Arquivo da tag: #Estado Islâmico

Alemanha: vídeos com decapitações do ISIS cada vez mais populares entre crianças imigrantes

“Os vídeos de decapitação do ISIS são cada vez mais populares entre as crianças imigrantes em idade escolar na Alemanha”, Voz da Europa , 27 de março de 2018:

O problema na maioria das escolas com migrantes é espiral, fora de controle. O Presidente da Associação de Professores da Alemanha, Heinz-Peter Meidinger, diz o jornal BILD.

Em uma entrevista, Meidinger diz que o número de ataques a professores em escolas de maioria imigrante está aumentando e várias escolas já precisam de segurança privada. Várias crianças também possuem facas e “sprays de gás”.

Quando perguntado ao Presidente da Associação de Professores se a circulação de um vídeo de decapitação do ISIS em uma escola de Berlim é um caso isolado, ele diz:

“Infelizmente, esses não são mais casos isolados, nem mesmo entre estudantes muito jovens em escolas primárias. Tais incidentes agora existem em muitas escolas na Alemanha. Uma coisa é certa: Vídeos violentos e cruéis nas redes sociais já chegaram há muito tempo à vida estudantil. Em fóruns de bate-papo como o WhatsApp, filmes como o vídeo de decapitação do ISIS estão se espalhando rapidamente. ”

Meidinger diz que há uma crescente “polarização e deterioração” nas escolas dos distritos urbanos. “Uma menina judia foi ameaçada de morte por seus colegas de classe e muitas vezes há ataques antissemitas em Berlim”, diz ele.

Com informações e imagem de Jihad Watch

Anúncios

Amin al-Husseini, o líder palestino amigo e colaborador de Hitler

Por Andréa Fernandes

Quando assistimos horrorizados à crueldade praticada pelos terroristas do Estado Islâmico contra os cristãos, yazidis, curdos, homossexuais e outras minorias do Iraque e Síria, a primeira reação advinda é a estupefação com o nível incompreensível de brutalidade que muitos apologistas religiosos afirmam estar totalmente desvinculado do “verdadeiro islã”.

Entrementes, como não almejo alcançar o panteão obscuro dos “politicamente corretos” para agradar os seguidores da “banalização do mal”, confesso que muito embora reconheça existir uma parte da comunidade muçulmana adepta à paz – sem, no entanto, precisar estimativas como muitos fazem – acredito que a essência da religião tem grande possibilidade de conduzir o seguidor a um comportamento virulento contra os chamados “infiéis”.

A história da evolução dos povos muçulmanos está repleta de evidências que corroboram o meu entendimento, e nesse mister, importa trazer à lume um fato histórico paradigmático.

Assim que os britânicos se assenhoraram da “Palestina” após o esfacelamento do Império Otomano (1917-1918), implantaram uma política antissemita de apoio à violência árabe para impedir o cumprimento da Declaração Balfour, que previa a criação de um lar nacional judaico na região. Nesse sentido, escolheram Amin al-Husseini como líder oficial das comunidades árabes de Jerusalém, atribuindo-lhe o título de grão-mufti (chefe dos juristas que interpretavam as leis religiosas), dado o seu histórico criminoso ao liderar a revolta dos árabes contra os judeus no ano de 1920, revolta esta que resultou numa simbólica sentença condenatória a 10 anos de prisão, prontamente revogada, a fim de que Husseini desse continuidade aos seus discursos de ódio que inflamavam diversos grupos árabes para cometer atrocidades contra os judeus.

A longa carreira do religioso muçulmano palestino como grão-mufti de Jerusalém lhe proporcionou a oportunidade de apregoar incitamentos de ódio contra as comunidades judaicas. Expressões tais como, “itbah al-yahud” (matem os judeus) e “nashrab dam al-yahud” (beberemos o sangue dos judeus), fomentaram ataques árabes, aumentando a violência antijudaica que se espelhava em massacres.

