Arquivo da tag: #estupro

Mulher britânica “presa em Dubai depois de relatar estupro”

Uma mulher britânica foi acusada de ter relações sexuais extra-conjugais em Dubai depois de relatar que foi estuprada, de acordo com um grupo de aconselhamento jurídico baseado no Reino Unido.

O grupo “Detained in Dubai” disse que a mulher foi presa depois de ter noticiado o estupro por dois homens britânicos.

Ela disse que foi libertada sob fiança, mas seu passaporte foi confiscado.
O Ministério das Relações Exteriores disse: “Estamos apoiando uma mulher britânica em relação a este caso e permaneceremos em contato com sua família.”
A mulher supostamente foi atacada por dois homens de Birmingham, enquanto estava em férias.

De acordo com “Detained in Dubai”, os alegados agressores não tiveram nenhuma acusação contra eles.

No entanto, segundo relatos de jornais, os dois homens também tiveram seus passaportes confiscados.

Entende-se que o Ministério dos Negócios Estrangeiros apoia os dois homens e está em contacto com as suas famílias.

“Detained in Dubai”disse que a mulher pode enfrentar julgamento pelas acusações – para as quais as punições possíveis incluem prisão, deportação, flagelação e até lapidação e morte.

Radha Stirling, fundadora e diretora de “Detained in Dubai” disse que os Emirados Árabes Unidos tinham uma longa história de penalizar as vítimas de estupro.

“Temos estado envolvidos com vários casos no passado, onde isso aconteceu, e trabalhamos com os advogados e as famílias e temos feito campanha para mudar atitudes na polícia e no judiciário.

“Casos recentes … mostram que ainda não é seguro para as vítimas relatar esses crimes à polícia sem o risco de sofrer uma dupla punição”

http://www.bbc.com/news/uk-38013351?SThisFB

Muçulmano rouba estupra e espanca idosa de 90 anos quando saía de uma igreja na Alemanha

Uma mulher de 90 anos de idade, estava saindo da igreja St. Lambertus ‘em Dusseldorf, quando um muçulmano marroquino de 19 anos em um acesso de raiva islâmica a atacou. Ele a arrastou para um beco, onde a roubou, estuprou e espancou antes de tentar fugir quando a polícia o prendeu. Aliás, a polícia já estava à procura do criminoso por atacar e roubar um adolescente no início deste ano:

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/10/19/19-year-old-muslim-from-morocco-attacks-grandmother-just-as-she-is-leaving-church-drags-her-into-an-alley-and-robs-her-rapes-her-then-beats-her-up-before-fleeing/

Jovem cristã paquistanesa é sequestrada e estuprada por muçulmanos que invadiram sua casa para tentar forçar a conversão da família ao islã

Shoebat – Por algum tempo, os muçulmanos locais estavam exigindo que a família se convertesse ao Islã, porque eles eram os únicos não-muçulmanos na vizinhança. A família continuou a dizer não, então numa noite um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher invadiram sua casa, bateram nos cristãos com barras de metal, e então levaram sua filha adolescente e cruelmente estupraram repetidamente a jovem, provocando-lhe dizendo que eles iriam parar de estuprá-la se negasse a Cristo:

A família cristã paquistanesa foi amarrada e espancada por um grupo de muçulmanos que invadiram sua casa no mês passado tentando forçar a família a se converter ao Islã. Mas quando a família se recusou a renunciar à sua fé, a sua filha mais jovem foi sequestrada, estuprada e ainda teve que voltar para casa.

A instituição de caridade com sede em Londres Christian Association veio em auxílio da família Masih, uma família de 10 cristãos aprisionados nas garras de trabalho forçado (escravidão moderna) perto da cidade de Kasur no Leste do Paquistão.

De acordo com a BPCA, a família vivia em uma pequena casa feita de barro e tinha sido constantemente pressionada por muçulmanos locais a se converter ao Islã por ser a única família na vizinhança que não tinha abraçado o Islã.

Na noite de 15 de setembro, um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher muçulmana invadiram a casa da família com pistolas, paus e barras de metal e bateram severamente nos membros da família cristã.

O grupo de intrusos esperava que a dor da família e sofrimento iria levá-los a reconsiderar suas recusas anteriores de conversão ao Islã. Apesar da dor, a família novamente se recusou a negar a Cristo e se converter ao islamismo.

