Arquivo da tag: #casamento

Paquistão: Muçulmano assassina sua irmã de 18 anos com machado em crime de honra

“O homem mata a irmã por” honra “em Khanewal,” por Owais Qarni, Express Tribune , 27 de maio de 2017 (graças à Religião da Paz ):

MULTAN: Um homem matou sua irmã de 18 anos na aldeia de Kacha Khuh do distrito de Khanewal em mais um caso de “crime de honra”.

Muhammad Mudassir, 27 anos, foi preso e acusado de assassinato, disse a polícia Kacha Khuh.

Amna, uma moradora de Chak número 4, tinha fugido com Muhammad Yasin. O casal passou a coabitar por volta de dois meses atrás.

Mudassir, irmão de Amna, ficou furioso quando ouviu falar do casamento quatro dias depois.

Uma semana atrás, um tribunal local (Panchayat) chamou as famílias e depois de ouvir seus argumentos, disse à família Yasin para casar com a irmã  de Mudassir.

Três dias antes do casamento, que deveria ocorrer na terça-feira, o pai de Yasin se recusou a dar sua filha em ‘vani’ – uma prática na qual uma mulher é entregue ou forçosamente casada com alguém em troca dos pecados de seu parente masculino (S).

Para vingar sua “humilhação”, Mudassir assassinou sua irmã com um machado ….

Matéria completa: https://www.jihadwatch.org/2017/05/pakistan-muslim-murders-his-18-year-old-sister-with-axe-in-honor-killing

Paquistão: muçulmano mata a irmã por se casar com cristão

Shoebat – Uma mulher muçulmana no Paquistão se casou com um homem cristão. Alguns muçulmanos  disseram ao seu irmão que “seria melhor matar a irmã. É melhor do que deixá-la ter essa relação “. Ele, então, pegou uma pistola e atirou na cabeça da irmã. E ainda disse: “Eu não podia deixá-la ir. Era tudo que eu conseguia pensar. Eu tive que matá-la “.

Durante dois meses, os colegas de trabalho zombavam de Mubeen Rajhu por causa de sua irmã.

Algumas pessoas tinham visto Tasleem numa comunidade em Lahore com um homem cristão. Ela tinha 18 anos, uma boa menina muçulmana, em público com um homem. Mesmo que o homem se convertesse ao Islã por amor a ela, isso não poderia ser permitido.

“Alguns caras tem que saber que sua irmã estava tendo um relacionamento”, diz Ali Raza, um colega de trabalho na fábrica. “Eles diziam: ‘Você não pode fazer nada? Qual é o seu problema? Você não é um homem. “

Rajhu lhes disse que tinha comprado uma pistola, e um dia em agosto, ele parou de vir para o trabalho. Rajhu descobriu que sua irmã tinha desafiado a família e se casou com o cristão. Durante seis dias, ele andava. Sua raiva cresceu. Como poderia?

Ele olhou para ela rindo ao telefone, ignorando os apelos de sua mãe para deixar o homem.

No sétimo dia, ele pegou a pistola de onde ele havia escondido e se aproximou de sua irmã e com uma bala na cabeça, ele a matou.

___

Por gerações no Paquistão, eles chamam de “honra” o assassinato, realizado em nome da reputação de uma família.

Os assassinos rotineiramente invocam o Islã, mas raramente eles podem citar qualquer coisa que não seja a sua crença de que o Islã não permite a mistura dos sexos. Mesmo o linha-dura Conselho de Ideologia Islâmica do Paquistão – que é pouco conhecido por falar de proteger as mulheres – diz que a prática desafia princípios islâmicos.

Não importa: em favelas e distantes aldeias, longe dos centros das cidades cosmopolitas, as pessoas vivem em um mundo onde a religião está intimamente ligada à cultura e tradição, onde conselhos tribais podem encomendar punições publicamente às mulheres, e uma família pode decidir matar um dos seus próprios, mesmo para vingar um delito cometido por outra pessoa.

Na grande maioria dos casos, o assassino de “honra” é um homem e a vítima é uma mulher.

