Arquivo da tag: Arábia Saudita

Ativistas que lutaram pelo direito das mulheres dirigirem são presas na Arábia Saudita

Autoridades da Arábia Saudita prenderam pelo menos dez proeminentes ativistas de direitos humanos, incluindo mulheres que durante anos fizeram campanha para conquistar outras mulheres sauditas acerca do direito de dirigir, segundo pessoas com conhecimento das prisões. Nenhum dos presos teve direito a assistência de advogados.

As detenções pareciam fazer parte de uma repressão mais ampla por parte da liderança saudita, liderada pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, visando silenciar qualquer ativismo político, mesmo quando o príncipe herdeiro realiza algumas mudanças sociais. Um porta-voz do governo não comentou imediatamente as detenções, que foram divulgadas pela primeira vez por contas de mídia social da oposição saudita.

A Associated Press falou com duas pessoas em contato com os parentes das mulheres presas. Um ativista, que falou sob condição de anonimato por medo de repercussão, disse que cinco foram presas na terça-feira e que a sexta pessoa foi detida na quinta-feira. Várias outras pessoas têm medo de serem detidas e outros foram proibidas de viajar para o exterior pelo governo.

 As detenções ocorreram cinco semanas antes que as mulheres na Arábia Saudita pudessem oficialmente dirigir – o cumprimento de uma campanha de décadas de ativistas dos direitos das mulheres sauditas, algumas das quais cumpriram pena de prisão por protestar contra a proibição.

 

As presas nos últimos dias incluem Loujain al-Hathloul, que foi detida há vários anos por tentar dirigir dos Emirados Árabes Unidos para a Arábia Saudita, e Eman Al Nafjan, professora universitária e blogueira que também havia sido presa por desafiar a proibição de dirigir, de acordo com as pessoas informadas sobre as detenções que falaram sob condição de anonimato porque as prisões não foram tornadas públicas.

Outros detidos nos últimos dias estiveram envolvidos em protestos seminais contra a proibição em 1990, disseram as pessoas.

 As razões exatas das detenções não ficaram imediatamente clarasVários ativistas dos direitos das mulheres disseram ter sido advertidos a não falar com a mídia sobre o fim da proibição de dirigir, em um esforço aparente das autoridades sauditas para desencorajar a ideia de que o ativismo pode trazer mudanças sociais, disseram as mulheres. As ativistas Hathloul e Nafjan não puderam ser contatados imediatamente para comentar. O levantamento da proibição de dirigir é uma peça central das mudanças sociais dirigidas pelo príncipe herdeiro, que também reprimiu a autoridade da polícia religiosa ultraconservadora e trouxe eventos de entretenimento previamente proibidos para o reino, como shows e desfiles de moda.

Ativistas que falaram à AP também de forma anônima dizem que entre os detidos estão três mulheres conhecidas por seu ativismo – Loujain al-Hathloul, Aziza al-Yousef e Eman al-Najfan – e outras três que fizeram parte do primeiro movimento pelo direito das mulheres a dirigir, em 1990, e estavam envolvidas em questões de direitos humanos no reino. À época, quase 50 manifestantes foram presas, perderam seus passaportes e empregos. Al-Nafjan e al-Yousef eram professoras em escolas públicas e são mães.

As mulheres presas também pediram o fim de outras formas menos visíveis de discriminação na Arábia Saudita, tais como leis de tutela que dão aos parentes do sexo masculino uma palavra final sobre se uma mulher pode viajar para o exterior, obter um passaporte ou se casar.

O caso começou no dia 15, quando a polícia prendeu as dez pessoas na capital Riad, e os transferiu para a cidade de Jiddah. Atualmente, sua localização é desconhecida. A mídia saudita afirma que as prisões foram realizadas por forças da Presidência da Segurança do Estado, órgão que responde diretamente ao rei e ao príncipe herdeiro. Segundo ativistas, sete dos detidos estavam envolvidos em esforços para estabelecer uma organização não-governamental que ofereceria apoio e abrigo às vítimas de abuso doméstico. O grupo recentemente submetera ao governo um pedido para estabelecer uma ONG

Quando o reino emitiu seu impressionante decreto real no ano passado anunciando que as mulheres teriam permissão para dirigir em 2018, mulheres como al-Nafjan e al-Yousef foram contatadas pela corte real e advertidas a não conceder entrevistas à mídia ou falar nas redes sociais.

