Arquivo da tag: Arábia Saudita

Como derrubar o voraz “jabuti islâmico” no “acordo de cooperação cultural” entre Brasil e Arábia Saudita?

Por Andréa Fernandes

Hoje, tomamos conhecimento através da imprensa que o presidente Bolsonaro afirmou em Riad que a Arábia Saudita convidou informalmente o Brasil a integrar a OPEP ( Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Mostrando a devida cautela, o presidente disse que a decisão seria comunicada após consultar a equipe econômica e o Ministério da Energia, apesar de manifestar entusiasmo pelo convite que vem após o anúncio de investimento do Fundo Soberano Saudita à monta de US$ 10 bilhões no Brasil.

O voraz “Jabuti islâmico”

Dessa forma, o presidente cumpre a promessa de comercializar com o mundo, porém, ontem, a imprensa árabe noticiou os acordos celebrados com o Brasil e como eu já esperava, entre os acordos assinados foi inserido estrategicamente um perigoso “jabuti islâmico” que, uma vez implementado trará sérias ameaças à soberania nacional. De maneira que ao firmar o ” “Memorando de Entendimento sobre Cooperação Cultural, o Brasil se expõe às práticas de dominação islâmica que já mostraram sua maléfica influência na Europa através da instalação de uma estrutura de poder que fortalece a rede de jihadistas que se infiltram em todos os níveis da sociedade a fim de impor a sharia (lei islâmica), o que ocorre muitas vezes de forma imperceptível.

Quando escrevi o artigo alertando para o perigo de sair das águas dos acordos comerciais e navegar pelo mar turbulento da “cooperação cultural” fundamentada no estímulo à divulgação de uma doutrina religiosa ortodoxa que promove atrocidades, alguns leitores subestimaram a análise, isto porque, não discernem a forma de atuação do fundamentalismo islâmico.

Acordo de “cooperação cultural” ou acordo de “dominação islâmica”?

Em primeiro lugar, não existe uma real reciprocidade nesse acordo, pois não haverá efetiva cooperação cultural por parte dos sauditas. A sharia (lei islâmica) comanda a vida do muçulmano em todos os aspectos  e a cultura ocidental é demonizada, além do que, a Arábia Saudita exporta a doutrina wahabita para as mesquitas em todo mundo. Essa doutrina é a base religiosa do Estado Islâmico, Al -Qaeda, Hamas e milhares de outros grupos terroristas muçulmanos sunitas.

De sorte que, as lideranças religiosas muçulmanas ortodoxas terão “carta aberta”para apregoar de forma enganosa o pacifismo do Islã ortodoxo a fim de angariar novos fiéis que serão ensinados através do Alcorão e Hadiths a odiar cristãos, homossexuais, ateus e judeus. Enquanto isso, os brasileiros não poderão levar sua fé e/ou cultura ao solo sagrado saudita, onde o Cristianismo é terminantemente proibido desde a ordem do profeta Mohammad de extirpar da Península Arábica todos os cristãos e judeus. Antes de sua morte, seus seguidores jihadistas assassinaram ou expulsaram todos os não-muçulmanos de suas terras, pelo que todos aqueles que conhecem o Islã ortodoxo sabem que esse acordo assinado pelo presidente com o príncipe acusado recentemente de mandar esquartejar um jornalista no interior do Consulado turco é apenas uma estratégia de “engano religioso” chamada taqiyya (obrigação de todo muçulmano mentir para os infiéis visando expandir o Islã).

O Jabuti Islâmico devorou até a Primeira Emenda dos Estados Unidos

Ademais, os países europeus que comercializaram com a Arábia Saudita e demais Estados totalitário muçulmanos permitindo a concretização dos comandos de “acordo de cooperação cultural” estão sofrendo as terríveis consequências da islamização radical. A sharia (lei islâmica) tem sido implantada de forma a regular até o comportamento de não-muçulmanos em obediência ao Islã, e enganam-se aqueles que ao tentarem refutar meus argumentos afirmaram que alguns países ocidentais comercializam com sauditas, inclusive os Estados Unidos. Contudo, se adentrarmos no contexto comportamental americano perceberemos que a SHARIA já impõe os preceitos islâmicos no país protestante violando as outrora sagradas “liberdades individuais” e “liberdades religiosas”. Vamos a um exemplo? A Suprema Corte se negou a apreciar o processo de estudante do ensino médio de Maryland , Caleigh Wood, que se recusou a participar de um trabalho escolar para escrever a reza de conversão islâmica que afirma “… não há Deus, exceto Alah”, porque ela acreditava que isso contradizia diretamente sua fé cristã .

Segundo a Fox News:

Richard Thompson, presidente e conselheiro principal do Thomas More Law Center, que apresentou a petição em nome de Wood, disse: “As escolas estão promovendo o Islã sobre o cristianismo ou qualquer outra religião, e você tem um padrão duplo, que consideramos uma violação da lei. Thompson também disse no comunicado de imprensa da empresa : “Sob o pretexto de ensinar história ou estudos sociais, escolas públicas de toda a América estão promovendo a religião do Islã de maneira que nunca seria tolerada pelo Cristianismo ou por qualquer outra religião”.

Thompson disse que, além de obter um F na classe, Wood também foi obrigado a assistir a uma apresentação em PowerPoint pró-Islã que denegria sua religião e basicamente dizia que os cristãos não são tão fiéis quanto os muçulmanos. Então acreditamos firmemente que isso era uma violação. ”

Ora, se nos Estados Unidos as diversas entidades muçulmanas ortodoxas patrocinadas pela Arábia Saudita e outros países totalitários conseguem DERRUBAR A PRIMEIRA EMENDA para promover a difusão em todo país dessa crença que estimula violação de direitos humanos, pergunto: por que o brasileiro acha que nosso país será o ÚNICO no mundo em que o Islã não abocanhará as principais instituições????

