Arquivo da tag: #estupro

Espanha: imigrante muçulmano agride sexualmente seis crianças

“Imigrante norte-africano preso após agredir sexualmente seis crianças”, por Virginia HaleBreitbart , 19 de junho de 2018:

Um homem marroquino foi preso depois que seis crianças foram seguidas para casa e sexualmente agredidas em suas próprias portas em Alicante, na Espanha.

Policiais nacionais detiveram o suspeito de 24 anos na semana passada em Elche sob suspeita de cometer sete crimes contra a liberdade sexual, seis dos quais contra crianças, informou o El Mundo.

A unidade especializada da polícia de Alicante disse que o homem, que deve comparecer no tribunal no sábado, é acusado de cinco acusações de agressão sexual e duas de abuso sexual, uma acusação menor do que uma agressão nos casos em que a violência não foi cometida.

Uma investigação foi aberta em 30 de maio do ano passado, quando a polícia recebeu duas queixas de agressão sexual em um bairro de Alicante com poucas horas de intervalo no mesmo dia.

O homem é acusado de ter seguido as vítimas até a porta de suas casas antes de “agredi-las violentamente para tocar em suas partes íntimas”, segundo a mídia local.

Os detetives perceberam que provavelmente estavam lidando com um criminoso sexual em série depois que um novo agressor com o mesmo modus operandi foi denunciado à polícia no final do ano passado….

Com imagem e informações Jihad Watch

Imigrantes iraquiano e turco são suspeitos de estupro e assassinato de adolescente alemã

Ontem, o The Voice of Europe informamou sobre a adolescente de 14 anos Susanna Maria Feldmann, que estava desaparecida há mais de duas semanas. A adolescente alemã foi encontrada morta, segundo a mídia local . Um cidadão turco já foi preso em conexão com o caso, mas o imigrante iraquiano Ali Bashar ainda é procurado, segundo reportagens do Bild .

Segundo o jornal Haaretz, a adolescente alemã era judia.

O corpo da adoelscente foi encontrado na quarta-feira por volta das duas da tarde no distrito de Wiesbaden, “Unterm Kalkofen”, entre o distrito de Erbenheim, em Wiesbaden, e o Wiesbadener Südfriedhof. De acordo com o jornal Bild, a garota foi abusada e estrangulada em uma noite de horror.

A polícia alemã está agora à procura de um iraquiano de 20 anos que vivia como requerente de asilo num abrigo de refugiados de Wiesbaden. A polícia quer falar com ele com urgência, pois ele é suspeito de assassinato. Eles colocaram uma descrição do suspeito.

A dica para a busca em Erbenheim veio de um garoto de 13 anos. Ele disse que o “iraquiano disse que matou a menina“. O imigrante do Iraque deveria ter sido amigo de Susanna, de 14 anos. Diz-se que ele deixou o abrigo para refugiados junto com sua família há alguns dias, de acordo com as informações de um jornal local .

De acordo com o ” Frankfurter Allgemeine Zeitung “, ele pode estar de volta ao Iraque com sua família. Na noite de quarta-feira houve uma detenção e um cidadão turco de 35 anos foi preso em conexão com o caso, informou o Bild .

Na terça-feira, 22 de maio, Susanna estava com as amigas no centro de Wiesbaden. Ela deveria voltar para casa à noite – mas nunca chegou lá. No dia seguinte, ela foi dada como desaparecida.

Segundo os investigadores, Ali Bashar chegou à Alemanha em outubro de 2015, durante a crise dos imigrantes. Primeiro, ele e sua família foram alojados na primeira recepção de Hessen em Gießen, em março de 2016, quando chegaram a Wiesbaden.

O suspeito é conhecido pela polícia por vários crimes violentos . Ele também é suspeito de estuprar uma menina de 11 anos, relata o Bild .

Esta não é a primeira garota assassinada por imigrantes. A estudante de 19 anos, Maria Ladenburger, foi encontrada violada e afogada em 16 de outubro de 2016. O perpetrador afegão, identificado como Hussein Khavari, entrou na Alemanha em novembro de 2015.

Mia V., de 15 anos, foi esfaqueada até a morte com uma faca de cozinha em frente a uma farmácia em Kandel, no dia 27 de dezembro de 2017, por seu ex- namorado . O migrante afegão chegou à Alemanha como menor desacompanhado na primavera de 2016.

