Arquivo da tag: #Ásia

Perseguição religiosa se intensifica no Tajiquistão

As coisas realmente estão piorando muito para os cristãos e a maior perseguição vem por parte do próprio governo que se torna a cada dia mais ditatorial.

26-tajiquistao-0100100148

No mês passado, o Fórum 18, que é a Organização Norueguesa de Direitos Humanos, divulgou o levantamento de liberdade religiosa feito no Tajiquistão. O parágrafo introdutório da pesquisa resume uma longa lista de questões que indicam a triste situação dos cristãos e outras minorias religiosas no país. O governo do país não permite as atividades religiosas e nem que pessoas menores de 18 anos participem de reuniões evangelísticas.

“O Fórum 18 apenas confirma o que já estamos sentindo na pele. As coisas realmente estão piorando muito para os cristãos e a maior perseguição vem por parte do próprio governo que se torna a cada dia mais ditatorial em suas manobras para permanecer no poder. Eles enxergam quase tudo como forma de ameaça direta à sua existência”, comenta um dos analistas de perseguição.

O Tajiquistão ocupa o 31º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa em 2016, subindo muito em relação ao ano passado, quando ocupava a 45ª posição. As restrições aumentaram, principalmente para os cristãos. A liberdade dos meios de comunicação está comprometida e a repressão não vem de fora, mas de dentro do próprio país. Mudar de religião é considerado uma vergonha para a família. A maioria dos cidadãos é formada por jovens e metade da população tem menos de 18 anos de idade. “Ore para que a juventude do Tajiquistão seja tocada pelo amor de Cristo e que haja muitas conversões para a glória de Deus”, pede o analista.

 

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/perseguicao-religiosa-se-intensifica-no-Tajiquistao

Muitos cristãos malaios estão fugindo do país

A lei sharia está se espalhando rapidamente, impondo regras cada vez mais difíceis de serem seguidas

22-malasia-0500100353

Cristãos malaios pedem orações para que sejam sábios ao lidar com a perseguição religiosa do país. Se eles forem ousados o suficiente para seguir a Jesus da forma como realmente querem, serão forçados a migrar para o exterior, deixando a família e o país para sempre. Isso por que a sharia (lei islâmica) está se espalhando rapidamente por todas as regiões, impondo regras cada vez mais difíceis de serem seguidas.

Existem três tipos de cristianismo no país e todos são afetados pela perseguição: os membros das igrejas históricas, membros de igrejas protestantes não tradicionais e cristãos convertidos do islamismo. Os últimos enfrentam forte pressão de seus familiares, amigos e vizinhos. Eles não são vistos como pessoas que deixam uma religião, mas como traidores de seu povo e etnia. Os cristãos são discriminados em praticamente todos os contextos. Seus filhos enfrentam discriminação e preconceito por parte dos professores e colegas nas escolas.

Além disso, a Malásia, que ocupa o 30º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa em 2016, enfrenta sérios problemas econômicos e políticos, outro fator que tem levado as pessoas a fugirem. Durante a fuga, porém, muitos são capturados pelas autoridades religiosas malaias. “Mas, mesmo em meio a tantos problemas, os jovens cristãos corajosamente estão usando os meios de comunicação para compartilhar o amor de Cristo no país”, comenta um dos analistas de perseguição. Ações como esta fez com que um grupo de 50 muçulmanos se manifestasse, em abril de 2015, derrubando a cruz de uma igreja. “Eles estavam exigindo que as operações da igreja cessassem completamente, mas conseguimos convencê-los e eles ficaram satisfeitos simplesmente pelo fato de terem derrubado o símbolo da cruz”, conclui um cristão ancião.

Pedidos de oração

  • Ore para que os cristãos malaios fugitivos encontrem auxílio em outras nações e que passem despercebidos pelas autoridades religiosas do país.
  • Clame a Deus para que haja um avivamento na igreja da Malásia, e que os novos cristãos encontrem forças para continuar lutando.
  • Peça também ao Senhor pelos cristãos que enfrentam dificuldade financeira, devido à queda da moeda local, para que não lhes falte o pão de cada dia.