Brasil na rota das doutrinas religiosas extremistas

Brasileiro, você tem a noção do nível de influência do Islã ortodoxo nas comunidades carentes? Esqueceu que o PCC de São Paulo e o Comando Vermelho do Rio de Janeiro já fecharam parceria com a mais poderosa organização narcoterrorista islâmica do mundo? Então leia parte da matéria publicada no Correio Braziliense em abril de 2019 seguinte:

Enquanto o Congresso discute uma série de leis anticrime e o governo federal concentra esforços na atuação da crise na divisa com a Venezuela, no norte do país, facções criminosas se fortalecem na tríplice fronteira, na divisa entre Brasil, Paraguai e Argentina. Desde 2017, organizações como o Primeiro Comando Capital (PCC), aliada ao Hezbollah, e o Comando Vermelho (CV), ampliam suas atividades de contrabando de armas, drogas lícitas e ilícitas e eletrônicos na região. O crescimento do poder do crime preocupa autoridades, mas encontra poucas ações práticas para frear o crescimento do poder paralelo no local.

Assim, mesmo sabendo que a maioria dos muçulmanos NÃO são jihadistas, a realidade é que o Brasil ainda não está preparado para combater em todas as frentes um aprofundamento da ameaça terrorista que já existe há anos. Apenas uma ação coordenada de ataques jihadistas/terroristas perpetrados por sauditas que seguiam a doutrina wahabita  exportada pela Arábia Saudita matou quase 3 mil inocentes nos atentados de 11 de setembro (Estados Unidos), o que mostra que não podemos facilitar a disseminação desse VENENO IDEOLÓGICO em solo nacional!

Como se livrar do perigoso jabuti?

Uma vez assinado o “acordo de jabuti islâmico”, resta-nos, a princípio, uma saída altamente democrática e respeitosa para com o presidente: pressionar os parlamentares para derrubarem em votação esse acordo de cooperação, e caso seja ratificado – porque dificilmente o Parlamento vai se mobilizar – a alternativa é promover a criminalização explícita da sharia em território nacional e derrubar a Lei de Migração. Ressalto, ainda, que sem MOBILIZAÇÃO POPULAR dentro e fora das redes, essa batalha estrá perdida!!!

O brasileiro que vem permitindo o ingresso de inúmeros terroristas do Hezbollah, FARC e milícias venezuelanas infiltrados entre os refugiados no pobre território de Roraima precisa despertar urgentemente para essa GRAVE questão de SOBERANIA NACIONAL. A espada de Mohammad não poupa aqueles que se omitem no quesito SEGURANÇA NACIONAL.

A democracia precisa vencer a sharia. Brasil acima de tudo, D’us acima do Islã!!!

Andréa Fernandes – advogada, jornalista, internacionalista e diretora-presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Imagem Veja

Sharia em ação: Brasil celebra “acordo de cooperação cultural” com o reino do terror saudita

Pela manhã eu estava decidida a escrever um artigo sobre as tratativas do presidente Bolsonaro nos países muçulmanos, principalmente, quando uma renomada especialista em terrorismo islâmico – que vive nos EUA – entrou em contato enviando vasto material sobre o Qatar, país muçulmano que é o maior financiador global do terrorismo, enviando dinheiro para as “beldades genocidas” do Estado Islâmico e Al-Qaeda.
 
Como sei que há a tese do “dinheiro neutro” reivindicada pelo Liberalismo que defende a ideia do “comércio sem viés ideológico”, passei a tarde lendo matérias da mídia árabe e artigos diversos sobre terrorismo e segurança nacional, pois o meu país está fechando acordos em diversas áreas com estados totalitários, inclusive, nas área de defesa e diplomacia, fomentando também o “intercâmbio” entre diplomatas, além de uma inusitada COOPERAÇÃO CULTURAL com o berço do Islã – Arábia Saudita – o que deixa claro que não há apenas relação estritamente “econômica”, não é verdade?
 
Além disso, a imprensa árabe anunciou que haveria proposta saudita de um “Memorando de Entendimento” no tocante a vistos e seriam 7 (sete) acordos cunhados pela monarquia muçulmana que promove abertamente a promoção do wahabismo conhecido pelos ocidentais como “Islã radical”.
 
Portanto, mesmo não sendo nem um pouco complicado tecer comentários sobre as consequências de uma aproximação com os países visitados, acredito que por honestidade intelectual eu preciso saber o TEOR COMPLETO dos acordos firmados, que serão submetidos ao Legislativo para aprovação via decreto legislativo, conforme reza a Constituição Federal.
 
Todavia, uma importante informação não explorada pela extrema-imprensa que apoia a “retórica islamizadora”, causaria assombro aos brasileiros – não fosse o desconhecimento quase geral acerca da ameaça jihadista global – pois o nosso presidente firmou um “Memorando de Entendimento sobre Cooperação Cultural, que em português claro significa “autorização” para Arábia Saudita ter plena liberdade de promover sua danosa doutrina wahabita no país, a qual é a base religiosa de grupos terroristas sunitas tais como Estado Islâmico, Al-Qaeda, Hamas, Boko Haram e muitos outros.
 
