Arquivo da tag: #escola

Massacre em Suzano: a banalização do terrorismo

Por Andréa Fernandes

Nessa quarta-feira, mais uma tragédia abala o Brasil. Em que pese não tenhamos dados precisos sobre o que a polícia chama de “motivação” para o fuzilamento a esmo de estudantes e funcionárias da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), pelos ex-alunos Guilherme Taucci,  de 17 anos e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, brotam de todos os cantos “humanistas” defensores do “fortalecimento da agenda desarmamentista”, inclusive, no parlamento.

Esses “humanistas” fantasiados de “jornalistas paz e amor” e “acadêmicos isentões” já estão explorando a aflição das famílias vítimas da barbaridade e manipulando matérias e artigos de jornal com “maestria quixotesca”, sendo auxiliados pelos seguidores do “ódio do bem” nas mídias sociais, muitos dos quais acusam o presidente Jair Bolsonaro pelo ato criminoso em virtude do Decreto para flexibilização da posse de armas.

A colunista do jornal O Globo” Bela Megale afirma que “o monitoramento  de algumas áreas do governo federal já mostra que, nas redes sociais, a tragedia que aconteceu nesta manhã em Suzano (SP) e deixou ao menos 10 mortos e 16 feridos está sendo vinculada ao decreto que facilitou a posse de armas de fogo”, o que NÃO foi confirmado pelo governo, já que o objetivo da imprensa é “vender esse peixe podre”[1].

Aliás, cabe uma necessária divagação: a grande mídia vem promovendo uma nefasta CAMPANHA DIFAMATÓRIA, e em alguns casos, CALUNIADORA, contra o presidente Jair Bolsonaro, sendo que no episódio de ontem, o foco deixou de ser o suspeito do assassinato da vereadora Marielle, o policial reformado Ronie Lessa, pelo simples fato de ter sido preso em imóvel localizado no mesmo condomínio do presidente[2]. Assim que a “orquestra midiática progressista” noticiou o evento tendo Bolsonaro como “ator principal”, deu-se início ao “fuzilamento de reputação” nas mídias sociais. Acredito que, em virtude do “descaso” do Ministério Público em relação à referida “campanha de ódio” que, volto a repetir, assume em diversas ocasiões tipologia penal, a tendência será “criminalizar ações do presidente” ad eternum. Infelizmente, no Brasil, o  “MP fiscal da lei”, em algumas situações, parece estar mais interessado em “fiscalizar as ações da família Bolsonaro” do que as ações criminosas perpetradas contra o presidente.

Logo, deixando de lado a conduta temerária de jornalistas inescrupulosos que usam a perigosa arma da “desinformação” para “mortificar” qualquer possibilidade de reação da opinião pública frente às pautas que “gangrenam” o tecido social, cumpre trazer informações concretas sobre a criminosa “tragédia” que chocou o país, e para tanto, lembro que cabe ao jornalista não especializado em “segurança”, apenas NARRAR OS FATOS, e logo após o acontecimento acionar os “especialistas” para apresentação de “pareceres”, que certamente podem ser mudados com a apuração dos indícios e materialidade do crime. Foi isso que fiz…

Ataque a tiros ou terrorismo doméstico???

Segundo o jornalista Matheus Lisboa, especializado em geopolítica, defesa e segurança, o crime em São Paulo foi um caso de “terrorismo doméstico” centrado na figura do “lobo solitário”. Em sua rede social, Matheus cita o livro “O Fim do Poder” escrito por Moisés Naim, ex-ministro da Venezuela no período que antecede à Hugo Chaves. Salienta o jornalista que não adianta relativizarem o óbvio tentando “culpar” jogos eletrônicos ou motivações estritamente pessoais, e nem deduzir que a “idade” não deve ser levada em consideração.

Em maio/2018, Matheus cotejou magistralmente o denominado “tiroteio em massa” ocorrido na Austrália – onde três adultos e 4 crianças foram assassinados por um suicida – e outros assassinatos com o mesmo modus operandi. O texto se aplica ao evento criminoso de São Paulo, e vale a transcrição:

“Acabei de ver mais uma notícia de tiroteio em massa na Austrália, dessa vez ferindo 7 pessoas. Não pude deixar de lembrar de um livro que ando lendo, relendo e recomendando constantemente. O livro chama-se “ O fim do Poder” escrito por Moisés Naim, ex ministro da Venezuela durante a era pré Chavez, em seu livro Naim nos explica que o Poder não mais se concentra em grandes impérios , territórios e países apenas, mas sim que ele ( o poder), está sendo diluído e reformulado em especial pelas diversas mudanças sociais e tecnológicas que estamos vivendo nos últimos anos. 
Tá… Mas o que isso tem  a ver com o massacre na Flórida e de tantos outros que vêm ocorrendo ? Eu respondo. 
Em um dos capítulos do livro, Naim fala sobre como as guerras vêm sofrendo uma importantíssima modificação em suas dinâmicas; desde o fim da Segunda Guerra Mundial, os exércitos não mais têm se organizado em imensas frentes de batalhas com centenas de fileiras, ou se envolvendo em guerras de proporções globais. O que vem acontecendo é justamente o contrário, as Guerras continuam a existir, porém são travadas de forma diminuída, dissimulada e assimétrica, e não mais em campos de batalha, mas sim em pequenos grupos capazes de empreender enormes estragos em grandes e bem estruturados exércitos ou potências militares, vide as ações Jihadistas no Oriente Médio ou mesmo as ações das organizações criminosas, e não mais facções que atuam de forma assimétrica nas favelas do Rio. Temos aí uma modificação no uso das teorias de Clausewitz e outros teóricos de guerra tão largamente utilizados nas academias militares. 
E aqui está o link que quero fazer. Se esses exércitos menores conseguem infringir grandes baixas de forma dissimulada e em especial descentralizada, temos então o encaixe perfeito para o surgimento dos chamados “Lobos solitários” ou “atiradores em massa”, justamente por não precisarem da formalidade da Guerra e terem a seu dispor um sistema complexo, e ao mesmo tempo difuso, através da informação e circulação cada vez mais ampla de capitais, pessoas e até mesmo estímulos e ideologias através dos processos da Globalização; temos visto e veremos com mais e mais intensidade ações como a desse tipo, não apenas por sua facilidade logística, mas também por sua dificuldade de detecção, via meios formais dos sistemas criminais e de segurança, tendo apenas como recurso com maior probabilidade de acerto as ações e serviços de inteligência.”