Seguindo os avisos, algumas mulheres deixaram o país por um período e outras pararam de expressar suas opiniões no Twitter.

Ativistas dizem que não está claro por que o grupo incluindo dois homens, foi preso. Entre os homens detidos está o advogado Ibrahim al-Mudimigh, que anteriormente defendeu al-Hathloul no tribunal.

Enquanto os ativistas continuam pressionando o governo, o crédito pelas reformas – como o levantamento da proibição de mulheres dirigindo – foi destinado em grande parte ao filho e herdeiro do rei, o príncipe herdeiro Mohammed bin SalmanEle relaxou algumas das regras ultraconservadoras do país ao permitir que mulheres entrem em estádios para assistir esportes e trazer de volta shows musicais e cinemas.

Tais medidas, no entanto, são mais uma forma de impulsionar a economia e melhorar a imagem do país no exterior, e menos sobre a promoção de liberdades pessoais. O reino continua sendo uma monarquia absolutista onde os protestos são ilegais e onde o rei e seu filho supervisionam todas as decisões importantes.

No ano passado, o príncipe Mohammed supervisionou as prisões de príncipes e empresários de alto escalão em uma suposta varredura anticorrupção que forçou detentos a entregar parcelas significativas de sua riqueza em troca de sua liberdade.

As forças de segurança também prenderam no ano passado dezenas de escritores, intelectuais e clérigos moderados que foram vistos como críticos de sua política externa, segundo ativistas.

As prisões e a campanha contra os detidos foram condenadas por grupos como Anistia Internacional e Human Rights Watch, que destacou que as prisões são parte de uma campanha mais ampla de repressão política.

Ao menos publicamente, o príncipe herdeiro — que controla o país — parece estar seguindo o roteiro, afirmando numa entrevista ao programa “60 Minutes” este ano acreditar na igualdade entre homens e mulheres. “Somos todos seres humanos, e não há diferença”, afirmou ele.

A Human Rights Watch diz que o número de pessoas detidas por períodos excessivamente longos aparentemente aumentou dramaticamente nos últimos anos na Arábia Saudita. O grupo de direitos humanos, que analisou um banco de dados público, disse em 6 de maio que 2.305 pessoas foram detidas por mais de seis meses sem ser encaminhadas a um juiz. Outros 1.875 foram mantidos “sob investigação” por mais de um ano e 251 por mais de três anos.

 

Com informações de ABC NewsO Globo, Estadão e Reuters  e imagem de Associated Press

Anúncios

Só neste ano, Arábia Saudita já decapitou ao menos 48 condenados

Apesar de príncipe herdeiro tentar suavizar imagem do reinado, punições não aliviam

LONDRES – A Arábia Saudita executou por decapitação ao menos 48 pessoas nos quatro primeiros meses de 2018 — metade delas condenadas em casos de drogas —, indicou a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

A Arábia Saudita, que aplica a pena de morte em casos de terrorismo, assassinato, estupro, roubo a mão armada e tráfico de drogas, é um dos países com a maior taxa de execuções no mundo.

A ONG pediu ao governo que melhore o sistema judicial do país.

É horrível que a Arábia Saudita execute tanta gente, ainda mais que muitos dos executados não cometeram crimes violentos — afirmou Sarah Leah Whitson, chefe da organização para o Oriente Médio e África do Norte.

Em 2017, cerca 150 pessoas foram executadas – através do método da decapitação – na Arábia Saudita.

Recentemente, em uma entrevista à revista “Time“, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salmán indicou que seu país poderá comutar em alguns casos a pena de morte por prisão perpétua, mas excluiu fazer isso nas condenações por homicídio. Segundo especialistas, o número 2 do reinado, que é ainda ministro da Defesa, atua nos bastidores como o líder de fato do país e trabalha para suavizar a imagem da monarquia e atrair investimentos de países receosos com o histórico fechado em direitos humanos.

O rei saudita Salman – Saudi Royal Palace/AFP/BANDAR AL-JALOUD

Conteúdo O Globo e imagem Sputnik International

Príncipe herdeiro da Arábia Saudita não descarta participar de resposta militar na Síria

A Arábia Saudita pode participar de uma ação militar na Síria depois de um suposto ataque químico que matou pelo menos 60 pessoas na região de Ghouta, no leste do país, disse o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, na terça-feira.

