Arquivo da tag: #Ban Ki-moon

Secretário-Geral da ONU admite que removeu Arábia Saudita da lista de “assassinos de crianças” devido à extorsão

O Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon reconheceu publicamente quinta-feira que removeu a liderança saudita da coalizão que está bombardeando o Iêmen de uma lista negra de assassinos de crianças – 72 horas depois que foi publicada – devido a uma ameaça financeira para não enviar fundos a programas das Nações Unidas.

O secretário-geral não revelou o nome da fonte da ameaça, mas reportagens indicaram que veio diretamente do governo saudita.

O relatório da ONU de 2015 “Crianças e Conflitos Armados”  originalmente coloca a coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen em “partes que matam ou mutilam crianças” e “partes que se envolvem em ataques a escolas e / ou hospitais.” O relatório, que foi com base no trabalho dos investigadores da ONU no Iêmen, atribui u ao bombardeio da coalizão 60% das 785 crianças mortas e 1.168 feridos.

Após altas objeções públicas do governo saudita, Ban disse na segunda-feira que estava revisando o relatório para “rever em conjunto os casos e números citados no texto,” a fim de “refletir os mais elevados padrões de precisão possível.”

Mas na quinta-feira, ele descreveu sua verdadeira motivação. “O relatório descreve horrores que nenhuma criança deve ter de enfrentar”, disse Ban numa conferência de imprensa. “Ao mesmo tempo, eu também tinha que considerar a possibilidade muito real de que milhões de outras crianças iriam sofrer muito se, como me foi sugerido, os países impedissem a remessa de fundos a muitos programas da ONU. Crianças já em risco na Palestina, Sudão do Sul, Síria, Iêmen e muitos outros lugares iriam cair ainda mais no desespero “.

A Arábia Saudita é um dos maiores doadores da ONU no Oriente Médio, dando centenas de milhões de dólares por ano para programas de alimentação da ONU na Síria e no Iraque. Em 2014, a Arábia Saudita deu $ 500.000.000 – a maior doação única humanitária à ONU – para ajudar os iraquianos deslocados pela ISIS. Nos últimos três anos, a Arábia Saudita também se tornou o terceiro maior doador para agência de ajuda da ONU na Palestina, dando dezenas de milhões de dólares para ajudar a reconstruir Gaza e ajudar refugiados palestinos.

“É inaceitável que os Estados membros exerçam pressões indevidas”, disse o secretário-geral. “Escrutínio é uma parte natural e necessária do trabalho das Nações Unidas.”

Ban chamou a decisão de “uma das decisões mais dolorosas e difíceis que tive de fazer.”

O Embaixador saudita na ONU Abdallah al-Mouallimi, que realizou depois uma conferência de imprensa, ofereceu a sua própria versão desajeitada do que aconteceu. “Nós não usamos ameaças”, disse ele, “mas essa lista, obviamente, terá um impacto sobre as nossas relações com a ONU”

“Não está no nosso estilo, não está em nossos genes, não é da nossa cultura usar ameaças e intimidações”, concluiu.

Ban convidou uma equipe da coalizão liderada pela Arábia Saudita a se dirigir à Nova York para realizar uma “revisão conjunta” à frente das discussões da ONU agendadas no relatório, prevista para agosto.

Na segunda-feira, no entanto, após as mudanças serem anunciadas, o embaixador saudita na ONU declarou que as mudanças foram “finais e incondicionais” e que a Arábia Saudita tinha sido “justificada”.

https://theintercept.com/2016/06/09/u-n-chief-admits-he-removed-saudi-arabia-from-child-killer-list-due-to-extortion/

Ban Ki-moon contraria enviada e retira Israel e Hamas de lista de violadores de direitos infantis

Autora de relatório propôs unir os dois lados a grupos como Boko Haram e Estado Islâmico.

NAÇÕES UNIDAS – O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, decidiu não incluir Israel e o Hamas da lista de Estados e organizações violadores dos direitos infantis. A decisão contraria a recomendação de enviada especial Leila Zerrougui, que formulou o documento conhecido como “lista da vergonha”.

