Arquivo da tag: #EUA

Fúria palestina: Trump é culpado ou inocente?

Por Andréa Fernandes

Dias após a decisão histórica de Trump em reconhecer Jerusalém como capital de Israel, as manchetes dos jornais de sábado passaram a ter como protagonista o Iraque, que declarou oficialmente o fim da luta contra o Estado Islâmico após 3 anos de conflito que ocasionou a perda de quase um terço do território iraquiano, incluindo Mosul, a segunda maior cidade do país. Apesar de celebrar a expulsão do grupo terrorista reconquistando o território perdido na “guerra religiosa”, o governo reconhece a possibilidade de jihadistas do grupo terrorista voltarem com atos de guerrilha[1].

Em segundo plano ficou mais um “dia de fúria” palestina” contra Israel estimulado pelas lideranças religiosas e políticas que mantêm a velha prática de usar as populações de Gaza, Jerusalém e Cisjordânia em ações violentas a fim de promover “rios de sangue” para acusar Israel de violações dos direitos humanos ao repelir manifestações irascíveis e contra-atacar os foguetes lançados por terroristas contra a população civil israelense.

Alheia à violência praticamente diária que os palestinos costumavam promover contra israelenses antes da decisão de Trump, a grande mídia fez questão de noticiar que ataques aéreos israelenses mataram dois palestinos em Gaza e acusaram Trump pelo acontecimento[2], como se fosse do presidente estadunidense a culpa pela doutrina religiosa islâmica considerando toda terra de Israel território waqf, sendo esse um dos motivos para a “indisposição permanente” dos palestinos de levarem adiante o processo de paz com Israel. Na verdade, as Forças de Defesa de Israel (FDI) atingiram quatro alvos terroristas em resposta a mais um foguete proveniente de Gaza que atingiu a cidade de Sderot objetivando matar civis israelenses[3].

A falta de divulgação dos “meandros islâmicos” impede a opinião pública de entender alguns “detalhes” do conflito. Assim, faz-se necessário explicar para não-muçulmanos o conceito “waqf”, o qual foi muito utilizado pelo “líder nazislâmico” Amin al-Husseini, intitulado de forma indevida pelos britânicos “grande mufti de Jerusalém”. O famoso líder palestino – que desejava impetuosamente o genocídio de judeus e constava da “folha de pagamento” dos nazistas por seus horrendos serviços de apoio ao Holocausto – chamou a inexistente “Palestina” de “terra waqf.

A palavra “waqf” significa literalmente “detenção” e segundo estudiosos muçulmanos, refere-se “à detenção de uma propriedade para que seu produto ou renda possa estar sempre disponível para fins religiosos ou de caridade. Quando um waqf é criado, a propriedade é detida, ou está “amarrada” para sempre e depois torna-se intransferível”. Dentre as “consequências jurídicas” para uma propriedade waqf, convém citar a dedicação a Alá, a irrevogabilidade, a perpetuidade e a inalienabilidade[4].

Agora, creio que faz sentido explicar que o grande mufti de Jerusalém e outros líderes árabes – à exceção do rei Abdullah, da então Transjordânia (atual Jordânia) – rejeitaram o plano de partição da “Palestina” em dois Estados, um árabe e outro judeu, sugerido pela Comissão Peel em 1937. O motivo? Amin al-Husseini defendeu argumentação religiosa afirmando que a “Palestina” era “terra waqf”, o que a tornava impossível de “ser dividida”, mesmo que minoritariamente com os judeus, sendo, portanto, uma espécie de “legado muçulmano” que deveria ser preservado exclusivamente nas mãos dos árabes “submissos a Alá”. Dessa forma, o Estado judeu não deveria existir… o tempo passou, mas o argumento perpetuou…

Com o estabelecimento do Estado de Israel em 1948, a argumentação religiosa antissemita veio à lume novamente com força através da criação do grupo terrorista Hamas em 1987, que em sua Carta de constituição, no Capítulo III, tem como subtítulo “A Palestina é um waqf islâmico (propriedade concedida, doada)” e no Artigo 11, estipula:

Art. 11- O Movimento de Resistência Islâmica sustenta que a Palestina é um território de Wakf, (legado hereditário) para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição. Ninguém pode negligenciar essa terra, nem mesmo uma parte dela, nem abandoná-la, ou parte dela. Nenhum Estado Árabe, ou mesmo todos os Estados Árabes (juntos) têm o direito de faze-lo; nenhum Rei ou Presidente tem esse direito, nem tampouco todos os Reis ou Presidentes juntos, nenhuma organização, ou todas as organizações juntas – sejam elas palestinas ou árabes – têm o direito de faze-lo, porque a Palestina é território Wakf, dado para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição.

Esse é o status legal da terra da Palestina de acordo com a Lei Islâmica. A esse respeito, é igual a quaisquer outras terras que os muçulmanos tenham conquistado pela força, porque os muçulmanos a consagraram, à época da conquista, como legado hereditário para todas as gerações de muçulmanos, até o Dia da Ressurreição. Assim ocorreu quando foi completada a conquista de Al-Sha’m (8) e do Iraque, e os Comandantes dos exércitos muçulmanos enviaram mensagens ao Califa ‘Umar b. Al-Khattab, pedindo instruções a respeito das terras conquistadas – dividi-las entre as tropas ou deixa-las em mãos dos seus proprietários, ou proceder de outra forma[5].

