Arquivo da tag: #corte

O jihadista de Londres ao cortar garganta de mulher gritou: “Isto é para Allah pare de viver essa vida”

“Quando você encontrar os incrédulos, ataca os pescoços …” (Alcorão 47: 4)

“Isto é para Deus, pare de viver esta vida”: o que os terroristas de Londres gritaram quando eles cortaram a garganta da vítima australiana em cenas “como um filme de terror” em um restaurante cheio onde com fúria mataram oito “, de April Glover e Max Margan, Daily Mail Austrália , 11 de junho de 2017:

Uma mulher australiana e seu parceiro que sobreviveram ao ataque terrorista de Londres descreveram o momento em que três terroristas jihadistas invadiram o restaurante onde eles trabalhavam.

Candice Hedge, 31, de Brisbane, teve a garganta cortada durante a fúria por três homens que atropelaram muitas pessoas em London Bridge no último sábado à noite antes de atacar pessoas inocentes com facas.

Oito pessoas morreram quando foram atacadas a faca por jihadistas gritando slogans islâmicos quando entraram em restaurantes atacando aleatoriamente qualquer um em seu caminho, antes de serem mortos a tiros pela polícia.

“Eles estavam dizendo:” Isto é para nossa família, isso é para Allah. Pare de viver essa vida “, disse Luke ao programa Sunday Night da Channel Seven.

A Sra. Hedge estava trabalhando no restaurante de Elliot no Borough Market perto da ponte, junto com seu namorado Luke.

Recordando a provação em sua primeira entrevista na mídia, ela descreveu como ela olhou seu atacante no olho segundos antes de ser esfaqueada.

“Ele olhou para mim e eu olhei para ele, realmente aconteceu tão rápido”, disse Hedge.

No momento em que ela foi ferida, ela disse: “Foi um rápido ir e foi isso. Eu estava vomitando sangue.

O terrorista cortou a garganta da Sra. Hedge, deixando um corte profundo que quase rasgou suas cordas vocais e a principal artéria.

“Eu podia sentir a quantidade de sangue e estava quente na minha mão”, disse ela.

‘E eu podia ver o quanto era e, você sabe, você vê filmes de terror – era assim. Eu estava pensando por um momento que não conseguiria fazê-lo.

A área que os terroristas atingiram foi cercada e nenhuma ambulância foi autorizada a entrar com medo, os ataques ainda estavam em andamento.

A Sra. Hedge foi forçada a dirigir-se para a ajuda médica a pé enquanto segurava um pedaço de pano na garganta sangrando.

“Eu estava pensando,” eu não quero morrer. Eu quero passar por isso. “E eu também queria sair daqui. Eu queria entrar em segurança “, disse ela.

https://www.jihadwatch.org/2017/06/london-jihadi-screamed-this-is-for-allah-stop-living-this-life-as-he-slit-womans-throat

Anúncios

ISIS corta água para civis em Mosul

Estado islâmico desliga o abastecimento de água para áreas de Mosul que podem ser liberadas pelo exército iraquiano para manter os civis sob controle.

À medida que o exército iraquiano avança em Mosul, o último baluarte do Estado islâmico no Iraque, o ISIS corta a água e a eletricidade de alguns dos distritos que em breve poderão ser libertados pelo exército iraquiano.

“[ISIS] corta a eletricidade para as estações de água que alimentam vários bairros onde as tropas iraquianas estão avançando”, disse à CNN Zuhair Hazem al-Jabouri, um funcionário da cidade de Mosul responsável pela energia e água. “Eles estão privando as pessoas de água potável no leste de Mosul. Eles querem forçar as pessoas a se retirarem com eles para usá-las como escudos humanos”.

A U.N. não conseguiu verificar independentemente os relatórios, mas disse que essa estratégia estava de acordo com a conduta do ISIS em outros lugares onde ele tem se esforçado para manter o controle sobre as populações civis, que não tem escrúpulos em usar como escudos humanos.

A situação humanitária foi agravada quando um dos principais canos de água da cidade foi atingido durante os combates. A perda da tubulação cortou a água a 650.000 pessoas, de acordo com Al-Jazeera.

Estamos enfrentando uma catástrofe humanitária “, disse Hussam al-Abar, membro do conselho provincial de Mineul em Nineveh.” Serviços básicos como água, eletricidade, saúde e alimentos são inexistentes “.

Estimativas do número de civis ainda dentro de Mosul variam de um milhão a 1,5 milhão de pessoas.

http://www.clarionproject.org/news/isis-cuts-water-civilians-mosul

Irã corta 90% do apoio a Jihad Islâmica Palestina

A República Islâmica do Irã cortou cerca de 90 % do seu apoio financeiro ao movimento palestino Jihad Islâmica, impelindo-o a fazer cortes salariais graves para os seus funcionários, Felesteen informou no domingo.

Apesar disso, líderes do movimento insistem que eles ainda têm boas relações com Teerã.

Segundo o jornal, as autoridades iranianas disseram que a relação com a Jihad Islâmica mudou de “aliado importante” para um “amigo para quem o Irã é incapaz de ter recursos a fim de pagar todas as suas necessidades.”

Um alto funcionário da Jihad Islâmica revelou a Alkhaleejonline.que as relações entre os dois lados se deteriorou cerca de cinco meses atrás. “As relações do Irã com a Jihad Islâmica se desgastaram quando a Jihad Islâmica se recusou a emitir uma declaração de apoio aos Houthis no Iêmen”, disse um funcionário anônimo. Ele insistiu que a posição da Jihad Islâmica em relação aos houthis e o apoio iraniano continua a mesma.

A crise financeira tem piorado ao longo dos últimos nove meses; salários integrais têm sido pagos com cinco meses de atraso, disse o funcionário. Ele ressaltou que a relação mais próxima da Jihad Islâmica com o Hamas, que é considerado como um “aliado não-desejado do Irã”, afetou a relação com Teerã.

Jihad Islâmica também teme que o novo braço xiita iraniano em Gaza, Movimento Al-Sabiroon, que tem apenas algumas poucas afiliadas, vá suplantá-la aos olhos do governo iraniano. Al-Sabiroon tem recebido fundos generosos do Irã e estes parecem ser às custas da facção palestina. Os esforços diplomáticos não conseguiram resolver o problema.

https://www.middleeastmonitor.com/news/middle-east/23278-iran-cuts-90-of-support-for-palestinian-islamic-jihad

 

Berlim sofre para acomodar imigrantes

Cortes de orçamento e crescimento da população afetam recursos da capital.

BERLIM, Alemanha — Em um trecho de calçada da capital alemã, famílias de imigrantes se amontoam sobre os cobertores, todas de olho em um portão alto de metal. Atendentes de colete amarelo vivo distribuem copos de chá para espantar o frio. Além do portão, no pátio de um complexo de prédios imponentes de um bairro badalado, está a versão alemã de Ellis Island, nos EUA, um posto de checagem para centenas de recém-chegados que se reúnem antes do raiar do dia para entregar seus pedidos de asilo. Muitos esperam mais de oito horas, diariamente, só para serem informados de que terão que retornar no dia seguinte.

“Sempre dizem ‘amanhã'”, lamenta Ezzat Aswam, 33 anos, de pé, no frio da madrugada, ao lado da filha de seis anos e do filho de oito. A família chegou à Alemanha há quatro meses.

O pátio também se tornou o símbolo da luta do país para impor alguma ordem na onda tumultuada de gente que chega às suas fronteiras diariamente: foram 758 mil nos dez primeiros meses, sendo 181 mil só em outubro.

Em uma nação conhecida pela eficiência, a experiência de passar pela Agência Nacional de Saúde e Bem-Estar Social, conhecida pela sigla em alemão LAGESO, pode ser, no mínimo, surpreendente. Muitos imigrantes arriscaram a vida para chegar até aqui e, de repente, se veem tendo que esperar atrás de barras de ferro, em um pátio de terra, por um número que o levará para uma nova fila.

A cena vai de caótica a perigosa. Há pouco tempo, cerca de duas horas antes de o centro abrir, uma ambulância teve que abrir caminho entre as dezenas de estrangeiros que se protegiam da friagem como podiam porque um homem tinha desmaiado e não se sabe se de frio ou de cansaço.

Policiais foram arregimentados para dar apoio aos seguranças depois que vários imigrantes se machucaram tentando entrar à força. E os boatos de que eles aceitam propina pipocam com insistência.

E foi daqui que um garotinho de quatro anos, da Bósnia, desapareceu em outubro – levado, segundo as autoridades, por um homem que confessou tê-lo sequestrado e matado. O menino e sua família, aliás, não estavam entre os milhares de imigrantes que chegaram à Europa nos últimos meses; aguardavam o resultado dos requerimentos que tinham preenchido há dois anos. Agora é dada como certa sua permanência.

“Caramba, estamos falando da Alemanha. Os caras têm um sistema para tudo. Tem que ter um jeito mais fácil”, diz Yazan Smair, estudante de 31 anos que fugiu da Síria há vários meses e conseguiu visto para ficar no país. Hoje é intérprete voluntário na porta do centro.

A verdade é que, mais especificamente, estamos falando de Berlim, onde os cortes de orçamento e o crescimento da população já afetavam os recursos desde muito antes da chegada dos imigrantes do Afeganistão, Síria e outros lugares. O ex-prefeito Klaus Wowereit, querendo atrair os tipos mais criativos, descreve a cidade como “pobre, mas sexy”, o que não quer dizer muita coisa pela experiência dos estrangeiros.

Em outubro, o atual prefeito, Michael Mueller, tentou convencer os moradores de que a capital era financeiramente estável a ponto de suprir as necessidades de todos.

“Temos muitos problemas sociais na cidade, não posso negar. Há desemprego, há sem-teto, mas contamos também com vários serviços sociais para ajudar quem precisa. Isso é muito importante para mim”, afirmou ele na rádio estatal RBB.