Ela é uma irmã que se apaixona por um homem que não é da escolha de sua família. Ela é uma filha que se recusa a aceitar um casamento arranjado, às vezes com um homem com idade para ser seu pai. Ela é uma mulher que não quer ficar em um casamento abusivo e se divorcia de seu marido.

Ele é um irmão, como Rajhu, que não pode suportar as provocações de outros homens, acreditando que as mulheres são subservientes e devem ser mantidas nas sombras, e o seu valor muitas vezes é medido pelo número de filhos que elas podem gerar. Ele é um vizinho, como Raza na fábrica, que pensa que seu amigo não fez nada de errado ao tirar a vida de sua irmã. Ele é um pai, como Tasleemo, que está com raiva do assassinato não porque ela está morta, mas porque sua morte vai revelar sua “vergonha” para outros membros da família e demais conhecidos.

O Paquistão tem visto um aumento no número de mulheres e meninas mortas em nome da honra: no ano passado, 1.184 pessoas morreram, apenas 88 deles homens. No ano anterior, o valor era de 1005, e em 2013, foi de 869, de acordo com a Comissão Independente de Direitos Humanos do Paquistão. Acredita-se que os números verdadeiros dever ser ultrapassar os informados, pois muitos casos não são notificados.

Os assassinatos têm alimentado uma crescente indignação pública na prática e um coro de vozes dizendo que não há honra em matar – unicamente desonra. Eles estão trabalhando para fechar a brecha legal que permite que os assassinos fiquem em liberdade.

A proliferação de canais de televisão e jornais trouxe os horrores de meninas estranguladas, queimadas vivas ou com um tiro na cabeça para fora do sigilo da casa e para o público.

Mas para muitos que têm vindo a lutar contra este tipo de morte, é a mentalidade do rapaz que poderia matar sua irmã, ou o pai que poderia matar uma filha, que tem de ser entendida e mudar.

Rajhu diz que amava sua irmã, uma jovem quieta que nunca antes tinha se rebelado contra sua família. Certa vez, ele lhe deu uma chance, exigindo que ela jurasse no livro sagrado do Islã, o Alcorão, que nunca iria se casar com o homem. Assustada, ela jurou que não iria.

“Eu lhe disse que não teria cara para mostrar na fábrica, para mostrar aos meus vizinhos, por isso não deveria me desobedecer. Mas ela não quis me ouvir “, diz ele.

___

O pai da jovem assassinada, Mohammed Naseer Rajhu, estava relutante em admitir visitantes em sua casa pobre. Os quartos são tão pequenos, mal há espaço para um banco de madeira deteriorada e a cama tradicional, onde ele se senta. Na cozinha, o sangue de Tasleem ainda mancha a parede áspera.

Ele está convencido de que a imagem da filha morta não pode ser veiculada em vídeo ou em uma fotografia de acordo com a sua interpretação do Islã, que alguns dizem proibir imagens humanas. Ele diz que é a razão da família não ter fotos de Tasleem, a quem os vizinhos chamavam atenção pela beleza. A única imagem de Tasleem, com o cabelo preto grosso caindo descuidadamente sobre o rosto, foi levada pela polícia depois de sua morte.

“Nunca você pode mostrar o meu rosto. Meu filho matou a minha filha para salvar seu rosto, para não ter ninguém vendo o rosto de sua irmã, e agora você está me pedindo para fazer a mesma coisa “, diz ele.

Ele concorda, por breves minutos falar com a cabeça virada para longe da câmera até mesmo isso é demais. Sua indignação cresce – tudo isso dirigida a sua filha.

Ele está com raiva do seu filho matar a irmã por apenas dois motivos: o jovem está na cadeia e não vai mais a ganhar cerca de US$ 200 por mês, e sua família, espalhada por todo o Paquistão, vai saber mais rápido as indiscrições de Tasleem.

“Minha família está destruída”, diz ele, levantando a voz. “Tudo está destruído somente por causa dessa menina vergonhosa. Mesmo após a morte, eu estou destruído por causa dela “.