Em parte do Artigo 13, ainda preceitua:

“Não há solução para o problema palestino a não ser pela jihad (guerra santa).”

Os fundamentos totalitários e terroristas com base religiosa do “documento” – que não é contestado pelos defensores da “causa palestina” – podem ser vislumbrados também no seguinte preceito:

Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer a todos aqueles que existiram anteriormente a ele. (segundo palavras do mártir, Iman Hasan al-Banna, com a graça de Alá). 

E se alguém levantar a hipótese de que os “palestinos” não mais enxergam Israel como “território waqf”, aconselho consultar fontes dos seus movimentos espalhados pelo mundo. Num dos muitos sites tecendo distorções brutescas para validar a farsa do “direito” ao território de Israel, assim está escrito: A chamada ‘Palestina Histórica’ é todo território que engloba hoje Faixa de Gaza, Israel e Cisjordânia.[6]

Logo, uma vez que o Estatuto do Hamas corrobora o intento genocida dos seus seguidores, fato este ratificado por suas “autoridades religiosas” que em discursos inflamados nas mesquitas afirmam que “os judeus devem ser massacrados e mortos[7], torna-se debalde toda tentativa de criação de um Estado que não tenha condição mínima de proporcionar fronteiras seguras e pacíficas com Israel. A chamada Palestina é, na forma proposta por suas lideranças, um protótipo de Estado terrorista!

Portanto, culpar Trump por ações terroristas palestinas estimuladas por suas lideranças é uma verdadeira discrepância, uma vez que, conforme percebido pelo próprio presidente dos EUA – apesar das “promessas de campanha não cumpridas” dos presidentes antecessores  – não houve avanço nos processos de paz e muito menos no “acordo de reconciliação” entre as facções palestinas. A campanha de ódio palestino não precisa de “justificativa” para atacar Israel… Sem qualquer ação de Trump, desde janeiro de 2012, mais de 2.530 foguetes e morteiros foram disparados de Gaza e atingiram áreas civis israelenses[8].

O combustível para a “revolta dos palestinos” não está na decisão de um Estado soberano acerca da linha de política externa que adota, e sim, nos escritos sagrados islâmicos. Enquanto o Ocidente  não atentar para o lema do Hamas preconizado no Art. 8º do seu Estatuto, não perceberá que está apoiando a possível criação de mais um Estado totalitário islâmico tão perverso e sanguinário quanto Arábia Saudita e Irã.

O art. 8º dispõe:

Alá é a finalidade, o Profeta o modelo a ser seguido, o Alcorão a Constituição, a Jihad é o caminho e a morte por Alá é a sublime aspiração.

Cabe ao Ocidente escolher entre o “exemplo do profeta Mohammad” e as “ações de Trump, mas particularmente, eu rejeito a ideia de um povo tomar como “modelo” um “profeta”, que ao chegar em Yatrib (Medina) – com metade da população judaica – agiu de forma tão “amistosa”, que em 2 anos não havia mais judeus na referida “cidade sagrada”, os quais foram exilados, escravizados ou assassinados. Se em mais de 90 versos, o Alcorão vaticina que o profeta é o “padrão de vida perfeito” para todos os muçulmanos[9], o “desejo de matança” do Hamas e demais apoiadores realmente encontra amparo no mundo totalitário islâmico, porém seria “justo” a comunidade internacional tentar obrigar o governo israelense a apenas “observar” uma “chuva de foguetes” assassinar os seus nacionais?

Se a “Constituição” do Hamas obriga parte da população a “aspirar a morte por Alá” para criar um Estado islâmico na base da “jihad”, nada impede que Israel use a milenar ética judaica para escolher salvar o seu povo que “aspira a vida”!

Andréa Fernandes é jornalista, advogada, internacionalista e presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires

Imagem:  EBC Agência Brasil

[1]https://www.theguardian.com/world/2017/dec/09/iraq-formally-declares-end-to-fight-against-islamic-state

[2] https://www.theguardian.com/world/2017/dec/09/israeli-airstrikes-kill-two-in-gaza-as-fallout-from-trump-decision-continues

[3]http://www.jpost.com/Breaking-News/IDF-hits-four-terror-targets-in-Gaza-following-a-rocket-attack-on-Sderot-517510

[4] https://www.lawctopus.com/academike/concept-waqf-muslim-law/

[5] http://www.beth-shalom.com.br/artigos/estatuto_hamas.html

[6] http://vivapalestina.com.br/a-historia-de-um-povo/

[7] https://www.youtube.com/watch?v=WmnpMXOpaM4

[8]http://www.jewishvirtuallibrary.org/palestinian-rocket-and-mortar-attacks-against-israel

[9] https://voiceofeurope.com/2017/12/why-islam-is-a-totalitarian-system-and-a-threat-for-every-non-muslim-civilisation/#.WivQedleo8Q.twitter

 

Anúncios

Os EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel: vem guerra por aí?

Por Andréa Fernandes

Antes de escrever sobre o evento histórico promovido pelos Estados Unidos no momento em que o presidente Donald Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel, resolvi dar uma espiada nas “análises” da galera suprassumo em política internacional e também na mídia árabe. Afinal de contas, nenhum país se importa realmente com os palestinos sob a ótica dos “direitos humanos”, uma vez que o intuito real é deslegitimar Israel na obsoleta oposição midiática comunista ao único país que não se afundou na desordem estimulada pelo ódio religioso e sectarismo, próprios de países muçulmanos.