Aliás, se o prezado leitor se considera “conservador”, cabe perguntar: você considera correta a “cooperação cultural” com um Estado totalitário sanguinário que proíbe em seu território a construção de igrejas, sinagogas e templo de crenças que não sejam o Islã ortodoxo, além de promover atrocidades medievais?
 
E mais... você acha que será “producente” a remessa de milhões de dólares sauditas para investimentos diversos, inclusive, construção de mesquitas, massalas e centros islâmicos, além de investimentos pesados em escolas e universidades para darem continuidade ao processo de “romantização do Islã ortodoxo”, promovendo secretamente sua doutrina de ódio e terror contra os kafirs (infiéis)?
 
E com a captação de até US$ 10 bilhões oriundos do “reino do terror”, você acha que o Brasil vai ousar a levantar a voz nos foros internacionais contra a cruel perseguição aos cristãos em países muçulmanos? Aliás, você atentou para o fato de não ter havido no discurso do presidente Bolsonaro na ONU denúncia sobre o GENOCÍDIO DE CRISTÃOS em países muçulmanos como a Nigéria, onde milhares de cristãos estão sendo exterminados por grupo muçulmano com o apoio tácito do governo?
Como eu sei que a pauta de denúncia da perseguição religiosa em países muçulmanos não atrai a maioria dos cristãos conservadores formadores de opinião, quero aproveitar o ensejo para lembrar que a Europa seguiu esse mesmo caminho do “Brasil liberal” que vê nas relações econômicas desprovidas de obediência a princípios e valores a solução para todos os problemas. Hoje, a França está à beira de uma guerra civil, conforme afirmou o chefe da segurança nacional, a DGSI (Direção Geral da Segurança Interna), Patrick Calvar.  
Disse Calvar, em 2016:

 

O extremismo está aumentando em toda parte, e agora estamos voltando nossa atenção para alguns movimentos de extrema direita que estão preparando um confronto”. Que tipo de confronto? “Confrontos intercomunitários”, disse ele, educado por “uma guerra contra os muçulmanos”. “Mais um ou dois ataques terroristas”, acrescentou, “e podemos muito bem ver uma guerra civil”.

Outro país que se engraçou com a “cooperação cultural” do mundo muçulmano atraído por sedutores petrodólares foi a Suécia. A advogada Judith Bergman escreveu interessante artigo intitulado A Suécia está em Guerra,  no qual lemos o seguinte:

A polícia escreveu no relatório de 2017 que conflitos étnicos globais são replicados nas áreas vulneráveis:

“… o judiciário [sueco] e o resto da sociedade [sueca] não entendem esses conflitos ou têm respostas sobre como eles podem ser resolvidos. A polícia, portanto, precisa ter um melhor conhecimento do mundo e compreensão dos eventos para A presença de retornados, simpatizantes de grupos terroristas como o Estado Islâmico, a Al Qaeda e a Al-Shabaab e representantes de mesquitas salafistas, contribuem para as tensões entre esses grupos e outros moradores da região. vulneráveis. Desde o verão de 2014, quando um califado foi proclamado na Síria e no Iraque, as contradições sectárias aumentaram, especialmente entre sunitas, xiitas, cristãos levantinos e nacionalistas de origem curda “. (p 13)”

Por oportuno, creio ser fundamental exemplificar o “funcionamento” do processo de “expropriação cultural” que com uma mãozinha da esquerda progressista literalmente está arruinando a pátria francesa. No dia 19 de setembro, foi inaugurado  com a presença do Ministro do Interior, o Instituto Francês de Civilização Muçulmana. No evento o ministro enalteceu o projeto de um “Islã aberto” dedicado à “luta contra o preconceito”. O suntuoso prédio ao lado da Grande Mesquita, vai ofertar cursos de civilização muçulmana e idiomas, simpósios, conferências e debates para expandir a fé. No entanto, adivinha quem ajuda a financiar o projeto para desconstrução da França? É a Liga Islâmica Mundial, base diplomática e religiosa da Arábia Saudita sediada em Meca, que tem ” vínculo ” com a Federação de Muçulmanos Franceses.

Sabe quem mais compareceu à inauguração desse centro de islamização wahabita promovido pela Arábia Saudita? Mohammed Al-Issa, secretário geral da Liga Islâmica Mundial. Cabe noticiar as “indumentárias prodigiosas” de Mohammed descritas pelo jornal Le Fígaro:

“Mohammed Al-Issa, que lidera a Liga Islâmica Mundial, é creditado em mais de 500 execuções quando foi ministro da Justiça da Arábia Saudita de 2009 a 2015, e inúmeras ordens de tortura, incluindo a condenação do famoso Raif Badawi com 1.000 chicotadas. “

Se para um conservador não causa revolta saber que uma facínora torturador é prestigiado em evento que fortalece os “discursos de ódio” e ações jihadistas na França,  vale trazer à baila o parecer da especialista Razika Adnani sobre a doutrina que a Arábia Saudita quer compartilhar com o Brasil graças aos laços de cooperação cultural firmado sob a égide do modelo de liberalismo sem viés ideológico:

Os princípios do wahabismo e suas conseqüências no mundo e, especialmente, no mundo muçulmano não são um segredo. Portanto, é difícil admitir que os wahabitas se tornaram repentinamente pessoas que defendem uma linguagem de paz e solidariedade, denunciando o terrorismo islâmico e o obscurantismo. Se a Liga Islâmica Mundial denuncia o terrorismo, como explicar que homens e mulheres são decapitados publicamente na Arábia Saudita? Por que os seres humanos estão sendo intimidados porque têm opiniões diferentes sobre o Islã e a sociedade? “

Eu poderia escrever um livro pormenorizando os resultados catastróficos dos “laços de cooperação cultural” promovidos sob a justificativa de trazer desenvolvimento à Europa pós-cristã. De sorte que, a inserção do Brasil nessa “maracutaia islâmica” para espalhar a perigosa doutrina wahabita é simplesmente inadmissível e contrária aos nossos princípios!