 

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/muitos-cristaos-malaios-estao-fugindo-do-pais

Bangladesh: Líder cristão é assassinado por fundamentalistas islâmicos

“Agora que o EI assumiu a autoria do assassinato do líder cristão, tememos por mais ataques, por que eles estão e constante vigia”

18-bangladesh-0500100076

O líder cristão Khoza Samiruddin, de 75 anos, foi assassinado por fundamentalistas islâmicos no dia 6 de janeiro, em plena luz do dia, dentro de uma clínica homeopática, onde estava realizando um tratamento de saúde. Khoza aceitou a Cristo em 2001 e em 2014 passou a liderar uma igreja com 250 membros. Antes de sua morte, ele havia relatado sobre várias ameaças que estava recebendo de extremistas islâmicos por causa de seus trabalhos evangelísticos.

O enterro do líder foi acompanhado pela polícia local e pela comunidade que exigia que a cerimônia fosse realizada de acordo com os costumes muçulmanos. Como a família negou a conversão de Khoza ao cristianismo, o ritual fúnebre acabou sendo feito conforme as leis do islã. A pressão sobre a família e a igreja tem sido muito grande, já que o Estado Islâmico assumiu a responsabilidade do assassinato, além de uma série de outros ocorridos violentos, incluindo assassinatos de estrangeiro e ameaças de morte de mais líderes cristãos.

Segundo a polícia, o grupo militante “Jamaat-ul-Mujahideen” está por trás dos ataques, mas o governo nega a presença do grupo no país. “Agora que o EI assumiu a autoria do assassinato do líder cristão, tememos por mais ataques, porque eles estão em constante vigia”, disse Pikul Mahduri, que é Secretário Geral da Associação Cristã Bangladesh Jenaidah. Bangladesh, em 2016, ocupa a 35ª posição na Classificação da Perseguição Religiosa e, apesar de sua constituição prever a liberdade religiosa, ela também declara que o islã é a religião oficial do Estado. Como a minoria cristã está crescendo, ela enfrenta mais e mais restrições e desafios. Essa pressão não é impulsionada pelo governo, e sim por grupos extremistas islâmicos, líderes religiosos locais e famílias tradicionais. Lembre-se deles em suas orações.

Pedidos de oração

  • Ore pela família de Khoza, para que tenham a fé fortalecida durante esse momento difícil.
  • Peça ao Senhor para que os membros da igreja do líder assassinado sejam fortes e que continuem seus trabalhos evangelísticos, apesar da perseguição.
  • Ore pela igreja de Bangladesh, no geral, para que continue crescendo na graça e no conhecimento e que possam enfrentar os atuais desafios com a coragem e a ousadia que vem do Espírito Santo.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/lider-cristao-e-assassinado-por-fundamentalistas-islamicos

 

Maldivos se reúnem em igrejas subterrâneas

A pressão psicológica e moral é praticada dentro de casa e na comunidade

16-maldives-0010100113

Maldivas é um país bem pequeno que fica no oceano Índico, ao sudoeste do Sri Lanka e da Índia. Geograficamente falando, é um lugar privilegiado, cercado de praias paradisíacas e visado internacionalmente para férias. Mas, infelizmente, viver lá é só para muçulmanos. O governo protege o islã e, oficialmente, não existe um único cristão por lá. Os que decidem seguir Jesus são expatriados. O país é o 13º da Classificação da Perseguição Religiosa de 2016.

No entanto, há vários líderes cristãos nas Maldivas, divulgando o evangelho de Cristo, e arriscando suas próprias vidas. Mas as condições são bem limitadas, não há reuniões em igrejas ou prédios, e os poucos cristãos que existem são obrigados a esconder sua fé, com medo de serem descobertos. A perseguição por parte da família e da comunidade ainda é muito grande.

