Arquivo da tag: #escravas sexuais

Ex-escravas sexuais do ISIS abrigadas no Canadá ameaçadas com telefonemas e textos

Ex-escravos sexuais do Estado Islâmico, que foram abrigados no Canadá, estão novamente vivendo com medo após serem bombardeados por mensagens de voz e textos ameaçando estupros e assassinatos.

Cinco mulheres e uma menina de 14 anos apresentaram relatórios à Polícia Regional de York. As vítimas são todas yazidis que sobreviveram a um genocídio liderado pelo Estado Islâmico no Iraque em 2014.

Eles entregaram à polícia gravações de telefonemas e capturas de tela dos textos, que fazem referência ao Estado Islâmico e incluem fotos de decapitações e jihadistas armados.

O W5 ouviu as chamadas telefônicas. Em uma deles, um homem ri ao dizer em árabe: “Eu sou o homem que te fodeu. Eu sou seu estuprador. ”Uma segunda chamada denuncia Yazidis como adoradores do diabo. E uma terceira chamada faz uma referência gráfica ao estupro.

Os homens parecem ter sotaques do Iraque, Norte da África e do Golfo. A Polícia Regional de York montou uma equipe para tentar rastrear onde as chamadas são originadas.

“Nossos investigadores vão trabalhar através de registros telefônicos, informações obtidas pelas vítimas e qualquer informação sobre o motivo pelo qual isso pode estar ocorrendo”, disse Const. Andy Pattenden. Fontes do W5 dizem que a unidade de inteligência da Polícia Regional de York e o CSIS também estão cientes das ameaças, que começaram há duas semanas.

Um dos telefonemas veio de um número 1-800 e outro de uma central telefônica de Alberta. A polícia diz que com os aplicativos de “spoofing”, as chamadas poderiam ter sido feitas em qualquer lugar do mundo.

Juntando-se a uma casa em Richmond Hill, Ontário, as mulheres que sobreviveram a tantos traumas em sua terra natal estão mais uma vez nas garras do terror. Adiba, que foi comprada e vendida seis vezes por caças ISIS em 2014, diz: “Viemos aqui por segurança, mas depois dessas ameaças eu não me sinto segura. Queremos viver sem ameaças e medo. ”Outra, Milkeya, diz:“ Estou com medo. Meu filho tem quatro anos, ele está com medo. ”Temeroso que o ISIS volte e os pegue.

Eles são sobreviventes do genocídio. Eles são sobreviventes da escravidão sexual e vieram para o Canadá começando uma nova vida para ser sãos e salvos e agora este pesadelo parece estar se repetindo ”, disse o Reverendo Majed el-Shafie, fundador da One Free World International, uma organização de direitos humanos. organização que defende as minorias religiosas.

A caridade de Toronto tem apoiado membros da comunidade yazidi que se reinstalaram no Canadá depois do genocídio.

Imagem Jpost e informações CTV W5

Iraquiana sequestrada pelo Estado Islâmico: ‘Fui vítima de jihad sexual’

As iraquianas Nadia Murad Basee e Lamiya Aji Bashar foram algumas das centenas de mulheres escravizadas pelo grupo autodenominado Estado Islâmico.

Uma vez libertadas, elas se tornaram porta-vozes das vítimas da campanha de violência sexual empreendida pelos extremistas.

Na semana passada, Nadia e Lamiya receberam da União Europeia o importante prêmio Sájarov à Liberdade de Consciência.

Confira abaixo a história de Nadia que a BBC Brasil publicou em março passado.

Quando integrantes do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) invadiram a aldeia de Nadia Murad no Iraque, mataram todos os homens, incluindo seis de seus irmãos.

Nadia é da minoria étnica e religiosa yazidi, considerada “infiel” pelos extremistas do EI.

Ela e centenas de outras mulheres yazidis foram sequestradas, vendidas e passadas de mão em mão por homens que as estupraram em grupo. Foram vítimas do que o EI chama de “jihad sexual”.

Nadia conseguiu fugir, mas acredita-se que milhares de mulheres continuem presas.

Nadia Murad está em Londres em campanha para chamar a atenção para seu povo.

O ataque

Em 3 de agosto de 2014, o EI atacou os yazidis em Sinjar, região no norte do Iraque próxima a uma montanha de mesmo nome. Antes disso haviam atacado locais como Tal Afar, Mosul e outras comunidades xiitas e cristãs, forçando a saída dos moradores.

“A vida em nosso vilarejo era muito feliz, muito simples. Como em outros vilarejos, as pessoas não viviam em palácios. Nossas casas eram simples, de barro, mas levávamos uma vida feliz, sem problemas. Não incomodávamos os outros e tínhamos boas relações com todos”, contou Nadia ao programa HARDtalk da BBC.

Nesse dia, diz ela, 3 mil homens, idosos, crianças e deficientes foram massacrados pelo EI.

Alguns conseguiram fugir e se refugiar no monte Sinjar, mas a aldeia estava longe da montanha e o EI cercou as saídas.

Perseguidos pelo EI, os yazidis reverenciam a Bíblia e o Alcorão, mas grande parte de sua tradição é oral

“Rodearam a aldeia por alguns dias mas não entraram. Tentamos pedir ajuda por telefone e outros meios. Sabíamos que algo horrível iria acontecer. Mas a ajuda não chegou, nem do Iraque nem de outras partes.”

Depois de alguns dias, o EI encurralou os moradores na escola da aldeia e ali seus militantes mantiveram homens, mulheres e crianças.

“Deram-nos duas opções: a conversão ao Islã ou a morte”, disse Nadia.

Nadia Murad Basee no Conselho Europeu em EstrasburgoImage copyrightEPA
Image captionUma vez libertada, Nadia Murad ganhou refúgio na Alemanha

Assassinatos, sequestros e estupros

Logo separaram os homens, cerca de 700. Levaram todos para fora da aldeia e começaram a baleá-los. Nove irmãos de Nadia estavam entre eles.