Polícia reverbera velha ladainha copiada da Europa de atentado promovido por “doentes mentais”

Contudo, como bem sabemos, as “investigações” da polícia não serão divulgadas, exatamente como aconteceu no caso do “terrorista de Realengo”, o que será “terreno fértil” para as “especulações desinformativas”, auxiliadas pelos próprios policiais, que nesse ponto, são excelentes “imitadores” da “tese vitimizante” da polícia europeia, que em casos semelhantes, de antemão chama os criminosos de “loucos” antes de qualquer avaliação psiquiátrica. O comandante geral da PM, coronel Marcelo Vieira Salles, anuncia no auge da “incoerência leniente”: “Em 34 anos de polícia nunca vi nada igual. Um ATENTATO de alguém que não tem o domínio de suas faculdades[3]”.

O “coronel  assustado” reconhece indícios de ATENTADO, mas já possibilita a “defesa” dos cadáveres-terroristas como “deficientes mentais”, tese esplêndida para os “desarmamenistas” culparem a “sociedade opressora” de indiretamente – através da eleição de Bolsonaro – ter assassinado as “verdadeiras vítimas da tragédia”: os “inocentes agressores” vencidos pela “doença” e facilidade de obtenção de armas.

“Massacre de Realengo”: o terrorista muçulmano “acusado” de ter “motivação cristã” para o atentado

Inobstante a “retórica policialesca” do coronel, não posso abandonar o dever de expor a má-fé da grande mídia ao relembrar do “ataque a tiros” em abril de 2011, promovido por ex-aluno da Escola Municipal Tasso da Silveira, em bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro[4]. Doze adolescentes foram mortos e outros doze ficaram feridos no “massacre de Realengo”, que culminou com o suicídio do “atirador”. A “motivação” do crime foi “sepultada” como bullying e o jornal ‘O Globo’ aproveitou o ensejo para reforçá-la. Não é bem assim… vamos à “necrópsia do cadáver do terror”?

O factoide “massacre de Realengo” teve uma série de profissionais envolvidos para massificar o escamoteamento do atentado terrorista perpetrado por muçulmano. Psiquiatras não poderiam deixar de ofertar sua “contribuição” e elaboraram artigo para analisar o perfil psiquiátrico de Wellington, intitulado “Considerações sobre o Massacre de Realengo[5]”, no qual citaram especialistas que afirmavam que o assassino seria “esquizofrênico”. Porém, o profissional mais centrado, um psicanalista forense entrevistado pelo Estado de São Paulo vaticinou:

Apesar de ver nele algum desequilíbrio e embora o conteúdo do discurso dele parecesse distorcido, não creio que estivesse claramente psicótico, ou seja, que tivesse uma perda plena de juízo, sendo totalmente incapaz de diferenciar realidade de fantasia. E dar um diagnóstico qualquer sem tê-lo examinado a fundo (ou sem ter elementos suficientes) seria CHUTE (BARROS, 2011).

Contudo, os psiquiatras reconheceram que “a superficialidade e a mistura de ideias que mais são apelos chamativos, podem ser mais bem compreendidas a partir DA ANÁLISE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMO A INTERNET E DA PROPAGANDA DE MASSA, do que a partir de diagnósticos psiquiátricos”. Ou seja, foi no ambiente onde Al-Qaeda e outros grupos terroristas islâmicos recrutavam livremente seus “jihadistas”, que se desenvolveu a verdadeira “patologia mental” que levou Wellington a executar covardemente os alunos da escola.

Comunista Leonardo Boff culpa tacitamente o Cristianismo pelo ataque do muçulmano

No “relatório encomendado” pelo ativismo ideológico, a tentativa pueril de afastar o Islã da “motivação” de um ataque terrorista efetivado por um muçulmano brasileiro, sobrou a “culpa” pelo comportamento violento para o “Cristianismo”. E a “bisonhice intelectual” deságua na seguinte assertiva medíocre fundamentada nas “análises” da extrema-imprensa:

“A mistura de crenças religiosas levou o jornal Clarín, por exemplo, a afirmar que o autor concluía sua carta de suicídio “com pedidos de um típico fiel católico” (CLARÍN, 2011). O teólogo Leonardo Boff, por exemplo, lembrando o ponto em que o autor da carta cita a segunda vinda de Jesus, afirmou que Wellington “não se liga à religião judaica, muçulmana, nada disso. Ele é da tradição judaico-cristã” (GLOBO.COM, 2011). De fato, apesar da importância dada pela mídia às conexões com muçulmanos fundamentalistas, assim como seu apreço pelo grupo terrorista Al-Qaeda e também por causa de imagens em que aparece com uma longa barba, sua página pessoal no site de relacionamento Orkut continha temas religiosos e passagens de livros da Bíblia, como Ezequiel e Eclesiastes (WIKIPEDIA, 2011). Wellington também termina sua carta de suicídio num referencial tipicamente cristão”.