Na segunda-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu uma ação rápida e vigorosa em resposta ao ataque, sugerindo uma potencial resposta militar.

Se a nossa aliança com nossos parceiros exigir isso, estaremos presentes“, disse o príncipe Mohammed em uma coletiva de imprensa com o presidente francês Emmanuel Macron, encerrando uma visita de três dias a Paris.

Com informações  Ynet News e imagem de Al Arabiya

Trump e o “canto da serpente”

Na semana passada, Donald Trump recebeu calorosamente o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, em sua primeira visita aos Estados Unidos, oportunidade em que o presidente exaltou a venda de equipamentos militares como um impulso à criação de emprego para norte-americanos, apesar das críticas acerca do envolvimento saudita na “guerra por procuração” travada contra o Irã em território iemenita.

O príncipe Salman havia agendado visita ao Egito, Reino Unido e Estados Unidos,  objetivando por em prática sua campanha para mudar a imagem do reino mostrando ao Ocidente que a Arábia Saudita estaria aberta à visitação. E prontamente, a porta-voz da presidência, Sarah Sanders, proferiu comunicado declarando : “o presidente espera poder discutir formas de fortalecer os laços entre Estados Unidos e a Arábia Saudita[1]”.

Realmente, o poder bélico estadunidense exerceu influência poderosa para o “fortalecimento de laços” euforicamente enaltecidos por Trump e Mohammed. Contudo, segundo a rede CNN, o príncipe herdeiro teria se sentido “humilhado” quando o presidente americano mostrou gráficos expondo as vultosas aquisições sauditas em relação aos equipamentos militares dos Estados Unidos, abrangendo, dentre outros, navios, defesa antimísseis, aviões e veículos de combate[2].

Constrangimentos à parte, Mohammed teve motivos para largos sorrisos: o Departamento de Estado norte-americano já submeteu ao Congresso a aprovação de possível venda de milhares de mísseis antitanque TOW, parte de um pacote maior de US$ 1 bilhão, que também inclui a manutenção de helicópteros e peças de reposição para veículos militares.

Às aquisições acima, devem ser somadas a possível venda de US$ 300 milhões em peças para a frota de tanques Abrams e veículos blindados da Arábia Saudita, bem como equipamentos e serviços no valor de US$ 106,8 milhões para a frota de helicópteros militares do reino[3].

De acordo com a imprensa, Trump e Mohammed discutiram um acordo de 2017, orçado em US$ 200 bilhões em investimentos sauditas com os Estados Unidos, incluindo grandes compras de equipamentos militares, reforçando a tese de que as mencionadas vendas contribuiriam para a criação de 40.000 empregos[4]. Todavia, Mohammed, arriscou dizer em inglês que os investimentos serão de US$ 400 bilhões, assim que forem totalmente implementados, em dez anos.

Em retribuição à oferta de investimento saudita, Trump além de declarar que os laços que unem os dois países estão fortes como sempre, teceu elogios ao rei Salman, afirmando que teria tomado uma “decisão muito sábia”, declarando ainda que sentia falta do rei, chamando-o de “um homem muito especial”.

Importante ressaltar que o príncipe herdeiro alvoroçou não somente Trump, mas outras autoridades influentes que fizeram “fila” para reuniões, incluindo o secretário de defesa, tesouro e comércio, o diretor da CIA e líderes do Congresso (democratas e republicanos).

Para coroar o discurso regado a “sangrentos petrodólares”, Trump criticou o Irã dizendo: “O Irã não tem tratado essa parte do mundo, ou o próprio mundo, apropriadamente. Muitas coisas ruins estão acontecendo no Irã”.

A declaração presidencial me incomoda… Como assim? “Muitas coisas ruins” também não estariam acontecendo na aliada Arábia Saudita? Porém, já me “corrijo” reconhecendo que os interesses geopolítico e comercial “eclipsam” o enfoque dos “direitos humanos” para a mídia mainstream e comunidade internacional no que tange às “nações amigas da onça”.

Mohammed tem impactado muitas lideranças ocidentais por conta de algumas  decisões que são recebidas pelos desavisados como a defesa de um “Islã moderado” em detrimento do fundamentalismo característico do país exportador da “doutrina whahabita”, que embasa ações terroristas em todo mundo. Certamente, os amigos de Mohammed desconsideram máculas importantes no “currículo real” do moço de 32 anos que promoveu a detenção de alguns dos homens mais ricos e poderosos de seu país numa fraudulenta “campanha anticorrupção”, denunciada como parte de tomada autoritária do poder violando a lei.