Seis dos irmãos de Nadia morreram ─ três ficaram feridos mas escaparam.

“Da janela da escola podíamos ver os homens sendo baleados. Não vi meus irmãos sendo atingidos. Até hoje não pude voltar à aldeia nem ao local da matança. Não há notícias de nenhum dos homens.”

Segundo Nadia, meninas acima de nove anos e meninos acima de quatro anos foram levados a campos de treinamento.

“Depois levaram umas 80 mulheres, todas acima de 45 anos, incluindo minha mãe. Uns diziam que haviam sido mortas, outros que não. Mas quando parte de Sinjar foi liberada encontrou-se uma vala comum com seus corpos”, conta.

Ao todo, 18 membros da família de Nadia morreram ou estão desaparecidos.

Nadia foi levada com outras mulheres. Havia cerca de 150 meninas no grupo, incluindo três sobrinhas dela.

Elas foram divididas em grupos e levadas em ônibus até Mosul.

“No caminho eles tocavam nossos seios e esfregavam as barbas em nossos rostos. Não sabíamos se iam nos matar nem o que fariam conosco. Percebemos que nada de bom iria ocorrer porque já tinham matado os homens e as mulheres mais velhas, e sequestrado os meninos.”

Ao chegar ao quartel-general do EI em Mosul, encontraram muitas jovens, mulheres e meninas, todas yazidis. Tinham sido sequestradas em outras aldeias no dia anterior.

A cada hora, homens do EI chegavam e escolhiam algumas meninas. Elas eram levadas, estupradas e devolvidas.

Nadia percebeu que esse também seria seu destino.

Após fugir com ajuda de uma família muçulmana sem conexão com o EI, Nadia viaja o mundo chamando a atenção para o drama do povo yazidi.

Estado IslâmicoImage copyrightAFP
Image captionEstado Islâmico controla grandes partes do Iraque e da Síria

Sem compaixão

No dia seguinte, um grupo de militantes do EI chegou. Cada um escolheu uma menina, algumas entre 10 e 12 anos.

“As meninas resistiram, mas foram forçadas a ir. As mais jovens se agarravam às mais velhas. Uma delas tinha a mesma idade de minhas sobrinhas, chorava e se prendia a mim.”

Quando chegou sua vez, Nadia foi selecionada por um homem bem gordo que a levou a outro andar. Um outro militante passou e o convenceu a levá-la ─ mas isso não mudou as coisas.

“O homem mais magro me levou até sua casa, tinha guarda-costas. Estuprou-me, e foi muito doloroso. Nesse momento percebi que teria sofrido do mesmo jeito, não importa com quem.”

Nenhum dos homens mostrou clemência. Todos estupraram as mulheres de forma violenta. “As coisas que fizeram foram horríveis. Nunca imaginamos que coisas tão terríveis aconteceriam conosco.”

Os extremistas podiam manter as mulheres por mais de uma semana, porém frequentemente elas eram vendidas após um dia ou até uma hora.

Algumas mulheres dos irmãos de Nadia estavam grávidas quando foram capturadas e deram à luz no cárcere.

Elas também foram levadas ao tribunal islâmico do EI e forçadas a se converter.

Nadia passou três meses com o homem que a levou. Durante esse período conseguiu conversar com alguns sequestradores.

Embora algumas áreas de Sinjar tenham sido liberadas, ainda há valas comuns por descobrir

“Perguntei por que faziam aquilo conosco, por que haviam matado nossos homens, por que nos estupraram violentamente. Disseram-me que ‘os yazidis são infiéis, não são um povo das Escrituras, são um espólio de guerra e merecem ser destruídos'”.

Ainda que a maior parte desses militantes fossem casados, as famílias – inclusive as mulheres – pareciam aceitar o que faziam, disse Nadia.

Em uma ocasião, ela pediu autorização para fazer uma chamada telefônica porque queria escutar uma voz familiar.

Disseram que poderia ligar para seu sobrinho por um minuto, mas com uma condição: “Que primeiro eu lambesse o dedo do pé que um homem havia coberto com mel.”

Muitas jovens na mesma situação se suicidaram, disse Nadia, mas essa não foi uma opção para ela.

“Acho que todos devemos aceitar o que Deus nos deu, sem importar se é pobre ou sofreu uma injustiça, todos devemos suportar.”

Ela tampouco questionou sua fé. “Deus estava cada minuto em minha mente, ainda quando estava sendo estuprada.”

Nadia tentou fugir pela primeira vez por uma janela, mas um guarda a capturou imediatamente e a colocou em um quarto.

Sob as regras do EI, disse Nadia, uma mulher se converte em espólio de guerra caso seja capturada tentando escapar. Colocam-na em uma cela onde foi estuprada por todos os homens do complexo.

“Fui estuprada em grupo. Chamam isso de jihad sexual.”

YazidisImage copyrightEPA
Image captionYazidis são perseguidos pelo Estado Islâmico

Fuga

Após esse episódio, Nadia não pensou em fugir de novo, mas o último homem com quem viveu em Mosul decidiu vendê-la e foi arranjar roupas para ela.

Quando ordenou que ela tomasse banho e se preparasse para a venda, ela aproveitou para escapar.

“Bati na porta de uma casa onde vivia uma família muçulmana sem conexão com o EI e pedi ajuda. Disse que meu irmão daria o que eles quisessem em troca.”

Por sorte, a família não apoiava o EI e a apoiou inteiramente.

“Deram-me um véu negro, um documento de identidade islâmico e me levaram até a fronteira.”

Agora livre, Nadia Murad se tornou uma ativista que viaja o mundo fazendo campanha para chamar atenção para a tragédia dos yazidis.

