Arquivo da tag: #arcebispo

Stop saying ISIS has “nothing to do with Islam” says Archbishop

Tim Dieppe reflects on Justin Welby’s call for people to stop saying that ISIS has “nothing to do with Islam”. 

Tim agrees with Archbishop Welby that in order to defeat ISIS we must deal with the ideology driving their actions.

Tim is Director of Islamic Affairs at Christian Concern.    

The Archbishop of Canterbury has said it is time to stop repeating the popular politically correct mantra that ISIS has “nothing to do with Islam”. In a speech delivered in Paris last week, during a ceremony in which he was awarded an honorary doctorate, he argued that “If we treat religiously-motivated violence solely as a security issue, or a political issue, then it will be incredibly difficult – probably impossible – to overcome it.” He went on to say: “Until religious leaders stand up and take responsibility for the actions of those who do things in the name of their religion, we will see no resolution” – words of sense and truth from the Archbishop which prompted a number of headlines delighting in the politically incorrect nature of his comments.

This follows calls from several high profile figures for people not to use the term ‘Islamic State’. Last year, then Prime Minister David Cameron criticised the BBC for using the term ‘Islamic State’, and a letter signed by more than 120 MPs was sent to the BBC director general complaining about its use of the term. The BBC’s Head of Religion and Ethics however, Professor Aaqil Ahmed, himself a Muslim, argued earlier this year that“The Islamic State are Muslims and their doctrine is Islamic.”

It is worth clarifying what is meant by saying that ‘Islamic State is Islamic’. Clearly, we do not mean that Islamic State represents most Muslims. A minority of Muslims support Islamic State, though not an insignificant minority. According to the ICM Survey of Muslims in Britain, 7% supported the objective to create an Islamic State, and 3% supported the way in which ISIS is establishing a Caliphate. From a population of 2.7m Muslims, that would make 80,000 people supporting ISIS in the UK alone.

To say that ‘Islamic State is Islamic’, at a minimum means that those leading ‘Islamic State’ self-identify as Muslim. This is clearly true, but we can go further and say that not only do they themselves identify as Muslims, they also consciously want ‘Islamic State’ to be identified as Islamic. Hence their chosen name. At this point it becomes somewhat Orwellian to deny that ‘Islamic State’ has anything to do with Islam, but we can go further still, and ask whether their doctrines and practices adhere to the doctrines and teaching of Muhammad and the Qur’an. This is the real test. If ‘Islamic State’ ignored Muhammad’s teaching, or clearly obtained their ideas from outside Islam then there would be grounds for denying that they are really Islamic.

The Archbishop compares ‘Islamic State’ with Christian militia in the Central African Republic, and Hindu nationalist persecution of Christians in South India, arguing that we can’t say that these groups have ‘nothing to do with’ Christianity or Hinduism. In this, of course, he is quite right. These groups do have something to do with their religions. They clearly pass the self-identification tests. But do they pass the doctrine and practice test? Jesus was not a war leader, neither did he lead violent campaigns. In fact Jesus criticised Peter for using a sword to defend him (Matthew 26:52). Hinduism has no clear founder or single text, so is harder to define doctrinally.  Muhammad was a warrior who led several violent campaigns and whose religion has then been spread by the sword.

This means that a violent group that kills those who refuse to accept Islam can claim to be following Muhammad’s teaching and example. Numerous texts in the Qur’an support this practice. Whereas a group that kills those who refuse to accept Christianity cannot claim to be following Jesus’ teaching or example. A cursory look at any issue of the Islamic State’s magazine Dabiq will show how keen they are to ground all their doctrine and practice from the teaching and example of Muhammad. So we are left with ‘Islamic State’ being Islamic in name, self-identification, doctrine, and practice, whilst noting that this does not mean that most Muslims agree with its practice.

The Archbishop said that “in order to defeat terrorism, we need to understand the mind-set of those who perpetrate it.” He then elaborated: “However depraved it may be, groups like ISIS have an ideology, indeed a theology – which is at the heart of their propaganda, and therefore the driving force – which holds an apocalyptic understanding of human history, not as a loose term but in its strictest technical terms: they believe that the world is about to end, that the Prophet will return with Jesus, and will defeat the western powers.” In this he is quite right. We are not fighting terrorism, which is only a tactic, we are fighting an ideology that makes use of terrorism. In order to defeat this ideology, we must first name it, and then understand it.