ONGs como a Human Rights Watch haviam feito vários apelos contra Israel e Hamas após a guerra em Gaza entre julho e agosto de 2014, que matou mais de 2 mil palestinos e 71 israelenses. Mais de 500 crianças foram mortas durante o conflito.

No relatório, Ban declara estar “extremamente preocupado com as graves violações sofridas pelas crianças durante as operações militares israelenses em 2014”, e diz que o país falhou no cumprimento do direito internacional humanitário. Fontes internas da ONU disseram à Reuters que Israel pressionou o secretário-geral a não incluir o país.

— A decisão desapontante de negar a recomendação de sua representante especial é um baque nos esforços da ONU de proteger as crianças do conflito armado. A pressão política parece prevalecer — criticou Philippe Bolopion, representante da HRW.

O embaixador de Israel nas Nações Unidas, Ron Prosor, se mostrou satisfeito com a retirada de Israel.

“O secretário-geral estava certo em não submeter ao comando de organizações terroristas e dos Estados árabes, na sua decisão de não incluir Israel nesta lista da vergonha, junto a organizações como o Estado Islâmico, a Al-Qaeda e o Talibã”, declarou.

A lista atualizada e divulgada nesta segunda-feira inclui 51 entidades, incluindo o Boko Haram, o grupo EI, e os Exércitos de oito países, como a Síria, o Iêmen, a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul.

http://oglobo.globo.com/mundo/ban-ki-moon-contraria-enviada-retira-israel-hamas-de-lista-de-violadores-de-direitos-infantis-16385416

Chefe da ONU, Ban Ki-moon pede cessar-fogo imediato no Iêmen

O Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon na quinta-feira pediu a suspensão imediata dos combates no Iêmen, sendo a primeira vez que ele fez tal apelo desde o início dos ataques aéreos sauditas liderados contra os rebeldes Houthis apoiados pelo Irã iniciados há três semanas.

“Eu estou pedindo um cessar-fogo imediato no Iêmen por todas as partes”, disse Ban em um discurso para o National Press Club em Washington. “Os sauditas me garantiram que eles entendem que deve haver um processo político. Peço a todos os iemenitas a participarem de boa-fé.”

http://www.jpost.com/Breaking-News/UN-head-Ban-Ki-moon-calls-for-immediate-cease-fire-in-Yemen-398396

Chefe da ONU pede ação para impedir ‘massacre’ no campo de refugiados palestinos em Yarmouk

Nações Unidas, Estados Unidos: Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon fez apelo na quinta-feira à ação para impedir um massacre de refugiados palestinos no campo de Yarmouk da Síria.

“O que está se desenrolando em Yarmuk é inaceitável”, disse Ban a jornalistas na sede da ONU.

“Nós simplesmente não podemos ficar parados e assistir a um massacre se desenrolar.”

http://www.dailystar.com.lb/News/Middle-East/2015/Apr-09/293919-un-chief-urges-action-to-prevent-massacre-in-syrias-yarmuk-camp.ashx

Ban Ki-moon sente vergonha do ‘fracasso’ internacional na Síria

Chefe da ONU falou de ‘carnificina’ no país durante encontro da Liga Árabe.
‘Confesso minha raiva e minha vergonha’, afirmou.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse neste sábado (28) sentir “vergonha” do “fracasso” da comunidade internacional para acabar com a “carnificina” na Síria – na abertura da cúpula da Liga Árabe na cidade egípcia de Sharm el Sheikh.

“Confesso minha raiva e minha vergonha. Minha raiva ao ver que o governo sírio, grupos extremistas e terroristas destroem inexoravelmente o país”, disse ele.

E acrescentou: “vergonha de compartilhar a responsabilidade pelo fracasso coletivo das comunidades internacionais e regionais para agir de forma decisiva para parar o massacre” na Síria.

Mais de 215.000 pessoas morreram nos últimos quatro anos na guerra na Síria, anunciou em meados de março o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com inúmeras fontes no país.

O conflito começou em março de 2011 como uma revolta popular reprimida pelo regime e acabou se tornando uma guerra civil devastadora.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/03/ban-ki-moon-sente-vergonha-do-fracasso-internacional-na-siria.html