Segurança

Ela já visitou os EUA, Europa e países árabes, falou na ONU, conheceu parlamentares e líderes mundiais.

A resposta, contudo, tem sido lenta.

“Todos sabem o que é o Estado Islâmico. Escutam-me com atenção mas não prometem nada”, afirma.

“Dizem que analisarão o caso e verão o que é possível fazer, mas até agora nada aconteceu”, acrescenta.

Após um ano e meio do ataque, ainda há mulheres e meninas sequestradas.

A região ainda não foi completamente liberada. Nas regiões em que o EI foi expulso, há valas comuns ainda não descobertas.

Nadia espera voltar a seu vilarejo para ver o que sobrou e saber do destino dos desaparecidos.

“Juro por Deus que todos estamos muito cansados. Já se passou um ano e meio desde que isso nos aconteceu. Sentimos que estamos abandonados pelo mundo”, disse Nadia, às lágrimas.

“Mataram minha mãe. Meu pai morreu faz tempo. Meu irmão mais velho era como um pai para mim, mas também foi morto. Peço ao mundo que faça algo por nós.”

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37834876

“Meninas Cristãs Servem Apenas para Uma Coisa, Satisfazer os Desejos dos Homens Muçulmanos”

por Raymond Ibrahim

  • Recentemente no Iraque 19 meninas yazidi foram colocadas em jaulas de ferro e queimadas vivas, na frente de uma multidão de centenas de pessoas, por se recusarem a ter relações sexuais com os jihadistas.
  • “As mulheres religiosas pertencentes às minorias controladas pelo EI (Estado Islâmico) são frequentemente vendidas repetidamente de um jihadista a outro. Quando os militantes se cansam de estuprar e abusar de uma determinada menina, eles normalmente a vendem a um dos seus grupos filiados para que eles possam estuprar e abusar dela ao seu bel prazer”. — Samuel Smith, The Christian Post.
  • Depois que seus filhos foram raptados pelo Estado Islâmico, o casal atendeu à porta e se deparou com partes dos corpos das suas filhas e um vídeo delas sendo torturadas e estupradas.
  • “Meninas cristãs são consideradas bens a serem arruinados ao bel prazer. Abusar delas é um direito. De acordo com a mentalidade da comunidade não é sequer crime. Os muçulmanos as consideram espólio de guerra”. — Residentes locais, Paquistão.

A Lei Islâmica (Sharia), sempre severa, é mais severa ainda com as mulheres. De acordo com o Alcorão, os homens têm a “autoridade” sobre as mulheres e têm o direito de espancá-las se elas forem “desobedientes” (4:34). Segundo Maomé, profeta do Islã, as mulheres são menos inteligentes do que os homens — o testemunho de um homem equivale ao testemunho de duas mulheres — e a maior parte da população do inferno é composta de mulheres, que seassemelham aos burros e cachorros quanto à habilidade de desviar a atenção do homem da reza, consequentemente anulando-a.

Qual é afinal a visão do Islã em relação às mulheres que são “infiéis”? Na melhor das hipóteses elas “em primeiro lugar servem para dar prazer aos homens muçulmanos”, conforme enfatizouum muçulmano a um grupo de meninas cristãs, ainda bem jovens, no Paquistão antes aterrorizá-las e assassinar uma delas. No Alcorão, (acesse 04:24), as mulheres não muçulmanas capturadas numa jihad podem ser compradas e vendidas como escravas sexuais a homens muçulmanos, conforme tem feito o Estado Islâmico.

Emily Fuentes, diretora de comunicações da Open Doors, uma organização de direitos humanos que defende cristãos perseguidos, salientou:

Lamentavelmente um número cada vez maior de mulheres é alvo de grupos terroristas (muçulmanos). Sabe-se que ocorreram inúmeros incidentes internacionais de mulheres que foram sequestradas, estupradas e forçadas a se converterem do cristianismo ao Islã por grupos extremistas radicais… Muitas também são vendidas no mercado aberto. Essa crueldade não está ocorrendo somente no Oriente Médio, mas também na África e em muitos outros lugares. Em muitos destes países, as mulheres estão sujeitas à perseguição, porque são consideradas cidadãs de segunda classe por causa de seu gênero. Sendo minoria tanto quanto ao gênero quanto à religião, as mulheres cristãs enfrentam dupla perseguição. Não temos um número exato, mas sabemos que milhões de mulheres estão sendo perseguidas… Nestes países dominados pelos muçulmanos, as mulheres cristãs são sistematicamente privadas de sua liberdade de viver e a elas são negadas as necessidades humanas básicas.

As mulheres cristãs estão duplamente condenadas: não são aceitas por serem mulheres e também não como não muçulmanas “infiéis, fica claro a partir daí o porquê delas serem alvo do abuso islâmico.

A esta altura, o tormento das não muçulmanas que estão nas garras do ISIS é bem conhecido. Desde a conquista de Mossul em junho de 2014, o número de meninas não muçulmanas em cativeiro que foram assassinadas pelo califado pode chegar a 250 (principalmente yazidis e cristãs) por se recusarem a serem escravas sexuais. Mais recentemente, 19 meninas yazidi foram colocadas em jaulas de ferro e queimadas vivas na frente de uma multidão de centenas de pessoas, por se recusarem a ter relações sexuais com os jihadistas.

De acordo com um relatório que apareceu um dia depois que a Open Doors destacou a situação das mulheres não muçulmanas:

As mulheres religiosas pertencentes às minorias controladas pelo Estado Islâmico são frequentemente vendidas repetidamente de um jihadista a outro. Quando os militantes se cansam de estuprar e abusar de uma determinada menina, eles normalmente a vendem a um dos seus grupos filiados para que eles possam estuprar e abusar dela ao seu bel prazer.