Outrossim, o príncipe herdeiro é um dos responsáveis pela catástrofe humanitária que assola o país mais pobre do mundo árabe. Ao iniciar a guerra no Iêmen, Mohammed era ministro da defesa e nada fez para coibir as violações dos direitos humanos que a Arábia Saudita vem perpetrando junto com seus aliados na guerra contra os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irã. Os ataques aéreos da coalizão que lidera e o bloqueio de portos iemenitas vêm causando milhares de mortes entre os civis e a mais grave crise humanitária da atualidade, classificada como “catástrofe humanitária” por especialistas em direitos humanos.

Os horrores promovidos pela “monarquia do terror” incitaram Trump a reprovar as ações sauditas exigindo no ano passado o fim “imediato” do bloqueio imposto para a chegada de assistência humanitária ao país com mais de 11 milhões de pessoas esfaimadas. Porém, o presidente dos EUA não aceita o corte da ajuda para as operações militares do reino e o seu desejo foi acatado pelo Congresso, que rejeitou a resolução propondo o encerramento do apoio americano à campanha militar saudita que já matou mais de dez mil pessoas.

A postura de Trump tem se revelado decepcionante. Em tempos de campanha eleitoral, era a democrata Hillary Clinton a impetuosa defensora do reino apresentando-o como “força de paz e estabilidade”, enquanto Trump o criticava com veemência. Vale trazer à lembrança as palavras de Trump após os “atentados de 11 de Setembro”, acusando Riad de ser “o maior financiador mundial de fundos para o terrorismo”.

Disse Trump: “a monarquia petrolífera utiliza nossos petrodólares – o dinheiro nosso – para financiar os terroristas que buscam destruir nosso povo enquanto os sauditas contam conosco para protegê-los”. Durante a campanha, o então candidato republicano ameaçou bloquear as importações de petróleo saudita se o país não se engajasse na luta contra o Estado Islâmico.

Sete meses após a eleição, a primeira visita oficial do presidente Trump ao exterior foi justamente na Arábia Saudita. O republicano preferiu “esquecer” do relatório de inquérito parlamentar (2002) sobre os “atentados de 11 de setembro”, indicando que as autoridades sauditas prestaram assistência material para os terroristas/sequestradores e o grupo al-Qaeda. A “memória curta” deve ser também culpada pelo esquecimento de Trump em relação ao e-mail de 2014, divulgado pelo WikiLeaks, onde Hillary se queixava das autoridades sauditas e do Qatar, suspeitas de fornecerem apoio financeiro e logístico clandestino a grupos sunitas radicais na região”, leia-se, “facções terroristas islâmicas”.

Lamentavelmente, justificativa de “viés econômico” vem servindo para Trump trair compromissos de campanha abraçando a “serpente do deserto”. As “benfeitorias enganosas” de Mohammed  não escondem o “projeto de poder” vislumbrado pela jihad  (guerra santa) lançada por Maomé há mais de 1.400 anos, exigindo a submissão de toda terra ao Islã. A maior prova de que a Arábia Saudita continuará promovendo o terror no Ocidente vem dos seus próprios livros didáticos que ensinam a violência e ódio contra minorias[5].

Trump não teve “coragem” de criticar o conteúdo intolerante dos livros didáticos sauditas exaltando a jihad como luta contra não-muçulmanos, prescrevendo a execução de apóstatas e daqueles que zombam de deus ou do seu profeta Maomé, além de ensinar a humilhar não-muçulmanos e alertar os muçulmanos a não se associarem com os infiéis. Acreditar que um país islâmico conhecido como Dar al-islam (terra do Islã), que cultua a “jihad” contra o Ocidente vai negar a fé celebrando a “paz” com Darl al-Harb (terra da guerra)  é, no mínimo, patético.