Tão logo Trump cumpriu com o dever consignado na lei que o Congresso americano aprovou em 1995 – que prevê o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e a consequente transferência da embaixada – e que vinha sendo covardemente postergado por seus antecessores, a comunidade internacional explodiu em fúria – não tão “calorosa” quanto os jihadistas que o Ocidente recebeu – criticando a ação americana num flagrante desrespeito à soberania do país.

O vozerio foi fortalecido pela União Europeia, na pessoa da chefe de política externa, Frederica Mogherini – aquela integrante do partido comunista italiano que “tietava” o terrorista Yasser Arafat[1] – irresignada, após o ato de Trump, disse: “acreditamos que a única solução realista para o conflito entre Israel e Palestina é baseada em dois Estados e com Jerusalém como a capital de ambos”[2]. Talvez, a tese dela em ciência política intitulada “A Relação entre Religião e Política no Islã”, seja o motivo de se empenhar em defender a “jihad palestina”, já que as ações criminosas de países muçulmanos não são do seu interesse, e sempre é bom lembrar que a diplomata hipócrita não anda preocupada com a ocupação de 37% do território cipriota pela Turquia, que mantém 40 mil soldados no norte do Chipre, invadido em 1974[3]. Por acaso, Frederica se manifestou na imprensa quando o “sultão Erdogan” avisou que “a Turquia nunca sairá do Chipre[4]? As pautas comunistas sempre privilegiam os “amantes da paz islâmica obtida pela espada”.

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina – considerado “moderado” pelo Ocidente – ao ser informado por Trump através de telefonema acerca da sua decisão de mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém acionou seu fiéis “ativistas-terroristas”, que convidaram fotógrafos e cinegrafistas para “visitar” Belém a fim de documentar um “evento importante”, qual seja, palestinos ensandecidos queimando cartazes com imagens de Trump e a bandeira de Israel[5]. O objetivo é simples: promoção da “propaganda de ódio” para levar a opinião pública a acreditar que a política de Trump incendiará a região, o que fez o presidente da Autoridade Palestina afirmar que “os Estados Unidos perderam o papel de mediador no Oriente Médio”[6].

Hoje, Abbas em pronunciamento agressivo afirmou que a “revolta palestina” deve continuar e o líder do movimento Fatah – também considerado moderado pelo Ocidente – disse que “Trump emitiu declaração de guerra contra o povo palestino”[7]. Abbas já havia ordenado o fechamento de escolas e na usual política retaliatória contra inocentes, o prefeito de Belém (ocupada por palestinos), também determinou o desligamento de todas as luzes de natal na área onde cristãos vêm  sofrendo limpeza religiosa desde o início da ocupação palestina. E se alguém vier com a lengalenga de que “palestinos não são ocupantes”, cabe lembrar que antes da Guerra de Independência de 1948, a população original de Ramallah era 90% cristã e de Belém, 80%. Além disso, o “pacisfismo islâmico” dos invasores palestinos proporcionou a seguinte realidade: em 1967, mais da metade dos moradores de Belém eram muçulmanos e Ramallah se tornou uma grande cidade muçulmana[8].

Aliás, vale uma breve digressão: o falecido terrorista Yasser Arafat mudou a demografia de Belém semelhantemente à estratégia de países muçulmanos na atualidade, ou seja, enviando milhares de muçulmanos de campos de refugiados, e como bem salienta o jornalista Giulio Meotti, transformou a cidade – outrora majoritariamente cristã – “num refúgio seguro para terroristas suicidas”, onde cemitérios e conventos foram profanados e cristãos transformados em escudos humanos pela perversa Organização para a Libertação da Palestina (OLP). De sorte que, a OLP e outros grupos islâmicos “ofertaram” aos cristãos nativos as mesmas atrocidades que seus homólogos do Estado Islâmico: casamento forçado, conversões, espancamentos, apropriação de terras, ataques incendiários, boicote comercial, tortura, sequestro, assédio sexual, extorsão, dentre outros crimes mantidos ocultos pela mídia vendida aos interesses árabes.

Após o pronunciamento histórico de Trump, Ismail Haniyeh, líder do grupo terrorista Hamas, fez o que sempre foi sua especialidade: conclamar o terror contra civis inocentes, e para tanto, pediu uma nova “intifada contra o inimigo sionista[9] como condenação à decisão de Trump no melhor estilo “jihad”. Contudo, a “ansiedade sanguinária” não resistiu esperar até o dia 8, quando deveriam ser iniciados os atos de violência, e com isso, os terroristas passaram a efetivar disparos de foguetes contra o território israelense ocasionando “resposta” de Israel direcionada às estruturas militares na Faixa de Gaza[10]. Seguindo a mesma “linha assassina”, o grupo terrorista xiita Hezbollah, financiado pelo Irã, também endossou a necessidade de intifada.

Incitados por suas lideranças, cerca de 3 mil palestinos saíram às ruas em protestos violentos em 30 locais na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, onde dezenas de manifestantes se reuniram perto da fronteira com Israel e lançaram pedras contra os soldados. A violência se intensificou no embate de palestinos contras as forças israelenses e segundo a imprensa palestina, já são 200 palestinos feridos e 1 morto.