A imagem pode conter: 1 pessoa, barba, chapéu e texto

Objetivando expulsar os judeus nativos e refugiados da “Palestina” através de atos violentos contra os civis mais vulneráveis (idosos, mulheres e crianças), os discursos do futuro “conselheiro de Hitler” culminaram no Massacre de Hebrom, no ano de 1929. Árabes assassinaram covardemente estudantes de uma instituição hebraica de ensino superior e invadiram lares judaicos assassinando diversas famílias.

Com efeito, convém avocar o relato do chefe de polícia britânico de Hebrom, que sintetiza perfeitamente a política de “limpeza étnica” perpetrada pelo grão-mufti racista em face das vítimas indefesas, tais quais as vidas ceifadas pelos terroristas do Estado Islâmico:

“Ao ouvir os gritos num quarto, subi por uma espécie de passagem em um túnel e vi um árabe cortando a cabeça de uma criança com uma espada. Ele já a havia atingido e estava cortando novamente e, ao ver-me, tentou atingir-me, mas errou: estava praticamente na boca do meu rifle. Eu o atingi na virilha. Atrás dele estava uma mulher judia coberta de sangue com um homem que reconheci como um policial (árabe) chamado Issa Sheril, de Jafa… Estava de pé sobre a mulher com um punhal na mão. Ao ver-me, fugiu para um quarto vizinho e tentou trancar-me – gritando em árabe “senhor, eu sou um policial”. Eu entrei no quarto e atirei nele.”

Qualquer semelhança entre o depoimento acima e os testemunhos que lemos nos jornais acerca da barbárie executada pelo ISIS é “mera coincidência” que tem preenchido a história dos povos muçulmanos.

Como bem frisa Pamela Geller, o “Hitler muçulmano” acreditava que os nazistas cumpririam o seu desejo de eliminar os judeus de seus territórios sagrados, inclusive, Jerusalém, que sempre teve maioria judaica, cumprindo assim a “lição” que recebeu do profeta Mohammad – exemplo maior do Islã – ao matar e/ou expulsar todos os judeus de Meca e Medina. Aliás, fala-se muito por aí entre os “intelectualóides” acerca da “inspiração luterana” do ódio de Hitler contra judeus, porém, esconde-se a realidade de que os religiosos que entusiasmaram os nazistas para praticar o Holocausto não foram bem os cristãos, e sim, os muçulmanos. É bom lembrar da declaração do chefe das tropas nazistas SS Heinrich Himmler ao chefe de propaganda Josef Goebbels:

Eu não tenho nada contra o Islã porque ele educa os homens desta divisão para mim e promete o céu se eles lutarem e forem mortos em ação. Uma religião muito prática e atraente para os soldados.”

Percebe o quanto a “religião da paz” foi vista como útil aos interesses nazistas de erradicar os judeus com a “solução final”? Contudo, a relação promíscua do líder palestino genocida Al-Husseini com o nazismo é um fato que historiadores não comentam em salas de aula e já provocou prisão de um jornalista na Alemanha por ter ousado publicizar nas redes a outra face – verdadeira – do líder religioso muçulmano que sonhava com o extermínio de judeus para se apropriar de suas terras.

O “infiel” Michael Sturzenberg não entendeu que a sharia (lei islâmica) proíbe críticas ao Islã – em alguns países gera pena de morte – e também não aprendeu que “liberdade de expressão” é um “decadente” conceito ocidental que não tem mais lugar na “Eurábia”. O jornalista teve a infeliz ideia de postar um retrato no Fabeook mostrando a colaboração islâmico-nazista, fato histórico que já foi suprimido por “educadores” imbuídos no ensino das “maravilhas da cultura islâmica” e “trevas da cultura imperialista-racista ocidental”. Seis anos de prisão é a consequência por não obedecer a sharia estabelecida pelo país que obriga crianças alemãs a participarem de projetos educacionais de visita aos locais onde foram perpetrados o Holocausto, mas “desobriga” crianças muçulmanas a participarem do referido projeto educativo em respeito ao “ódio sectário” dos líderes muçulmanos mais ortodoxos.