Depois que a família recusou a  se converter, os muçulmanos ficaram enfurecidos e amarraram e vendaram os olhos de todos.

Como a família é constituída por seis filhas e dois filhos, os muçulmanos arrastaram a filha de 17 anos, Jameela, e o filho de 20 anos de idade, Arif, e jogaram os jovens na parte traseira de uma van estacionada do lado de fora da casa.

Arif, que acabou escapando posteriormente da casa por uma porta aberta enquanto ninguém estava olhando, disse a BPCA que ele e Jameela foram levados para um prédio em um local desconhecido que mais tarde descobriu ser uma mansão.

Arif explicou que quando eles chegaram na mansão, ambos foram torturados separadamente. Apesar da tortura, Arif novamente se recusou a se converter ao Islã. Enquanto ele podia ouvir os gritos de sua irmã, um dos captores disse a ele que outros homens muçulmanos foram se revezando para estuprar sua irmã e que tudo que ele tinha que fazer para salvá-la era abraçar o Islã. No entanto, ele novamente se recusou a renunciar a Cristo.

Quando o sol nasceu na manhã seguinte, Arif aproveitou uma oportunidade para escapar, quando percebeu que a porta foi deixada aberta sem ninguém por perto para monitorá-lo.

Demorou horas para Arif voltar para casa, porque teve que retornar à pé.

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/10/05/muslim-gang-demands-christian-family-convert-to-islam-family-says-no-muslims-beat-them-with-metal-bars-kidnap-their-teenage-daughter-and-take-turns-raping-her/

Cristã é estuprada por muçulmano em frente aos cinco filhos, no Paquistão

Samrah Badal foi estuprada por um muçulmano que exigia informações sobre o irmão dele, que teria fugido com a irmã da mulher.

Uma mulher cristã foi espancada e estuprada na frente de seus cinco filhos por um homem muçulmano que procurava “vingar honra” de sua família, no Paquistão. A “desonra” teria vindo de um episódio no qual a irmã da mulher agredida se apaixonou e fugiu com o irmão do agressor.

O advogado cristão Aneeqa M. Anthony, coordenador da ONG “Sociedade de Voz” comentou as notícias sobre a agressão em um depoimento à agência de notícias Fides, revelando que o episódio aconteceu na semana passada em Lahore.

Anthony explicou que o irmão muçulmano e um grupo de outros homens foram até a casa da cristã Samrah Badal, buscando notícias sobre o casal ‘fugitivo’, mas a mulher se recusou a dar qualquer informação. Como consequência, ela foi despida e arrastada para a rua, onde ela foi estuprada na frente de seus cinco filhos.

O advogado observou que o homem muçulmano (irmão do agressor) que escapou com a menina cristã veio de uma família muito influente na cidade e isso teria sido parte da razão para que seu irmão saísse em busca de vingança.

Anthony pediu aos políticos que fizessem o possível para intervir em nome dos cristãos, temendo que o ataque, como muitos outros, ficasse impune pela polícia.

A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família.

Em um incidente separado, ainda neste mês de junho (2016), uma mãe muçulmana matou a própria filha adolescente, queimando-a até a morte porque ela se casou sem o consentimento dos pais e “envergonhou a família”. Foi o terceiro crime desse tipo no espaço de um mês no Paquistão.

A menina de 18 anos de idade, Zeenat Rafiq, teria sido punida por se casar com um homem que sua família a tinha proibido de escolher, e tinha ido viver com a família do rapaz.

“Quando ela contou aos pais sobre nós, eles bateram tanto nela que ela sangrou pela boca e pelo nariz”, disse o marido da jovem, Hassan Khan, à BBC local.

“Sua família a atraiu de volta, prometendo reconciliação e uma recepção de casamento apropriada. Ela estava com medo, ela disse ‘eles não vão me poupar’. Ela não queria ir, mas a minha família a convenceu que era o certo a fazer. Como poderíamos adivinhar que eles iria matá-la?”.

Feminismo?

Diante da frequente onda de violência contra as mulheres no Paquistão e em outros países onde o islamismo impera como religião, cultura e até mesmo formação política, o pastor Franklin Graham questionou nas redes sociais, onde estariam as “defensoras dos direitos das mulheres” ou as chamadas “feministas” para se pronunciarem diante de tais atrocidades.