Ora, se Bolsonaro quer celebrar “comércio” com a Arábia Saudita que já é o nosso maior parceiro comercial no Oriente Médio – com fluxo comercial entre os dois países atingindo US $ 4,4 bilhões em 2018 – deve mobilizar sua fragmentada bancada no Congresso para criminalizar a sharia (lei islâmica), a fim de evitar que o modus vivendi de uma doutrina religiosa medieval venha se instalar em nosso território.

Contudo, espero que parlamentares se mobilizem para impedir a implementação desse absurdo acordo de “cooperação cultural” estimulado por uma assessoria que parece ser completamente ignorante sobre o mundo muçulmano. E assim que tiver acesso aos “acordos” celebrados com os regimes totalitários islâmicos voltarei a escrever sobre o tema, frisando, desde já, que estou muito preocupada com a declaração de Bolsonaro para a mídia árabe afirmando que “o Brasil busca parceria ainda mais profunda com a Arábia Saudita”.

Se o nosso presidente não tomar cuidado, em algumas décadas o Brasil experimentará as mesmas mazelas sofridas pela Europa. O poderio islâmico se aprofundará em todos os níveis e pode desencadear um perigoso lema:”Islã acima de tudo, Alah acima de todos“.

 Andréa Fernandes – advogada, internacionalista, jornalista e diretora-presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagem: ANBA

 

 

 

Arábia Saudita desenvolve aplicativo para impedir mulheres de viajar sem a permissão de guardiões

“A Arábia Saudita faz um apelo para impedir que as mulheres viajem sem consentimento”, por Zakaria Oudrhiri, Marrocos World News , 5 de fevereiro de 2019:

Rabat – O Centro Nacional de Informações da Arábia Saudita desenvolveu um aplicativo móvel chamado “Absher” (árabe para “curtir”) que permite que homens responsáveis, geralmente maridos e pais, monitorem os movimentos das mulheres.

O aplicativo, disponível em iOS e Android, foi desenvolvido para ajudar os responsáveis ​​por tarefas como renovar a carteira de motorista ou pagar multas, mas também para monitorar as mulheres e impedi-las de sair do país sem o consentimento deles.

O aplicativo envia uma notificação quando uma mulher apresenta seu passaporte no controle de fronteira. A polícia de fronteira negará a viagem da mulher se o seu tutor disser…

Com imagem NDig e informações Jihad Watch

A Anistia Internacional condena o “encobrimento saudita” no caso de Khashoggi e pede uma necrópsia

A Anistia Internacional disse no sábado que  a explicação da Arábia Saudita sobre a morte do jornalista Jamal Khashoggi  no consulado saudita em Istambul apareceu para esconder “um assassinato hediondo.”

“As conclusões do inquérito das autoridades sauditas, que afirmam que Khashoggi morreu como resultado de uma briga dentro do consulado não são confiáveis ​​e marca um abismo no registro de direitos humanos da Arábia Saudita”,  disse em um comunicado Samah Hadid, diretor do grupo direitos humanos no Oriente Médio.

Ele pediu às autoridades sauditas que revelem a localização do corpo de Khashoggi para que especialistas forenses independentes possam realizar uma autópsia. Ele também disse que as Nações Unidas deveriam investigar sua morte.

“Um inquérito independente é a única garantia contra o que cada vez mais parece como um encobrimento da Arábia em torno das circunstâncias do assassinato de Khashoggi ou qualquer tentativa por outros governos para varrer o problema para debaixo do tapete para preservar negócios lucrativos de armas e outros laços comerciais com Riyadh “, disse Hadid.

A afirmação da Arábia Saudita que Khashoggi teria morrido em uma luta, em vez de ser morto deliberadamente, foi o primeiro reconhecimento de sua morte por Riyadh após duas semanas de negações sobre o envolvimento saudita em seu desaparecimento.

“Esse assassinato atroz dentro das fundações do Consulado equivale à uma execução extrajudicial”, disse a Anistia Internacional.

Com imagem The Millennium Report e informações Israel Noticias

As punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

OLHO POR OLHO 

Paralisia, perfuração e crucificação dos olhos – as punições medievais e grotescas enfrentadas por criminosos na Arábia Saudita

A Arábia Saudita continua a usar métodos bárbaros de execução alegando que são justificados pelo Alcorão e suas tradições.

Decapitações públicas, amputações, retribuição e espancamento fazem parte do sistema de justiça.

Resultado de imagem para A man who paralysed his friend was sentenced to himself be paralysed SAUDI ARABI

Uma execução pública por decapitação na Arábia Saudita (The Guardian)

Como o The Sun relatou esta semana, um assassino foi crucificado após ser considerado culpado de esfaquear repetidamente uma mulher. O corpo dele foi pendurado em uma cruz após a execução.

O príncipe herdeiro Salman quer tornar o reino do deserto uma  nação do século XXI experiente em tecnologia e introduziu reformas liberais.

A Arábia Saudita mantém a pena de morte para um grande número de crimes, incluindo tráfico de drogas e “feitiçaria”, além de assassinato.