Insta esclarecer que o “tom apocalíptico” de alguns jornais descambaram em distorções de ignorância ímpar como aconteceu com ‘O Globo’, ao consignar: “Diante da reação inflamada do mundo árabe, com protestos na Faixa De Gaza e na Turquia, o Exército israelense anunciou o envio de batalhões adicionais ao território palestino da Cisjordânia[11]”. O jornalista nervoso por externar o sensacionalismo de sempre, incluiu indevidamente a Turquia na lista de territórios integrantes do “mundo árabe”. O desespero tomou conta da redação…

De qualquer maneira, o mundo muçulmano é, de certo modo,  imprevisível, e as lideranças  palestinas se esforçam para conseguir o apoio que carecem para promover “arruaça terrorista” ao ponto de desencadear uma verdadeira “guerra”, tentando invalidar o ato legítimo de Trump, porém, deverão primeiro, convencer a monarquia saudita a validar sua ações, visto que numa proposta inusitada de “acordo”, a Arábia Saudita ofereceu a cidade de Abu Dis (próxima à Jerusalém Oriental) como a futura “capital da Palestina”, em vez de Jerusalém Oriental. E se ainda assim, o caro leitor tem dúvida do “apoio” que goza a Autoridade Palestina, cabe informar que Abbas foi pressionado pelo Egito e Arábia Saudita a não processar funcionários israelenses em tribunais internacionais como havia prometido, e decidiu… obedecer a “orientação”[12].

A Organização de Cooperação Islâmica (OIC) se manifestou ontem expressando rejeição à decisão de Trump e informou que convocará uma reunião extraordinária com os representantes dos Estados-membros em Istambul nos dias 12 e 13 de dezembro para “discutir as repercussões da decisão americana e formular uma posição islâmica unificada” sobre a questão[13].

O principal representante da “Palestina’ no Reino Unido, Manuel Hassassian, disse que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos equivale a uma “declaração de guerra contra os muçulmanos[14]. Já o Papa Francisco e a ONU apelam para um “diálogo” sobre o status da cidade, mesmo sabendo que não está nos planos dos palestinos essa possibilidade. O Papa ressaltou que se “respeite” o status atual da cidade, pouco se importando que esse pedido absurdo, é, na realidade, um desrepeito ao direito milenar dos judeus à Jerusalém como sua capital indivisível.

Até o momento, as “ameaças explícitas” evidenciadas contra os Estados Unidos advêm do Estado Islâmico e al-Qaeda – grupos islâmicos que vivem em função de ameaças aos “infiéis ocidentais” de modo que não surpreende ninguém a revolta das lideranças dessas facções além do “irmão siamês” Hamas, que objetiva começar nova intifada.

Logo, aguardemos novos “sinais de fumaça islâmica” para sabermos até aonde vai a proclamação de jihad contra Israel e Estados Unidos, já reconhecendo que nessa sexta-feira a promessa de novos protestos se cumpriu em países como Malásia, Indonésia, Iêmen, Turquia, Jordânia, Egito e outros Estados africanos.

Nada mais “inspirador” para um candidato a “Estado terrorista”, que o pedido de suas lideranças exigindo o chamado “Dia de fúria” justamente após as “orações” no dia que é considerado “sagrado” para os seguidores da “religião da paz”.

Publicado originalmente em 08.12.2017, no Portal Gospel Prime

Imagem: g1.globo.com

[1] http://israelstreet.org/2014/11/08/communist-and-islamophile-federica-mogherini-returns-to-ramallah-and-gaza/

[2] https://www.jihadwatch.org/2017/12/eu-vows-push-to-make-jerusalem-capital-for-palestinians-too

[3] http://cyprus-mail.com/2017/07/20/cyprus-marks-43-years-since-turkish-invasion/

[4] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2017/01/13/erdogan-diz-que-turquia-nunca-saira-do-chipre.htm

[5] https://www.gatestoneinstitute.org/11508/trump-jerusalem-speech-palestinians

[6] http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/t/todos-os-videos/v/mundo-islamico-protesta-apos-trump-reconhecer-jerusalem-como-capital-de-israel/6342958/

[7] https://www.timesofisrael.com/abbas-vows-palestinian-rage-will-continue-well-never-back-down/

[8] https://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4221651,00.html

[9] https://www.middleeastmonitor.com/20171207-hamas-leader-calls-for-new-intifada-over-trump-decision/

[10] https://www.dn.pt/mundo/interior/jerusaem-israel-ataca-postos-militares-na-faixa-da-gaza-em-resposta-a-projeteis-8971462.html?utm_source=Push&utm_medium=Web

[11] https://oglobo.globo.com/mundo/confrontos-entre-soldados-israelenses-palestinos-deixam-ao-menos-104-feridos-22160770

[12] https://www.middleeastmonitor.com/20171123-under-saudi-egypt-pressure-abbas-retreat-from-prosecuting-israel/#at_pco=smlwn-1.0&at_si=5a29c8f6b0615634&at_ab=per-2&at_pos=0&at_tot=1

[13] http://www.arabnews.com/node/1205411/saudi-arabia

[14] https://g1.globo.com/mundo/noticia/reconhecer-jerusalem-como-capital-de-israel-e-declarar-guerra-diz-enviado-palestino-no-reino-unido.ghtml

 

Juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar cristãos iraquianos de volta ao Estado islâmico

Esta é uma boa notícia, mas esses procedimentos de deportação precisam ser anulados. Trump estava inicialmente determinado a assegurar que os refugiados da perseguição muçulmana recebessem tratamento preferencial. Quem está fazendo isso acontecer provavelmente tentará punir esses cristãos caldeus por se opor à construção de uma mega-mesquita em Sterling Heights, Michigan. Esta pessoa deve ser identificada e despedida. Trump pode não saber sobre isso, mas ele é o presidente dos Estados Unidos. É sua responsabilidade saber, e garantir que a justiça seja feita.