“Onde estão as ‘Glorias Steinems’, ‘Bellas Abzugs’ ou até mesmo as ‘Hillarys Clintons’, que se dizem defensoras dos direitos das mulheres quando se trata dos ensinamentos do islamismo? Por que eles não estão gritando e protestando contra a maneira como o islamismo trata as mulheres?”, questionou o evangelista em sua página no Facebook.

http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/34715/crista-e-estuprada-por-muculmano-em-frente-aos-cinco-filhos-no-paquistao.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=facebook

Vítima de estupro é condenada no Catar

Holandesa de 22 anos disse ter sido drogada e violentada por um desconhecido no país árabe.

Doha – A Justiça do Catar condenou uma jovem holandesa de 22 anos, que diz ter sido estuprada no país árabe, foi condenada a pagar uma multa de U$$ 824, aproximadamente R$ 2.600 e será deportada do país. A alegação da condenação é de que a mulher fez sexo fora do casamento depois que ela procurou a polícia para dizer que foi estuprada.

O homem acusado do estupro, que alega ter feito sexo de forma consentida com a mulher, receberá 100 chibatadas por fazer sexo fora do casamento. E mais 40 açoitadas por consumir bebida alcoólica, o que é proibido no país.

Segundo o advogado da acusada, que estava de férias no Qatar, alguém teria colocado uma substância na bebida dela. A mulher acordou no apartamento de um homem e descobriu que havia sido abusada sexualmente. O caso ocorreu em março deste ano.

A holandesa está presa desde que prestou queixas, naquele mesmo mês. O episódio só veio à tona agora porque a família dela foi à imprensa na Holanda para contar o que está acontecendo. O caso mostra as complicações que turistas podem encontrar em um país governado por duras leis islâmicas, mas que vem tentando atrair visitantes ocidentais com investimentos milionários.

http://odia.ig.com.br/mundoeciencia/2016-06-13/vitima-de-estupro-e-condenada-no-catar.html

Não acredito em “comoção seletiva”

Por Andréa Fernandes

As terríveis imagens postadas nas redes sociais por estupradores de uma jovem nua e violentada aos 16 anos chocaram o Brasil, e imediatamente, manifestaram reações de repúdio os artistas, os políticos, os ativistas, a OAB, a ONU e milhares de pessoas nas redes sociais.

Foram realmente muitas as demonstrações de aversão ao crime e além de hashtags condenando a inominável violência, circularam nas redes sociais até mesmo as imagens de uma mulher – simbolizando a vítima da selvageria – numa cruz com sangue escorrendo pelas pernas numa alusão distorcida de semelhança ao martírio cristão.

A própria ONU que “fecha os olhos” para os países muçulmanos que praticam as formas mais abjetas de misoginia, não deixou de emitir declaração acerca do estupro dessa jovem no Rio de Janeiro e de outra adolescente, no Piauí. Afirma a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman:

“Além de serem mulheres jovens, tais casos bárbaros se assemelham pelo fato de que as duas adolescentes teriam sido atraídas pelos algozes em tramas premeditadas e terem sido violentamente atacadas num contexto de uso de drogas ilícitas”.

Ativistas marcaram para a próxima quarta-feira (01/06) uma manifestação no Rio de Janeiro com o tema “Por todas Elas”. E as feministas aproveitam a tragédia vivenciada pela jovem para destilar todo seu ódio contra a sociedade culpando-a pelo crime praticado por estupradores quando propalam a aberração da chamada “cultura do estupro”.

Assim, quando assistimos todos esses gestos de “solidariedade” somos levados a acreditar que há uma “preocupação geral” com o drama vivido pelas mulheres que sofrem estupro! E isso é verdade? Claro que não! Nem mesmo as feministas estão preocupadas em denunciar e condenar esse ato de violência extrema quando praticado por seus “camaradas muçulmanos”.

Logo, eu só vou acreditar que todo esse pessoal está sensível à dor de milhares de vítimas de estupro quando visualizar hashtags e perfis nas redes sociais condenando o estupro coletivo diário de milhares de meninas e mulheres das minorias cristãs e yazidis que são ESCRAVAS SEXUAIS de terroristas do Estado Islâmico, um drama que não abala as redes sociais!