Sabendo das consequências de ser seguidora de Cristo, a igreja maldiva se reúne de forma subterrânea. A pressão psicológica e moral é praticada dentro de casa e na comunidade de forma tão eficaz que nenhuma outra violência se faz necessária para inibir o crescimento da comunidade cristã. Alguns cristãos secretos que foram descobertos tiveram de fugir para o exterior. Mas Deus continua sustentando a cada um com alimento espiritual. “Jesus dá-me forças para suportar tudo em seu nome. Essa é minha oração diária. E por que não devo estar feliz? Eu encontrei a paz por meio dele”, compartilha um cristão maldivo secreto.

Pedidos de oração

 

  • Ore pelos líderes cristãos que divulgam o evangelho de Cristo nas Maldivas, para que Deus os proteja da perseguição religiosa.
  • Peça ao Senhor para que os corações dos maldivos estejam preparados para receber as boas novas e que eles permaneçam firmes na fé.
  • Peça também para que os cidadãos permaneçam firmes em sua luta pelos direitos humanos e que os líderes políticos possam apresentar à nação uma Constituição mais justa e humanizada

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/02/maldivos-se-reunem-em-igrejas-subterraneas

 

Está cada vez mais difícil ser cristão em Bangladesh

A Constituição prevê a liberdade religiosa, ao mesmo tempo que declara o islã como religião oficial do Estado

28-bangladesh-0500100138

O último ano foi muito difícil para os cristãos de Bangladesh, por que o país passou por uma grande instabilidade política, muitos tumultos e o crescimento do extremismo muçulmano. Embora a conversão não seja proibida por lei, cristãos convertidos do islamismo ou budismo enfrentam forte pressão de seus familiares por negarem sua fé islâmica.

A Constituição prevê a liberdade religiosa, ao mesmo tempo que declara o islã como religião oficial do Estado, sendo assim, existem muitas leis islâmicas regendo o país. A perseguição tornou-se mais violenta e, atualmente, alguns cristãos foram mortos por jovens que fingiram ter interesse na fé cristã. Muitos líderes têm sido ameaçados, mas continuam com suas atividades em igrejas domésticas.

A Portas Abertas tem atuado na vida desses cristãos fornecendo Bíblias, literatura cristã, alfabetização para suas crianças e treinamentos para que eles possam lidar com a perseguição. Além disso, oferece também apoio jurídico e psicológico para aqueles que passaram por algum trauma. Neste mês, haverá um treinamento básico para 120 alfabetizadores de cinco regiões. Contamos com a sua oração para que este evento tenha êxito.

Leia também
Líder cristão é assaltado e fica gravemente ferido
Dez pastores de Bangladesh são ameaçados de morte
Observadores de grupos radicais estão agindo em Bangladesh

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/01/esta-cada-vez-mais-dificil-ser-cristao-em-Bangladesh

 

UE ‘deve esperar mais de um milhão de imigrantes este ano’: ONU alerta para inundação de refugiados econômicos da Ásia e norte da África

 

  • Um número crescente de imigrantes econômicos provenientes da Ásia e da África, a alertou a ONU  
  • Relatório conjunto das agências de refugiados disse que os refugiados também vão continuar a fugir da guerra síria
  • Aviso vem quando é dito que a Grécia poderia ser isolada do resto da Europa 
  • Comissão Europeia considerou que «negligenciou gravemente” suas fronteiras durante a crise imigratória do ano passado

Mais de um milhão de  imigrantes vai chegar na Europa este ano com o aumento do número de imigrantes econômicos vindos da Ásia e África, alertou a ONU ontem.

Um relatório conjunto pelas agências de refugiados disse que o conflito na Síria vai continuar a ser uma fonte de refugiados que procuram asilo na União Europeia.

Mas um número crescente de pessoas também virá do oeste sul da Ásia e na África setentrional e ocidental adicionando mais pressão para piorar a pior crise migratória da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

‘Chegadas contínuas provavelmente irão colocar pressão sobre as comunidades afetadas e da sua vontade de aceitar refugiados e imigrantes, “está escrito no relatório compilado pela Agência de Refugiados das Nações Unidas, a Organização Internacional para as Migrações e 65 outras organizações.

 

 

O aviso veio com a Grécia sendo informada que poderia ser isolada do resto da Europa no prazo de três meses após a Comissão Europeia considerar que foram «gravemente negligenciadas” suas fronteiras durante a crise imigratória no ano passado.