Uma atualização sobre esta história . “O juiz bloqueia a tentativa dos EUA de enviar os cristãos iraquianos de volta aos perigos do ISIS”, de Andy Walton, Christian Today , 23 de junho de 2017:

Um juiz do distrito federal dos EUA interveio para bloquear a deportação de mais de 100 cristãos iraquianos que foram presos no mês anterior em Michigan.

Os 114 cristãos principalmente caldeus foram interceptados porque tinham algum tipo de registro criminal, de acordo com as autoridades. Mas seus advogados afirmam que é injusto enviá-los de volta ao Iraque, onde o governo dos EUA reconheceu um genocídio contra os cristãos está ocorrendo.

A União Americana de Liberdades Civis estava lutando com o caso em nome dos cristãos e agora o juiz Mark Goldsmith suspendeu temporariamente a sua deportação. Ele ordenou um atraso de duas semanas, após o que ele irá decidir novamente.

Lee Gelernt, advogada da União Americana das Liberdades Civis, representando os iraquianos em Michigan, disse: “A ação do tribunal hoje foi legalmente correta e pode muito bem ter salvado inúmeras pessoas de abusos e possíveis mortes”.

“Muitos que foram apanhados não são criminosos endurecidos, mas durante as últimas décadas foram grandes cidadãos”, disse o bispo caldeu local em Detroit, onde há a maior comunidade de cristãos caldeus fora do Iraque ….

https://www.jihadwatch.org/2017/06/judge-blocks-us-attempt-to-send-iraqi-christians-back-to-face-the-islamic-state

Flórida: Convertido ao Islã matou companheiros de quarto por desrespeitar sua nova fé

“Eu tive de fazer isto. Isso não teria acontecido se seu país não bombardeasse meu país. “

O país dele? Ele é americano. Mas, como tantos outros convertidos ao Islã, ele acredita que sua religião o comanda a cometer traição (bem como assassinato), e a dar sua lealdade apenas à ummha global, não à nação de seu nascimento e cidadania.

“Tampa PD: Muçulmano furioso mata companheiros de quarto por desrespeitarem a sua fé” , WFLA , 22 de maio de 2017:

TAMPA, Flórida (WFLA) – A polícia de Tampa disse que um suspeito de homicídio duplo disse que ele matou dois companheiros de quarto porque eles desrespeitaram sua fé muçulmana.

Durante uma entrevista, Devon Arthurs, de 18 anos, admitiu as mortes a tiros de Jeremy Himmelman e Andrew Oneschuk, e disse que todos costumavam ser amigos e compartilhavam crenças neonazistas. Arthurs diz que ele se converteu mais tarde em muçulmano e ficou zangado com o sentimento anti-muçulmano do mundo. Ele disse à polícia que queria chamar a atenção para sua causa.

O duplo homicídio aconteceu sexta à noite em Amberly Drive, em New Tampa.

A polícia de Tampa foi chamada para a Green Planet Smoke Shop e disse que Arthurs estava mantendo três pessoas sob a mira de uma arma. Segundo o relatório da polícia, Arthurs disse que matou alguém e ficou chateado com a América bombardeando  seu país muçulmano.

Quando a polícia apareceu, convenceram Arthurs a deixar os reféns ir e eventualmente algemá-lo.

O relatório da polícia diz que Arthurs fez referências a “Allah Mohammed!” E disse à polícia: “Eu tinha que fazer isso. Isso não teria acontecido se seu país não bombardeasse meu país. “

Enquanto ele estava sendo preso, Arthurs disse a um oficial que as pessoas em um apartamento estavam mortas ….

A polícia encontrou dois homens, mais tarde identificados como Himmelman e Oneschuk, mortos dentro do apartamento por ferimentos de bala.

https://www.jihadwatch.org/2017/05/florida-convert-to-islam-killed-roommates-for-disrespecting-his-new-faith

Sob Obama, EUA entram na Lista de Países que Perseguem Cristãos

No Mapa da Vergonha aparecem os países que perseguem os cristãos no mundo, feito pelo International Christian Concern, no relatório de 2016.

O destaque do relatório de 2016 é que pela primeira vez os Estados Unidos, sob administração do Obama, entraram no Mapa da Vergonha.

O texto mostra uma mudança cultural no país que se volta contra os cristãos.

Os países onde há mais perseguição aos cristãos são os de praxe: Iraque, Síria e Coréia do Norte.

Vejam todo o relatório da perseguição aos cristãos, clicando aqui.