Mais tarde, sentado nos degraus quebrados da casa do seu vizinho, ele concorda firmemente como seus vizinhos que elogiam o homem que matou sua irmã.

“Estou orgulhoso deste homem porque ele fez a coisa certa ao matá-la”, diz um deles, um homem com uma barba desgrenhada chamado Babar Ali. “Não podemos permitir que qualquer pessoa se case fora da nossa religião. Ele fez a coisa certa.”

Depois que seu filho matou Tasleem, o pai foi à polícia e apresentou uma queixa. No Paquistão, os pais muitas vezes fazem isso não para ver o assassino punido, mas para estabelecer as bases legais para que eles possam perdoar o culpado – uma brecha legal que os ativistas estão lutando para ter fim.

Ele não disse explicitamente que ele perdoa o filho, mas é claro que ele acha que o jovem tinha todo o direito de matar sua irmã.

Mais informações: http://shoebat.com/2016/10/03/muslim-woman-marries-a-christian-man-some-muslims-tell-her-brother-it-would-be-better-to-kill-your-sister-it-is-better-than-letting-her-have-this-relationship-he-takes-a-gun-and-blows-her-brai/

A paquistanesa de 18 anos torturada e morta pela própria mãe após se casar por amor

Ela não queria ir, mas minha família a convenceu. Como saberíamos que eles a matariam desta maneira?”, disse Hassan Khan sobre a morte de sua mulher no Paquistão.

 Zeenat Rafig, de 18 anos, foi torturada, estrangulada e queimada viva,segundo a polícia paquistanesa confirmou à BBC.

Uma necropsia deverá apontar se a jovem estava viva no momento em que foi queimada.

O assassinato ocorreu uma semana após Zeenat se casar sem autorização de sua família, o que é considerado uma desonra no Paquistão.

Crime familiar

O superintendente da policía de Lahore, Ibadat Nisar, afirmou que o irmão de Zeenat é suspeito e está foragido. A mãe foi encontrada em casa com o corpo da jovem.

A mãe confessou o crime, mas é difícil acreditar que uma mulher de 50 anos tenha cometido um ato desse sozinha, sem ajuda de outros membros da família”, disse Nisar.

Vizinhos chamaram a polícia após escutar gritos, mas a mulher já estava morta no momento em que as autoridades chegaram.

Hassan Khan-Zeenat RafigImage copyrightAFP
Image captionHassan Khan, marido de Zeenat Rafig, com a certidão de casamento do casal

Rafiq e Hassan Khan se casaram há uma semana, depois de a jovem ter fugido para morar com a família do marido.

Quando ela contou a seus pais sobre nós, foi agredida tão fortemente que sangrou pela boca e nariz“, disse Khan ao serviço em urdu daBBC.

Naquela ocasião, diz o viúvo, a família de Zeenat a levou “com a promessa de reconciliação e uma recepção adequada pelo casamento”.

“Ela tinha medo e disse: ‘Não irão me perdoar’. Ela não queria ir, mas minha família a convenceu. Como iríamos saber que a matariam?”, afirmou.

Outros casos

O assassinato de Zeenat Rafigé o terceiro do tipo em um mês no Paquistão, país onde ataques contra mulheres que contestam regras conservadoras sobre o amor e o casamento são comuns.

Na semana passada, uma jovem professora, María Sadaqat, foi queimada viva na cidade de Murree, perto de Islamabad, após rejeitar uma proposta de casamento. Morreu em consequência dos graves ferimentos que sofreu.

Um mês antes, veteranos de um povoado perto de Abbottabad ordenaram o assassinato de uma adolescente que foi queimada até à morte porque ajudara uma amiga a fugir, de acordo com a polícia.

Protesta mujeresImage copyrightAFP
Image captionAtivistas no Paquistão exigiram o fim da violência de gênero no Dia Internacional da Mulher, em março

Sem mudanças

Cerca de 1.100 mulheres foram mortas por parentes no Paquistão no ano passado nos chamados “crimes de honra”, afirma a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (CDHP). Muitos casos não chegam a ser denunciados.