Imagem relacionada

Os corpos de cinco homens iemenitas decapitados na Arábia Saudita são deixados pendurados depois que suas cabeças foram colocadas em sacos (observers.france24.com)

A maioria das sentenças de morte é executada em público por decapitação, fazendo comparações com a chocante brutalidade do Estado Islâmico.

O sistema é baseado na lei Sharia, que os sauditas dizem estar enraizada na tradição islâmica e no Alcorão.

Os julgamentos duram um dia e as confissões são extraídas sob tortura.

O país não tem código penal escrito e nenhum código de procedimento criminal e procedimento judicial.

 

Resultado de imagem para King Salman, pictured with PM Theresa May, makes the final decision on executions in Saudi Arabia
Rei Salman e a chanceler  Theresa May (Sputnik International)

Isso permite que os tribunais tenham amplos poderes para determinar o que constitui uma ofensa criminal e quais sentenças os crimes merecem.

O único meio de recurso é diretamente para o rei, que decide se o condenado vive ou morre.

A lista de punições leva à leitura sombria.

Decapitação

No ano passado, o ano do reino levou a cabo 146 execuções, a terceira maior taxa do mundo, atrás da China e do Irã, segundo a Anistia Internacional.

Só nos primeiros quatro meses deste ano foram realizadas 86 decapitações, metade delas para crimes não violentos, como delitos de drogas.

Houve um surto de execuções desde o mês passado, com pelo menos 27 pessoas executadas somente em julho, segundo a Anistia Internacional .

A decapitação continua a ser a forma mais comum de execução e a sentença tradicionalmente realizada em uma praça pública na sexta-feira após as orações.

Deera Square, no centro da capital Riyadh é conhecida localmente como “Chop Chop Square”.

Resultado de imagem para Saudi executioner Muhammad Saad al-Beshi

O carrasco saudita Muhammad Saad al-Beshi (O Explorador)

O trabalho talvez sombrio, mas o carrasco-chefe do país parecia se orgulhar de seu trabalho.

Depois de visitar a família da vítima para ver se querem perdoar o prisioneiro, eles são levados para a decapitação.

“Quando eles chegam à praça da execução, sua força se esvai”, informou a BBC Muhammad Saad al-Beshi.

“Então eu leio a ordem de execução, e em um sinal eu corto a cabeça do prisioneiro”.

Um aumento recente na taxa de execuções levou a anúncios de oito carrascos no site do serviço público.

Um formulário de inscrição em PDF para empregos dizia que eles se enquadravam no termo “funcionários religiosos” e estariam no nível mais baixo da escala salarial do funcionalismo público.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Um homem ajoelhado é decapitado em Jeddah, ao lado do cadáver sem cabeça de outro que acabara de sofrer o mesmo destino (The Sun)

Crucificação

Na Arábia Saudita, a prática da “crucificação” refere-se à exibição pública ordenada pelo tribunal após a execução, juntamente com a cabeça separada, se decapitada.

Em um dos casos, imagens nas redes sociais aparentam mostrar cinco corpos decapitados pendurados em um poste horizontal com suas cabeças embrulhadas em sacos.

A decapitação e a “crucificação” ocorridas em frente à Universidade de Jizan, onde os estudantes estavam fazendo os exames, ocorrem em uma praça pública para agir como um impedimento.

Paralisia

A capacidade dos tribunais de decidir por si mesmos as sentenças que se encaixam no crime levou a sentenças de “qisas” ou retribuição.

O exemplo de maior destaque foi o de Ali al-Khawahir, que tinha 14 anos quando esfaqueou um amigo no pescoço, deixando-o paralisado da cintura para baixo.

Resultado de imagem para injeção

Um jovem que paralisou seu amigo foi condenado a ficar paralisado (Imagem Parou Tudo)

Dez anos depois foi condenado a ficar paralisado, a menos que pagasse um milhão de riais sauditas à vítima.

Na época, a Anistia Internacional disse que a sentença era “totalmente chocante” mesmo para a Arábia Saudita.

Nesses casos, a vítima pode exigir que a punição seja executada, solicitar compensação financeira ou conceder um perdão condicional ou incondicional.

Lapidação

O apedrejamento continua sendo uma punição por adultério para mulheres na Arábia Saudita.

De acordo com uma testemunha, as acusados ​​são colocados em buracos e, em seguida, têm pedras derrubadas sobre elas de um caminhão.

Em 2015, uma mulher casada de 45 anos, originalmente do Sri Lanka, que trabalhava como empregada em Riad, foi condenada à morte por apedrejamento.

Seu parceiro, que era solteiro e também do Sri Lanka, foi punido com 100 chicotadas depois de ser considerado culpado do mesmo delito.

Resultado de imagem para A kneeling man is beheaded in Jeddah, next to the headless corpse of another who had just suffered the same fate

Amputação de membros é outra das terríveis punições no país

Arrancar os olhos

Abdul-Latif Noushad, um cidadão indiano, foi condenado a ter seu olho direito extorquido em retribuição por sua ação numa briga em que um cidadão saudita foi ferido.

Ele trabalhou em um posto de gasolina e entrou em uma briga com cliente que queria um reembolso e na luta que se seguiu atingiu o outro homem na cabeça, batendo em seu olho.

Um tribunal de apelação em Riad teria simplesmente perguntado se o saudita aceitaria uma compensação monetária, segundo a Human Rights Watch.

Em 16 de setembro de 2004, o jornal saudita Okaz informou que um tribunal em Tabuk ordenou que o olho direito de Muhammad `Ayid Sulaiman al-Fadili al-Balawi fosse arrancado.