Nem dá para imaginar algo diferente de um teólogo comunista como o Boff afirmar que Wellington “se liga ao Cristianismo” e não ao Islã, e o fato do Orkut ter passagens de livros do Antigo Testamento deu “bug” na mente dos “psiquiatras-teólogos”. Então, cabe explicar aos “infiéis ignorantes” a doutrina que desconhecem: o sheik Ali Abdune, do Centro Islâmico de São Bernardo (SP), afirma “reconhecemos o Antigo e Novo Testamento como parte da mensagem divina[6]. Assim, qual o problema de um muçulmano postar passagens bíblicas?

Quanto à sandice para explicar o “perfil cristão” do terrorista muçulmano embasado na ideia de que “também termina sua carta  de suicídio num referencial tipicamente cristão”, é importante ressaltar que, assim como o Cristianismo, guardadas as especificidades doutrinárias, o Islã também aguarda o retorno de Jesus no fim dos tempos. Contudo, o encerramento da questão se dá com uma evidência oculta aos olhos de muitos: ativistas muçulmanos no Ocidente têm usado a “estratégia” de alegar que “adoram o mesmo Deus que os cristãos”, a fim de ganhar legitimidade e aceitação; inclusive, usam o nome “Deus” substituindo “Allah” em muitas traduções do alcorão.

As estratégias da “mentira muçulmana” desconhecidas no país dos massacres disfarçados de “bullying

Dessa forma, Wellington estava apenas utilizando a MENTIRA. Ocidentais acreditam que seus valores de “verdade” e “justiça” são unanimidade. Estão enganados. Vejamos as 6 estratégias usuais de MENTIRA apregoadas pelo Islã como “doutrina” que sedimenta suas ações em países onde os muçulmanos são minoritários. São elas:

Taqiyya  (muda’rat) – dizer algo que não é verdade.

Kitman – mentira por omissão. Um exemplo seria quando apologistas muçulmanos citam apenas um fragmento do verso 5:32 (se alguém mata “seria como se tivesse matado toda a humanidade”), deixando de mencionar que o restante do versículo (e no próximo) ordena o assassinato em casos indefinidos de “corrupção” e “mal comportamento”.

Tawriya – enganar o kafir (infiel) sendo ambíguo.

Taysir – enganar o kafir ao mostrar uma certa flexibilidade e não observar todos os princípios da Sharia (lei islâmica).

Darura – enganar por necessidade, ou seja, fazendo algo que seja “Haram” (proibido)

Muruna – a suspensão temporária da Sharia, permitindo que imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”. Então, através do princípio da Hégira (imigração muçulmana), os primeiros muçulmanos são como uma espécie de “Cavalo de Troia”. A comunidade káfir (Não muçulmana) fica com a falsa impressão de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tem ganhado força.

Quem não lembra das “orientações” do Estado Islâmico na revista “Dabiq” solicitando seus “jihadistas” que ingressaram na Europa como “imigrantes” a deixarem de frequentar mesquitas e utilizar bíblias no interior das igrejas?

Mas, os “psiquiatras bitolados” preferiram repetir a importância dada pela imprensa de que sua mãe adotiva seria uma fanática evangélica, a partir de cuja influência ele teria passado ao fanatismo originário de outra religião, a mistura de crenças pouco sólidas de Wellington também nos parece muito mais fruto de uma racionalização extrema, que justificasse pra si e para os outros seu comportamento assassino, do que a adesão a alguma prática religiosa.

Imprensa obcecada em ocultar o óbvio: Wellington era fascinado por terrorismo

Os depoimentos de parentes e amigos do terrorista mostrando o que rotulam como “obsessão” que Wellington nutria pelos atentados de 11 de Setembro; os MANUSCRITOS divulgados pelo Fantástico[7] que fazem MENÇÃO a um GRUPO em que participava com 5 ORAÇÕES DIÁRIAS e LEITURA DO ALCORÃO, a citação de dois estrangeiros Abdul e Philip, com os quais mantinha contato, sendo certo que nos manuscritos constavam, segundo a reportagem, OBSESSÃO POR ATENTADOS TERRORISTAS, e o próprio sobrinho divulgando que ele teria um “orientador espiritual”, dentre tantas EVIDÊNCIAS, mas NADA foi capaz de mostrar aos “submissos psiquiatras” que a conclusão que lhes “caiu bem” – simplório “FETICHISMO PELO ISLÔ – é um ataque mortal à inteligência mediana.

“Fetichismo pelo Islã” ou fiel seguidor do Islã ortodoxo?

Se os ignorantes pesquisassem os ensinamentos da Universidade Al-azhar, no Egito, fonte doutrinária dos terroristas sunitas, saberia que BASTA declarar a SHAHADA[8] (confissão de fé) e o ocidental infiel se torna um legítimo muçulmano. Disse o sheik Ahmed Al Tayeb, ao se negar a denunciar o Estado Islâmico como apóstata[9]:

“Al Azhar não pode acusar nenhum [muçulmano] de ser um  kafir  [infiel], contanto que ele acredite em Allah e no Último Dia – mesmo que ele cometa todas as atrocidades…”

Uma vez tendo declarado incontestavelmente a SHAHADA, Wellington era sim, um muçulmano, independentemente de utilizar estratégia de mentira para enganar os “infiéis” utilizando símbolos cristãos, e sendo apologista do grupo terrorista “Al Qaeda, também deveria ter sido considerado um autêntico “terrorista” que não somente seguiu todo o comando de ataques conhecidos executando suas vítimas indefesas, bem como orientando sobre o seu sepultamento. Seriam muitos os tópicos a serem abordados comprovando a ação terrorista, porém, creio que os delineados bastam!