Violência contra mulheres praticada por pessoas de fora da família também é recorrente.

Najam U Din, diretor-adjunto da CDHP, afirma que as atitudes sociais não mudaram no país, a despeito da melhor educação e maior liberdade proporcionadas à mulher.

“Quando as mulheres se tornam mais firmes, mais reativas à submissão dentro da família – quando querem, por exemplo, continuar estudando ou tomar decisões independentes, a sociedade não permite.”

Protestos

A província de Punjab, cenário dos dois últimos ataques, aprovou uma lei em fevereiro penalizando todas as formas de violência contra as mulheres.

No entanto, mais de 30 grupos religiosos, incluindo todos os principais partidos políticos islâmicos, ameaçaram fazer protestos caso a lei não fosse revogada.

Hassan KhanImage copyrightAP
Image captionHassan Khan exibe no celular uma foto da mulher, Zeenat Rafiq.

O chamado Conselho de Ideologia Islâmica, que assessora o governo, propôs então que seja legal que todos os maridos “batam levemente” em suas mulheres.

Grupos religiosos compararam as campanhas por direitos da mulher com promoção da obscenidade. Dizem que a nova lei de Punjab aumentará a taxa de divórcios e destruirá o sistema familiar tradicional do país.

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-36488468

Paquistanesa rejeita pedido de casamento e é queimada viva

Uma jovem paquistanesa morreu nesta quarta-feira depois de sido torturada e queimada viva no nordeste do país por recusar se casar com o filho de seu ex-chefe, informaram a polícia e seus familiares.

Maria Sadaqat, de 19 anos, foi atacada por um grupo de pessoas na segunda-feira na aldeia de Upper Dewal, perto de Muree.

Continuar lendo Paquistanesa rejeita pedido de casamento e é queimada viva

Britânica que fugiu para se aliar ao Estado Islâmico se casa na Síria

Amira Abase casou com miliciano australiano do grupo.

A adolescente britânica Amira Abase, 16 anos, que fugiu da Inglaterra com duas amigas para se unir ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) se casou com um jihadista na Síria.

Quem confirmou a informação foi o próprio marido, o australiano Abdullah Elmir, 18 anos, que se aliou aos extremistas há um ano.

Em uma postagem na internet, enviada aos jornais britânicos, o “ginger jihad” elogiou o ataque terrorista em Sousse, na Tunísia, e incitou os demais “lobos solitários” a atacar os infiéis . Por sua vez, Abase apenas postou que se casou com “um muçulmano de nascença, meio australiano e meio libanês”. As meninas Shamina Begum, 15, Amira Abase e Kadiza Sultana, 16, partiram em 17 de fevereiro de Londres, em um voo que saiu do aeroporto de Gatwick com destino a Istambul, na Turquia. Os jornais britânicos também relataram que o trio se uniu a outra jovem originária da Grã-Bretanha cuja identidade é desconhecida.

As autoridades acreditam que 50 mulheres, sendo 22 jovens, tenham partido da Grã-Bretanha para a Síria no último ano para lutar ao lado do Estado Islâmico.

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2015-07-12/britanica-que-fugiu-para-se-aliar-ao-ei-se-casa-na-siria.html

EI mantém 10 recrutadoras de mulheres na Alemanha

Após serem cooptadas pelo grupo, elas são retiradas do país e entregues para novos maridos na Síria,

Autoridades da Alemanha sabem que pelo menos dez recrutadoras do Estado Islâmico (EI) estão no país para tentar atrair mulheres para se unir ao grupo jihadista. Segundo um trabalho de investigação das emissoras “WDR”, “NDR” e do jornal “Süddeustche Zeitung”, confirmado nesta quinta-feira (25) pelo Escritório Regional Criminal da Renânia-Palatinado, a maneira pela qual as mulheres estão sendo recrutadas é ainda mais sistemática do que as suspeitas das autoridades.