Uma menina yazidi explicou como

“ela foi comprada e vendida por oito jihadistas diferentes… Fomos colocadas em exibição (em mercados de escravas sexuais). Homens chegavam e ficavam olhando para nós como se fossemos mercadoria. Era como se fosse um showroom de automóveis… As mulheres eram compradas por dinheiro vivo — apenas $20 ou então trocadas por objetos como telefones celulares ou oferecidas como presente”.

Ela foi estuprada pelo menos três vezes por dia por mais de 16 meses por inúmeros combatentes do ISIS, foi forçada a tomar anticoncepcionais e drogas para induzir o aborto, ela tentou repetidamente cometer suicídio para escapar do abuso. Sua história é o padrão e foi contada por muitas meninas não muçulmanas que conseguiram fugir.

Outros relatos recentes falam de “uma menina de 8 anos de idade que também foi comprada, vendida e estuprada por oito militantes diferentes em um espaço de 10 meses”, de outra “escrava sexual que ateou fogo em si própria para evitar ser estuprada”, de um casal que, depois que seus filhos foram raptados pelos ISIS, atendeu à porta e se deparou com um saco plástico contendo as partes dos corpos das suas filhas e um vídeo delas sendo torturadas e estupradas e de mulheres cristãs e alauitas sendo estupradas e massacradas pelos jihadistas do ISIS que invadiram seu vilarejo.

Os jihadistas do Estado Islâmico riem e brincam sobre a compra e venda de escravas sexuais yazidis mostrado em um vídeo de propaganda.

No entanto esse tipo de abuso islâmico de mulheres não se limita a grupos como ISIS ou Boko Haram — organização radicada na Nigéria que também se define em termos exclusivamente islâmicos, é notória por sequestrar, escravizar, estuprar e assassinar meninas cristãs. Aproximadamente 700 meninas cristãs e 300 hindus são raptadas, escravizadas e estupradas no Paquistão a cada ano. São números extremamente altos, considerando-se que os cristãos e hindus compõem cada um apenas 1% da população de maioria muçulmana do país.

Apenas quatro dias depois da Open Doors denunciar o sofrimento das mulheres cristãs, dois homens muçulmanos no Paquistão invadiram a casa de uma mulher cristã enquanto o marido servia o exército. Eles a amarraram e abusaram dela em um estupro coletivo ao mesmo tempo em que ameaçavam matar sua filha de 2 anos se ela não concordasse. De acordo com a mulher de 30 anos:

“Os homens me trataram como se eu fosse um animal, dizendo que eu era uma cristã inútil… Disseram que todas as mulheres cristãs são prostitutas e que voltariam e repetiriam a devassidão se eu contasse a alguém o que tinha acontecido”.

Por ela ser mulher e infiel em uma nação de maioria muçulmana, a polícia e a lei nada fizeram por ela. Naquela semana, mais cinco meninas cristãs foram sequestradas, convertidas ao Islã e forçadas a se casarem com seus sequestradores.

Há inúmeros exemplos de estupro e, por vezes, assassinatos de meninas cristãs — e às vezes de meninos cristãos — no Paquistão. Depois que uma menina cristã de 9 anos foi estuprada por um muçulmano, ele se gabava de ter “feito a mesma coisa com outras meninas cristãs”, segundo explicaram os moradores locais:

“Esse tipo de incidente ocorre com frequência. Meninas cristãs são consideradas bens a serem arruinados ao bel prazer. Abusar delas é um direito. De acordo com a mentalidade da comunidade (muçulmana) não é sequer crime. Os muçulmanos as consideram espólio de guerra.”

Uma situação semelhante acontece no Egito. Em julho de 2012 o congressista americano Chris Smith testemunhou acerca da “escalada de sequestros, conversões e casamentos forçados de mulheres e meninas cristãs coptas. Elas estão sendo aterrorizadas e, consequentemente, marginalizadas”.

O já falecido e muitas vezes diplomático Papa Copta Shenouda III, líder da comunidade cristã do Egito, ressaltou essa tendência já em 1976: “há uma prática de converter meninas coptas para que abracem o Islã e casem com muçulmanos sob ameaças terroristas”. Somente entre 2008 e 2013, foram documentados no Egito cerca de 600 casos de sequestro, estupro e conversão forçada de mulheres cristãs. Desde então a situação só piorou, conforme mostra o título de um relatório de 2012: “Salto Dramático no Número de Sequestros e Conversões Forçadas de Mulheres Cristãs Coptas no Egito”.

De um lado as jovens são visadas sexualmente, de outro, as mais velhas, são humilhadas sexualmente. Em 20 de maio, no Egito, foram arrancadas as roupas de uma cristã de 70 anos, ela ficou completamente nua, cuspiram nela, desfilaram com ela pelas ruas de Minya sob vaias, assobios e gritos de “Allahu Akbar” (“Deus é Grande”) de uma furiosa multidão muçulmana.

Dois dias antes da publicação do relatório da Open Doors, muçulmanos em Ugandaespancaram e estupraram uma cristã de 22 anos porque ela acusou o dirigente de uma mesquita de assassinar seu pai em virtude de uma discussão religiosa. No mês anterior, a filha de 13 anos de uma mulher que deixou o Islã e se converteu ao cristianismo, foi estuprada por muçulmanos locais que lhe disseram: “este é o segundo aviso a sua mãe por desonrar a fé dos muçulmanos”.

Vale a pena lembrar que mesmo na Europa, são as mulheres autóctones que mais sofrem com o fluxo de migrantes muçulmanos. O número de ataques sexuais e estupros, exponencialmente mais altos, está sendo cometido na mesma linha da lógica usada pelo Estado Islâmico ou no Paquistão. Nas palavras de um migrante muçulmano que se encontra na Alemanha que perseguiu, amaldiçoou e acariciou impositivamente uma mulher: “as mulheres alemãs estão aí para o sexo.”