One of the Archbishop’s proposed solutions to increased religious violence is for us to be “confident to talk about the Judeo-Christian tradition of our continent.” He said, though, that he is not calling for “a return to Christendom.” One has to ask why not? An explicitly Christian culture would be best for this country and other countries in establishing a moral and religious foundation for society. Without this, what is the alternative? An intolerant Islam or an intolerant secularism are vying for supremacy as Christianity loses ground.

I agree with the Archbishop that it is time to stop saying ISIS has nothing to do with Islam. Let’s hope that politicians and the media listen to his advice.

Related Links:
Archbishop Justin Welby on ‘the common good and a shared vision for the next century’ (Archbishop of Canterbury)
Justin Welby: It’s time to stop saying Isil has ‘nothing to do with Islam’ (Telegraph)
Justin Welby: It’s time to stop saying Isis has ‘nothing to do with Islam’ (Independent)
It’s wrong to claim ISIS has nothing to do with Islam, says Archbishop of Canterbury (Mail)
BBC Head of Religion: ‘Islamic State is Islamic’
BBC to review use of ‘Islamic State’ after MPs protest against term (Guardian)
What Does Islam Teach About Violence (The Religion of Peace)

http://www.christianconcern.com/our-concerns/islam/stop-saying-isis-has-nothing-to-do-with-islam-says-archbishop

Ofensiva em Mosul: Arcebispo de Erbil diz que pelo menos 2 aldeias cristãs estão liberadas

Com as forças da coalizão do Iraque lutando para libertar a cidade iraquiana de Mosul e áreas adjacentes do Estado Islâmico, duas cidades de Nínive que foram os lares de centenas de famílias cristãs receberam finalmente libertação do culto à morte bárbara, de acordo com o arcebispo de Erbil .

Falando ao The Christian Post na sexta-feira, o arcebispo caldeu Bashar Warda disse que as esperanças de milhares de famílias cristãs deslocadas estão em ascensão sabendo que há finalmente um esforço concentrado para recuperar e libertar suas terras do ISIS.

Bashar Warda

Bashar Warda (Foto: REUTERS / Maja Hitij) A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen (R) e o Arcebispo iraquiano Bashar Warda (C), o arcebispo caldeu de Arbil, visita St. Josef Kirche em Ankawa perto de Arbil no norte de Bagdá 25 de setembro de 2014 .

Foi relatado anteriormente esta semana que as forças iraquianas, incluindo tropas de curdos Peshmergas e milicianos cristãos, tinham cercado a área e estavam lutando para libertar a outrora maior cidade cristã no Iraque, Qaraqosh. Warda disse ao CP que as forças da coalizão já libertaram duas aldeias cristãs menores de Bartella e Mar Oraha, que estão situados a algumas milhas próximas de Mosul.

“Estas são duas aldeias cristãs. Claro, ninguém estava lá, porque eles foram evacuados dois anos atrás, quando o Daesh obrigou os cristãos a deixarem estas duas aldeias e outras aldeias”, disse Warda, usando a sigla árabe para o grupo terrorista.

“As pessoas [deslocados] tiveram prazer ontem e ao se reunirem na igreja em Ankawa”, acrescentou Warda. “Eles oraram com velas. O local foi liberado e as pessoas estão à espera para o resto das planícies de Nínive serem libertadas.”

Warda explicou que antes do ISIS assumir grande parte das Planícies de Nínive, em 2014, a população cristã total da região era de cerca de 125.000.

“É variou de grandes aldeias para aldeias médias e para pequenas”, disse Warda. “Mar Oraha era uma pequena aldeia que tinha um antigo mosteiro lá com uma população de 30 famílias. Mas Bartella teria 700 famílias a mais.”

Liberation of Bartella

Libertação de Bartella
(Foto: REUTERS / GORAN Tomasevic) Iraque – soldados das forças especiais olham para os livros religiosos cristãos dentro de uma igreja danificada por combatentes do Estado Islâmicos em Bartella, leste de Mosul, Iraque 21 de outubro de 2016.