Esse relativismo nojoso reinante no mundo virtual que “classifica” qual o tipo de atrocidade merece comoção é de uma mediocridade ímpar! Quem RESPEITA as MULHERES se indigna com TODO e qualquer ato de violência, seja ele no Brasil, no mundo muçulmano ou em países comunistas!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista e Diretora-Presidente da ONG EVM

Tres terroristas “palestinos” raptaron y violaron a una niña judía con discapacidad mental

Dos residentes árabes de Judea y Samaria, así como un ciudadano árabe de Israel son sospechosos de haber violado a una niña judía con retraso mental de 20 años de edad,  hace dos semanas por motivos “nacionalistas“, como se reveló el miércoles cuando una orden de silencio sobre los medios de comunicación fue levantada.

Los tres fueron documentados con material de archivo que grabaron hace dos semanas mientras violaban a la niña con discapacidad mental en un motel en el sur de Tel Aviv, durante la vejación la insultaban y escupían al tiempo que gritaban insultos racistas y la amenazaban con dañar a su familia.

La policía reservaron el caso del público durante diez días debido con la finalidad de no provocar enfrentamientos entre los Judíos y árabes. “Motivos nacionalistas” es un término usado para describir los ataques terroristas, en oposición a motivos criminales.

La orden de silencio se produjo a pesar del hecho de que la policía detuvo a dos de los autores hace un total de nueve días, y actualmente están cazando al tercer violador cuya identidad ya conoce la policía.

 Uno de los tres atacantes es un menor de Jaffa (Yafo), fue detenido.

Otro sospechoso detenido, Amad Al-Din Daragmeh de la región de Judea-Samaria, aparentemente fue el que se encargó de filmar la vil violación en grupo con el objetivo de difundir el vídeo.

Fue llevado a la Corte del Magistrado de Tel Aviv el miércoles por la mañana para una extensión de su detención, donde el juez hizo hincapié en la gravedad del caso y la condición de la víctima.

El incidente traumático ha dejado a la víctima en un estado psicológico difícil que requiere tratamiento.


Fuente: Israel National News | Arutz Sheva

Autorizado con la siguiente mención: http://www.estadodeisrael.com/2016/05/tres-terroristas-palestinos-raptaron-y.html
© estadodeisrael.com

Cristão foi morto e sua filha estuprada por vizinho e dois amigos após dizer que não acredita no Islã

Algo que é reconhecido por muitos anos no Ocidente é o fato de que nós temos, mais ou menos, sido capazes de viver em paz com pessoas de culturas muito diferentes. Esta é uma anomalia histórica, que não é assim na maioria das culturas. Na verdade, especialmente onde cristãos e muçulmanos vivem juntos, há violência regular por causa das diferenças inerentes entre as religiões, juntamente com o fato de que o Islã define a paz só em termos de submissão ao seu dispostos de que não havendo conversão, não há paz.

Martírio e perseguição são reais e ainda acontecem por conta de ser um cristão, especialmente em áreas muçulmanas. Esta história vem da Uganda, onde um homem cristão foi assassinado e sua filha estuprada por seu vizinho muçulmano porque ele “insultou o Islã”:

Ela disse que foi espancada e estuprada no dia 19 de abril e encontrada inconsciente em uma poça de sangue naquela noite na vila Kanginima, depois de ter sido atacada por três homens muçulmanos.

“Vamos matá-la hoje, porque você foi a única que fez o nosso sheikh ser preso”, um dos homens disse para ela, segundo seu relato para notíciário quando estava hospitalizada.

A mulher, cuja identidade não foi revelada, estava presente quando seu pai foi morto, mas conseguiu escapar.

Eu era capaz de identificar o sheikh porque somos vizinhos, e meu pai o questionou sobre a fé islâmica, que não leva para a salvação com Deus “, disse ela.

“O sheikh tinha dito a ele: ‘Você não tem respeito à nossa religião, e viemos acabar com a sua vida hoje.’ Eles começaram a estrangular o meu pai, bem como bater-lhe na cabeça com uma vara grande. Quando meu pai caiu, eu consegui escapar pela janela”.

Ibrahim foi preso junto com outros dois suspeitos em 29 de janeiro, mas os outros dois foram libertados depois que a mulher não foi capaz de identificá-los. Ibrahim ainda está sendo mantido em uma cela emm Kamuge.