Uma importante observação final: apesar das mulheres não muçulmanas serem mais visadas do que os homens não muçulmanos para fins sexuais, isso não significa que eles são menos visados do que as mulheres quando se trata de perseguição muçulmana não ligada ao sexo, como por exemplo nos casos de ataques contra “blasfemos” e “apóstatas”. Cavalheirismo é um conceito bizarro para o Islã, quando se trata de aterrorizar e colocar os infiéis em seu devido lugar, a religião de Maomé é estritamente igualitária. No Paquistão, por exemplo, o caso mais notório de blasfêmia envolve a cristã Asia Bibi, que está no xilindró, no corredor da morte, desde 2009, além de um casal cristão acusado de profanar um livro do Alcorão, tanto o marido quanto a esposa foram queimados vivos. Os relatos mais recentes que vieram à tona no mesmo período em que a Open Doors destacou a situação das mulheres cristãs são os seguintes:

  • Indonésia: no que foi descrito como “o uso sem precedentes da Lei Islâmica (Sharia) contra um não muçulmano”, uma mulher cristã de 60 anos de idade foi açoitada publicamente com uma vara 30 vezes por vender bebida alcoólica.
  • Estado Islâmico: uma mulher cristã foi executada por militantes islâmicos por se recusar a negar sua fé em Cristo. O ISIS também ameaçou um grupo de freiras dominicanas, exigindo que elas se convertessem ao Islã ou pagassem a jizya, tributo (baseado no Alcorão 09:29). “As irmãs idosas fugiram e começaram a sofrer ataques cardíacos e insuficiências cardíacas em virtude do stress do êxodo em massa. Nos últimos 18 meses, 23 morreram, às vezes até três mortes por semana. Elas morreram de desgosto, ressaltou a Irmã Huda.”
  • Uganda: um homem muçulmano estrangulou a esposa até a morte por ela ter deixado o Islã e se convertido ao cristianismo. Outro muçulmano espancou e ameaçou matar a esposa enquanto gritava “Allahu Akbar” também por ela ter se convertido ao cristianismo.

É muito difícil se ouvir o contrário, uma mulher muçulmana matar o marido por causa de apostasia, isso devido à falta de autoridade que as mulheres têm no mundo muçulmano.

Você não iria querer ser uma mulher no Islã.

Raymond Ibrahim é o autor de Crucified Again: Exposing Islam’s New War on Christians (publicado pela Editora Regnery juntamente com o Gatestone Institute, abril de 2013).

https://pt.gatestoneinstitute.org/9115/meninas-cristas-homens-muculmanos

Após capturar e espancar brutalmente duas cristãs, muçulmanos oferecem as meninas como “presentes” ao ISIS

Shoebat – Muçulmanos capturaram duas meninas cristãs e após espancamento brutal as ofereceram a um terrorista do ISIS como presentes.

Delação e recompensa com escravas sexuais

Além de incutir medo por meio de tortura e execução públicas entre os seus membros que estão planejando desertar, o Estado Islâmico (ISIS) encontrou outra maneira de parar o esgotamento de suas fileiras.

Como revelado em uma confissão feita por um militante capturado do ISIS, o grupo jihadista está agora a oferecer recompensas para seus membros que delatem seus companheiros jihadistas que estão planejando desertar ou deixar o grupo, relata Sun Online.

O militante do ISIS identificado como Abu Al-Mughaira Al-Muhajer, que foi capturado durante a batalha na cidade síria de Aleppo, revelou que os líderes do ISIS estão dando escravas sexuais como recompensas aos membros do ISIS leais que fornecem informações sobre quem pretende deixar suas fileiras.

Em uma recente entrevista na TV dos Emirados Árabes Unidos e liberada em parte através de em vídeo pelo Instituto Middle East Media Research, Muhajer disse que recebeu três mulheres – duas cristãs e uma Yazidi- para usar como suas escravas sexuais pessoais depois de dar informações que seu próprio irmão seria um suposto desertor.

“Depois que eu informei que o meu irmão queria deixar o ISIS, fui recompensado com as escravas – um [yazidi] de Damasco e duas [cristãs] de Homs”, disse ele.

Ele mesmo descreveu que as mulheres foram espancadas, dizendo que eles haviam “batido em suas costas.”

Ele igualmente divulgou que os líderes do ISIS foram comprar escravas sexuais exclusivamente com o fim de entregá-las aos seus miltantes.

Muslims Capture Two Christian Girls, Brutally Beat Them, And Offer Them To An ISIS Terrorist As Gifts

Estado Islâmico negocia escravas sexuais em aplicativos populares

Em conversas criptografadas, meninas são vendidas por Telegram, Facebook e Whatsapp

KHANKE, Iraque — A descrição em árabe é assustadora: “Virgem. Bonita. De 12 anos. Seu preço já está em US$ 12,5 mil e será logo vendida”. A propaganda aparece em uma das conversas criptografadas em que o Estado Islâmico (EI) vende suas milhares de escravas sexuais no Iraque. Os extremistas agora negociam o comércio de mulheres e meninas em aplicativos populares — sobretudo o Telegram, o Facebook e o Whatsapp.

A Associated Press obteve fotos de 48 prisioneiras, enviadas por uma mulher que conseguiu escapar das mãos dos jihadistas. Elas vestem roupas finas e algumas delas usam muita maquiagem. Elas olham sombriamente para a câmera. Algumas aparentam acabar de ter saído da adolescência. Nenhuma delas parece maior de 30 anos.

Além da publicação sobre a menina de 12 anos em um grupo com centenas de membros, outro aviso no Whatsapp oferecia uma mulher com seus filhos: um de 3 anos e outro de 7 meses. O custo era de US$ 3,7 mil.

Enquanto o Estado Islâmico perde controle de uma cidade após a outra em seu auto-proclamado califado, o grupo vem aumentando seu controle sobre seus prisioneiras. Para isso, contam com um banco de dados com as suas fotos e os nomes dos seus proprietários, para evitar que elas escapem. Quem tenta resgatá-las é assassinado pelo grupo.