Bullying ou terrorismo: o que diz a lei?

Quando estava finalizando o artigo, recebi do jornalista Matheus links mostrando que sua tese é verdadeira: os adolescentes assassinos integravam um grupo que a imprensa rotula como “extremista”, conhecido como Dogolochan[10], onde são discutidos publicamente a prática de crimes, violação de direitos humanos, além de racismo e misoginia. Foi lá que eles conseguiram as “dicas” para promover a atrocidade.

Agora, convido ao prezado leitor se debruçar sobre o artigo 2º, da Lei nº 13.260/16[11]:

Art. 2o  O terrorismo consiste na prática por um ou mais indivíduos dos atos previstos neste artigo, por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião, quando cometidos com a finalidade de provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a incolumidade pública.

Só não espere da imprensa o comprometimento com a “verdade”… Os terroristas cumpriram a sua “missão”: provocaram “terror social” e a mídia se refugia como “animal acuado” na caverna da desinformação. Enquanto jornalistas despreparados exploram a sensibilidade da opinião pública sem informá-la de forma escorreita, nos “chans”, os “terroristas vitimizados” pela sociedade opressora são considerados “heróis” com celebração[12]. Aliás, um dos criadores do grupo, Marcelo Valle Silveira Mello, foi condenado a 41 anos de prisão por associação criminosa, divulgação de imagens de pedofilia, racismo, coação, incitação ao cometimento de crimes e TERRORISMO cometidos na internet.

De modo que, um dos  fundadores do “grupo extremista” que supostamente teria “orientado” os assassinos foi CONDENADO por “terrorismo”, tornando o CRIME uma das ações do “grupo”, mas a “imprensa solidária aos criminosos sanguinários” trata o caso como “bullying colhendo diversos “depoimentos” do “sofrimento” imposto aos “bárbaros terroristas”. Nesse caso, a pauta está “fechada”: nega-se o protagonismo das vítimas mortas a tiros e machadadas. O “desespero” ocasionado pelo bullying  é suficiente para transformar “pacatos jovens” em “agressores”.

Que siga o “baile macabro” da “mentira midiática” em respeito aos “terroristas” que celebram incólume o sangue de suas vítimas!

Andréa Fernandesjornalista, advogada, internacionalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires.

Imagens  Veja e Eu Rio (edição Diego Araújo)

[1] https://blogs.oglobo.globo.com/bela-megale/post/monitoramento-de-governo-mostra-que-redes-sociais-ligam-tragedia-em-suzano-decreto-de-armas-assinado-por-bolsonaro.html

[2] https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/03/12/suspeito-de-matar-marielle-mora-em-condominio-de-bolsonaro-no-rio.htm

[3] https://oglobo.globo.com/brasil/ataque-tiros-deixa-ao-menos-dez-mortos-em-escola-de-suzano-na-grande-sao-paulo-23517682

[4] https://oglobo.globo.com/brasil/relembre-outros-ataques-que-aconteceram-no-brasil-23297146

[5]http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372012000100003

[6] https://super.abril.com.br/historia/a-palavra-de-deus/

[7] https://www.youtube.com/watch?v=WPW5R0E5J3U

[8] (Eu testemunho que não existe deus além de Allah e de que Muhammad é Seu Profeta e Mensageiro) – http://www.islambrasil.com/br/infusions/guest_book/guest_book.php?rowstart=440

[9] https://www.raymondibrahim.com/2016/08/23/dr-ahmed-al-tayeb-meet-the-worlds-most-influential-muslim/

[10] https://noticias.r7.com/sao-paulo/em-forum-extremista-atiradores-pediram-dicas-para-atacar-escola-13032019

[11] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13260.htm

[12] https://www.vice.com/pt_br/article/qvya87/nos-chans-ja-se-celebra-o-massacre-na-escola-de-suzano

Malásia: polícia prende diretor de escola islâmica por sodomizar estudantes

O diretor de um centro tahfiz (escola islâmica) em Kepong foi detido pela polícia por supostamente sodomizar nove estudantes da escola.

O vice-chefe de polícia de Kuala Lumpur, Zainuddin Yaacop, disse que o suspeito de 30 anos foi preso um dia depois que a polícia recebeu um relatório de um professor no centro em 13 de setembro.

Ele disse que o relatório alegou que as vítimas tinham entre 11 e 16 anos.

“Os estudantes tahfiz informaram ao queixoso sobre os atos do suspeito de 30 anos que é o diretor do centro de tahfiz.

“Acredita-se que o suspeito tenha molestado e sodomizado todas as vítimas e o caso está sendo investigado de acordo com a Seção 14 da Lei de Ofensas Sexuais Contra Crianças, de 2017”, disse ele em um comunicado.

Zainuddin instou a opinião pública a ajudar com qualquer informação sobre o caso a relatar à polícia.

A cooperação pública é vital para garantir o bem-estar e a segurança das pessoas e do país“, disse ele.

Enquanto isso, de acordo com fontes policiais, todos os nove estudantes foram levados para a sede da polícia de Kuala Lumpur para terem suas declarações registradas antes de serem enviadas ao Hospital de Kuala Lumpur para uma análise mais aprofundada.

Todos os alunos já foram levados para casa pelas suas famílias. 