 Foto: BBCBrasil.com
Das 700 pessoas que deixaram a Alemanha para se juntarem ao EI, 100 eram mulheres

Foto: BBCBrasil.com

A reportagem revela a cooperação entre mulheres que se encontram na Síria e no Iraque com as colaboradoras que operam na Alemanha. Além disso, indica que há um documento interno das autoridades responsáveis locais que já fala em uma “rede de moças”.

O Escritório Federal de Proteção da Constituição (BfV) – o serviço secreto do Ministério do Interior – alertou ontem que, das 700 pessoas que responderam à chamada do EI e abandonaram a Alemanha para ir às zonas de combate, cerca de 100 são mulheres.

Os jihadistas não param de conquistar novos adeptos. E, conforme o presidente da BfV, Hans-Georg Maassem, há uma “capacidade de atração ainda mais forte entre as mulheres”, que caem nas armadilhas das atividades de recrutamento tanto na internet como por meio de contatos pessoais.

A matéria sustenta que, depois que as jovens são “captadas” com sucesso, as recrutadoras oferecem apoio para preparar a saída do país, inclusive com auxílio logístico. Segundo a investigação, as mulheres são recebidas na Síria, na cidade de Raqqa, onde o EI administra sob estrita vigilância uma casa na qual elas são entregues a seus futuros maridos.

O ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maizière, alertou ontem sobre a progressiva radicalização de islamitas no país e citou sobre 330 que estão em uma lista de “potencialmente perigosos”. Suspeita-se que “vão cometer delitos politicamente motivados de considerável magnitude”.

Maizière ressaltou que a Alemanha é um país capaz de se defender e indicou que em todo o país estão abertos atualmente mais de 500 inquéritos contra 800 acusados

http://noticias.terra.com.br/mundo/oriente-medio/ei-mantem-10-recrutadoras-na-alemanha-para-levar-mulheres-a-siria-e-ao-iraque,f7961e194fc859127b4984beb5dcae3bx2whRCRD.html

Dois ex-presos de Guantánamo vão se casar com uruguaias

As noivas se chamam Fátima e Samira, ambas uruguaias convertidas ao islã. No dia 6 de junho, sábado da próxima semana, elas irão se casar com dois dos ex-presos de Guantánamo que chegaram ao Uruguai sete meses atrás: o sírio Abd Hadi Omar Mahmoud Faraj, de 40 anos, e o tunisiano Abdul bin Mohamed, de 50. Além deles, o único palestino do grupo, Mohamed Tahamatan, de 35 anos, também tem uma namorada uruguaia e irá morar com ela na semana que vem.

As cerimônias de casamento ocorrerão em áreas da Embaixada do Egito que funcionarão como mesquita. Pouco se sabe das duas mulheres: Fátima seria uma uruguaia de família muçulmana que viveu no exterior até recentemente, e Samira teria se convertido ao islã quatro meses atrás, segundo a imprensa local.

O compromisso foi analisado ao final de várias semanas de acampamento dos refugiados diante da Embaixada dos EUA em Montevidéu, onde solicitavam mais ajuda econômica. Graças ao protesto, seis ex-presos que passaram uma década trancafiados sem receberem acusações formais em Guantánamo, uma base militar dos EUA encravada em Cuba, obtiveram um aumento da ajuda financeira e também assistência para alugar um apartamento. Nos próximos dias, eles deixarão a casa onde vivem juntos, emprestada pelo sindicato.

A cerimônia terá lugar numa mesquita improvisada na Embaixada do Egito em Montevidéu

O protesto e vários comunicados dos ex-presos denunciando suas más condições de vida no Uruguai vinham ofuscando a operação humanitária concebida pelo ex-presidente José Mujica e concretizada após muito esforço em dezembro de 2014. Os refugiados haviam sido criticados no Uruguai por rejeitar ofertas de trabalho, e vários deles tinham anunciado sua intenção de deixar o país sul-americano.

Mas os dois casamentos da semana que vem voltam a mostrar um rosto mais animador dessa transferência. Os seis homens, que ainda não falam espanhol e estão em tratamento médico por diferentes doenças, começam a se integrar na minúscula comunidade muçulmana do Uruguai, composta por pouco mais de 300 pessoas, segundo cálculos de Susana

http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/29/internacional/1432864864_161205.html

Mangana, professora de Estudos Árabes da Universidade Católica do Uruguai.