Mirza Danai, fundadora de um grupo para ajuda humanitária no Iraque, diz que o banco de dados trata as mulheres como se fossem uma mercadoria.

— Registram cada escrava com o nome do seu dono. Se a mulher escapa, todos os serviços de segurança e os postos de controle são informados — explica Danai.

Dentre as meninas nas fotos, está Nazdar Murat. Ela tinha 16 anos quando foi sequestrada junto a outras duas dezenas de mulheres. Elas haviam escapado de seu vilarejo no Sinjar quando o Estado Islâmico tomou a região. A sua mãe, Nouri Murat, disse em um centro de acolhimento a deslocados no Norte do Iraque que Nazdar telefonou para casa uma vez há seis meses.

— Falamos por poucos segundos. Ela disse que estava em Mossul — disse Nouri. — Cada vez que alguém volta, perguntamos o que aconteceu e ninguém sabe nada sobre ela. Há quem diga que ela suicidou.

As fotos contrabandeadas oferecem às famílias das meninas a esperança de que talvez voltem a vê-las. No entanto, as imagens já serviram à venda de muitas destas meninas em negociações por aplicativos digitais. Dentre os mais utilizados, estão o Telegram, o Facebook e o Whatsapp.

— O Telegram é muito popular no Oriente Médio e em outras regiões. Lamentávelmente, isto inclui tanto elementos marginais como as grandes massas que respeitam as leis — disse o representante do Telegram, Markus Ra, assegurando que a empresa faz todo o possível para evitar abusos e rotineiramente elimina canais públicos utilizados pelo EI.

DRAMA HUMANITÁRIO

Milhares de yazidis foram presos e outros milhares foram mortos quando os combatentes jihaditas tomaram vilarejos do Norte do Iraque em agosto de 2014. Desde então, as meninas desta etnia foram submetidas à escravidão sexual. Estima-se que 2.554 delas já tenham sido libertadas por contrabandistas. Mas, desde maio, o ritmo das libertações foi muito reduzido e apenas 39 foram resgatadas nas últimas seis semanas, segundo o governo regional curdo.

Lamiya Aji Bashar tentou escapar quatro vezes antes de finalmente conseguir sair das mãos dos jihadistas com a ajuda de um contrabandista em março. A fuga foi uma odisseia, já que ela foi perseguida por combatentes do EI. Duas meninas que escaparam com ela morreram ao pisar em uma mina terrestre. Lamiya perdeu a visão do olho direito por causa da explosão, que deixou grandes cicatrizes em seu rosto.

Em uma cama na casa do seu tio em Baadre, um vilarejo do Norte do Iraque, a jovem de 18 anos disse que, apesar do rosto desfigurado, não se arrepende de ter fugido:

— Mesmo que tivesse perdido a vista em ambos os olhos, teria valido a pena porque sobrevivi.

Os yazidi estão na mira do EI porque têm crenças antigas que combinam elementos do islamismo, do cristianismo e do zoroastrismo — o que faz com que os extremistas sunitas os considerem infiéis. Calcula-se que a população yazidi já tenha sido de 500 mil pessoas antes da guerra. Não se sabe quantos existem hoje.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/estado-islamico-negocia-escravas-sexuais-em-aplicativos-populares-19650844#ixzz4Ddhgn6Hy
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Anistia Internacional denuncia rotina de abusos sexuais a refugiadas na Líbia

Imigrantes relataram realidade de tortura e violência em ponto-chave da rota da imigração

RIO — Assassinato, cativeiro, perseguição religiosa e exploração sexual. Este é o pesadelo enfrentado pelos refugiados que passam pelo território líbio enquanto tentam escapar da guerra e da pobreza em seus países de origem. A Anistia Internacional recolheu depoimentos de imigrantes sobre os sofrimentos desumanos a que já foram submetidos por traficantes e grupos armados na Líbia. E, para as mulheres, os abusos sexuais sistemáticos parecem uma realidade praticamente inevitável neste longo caminho: elas já tomam anticoncepcionais antes de viajar, como medida de precaução para o momento em que se depararem a esta difícil realidade.

“A Líbia está cheia de crueldade” foi o nome escolhido para o relatório da organização humanitária publicado nesta sexta-feira. As entrevistas incluíram conversas com 90 imigrantes, que conseguiram chegar a centros de acolhimento a refugiados à Puglia e à Sicília, duas regiões da costa italiana. Eles haviam sobrevivido aos abusos na Líbia e às perigosas travessias que já fizeram milhares de vítimas no Mediterrâneo.

— Desde terem sido sequestrados, encarcerados durante meses embaixo da terra e sofrir abusos sexuais de grupos armados até serem golpeados, explorados ou baleados por contrabandistas de pessoas, traficantes ou grupos criminosos, os refugiados e imigrantes descreveram em assustadores detalhes os horrores que foram obrigados a suportar na Líbia— disse Magdalena Mughrabi, representante da Anistia Internacional.

A Anistia Internacional conversou com 15 mulheres, que relataram uma vida de medo constante dos estupros durante a jornada na costa líbia. A médicos, psicólogos e assistentes sociais, muitas delas disseram que já se preocupavam em tomar anticoncepcionais para evitarem uma possível gravidez decorrente destes abusos. A maioria destes crimes é cometida pelos traficantes de pessoas ou por membros de grupos armados — muitas vezes enquanto elas são mantidas em casas privadas ou armazéns abandonados.

ESTUPROS SISTEMÁTICOS

Aos 22 anos, a jovem eritréia Ramya relatou ter sido estuprada duas vezes por traficantes enquanto era mantida em cativeiro em um campo perto de Ajdabya, no Nordeste da Líbia, após ter entrado no país em março de 2015.