Com imagem e informações Malaysia Kini

Suécia: menina é ameaçada de estupro e chamada de vadia em escola por não se vestir como muçulmana

Uma menina receberá cerca de dois mil euros de indenização depois de ter sido exposta a assédio por outros estudantes da escola Johannes em Malmö, segundo reportagem da Fria Tider .

Outros incidentes incluíram ter suas calças abaixadas e ameaças de estupro porque ela não era “muçulmana o suficiente”, disse o pai da menina.

De acordo com um artigo em Sydsvenskan de novembro de 2016, os pais contam como as crianças da escola Johannes em Malmöalgumas com apenas seis anos de idade – foram espancadas e assediadas sexualmente durante o horário escolar.

Um pai falou sobre como sua filha foi maltratada durante anos, sendo chamada de “vadia” e ameaçada de estupro. Garotos ameaçando estuprá-la e dizendo que seus pais também vão “f * ck” ela e chamaram-na de vadia. Também perguntando a ela qual é sua afiliação religiosa.

Segundo o pai da menina ameaçada, “ela não é muçulmana o suficiente“, portanto ela é maltratada.

Chocante, a escola não considerar que a menina tenha sido submetida a assédio sexual. O Provedor da Discriminação, juntamente com Malmö Contra a Discriminação, apontaram deficiências na investigação do município sobre os acontecimentos.

O município será obrigado a pagar 20.000 coroas suecas (cerca de 2.000 euros) em danos à menina, que atualmente frequenta outra escola em Malmö.

Com imagem e informações The Voice of Europe

Estudante judeu sai de escola de Berlim devido ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos

“Estudante judeu sai de escola de Berlim por ameaças e violência de colegas de classe muçulmanos”, de Simon Kent, Breitbart , 28 de maio de 2017:

 Espancamentos e abusos de colegas de classe muçulmanos foram citados pelos pais de um adolescente judeu como o motivo pelo qual o retiraram de uma escola principal de Berlim.

O menino de 14 anos nasceu em Londres de uma mãe britânica e um pai alemão. De acordo com um relatório no Sunday Times , o estudante foi expulso e recebeu soco de alunos do Oriente Médio e origem turca tantas vezes, que ficou temendo por sua vida. Um dos agressores alegadamente ameaçou matá-lo com uma arma simulada que ele acreditava ser real.

O Conselho Central de Judeus na Alemanha descreveu as alegações de bullying na Friedenauer Gemeinschaftsschule em Berlim como “anti-semitismo da forma mais horrorosa”.

The Times informa Ferdinand e seus pais – Gemma, um empresário de Londres, e Wenzel, uma ativista de direitos humanos – escolheram um ambiente multicultural para o ensino de seus filhos. Até recentemente, a família tinha hospedado um refugiado sírio na casa de Berlim.

“Eu amei o fato de que a escola era multicultural. . . Os filhos e os professores eram tão legais “, disse Ferdinand.

No entanto, dentro de uma semana de inscrição em novembro passado, em uma escola onde quase três quartos dos alunos são de famílias imigrantes, os problemas de Ferdinand começaram depois que ele deixou escapar que ele era judeu.

“Primeiro, meu amigo turco, Emre, disse que não poderia mais sair comigo porque eu era judeu”, disse Ferdinand. “Então outros alunos começaram a dizer coisas estereotipadas sobre como os judeus só querem dinheiro e odeiam muçulmanos”.

As surras diárias por uma gangue de alunos, todos de origem imigrante, logo seguiram. Estes foram acompanhados de insultos raciais.

“Este menino, Jassin, cujos pais são palestinos, me perguntou se eu sou de Israel”, disse Ferdinand. “Eu nunca estive em Israel. Ele disse que a Palestina vai queimar Israel e seus amigos disseram que o Peru queimará Israel. Ele continuou me chutando.

“Um dia ele veio até mim por trás e ele me deu um soco na parte de trás. Fiquei tonto. . . Eu tive uma hematoma por uma semana ou duas. Toda vez que algo de ruim acontecia, eu disse a mim mesmo que eu poderia gerenciá-lo, mas isso só piorou “.

A experiência de Ferdinand não é um incidente isolado no sistema escolar de Berlim.

Aaron Eckstaedt, diretor da Escola Secundária Judaica Moses Mendelssohn em Berlim, disse à Jewish Chronicle que seis a 10 pais judeus se candidataram para mudar seus filhos de escola todos os anos.

Os pedidos são geralmente “em reação a declarações antissemitas vindas esmagadoramente de colegas árabes ou turcos”, disse ele.

Matéria completa: http://pamelageller.com/2017/06/jewish-berlin-muslim.html/?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Pais alemães enfrentam tribunal por não permitirem viagem do filho para mesquita sob o comando da escola

Os pais de um adolescente alemão podem enfrentar um julgamento e uma multa por “falta às aulas” depois de se recusarem a permitir que seu filho fosse a uma mesquita local em uma excursão escolar por medo de que isso levasse à sua “doutrinação” pelos radicais islâmicos.

Reuters  – Em junho, os pais de um estudante de 13 anos se opuseram à ideia de que seu filho visitasse uma mesquita na cidade de Rendsburg, no norte da Alemanha, visita organizada como parte de uma aula de geografia.

Em uma carta ao professor citado pelo NDR, o pai do adolescente argumentou que seu filho seria “doutrinado” na mesquita. Ele prosseguiu dizendo que “há anos temos ouvido relatos de violência motivada na religião ligada ao povo islâmico”.

Uma autoridade local de educação posteriormente multou o casal em um total de € 300 ($ 328), referindo-se a regulamentos escolares e leis regionais que incluem penalidades por ausência escolar.