Esse tema do “ódio genocida palestino” é tão relevante ser tratado que renderá novo artigo brevemente… Vou aproveitar enquanto não há prisões no Brasil por críticas à religião protegida pela mídia esquerdista que elegeu o Cristianismo para “crucificar”.

A penalidade mais comum que tenho recebido por denunciar as perversidades de países muçulmanos contra minorias vem sendo o “bloqueio” no Facebook, e o que escrevo hoje é justamente em “repúdio” à censura que tenta impedir o meu direito de denunciar as violações de direitos humanos de parte de um “povo  inventado” ansioso por fazer com os judeus o mesmo que fez com os cristãos de Belém, que deixaram de ser maioria de 80% naquele território importante para a fé cristã por “obra e graça” dos seguidores da “religião da paz” protegida pela “mãe das prostitutas”, ONU!

Enquanto cristãos forem perseguidos, discriminados e massacrados em países muçulmanos hei de lembrar que a inspiração de ódio “islâmico-nazista” deve ser combatida veementemente sob pena de continuarmos observando de forma omissa crimes horrendos em nome de ideologias cruéis como o Nazismo que dizimou 6 milhões de judeus e o “islamofacismo” que dizimou milhões de cristãos armênios, gregos e assírios na “Turquia genocida“.

A “informação” sem a roupagem enganosa do “politicamente correto à la sharia” ainda é o melhor instrumento de combate ao “ódio religioso” que verdadeiramente mata milhares de seres humanos todos os anos!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista, jornalista, presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires e Líder do Movimento Nacional pelo Reconhecimento do Genocídio de Cristãos no Oriente Médio.

Final do Ramadã na Indonésia: muçulmanos gritando “Allahu akbar” esfaqueia policial até a morte

“Os alegados militantes do ISIS matam policial na Indonésia” , AFP , 25 de junho de 2017 (graças a Lookmann):

Jakarta (AFP) – Dois supostos militantes do grupo Estado islâmico apunhalaram um policial até a morte no oeste da Indonésia, disseram autoridades no domingo, no último ataque dirigido a funcionários do país muçulmano mais populoso do mundo.

Os dois atacantes gritaram “Allahu Akbar”, ou Deus é maior, quando eles entraram em um posto de segurança na sede da polícia do Norte de Sumatra, na cidade de Medan, onde apunhalaram um policial, disseram autoridades.

Vários policiais lutaram contra os militantes, matando um e ferindo gravemente o outro.

“Suspeitamos que os criminosos tenham links com ISIS e Bahrun Naim, porque encontramos uma bandeira do ISIS, livros e CDs ligados a ISIS na casa de um atacante”, disse o porta-voz da polícia nacional, Setyo Wasisto, à AFP.

Bahrun Naim, um indonésio que está lutando com ISIS na Síria, foi acusado de dirigir uma série de tramas terroristas na maior parte do tempo em sua terra natal nos últimos anos.

Centenas de radicais da Indonésia reuniram-se no exterior para lutar com o ISIS, e o país viu um aumento nas parcelas e ataques ligados aos jihadistas no ano passado.

O ataque aconteceu algumas horas antes das orações do Eid, inclusive na sede da polícia de North Sumatra, como parte das celebrações de Eid al-Fitr que marcam o fim do santo mês de jejum do Ramadã ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/ramadan-finale-in-indonesia-muslims-screaming-allahu-akbar-stab-police-officer-to-death

“Estado Islâmico” usa crianças como armas de guerra em Mossul, diz ONU

Unicef denuncia que jihadistas matam filhos de famílias que tentam fugir da parte sitiada da cidade iraquiana. Mais de mil menores foram mortos desde que grupo extremista tomou um terço do território do país, em 2014.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou nesta quinta-feira (22/06) que combatentes do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) usam crianças como alvos para evitar a fuga de seus familiares de Mossul, enquanto prosseguem os avanços das forças iraquianas para a retomada da cidade.

“Eles estão usando crianças como armas de guerra, para evitar que as pessoas fujam”, afirmou o representante do Unicef no Iraque, Peter Hawkins. “Isso apenas ressalta o quanto essa guerra é indiscriminada e catastrófica.”