— Os guardas entravam, escolhiam qual mulher eles queriam e a levavam para fora. As mulheres tentavam recusar mas, quando você tem uma arma apontada na sua cabeça, você não tem de verdade uma escolha se você quer sobreviver. Eu fui estuprada duas vezes por três homens. Eu não queria perder a minha vida — disse.

Outras mulheres contaram ter testemunhado uma série de estupros em meio à sensação de medo instaurada entre os refugiados. Uma das histórias é a de uma jovem que foi abusada por cinco homens de uma vez, porque um dos contrabandistas achou que ela não tinha pagado pelo transporte. As testemunhas relatam que, embora este fosse um engano do traficante, ninguém teve coragem de impedi-lo.

Antoinette, de 28 anos, também disse ter sido mantida em cativeiro recentemente durante sua fuga de Camarões, em abril de 2016:

— Eles não ligam se você é uma mulher ou uma criança. Eles usavam varas para nos bater e atiravam no ar. Talvez porque eu tinha uma criança eles não me estupraram, mas eles estupraram mulheres grávidas e solteiras. Eu vi isso acontecer.

SEM ÁGUA, SEM COMIDA

Outros refugiados contaram diversos tipos de dramas enquanto atravessavam a Líbia. Não raro, eles são mantidos em condições deploráveis: sem água e comida, agredidos, abusados e insultados. As suas famílias são pressionadas a pagar pelo seu resgate. E, quem não tivesse o dinheiro, deveria trabalhar de graça sob regime forçado para quitar a dívida. Tudo isso embaixo de tortura e pressão psicológica.

Vindo da Eritreia, Semre, de 22 anos, disse ter visto quatro pessoas morrerem de doenças e fome enquanto eram mantidas em cativeiro até que suas famílias pagassem pelo seu resgate. Dentre elas, havia um menino de 14 anos e uma mulher de 22 anos.

— Ninguém os levou ao hospital, então nós mesmos tivemos que enterrá-los.

Em seu relatório, a Anistia Internacional fez um apelo para que o governo de unidade nacional da Líbia, que é apoiado pelas Nações Unidas, volte os olhos ao drama humanitário que recai sobre a migratória. A ONG também pediu que a comunidade internacional tome ações para atacar os fatores que geram os fluxos migratórios e aumentar o número de pessoas recebidas no exterior.

— O governo de unidade nacional deve pôr fim aos abusos cometidos por suas proprias forças e milicias aliadas. E deve garantir que ninguém, incluindo membros de grupos armados, continuem a cometer graves abusos, incluindo possíveis crimes de guerra, com impunidade — afirmou Magdalena.

Centenas de milhares de pessoas viajam à Libia enquanto fogem, sobretudo, de países da Ádruca Subsaariana. Na esperança de chegar aos países europeus, eles tentam deixar para trás a guerra, a perseguição e a extrema pobreza. Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), atualmente há mais de 264 mil refugiados e imigrantes no território líbio. A Organização das Nações Unidas (ONU) calcula que 4.937 pessoas morreram enquanto tentavam cruzar o Mediterrâneo da Líbia para a Europa desde 19 de abril de 2015.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/anistia-internacional-denuncia-rotina-de-abusos-sexuais-refugiadas-na-libia-19623760#ixzz4DJ0HRRCw
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Estado Islâmico vende escravas sexuais no Facebook

Jihadistas tentam aumentar receita enquanto sofrem crise econômica.

RIO — O Estado Islâmico (EI) começou a vender escravas sexuais pelo Facebook numa tentativa de levantar fundos. O grupo terrorista luta contra uma crise econômica após bombardeios da coalizão internacional liderada pelos EUA terem atingido suas instalações de petróleo, rotas de contrabando e bancos.

Agora, os jihadistas procuram outras formas para pagar combatentes e financiar atividades. Em poucas horas, no entanto, a conta foi fechada pelo Facebook.

“Para todos pensando em comprar um escravo, esta aqui custa US$ 11.000”, dizia uma publicação atribuída a um combatente jihadista alemão chamado Abu Assad Almani.

Acredita-se que a mulher que aparece na publicação tenha 18 anos, segundo “The Washington Post”. Ela tem a pele morena e os cabelos escuros.

Outra mulher à venda pelo mesmo valor foi filmada pelas câmeras chorando.

“O que faz ela valer este preço? Ela tem alguma habilidade excepcional?” perguntou um simpatizante do Estado Islâmico sobre a mulher.

“Não”, respondeu Alamani. “A oferta e a demanda fazem ela valer este preço”.

Mais de 700 escravas sexuais já foram submetidas aos cuidados de médicos das Nações Unidas, após terem conseguido escapar das mãos dos jihadistas. A maioria delas são da minoria yazidi, que há muito tempo sofrem de perseguições no Iraque.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/estado-islamico-vende-escravas-sexuais-no-facebook-19397873#ixzz4A9yMAoRu
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Uma jovem Yazidi relata os estupros infernais cometidos pelo Estado Islâmico

Meninas Yazidis  foram “vendidas” por alguns maços de cigarros.

Citações de “Birvan” para Discussão sobre Shabaab (A Palavra para a Juventude), programa apresentado por Jaafar Abdul, 22 de março de 2016.

  • “Eles podiam vir e pegar qualquer garota sem pedir a opinião dela; se ela se recusava, eles tinham o direito de matá-la ali mesmo”
  • “Quem entrava no quarto e encontrava alguma do seu gosto poderia dizer ‘vamos lá’.”
  • “Havia 48 milicianos do Estado islâmico na casa e fomos duas meninas, duas meninas yazidis. “
  • “Que hospital? Bateram-me ainda mais mais!
  • “Eu não me importava de ser capturada. Fugir ou morrer era melhor do que ficar lá “.