Quando os pais se opuseram à multa, o caso foi encaminhado a Peter Mueller-Rakow, um promotor local, que decidirá se deve ou não prosseguir com um julgamento judicial, informou Spiegel na quarta-feira.

O advogado dos pais, Alexander Heumann, argumenta que eles recusaram a viagem escolar por medo da “segurança física” de seu filho.

Negando qualquer motivação baseada na fé, ele enfatizou que o casal não pertence a nenhum grupo religioso, e são de opinião que “ninguém será forçado a ir a um lugar sagrado contra a sua boa vontade”.

Heumann, no entanto, é um ex-membro do partido Alternativa para a Alemanha, um grupo político anti-imigrante, e participou na criação da “Pegida”, um ramo do movimento de extrema-direita PEGIDA.

De acordo com o relatório da NDR, os pais encontraram-se com o advogado através do movimento “Pax Europa”, um grupo cívico que se opõe à “islamização da Europa”.

A história provocou um debate acalorado entre os usuários da mídia social, com muitos dizendo que visitar mesquitas não tem nada a ver com geografia ou aulas de escola.

“Que viagem à mesquita tem a ver com as aulas de geografia?”, Perguntou um usuário chamado Arthur Dent.

Outros compararam as ações das autoridades com a parte mais escura da história da Alemanha, com um usuário tweetando: “Visitar mesquitas é uma prioridade em nosso regime, semelhante a ter uma imagem de Fuhrer no apartamento de todos”.

“Se os pais obtiverem o veredicto do tribunal, eu vou votar na AfD”, prometeu o usuário do Twitter Sarah S.

No entanto, a diretora da escola, Renate Fritzsche, disse à NDR que a excursão à mesquita destinava-se a promover tolerância e diversidade.

“Nós também temos crianças muçulmanas conosco e os pais muçulmanos também sabem que não há exceções”, disse ela, acrescentando que as aulas de natação e educação sexual também são obrigatórias para crianças muçulmanas. “Não é responsabilidade dos pais dizer: ‘Meu filho vai assistir a essa ou aquela classe'”, afirmou Fritzsche.

O incidente certamente vai acrescentar ao debate em curso na sociedade alemã, que ainda está lutando para encontrar o equilíbrio certo entre liberdade religiosa e outras preocupações das pessoas. Os críticos da introdução do Islã como parte integrante da paisagem cultural jogam sobre os temores populares da islamização, que é alimentada pela atual crise dos imigrantes.

Algumas vozes moderadas propõem, ao invés, engajar mais os muçulmanos nas comunidades, ou mesmo elaborar uma nova versão do Islã que se adapte mais aos valores democráticos e à cultura européia.

https://www.rt.com/document/5812040dc461884f4e8b459d/amp

Metade das crianças sírias não está na escola, diz Unicef

Na Síria, assolada pela guerra civil, e em campos de refugiados nos países vizinhos, milhões de jovens não têm acesso à educação. Fundo das Nações Unidas luta para evitar uma geração perdida.

A guerra civil na Síria já dura mais de cinco anos, e não há um fim à vista. Entre os que mais sofrem com a violência e o caos estão as crianças. De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), há cerca de 2,5 milhões de menores sírios registrados como refugiados fora do país.

Muitas das crianças vivem em campos em países como Líbano, Jordânia ou Egito, traumatizadas pela morte e a violência que testemunharam. Organizações internacionais de ajuda humanitária lutam para que essas crianças tenham um futuro e não se tornem uma geração perdida. Uma das ferramentas mais importantes nesse sentido é a educação.

Por ocasião da próxima Assembleia Geral das Nações Unidas, na semana que vem, Malala Yousafzai, vencedora do Prêmio Nobel da Paz, apelou aos chefes de governo de todo o mundo para que garantam 12 anos escolares a todas as crianças refugiadas.

“A educação é crucial”, afirmou Yousafzai, que se tornou a mais jovem ganhadora do Nobel justamente ao defender o direito à educação. “Eu entendo, você entende, as pessoas entendem, mas quando se trata de os líderes mundiais tomarem uma decisão, eles ignoram isso completamente, como se não tivessem nenhum conhecimento e fossem completamente ignorantes.”

Faltam professores, escolas fechadas

Organizações como o Unicef trabalham não apenas com crianças refugiadas em Estados vizinhos à Síria, mas também com meninos e meninas que ainda se encontram dentro do país abalado pela guerra.

Mais de 700 mil crianças refugiadas sírias em países vizinhos não vão à escola. Dentro da Síria, a situação é ainda pior: um quarto de todos os prédios escolares não é mais usado para fins educativos, e 50 mil profissionais da educação não trabalham mais em seus antigos empregos – eles fugiram do país, morreram ou se juntaram aos combates. Isso explica por que 2,1 milhões de crianças sírias não têm a possibilidade de ir à escola.

“Metade das crianças sírias em idade escolar não está na escola”, afirmou à DW Juliette Touma, chefe de comunicação do Unicef para o Oriente Médio e Norte da África. “Algumas delas nunca foram a uma escola, outras já perderam até cinco anos.”

Hora da aula para crianças numa das nove escolas erguidas pelo Unicef no campo de refugiados de Zaatari, na JordâniaHora da aula para crianças numa das nove escolas erguidas pelo Unicef no campo de refugiados de Zaatari, na Jordânia

Sem Geração Perdida

Em 2016, o Unicef planeja garantir o acesso à educação formal para 854 mil crianças sírias refugiadas no Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia. Para isso, o Unicef é um dos órgãos que apoiam a iniciativa Sem Geração Perdida.