O Unicef documentou diversos casos em que os jihadistas mataram os filhos das famílias que tentavam fugir da região sitiada na segunda maior cidade do Iraque, ainda sob controle da milícia. Segundo a agência, 1.075 crianças foram mortas, e 1.130 ficaram feridas desde a tomada de quase um terço do território iraquiano pelo EI, em 2014.

As crianças muitas vezes são forçadas a tomar parte nos combates. O Unicef registrou ao menos 231 casos de menores de idade recrutados pelo EI ou por outros grupos armados.

Apenas nos últimos seis meses, a violência no Iraque deixou 152 crianças mortas e 255 feridas. Além disso, mais de um milhão de crianças tiveram seus estudos interrompidos ou por estarem em áreas controladas pelos jihadistas ou pelo deslocamento forçado.

“O futuro da segurança e do potencial econômico do país é determinado pelo que acontece com as crianças nos dias de hoje”, observou Hawkins.

Estima-se que a luta pela retomada de Mossul já tenha resultado em milhares de mortos e feridos. Segundo o governo do Iraque, mais de 850 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas durante a operação de retomada da cidade, iniciada em outubro. No oeste de Mossul, quarteirões inteiros foram destruídos em razão dos combates, bombardeios aéreos e artilharia.

http://www.dw.com/pt-br/estado-isl%C3%A2mico-usa-crian%C3%A7as-como-armas-de-guerra-em-mossul-diz-onu/a-39368173

Mais Convocações para Ataques

Por Amir Kater

É no mínimo, absurdo que um grupo, que se impões com base em sua “religião da paz”, chame seus seguidores/simpatizantes para ataques. Pior, em pleno “Ramadã”.

Conforme gravação de áudio que foi divulgada segunda-feira (12/06), um porta-voz do Daesh ou EI, Abu al-Hassan al-Muhajer, elogiava ataques realizados na semana passada na capital iraniana. Após dizer que o país está “mais fraco que uma teia de aranha”, de maneira clara incitou a perpetração de mais ataques.

Não satisfeito, Al-Muhajer, convocou realização de atentados na América do Norte, Rússia e Austrália, mencionando que  “o céu é alcançado sob a sombra das espadas”.

É de sabença geral aquilo que no mínimo, parece incongruente, mesmo não havendo congruência alguma nos atos animalescos desse e de outros grupos terroristas islâmicos: o DAESH já convocara ataques durante o “ramadã” em anos anteriores.

Por sinal, não podemos nos esquecer que neste ano já houve reivindicação de outros ataques ocorridos nesse período “festivo/religioso” no  Egito, Irã, Filipinas e Inglaterra, que ceifaram dezenas de vidas ferindo outras centenas.

Por oportuno, vale sempre lembrar – principalmente em países como o Brasil, que ainda pode reverter a entrada maciça dessa onda terrorista invasora – que são só cinco passos:

HÉGIRA (migração): É uma tática tradicional de ocupação pacífica, na qual a comunidade Kafir tem a falsa sensação de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tenha ganhado força.

TAYSIR: Permite ensinar fórmulas falsas do Islã em terras estrangeiras, ou ignorar os princípios mais rígidos da Sharia, como uma versão “light” do Islã – para facilitar sua observância pelos novatos – que mais tarde serão endurecidos.

MURUNA: É a suspensão temporária da SHARIA, a fim de que os imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”.

HUDNA: É uma trégua temporária (muitas vezes entendida como “paz” pelo kafir), que os muçulmanos podem quebrar a qualquer momento, quando se tornar estrategicamente vantajoso. É geralmente para fins de armamento e reagrupamento (ver as ondas de ataques dos palestinos a Israel).

ALWALA’ WA’LBARA’: Esta é a convocação geral – uma conclamação aos muçulmanos para se unirem (incluindo os terroristas) e se ajudarem contra os não-muçulmanos. A ordem para todos é evitar se opor à Jihad, incluindo participar no esforço de guerra aos não muçulmanos.