O tribunal deu-lhe a opção de pagar uma indemnização no prazo de um ano e foi relatado que ele tinha levantado os 1,4 milhão de riais necessários.

Outro jornal saudita, o ArabNews, informou em 6 de dezembro que um tribunal havia recentemente condenado um homem egípcio a ter seus olhos arrancados.

Ele foi acusado de jogar ácido no rosto de outro homem, que posteriormente perdeu a visão.

Resultado de imagem para A man is brutally flogged by uniformed guards in Saudi Arabia

 

Um homem é brutalmente açoitado por guardas uniformizados na Arábia Saudita (The Sun)

Flagelação

Aqueles condenados por insultar o Islã também podem esperar ser açoitados.

Em um caso que trouxe condenação internacional, o blogueiro  Raif Badawi foi condenado a 1000 chicotadas, bem como 10 anos atrás das grades.

Vídeo mostra uma multidão aplaudindo quando os primeiras 50 chicotadas de sua sentença foram executadas, uma ocorrência que sua esposa Ensaf Haidar diz que quase o matou.

No ano passado, um homem foi sentenciado a dez anos de prisão e 2.000 chicotadas por expressar seu ateísmo no Twitter.

O jovem de 28 anos teria se recusado a se arrepender, insistindo que o que ele escreveu refletia suas crenças e que ele tinha o direito de expressá-las.

Com imagem e informações The Sun

10 países mais perigosos do mundo para as mulheres

Aqui está a lista dos 10 países classificados como os mais perigosos para as mulheres por uma pesquisa de especialistas globais

A Índia foi apontada como o país mais perigoso do mundo para as mulheres em uma pesquisa com especialistas globais divulgada na terça-feira.

A pesquisa da Thomson Reuters Foundation com cerca de 550 especialistas em questões femininas classificou o Afeganistão e a  Síria  em segundo e terceiro lugar, com a Somália e a Arábia Saudita em seguida.

A pesquisa foi uma repetição de uma pesquisa semelhante em 2011, que classificou os países mais perigosos para as mulheres como Afeganistão, República Democrática do Congo, Paquistão, Índia e Somália.

Ele perguntou quais cinco dos 193 estados membros das Nações Unidas eram mais perigosos para as mulheres e o pior para os cuidados de saúde, recursos econômicos, práticas tradicionais, abuso sexual e não sexual e tráfico de seres humanos.

1. ÍNDIA – No topo da lista, com níveis de violência contra as mulheres ainda em alta, mais de cinco anos após o estupro e assassinato de um estudante em um ônibus em Nova Déli provocou indignação nacional e promessas do governo para enfrentar a questão.

A Índia classificou-se como a mais perigosa em três questões – os riscos que as mulheres enfrentam de violência e assédio sexual, de práticas culturais e tradicionais e do tráfico de seres humanos, incluindo trabalho forçado, escravidão sexual e servidão doméstica.

2. AFEGANISTÃO – Segundo na lista, com especialistas dizendo que as mulheres enfrentam problemas terríveis quase 17 anos após a derrubada do Taleban.

Classificado como o país mais perigoso para as mulheres em três áreas – violência não sexual, acesso a cuidados de saúde e acesso a recursos econômicos.

3. SÍRIA – Terceiro após sete anos de guerra civil. Classificada como o segundo país mais perigoso para mulheres em termos de acesso a cuidados de saúde e violência não sexual, o que inclui violência relacionada com conflitos, bem como abuso doméstico. Terceiro conjunto com os Estados Unidos sobre os riscos que as mulheres enfrentam de abuso sexual.

5. ARÁBIA SAUDITA – Quinto total, mas o reino conservador foi nomeado o segundo país mais perigoso para as mulheres em termos de acesso econômico e discriminação, inclusive no local de trabalho e em termos de direitos de propriedade. Quinto em termos dos riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais e religiosas.

6. PAQUISTÃO – O sexto mais perigoso e quarto pior em termos de recursos econômicos e discriminação, bem como os riscos que as mulheres enfrentam de práticas culturais, religiosas e tradicionais, incluindo os chamados crimes de honra. O Paquistão ficou em quinto lugar na violência não sexual, incluindo abuso doméstico.

7. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO – Listada como a sétima das Nações Unidas, alertando que milhões de pessoas enfrentam “condições infernais de vida” depois de anos de derramamento de sangue e ilegalidade. Classificada como segundo país mais perigoso para mulheres no que diz respeito à violência sexual, e entre sétima e nona em quatro outras questões.

8. IÊMEN – Oitavo na lista após classificar mal o acesso a cuidados de saúde, recursos econômicos, risco de práticas culturais e tradicionais e violência não sexual. O Iêmen ainda está se recuperando da crise humanitária mais urgente do mundo, com 22 milhões de pessoas que precisam de ajuda vital.

9. NIGÉRIA – Classificado em nono lugar, com grupos de direitos humanos acusando os militares do país de tortura, estupro e assassinato de civis durante uma luta de nove anos contra militantes do Boko Haram.  Nigéria foi nomeada o quarto país mais perigoso, juntamente com a Rússia, quando se tratava de tráfico humano. Ele listou o sexto pior dos riscos que as mulheres enfrentam em práticas tradicionais.

10. ESTADOS UNIDOS – Única nação ocidental no top 10 e terceira em conjunto com a Síria pelos riscos que as mulheres enfrentam em termos de violência sexual, incluindo estupro, assédio sexual, coerção sexual e falta de acesso à justiça em casos de estupro. A pesquisa veio depois que a campanha #MeToo se tornou viral no ano passado, com milhares de mulheres usando o movimento de mídia social para compartilhar histórias de assédio ou abuso sexual.