Amparada por diferentes agências da ONU, uma série de ONGs locais e internacionais, doadores privados e governamentais, a iniciativa tem como objetivo oferecer a crianças e jovens a oportunidade de se recuperar, aprender e se desenvolver.

“No campo de refugiados de Zaatari, na Jordânia, o segundo maior do mundo, construímos nove escolas a partir do zero”, afirmou Touma. “Em outros países, expandimos o espaço de aprendizagem através da reforma de prédios escolares existentes, adicionando mais salas de aula ou instalando calefação.”

A iniciativa também introduziu uma metodologia de dois turnos em inúmeras escolas, por exemplo, na Jordânia. Pela manhã, as crianças jordanianas vãos às aulas, enquanto no período da tarde as salas de aula são usadas pelas crianças refugiadas sírias.

Situação difícil para as meninas

Para meninas refugiadas, a situação é especialmente precária. Elas têm menos chances que os meninos de frequentar uma escola.

“Meninas refugiadas se perguntam por quanto tempo elas podem ficar fora da escola até que sejam forçadas a casamentos precoces ou ao trabalho infantil”, afirmou Yousafzai em nota de imprensa.

Touma narra a história de uma menina num campo de refugiados jordaniano que convenceu os pais a não casá-la, mas deixá-la ir à escola. A representante do Unicef também disse que o número de meninas se casando é crescente, porque seus pais perderam tudo e são tão pobres que não têm opção.

A iniciativa Sem Geração Perdida luta para combater essa prática e assegurar que meninas e meninos tenham a chance de ir à escola.

“Para o Unicef, a educação é tão importante quanto água e vacinas, porque alimenta a alma de uma criança”, afirmou Touma. “A escola é realmente um porto seguro – e também um investimento no futuro. Tenham em mente que um dia a guerra na Síria chegará ao fim. Precisamos dessas crianças para reconstruir o país.”

http://www.dw.com/pt/metade-das-crian%C3%A7as-s%C3%ADrias-n%C3%A3o-est%C3%A1-na-escola-diz-unicef/a-19554849

Alunos de escola alemã na Argentina se fantasiam com símbolos nazistas

Estudantes foram a festa à fantasia com suásticas e bigodes imitando Hitler.
Alunos de escola judaica que estavam na festa se indignaram e houve briga.

Da France Presse

Um grupo de estudantes de ensino médio de uma escola alemã na Argentina compareceu a uma festa à fantasia com suásticas e símbolos nazistas, onde houve uma briga com alunos de uma escola judaica que reagiram indignados, informaram as autoridades.

O incidente foi divulgado nesta quinta-feira (25), mas ocorreu na noite de terça-feira em uma boate de Bariloche, cidade que é epicentro de viagens de jovens de ensino médio de todo o país. Na vila turística aos pés da cordilheira dos Andes já foram encontrados, no passado, líderes nazistas que escolheram o sul argentino como refúgio para escapar da justiça.

Os adolescentes compareceram à festa com suásticas pintadas no peito e usaram bigodes imitando o líder nazista Adolf Hitler.

Estudantes do colégio judeu ORT presentes na festa reagiram com empurrões, o que resultou em uma briga na qual todos foram expulsos do local. Um dia depois, pediram desculpas pelo ocorrido.

“Estou horrorizada, é um fato repreensível. Não é suficiente pedir desculpas, terão que reparar este dano com ações”, afirmou a diretora da escola alemã, Silvia Fazio, que adiantou que serão aplicadas punições quando os estudantes voltarem a Buenos Aires.

A docente explicou que a escola não organiza nem participa da viagem e ressaltou que “houve muitos filtros de adultos que falharam, como os pais que acompanhavam o grupo, os coordenadores, as pessoas do local, o motorista” do veículo que os levou. “Há muito para refletir”, opinou.

“Não é nem uma piada, nem uma graça, vamos partir do princípio de que refletem uma ideologia que culminou com 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas”, disse Cohen Sabban, da Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA).

O líder judeu lembrou que, “se estes jovens tiverem mais de 16 anos, podem sofrer por este ato uma pena de um mês a três anos de prisão porque o que fizeram na Argentina é um crime”.

O prefeito de Bariloche, Gustavo Genusso, lamentou o incidente. “Ficamos preocupados com o fato de jovens deste país terem esta atitude”, disse.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/08/alunos-de-escola-alema-na-argentina-se-fantasiam-com-simbolos-nazistas.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1

Bombardeio contra escola mata 10 crianças no Iêmen

Arábia Saudita alega que ataque foi contra campo de treinamento rebelde.

SANÁ — Ao menos 10 crianças morreram e 28 ficaram feridas em um ataque aéreo contra uma escola na cidade de Haydan, no norte do Iêmen, neste sábado. O bombardeio foi atribuído à coalizão liderada pela Arábia Saudita, que combate rebeldes xiitas hutis naquele país. A acusação foi negada por militares sauditas, que alegam terem atacado um campo de treinamento de jihadistas.

-Vimos dez crianças mortas e 28 feridas, todas menores de 15 anos, vítimas de ataques aéreos em uma escola islâmica — disse Malak Shaher, porta-voz da organização Médicos Sem Fronteiras, em entrevista à AFP.

O bombardeio também foi confirmado pela Unicef:

“Por causa da intensificação da violência no Iêmen na semana passada, a quantidade de crianças mortas ou feridas em bombardeios aéreos ou por explosões de minas aumentou de forma significativa”, lamentou o Fundo das Nações Unidas para a Infância.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita, por sua vez, negou o bombardeio neste domingo e assegurou que o alvo da incursão foi um campo de treinamento rebelde. Em entrevista à AFP, o general saudita Ahmed al Asiri, acusou os rebeldes de “usarem crianças como recrutas”.

