Arquivo da tag: #drogas

Radicalização e poligamia: relatório adverte sobre ‘Sociedade Paralela’ em cidade sueca

Um relatório municipal sobre o distrito de Brandkärr, em Nyköping, despertou o alarme sobre a islamização em curso, mas os habitantes locais da área dominada pelos somalis desafiaram a tomada das autoridades como “exagerada”, negando algumas de suas descobertas mais preocupantes.

 

De acordo com um relatório recente, a área de Brandkärr na cidade sueca de Nyköping está a caminho de se tornar uma sociedade paralela, com sintomas de radicalização como a poligamia, escolas corânicas e meninas de apenas 2 anos forçadas a usar hijabs, informou a Rádio Sueca. .

O relatório Brandkärr identificou a poligamia como uma ocorrência comum na área, onde 60% dos habitantes têm origem estrangeira. Além disso, foram observados casos da Lei da Sharia e da polícia moral, incluindo meninas de apenas dois anos sendo forçadas a usar o véu islâmico e se abster de jantares escolares por motivos religiosos. O relatório também observou uma alta concentração de imãs, com as escolas do Alcorão consumindo muito tempo das crianças.

Constatou- se que os somalis constituem 60% dos escolares e mais de 90% dos pré-escolares, com o somali tornando-se cada vez mais o idioma padrão e a “monocultura” minando a missão pedagógica e resultando na dificuldade do pessoal em compreender as crianças.

LEIA MAIS: ‘Aplicação do Hijab’ em pré-escolas em ‘áreas vulneráveis’ provocam indignação na Suécia

Por fim, descobriu-se que Brandkärr tornou-se cada vez mais isolado do resto de Nyköping. Outro problema associado ao distrito foi a escalada do tráfico de drogas, incluindo o uso de khat, uma substância controlada comumente usada na África Ocidental.

Estou preocupado. Aparentemente, a radicalização aqui em Brandkärr foi longe demais”, disse Jan Bonnier, vice-presidente conservador do Comitê de Educação, Trabalho e Integração do município à Rádio Sueca.

O relatório, que fazia parte dos procedimentos de avaliação para o trabalho de integração continuada, foi baseado em entrevistas em profundidade com 26 pessoas, a maioria funcionários municipais, bem como policiais e representantes da autoridade habitacional local. Foi originalmente compilado em novembro passado, mas só ganhou atenção da imprensa recentemente.

LEIA MAIS: Muçulmano na TV fazendo kebab durante a festividade do solstício de verão provoca indignação na Suécia

De acordo com Björn Littmarck, um dos autores do relatório, o município está em um cruzamento.

Se estamos trabalhando com integração agora e fazendo um bom trabalho, então a Suécia e a Alemanha se tornarão grandes vencedoras. Temos uma população jovem, e é exatamente disso que precisamos. Mas se não conseguirmos trabalhar bem com a integração, fica difícil “, avisou Littmarck.

Urban Granström, presidente social-democrata do conselho municipal, destacou que os resultados devem ser levados a sério.

A Associação Somali, no entanto, argumentou que as conclusões do relatório foram exageradas e forneceram uma imagem distorcida. Seu representante Shek Mahad  negou a presença da “polícia da moralidade”, ressaltando que o desemprego e a moradia foram os principais problemas que assombravam a área.

LEIA MAIS: Político sueco critica a assimilação, pede mais afro-suecos no poder

Nyköping tem mais de 30.000 habitantes e está localizada no condado de Södermanland, ao sul de Estocolmo. Nos anos 2003-2017, a população de Brandkärr aumentou de 1.000 para 4.500, com o percentual de imigrantes dobrando.

Com imagem e informações Breibart

Egyptian Foreign Ministry Blasts New York Times for ‘Giving Veneer of Legitimacy’ to Gaza Smugglers

A spokesperson for Egypt’s Ministry of Foreign Affairs attacked the New York Times on Friday for publishing an article that it said evokes sympathy for smugglers in the Gaza Strip and gives legitimacy to their tactics.

The piece in question was published by the New York Times on Wednesday and was titled, “As Egypt Floods Gaza Tunnels, Smugglers Fear an End to Their Trade.” The article profiles Gaza smugglers who are fearful that efforts by the Egyptian government to limit illegal smuggling across the Gaza-Sinai border could “spell doom for their trade.” The first paragraph of the article includes a quote from a worried smuggler who said, “This is the end for us.”

Writing on the Foreign Ministry’s blog, spokesperson Ahmed Abu Zeid said the article is “audaciously intended” to leave the reader sympathetic to the smugglers. By referring to their illegal activity as “trade,” the New York Times is “trying to obfuscate reality, giving a veneer of legitimacy to what is essentially an illegal practice condemned by international and domestic law,” Zeid wrote.

He wondered if the New York Times is unaware that it is every country’s “sovereign prerogative” and “international duty” to defend and secure its borders against illegal smuggling.

“What if that smuggling was taking place through clandestine, hidden, underground tunnels that can neither be monitored nor controlled?” he asked. “Would that not make the issue all the more urgent?”

Zeid also blasted the Times for attempting to frame Egypt as responsible for the decline of Gaza’s economy, and the rise of unemployment, poverty and constant power cuts. The accusations are “nothing short of absurd,” he said, adding that advocating for an “underground, illicit economy” is not the way to help Palestinians.

Zeid said the article is “deliberately oblivious” to the fact that the Gaza tunnels pose a threat to Egypt’s national security, because they help fuel and supply terrorists in the Sinai.

“After all, if commodities can be smuggled undetected across a border, what is to stop weapons, human beings and historical and cultural artifacts from being smuggled in the same way?” he asked. “There is plenty of evidence that narcotics and human traffickers have repeatedly exploited the tunnels. Convicted criminals are known to have escaped through them. Weapons and firearms are constantly being smuggled across them… Is this the kind of lawlessness the NYTis advocating?”

In conclusion, Zeid accused the Times of biased reporting, intent on “discrediting Egypt’s image in any possible way, for any possible reason.” He charged the publication with misleading and deceiving its readership, a feature he believes is prominent in all its reportage on Egypt.

“This time,” he wrote, “the paper has gone a step further, advocating what would amount to a situation of lawlessness and chaos.”

http://www.algemeiner.com/2015/10/11/egyptian-foreign-ministry-blasts-new-york-times-for-giving-veneer-of-legitimacy-to-gaza-smugglers/