Com imagem e informações The Voice of Europe

Paquistão: tribunal de aldeia ordena vítima de estupro ser morta ou vendida como escrava devido a acusações de adultério

“Panchayat em Rajanpur ordena que uma vitima de estupro seja morta ou vendida”, por Owais Qarni, Express Tribune , 27 de maio de 2017:

MULTAN: quatro homens foram detidos em Rajanpur no sábado por seu envolvimento em um Panchayat (tribunal não oficial da aldeia) declarando que uma adolescente teria sido estuprada por um parente, um ‘Kari’.

A garota de 19 anos foi condenada a ser morta ou vendida por acusações de adultério contra ela, informou a polícia da área.

A polícia de Fazilpur, SHO Husnain Shah, disse ao The Express Tribune que a menina se aproximou da polícia após o pedido.

Em sua declaração, a garota afirmou que ela e sua família estavam dormindo em sua casa na noite de sexta-feira quando Khaleel Ahmed entrou furtivamente e a estuprou com arma.

Ela acrescentou que, como estava armado, não podia pedir ajuda.

No dia seguinte, quando a família soube do incidente, eles se aproximaram do Panchayat.

Quatro homens, incluindo Muhammad Shafee, o pai do suposto estuprador, forçaram o Panchayat a pronunciar Shumaila a Kari na quinta-feira. O pai da menina foi forçado a aceitar a decisão.

A menina, no entanto, conseguiu escapar e procurou refúgio na casa de Ghulam Abbas, seu tio ….

https://www.jihadwatch.org/2017/05/pakistan-village-court-orders-rape-victim-to-be-killed-or-sold-as-slave-because-of-adultery-charges

Mulher britânica “presa em Dubai depois de relatar estupro”

Uma mulher britânica foi acusada de ter relações sexuais extra-conjugais em Dubai depois de relatar que foi estuprada, de acordo com um grupo de aconselhamento jurídico baseado no Reino Unido.

O grupo “Detained in Dubai” disse que a mulher foi presa depois de ter noticiado o estupro por dois homens britânicos.

Ela disse que foi libertada sob fiança, mas seu passaporte foi confiscado.
O Ministério das Relações Exteriores disse: “Estamos apoiando uma mulher britânica em relação a este caso e permaneceremos em contato com sua família.”
A mulher supostamente foi atacada por dois homens de Birmingham, enquanto estava em férias.

De acordo com “Detained in Dubai”, os alegados agressores não tiveram nenhuma acusação contra eles.

No entanto, segundo relatos de jornais, os dois homens também tiveram seus passaportes confiscados.

Entende-se que o Ministério dos Negócios Estrangeiros apoia os dois homens e está em contacto com as suas famílias.

“Detained in Dubai”disse que a mulher pode enfrentar julgamento pelas acusações – para as quais as punições possíveis incluem prisão, deportação, flagelação e até lapidação e morte.

Radha Stirling, fundadora e diretora de “Detained in Dubai” disse que os Emirados Árabes Unidos tinham uma longa história de penalizar as vítimas de estupro.

“Temos estado envolvidos com vários casos no passado, onde isso aconteceu, e trabalhamos com os advogados e as famílias e temos feito campanha para mudar atitudes na polícia e no judiciário.

“Casos recentes … mostram que ainda não é seguro para as vítimas relatar esses crimes à polícia sem o risco de sofrer uma dupla punição”

http://www.bbc.com/news/uk-38013351?SThisFB

Muçulmano rouba estupra e espanca idosa de 90 anos quando saía de uma igreja na Alemanha

Uma mulher de 90 anos de idade, estava saindo da igreja St. Lambertus ‘em Dusseldorf, quando um muçulmano marroquino de 19 anos em um acesso de raiva islâmica a atacou. Ele a arrastou para um beco, onde a roubou, estuprou e espancou antes de tentar fugir quando a polícia o prendeu. Aliás, a polícia já estava à procura do criminoso por atacar e roubar um adolescente no início deste ano:

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/10/19/19-year-old-muslim-from-morocco-attacks-grandmother-just-as-she-is-leaving-church-drags-her-into-an-alley-and-robs-her-rapes-her-then-beats-her-up-before-fleeing/