Uma investigação encontrou a Grécia falhando para rastrear aqueles que chegam em suas ilhas e simplesmente os enviando para o resto da Europa.

Foi esclarecido que a Grécia pode ser suspensa a partir da área de viagens-da UE sem fronteiras, Schengen, por sua incapacidade de controlar o número de pessoas que entram.

O vice-presidente da Comissão Valdis Dombrovskis disse: “A Grécia está negligenciando seriamente suas obrigações. Há sérias deficiências na realização dos controles nas fronteiras externas que devem ser superadas e tratadas pelas autoridades gregas. “

Em uma visita não anunciada para as ilhas gregas de Chios e Samos, em novembro, inspetores descobriram que chegadas não estavam sendo verificados antes de serem autorizados a prosseguir as suas viagens.

Pelo menos dois dos terroristas jihadistas que participaram nos ataques Paris vieram através da ilha grega de Leros posando como refugiados sírios.

O referido o conflito na Síria vai continuar a ser uma fonte de refugiados que procuram asilo na União Europeia (na foto, os migrantes na Sérvia)

O referido conflito na Síria vai continuar a ser uma fonte de refugiados que procuram asilo na União Europeia (na foto, os migrantes na Sérvia)

Sr. Dombrovskis acrescentou: “Embora reconhecendo que as autoridades gregas estão sob pressão, o relatório nomeadamente constata que não há identificação e registo de migrantes irregulares eficaz e que as impressões digitais não estão sendo inseridas sistematicamente no sistema e documentos de viagem não estão sendo verificados de forma sistemática para a autenticidade ou em bancos de dados de segurança cruciais “.

A UE já começou a enviar os guardas de fronteira para a Macedônia para patrulhar sua fronteira com a Grécia e impedir que as pessoas sejam capazes de prosseguir as suas viagens através da Europa.

Mais de 850.000 pessoas chegaram ao país no ano passado, com mais esperança de chegar ao norte da Europa.

Uma vez que o relatório da Comissão Europeia é apoiada pela maioria dos Estados membros da UE, a Grécia terá três meses para tomar “medidas de correção” ou enfrentar perder seu lugar na zona de viagem.

Funcionários da UE esta semana começaram a tomar medidas que possam conduzir a controles nas fronteiras sendo trazido de volta entre os países Schengen por até dois anos.

Grécia teria supostamente criado centros de processamento de migrantes em suas ilhas para o controle de chegadas, mas até agora só conseguiu abrir um em Lesbos.

De acordo com dados da UE, apenas 121,325 492,744 dos imigrantes que chegaram na Grécia de 20 de julho a 30 de novembro de 2015 fderam suas impressões digitais.

A UE já começou a enviar os guardas de fronteira para a Macedônia para patrulhar sua fronteira com a Grécia e impedir que as pessoas ser capaz de prosseguir as suas viagens através da Europa (na foto, os migrantes em Macedónia)

A UE já começou a enviar os guardas de fronteira para a Macedônia para patrulhar sua fronteira com a Grécia e impedir que as pessoas sejam capazes de prosseguir as suas viagens através da Europa (na foto, os migrantes em Macedónia)

Apesar das condições de inverno, o número de pessoas que alcançam as ilhas gregas ainda é alto e cerca de 30 vezes maior do que o ano passado.

Uma fonte da UE disse que 4.000 pessoas haviam chegado na Grécia somente na sexta-feira.

O Acordo de Schengen, foi nomeado após a cidade luxemburguesa ter assinado em 1985, uma década antes de as fronteiras serem removidas.

A zona de hoje abrange todos os Estados-Membros da UE – exceto o Reino Unido, Irlanda, Chipre, Bulgária, Romênia e Croácia -, bem como a Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein, que estão todos fora da UE.

Read more: http://www.dailymail.co.uk/news/article-3420209/EU-expect-million-year-warns-economic-migrants-Asia-north-Africa-worsen-Europe-s-migration-crisis.html#ixzz3yVe3pl8Z
Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook

Blogueiro é morto a facadas em Bangladesh

Niloy Chatterjee, de 40 anos, foi morto em casa, em Daca.
Grupo jihadista reivindicou o ataque.]