Definitivamente, o “infiel Trump” caiu no “canto da serpente”…

[1] https://g1.globo.com/mundo/noticia/trump-recebera-principe-herdeiro-saudita-em-20-de-marco.ghtml

[2] https://www.haaretz.com/middle-east-news/trump-humiliated-saudi-crown-prince-while-boasting-about-arms-sales-1.5938561

[3] http://www.arabnews.com/node/1271866/saudi-arabia

[4] https://af.reuters.com/article/africaTech/idAFL1N1R214P

[5] https://www.middleeastmonitor.com/20180325-us-religious-freedom-body-urges-saudi-to-prioritise-textbook-reform/

 

Pesquisa mostra que a maioria dos franceses se opõe à venda de armas à coalizão contra o Iêmen liderada pela Arábia Saudita

Segundo pesquisa de YouGov divulgada pela Reuters, 75% dos franceses querem que o presidente Emmanuel Macron suspenda as exportações de armas para países, incluindo Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, envolvidos na guerra do Iêmen.

Macron tem sido pressionado para reduzir o apoio militar aos dois países do Golfo Pérsico devido à preocupação de que as armas francesas estejam sendo usadas na ofensiva que marca seu terceiro ano na segunda-feira.

Os dois Estados do Golfo Pérsico estão liderando uma coalizão que luta contra o grupo Houthi, alinhado com o Irã, que controla a maior parte do norte do Iêmen e da capital Sanaa. O conflito já matou mais de 10 mil pessoas e desalojou mais de três milhões.

A pesquisa mostrou que 88 % dos entrevistados acreditam que seu país deve parar as exportações de armas para todos os países onde há um risco de serem usadas ​​contra populações civis e especificamente 75 % para aqueles que operam no Iêmen.

Leia:  Daesh afirma tiro na França, não fornece provas

Sete em cada dez pessoas disseram que o governo deveria parar de exportar armas para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

“Por ocasião do terceiro aniversário da guerra da Arábia Saudita no Iêmen, é hora de o governo (francês) ouvir essa mensagem”, disse Eoin Dubsky, gerente de campanha da ONG SumOfUs, que encomendou a pesquisa.

Emmanuel Macron, que se apresenta ao mundo como um presidente humanista, deve passar de palavras para ações.”

A pesquisa acontece enquanto alguns Estados europeus, especialmente a Alemanha, cortam laços com a coalizão militar liderada pela Arábia Saudita. França, Grã-Bretanha e os Estados Unidos não seguiram o exemplo.

A França é o terceiro maior exportador de armas do mundo e conta com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos entre seus maiores compradores.

Leia:  Nenhum sinal da França revendo as vendas de armas para a coalizão liderada pelos sauditas do Iêmen – fontes

Ao contrário de muitos do seus aliados, os procedimentos franceses de licenciamento de exportação não têm freios ou contrapesos parlamentares, tornando o sistema particularmente opaco.

A pesquisa mostrou que 69% das pessoas queriam ver o fortalecimento do papel do parlamento francês no controle das vendas de armas.

A pesquisa foi realizada on-line entre 20 e 21 de março com uma amostra de 1.026 pessoas de várias vertentes da população francesa com 18 anos ou mais.

Com informações e imagens de Middle East Monitor

Saudita é preso por compartilhar tweets críticos ao reino

Na quarta-feira (28/02), um tribunal na Arábia Saudita  condenou a seis anos de prisão um cidadão por compartilhar comentários críticos ao reino no Twitter, segundo informou o proeminente jornal saudita Okaz.

O homem saudita, cujo nome não foi revelado, sofreu condenação por acusação de “tentar incitar a opinião pública contra o Estado” e “desafiar as decisões soberanas”.

A condenação também abrangeu as “ações” de supostamente “impugnar decisões judiciais” e “demonstrar apoio a pessoas detidas por razões relacionadas ao terrorismo e à segurança nacional”.

As críticas on line que geraram a condenação incluíam o sistema de governança “shura” da Arábia Saudita e a guerra em curso do reino contra rebeldes xiitas no Iêmen.

Além do período de prisão de seis anos, o condenado também foi proibido de usar as mídias sociais – ou a internet – por mais seis anos após sua libertação.

A sentença condenatória de quarta-feira ainda pode ser impugnada com recurso para um tribunal de apelação.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Ataques da coalizão saudita matam 136 civis no Iêmen

Ataques aéreos realizados pela coalizão liderada por sauditas no Iêmen mataram pelo menos 136 civis desde 6 de dezembro e 87 pessoas ficaram feridas, segundo a Reuters .

Rupert Colville, porta-voz de instituição de direitos humanos que atua na região afirma: “Estamos profundamente preocupados com o recente aumento das vítimas civis no Iêmen, como resultado de intensos ataques aéreos da coalizão, após a morte do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, em Sanaa em 4 de dezembro”.