Abaixo vai o texto sobre os Estados Unidos que relata alguns casos de perseguição sofridos pelos cristãos nos Estados Unidos:

On June 11, 2016, Omar Mateen, a US-based radical Muslim, attacked a gay nightclub in Orlando, killing 49 and injuring 53 more. In a call to 911, he clearly laid out his motivation. The attack
was driven by his allegiance to ISIS and desire for retribution for attacks on ISIS. Incredibly, after the attack, numerous high profile media outlets blamed the attacks on what they perceive as the anti-LGBTQ atmosphere that Christians have created. 
In short, Christians in the US are facing constant attacks in the media, where they are portrayed as bigoted, racist, sexist, and close- minded. The characterization in the media may be translating into direct attacks as well. The First Liberty Institute, the largest legal organization in the US dedicated exclusively to protecting religious freedom, documents such actions and reports that attacks on religion doubled between 2012 and 2015.
More importantly, Christians and all religious people are being marginalized through the law.
From the case of a Christian football coach suspended for praying at the 50-yard line, to Christian business owners forced to pay a $135,000 fine for declining to bake a cake for a same-sex wedding, t
he number of troubling cases directed towards Christians has exploded.
In 2011, InterVarsity Christian Fellowship lost their official recognition as a student organization in all of their respective chapters across 23 California public colleges. This occurred because the
Christian organization required their respective leaders to uphold a doctrinal statement of Biblical principles, which allegedly conflicted with California State universities’ policies. After four years of embattled negotiations, InterVarsity regained their official recognition in June 2015.
 In 2014, Eric Walsh was terminated one week after being hired by the Georgia Department of Public Health (DPH). The basis of termination was alleged undisclosed income from prior employment in California.  However, the Georgia DPH knew that Walsh was a Christian preacher outside of work and went to great lengths to review and investigate the content of his sermons posted on YouTube. Georgia officials have even requested copies of Walsh’s sermons, despite prior statements that the termination had nothing to do with his religious views or affiliations.
Walsh is currently suing the Georgia DPH for wrongful termination and religious discrimination.
The rise of these cases stems partly from a broad cultural shift towards secularism. The Pew Foundation found that those identifying as non-religious in the US rose by seven percent, to 23 percent of the total US adult population within just seven years (2007 to 2014).
Anti-Christian entities have been able to leverage the growing secularization of society and culture to their advantage, utilizing the courts as a preferred venue to gradually marginalize and silence
Christians. Using the cudgel of “equality,” secular forces in and out of the courts have worked to create a body of law built from one bad precedent after another. Claims of intolerance and inequality are used to fundamentally distort the clear intent of the First Amendment.
 The Founders carefully and deliberately placed religious freedom as the first liberty because it encompasses several fundamental rights including thought, speech, expression, and assembly. The First Amendment explicitly grants freedom of religion, not freedom from religion. The essential aim is to protect the right of citizens to practice religion in the public square.
Decades of accumulated poor judicial decisions and precedents have twisted the First Amendment so that the courts, in defiance of the Founders, are pushing religion out of the public square, and into the small space of private expression. In essence, the courts are deciding that you only have full religious freedom and expression in the church and your home. In the public domain, your religious views and thoughts must be restrained and controlled.
This trend is extremely worrying in the country that has long held the ideal of religious liberty.
While there is no comparison between the life of a Christian in the US with persecuted believers overseas, ICC sees these worrying trends as an alarming indication of a decline in religious liberty in the United States.
FONTE: http://thyselfolord.blogspot.com.br/2017/01/sob-obama-eua-entram-na-lista-de-paises.html

Relatório divulgado recentemente detalha a terrível perseguição sofrida pelos cristãos na Síria

Shoebat – Um Relatório recente divulgou detalhes horríveis da perseguição perpetrada pelo ISIS contra cristãos na Síria. No relatório foi abordado como 3 cristãos foram mortos depois de se recusarem a se converter ao islã, como um padre também foi decapitado, e como dez  cristãos assírios foram abatidos ou decapitados por causa de sua fé. Ha mais histórias no relatório:

Enquanto os insurgentes do Estado Islâmico e forças do governo lutam na Síria a população de cristãos continua a diminuir, de 1.250.000 em 2011 pará menos de 500.000 este ano, segundo ADF International, que defende a liberdade religiosa em todo mundo.

Num sub-Relatório apresentado com o Relatório do genocídio contra cristãos no Oriente Médio para o Secretário de Estado John Kerry em março, a instituição ADF Internacional detalha o genocídio em curso de cristãos e OUTRAS minorias religiosas no Oriente Médio.

É relatado que “os cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo” e que, em pelo menos 104 países, os cristãos são perseguidos por governos e organizações.

A perseguição inclui “agressões físicas, prisões e detenções, profanação de LOCAIS Sagrados e discriminação contra grupos religiosos sem direito a emprego, habitação ou educação”, diz ou Relatório.

A perseguição contra cristãos “foi maior no Oriente Médio e norte da África (90% dos Países)”, informou ADF International. Na Síria e no Iraque, a Perseguição dos Cristãos é realizada por  radicais muçulmanos  como membros do Estado islâmico e Jabhat al-Nusra Frente, segundo ADF.

Na Síria, Forças Governamentais vêm lutando contra os revolucionários e o Estado Islâmico desde março de 2011, uma batalha em curso desencadeada Pela Primavera Árabe.

Em 2015, a população da Síria era de aproximadamente 20 milhões, disse ADF International, e “92,8% da População era muçulmana, 5,2% cristã e 2% de outras religiões”.

“A População de cristãos caiu de 1,25 milhão em 2011, para apenas 500 mil hoje”, disse ADF Internacional em seu Relatório. “Estima-se que somente em 2015, mais de 700.000 cristãos na Síria procuraram refúgio” em Outros Países.