Agressores armados com facões mataram um blogueiro em Bangladesh nesta sexta-feira (7), o quarto assassinato de um crítico na Internet do extremismo religioso no país de maioria muçulmana em menos de seis meses, de acrodo com a agência Reuters.

Niloy Chatterjee, blogueiro de 40 anos que defendia o secularismo, foi morto em seu apartamento na capital, Daca, informou o policial Mustafizur Rahman. Um grupo jihadista denominado Ansar al Islam reivindicou o assassinato do blogueiro, segundo o jornal Dakha Tribune.

“Estamos sem palavras. Ele estava exigindo justiça para o assassinato de outros blogueiros”, disse Imran Sarker, líder de uma rede de ativistas e blogueiros. “Quem agora pedirá justiça para Niloy?”, indagou.

Chatterjee, que usava o apelido Niloy Neel, criticava o radicalismo religioso que levou à explosão de bombas em mesquitas e ao assassinato de vários civis, afirmou Sarker.

Chatterjee também era um de centenas de blogueiros que sustentam um movimento para exigir a pena de morte para líderes islâmicos acusados de atrocidades na guerra de independência de 1971 em Bangladesh.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/08/blogueiro-e-morto-facadas-em-bangladesh.html

Um novo regime autoritário no Turcomenistão

Atualmente, há pelo menos dois acontecimentos notáveis no Turcomenistão: o primeiro é o culto ao presidente e o segundo é a alteração da Constituição do país

No final de junho, o jornal Asia News e a rádio Free Europe informaram que as autoridades do Turcomenistão revelaram uma estátua gigante do presidente Gurbanguly Berdymukhamedov, onde ele está montado num cavalo, segurando uma pomba e coberto com uma camada de ouro de 24 quilates.

Um novo culto à personalidade foi lançado. Uma estátua será a primeira edificação a ser erguida em Ashgabat, capital do país, no mesmo momento em que milhares de casas estão sendo derrubadas. Segundo o Asia News, a Comissão Constitucional do Turcomenistão vai levar em consideração duas alterações na Constituição do país: a primeira é para estender o mandato presidencial de 5 para 7 anos; a segunda é para eliminar o limite de idade de 70 anos para os detentores de cargos presidenciais.

Segundo Rolf, analista de perseguição da Portas Abertas: “Embora não haja uma mudança de governo no Turcomenistão, a igreja pode ser confrontada com mais resistência. O regime parece ser muito mais assertivo do que antes, e isso pode refletir sobre a liberdade de religião, em geral. O regime vai se esforçar para que haja harmonia no país, mas o evangelismo cristão para a população muçulmana será considerado como uma ameaça. É evidente que haverá mais restrições para os cristãos”.

O Turcomenistão ocupa a 20ª posição na Classificação da Perseguição Religiosa. Saiba mais sobre o país.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2015/07/um-novo-regime-autoritario-no-turcomenistao

Malásia encontra 139 covas em 28 campos clandestinos de imigrantes

O escândalo de tráfico de pessoas no Sudeste da Ásia continua a crescer. A Malásia revelou nesta segunda-feira que localizou 28 acampamentos ilegais com 139 sepulturas que podem ser de refugiados rohingyas e de imigrantes vindos de Bangladesh. Ainda não foi determinado o número exato de corpos em cada cova, mas alguns podem conter mais de um cadáver, disse o inspetor geral da polícia da Malásia, Khalid Abu Bakar. “É uma cena muito triste. Estamos trabalhando estreitamente com os nossos colegas da Tailândia. Vamos encontrar as pessoas que fizeram isso”, disse a jornalistas na segunda-feira. As autoridades informaram inicialmente a existência de apenas 17 campos e cerca de cem corpos.

Os acampamentos abandonados, localizados entre os dias 11 e 23 de maio e cuja existência foi informada à imprensa no domingo, estão localizados a cerca de 500 metros da fronteira com a Tailândia. A descoberta, disse Bakar, é resultado de uma operação lançada depois que a Tailândia encontrou várias covas em outros campos clandestinos em seu lado da fronteira.