Despertemos! Urge a necessidade de acordarmos para a realidade, deixando todo e qualquer preconceito de lado, pois a cimitarra que se coloca sobre as nucas, se aproveita, se fortalece e se engrandece a cada cisão, a cada ponto de preconceito interno, de desentendimento entre pares. Acordemos!

 

Fonte da imagem: https://goo.gl/images/5IQ1ri

Outras fontes: http://www.elconfidencial.com/mundo/2017-05-26/estado-islamico-guerra-total-occidente-ramadan_1389444/

http://www.hispantv.com/noticias/europa/342715/estado-islamico-isis-guerra-occidente

Ramadan:http://www.dn.pt/lusa/interior/grupo-extremista-estado-islamico-apela-a-ataques-na-europa-durante-o-ramadao-8558935.html

Estado Islâmico adverte muçulmanos para evitar os “lugares de encontro dos cruzados”

“A agência de notícias de apoio ao ISIS diz aos muçulmanos que evitem” se reunir nos lugares dos cruzados “enquanto os fanáticos planejam” explodir, atravessar as pessoas e cortar o pescoço a qualquer momento “,” Iain Burns, Mailonline , 8 de junho de 2017 (graças a The Religião da paz ):

Uma agência de notícias pro-ISIS disse aos seguidores que se afastassem dos “lugares de encontro dos cruzados”, pois avisa que “milhares de leões solitários” estão preparados para abater civis a qualquer momento.

Em um comunicado publicado pela Nashir News Agency, pessoas na América, Rússia, França, Grã-Bretanha, Canadá, Bélgica, Austrália e aqueles que estão fora do Califado são advertidos de ataques quase diariamente abençoados por combatentes do Estado islâmico.

“Vamos explodir, atropelar as pessoas com veículos e cortar o pescoço a qualquer momento”, diz a declaração.

Ele vem como a revista on-line do grupo terrorista disse que o foco de seus seguidores mudou para a realização de ataques contra o “solo Cruzado”.

Em uma seção do aviso de Nashir intitulado ‘O! Vocês cruzados! ‘, O autor aborda pessoas fora do Estado Islâmico dizendo:’ Você começou a agressão contra nós … e você pagará caro por isso ‘.

Ele acrescenta: “O Estado islâmico não iniciou a guerra contra você, como seus governos e meios de comunicação imaginam.

“Nós preparamos para você piores dias, surpresas depois de surpresas, e para atender o chamado de atingir os países dos cruzados, milhares de leões solitários foram preparados em seus países e venderam seus corpos e almas por causa de Allah”.

Conclui: “E aguarde os ataques e esperamos também!”

Um editorial doentio na revista Rumiyah dos jihadistas, publicado antes do ataque da Ponte de Londres, disse: “Apenas uma semana antes do bendito mês do Ramadã, a atenção do mundo estava focada na cidade britânica de Manchester.

“Um soldado do Khilafah realizou uma operação do Justo Terror, marcando a Arena Manchester na conclusão de um show por uma cantora americana”.

A peça continuou: “A explosão abalou a cidade e encheu seus moradores de terror, como muitos deles tentaram entrar em contato com seus entes queridos e garantir que eles estavam seguros.

“Então, os números de acidentes começaram a surgir: mais de 20 foram mortos e dezenas mais foram feridas. O total aumentaria para quase 100 mortos e feridos.

“Os inimigos do Islã fizeram o seu melhor para enfrentar um rosto corajoso e desafiador, mas seus esforços foram um completo fracasso. Eles estavam claramente sofrendo. ‘…

https://www.jihadwatch.org/2017/06/islamic-state-warns-muslims-to-avoid-the-gathering-places-of-the-crusaders

O califa do Estado Islâmico al-Baghdadi está morto (novamente)

“O líder do ISIS Abu Bakr al-Baghdadi morreu em Raqqa Air Strike”, de Constance Renton,Morocco World News , 11 de junho de 2017:

Rabat – Novas fontes importantes relataram que o terrorista mais procurado do mundo, Abu Bakr al-Baghdadi, foi morto em um ataque aéreo da coalizão em Raqqa no sábado.