Mas depois que o ISIS ascendeu ao poder, segundo Warda, todas as famílias cristãs fugiram das Planícies de Nínive.

Embora ainda possa levar meses, mesmo depois de libertar a região, para as aldeias cristãs e cidades serem repovoadas pelos iraquianos deslocados, Warda afirma que as famílias deslocadas estão com bom ânimo.

“Para os cristãos, o tempo sempre foi uma questão crítica e temos vindo a chamar para esta operação há algum tempo”, disse Warda. “Mas a questão central era quando haveria a libertação da região. Essa foi sempre a questão que os nossos cristãos perguntavam porque este seria um ponto de partida para uma esperança real de que eles seriam capazes de voltar novamente e teriam que apenas que esperar pela proteção posterior.”

“Todo mundo sabe que haverá um tempo entre libertar estes aldeias e proteger estas aldeias. Mas, o seu espírito é elevado. Garanto-vos”, disse ele. “As pessoas estão entusiasmadas com a notícia e estão esperando que nos próximos dias mais e mais aldeias sejam libertadas.”

De acordo com um oficial dos Peshmergas que falou com o site de notícias curda ARA News, pelo menos 24 aldeias na área de Mosul já foram libertados do controle do Estado Islâmico.

Nos últimos dois anos, a Arquidiocese de Erbil tem sido fundamental no fornecimento de ajuda humanitária e abrigo para milhares de famílias deslocadas que fugiram de suas casas nas planícies de Nínive. A diocese havia criado cerca de 26 centros de deslocados em um número de suas igrejas na região.

Agora, a diocese tem apenas um grande campo de deslocados em uma igreja em Erbil, que abrigava cerca de 1.000 famílias e agora está abrigando mais de 3.600 famílias deslocadas em casas alugadas em toda a área de Erbil.

Mar Elia Church refugee camp

campo de refugiados de Mar Elia Church
(ScreenGrab: Youtube / Cavaleiros de Colombo)
O campo de refugiados Mar Elia, Igreja em Ankawa, Iraque

Warda disse ao CP que a diocese está pagando cerca de US $ 360.000 por mês de aluguel para abrigar as famílias deslocadas nessas casas.

“Temos agora 1.200 casas alugadas pela igreja, que tornou possível para nós mover todas essas famílias dos 26 campos que tivemos de habitação decente e digna”, explicou.

Warda disse que cerca de três famílias estão alojadas por casa.

“Estas casas proporcionam uma vida mais digna para uma família em vez de ser uma tenda ou uma cabana pré-fabricada,” Warda disse ao CP. “Pelo menos, uma casa onde você compartilha com a família mais próxima que você tem como um parente. … Há vida familiar acontecendo. É uma experiência completamente diferente.”

Embora países como os Estados Unidos estejam doando milhões dólares ao governo iraquiano destinados a alimentos e assistência humanitária, Warda disse que sua arquidiocese ainda não recebeu nenhum dinheiro do governo iraquiano. A diocese só está recebendo dinheiro de igrejas, conferências de bispo e organizações religiosas, como a Ajuda à Igreja que Sofre e Cavaleiros de Colombo.

“Esses são os que estão ajudando os cristãos ao redor do mundo. As igrejas são as únicas instituições que estão nos ajudando”, disse ele. “Nós não recebemos quaisquer fundos pelo governo. Eles não se preocupam por causa da corrupção, porque eles estão ocupados com tantas outras questões.”

Como é esperado a ofensiva em Mosul pode levar a um aumento de mais de um milhão de indivíduos deslocados que fogem da cidade. Warda disse que vai demandar um maior esforço internacional para fornecer ajuda a estas comunidades vulneráveis.

“Nós já temos 1.400.000, provavelmente mais pessoas deslocadas e a região do Curdistão, também está sofrendo de crise econômica”, disse ele.

http://www.christianpost.com/news/mosul-offensive-archbishop-of-erbil-at-least-2-christian-villages-now-liberated-interview-171027/

Somos odiados porque persistimos vivendo como cristãos, afirma Arcebispo no Iraque

Roma, 12 Ago. 15 / 07:00 pm (ACI).- O Arcebispo de Erbil (Iraque), Dom Bashar Matti Warda, afirmou que os extremistas muçulmanos do Estado Islâmico (ISIS) somos odiados porque “persistimos vivendo como cristãos”, apesar da perseguição que sofrem há alguns anos na região do Oriente Médio.