Com imagem   Jornal de Notícias e informações Haaretz

Apresentadora de TV Saudita foge do país em meio à investigação por usar ‘vestes indecentes’

Uma apresentadora de TV saudita deixou o reino, pouco depois de a autoridade de radiodifusão ter dito que vai iniciar uma investigação sobre suas violações do código de vestuário no reino conservador.

A Comissão Geral de Mídia Audiovisual anunciou a investigação depois que um vídeo circulou nas mídias sociais mostrando Shereen al-Rifaie uma reportagem sobre as mulheres sauditas que dirigem no reino.

No clipe, ela está usando roupas que violam os regulamentos do reino: um lenço solto com uma abaya branca, um vestido tradicional, que estava aberto, mostrando suas calças e blusa por baixo.

>> Quando a Arábia Saudita era um reino judeu ■ Mulher saudita dirige carro de Fórmula 1, marcando o fim da proibição de mulheres

A comissão disse que a investigação prosseguirá apesar de al-Rifaie ter deixado o país. Ela trabalha para a estação de TV Al-Aan, dos Emirados Árabes Unidos.

 

Ela rejeitou as acusações, dizendo ao site de notícias saudita Ajel: “Eu estava vestindo roupas decentes e Alah revelará a verdade do que foi dito sobre mim”.

A Arábia Saudita é conhecida por sua interpretação estrita do Islã. As mulheres devem cobrir os cabelos e usar roupas largas e soltas.

Com imagem IBTimes India e informações Haaretz

“Cristãos secretos” na Arábia Saudita correm maior risco durante o Ramadã

Cristãos secretos em países muçulmanos estão lutando para manter sua fé escondida na Arábia Saudita durante o Ramadã

A instituição cristã Open Doors descobriu que os cristãos secretos – que enfrentam punição se forem pegos – estão em maior risco durante o mês de oração muçulmana, porque a oração e o jejum são esperados de todos os sauditas durante o mês de oração.

Beth Fuller, porta-voz da entidade Portas Abertas falou à Premier sobre Ahmed, que recentemente se tornou cristão e a pressão que ele está enfrentando de sua família.

Frequentemente eles pediam a ele para liderar as orações durante o Ramadã e ele acha muito difícil dizer ‘não’ embora ele realmente não acredite mais nisso.

“É muito difícil para os cristãos sentirem que têm essa integridade em seguir Jesus, mas não torná-la tão óbvia para as pessoas ao seu redor.”

A entidade disse que sauditas que se convertem ao cristianismo geralmente mantém sua fé escondida por causar grande vergonha à família.

Se descoberto, os cristãos correm o risco de excomunhão, prisão e até assassinatos de honra.

Com imagem de CBHUK e informações de Premier Christian Radi

Ativistas que lutaram pelo direito das mulheres dirigirem são presas na Arábia Saudita

Autoridades da Arábia Saudita prenderam pelo menos dez proeminentes ativistas de direitos humanos, incluindo mulheres que durante anos fizeram campanha para conquistar outras mulheres sauditas acerca do direito de dirigir, segundo pessoas com conhecimento das prisões. Nenhum dos presos teve direito a assistência de advogados.

As detenções pareciam fazer parte de uma repressão mais ampla por parte da liderança saudita, liderada pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, visando silenciar qualquer ativismo político, mesmo quando o príncipe herdeiro realiza algumas mudanças sociais. Um porta-voz do governo não comentou imediatamente as detenções, que foram divulgadas pela primeira vez por contas de mídia social da oposição saudita.

A Associated Press falou com duas pessoas em contato com os parentes das mulheres presas. Um ativista, que falou sob condição de anonimato por medo de repercussão, disse que cinco foram presas na terça-feira e que a sexta pessoa foi detida na quinta-feira. Várias outras pessoas têm medo de serem detidas e outros foram proibidas de viajar para o exterior pelo governo.

 As detenções ocorreram cinco semanas antes que as mulheres na Arábia Saudita pudessem oficialmente dirigir – o cumprimento de uma campanha de décadas de ativistas dos direitos das mulheres sauditas, algumas das quais cumpriram pena de prisão por protestar contra a proibição.

 

As presas nos últimos dias incluem Loujain al-Hathloul, que foi detida há vários anos por tentar dirigir dos Emirados Árabes Unidos para a Arábia Saudita, e Eman Al Nafjan, professora universitária e blogueira que também havia sido presa por desafiar a proibição de dirigir, de acordo com as pessoas informadas sobre as detenções que falaram sob condição de anonimato porque as prisões não foram tornadas públicas.

Outros detidos nos últimos dias estiveram envolvidos em protestos seminais contra a proibição em 1990, disseram as pessoas.

 As razões exatas das detenções não ficaram imediatamente clarasVários ativistas dos direitos das mulheres disseram ter sido advertidos a não falar com a mídia sobre o fim da proibição de dirigir, em um esforço aparente das autoridades sauditas para desencorajar a ideia de que o ativismo pode trazer mudanças sociais, disseram as mulheres. As ativistas Hathloul e Nafjan não puderam ser contatados imediatamente para comentar. O levantamento da proibição de dirigir é uma peça central das mudanças sociais dirigidas pelo príncipe herdeiro, que também reprimiu a autoridade da polícia religiosa ultraconservadora e trouxe eventos de entretenimento previamente proibidos para o reino, como shows e desfiles de moda.