Jovem cristã paquistanesa é sequestrada e estuprada por muçulmanos que invadiram sua casa para tentar forçar a conversão da família ao islã

Shoebat – Por algum tempo, os muçulmanos locais estavam exigindo que a família se convertesse ao Islã, porque eles eram os únicos não-muçulmanos na vizinhança. A família continuou a dizer não, então numa noite um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher invadiram sua casa, bateram nos cristãos com barras de metal, e então levaram sua filha adolescente e cruelmente estupraram repetidamente a jovem, provocando-lhe dizendo que eles iriam parar de estuprá-la se negasse a Cristo:

A família cristã paquistanesa foi amarrada e espancada por um grupo de muçulmanos que invadiram sua casa no mês passado tentando forçar a família a se converter ao Islã. Mas quando a família se recusou a renunciar à sua fé, a sua filha mais jovem foi sequestrada, estuprada e ainda teve que voltar para casa.

A instituição de caridade com sede em Londres Christian Association veio em auxílio da família Masih, uma família de 10 cristãos aprisionados nas garras de trabalho forçado (escravidão moderna) perto da cidade de Kasur no Leste do Paquistão.

De acordo com a BPCA, a família vivia em uma pequena casa feita de barro e tinha sido constantemente pressionada por muçulmanos locais a se converter ao Islã por ser a única família na vizinhança que não tinha abraçado o Islã.

Na noite de 15 de setembro, um grupo de seis homens muçulmanos e uma mulher muçulmana invadiram a casa da família com pistolas, paus e barras de metal e bateram severamente nos membros da família cristã.

O grupo de intrusos esperava que a dor da família e sofrimento iria levá-los a reconsiderar suas recusas anteriores de conversão ao Islã. Apesar da dor, a família novamente se recusou a negar a Cristo e se converter ao islamismo.

Depois que a família recusou a  se converter, os muçulmanos ficaram enfurecidos e amarraram e vendaram os olhos de todos.

Como a família é constituída por seis filhas e dois filhos, os muçulmanos arrastaram a filha de 17 anos, Jameela, e o filho de 20 anos de idade, Arif, e jogaram os jovens na parte traseira de uma van estacionada do lado de fora da casa.

Arif, que acabou escapando posteriormente da casa por uma porta aberta enquanto ninguém estava olhando, disse a BPCA que ele e Jameela foram levados para um prédio em um local desconhecido que mais tarde descobriu ser uma mansão.

Arif explicou que quando eles chegaram na mansão, ambos foram torturados separadamente. Apesar da tortura, Arif novamente se recusou a se converter ao Islã. Enquanto ele podia ouvir os gritos de sua irmã, um dos captores disse a ele que outros homens muçulmanos foram se revezando para estuprar sua irmã e que tudo que ele tinha que fazer para salvá-la era abraçar o Islã. No entanto, ele novamente se recusou a renunciar a Cristo.

Quando o sol nasceu na manhã seguinte, Arif aproveitou uma oportunidade para escapar, quando percebeu que a porta foi deixada aberta sem ninguém por perto para monitorá-lo.

Demorou horas para Arif voltar para casa, porque teve que retornar à pé.

Maiores informações: http://shoebat.com/2016/10/05/muslim-gang-demands-christian-family-convert-to-islam-family-says-no-muslims-beat-them-with-metal-bars-kidnap-their-teenage-daughter-and-take-turns-raping-her/

Cristã é estuprada por muçulmano em frente aos cinco filhos, no Paquistão

Samrah Badal foi estuprada por um muçulmano que exigia informações sobre o irmão dele, que teria fugido com a irmã da mulher.

Uma mulher cristã foi espancada e estuprada na frente de seus cinco filhos por um homem muçulmano que procurava “vingar honra” de sua família, no Paquistão. A “desonra” teria vindo de um episódio no qual a irmã da mulher agredida se apaixonou e fugiu com o irmão do agressor.

O advogado cristão Aneeqa M. Anthony, coordenador da ONG “Sociedade de Voz” comentou as notícias sobre a agressão em um depoimento à agência de notícias Fides, revelando que o episódio aconteceu na semana passada em Lahore.