A perseguição dos cristãos na Síria é extrema, disse ADF Internacional, e inclui os seguintes exemplos:

“Três cristãos foram executados por se recusarem a se ou conversor ao islã, um padre católico foi decapitado pelos rebeldes, pelo menos 15 cristãos assírios foram decapitados ou executados a tiros; três cristãos foram executados e pelo menos 10 pessoas receberam ordem de execução por um auto-proclamado “tribunal religioso” por serem crisrãs.

“Em setembro de 2013, 36 líderes religiosos muçulmanos emitiram uma fatwa permitindo que os muçulmanos sunitas tomassem a propriedade de cristãos ou de outros grupos religiosos não-muçulmanos. Numerosos cristãos e líderes religiosos cristãos foram vítimas de sequestros. O arcebispo ortodoxo grego Boulos Yazigi e o  arcebispo ortodoxo sirio Yohanna Ibrahim ainda estão desaparecidos.

“Em setembro de 2013, a Frente Al Nusra atacou a cidade predominantemente cristã de Maaloula, matando 20 pessoas, raptando 15, e destruindo locais religiosos cristãos. Nenhum muçulmano foi atacado.

“Em outubro e novembro de 2013, mais de 1.500 famílias da aldeia cristã de Sadad foram reféns do Al Nusra. 45 pessoas foram mortas.

“Em outubro de 2014, ou o padre franciscano Hanna Jallouf e 20 Cristãos foram sequestrados por Al Nusra. Eles foram finalmente libertados.

“Em janeiro de 2015, foi relatada a morte do padre católico armênio Michel Kayyal e o padre ortodoxo grego Maher Mahfouz were.

“Em fevereiro de 2015, o ISIS (Estado Islâmico) apreendeu 35 aldeias cristas assírias, sequestrando mais de 300 Cristãos. ISIS libertou 23 pessoas em março de 2015, e exigiu £15 milhões para a libertação de 230 pessoas. Os moradores remanescentes, em número de mais de 1.200, fugiram para outras aldeias (Hassake e Qamishli), deixando as 35 aldeias desertas durante meses.. Eles começaram a retornar em junho de 2015, quando combatentes cristãos e curdos reconquistaram as aldeias.

“O número exato das vítimas da guerra civil na Síria (e das vitimas CRISTÃS) é desconhecido. Presume-se que a partir de 24 de novembro de 2014, 197.378 pessoas foram mortas (incluindo 62,347 civis). No entanto, de acordo com com o Observatório Sírio parágrafo OS Direitos Humanos, pode haver mais de 80.000 mortes não registradas. [ênfase adicionada].

“Muitas pessoas são executadas como resultado de uma pena de morte imposta pelos grupos extremistas em violação das regras do devido processo legal e um julgamento justo,. Tais execuções continuam e pena de morte é usada como como um castigo por não se converter ou não se aderir à sharia (lei islâmica).

Ademais, além dos assassinatos e execuções, as minorias religiosas estão sujeitas a tortura, tratamento desumano e degradante, violência sexual, violações, desaparecimentos forçados e deslocamentos.

“Não foram tomadas medidas adequadas pelo governo sírio para por fim aos abusos e execuções ilegais e respeitar o direito à vida protegido pelo direito internacional. Como resultado, a RAE [República Árabe da Síria] ocupa o quarto lugar na World Watch List, de 2015, que classifica os 50 países onde os cristãos são perseguidos “.

Muslims Take Three Christians And Tell Them To Convert To Islam, They Refuse And The Muslims Execute Them, They Take A Christian Pastor And Behead Him, Fifteen More Christians Are Beheaded And Shot For Worshipping Christ

Menino muçulmano é espancado na escola nos EUA e pai culpa Trump

Um menino muçulmano de 7 anos, residente nos Estados Unidos, foi espancado por seus colegas em um ônibus escolar, na cidade de Cary, Carolina do Norte, na última sexta-feira. O incidente foi relatado no Facebook por seu pai, Zeeshan-ul-hassan Usmani, que culpou a retórica preconceituosa do republicano Donald Trump pelo episódio de violência contra seu filho.

“Bem-vindos aos Estados Unidos de Donald Trump”, escreveu Usmani, junto a uma foto do pequeno Abdul Aziz, com um braço engessado. “Ele está na primeira série, sofreu bullying e foi espancado por seus colegas de escola por ser muçulmano”, afirmou. Em entrevista ao site BuzzFeed News, Usmani comentou que as outras crianças gritavam ofensas raciais, enquanto chutavam e davam socos no menino.

O caso foi o mais recente após dezenas de episódios de preconceito contra a família de paquistaneses, que decidiu voltar para o seu país de origem. Os colegas de Abdul já haviam tentado forçá-lo a comer depois de descobrirem que ele apenas consumia alimentos halal, preparados segundo regras da lei islâmica. Seu irmão também foi chamado de terrorista na vizinhança.

Leia também:

Mulher muçulmana posa de hijab para a Playboy americana

Homem tenta botar fogo em muçulmana que fazia compras nos EUA

Após vídeo machista, campanha de Trump sofre debandada

Para Usmani, a violência e o preconceito religioso contra sua família tomaram grandes proporções nos últimos meses por incentivo das declarações de Trump sobre muçulmanos. “Todos esses eventos, por parte de vizinhos e outros, dispararam desde o início da campanha presidencial”, disse aoBuzzFeed News. “Os tempos estão mudando e esta não é a América em que sempre pensamos e acreditamos”, afirmou.