Segundo a ONU, 7 ataques aéreos atingiram uma prisão no distrito de Shaub, Sanaa, matando cerca de 45 presos leais ao internacionalmente reconhecido Abd Abdel Rabbuh Mansur Hadi.

Em outro ataque 14 crianças e 6 adultos morreram em Huydaydah no dia 15 de dezembro. Duas crianças e oito mulheres que estavam retornando de uma festa de casamento de Marib no início desta semana também foram mortas.

A coalizão saudita entrou na guerra do Iémen em março de 2015 em razão de suposto pedido de Hadi para ajudar a combater as ameaças territoriais provocadas pela aliança iraniana com os Houthis e o ex- presidente Ali Abdullah Saleh, em março de 2015. A dinâmica do conflito sofreu mudança significativa quando Saleh cortou as relações com os Houthis e foi morto no início de dezembro . As forças restantes que são leais a Saleh juntaram-se ao exército nacional de Hadi em uma nova aliança para combater os Houthis e recuperar a capital Sanaa.

Os ataques aéreos da coalizão liderada pelos sauditas continuaram em áreas densamente povoadas no Iêmen apoiando a nova aliança contra o Houthis.

Com informações de Middle East Monitor

Vídeo de mulher de minissaia caminhando em local histórico causa furor e investigação na Arábia Saudita

A polícia da Arábia Saudita interrogou nesta terça-feira uma mulher que postou um vídeo de si mesma usando uma minissaia e um top em público enquanto passeava por um conhecido monumento do país.

A imprensa estatal do país reportou que a mulher, “vestida com roupas indecentes” foi “encaminhada à Promotoria” do país.

A mulher, uma modelo identificada como “Khulood”, compartilhou o registro em que caminha pelo forte histórico de Ushayqir. Ainda segundo a imprensa estatal, ela teria “confessado” o passeio pelo local histórico, quando estava acompanhada de seu “guardião masculino”.

O vídeo gerou polêmica nas redes sociais. Alguns usuários pediram que ela fosse presa por desrespeitar o restrito código de vestimenta do país muçulmano conservador.

Outros sauditas saíram em defesa da mulher, elogiando sua “coragem”.

As mulheres na Arábia Saudita têm de usar vestidos longos e soltos em público, conhecidos como “abayas”, além de um véu, se forem muçulmanas. Elas também não podem dirigir e não podem conviver com homens com os quais não tenham relação de parentesco.

No vídeo, inicialmente compartilhado no Snapchat durante o fim de semana, Khulood é vista caminhando em uma rua vazia no forte do patrimônio histórico de Ushayquir, a 155 km ao norte da capital Riad, na província de Najd.

Najd é uma das regiões mais conservadores da Arábia Saudita. Foi ali que o fundador do wahabismo – a versão radical da corrente sunita do Islã praticada pela família real do país e pelo establishment religioso – nasceu, no final do século 18.

Rapidamente, o vídeo migrou para o Twitter, onde dividiu opiniões entre os que achavam que Khulood deveria ser punida e outras que insistiam que ela deveria poder usar a roupa que quiser.

O jornalista Khaled Zidan escreveu: “O retorno da haia (polícia religiosa) aqui é uma obrigação”.

Outro usuário argumentou: “Devemos respeitar as leis do país. Na França, o niqab (véu que cobre o rosto) é proibido e as mulheres são multadas se usá-lo. Na Arábia Saudita, usar abayas e roupas decentes é parte das leis do reino”.

Já o escritor e filósofo Wael al-Gassim disse estar chocado “ao ver esses tuítes assustadores e raivosos”.

“Pensei que ela havia matado alguém. O mote da polêmica foi a roupa dela, que eles não gostaram. Fico me perguntando como a Visão 2030 pode prosperar se ela for presa”, acrescentou ele, em alusão ao programa de reformas revelado no ano passado pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-40644353

Mundial 2018: Arábia Saudita desrespeita minuto de silêncio pelas vítimas de Londres

O jogo Austrália-Arábia Saudita, da fase de qualificação para o Mundial2018 de futebol, foi antecedido por um minuto de silêncio pelas vítimas do ataque terrorista em Londres, mas os visitantes ignoraram a homenagem, revelando-se indiferentes em campo.