Anthony explicou que o irmão muçulmano e um grupo de outros homens foram até a casa da cristã Samrah Badal, buscando notícias sobre o casal ‘fugitivo’, mas a mulher se recusou a dar qualquer informação. Como consequência, ela foi despida e arrastada para a rua, onde ela foi estuprada na frente de seus cinco filhos.

O advogado observou que o homem muçulmano (irmão do agressor) que escapou com a menina cristã veio de uma família muito influente na cidade e isso teria sido parte da razão para que seu irmão saísse em busca de vingança.

Anthony pediu aos políticos que fizessem o possível para intervir em nome dos cristãos, temendo que o ataque, como muitos outros, ficasse impune pela polícia.

A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família.

Em um incidente separado, ainda neste mês de junho (2016), uma mãe muçulmana matou a própria filha adolescente, queimando-a até a morte porque ela se casou sem o consentimento dos pais e “envergonhou a família”. Foi o terceiro crime desse tipo no espaço de um mês no Paquistão.

A menina de 18 anos de idade, Zeenat Rafiq, teria sido punida por se casar com um homem que sua família a tinha proibido de escolher, e tinha ido viver com a família do rapaz.

“Quando ela contou aos pais sobre nós, eles bateram tanto nela que ela sangrou pela boca e pelo nariz”, disse o marido da jovem, Hassan Khan, à BBC local.

“Sua família a atraiu de volta, prometendo reconciliação e uma recepção de casamento apropriada. Ela estava com medo, ela disse ‘eles não vão me poupar’. Ela não queria ir, mas a minha família a convenceu que era o certo a fazer. Como poderíamos adivinhar que eles iria matá-la?”.

Feminismo?

Diante da frequente onda de violência contra as mulheres no Paquistão e em outros países onde o islamismo impera como religião, cultura e até mesmo formação política, o pastor Franklin Graham questionou nas redes sociais, onde estariam as “defensoras dos direitos das mulheres” ou as chamadas “feministas” para se pronunciarem diante de tais atrocidades.

“Onde estão as ‘Glorias Steinems’, ‘Bellas Abzugs’ ou até mesmo as ‘Hillarys Clintons’, que se dizem defensoras dos direitos das mulheres quando se trata dos ensinamentos do islamismo? Por que eles não estão gritando e protestando contra a maneira como o islamismo trata as mulheres?”, questionou o evangelista em sua página no Facebook.

http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/34715/crista-e-estuprada-por-muculmano-em-frente-aos-cinco-filhos-no-paquistao.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=facebook

Vítima de estupro é condenada no Catar

Holandesa de 22 anos disse ter sido drogada e violentada por um desconhecido no país árabe.

Doha – A Justiça do Catar condenou uma jovem holandesa de 22 anos, que diz ter sido estuprada no país árabe, foi condenada a pagar uma multa de U$$ 824, aproximadamente R$ 2.600 e será deportada do país. A alegação da condenação é de que a mulher fez sexo fora do casamento depois que ela procurou a polícia para dizer que foi estuprada.

O homem acusado do estupro, que alega ter feito sexo de forma consentida com a mulher, receberá 100 chibatadas por fazer sexo fora do casamento. E mais 40 açoitadas por consumir bebida alcoólica, o que é proibido no país.

Segundo o advogado da acusada, que estava de férias no Qatar, alguém teria colocado uma substância na bebida dela. A mulher acordou no apartamento de um homem e descobriu que havia sido abusada sexualmente. O caso ocorreu em março deste ano.

A holandesa está presa desde que prestou queixas, naquele mesmo mês. O episódio só veio à tona agora porque a família dela foi à imprensa na Holanda para contar o que está acontecendo. O caso mostra as complicações que turistas podem encontrar em um país governado por duras leis islâmicas, mas que vem tentando atrair visitantes ocidentais com investimentos milionários.

http://odia.ig.com.br/mundoeciencia/2016-06-13/vitima-de-estupro-e-condenada-no-catar.html

Não acredito em “comoção seletiva”

Por Andréa Fernandes

As terríveis imagens postadas nas redes sociais por estupradores de uma jovem nua e violentada aos 16 anos chocaram o Brasil, e imediatamente, manifestaram reações de repúdio os artistas, os políticos, os ativistas, a OAB, a ONU e milhares de pessoas nas redes sociais.