Os relatórios estão sendo encarados com certo grau de ceticismo, no entanto, esta não é a primeira vez que o líder do terror foi denunciado morto.

A televisão síria publicou o relatório inicial. Ainda não foi confirmado por enquanto, já que o ISIS ainda não divulgou uma declaração. Tampouco houve resposta da força de coalizão liderada pelos EUA.

Raqqa 24, uma organização de ativistas Syrina, confirmou que ataques aéreos em Raqqa mataram pelo menos sete civis, mas não fizeram menção a Al-Baghdadi.

Nascido em Samarra, no Iraque, em 1971, Al-Baghdadi se juntou à insurgência em 2003, que surgiu após a invasão liderada pelos EUA no Iraque. Ele passou a se tornar o terrorista mais caçado do mundo, com uma recompensa de US $ 25 milhões de dólares.

De acordo com a inteligência da coalizão, ele estava escondido em Mosul, mas escapou quando a Coalizão lançou sua principal ofensiva na cidade. Pensa-se que ele fugiu para Raqqa …

https://www.jihadwatch.org/2017/06/islamic-state-caliph-al-baghdadi-is-dead-again

Ataque inédito no Irã deixa 12 mortos em Parlamento e mausoléu do aiatolá Khomeini

Dois ataques de homens armados em Teerã nesta quarta-feira, contra o Parlamento iraniano e ao mausoléu do aiatolá Khomeini, deixaram pelo menos 12 mortos e cerca de 40 feridos.

O ataque ao prédio do Parlamento parece já ter terminado, após horas de tiroteios. No ataque ao mausoléu, um homem-bomba se explodiu e outro foi morto a tiros.

Autoridades iranianas afirmam ter conseguido frustrar a tentativa de um terceiro ataque.

O Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade pelos ataques, algo até então inédito no Irã. O grupo extremista islâmico divulgou um vídeo que mostra o que seriam imagens de dentro do prédio do Parlamento.

A mídia iraniana disse que quatro indivíduos foram mortos por forças de segurança no interior do prédio. Ainda não está claro se a soma de 12 mortes inclui os responsáveis pelos ataques.

Cerca de 40 pessoas foram feridas nos dois atentados, de acordo com o chefe do serviço de emergência Pir Hossein Kolivand.

Invasão

O prédio do Parlamento foi invadido por homens armados de fuzis Kalashnikov, supostamente vestidos de mulher.

Imagens do local mostraram uma grande operação de segurança e barulho de tiros.

Autoridades iranianas negaram que pessoas tinham sido feitas reféns dentro do Parlamento.

Um porta-voz, Ali Larijani, minimizou o ataque, chamando-o de “incidente menor”.

MausoléuDireito de imagemJAMARANNEWS/FARS
Image captionImagem divulgada pelo Fars News mostra explosão no mausoléu

O ataque ao mausoléu no sul de Teerã dedicado ao fundador da República Islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini, teria ocorrido por volta das 10h40 do horário local (3h10 de Brasília).

Um dos autores do ataque morreu ao detonar um colete-bomba e outro foi morto por forças de segurança, segundo a TV estatal Irib.

Imagens do local mostram granadas e cartuchos de armas sendo aparentemente recolhidos do corpo de um agressor.

Pelo menos um dos envolvidos parece ser uma mulher, ou talvez estivesse vestido de mulher.

Várias pessoas que visitavam o lugar foram feridas.

mapa
Image captionMapa de Teerã

Contexto – por Jenny Norton, do serviço persa da BBC

Este parece ser o mais grave incidente de violência terrorista em Teerã desde os turbulentos anos logo após a Revolução Islâmica de 1979.

Isto será um grande choque para os iranianos, que se acostumaram a viver num país que geralmente é muito mais estável e seguro do que a maioria de seus vizinhos.