Fonte: Walid Shoebat 

Turquia: Contrabando de Refugiados, Tráfico Humano para Exploração Sexual

por Uzay Bulut

  • Quadrilhas de traficantes de pessoas convencem pais de meninas que suas filhas terão uma vida melhor na Turquia. Os pais recebem de 2.000 a 5.000 Liras Turcas (US$700 a US$1.700) como “valor da noiva”, uma soma gigantesca para uma família síria pobre.
  • “Meninas entre doze e dezesseis anos são chamadas de pistaches, entre dezessete e vinte de cerejas, de vinte a vinte e dois de maçãs e acima disso de melancias”. — Trecho de um relatório sobre a Turquia elaborado pela organização End Child Prostitution, Child Pornography and Trafficking of Children for Sexual Purposes (ECPAT).
  • Muitos muçulmanos têm dificuldade, até asco, em se assimilar à cultura ocidental. Muitos parecem ter como objetivo importar para a Europa a cultura da intimidação, estupro e abuso da qual fugiram.
  • Em que pese o fato das desesperadas vítimas serem seus irmãos e irmãs muçulmanos, os ricos estados árabes não acolhem refugiados. As nações nesta região estão cansadas de saber que os candidatos a asilo trarão consigo problemas, tanto sociais quanto econômicos. Para muitos muçulmanos ricos do sexo masculino, como os sauditas de mais idade, é mais conveniente comprar crianças sírias da Turquia, Síria ou Jordânia como escravas sexuais baratas.

No Dia Internacional da Mulher, 8 de março, os veículos de comunicação turcos fizeram acobertura da vida trágica e da morte de uma noiva Síria, ainda criança.

No último mês de agosto em Aleppo, Mafe Zafur, de 15 anos de idade, contraiu matrimônio com seu primo Ibrahim Zafur em uma cerimônia de casamento segundo o rito islâmico. O casal se mudou para a Turquia, mas o casamento acabou em seis meses quando seu marido, de uma hora para outra, a expulsou de casa. Sem ter onde morar, Mafe encontrou refúgio junto ao seu irmão de 19 anos e a outro primo de 14, em um caminhão abandonado.

Em 8 de março, Mafe cometeu suicídio, ao que consta com uma arma de fogo. A única coisa encontrada em seu bolso foi a certidão de casamento escrita à mão.

Mafe Zafur é apenas mais uma das inúmeras jovens sírias vítimas de casamento infantil. Grupos de direitos humanos denunciam abusos ainda mais graves cometidos por gangues contra os aproximadamente três milhões de sírios que fugiram da Síria para a Turquia.

Um relatório detalhado sobre as refugiadas sírias, candidatas a asilo e imigrantes na Turquia, emitido ainda em 2014 pela Associação dos Direitos Humanos e Solidariedade pelos Oprimidos (conhecido em turco como Mazlumder), relata casos de casamentos infantis forçados, poligamia, assédio sexual, tráfico de pessoas, prostituição e estupro que criminosos perpetram contra os sírios na Turquia.

De acordo com o relatório Mazlumder, as sírias estão sendo exploradas sexualmente por aqueles que tiram vantagem de sua privação. Crianças, principalmente meninas, são as que mais sofrem.

Evidências, tanto testemunhais quanto periciais, indicam que em todas as cidades onde há assentamentos de refugiados sírios, a prostituição aumentou drasticamente. As jovens entre as idades de 15 e 20 anos são as mais frequentemente prostituídas, contudo, meninas com não mais de treze anos também são exploradas.

Secil Erpolat, uma advogada da Comissão dos Direitos da Mulher da Ordem dos Advogados na província turca de Batman, salienta que se paga a muitas meninas sírias, muito jovens ainda, entre 20 e 50 Liras Turcas (entre US$7 e US$18). Não raramente os clientes pagam com alimentos ou outros produtos que elas precisam desesperadamente.

Mulheres que atravessaram a fronteira ilegalmente e chegaram sem passaporte correm altíssimo risco de serem sequestradas e vendidas como prostitutas ou escravas sexuais. Gangues de criminosos trazem refugiadas a cidades ao longo da fronteira ou a terminais de ônibus locais onde o “contrabando de refugiadas” se transformou em uma importante fonte de renda.

Quadrilhas de traficantes de pessoas convencem pais de meninas que suas filhas terão uma vida melhor na Turquia.

Os pais recebem de 2.000 a 5.000 Liras Turcas (US$700 a $1.700) como “valor da noiva”, uma soma gigantesca para uma família síria pobre, para contrabandear suas filhas para o outro lado da fronteira.

“Muitos homens na Turquia praticam a poligamia com meninas ou mulheres sírias, mesmo sendo ilegal na Turquia”, conforme ressalta ao Gatestone Institute o advogado Abdulhalim Yilmaz, presidente da Comissão de Refugiados de Mazlumder. “Há homens na Turquia que se casam com a segunda ou a terceira mulher síria sem sequer registrá-la oficialmente. Consequentemente essas meninas estão desprovidas de situação jurídica na Turquia. Privação econômica é um fator importantíssimo nesse sofrimento, mas também é um fenômeno religioso e cultural, uma vez que o casamento com crianças é permitido pela religião”.

Na Turquia, mulheres e crianças sírias também sofrem assédio sexual no trabalho. Aquelas que conseguem um emprego ganham pouco, o bastante talvez para se alimentar, trabalham duro por muitas horas para receber esse pouco. Elas também estão sujeitas a, seja o que for, que se faça com elas enquanto trabalham durante essas horas sem fim.

Uma menina síria de 16 anos, que mora com a irmã em Izmir, contou a Mazlumder: “por sermos sírias e termos vindo para cá para fugir da guerra, eles nos consideram pessoas de segunda classe. Minha irmã fazia o curso de direito na Síria, mas a guerra obrigou-a a abandonar a faculdade. Agora homens desempregados com filhos pedem-na em casamento. Eles querem tirar vantagem da nossa situação”.

Se forem curdas, são discriminadas em dobro, primeiro como refugiadas, depois como curdas. “Aqui as organizações de ajuda humanitária ajudam somente as refugiadas árabes, quando ficam sabendo que somos curdas, os assistentes dessas organizações simplesmente vão embora ou nos ajudam muito pouco e não voltam mais”.

A organização End Child Prostitution, Child Pornography and Trafficking of Children for Sexual Purposes (ECPAT) emitiu um relatório detalhado intitulado: “Turquia: status da ação contra a exploração sexual e comercial de crianças“. O relatório ECPAT cita estimativas, a partir do Índice de Escravidão Global de 2014, que a incidência da escravidão na Turquia é a mais alta da Europa, devido em grande parte à preponderância do tráfico para fins de exploração sexual e casamento.

O relatório ECPAT cita um estudo do Departamento de Estado dos Estados Unidos de 2013: “a Turquia é o destino, passagem e país de origem de crianças submetidas ao tráfico sexual”.

O relatório ECPAT continua,

“Há risco de candidatas a asilo, ainda bem jovens, sumirem dos centros de acomodação e ficarem vulneráveis aos traficantes”.

“Teme-se que relatos do campo de refugiados Zaatari gerido pela ONU para sírios na Jordânia, sejam igualmente verdadeiros para os campos na Turquia: homens mais velhos da Arábia Saudita e de outros países do Golfo estão tirando vantagem da crise síria para comprar noivas adolescentes a preços irrisórios”.

“Evidências indicam que também está havendo tráfico de crianças entre a Síria e a Turquia, operado por casamenteiros que traficam meninas não refugiadas da Síria previamente encomendadas segundo a idade. Meninas entre doze e dezesseis anos são chamadas de pistaches, entre dezessete e vinte de cerejas, de vinte a vinte e dois de maçãs e acima disso de melancias”.

Aparentemente 85% das refugiadas sírias vivem fora dos campos de refugiados, consequentemente não é possível monitorá-las por meio de agências internacionais.

Muitas refugiadas que estão na Turquia, segundo a advogada e vice-presidente da Associação de Direitos Humanos da Turquia (IHD) Eren Keskin, são forçadas a se prostituírem, fora e até dentro dos campos de refugiados, construídos pelo Departamento Executivo para Gestão de Desastres e Emergência (AFAD) do primeiro ministro turco.

“Há mercados de prostituição em Antep. E todos são lugares controlados pelo estado. Centenas de refugiadas, mulheres e crianças, são vendidas para homens bem mais velhos do que elas”, salienta Keskin. “Constatamos que as mulheres são obrigadas a se prostituírem para poder comprar pão para seus filhos”.

Keskin ressaltou que foram recebidas muitas queixas de estupro, abuso sexual e violência física de refugiadas nos campos nas províncias de Hatay e Antep. “Malgrado todas as nossas tentativas de entrar nesses campos, os responsáveis não nos deram permissão”.

A Associação de Direitos Humanos da Turquia recebeu inúmeras queixas de estupro e violência física de refugiadas sírias na Turquia. (imagem: UNHCR)

Representantes da AFAD, contudo, negam veementemente essas alegações. “Nós fornecemos ensino e assistência médica às refugiadas. É lamentável que depois de toda dedicação e trabalho da AFAD para cuidar das refugiadas nos últimos cinco anos, acusações maldosas e sem fundamento dessa natureza são dirigidas a nós”, segundo assinalou um representante da AFAD ao Gatestone.

“O número de refugiados na Turquia atingiu a cifra de 2,8 milhões. A Turquia conta com vinte e seis centros de acomodação nos quais estão alojados cerca de trezentos mil refugiados. Esses centros são monitorados constantemente pela ONU, há agentes da ONU alojados nesses centros”.

“Poder-se-ia proporcionar emprego a muitas refugiadas de acordo com sua formação e habilidade”, segundo frisou Cansu Turan, assistente social da Fundação de Direitos Humanos da Turquia (TIHV), ao Gatestone.

“Nenhuma delas, no entanto, foi entrevistada sobre formação escolar ou empregos anteriores quando foram registradas pelas autoridades turcas. Por esta razão, elas conseguem trabalhar somente na informalidade e nas piores condições apenas para poderem sobreviver. Isso também abre caminho para a exploração sexual.

“A pergunta de maior relevância é porque os campos de refugiados não estão abertos para o monitoramento civil. Não é permitida a entrada em campos de refugiados. Os campos não são transparentes. Há muitos rumores sobre o que acontece nesses campos. Consequentemente estamos apreensivos sobre o que eles podem estar escondendo de nós”.

Sema Genel Karaosmanoglu, diretora executiva da organização Suporte para a Vida disse ao Gatestone:

“Em nossos centros públicos, onde damos suporte aos refugiados, encontramos pessoas vítimas de tráfico humano, violência sexual e violência com base em gênero”.

“A entrada nos campos continua proibida, não há transparência, uma vez que só é possível entrar com autorização de importantes instituições governamentais. Conseguimos ter acesso aos campos administrados pelos municípios nas províncias de Diyarbakir, Batman e Suruc, Urfa”.

Um representante da AFAD, no entanto, disse ao Gatestone que “os centros de acomodação são transparentes. As organizações que desejarem entrar naqueles lugares, terão que requerer uma permissão para que nós a avaliemos. Milhares de veículos de imprensa já entraram nos centros de acomodação para filmar e investigar como a vida é naqueles locais”.

“O presente número de refugiados já é demasiadamente alto”, conforme ressalta o advogado Abdulhalim Yilmaz, presidente da Comissão de Refugiados de Mazlumder. “Muitos estados árabes, incluindo a Arábia Saudita e o Bahrein, não acolheram sequer um único refugiado sírio até agora. E há dezenas de milhares de refugiados aguardando nas fronteiras da Turquia”.

Se as mulheres e crianças soubessem o que as esperam na Turquia, elas jamais pisariam em solo daquele país.Este é o resultado inevitável quando uma determinada cultura, a cultura islâmica no caso, não tem a mínima consideração em relação aos direitos das mulheres. Muito pelo contrário, é uma cultura de estupro, escravidão, abuso e discriminação que amiúde explora precisamente os mais vulneráveis.

O execrável é que a Turquia é o país no qual a União Européia está confiando a responsabilidade para “solucionar” o gravíssimo problema dos refugiados e migrantes.

A comunidade internacional precisa proteger os sírios, isolar regiões do país de modo que mais pessoas não queiram abandonar seus lares e se tornarem refugiados ou candidatos a asilo em outros países. Quem sabe muitos sírios até voltem para suas casas.

O Ocidente sempre abriu os braços para receber pessoas de países muçulmanos que estejam passando por momentos difíceis, como por exemplo Sayed Pervez Kambaksh, afegão de 25 anos, estudante e jornalista que foi espancado, preso e condenado à morte em 2007 por fazer o download de uma matéria sobre os direitos das mulheres e por questionar o Islã.

