Arquivo da tag: #Armênia

Papa usa a palavra genocídio em discurso no Palácio Presidencial da Armênia

Em seu primeiro dia de viagem à Armênia, o papa Francisco não se intimidou em usar a palavra “genocídio” para se referir ao extermínio de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano há um século, mesmo sabendo que o vocábulo poderia desencadear um mal-estar diplomático com a Turquia, como já ocorreu no ano passado.

A Santa Sé não previa o termo “genocídio” nos discursos de Francisco, porém o líder católico não quis renunciar à palavra e a disse, em alto e bom som, na capital Erevan, dentro do Palácio Presidencial e diante das autoridades armênias, inclusive do presidente armênio Serzh Sargsyan.

Relembrando um encontro que teve com Sargsyan no dia 12 de abril de 2015, na Basílica Vaticana, o papa disse hoje (24) que, “naquela ocasião, se fez a memória do centenário de Metz Yeghern, o ‘Grande Mal’ que atingiu este povo e causou a morte de milhares de pessoas”. “Aquela tragédia, aquele genocídio, abriu um triste elenco de imagens catastróficas do século passado, tornadas possíveis por motivações racionais, ideológicas ou religiosas aberrantes”, disse Francisco, fazendo uma pausa e acrescentando a palavra “genocídio” à fala. O discurso foi proferido no Palácio Presidencial, em uma cerimônia com as autoridades locais e o corpo diplomático, seu primeiro compromisso da viagem de três dias que faz à Armênia.

A declaração do líder católico deve provocar novas críticas do governo turno, que recentemente convocou o embaixador na Alemanha após Berlim aprovar uma resolução sobre o genocídio armênio.

“Tendo diante dos nossos olhos os nefastos episódios conduzidos no século passado pelo ódio, preconceito e desenfreado desejo de domínio, espero vivamente que a humanidade saiba tirar destas trágicas experiências o ensinamento para agir com responsabilidade e sabedoria para prevenir os perigos de cair novamente em tais horrores”, disse o papa. “É preciso multiplicar os esforços para que sempre prevaleça o diálogo nas desavenças internacionais e a constante e genuína busca pela paz, assim como a colaboração entre os Estados e o assíduo empenho dos organismos internacionais para que seja construído um clima de confiança propício a alcançar acordos duradouros”.

Em suas primeiras horas na Armênia, Francisco também condenou as divisões e guerras atuais. “O mundo está muito marcado por divisões e conflitos, assim como por graves formas de pobreza material e espiritual, entre eles a exploração de pessoas, de crianças, de idosos”.

Serzh Sargsyan, por sua vez, ressaltou que, em breve, a Armênia completará 25 anos de independência da União Soviética e que “muitas coisas importantes aconteceram nesse período, entre eles a visita de João Paulo II”, ocorrida em 2001.

Primeiro país cristão

Francisco visita a Armênia a convite do patriarca Karekin II e autoridades políticas do país. A Armênia é considerada “o primeiro país cristão”, pois o rei Tiridates III proclamou o Cristianismo como religião de Estado em 301, ainda antes do Império Romano, sob o impulso de São Gregório, o Iluminador. O rito armênio é um dos mais antigos do cristianismo do Oriente, com origens que remontam à época apostólica com Tadeus e Bartolomeu – considerados os Apóstolos do país.

Esta é a segunda visita de um papa ao país.  João Paulo II esteve na Armênia em 2001.

*Com informações da Rádio Vaticano

http://m.agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2016-06/papa-usa-palavra-genocidio-em-discurso-no-palacio-presidencial-da

Presidente do Azerbaijão condencora oficial que decapitou soldado armênio

O oficial do Azerbaijão que decapitou o soldado armênio Artsakh Kyaram Sloyan tornou-se um herói nacional no Azerbaijão, depois que o presidente do país, Ilham Aliyev concedeu-lhe uma medalha no domingo, quando ele e sua esposa, Mehriban, percorreram as regiões fronteiriças.

A família Sloyan, que chama a vila Artshavan onde moraml, Arménia, teve que suportar mais uma humilhação além de  chora a morte do filho, que completaria 20 na quarta-feira. Em primeiro lugar, eles enterraram seu filho decapitado, que foi morto durante os ataques selvagens do Azerbaijão, que começarm em abril de 2. Em seguida, eles tivera que esperar muitos dias até que a cabeça fosse devolvida a eles quando o Comitê Internacional da Cruz Vermelha realizou uma troca de restos mortais, os quais teriam sido gravemente mutilados. E agora, a pessoa responsável pela morte de seu filho está sendo saudada como um herói.