Uma entrevista recente, realizada em árabe com uma jovem Yazidi, escrava sexual do Estado islâmico, foi transmitida em 22 de março de 2016 DW. A menina foi o convidada da “Discussão Shabaab” (A Palavra para a Juventude) liderada por Abdul Jaafar.

A menina que falou usando o pseudônimo Birvan, foi capturado com a idade de 15 anos e sofreu muitos meses de escravidão antes de conseguir escapar. Ela tem 17 anos hoje. Tudo o que se segue é uma síntese de sua entrevista na televisão:

Continuar lendo Uma jovem Yazidi relata os estupros infernais cometidos pelo Estado Islâmico

ISIS executa 250 mulheres em Mosul por se recusarem a ser escravas sexuais

Após a queda de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque que caiu nas mãos do ISIS, os militantes começaram a forçar as mulheres a aceitar o casamento temporário ou jihad sexual (jihad al-nikah), sob o pretexto de implementar a Sharia, e as mulheres enfrentam punições severas quando se recusam a submeter-se.

Um membro do Partido Democrático do Curdistão (KDP), de Mosul, afirmou que a vida é muito difícil para as mulheres em Mosul devido às rígidas regras do ISIS que lhes são impostas. O ISIS começou a selecionar mulheres de Mosul e as forçou a se casar com seus militantes chamando-o casamento temporário ou jihad sexual (jihad al-nikah), quando tomou o controle de Mosul, e as mulheres que se recusaram a submeter-se a esta prática seriam executadas. Ao menos 250 meninas até agora foram executadas pelo ISIS por se recusarem a aceitar a prática da jihad sexual, e às vezes as famílias das meninas também são executadas por rejeitar a aceitação do pedido do ISIS “, disse.

Ghayas Surchi, um funcionário do PUK de Mosul revelou que os direitos humanos estão sendo amplamente violados em todos os territórios detidos pelo ISIS, em particular, os direitos das mulheres porque elas são vistas como “commodities” e elas não têm arbítrio na escolha de seus cônjuges. Surchi acrescentou que as mulheres são proibidas de sair sozinhas em Mosul e devem estar totalmente cobertas quando estão em público. Meninas e meninos também não estão autorizados a ver uns aos outros e conversarem, sendo, portanto, difícil para eles escolherem seus cônjuges. No entanto, há comerciantes que secretamente organizam encontros entre meninos e meninas e eles cobram uma grande quantidade de dinheiro.

Os militantes tomaram o controle de Mosul, em Junho de 2014, após a queda do exército iraquiano na cidade, e desde então, têm sido executado os moradores da cidade por vários motivos para espalhar medo e obrigar os civis a obedecer.

http://en.abna24.com/service/middle-east-west-asia/archive/2016/04/19/748501/story.html

Escravas para o deleite do guerreiro pela graça de Alá

O Estado Islâmico dita “normas” para o usufruto das cativas por parte dos combatentes jihadistas.

Já fazia tempo que havia sinais, mas agora existem documentos e testemunhas que comprovam: onde o Exército Islâmico coloca sua bota, ressurge o cativeiro e a escravidão sexual para o prazer e relaxamento do guerreiro. Um retrocesso de séculos ao mais escuro e ignominioso passado. A Anistia Internacional reuniu testemunhos de várias jovens yazidis escravizadas que foram libertadas na operação liderada pelos Estados Unidos na Síria para capturar Abu Sayyaf, um dos líderes do Estado Islâmico, que morreu no confronto. Logo depois, a agência Reuters publicou um decreto emitido pelo denominado Departamento de Investigações e Fatwas do EI, no qual estão listadas as condições de cativeiro e as regras de uso das escravas. É grotesco, alucinógeno, mas é real. Na sociedade bastante regulada e absolutamente controlada que impõe o EI onde governa, tudo está regulado. Também quem e como, “pela generosidade e misericórdia de Deus” pode “desfrutar” de uma cativa.

Quem? Os guerreiros. As escravas sexuais estão reservadas a esses mujahedins (combatentes) “que estão separados de suas esposas muito tempo por serviços na frente de batalha ou em expedições” e também aos “combatentes estrangeiros que deixaram para trás suas esposas e filhos tendo um longo exílio pela frente”. No caso de alguém ter dúvida, os líderes do EI deixam claro que tomar mulheres como concubinas e escravizar as famílias dos infiéis é algo perfeitamente contemplado pela sharia. Porque se trata de infiéis. Após a conquista do território deles, é permitido levar as mulheres e as crianças. Os homens costumam ser mortos.

Entre os infiéis que o Exército Islâmico atacou estão os yazidis, uma minoria religiosa pré-islâmica, de cultura e língua curda, que ocupa uma grande área ao redor do Monte Sinjan, no noroeste do Iraque. Essa comunidade é especialmente odiada pelos jihadistas radicais por considerarem que adoram o demônio. A estimativa é que mais de 3.000 mulheres yazidis foram levadas como escravas. Algumas das que conseguiram escapar desse inferno relataram as condições humilhantes e cruéis do cativeiro.

De acordo com o decreto, a designação como escrava de uma cativa deve ser autorizada por um imã. Depois de entregue ao combatente “agraciado”, este deve seguir regras. De sua leitura podemos entender que não foram pensadas tanto para proteger as escravas, mas para evitar conflitos entre os escravizadores. Por exemplo, um pai e um filho não poderão “desfrutar” da mesma escrava, nem um mesmo combatente de uma mãe e uma filha cativas. Também diz que estão obrigados a “mantê-las, alimentá-las e mostrar compaixão”. É possível que pareça muito civilizado a quem redigiu o decreto estabelecer essa obrigação. Mas o que entenderá por compaixão alguém que priva uma mulher de toda dignidade, que a subjuga pela força e que a viola sempre que tiver vontade? Há coisas para as quais não há palavras.

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/01/27/opinion/1453925704_133457.html?id_externo_rsoc=FB_CM