A Suécia e a Noruega foram os países que ajudaram Kambaksh a fugir do Afeganistão em 2009, auxiliando-o a embarcar em uma aeronave do governo sueco. Kambaksh, ao que consta, encontra-se agora nos Estados Unidos.

Diversos países, no entanto, se tornaram vítimas de estupros, assassinatos e outros crimes cometidos justamente por aqueles que entraram no continente como refugiados, candidatos a asilo ou migrantes.

A Europa está passando por um problema de segurança, conforme visto nos ataques terroristas em Paris e Bruxelas. Muitos muçulmanos têm dificuldade, até asco, em se assimilar à cultura ocidental. Muitos parecem ter como objetivo importar para a Europa a cultura da intimidação, estupro e abuso da qual fugiram.

Seria mais justo e realista se países muçulmanos que compartilham o mesmo background linguístico e religioso dos refugiados sírios e, que sejam de preferência mais civilizados e humanitários do que a Turquia, pudessem pelo menos assumir alguma responsabilidade no tocante aos seus irmãos e irmãs muçulmanos. Em que pese o fato das desesperadas vítimas serem seus irmãos e irmãs muçulmanos, os ricos estados árabes não acolhem refugiados. Não vimos nenhuma demonstração com cartazes de “Refugees Welcome!“. As nações sabem que os candidatos a asilo trarão consigo problemas, tanto sociais quanto econômicos. Para muitos muçulmanos ricos do sexo masculino, como os sauditas de mais idade, é mais conveniente comprar crianças sírias da Turquia, Síria ou Jordânia como escravas sexuais baratas.

Mulheres e crianças não são, para muitos, seres humanos que merecem ser tratados de maneira humana. São apenas objetos sexuais cujas vidas e dignidade não têm valor algum. As sírias estão aí para serem abusadas e exploradas. A única maneira que eles conseguem pensar em ajudar as mulheres é “casando” com elas.

Uzay Bulut, nascida e criada como muçulmana, é uma jornalista turca do Oriente Médio.

http://pt.gatestoneinstitute.org/7840/turquia-refugiados-trafico-sexual

Norueguês estuprado por refugiado diz se sentir ‘culpado’ por deportação de agressor

Um norueguês que foi vítima de estupro por um refugiado somali afirmou se sentir ‘culpado’ ao saber que o agressor foi deportado.

Karsten Nordal Hauken, que se classifica como feminista e anti-racista, foi violentado há cinco anos.

Em um artigo publicado no site da emissora de TV estatal norueguesa NRK, Hauken diz que se tornou depressivo e viciado em drogas após o incidente.

Apesar disso, ele alega ter se sentido mal quando soube que seu agressor seria deportado para a Somália, mesmo depois de ter cumprido uma pena de quatro anos de prisão pelo crime.

Hauken também diz que decidiu escrever sobre sua experiência pessoal porque queria quebrar o tabu sobre homens vítimas de estupro.

“Chorei quando sentei no meu carro”, afirma ele, ao se lembrar do dia em que soube da notícia da deportação.

“Primeiramente, senti um misto de alívio e felicidade ao saber que ele estava indo embora para sempre. O governo norueguês estava agindo de maneira vingativa, como um pai que confronta o estuprador de seu filho”, conta.

“Me senti muito culpado e responsável pelo que estava acontecendo. Era a razão pela qual ele não permaneceria na Noruega, mas enfrentaria um futuro incerto na Somália”.

“Ele já tinha cumprido a pena na prisão. Por que ele deveria ser punido de novo? E desta vez de forma mais dura?”, questiona Hauken no artigo.

Hauken diz que o pior efeito do estupro foi que ele “perdeu muito tempo” para a “depressão e para a maconha”.

“É assustador e um tabu falar sobre a vida emocional de um homem”, escreveu ele.

“Sinto como se tivesse sido esquecido e ignorado. Mas não me atrevo a falar sobre isso. Tenho medo de ataques de todos os lados”, acrescentou.

“Tenho medo de que nenhuma mulher vá me querer e que outros homens vão rir de mim. Medo de que eu serei taxado de anti-feminista quando digo que homens jovens que estão passando por um momento difícil precisam de mais atenção”.

“Meninos e homens devem aprender que é normal falar sobre seus sentimentos. Meninos e homens estão sendo ignorados. Para mim, o resultado foram anos de depressão, vício, solidão e isolamento”.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/04/160410_nuruegues_estupro_refugiado_deportacao_lgb