Ativistas que falaram à AP também de forma anônima dizem que entre os detidos estão três mulheres conhecidas por seu ativismo – Loujain al-Hathloul, Aziza al-Yousef e Eman al-Najfan – e outras três que fizeram parte do primeiro movimento pelo direito das mulheres a dirigir, em 1990, e estavam envolvidas em questões de direitos humanos no reino. À época, quase 50 manifestantes foram presas, perderam seus passaportes e empregos. Al-Nafjan e al-Yousef eram professoras em escolas públicas e são mães.

As mulheres presas também pediram o fim de outras formas menos visíveis de discriminação na Arábia Saudita, tais como leis de tutela que dão aos parentes do sexo masculino uma palavra final sobre se uma mulher pode viajar para o exterior, obter um passaporte ou se casar.

O caso começou no dia 15, quando a polícia prendeu as dez pessoas na capital Riad, e os transferiu para a cidade de Jiddah. Atualmente, sua localização é desconhecida. A mídia saudita afirma que as prisões foram realizadas por forças da Presidência da Segurança do Estado, órgão que responde diretamente ao rei e ao príncipe herdeiro. Segundo ativistas, sete dos detidos estavam envolvidos em esforços para estabelecer uma organização não-governamental que ofereceria apoio e abrigo às vítimas de abuso doméstico. O grupo recentemente submetera ao governo um pedido para estabelecer uma ONG

Quando o reino emitiu seu impressionante decreto real no ano passado anunciando que as mulheres teriam permissão para dirigir em 2018, mulheres como al-Nafjan e al-Yousef foram contatadas pela corte real e advertidas a não conceder entrevistas à mídia ou falar nas redes sociais.

Seguindo os avisos, algumas mulheres deixaram o país por um período e outras pararam de expressar suas opiniões no Twitter.

Ativistas dizem que não está claro por que o grupo incluindo dois homens, foi preso. Entre os homens detidos está o advogado Ibrahim al-Mudimigh, que anteriormente defendeu al-Hathloul no tribunal.

Enquanto os ativistas continuam pressionando o governo, o crédito pelas reformas – como o levantamento da proibição de mulheres dirigindo – foi destinado em grande parte ao filho e herdeiro do rei, o príncipe herdeiro Mohammed bin SalmanEle relaxou algumas das regras ultraconservadoras do país ao permitir que mulheres entrem em estádios para assistir esportes e trazer de volta shows musicais e cinemas.

Tais medidas, no entanto, são mais uma forma de impulsionar a economia e melhorar a imagem do país no exterior, e menos sobre a promoção de liberdades pessoais. O reino continua sendo uma monarquia absolutista onde os protestos são ilegais e onde o rei e seu filho supervisionam todas as decisões importantes.

No ano passado, o príncipe Mohammed supervisionou as prisões de príncipes e empresários de alto escalão em uma suposta varredura anticorrupção que forçou detentos a entregar parcelas significativas de sua riqueza em troca de sua liberdade.

As forças de segurança também prenderam no ano passado dezenas de escritores, intelectuais e clérigos moderados que foram vistos como críticos de sua política externa, segundo ativistas.

As prisões e a campanha contra os detidos foram condenadas por grupos como Anistia Internacional e Human Rights Watch, que destacou que as prisões são parte de uma campanha mais ampla de repressão política.

Ao menos publicamente, o príncipe herdeiro — que controla o país — parece estar seguindo o roteiro, afirmando numa entrevista ao programa “60 Minutes” este ano acreditar na igualdade entre homens e mulheres. “Somos todos seres humanos, e não há diferença”, afirmou ele.

A Human Rights Watch diz que o número de pessoas detidas por períodos excessivamente longos aparentemente aumentou dramaticamente nos últimos anos na Arábia Saudita. O grupo de direitos humanos, que analisou um banco de dados público, disse em 6 de maio que 2.305 pessoas foram detidas por mais de seis meses sem ser encaminhadas a um juiz. Outros 1.875 foram mantidos “sob investigação” por mais de um ano e 251 por mais de três anos.

 

Com informações de ABC NewsO Globo, Estadão e Reuters  e imagem de Associated Press

Só neste ano, Arábia Saudita já decapitou ao menos 48 condenados

Apesar de príncipe herdeiro tentar suavizar imagem do reinado, punições não aliviam

LONDRES – A Arábia Saudita executou por decapitação ao menos 48 pessoas nos quatro primeiros meses de 2018 — metade delas condenadas em casos de drogas —, indicou a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

A Arábia Saudita, que aplica a pena de morte em casos de terrorismo, assassinato, estupro, roubo a mão armada e tráfico de drogas, é um dos países com a maior taxa de execuções no mundo.

A ONG pediu ao governo que melhore o sistema judicial do país.

É horrível que a Arábia Saudita execute tanta gente, ainda mais que muitos dos executados não cometeram crimes violentos — afirmou Sarah Leah Whitson, chefe da organização para o Oriente Médio e África do Norte.

Em 2017, cerca 150 pessoas foram executadas – através do método da decapitação – na Arábia Saudita.

Recentemente, em uma entrevista à revista “Time“, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salmán indicou que seu país poderá comutar em alguns casos a pena de morte por prisão perpétua, mas excluiu fazer isso nas condenações por homicídio. Segundo especialistas, o número 2 do reinado, que é ainda ministro da Defesa, atua nos bastidores como o líder de fato do país e trabalha para suavizar a imagem da monarquia e atrair investimentos de países receosos com o histórico fechado em direitos humanos.

O rei saudita Salman – Saudi Royal Palace/AFP/BANDAR AL-JALOUD

Conteúdo O Globo e imagem Sputnik International