O militar reiterou que nenhuma escola foi atingida, e que o ataque resultou na morte do responsável pelo centro de treinamento Abu Yahya Abu Rabaa e um número não determinado de combatentes rebeldes.

— Estivemos em contato com o governo e não existem escolas neste setor, é o centro de treinamento Al Huda — disse al Asiri. — Nossa pergunta é a seguinte: o que fazem crianças ali?

O Iêmen está mergulhado numa guerra civil desde que rebeldes xiitas hutis tomaram a capital Saná, em setembro de 2014. O presidente, Abd Rabbuh Mansur Hadi, vive exilado na Arábia Saudita, que o apoia com uma coalizão militar internacional. Estimativas de grupos de direitos humanos indicam que mais de 9 mil pessoas já morreram no conflito.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/bombardeio-contra-escola-mata-10-criancas-no-iemen-19919613#ixzz4HJxoA2ox
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Decapitação, mão decepada, enforcamento: a lista de castigos encontrada em escola abandonada do EI

Militantes do grupo autodenominado Estado Islâmico estão sendo expulsos de áreas que controlavam no norte da Síria, e provas do domínio desses militantes estão vindo à tona.

O repórter da BBC Jiyar Gol viajou com combatentes curdos que enfrentam o EI na região de Manbij, no norte da Síria, e teve acesso exclusivo a uma escola abandonada que era controlada pelo grupo extremista.

O repórter encontrou vestígios do “currículo” das escolas do Estado Islâmico, que incluem produção de bonecos para enganar aeronaves inimigas, aulas de física e ensinamentos sobre os duros castigos impostos pelo grupo a quem viola suas regras de comportamento.

http://www.bbc.com/portuguese/geral-36828145

Imigrante adolescente que arrastou do banheiro uma adolescente de 14 anos e a estuprou com cinco amigos em vingança por ser rejeitado, já fixou residência na Grã-Bretanha

Um adolescente acusado de estuprar com seus amigos da escola na Áustria uma menina de 14 anos de idade mudou-se para o Reino Unido, dizem os promotores.

O menino não identificado é um dos seis jovens aparentemente de famílias imigrantes que aterrorizaram a menina na escola em Graz – segunda maior cidade da Áustria – por meses e supostamente a estuprou pelo menos quatro vezes.

Em uma ocasião, os estudantes supostamente arrastaram a vítima apavorada para fora das casas de banho das meninas, despiram-na e violaram-na cantina.

Foi dito que o ataque ocorreu em maio do ano passado, quando a menina se trancou em um banheiro depois de ser assediada pelos meninos, que estavam com idade entre 15 e 16, no parque infantil.

Para seu horror, eles então forçaram a porta e arrastaram a adolescente com 14 anos para fora.

A estudante traumatizada disse aos promotores que ela estava gritando por ajuda, e embora outros alunos testemunhassem os rapazes perseguindo-a e forçando seu caminho para o banheiro, ninguém interveio.

Os adolescentes são acusados ​​de, em seguida, arrastarem a colegial na cantina da escola onde ela foi despida e estuprada.

Testemunhas disseram à polícia que gritos da menina podiam ser ouvidos “ao longo de toda a escola ‘, e que eles ficaram surpresos quando os professores não fizeram nada. E quando ela virou-se atrasada para a aula,foi repreendida, alegaram.

O estupro foi uma vingança pela menina desprezar um dos rapazes, informou a mídia austríaca.

O diretor da escola negou saber qualquer coisa sobre o ataque, explicando: “Eu só sei sobre um incidente no qual a menina estava na classe, e os meninos tinham colocado barricada na porta, a fim de mantê-la dentro.

“O professor conseguiu forçar a porta aberta e ajudou a colegial. Falei com o inspeção escolar sobre o incidente, e depois com a polícia.

Ele acrescentou: “Eu tenho quase 200 crianças na escola que são perfeitamente respeitáveis, mas o que esses meninos supostamente fizeram é simplesmente inacreditável.”

O procurador Hansjoerg Bacher disse ao MailOnline que todos os seis meninos são de famílias imigrantes.

Ele disse que os meninos estavam sendo investigados por quatro supostos estupros – um dos quais foi dito ter acontecido na escola.

Os promotores estão investigando agora 18 pessoas, porque suspeita-se de outros, incluindo alunos e um professor, que não fizeram nada para parar o ataque.

Eles estão sendo investigados por possíveis cobranças de falta para ajudar na prevenção da criminalidade.

Todos os seis rapazes foram libertados sob fiança e um deles tem viajado para o Reino Unido.

Bacher confirmou: “Nós não tivemos seu depoimento porque ele está na Inglaterra. Estamos em contato com seus pais, mas não sabemos quando ele vai voltar. ‘

“Estamos em contato com o advogado de defesa da família. O menino está na Inglaterra com seus pais. Mudou-se depois que o caso se tornou público, embora não se acredite que o movimento estava conectado com as alegações.

” Não sabemos quando será possível entrevistar o menino sobre as alegações e, no momento ele não foi entrevistado.

Read more: http://www.dailymail.co.uk/news/article-3450372/Teenage-migrant-dragged-14-year-old-Austrian-schoolgirl-toilet-cubicle-GANG-RAPED-five-friends-revenge-dumped-set-home-Britain.html#ixzz40RGWxzlR
Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook