Arquivo da tag: #CIA

CIA: Estado Islâmico prepara ‘táticas de guerrilha’ para atacar Ocidente

Segundo diretor, operações planejadas servem para compensar perdas territoriais

WASHINGTON — O diretor da CIA, John Brennan, dirá ao Congresso durante uma sessão na quinta-feira que os extremistas do Estado Islâmico estão fazendo treinamentos e preparando operações com combatentes para realizar novos ataques no Ocidente, utilizando táticas de guerrilha para compensar suas perdas territoriais recentes no Iraque e na Síria.

De acordo com um discurso preparado por Brennan para a Comissão de Inteligência do Senado, o grupo está montando um aparato para “dirigir e inspirar ataques contra inimigos externos”, com base nos ataques recentes a Paris e Bruxelas.

“O EI tem um grande quadro de combatentes ocidentais que potencialmente poderiam realizar estes ataques”, diz uma seção do texto.

Outra ameaça que preocupa a CIA são os chamados lobos solitários, que agem de forma independente, sem comando de grupos terroristas. Ele afirmará que o grupo tem intensificado seus apelos por ataques nos países ocidentais, como os EUA e a França. O massacre que deixou 49 mortos na boate gay Pulse, em Orlando, é um exemplo visto como adequado ao citado por Brennan.

Enquanto executava o maior ataque armado da História dos EUA, o atirador Omar Mateen ligou para uma emissora televisiva local. Ele se identificou como o responsável pela tragédia e afirmou suas conexões com o Estado Islâmico em uma mistura de inglês e árabe, segundo um produtor da TV que atendeu ao telefone.

A poucos quilômetros da casa noturna, Matthew Gentili recebia diversas ligações de espectadores que tentavam descobrir o que acontecia. Dentre tantos telefonemas, ele relata que uma das conversas foi inesquecível.

— Você sabe sobre o tiroteio? — uma voz masculinha perguntou a Gentili.

— Sim, estou recebendo ligações. Estou ouvindo relatos de um tiroteio — o produtor respondeu.

— Sou o atirador. Sou eu. Eu sou o atirador.

Em seguida, Gentili diz que se tornou muito difícil entender o interlocutor. Ele falava rapidamente em uma mistura de inglês e uma língua que lhe parecia ser árabe fluente.

Quando o atirador voltou a falar em inglês, citou o jihadismo como sua motivação pelo crime. Ele se recusou a dizer de onde estava ligando.

— Eu fiz isso pelo Estado Islâmico — disse ele.

— Tem algo mais que você queira dizer? — respondeu Gentili.

— Não.

Mateen, então, desligou abruptamente o telefone. Embora agentes do FBI não tenham sido capazes de confirmar que tratava-se efetivamente do atirador, o conteúdo da ligação e o horário — logo após a conversa com a polícia — fazem sentido no contexto daquela noite, segundo os veículos de imprensa local que ouviram a gravação da conversa.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/cia-estado-islamico-prepara-taticas-de-guerrilha-para-atacar-ocidente-19516789#ixzz4BjzM9lWB
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Ex-chefe da CIA propõe utilizar Al-Qaeda contra Estado Islâmico

O ex-chefe da CIA David Petraeus disse nesta terça-feira que os Estados Unidos deveriam trabalhar com alguns membros da Al-Qaeda para enfrentar o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria.

Em uma declaração à CNN, Petraeus disse que alguns membros da Al-Qaeda, ligados ao grupo Al-Nosra, poderiam ser convencidos a lutar com os Estados Unidos contra o EI.

“Não devemos, sob qualquer circunstância, tentar cooptar a Al-Norsa, mas sim alguns combatentes individuais, considerando que o grupo atua hoje de forma mais oportunista do que norteado por razões ideológicas”.

Petraeus argumenta que combatentes dispostos a renunciar à Al-Nosra, ao Estado Islâmico e ao presidente sírio Bashar al-Assad poderiam ser chamados.

David Petraeus tornou-se um nome conhecido nos Estados Unidos depois de comandar tropas no Iraque em 2007. Na época, políticos americanos o apontaram como responsável por salvar o esforço de uma guerra conturbada.

Nessa operação, o general convenceu combatentes sunitas a abandonar a Al-Qaeda para trabalhar com militares americanos.

O anúncio feito nesta terça-feira ocorre depois de uma publicação do The Daily Beast apontando a ironia de os Estados Unidos trabalharem com pessoas ligadas à Al-Qaeda, grupo responsável pelos ataques de 11 de Setembro, que desencadearam a guerra ao terror declarada pelos EUA.

O jornal The Daily Beast afirmou que muitos oficiais americanos consideram a ideia de Petraeus politicamente problemática, quase impossível de ser implementada e arriscada do ponto de vista estratégico.

Petraeus disse à CNN que utilizar combatentes da Al-Nosra requer o surgimento de grupos de oposição muito mais moderados e, ao mesmo tempo, a intensificação da pressão militar sobre os grupos extremistas.

https://br.noticias.yahoo.com/ex-chefe-cia-prop%C3%B5e-utilizar-al-qaeda-estado-004148283.html

Assassinato de Mughniyeh Jihad interrompeu a tentativa de Irã e Hezbollah estabelecerem infra-estrutura de Terror na fronteira Síria

O ministro da Defesa de Israel, Moshe “Bogie” Ya’alon falou na quarta-feira sobre o assassinato de altos membros do Hezbollah e generais do IRGC em janeiro passado no lado sírio da fronteira de Golã, e como esse ataque foi fundamental para frustrar o Irã e Hezbollah na tentativa de definirem uma infra-estrutura de terror na área.

Entre os mortos estava Jihad Mughniyeh, o filho de Imad Mughniyeh, mentor terrorista falecido do Hezbollah que foi assassinado em Damasco, supostamente em uma operação conjunta do Mossad e da CIA.

O jornal israelense Maariv informou que um ano antes do assassinato de Jihad, ele foi nomeado pelo Hezbollah como um comandante de uma unidade especial destinada a realizar operações secretas contra Israel nas Colinas de Golã. O General Mohammad Ali Allah-Dadi, comandante sênior do IRGC também morto no ataque, serviu como “mentor. na unidade”

A decisão de estabelecer a unidade foi feito em conjunto entre a Maj. Gen. Qassem Soleimani, comandante do braço de operações externas da Guarda Revolucionária Iraniana ‘, a Força Quds, e Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hezbollah, Eles supervisionaram pessoalmente o seu progresso, de acordo com Maariv.

A meta inicial da unidade era estabelecer uma infra-estrutura no lado sírio da fronteira, a fim de realizar futuras operações contra Israel, e, com efeito, para abrir uma “segunda frente” contra o Estado judeu, além de uma no sul do Líbano .

A unidade era treinada extensivamente para incursões e ataques em Israel, tanto contra contra alvos civis e militares nas comunidades das Colinas de Golã.

Uma das outras pessoas envolvidas na unidade foi o infame Samir Kuntar, um libanês-druso que foi preso em Israel por muitos anos pelo assassinato de membros da família Haran em Nahariya, incluindo a filha de quatro anos de idade da família, Einat.

Kuntar foi liberto em 2008, em um acordo de troca de prisioneiros, e ao retornar ao Líbano, entrou no Hezbollah. Como parte de seu papel na unidade Kuntar foi responsável por lançar foguetes contra Israel a partir do lado da Síria das Colinas de Golã, enquanto a IDF estava lutando em Gaza durante o conflito do verão passado. Os foguetes não causaram vítimas ou danos.

Após o assassinato do jovem Mughniyeh mais jovem e seus associados, a unidade foi paralisada e não se sabe neste momento se o Hezbollah e o Irã estçao tentando restaurar a unidade ou reconstruí-la.

Os assassinatos ocorridos em 19 de janeiro estão sendo amplamente atribuídos a Israel, apesar de o Estado judeu não ter nem assumido a responsabilidade pela ação.

http://www.algemeiner.com/2015/04/01/jihad-mughniyeh-assassination-halted-hezbollah-iran-attempt-to-establish-terror-infrastructure-on-syria-border/

Diretor da CIA diz que Irã terá “enormes custos” se insistir em programa nuclear

“Creio que sabem que terão enormes custos, consequências e implicações se decidirem continuar”, disse Brennan em entrevista a uma rede de televisão.

As declarações do chefe da CIA ocorrem após a intensificação do diálogo entre o Irã e os representantes do Grupo 5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia mais a Alemanha), nas últimas semanas, para chegar a um acordo sobre o programa nuclear iraniano antes de 31 de março. Este fim de semana, o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, viajou para Londres a fim de analisar com os governos britânico, francês e alemão, os avanços conseguidos durante uma semana de negociações na Suíça sobre o programa nuclear do Irã.

Durante a entrevista, o diretor da CIA disse que os Estados Unidos têm “um número de opções disponíveis para evitar que o Irã consiga uma bomba atômica” e reiterou o compromisso expresso pelo presidente Barack Obama de evitar que Teerã desenvolva armas nucleares.

http://www.noticiasaominuto.com.br/internacional/89126/diretor-da-cia-diz-que-ir%C3%A3-ter%C3%A1-enormes-custos-se-insistir-em-programa-nuclear#.VRBOhvnF9ic

CIA: Irã não é aliado dos EUA na luta contra o ISIS

O impulso de Estado Islâmico no Iraque e na Síria (ISIS) foi reduzido e o grupo extremista não está “em marcha”, como  anteriormente, disse no domingo o diretor da CIA John Brennan.

“Claramente a expansão do ISIS no interior do Iraque e da Síria foi anulada, e foi parada. Assim, eles não estão em marcha como há vários meses “, disse Brennan no programa” Fox News Sunday “, usando um acrônimo para o grupo que apreendeu grandes regiões do Iraque e da Síria.

Os Estados Unidos e seus aliados têm realizado ataques aéreos contra o grupo por meses. Brennan também creditou às forças do governo iraquiano o esforço de paralisação dos avanços do Estado islâmico.

“O nosso trabalho com os iraquianos, e os iraquianos tentando expulsá-los do território está tendo um grande progresso.”

Brennan disse que, apesar de os Estados Unidos e Irã estarem lutando contra o grupo extremista, “eu não iria considerar o Irã um aliado”, na luta.

http://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/03/22/CIA-says-Iran-not-U-S-ally-in-fight-against-ISIS-.html

Ex-diretor da CIA chama a situação da Síria de ‘Chernobyl geopolítica’

O ex-diretor da CIA, o general David Petraeus, alertou sobre o conflito em curso na Síria, dizendo que a situação no país é como “uma Chernobyl geopolítica.”

Em comentários escritos para o Washington Post, o ex-general criticou a estratégia da administração Obama na Síria e no Iraque. “Até que seja destruído, ele vai continuar a vomitar instabilidade radioativa e ideologia extremista sobre toda a região”, disse Petraeus.

“Qualquer estratégia para estabilizar a região necessita, portanto, de ter em conta os desafios no Iraque e Síria. Não é suficiente dizer que vamos entendê-los mais tarde “, acrescentou.

A explosão nuclear de Chernobyl foi a maior catástrofe nuclear do século 20. Em 26 de abril de 1986, o reator número quatro de Chernobyl, que era então parte da União Soviética, explodiu. O incidente enviou uma nuvem de radiação em toda a Europa, prejudicando e matando milhares de pessoas.

Autoridades retiraram mais de 110.000 pessoas de suas casas como uma zona de exclusão de 30 km.

O Pentágono anunciou nesta quinta-feira que realizou 2.320 ataques aéreos contra o grupo terrorista ISIL no Iraque e na Síria desde agosto, atingindo cerca de 4.250 alvos a um custo de 1.830 milhões dólares americanos.