A floresta do sul da Tailândia e do norte da Malásia era uma rota importante para as redes de tráfico. Milhares de imigrantes de Bangladesh e da Birmânia são colocados nas mãos de traficantes para levá-los para a Malásia via outros países do sudeste asiático, como a Tailândia, para eles um país de trânsito. No caminho, eles são mantidos em campos à espera do pagamento de um resgate por parte de suas famílias. Muitos deles são rohingyas em fuga da Birmânia, onde a lei lhes nega a cidadania desde 1982 porque não estão incluídos na lista dos 135 grupos étnicos oficialmente reconhecidos pelo governo. Os rohingyas são considerados como imigrantes ilegais procedentes de Bangladesh, onde tampouco são reconhecidos.

A descoberta das primeiras sepulturas na Tailândia, no dia 1º de maio, desencadeou uma campanha contra o tráfico de pessoas. Um total de 256 rohingyas foram resgatados depois de terem sido abandonados por seus traficantes, e as tripulações de alguns navios não correram o risco de levá-los a terra, abandonado-os à própria sorte no mar de Andaman sem uma tripulação preparada, sem comida ou água potável.

A Malásia e a Indonésia ofereceram assistência aos imigrantes durante um ano à espera de serem repatriados ou reassentados como refugiados em outros países. Por sua vez, a Tailândia afirmou que não há mais campos no sul do país.

A Tailândia e a Malásia receberam avisos de países ocidentais para combater o tráfico. Entre eles estão os Estados Unidos, que preparam um relatório anual sobre o tráfico de pessoas no qual inventaria os esforços feitos pelos governos no combate a essas redes. Ambos os países receberam a nota mais baixa, chamada Tier 3, pela qual Washington pode impor sanções. O próximo relatório será publicado em junho. “Tanto a Tailândia como a Malásia estão tentando desesperadamente convencer o governo dos Estados Unidos que retire a nota Tier 3 no relatório anual sobre o tráfico de pessoas. Mas o julgamento deve ser baseado em se eles estão investigando de forma sincera esses abusos”, explica Phil Robertson, vice-diretor da Ásia do Human Rights Watch.

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/25/internacional/1432544615_041823.html

Bangladesh enforca líder do partido Jamaat-e-Islami por crimes de guerra de 1971

O governo de Bangladesh enforcou o líder islamista oposicionista Muhammad Kamaruzzaman, neste sábado, por crimes de guerra cometidos durante a guerra de independência do Paquistão, em 1971, o que gerou uma reação raivosa de seus apoiadores que convocaram uma greve como protesto.

Kamaruzzaman, de 63 anos, do partido Jamaat-e-Islami, foi enforcado na Prisão Central de Daca, depois que a Corte Suprema rejeitou seu pedido contra a pena de morte imposta por um tribunal especial para genocídio e tortura de civis durante a guerra.

Ele se recusou a implorar por perdão ao presidente. O diretor da prisão confirmou que a execução foi realizada às 10h30 (horário local).

O presidente do partido Jamaat-e-Islami, Maqbul Ahmed, disse em um comunicado: “O governo, de uma maneira muito planejada, o matou por vingança política”.

O partido declarou o domingo como um “dia de oração” por Kamaruzzaman e por paz e convocou greve geral para segunda-feira.

A força paramilitar da Guarda de Fronteira de Bangladesh foi implantada em todo o país para conter qualquer sinal de protesto. Todas as estradas que levam até a prisão foram fechadas neste sábado e forças de segurança patrulharam a capital.

Defensores da sentença logo saudaram a execução. Em todo o país, aconteceram várias marchas pedindo a conclusão de outros casos de crimes de guerra. Manifestantes ofereceram doces uns aos outros para festejar a execução.

(Por Serajul Quadir)

http://noticias.terra.com.br/mundo/asia/bangladesh-enforca-lider-do-partido-jamaat-e-islami-por-crimes-de-guerra-de-1971,2794f61d1d9ac410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html