sobre o conflito, você deve aprender e estudar o conflito mais fundo e olhar para as realidades e fatos no terreno”, disse ele.

Eid foi preso por Yasser Arafat há 20 anos e foi atacado por denunciar violações dos direitos humanos na Palestina.

Ele atua como analista político em Jerusalém, ativista de direitos humanos e especialista em assuntos árabes e palestinos.

Ele estabeleceu o Grupo de Monitoramento de Direitos Humanos da Palestina e agora é presidente do Centro de Pesquisa de Políticas do Oriente Próximo.

O PCUSA, em suas reuniões, considerou 13 resoluções anti-Israel, incluindo medidas para acabar com a ajuda econômica e militar a Israel.

A denominação tem vindo a perder membros à medida que se move para a esquerda teologicamente.

Com imagem   e informações Creeping Sharia

Reino Unido decide deportar família cristã ameaçada de morte para o Paquistão

‘É verdade que muitos cristãos vivem no Paquistão, mas depois de ter sido alvo de extremistas islâmicos que conhecem seu nome e seu rosto, é impossível viver’

Ministério do Interior foi instado a conceder asilo a uma família paquistanesa que teme a morte se for forçada a deixar o Reino Unido após seis anos de pedidos de asilo sem sucesso.

Maqsood Bakhsh fugiu do Paquistão em 2012 com sua esposa Parveen e seus filhos Somer e Areebs, então com nove e sete anos, depois que extremistas islâmicos ameaçaram matá-los por causa de suas crenças religiosas.

 O parlamentar trabalhista de Glasgow North EastPaul Sweeney, planeja levar o caso à Câmara dos Comuns e tem conversado com a família.

Bakhsh, um cristão, apelou ao primeiro-ministro por permissão de permanência, mas o Ministério do Interior rejeitou repetidas vezes os pedidos de asilo de sua família, principalmente porque os funcionários não acreditam que eles estejam em risco no Paquistão.

 “Primeiro Ministro, por favor ajude-nos porque eu não entendo o motivo do Ministério do Interior continuar nos rejeitando”, disse Bakhsh.

“Eles continuam nos dizendo que algumas partes do Paquistão são seguras para os cristãos.

“É verdade que muitos cristãos vivem no Paquistão, mas depois de ter sido alvo de extremistas islâmicos que conhecem seu nome e seu rosto, é impossível viver.

Quatro dos meus amigos foram mortos por extremistas islâmicos e o irmão de minha cunhada está cumprindo prisão por causa da lei da blasfêmia.

Meu sobrinho foi seqüestrado no mês passado e ninguém sabe o que aconteceu com ele.”

O catalisador da ameaça de morte foi o assassinato de dois cristãos mortos fora de um tribunal, enquanto estavam sob custódia da polícia, em Faisalabad dois anos antes.

O pastor Rashid Emmanuel, 32, e Sajid, 24 anos, foram posteriormente acusados ​​de escrever um panfleto que criticava o profeta Maomé, que desrespeitou a controversa lei de blasfêmia do Paquistão, que prevê a pena de morte.

Bakhsh, de 50 anos, alega que as pessoas responsáveis ​​pelas mortes acreditam que ele está na liga dos dois homens e mataria ele e sua família se tivessem a chance.

A família tem apelado por asilo desde que fugiram do Paquistão e chegaram ao Reino Unido em 2012.

Os Bakhsh, que moram no norte de Glasgow, foram informados de que esgotaram o processo e não têm o direito de apelar. No entanto, eles planejam lançar um desafio legal.

O Sr. Bakhsh, que foi comissário na Assembleia Geral de Kirk em 2017, trabalhou como analista de dados no Paquistão e possui dois mestrados, enquanto sua esposa é uma parteira neonatal treinada com 17 anos de experiência.

Devido ao seu status de imigração, ambos não puderam trabalhar desde que chegaram à Escócia e sobrevivem com benefícios e caridade.

Não poder usar nossos talentos e habilidades para fazer uma contribuição para este grande país tem sido muito difícil e frustrante para nós”, disse Bakhsh.

 “Nós amamos esta cidade, meus filhos se sentem escoceses e estão prosperando aqui.

“Eles se sentem seguros, o que é minha maior preocupação, e querem ficar com todos os seus amigos – as únicas pessoas que conhecem – e ter uma boa educação“, acrescentou.

Com imagem e informações Independent

Erdogan afirma que a repressão da Áustria aos imãs jihadistas está “levando a uma guerra entre a cruz e o crescente”

Não se engane: Erdogan está ansioso por tal guerra. Ele é o único a falar sobre isso. Certamente os internacionalistas esquerdistas obcecados que lideram a Europa Ocidental estão horrorizados com essa perspectiva, e não encontrarão nenhuma medida de apaziguamento e acomodação muito baixa para se inclinar a fim de evitar isso. Mas é improvável que Erdogan esteja satisfeito com algo que não seja a rendição total. Afinal, neste caso, a Áustria fechou apenas sete mesquitas. Há muitas mais na Áustria. Foram fechadas por pregar o Islã político, isto é, a ideia de que a Sharia é a única forma legítima de governo para a Áustria e o mundo. E isso é suficiente para Erdogan ameaçar com jihad. Então ele está essencialmente dizendo que a Áustria, e a Europa em geral, devem aceitar a islamização lenta ou a islamização rápida. Ou a Europa permite que os imãs preguem a Sharia e a supremacia islâmica, levando à lenta islamização do continente, ou enfrentará uma guerra de jihad com o objetivo de conquistar e islamizar o continente. É render-se ou ser subjugado à força.

Erdogan adverte que a repressão dos imãs na Áustria levará à guerra santa” , AFP , 10 de junho de 2018 (graças a The Religion of Peace ):

ISTAMBUL, Turquia (Reuters) – O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou no sábado a decisão da Áustria de fechar as mesquitas e expulsar os imãs financiados pelos turcos, criticando a decisão como anti-islâmica e prometendo uma resposta.

Receio que essas medidas tomadas pelo primeiro-ministro austríaco levem o mundo a uma guerra entre a cruz e o crescente“, disse Erdogan em um discurso em Istambul.

O crescente é um símbolo associado ao Islã.

Seus comentários foram feitos no dia seguinte ao anúncio de que o governo austríaco poderia expulsar 60 imãs e suas famílias, fechando sete mesquitas como parte de uma ofensiva contra o “Islã político”, provocando fúria em Ancara …

Com imagem e informações Jihad Watch