Arquivo da tag: #diplomata

Diplomata do Qatar chamou motorista de “escravo negro” e “cachorro”

Abdullah Ali Al-Ansari, um diplomata do Qatar que atualmente trabalha como chefe do centro médico da embaixada do país em Londres, foi acusado de submeter Mahamoud Ahmed, de 79 anos, seu ex-motorista e agente noturno da organização, a abusos mentais e físicos em vários ocasiões durante anos.

O diplomata teria tratado o ex-motorista como um “escravo pessoal” que estava “de plantão 24 horas por dia, 7 dias por semana”, e ainda teria oferecido a Ahmed, que é cidadão britânico de origem somali, um suborno de 50 mil libras para desistir do caso de demissão injusta contra ele em uma tentativa de “comprar seu silêncio”.

Ahmed foi demitido da embaixada em 2013, mas foi impedido de processar o diplomata até decisão final de ação que derrubou a imunidade diplomática. Ele alega que sofreu discriminação racista e preconceituosa, deixado-o com a sensação de estar “na prisão”, afirmando que era repetidamente chamado de “velho”, “cachorro” , “sujo” e ” abd” (termo  em árabe que significa “escravo negro” ), ressaltando que foi fisicamente atacado duas vezes entre 2007 e 2013.

O ex-motorista disse que, após o segundo de dois supostos ataques físicos nas mãos de seu chefe, ele deixou a embaixada. A apreciação da denúncia de Ahmed foi adiada enquanto os tribunais ainda não tinham decidido se o pessoal de embaixadas estrangeiras tinha direito a direitos trabalhistas. No entanto, em 2017, a Suprema Corte determinou que era incompatível com a legislação europeia de direitos humanos que as embaixadas reivindicassem imunidade às leis trabalhistas.

Em pronunciamento oficial, o diplomata Al-Ansari e a embaixada do Catar negam todas as alegações e o processo tem continuidade no Tribunal de Trabalho do Centro de Londres.

Com imagem The National e informações The Telegraph

 

Mossad frustrou ataque terrorista na França planejado por diplomata iraniano

O serviço secreto israelense Mossad frustrou um ataque terrorista no mês passado, dando às autoridades da França, Alemanha e Bélgica informações que levaram à prisão de uma célula, liderada por um diplomata iraniano, que planejava bombardear uma manifestação de um grupo iraniano exilado.

O coordenador da operação, segundo o relatório, era um diplomata iraniano na embaixada austríaca em Viena, que foi preso na Alemanha, junto com dois cidadãos belgas e um suposto cúmplice na França.

Os membros da célula supostamente tinham equipamentos de comunicação e, de acordo com promotores belgas, o casal, descrito como “de origem iraniana”, carregava 500 gramas do explosivo TATP junto com um dispositivo de detonação quando um esquadrão de elite os localizou em um bairro residencial de Bruxelas.

Com imagem e informações The Times of Israel

Alemanha Acusa Diplomata Iraniano Preso de Tramar Ataque Terrorista

Um diplomata iraniano suspeito de envolvimento em uma conspiração para realizar um ataque a bomba em uma manifestação da oposição iraniana na França foi acusado na quarta-feira de atividade como agente estrangeiro e conspiração para cometer assassinato.

Assadollah Assadi, um diplomata iraniano estabelecido em Viena, é suspeito de contratar um casal na Bélgica para atacar uma reunião anual de um grupo de oposição iraniana no exílio em Villepinte, perto de Paris, disseram os promotores federais alemães.

Ele supostamente deu ao casal baseado em Antuérpia um dispositivo contendo 500 gramas do explosivo TATP durante uma reunião em Luxemburgo no final de junho, disseram os promotores em uma declaração por escrito.

Assadi foi preso no início deste mês perto da cidade alemã de Aschaffenburg, com uma ordem européia depois que o casal com raízes iranianas foi preso na Bélgica e as autoridades relataram ter encontrado explosivos poderosos em seu carro.

Em sua declaração, promotores alemães alegam que Assadi, que foi registrado como diplomata na embaixada iraniana em Viena desde 2014, foi membro do serviço de inteligência iraniano “Ministério da Inteligência e Segurança”, cujas tarefas “incluem principalmente a observação intensiva e a luta contra grupos de oposição dentro e fora do Irã “.

O chanceler iraniano, Javad Zarif, classificou as acusações de conspiração extremista fracassada como um estratagema.

As autoridades belgas também acusam Assadi de fazer parte de uma suposta conspiração para lançar explosivos em uma manifestação do grupo Mujahedeen-e-Khalq, ou MEK, na vizinha França, e querem que ele seja extraditado.

Promotores alemães disseram que a investigação não prejudicaria o pedido de extradição da Bélgica para o suspeito.

O MEK é um grupo de oposição iraniana exilado baseado principalmente em Paris e na Albânia. O grupo, anteriormente armado, foi retirado das listas de terrorismo dos Estados Unidos e da União Européia há vários anos.

Com imagem Terror Alert e informações Israel Notícias

Duas nepalesas acusam diplomata saudita de estupro na Índia

Mulheres, de 30 e 50 anos, disseram que ele as agrediu em várias ocasiões.
Equipe de policiais as resgatou na segunda-feira na casa do diplomata.

Duas empregadas domésticas nepalesas acusam um diplomata saudita de tortura e estupro em sua residência nos arredores de Nova Délhi, indicou nesta quarta-feira (9) um funcionário da polícia.

As mulheres, de 30 e 50 anos, apresentaram uma denúncia contra o diplomata que, segundo elas, as agrediu sexualmente em diversas ocasiões, disse Rajesh Kumar à agência France Presse.

Uma equipe de policiais as resgatou na segunda-feira na casa do diplomata na cidade de Gurgaon, nos arredores de Délhi, depois que uma terceira empregada alertou uma ONG, disse.

“Abrimos uma investigação por estupro, sodomia e sequestro após a denúncia”, explicou Kumar.

As mulheres declararam que alguns dos convidados do diplomata também as estupraram, razão pela qual as autoridades também investigam um estupro coletivo.

A embaixada da Arábia Saudita ainda não pôde ser contactada pela AFP.

A polícia ainda precisa determinar se o diplomata goza de imunidade diplomática antes de prosseguir com a investigação.

Uma das mulheres declarou ao canal de televisão NDTV que elas permaneceram sequestradas durante quatro meses na residência de Gurgaon.

“Nos estupraram e prenderam, não tínhamos nada para comer. Quando quisemos fugir, nos maltrataram”, disse com o rosto coberto por um véu para não ser identificada.

Milhares de nepaleses abandonam todos os anos seu país para trabalhar no exterior como empregados domésticos ou operários no setor da construção. Viajam principalmente à Índia e aos países árabes e, segundo várias ONGs, frequentemente são vítimas de abusos por parte de quem os contratam.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/duas-nepalesas-acusam-diplomata-saudita-de-estupro-na-india.html