Eles também tiveram que suportar as imagens que vieram à tona na mídia social da cabeça decapitada de seu filho sendo mstrada como um prêmio pelo “herói do Azerbaijão” e seus companheiros soldados.

As imagens são o que se acredita ser a cabeça de Kyaram Sloyan sendo desfilada na mídia social no Azerbaijão

Claro, isso tornou-se prática comum para o regime Aliyev. Afinal de contas, ele também proclamou Ramil Safarov, que assassinou o soldado armênio Gurgen Margaryan com um machado, um herói nacional.

Uma vez que o CICV realizou uma troca de soldados mortos em 11 de abril, os relatórios de mutilação selvagem de soldados armênios pelo exército azeri vieram à tona, com funcionários do governo na Arménia e Karabakh pedindo uma investigação internacional do Azerbaijão por crimes de guerra.

Na semana passada, Rep. Loretta Sanchez (D-Calif.), membro do Comitê de Serviços Armados da Câmara, pediu uma investigação com base na “Lei Leahy”  sobre relatos de que as forças armadas do Azerbaijão, que recebem anualmente milhões de dólares em ajuda militar dos EUA, teriam cometido graves violações dos humanos direitos durante a ofensiva de Baku contra Nagorno-Karabakh, em 02 de abril.

O escritório de defesa dos direitos humanos da República Nagorno Karabakh, Yuri Hairapetyan, publicou um Relatório Público Provisório sobre as atrocidades cometidas pelas forças militares do Azerbaijão contra a população civil e os militares de Nagorno Karabakh entre 2 de Abril e 5 de 2016.

“Os fatos mais terríveis são as mortes de civis pacíficos de Nagorno-Karabagh através de métodos cruéis e desumanos de execução e mutilação. práticas semelhantes de humilhação foram aplicadas em relação aos membros do Exército de Defesa NKR. Além disso, alguns dos soldados NKR foram, juntamente com outras formas de mutilação, também submetidos à decapitação “, dizia o relatório. Várias imagens gráficas dos abusos também foram publicados no relatório.

O relatório intercala detalhes da política de ódio e discriminação do Azerbaijão contra armênios, incluindo políticas de espalhar o discurso de ódio nos meios de comunicação do Azerbaijão e redes sociais, e afins.

“As atrocidades no estilo ISIS estão profundamente enraizadas na propaganda de ódio e violência apoiada pelo Estado do Azerbaijão, violando gravemente o sistema europeu de direitos humanos como um todo. Esta situação ameaça se transformar em grande parte, em consequências imprevisíveis se não forem eficazmente tomadas medidas preventivas e devidamente postas em prática pela comunidade internacional “, dizia o relatório.

Semana passada. European Ombudsman Institute (EOI) publicou o referido relatório em seu site e oficialmente condenou as atrocidades do Azerbaijão contra assentamentos civis armênios e contra civis pacíficos. O EOI manifestou a sua preocupação de que os civis de Artsakh tinham sido submetidos a tratamento desumano e degradante.

O EOI também destacou os ataques iniciados em assentamentos civis, especialmente, escolas e jardins de infância e também incursões intoleráveis contra crianças e idosos, observando que essas ações estão a violar os altos valores europeus de direitos e princípios do direito internacional humanitário.

O mesmo corpo, na segunda-feira, emitiu outro relatório, que é a apreciação jurídica sobre os fatos de uso de escudos humanos e de armas indiscriminadas contra a população civil de Nagorno Karabakh por forças militares do Azerbaijão.

De acordo com o Escritório de Direitos Humanos da Defensoria do Artsakh, a “implantação intencional pelo Azerbaijão de suas unidades militares e artilharia nas imediações e dentro de assentamentos civis e usá-las como posições de tiro vai contra as obrigações impostas pela Convenção de Genebra (IV, artigo 28) da qual Azerbaijão é um Estado Parte e que reflete as regras fundamentais do direito internacional humanitário, bem como outras obrigações de direito internacional consuetudinário “.

Fonte: Asbarez