Através de uma carta enviada à agência vaticano Fides, o Prelado relatou: “nestes momentos tanto eu como meus “irmãos bispos e sacerdotes não podemos fazer mais do que aconselhar mães e pais jovens a tomarem todas as precauções necessárias e rezarem muito antes de tomar uma transcendental, e talvez perigosa, decisão”.

“A Igreja não é capaz de oferecer e garantir a segurança fundamental que seus membros necessitam para prosperar. Todos sabemos que o ódio pelas minorias aumentou em alguns setores nos últimos anos. É difícil compreender este ódio. Somos odiados porque persistimos em viver como cristãos. Em outras palavras, somos odiados porque insistimos em exigir um direito humano fundamental”.

Para o Arcebispo esta situação causa duas necessidades fundamentais para a Igreja na região: rezar por eles e conscientizar a respeito da situação e da sobrevivência destes irmãos cristãos.

Dom Warda ressalta que “nosso bem-estar, como uma comunidade histórica, já não está em nossas mãos. O futuro chegará, seja um ou outro, e para nós isto significa esperar que algum tipo de ajuda (militar, ajuda humanitária) chegará”.

As obras em meio a perseguição

O Arcebispo de Erbil explicou que até então, mais de 5 mil famílias abandonaram o Iraque desde 2014. Alguns foram recebidos na Europa, nos Estados Unidos ou na Austrália, e muitos outros ainda estão refugiados na Jordânia, no Líbano e na Turquia “e não sabemos como será o seu futuro”.

Após explicar que em certas circunstâncias tiveram que deixar cerca de 30 pessoas em cada casa no caso dos refugiados, o Prelado relatou que tiveram que alugar casas com a capacidade de alojar duas mil famílias, para que, deste modo possam formar 1.700 caravanas. “Agora, nossos grupos cristãos estão em uma moradia semipermanente. Isto não é o nosso ideal, mas sem dúvida é bem melhor que estarem acampamentos originais e edifícios semidestruídos”, explicou Dom Warda.

Com relação à área de saúde, a Igreja abriu dois centros médicos gratuitos. Um deles é a Clínica São José, administrada pelas Irmãs do Sagrado Coração da Índia, assistidas por 12 médicos jovens com a missão de servir cerca de duas mil pessoas que recebem medicamentos por aproximadamente uns 42 mil dólares mensais.

“Estamos reabilitando a estrutura de um edifício para adaptá-lo como um hospital de maternidade e cuidado infantil. Também abrimos um centro de assistência psicológica”, afirmou o Prelado.

A educação: Uma tarefa urgente

“Por meio do apoio de várias agências, fomos capazes de construir 8 escolas com o fim de educar a 8.700 jovens entre 16 e 18 anos de idade”, explicou o Arcebispo e ressaltou ainda que também começaram a construir uma Universidade Católica em Erbil (CUE) e recebemos um grande apoio da Conferência Episcopal Italiana para ajudar os nossos estudantes. “Isto, também é um esforço para converter ou deslocar a maldade do ISIS e outros”, comenta.

Esta casa de estudos estará aberta a todos, sem importar a sua religião: “o CUE é um ato de fé e esperança e testemunha do nosso amor a Cristo. E demonstra também o quanto queremos preparar os líderes para o futuro, desejamos abrir as portas da universidade para os muçulmanos, para que saibam quem somos nós e qual é a nossa fé”.

Finalmente o Prelado assinalou que “todos nós temos a responsabilidade de ajudá-los –primeiramente através das nossas orações pessoais e sacrifícios– e logo através de uma campanha de sensibilização da comunidade internacional a respeito da condição frágil de nossas comunidades cristãs no Iraque”.

http://www.acidigital.com/noticias/somos-odiados-porque-persistimos-vivendo-como-cristaos-afirma-arcebispo-no-iraque-21879/