Quando o locutor do estádio pediu um minuto de silêncio para homenagear as oito vítimas de sábado, duas delas australianas, os 11 jogadores australianos alinharam-se e abraçaram-se no círculo central, enquanto os seus opositores desmobilizaram, separaram-se e alinharam em campo, ignorando o gesto.

A federação australiana de futebol (FFA) disse depois do jogo que os sauditas sabiam sobre o plano de manter um minuto de silêncio antes da partida de qualificação, recusando-se a participar.

“A Confederação Asiática de Futebol e a equipa da Arábia Saudita concordaram com a realização do minuto de silêncio. A FFA foi avisada pela equipa saudita que esta tradição não se enquadra com a sua cultura pelo que iriam para o seu lado do campo e respeitariam os nossos costumes tomando as suas posições no campo”, referem os australianos.

Os representantes da FIFA reuniram com elementos das equipas, bem como com os árbitros, no dia antes do desafio, sendo que o minuto de silêncio foi referido quando foi combinado o protocolo.

Há relatos que indicam que os adeptos da Arábia Saudita entoaram também cânticos anti-Irão, país igualmente muçulmano, mas shiita, que na quarta-feira também foi vítima de ataque terrorista, tendo morrido pelo menos uma dúzia de pessoas.

A Austrália venceu a Arábia Saudita por 3-2, partilhando o primeiro lugar do grupo B com o Japão, mas ambas com mais um jogo do que os nipónicos.

http://24.sapo.pt/desporto/artigos/mundial2018-arabia-saudita-desrespeita-minuto-de-silencio-pelas-vitimas-de-londres#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share

Mulher saudita oferece a filha como o presente ao policial que agiu como herói

Uma patriótica mãe saudita ofereceu a filha de 22 anos a um policial que matou um terrorista num tiroteio.

Uma mulher saudita chamada Umm Ahmad decidiu dar a sua filha de 22 anos como um presente para o policial Jubran Awaji, depois que ela descobriu que Awaji havia baleado e matado um terrorista em Riyadh.

 “Eu imediatamente anunciei a minha filha, Alaa, que viu um vídeo do incidente, porque eu estava orgulhosa deste homem que arriscou sua vida e eu desejei que ele se tornasse meu genro e se casasse com ela”, disse Umm Ahmad aos meios de comunicação.

Ela disse que não se importa se sua filha se torna a segunda ou até terceira esposa de Awaji e disse que sua oferta era genuína e sincera. Ela disse que não quer o mahr (preço da noiva) e vai pagar as despesas do casamento.

Quando contou ao marido sobre a oferta, ele disse: “Você alcançou tanta obsessão com o país e com o nacionalismo?”

No entanto, ele aprovou a oferta e elogiou a bravura de Awaji. Casamentos na Arábia Saudita são ilegais sem o consentimento do tutor masculino de uma mulher, inicialmente seu pai,  e mais tarde seu marido.

O incidente causou polêmica na mídia social saudita com muitos usuários condenando a atitude.

Um usuário do Twitter conduziu uma pesquisa perguntando se as pessoas apoiavam ou não a oferta. Cerca de 8.690 pessoas responderam, das quais 82% se opuseram à oferta dizendo que Alaa não deveria ser oferecido assim, enquanto 18% disseram que o oficial era um herói e merece.

“Não estamos dizendo que ele não é um herói”, escreveu outro usuário do Twitter, “mas você fez dessa garota um mero” camelo” que você traria como presente. O Islã garantiu a liberdade de uma mulher escolher quem quer que ela quer se casar. “

Outros usuários do Twitter condenaram a oferta estranha de várias maneiras:

“Nós apreciamos sua ação heróica, mas o ser humano tem sua honra e seu direito de escolher, especialmente no que diz respeito ao casamento que é a de sua esfera privada. Ela não é uma mercadoria a ser dada como um presente. “

“Em que tempos estamos vivendo? Confie em Deus e faça as coisas de acordo com a sua fé. Não use sua emoção às custas de suas filhas. O contrato de casamento não pode ser válido sem o consentimento da mulher para se casar. “

 “A filha é um ser humano. Ela tem seus direitos e suas obrigações. Ela tem o direito de escolher o que quer e recusar o que não quer. Por que ela está sendo tratada como um sacrifício? “

http://www.clarionproject.org/news/saudi-woman-offered-gift-hero-police-officer