Ativista de 14 anos luta contra casamentos infantis no Paquistão

Hadiqa, de 14 anos, começou sua luta após ver uma amiga se casar na 6ª série; agora, ela vai de casa em casa tentando convencer garotas e famílias a adiar os casamentos. A adolescente enfrenta o desafio de tentar acabar com o casamento infantil em sua comunidade – onde casamentos do tipo são considerados a norma, e onde meninas podem ser oferecidas para acabar com uma disputa ou para manter terras na família.

A adolescente ativista conseguiu impedir o casamento de uma criança de 7 anos.

Mulher afegã é obrigada a se casar com seu estuprador para não ser penalizada com 12 anos de prisão por “adultério forçado”

Uma mulher afegã que foi forçada a se casar com seu estuprador e ter uma filha dele contou à emissora americana CNN como ela desistiu de todas as suas esperanças e sonhos para ‘comprar’ o futuro da filha. Conhecida apenas pelo nome Gulnaz, a mulher residente em Cabul tinha apenas 16 anos quando engravidou de seu agressor, conhecido como Asadullah –que também é casado com sua prima.

Mesmo que um estupro tenha levado à sua gravidez, os irmãos de Gulnaz disseram que não a autorizaram a voltar “envergonhada” para sua família. Como ela era solteira, um tribunal de Cabul a condenou a dois anos de prisão por “adultério à força” –posteriormente aumentado para 12 anos na sequência de um recurso.

A única esperança que Gulnaz tinha para reduzir a sentença era se casar com Asadullah, o que ela fez no início de 2013. Agora, ela está grávida de seu terceiro filho, mas insiste que só concordou em se casar com o estuprador para que sua primeira filha –chamada de Smile– pudesse viver dignamente em meio à sociedade “tradicional” da capital afegã.

“Não queria arruinar a vida da minha filha, então concordei em casar com ele”, disse ela. “Nós somos pessoas tradicionais. Quando caímos em desgraça, preferimos a morte a viver assim”, acrescentou Gulnaz, recusando-se a olhar o marido nos olhos durante a entrevista.

Asadullah –que foi preso pelo estupro, mas que posteriormente teve pena reduzida– não aparenta qualquer remorso em relação ao seu crime. “Se eu não tivesse me casado com ela de acordo com as nossas tradições, ela não poderia ser aceita de volta na sociedade”, disse ele. “Seus irmãos não quiseram aceitá-la de volta. Agora, ela não tem nenhum desses problemas”, acrescentou.

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/04/08/mulher-afega-e-obrigada-a-casar-com-seu-seu-estuprador.htm

Governo Iraquiano apresenta projeto de lei para legalizar a pedofilia

O projeto de lei inclui condições que as mulheres que amamentam devem respeitar, e meninas, só podem ser divorciadas do marido, para estar com outro homem.

Seguindo as normas mais rígidas da lei islâmica, a Sharia, o governo de Bagdá apresentou no Parlamento um projeto de lei que permitiria o casamento em qualquer idade. Nesta autorização só existe divórcio aos 9 anos, e só para se juntar a um outro homem, no caso das mulheres.

Enquanto uma mulher amamentar seu bebê, o homem polígamo pode passar noite após noite, com todas as suas mulheres dentro do projeto escandaloso.

Numa eventual aprovação, dar- se-ia nova  fragmentação das posições religiosas. Os cristãos no Iraque desde o início da invasão norte-americana e, em seguida, a guerra civil subsequente, sofreram uma verdadeira catástrofe, vítimas de ataques terroristas e exílio. Os adversários da lei, temem pelos direitos das meninas e sua segurança, pois consideram o estupro de uma menina de cinco anos (idade estimada para o casamento) ter relações sexuais com um homem mais velho.

http://vidayestilo.terra.cl/mujer/iraq-sera-el-primer-pais-del-mundo-en-legalizar-la-pedofilia,cbd7c1f93cff4410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html