Só que o cenário na agência mostra uma cidade que está no limite, se não sobrecarregada.

Aqueles que melhor conhecem a situação – os voluntários que doam seu tempo e energia para alimentar, vestir e aconselhar os recém-chegados – temem que a Prefeitura não consiga lhes garantir o bem-estar.

“Temos que trabalhar muito, e rápido, senão vamos começar a ver o pessoal morrendo de frio”, explica Victoria Baxter, da Moabit Hilft, organização formada em meados do ano para ajudar os estrangeiros que eram largados horas a fio nas filas, sem água, nem comida suficientes.

O papel de Berlim como cidade-refúgio dominou grande parte de sua história pós-guerra: a porção ocidental serviu como tábua de salvação em plena Alemanha Oriental para os que fugiam do comunismo, principalmente nos anos 60; para os tâmeis que fugiam da guerra civil no Sri Lanka, na década de 80, e para os pacifistas da Alemanha Ocidental que queriam evitar o serviço militar obrigatório.

Só que a Europa não via uma onda migratória dessa magnitude desde a Segunda Guerra Mundial. Em Berlim, cidade com 3,5 milhões, mais de 62 mil chegaram em busca de segurança este ano.

Em agosto, a cidade reservou 3 milhões de euros (US$3,2 milhões) para a integração dos refugiados, o que inclui verba para aulas de alemão, transporte e serviços médicos, além da contratação e treinamento de mais pessoas para o processo de triagem.

O antigo prédio de um banco estatal foi reformado e transformado em um centro de registro integrado, inaugurado em outubro. Ali, os estrangeiros podem dar entrada no pedido de visto, passar por exames médicos e, eventualmente, já falar com o pessoal da Secretaria do Trabalho sobre possíveis vagas.

As autoridades municipais dizem que o novo sistema permite o processamento de até 700 registros/dia, em comparação com pouco menos da metade desse número em meados do ano, quando o volume começou a crescer.

“O processo de seleção está funcionando com força total; tomamos medidas essenciais para melhorá-lo”, garante Mario Czaja, responsável pela saúde e serviços sociais da cidade, na Radio Eins, que é estatal.

Entretanto, quem quer dar entrada no pedido de asilo ou garantir benefícios sociais, ainda tem que passar pelo pátio para dar início ao processo. Só os que estão chegando agora, de meados de outubro até hoje, estão qualificados para se beneficiar do novo sistema, deixando um acúmulo de milhares de pessoas, como Aswam e sua família, esperando nas instalações antigas.

Em novembro, o departamento instituiu novas regras para tentar acabar com a aglomeração na porta do centro, incluindo a permissão para que uma única pessoa registrasse a família inteira e a priorização daqueles que estavam à espera há mais tempo.

O afegão Toryalay Jamshidi, de 18 anos, conta que esperou cinco dias e noites para adquirir a pulseira de plástico cinza necessária para embarcar no ônibus para o novo centro de processamento. E diz que, durante a espera, alternou entre dormir na rua e em um quartinho.

Como as temperaturas caíram abaixo de zero, às mulheres e crianças foi permitido aguardar nas barracas aquecidas, mas os voluntários ainda temem que muita gente fique de fora, sem ter onde dormir.

Olivia Mandeau há meses é voluntária no turno da noite e ajuda a distribuir cobertores e roupas quentes, além de organizar abrigo emergencial para os que estão na rua.

“Em nenhum outro lugar da Alemanha há esse problema; todas as outras cidades dão um jeito de arrumar um cantinho para o pessoal”, lamenta ela.

“A crise não é de refugiados, mas sim da administração”, conclui.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/berlim-sofre-para-acomodar-imigrantes-18267314#ixzz3u8IKxBda

O Programa Mundial de Alimentos corta a ajuda aos refugiados sírios na Jordânia

Sem dinheiro, o Programa Mundial de Alimentos cortou metade da ajuda alimentar para a maioria dos refugiados sírios na Jordânia e diz que apenas uma doação de última hora dos EUA impediu o programa de ser desmantelado.

O anúncio de sexta-feira levanta novas preocupações sobre mais de meio milhão de refugiados que vivem em comunidades jordanianas, em vez de campos.

Em grande parte incapazes de trabalhar legalmente, a maioria dos refugiados urbanos vivem na pobreza e dependem de vales-alimentação para a sobrevivência.

Jordânia abriga 629.000 refugiados sírios, incluindo cerca de 100.000 em campos de refugiados. Dos restantes de refugiados urbanos, 440.000 têm estado a receber vales-alimentação.

Em agosto, o apoio para os mais vulneráveis ​​entre eles, ou cerca de 200.000 pessoas, cairá de US $ 28 a US $ 14 por pessoa, por mês e para o resto a partir de $ 14 a $ 7. Segundo o WFP, o financiamento não é assegurado para além agosto.

https://english.alarabiya.net/en/News/middle-east/2015/07/31/World-Food-Program-cuts-aid-to-Syrian-refugees-in-Jordan.html