Apesar do ativo envolvimento do Irã no combate ao EI tanto no Irã como na Síria, o grupo sunita até então não tinha realizado ataques no interior do Irã, e parece ter pouco apoio no país predominantemente xiita.

Entretanto, nos últimos meses, o grupo intensificou os esforços de propaganda na língua farsi – com foco na minoria sunita rebelde do Irã, e as agências de inteligência afirmam ter frustrado uma série de possíveis ataques do EI.

Análise – da equipe de monitoramento da mídia jihadista da BBC

O EI divulgou este ano uma série de peças de propaganda com o objetivo de incitar ataques dentro do Irã.

Um vídeo com o estilo documental do EI mostrou, em março, militantes que eram introduzidos como combatentes iranianos do EI no Iraque.

Falando em farsi, eles criticaram o governo iraniano e o establishment religioso, incluindo o líder espiritual do país, o aiatolá Ali Khamenei.

Um ataque no Irã, se for bem-sucedido, poderia ser um triunfo importante contra um inimigo tradicional que outros grupos jihadistas, incluindo seu rival Al-Qaeda, nunca conseguiram.

TeerãDireito de imagemEPA
Image captionImagem parece mostrar criança sendo retirada do prédio do parlamento
aniversário de morte do aiatolá KhomeiniDireito de imagemAFP
Image captionHá informações ainda conflituosas sobre os eventos no mausoléu, no sul de Teerã
http://www.bbc.com/portuguese/internacional-40187075

O Terror Disfarçado de Religião: EI clama por Ataques durante o Ramadã

por Amir Kater

No último sábado se iniciou o Ramadã, nono mês do calendário islâmico, onde “Maomé”, Mohamad, teria recebido a “iluminação” sobre os primeiros versos do “Al Kouran” e de como deveriam servir a “Allah”. Esse período é de um mês no calendário islâmico, é o mesmo mês em que o EI conclama mais ataques na Europa.

Certamente que pensando na questão de “iluminação divina” a última coisa que se deveria fazer é a conclamação de ataques pelo mundo a fora. Mas claro que o Estado Islâmico assim como outros grupos, talvez de menor expressão, não poderiam deixar de fazer o que sabem melhor; promover o terror.

O que já se mostra factível, pois se nesse período os seguidores de “Maomé” devem além do jejum integral (de comida e bebida) durante o período noturno, a ideia é de que se desprendam dos bens materiais enaltecendo as reflexões, a contrição e levando-os ao desapego material. Teria momento melhor, para estes que dão apoio, simpatizam ou participam da mentalidade do EI para morrer, mesmo que levando calmos e tranquilos, “infiéis” junto? Não, não há!

Mas há a utopia em afirmar, na Europa, que o aparato de segurança está alerta e atento; devemos nos perguntar se, o alerta, será da mesma forma que vimos quando da explosão em show há cerca de uma semana em Manchester. Afinal se a operacionalidade de triagem, inteligência e proteção dos “infiéis” for igual ao daquela noite, só podemos lastimar as consequências.

Mas voltando; dias atrás o grupo “DAESH” (Estado Islâmico) conclamou, mais uma vez,  para que seus seguidores e/ou simpatizantes, por que não, para que iniciem uma onda de ataques de “guerra total” contra os infiéis daquele continente. Mas é compreensível, por pior que pareça, que tal chamado seja feito nessa época e  possa fazer com que haja ataques em qualquer ponto do globo, onde haja seguidores ou simpatizantes desse grupo. E não só na Europa.

Por outro lado, por mais que pareça estranho Trump, que recentemente esteve em Israel e Vaticano, que tenta desde o início de mandato a proibição de entrada solo Estadunidense de pessoas oriundas de 06 (seis) países de “fé” muçulmana (Somália, Líbia, Irã, Iêmem, Sudão e Síria) acaba por expedir nota com votos de “bom ramadã”. Ao mesmo tempo em que reforça que o Ocidente não pode se dobrar ou aceitar qualquer tipo de violência, importante é que o tal presidente, Trump, invoca o sentimento, se é que há algum, islâmico do período do ramadã para frisar que não podemos nos curvar ou aceitar a violência. Mas deveria ter inserido no contexto de suas palavras que não se pode aceitar a violência, e, ainda mais, o terrorismo, em qualquer época, sendo ramadã ou não; até por que, esses que conclamam ataques sangrentos para esse período, já deixaram claro que não aceitaram ou aceitarão qualquer comemoração cristã ou de outras denominações religiosas.