Foram realmente muitas as demonstrações de aversão ao crime e além de hashtags condenando a inominável violência, circularam nas redes sociais até mesmo as imagens de uma mulher – simbolizando a vítima da selvageria – numa cruz com sangue escorrendo pelas pernas numa alusão distorcida de semelhança ao martírio cristão.

A própria ONU que “fecha os olhos” para os países muçulmanos que praticam as formas mais abjetas de misoginia, não deixou de emitir declaração acerca do estupro dessa jovem no Rio de Janeiro e de outra adolescente, no Piauí. Afirma a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman:

“Além de serem mulheres jovens, tais casos bárbaros se assemelham pelo fato de que as duas adolescentes teriam sido atraídas pelos algozes em tramas premeditadas e terem sido violentamente atacadas num contexto de uso de drogas ilícitas”.

Ativistas marcaram para a próxima quarta-feira (01/06) uma manifestação no Rio de Janeiro com o tema “Por todas Elas”. E as feministas aproveitam a tragédia vivenciada pela jovem para destilar todo seu ódio contra a sociedade culpando-a pelo crime praticado por estupradores quando propalam a aberração da chamada “cultura do estupro”.

Assim, quando assistimos todos esses gestos de “solidariedade” somos levados a acreditar que há uma “preocupação geral” com o drama vivido pelas mulheres que sofrem estupro! E isso é verdade? Claro que não! Nem mesmo as feministas estão preocupadas em denunciar e condenar esse ato de violência extrema quando praticado por seus “camaradas muçulmanos”.

Logo, eu só vou acreditar que todo esse pessoal está sensível à dor de milhares de vítimas de estupro quando visualizar hashtags e perfis nas redes sociais condenando o estupro coletivo diário de milhares de meninas e mulheres das minorias cristãs e yazidis que são ESCRAVAS SEXUAIS de terroristas do Estado Islâmico, um drama que não abala as redes sociais!

Esse relativismo nojoso reinante no mundo virtual que “classifica” qual o tipo de atrocidade merece comoção é de uma mediocridade ímpar! Quem RESPEITA as MULHERES se indigna com TODO e qualquer ato de violência, seja ele no Brasil, no mundo muçulmano ou em países comunistas!

Andréa Fernandes é advogada, internacionalista e Diretora-Presidente da ONG EVM

Tres terroristas “palestinos” raptaron y violaron a una niña judía con discapacidad mental

Dos residentes árabes de Judea y Samaria, así como un ciudadano árabe de Israel son sospechosos de haber violado a una niña judía con retraso mental de 20 años de edad,  hace dos semanas por motivos “nacionalistas“, como se reveló el miércoles cuando una orden de silencio sobre los medios de comunicación fue levantada.

Los tres fueron documentados con material de archivo que grabaron hace dos semanas mientras violaban a la niña con discapacidad mental en un motel en el sur de Tel Aviv, durante la vejación la insultaban y escupían al tiempo que gritaban insultos racistas y la amenazaban con dañar a su familia.

La policía reservaron el caso del público durante diez días debido con la finalidad de no provocar enfrentamientos entre los Judíos y árabes. “Motivos nacionalistas” es un término usado para describir los ataques terroristas, en oposición a motivos criminales.

La orden de silencio se produjo a pesar del hecho de que la policía detuvo a dos de los autores hace un total de nueve días, y actualmente están cazando al tercer violador cuya identidad ya conoce la policía.

 Uno de los tres atacantes es un menor de Jaffa (Yafo), fue detenido.

Otro sospechoso detenido, Amad Al-Din Daragmeh de la región de Judea-Samaria, aparentemente fue el que se encargó de filmar la vil violación en grupo con el objetivo de difundir el vídeo.

Fue llevado a la Corte del Magistrado de Tel Aviv el miércoles por la mañana para una extensión de su detención, donde el juez hizo hincapié en la gravedad del caso y la condición de la víctima.

El incidente traumático ha dejado a la víctima en un estado psicológico difícil que requiere tratamiento.


Fuente: Israel National News | Arutz Sheva

Autorizado con la siguiente mención: http://www.estadodeisrael.com/2016/05/tres-terroristas-palestinos-raptaron-y.html
© estadodeisrael.com