O Departamento de Defesa dos EUA disse que os ataques aéreos por forças americanas tinham como alvo tanques, infra-estrutura petrolífera e posições de combate.

A partir de 12 de março, o Pentágono gastou cerca de 1.830 milhões dólares nos ataques, uma média de cerca de 8.500 mil dólares americanos por dia, disse o porta-voz do Pentágono, o coronel do Exército Steve Warren.

Alguns analistas têm criticado a campanha militar aérea na Síria, dizendo que os bombardeios são destinadas a destruir a infraestrutura do país árabe e remover o presidente Bashar al-Assad do poder.

http://www.presstv.ir/Detail/2015/03/21/402764/Petraeus-Syria-geopolitical-Chernobyl

Documentos da CIA confirmam que invasão do Iraque foi injustificada

Investigação dos serviços secretos americanos é revelada depois de 13 anos. Palavras confirmam conclusões de inquéritos do Congresso e Senado.

 A guerra do Iraque não tinha justificativa. Esta é a conclusão que salta à vista graças a um relatório detalhado da CIA sobre o país e o antigo líder Saddam Hussein.

Segundo a agência de serviços secretos, o governo iraquiano não tinha acesso a qualquer tipo de armamento de destruição em massa ou armas biológicas, ao contrário do que defendia a administração Bush.

Não estava também provada a ligação entre as forças de Saddam Hussein e a Al-Qaeda, outra das justificativas encontradas e que acabou por convencer o Congresso a aprovar a invasão.

http://www.noticiasaominuto.com/mundo/364084/documentos-confirmam-que-invasao-do-iraque-foi-injustificadaório completo está disponível para consulta e download através deste link.

http://www.noticiasaominuto.com/mundo/364084/documentos-confirmam-que-invasao-do-iraque-foi-injustificada

Afeganistão usou verba da CIA em pagamento de resgate à Al Qaeda, diz jornal

Washington, 14 mar (EFE).- Fundos enviados pela CIA (agência de inteligência americana) ao governo aliado do Afeganistão foram utilizados por Cabul para pagar um resgate à Al Qaeda, revelou neste sábado o jornal americano “The New York Times”. Pelo menos US$ 1 milhão de fundos que a CIA repassava ao governo do ex-presidente afegão Hamid Karzai foram parar nos cofres da Al Qaeda devido ao pagamento de um resgate no valor de US$ 5 milhões para libertar um diplomata do país em 2010.

Funcionários envolvidos no pagamento do resgate disseram ao jornal que os primeiros pagamentos foram realizados com fundos que a CIA enviava a Cabul mensalmente.

A revelação foi feita com cartas de Osama bin Laden sobre atividades da Al Qaeda que foram encontradas em seu abrigo no Paquistão, no qual morreu após uma operação das forças especiais da Marinha americana em maio de 2011. Bin Laden comenta nas cartas que teme que a CIA descubra os detalhes do pagamento do resgate e possa impregnar o dinheiro com material radioativo ou substâncias tóxicas.

O diplomata afegão Abdul Jaliq Farahi, cônsul geral em Peshawar (Paquistão), foi libertado após dois anos em cativeiro devido ao pagamento de US$ 5 milhões, parte fornecida pelos governos de Afeganistão, Paquistão, Irã e estados do Golfo Pérsico. Altos cargos da Al Qaeda afirmam nas mensagens a Bin Laden que o dinheiro seria utilizado para adquirir armamento, comprar influências e despesas para operações clandestinas. As cartas foram reveladas após servirem como provas no caso contra Abid Nasser, condenado recentemente em Nova York por planejar um atentado terrorista no Reino Unido. EFE jmr/vnm

http://noticias.r7.com/internacional/afeganistao-usou-verba-da-cia-em-pagamento-de-resgate-a-al-qaeda-diz-jornal-14032015