Para piorar, são apoiados por lideranças do sistema teo-político colonizador, que bradam aos sete ventos, que sofrem de “islamofobia” através de palavras ou atos contra suas mesquitas. Mas evidente é a manobra casada, bem engendrada para tentar sensibilizar os desavisados, se é que ainda existem estes.

Lembremos sempre desses passos para a islamização:

HÉGIRA (migração): É uma tática tradicional de ocupação pacífica, na qual a comunidade Kafir tem a falsa sensação de que os primeiros imigrantes não são uma ameaça, pelo menos até que a comunidade muçulmana tenha ganhado força.

TAYSIR: Permite ensinar fórmulas falsas do Islã em terras estrangeiras, ou ignorar os princípios mais rígidos da Sharia, como uma versão “light” do Islã – para facilitar sua observância pelos novatos – que mais tarde serão endurecidos.

MURUNA: É a suspensão temporária da SHARIA, a fim de que os imigrantes muçulmanos pareçam “moderados”.

HUDNA: É uma trégua temporária (muitas vezes entendida como “paz” pelo kafir), que os muçulmanos podem quebrar a qualquer momento, quando se tornar estrategicamente vantajoso. É geralmente para fins de armamento e reagrupamento (ver as ondas de ataques dos palestinos a Israel).

ALWALA’ WA’LBARA’: Esta é a convocação geral – uma conclamação aos muçulmanos para se unirem (incluindo os terroristas) e se ajudarem contra os não-muçulmanos. A ordem para todos é evitar se opor à Jihad, incluindo participar no esforço de guerra aos não muçulmanos.

Acordemos! Urge a necessidade de acordarmos para a realidade, deixando todo e qualquer preconceito de lado, pois a cimitarra que se coloca sobre as nucas, se aproveita, se fortalece e se engrandece a cada cisão, a cada ponto de preconceito interno, de desentendimento entre pares. Acordemos!

Abraços, com votos de paz e bons olhos para enxergar melhor o que se aproxima.

Filipinas: Jihadistas do Estado Islâmico capturam e assassinam nove cristãos

“Os cristãos são amarrados e mortos a tiros pelos militantes do ISIS, enquanto forças especiais treinadas pelos EUA lutam para retomar a cidade sitiada das Filipinas contra os jihadistas”, de Ekin Karasin, Jay Akbar e Nic White, Daily Mail Austrália, 25 de maio de 2017:

Os militantes ligados ao ISIS capturaram nove cristãos, amarraram suas mãos e os mataram em uma cidade das Filipinas.

O grupo de Maute forçou os civis a saírem de um caminhão num ponto de verificação da estrada na cidade de Marawi na quarta-feira e os assassinou depois que foram identificados como cristãos, relataram os meios de comunicação locais.

Imagens angustiantes mostram o grupo deitado de bruços na grama, em meio a relatos de que os moradores têm medo de retirar os corpos porque os terroristas ainda estão na área.

Um policial foi capturado de forma semelhante em um posto de controle criado pelos militantes e decapitado na quarta-feira, disse o presidente Rodrigo Duterte.

Isso acontece quando 100 homens das forças especiais treinadas pelos EUA a bordo de helicópteros e tanques blindados lutaram para retomar a cidade sitiada no sul por jihadistas.

Cinco soldados e um policial morreram nos confrontos, enquanto 13 homens armados foram mortos, segundo os militares.

“Estamos enfrentando talvez 30 a 40 restantes do grupo terrorista local”, disse Jo-Ar Herrera, um porta-voz do primeiro Regimento de Infantaria do Exército ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/philippines-islamic-state-jihadis-capture-and-murder-nine-christians