Imediatamente após Abdul retornar machucado da escola, Usmani comprou passagens de avião para ele, sua esposa e os três filhos. Eles devem permanecer no Paquistão pelo menos até as eleições presidenciais americanas, em 8 de novembro. Segundo o BuzzFeed, Usmani trabalha como chefe de tecnologia em uma empresa do Vale do Silício, que desenvolve softwares para ajudar no combate ao terrorismo no Oriente Médio.

O sistema de escolas públicas do condado de Wake afirmou que abriu uma investigação sobre o caso de Abdul Aziz e que, até o momento, alguns estudantes entrevistados não confirmaram a história. O diretor da Escola Elementar Weatherstone não conseguiu contatar a família.

https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo/menino-mu%C3%A7ulmano-%C3%A9-espancado-na-escola-nos-eua-e-pai-culpa-trump/ar-AAiUusi

Muçulmana americana demoniza cristãos coptas perseguidos no Egito

Num tempo em que os cristãos coptas sofrem abusos “a cada dois ou três dias” no Egito, uma muçulmana nos EUA fez um vídeo pedindo mais hostilidade dos muçulmanos contra a minoria cristã, neste caso, sob o disfarce de um boicote econômico.

Em um vídeo, Ayat Oraby, simpatizante da Irmandade Muçulmana, que tem cerca de 1,5 milhão de seguidores no Facebook, recentemente chamou a igreja copta de “bando de gangsters,” a “mafia total”, e ainda disse que “os coptas por trás das cortinas já estariam “armazenando armas em igrejas” e “se esforçando para criar um pequeno Estado copta”, a fim de continuar travando “uma guerra contra o Islã”.

Enquanto isso, no mundo real, que consiste em 196 nações, o Egito é o 22º pior país para cristãos viverem”. É Severo o nível de perseguição que os cristãos experimentam e durante décadas as igrejas cristãs têm enfrentado imensas restrições; mulheres coptas e as crianças são regularmente sequestradas e forçadas a se converter; aldeias e igrejas cristãs inteiras são incendiados no rumor de que um local cristão “blasfemou” contra Muhammad em mídia social.

Mas, Oraby não tem se incomodado com os fatos; de acordo com a raiva muçulmana, os muçulmanos precisam ser mais hostis para com os cristãos – cujo número é de apenas de  4,5 milhões –  porque eles estão “armazenando armas em suas igrejas” em preparação daquele dia quando eles proclamarão uma “jihad” contra o Egito de 80 milhões de muçulmanos e declararão um “pequeno Estado copta.”

Oraby odeia coptas, simplesmente porque eles são cristãos- ao contrário de toda a sua conversa sem sentido de um copta hostil assumindo o controle-  ficando muito claro no final do seu discurso, quando disse: “Eles [coptas] devem aprender muito bem que o Crescente (islã) deve estar acima da Cruz [cristianismo]. “Em outras palavras, a raiva não é porque os coptas representam um perigo para os muçulmanos do Egito, mas porque eles se atrevem a quer direitos, quando eles devem saber o seu lugar, isto é, sob comando dos muçulmanos, assim como a Cruz está bem abaixo do Crescente no Egito.

Oraby é de uma etnia antiga de muçulmanos egípcios. Seus ancestrais como os antepassados de praticamente todos os modernos egípcios muçulmanos eram coptas cristãos que, após a invasão do Islã no século VII, não puderam lidar com a perseguição e discriminação, e, eventualmente, se converteram ao Islã. Muçulmanos como Oraby se irritam ao ver os descendentes remanescentes de cristãos originários do Egito ainda desafiadoramente se estabelecendo e até mesmo tendo a ousadia de querer igualdade quando, na verdade só tem de se render ao Islã.

Maiores informações: http://raymondibrahim.com/2016/09/29/american-muslim-woman-demonizes-egypts-persecuted-copts/

 

 

Congresso derruba veto de Obama a lei sobre vítimas do 11 de Setembro

Derrota inédita de presidente deixa vítimas dos atentados processarem Arábia Saudita.

WASHINGTON — O Congresso americano impôs à Casa Branca a derrubada do primeiro veto do presidente Barack Obama em seu governo, aprovando a lei que permite a vítimas e familiares dos atentados de 11 de Setembro processar o governo da Arábia Saudita pelo ataque terrorista. Ambos os partidos, em esmagadora maioria, votaram contra o presidente, que lamentou a decisão e disse que eles agiram por questões políticas — as eleições serão em 8 de novembro. A medida, segundo o governo, abre um precedente perigoso nas relações internacionais e deve fazer com que os sauditas tirem bilhões de dólares de investimentos nos EUA.

Embora o governo da Arábia Saudita tenha negado várias vezes a participação nos atentados terroristas — que deixaram 2.996 mortos nos ataques com aviões sequestrados por membros da al-Qaeda — muitos veem ligação com os ataques. Dos 19 terroristas identificados, 15 eram sauditas. Assim, aumentou a pressão popular para que o Congresso permitisse aos americanos processar o país árabe.

O projeto de lei foi aprovado com o apoio dos dois partidos. Na semana passada, Obama vetou a medida, mas acabou vencido na quarta-feira: na Câmara dos Representantes, 348 votos foram contra seu veto e 76 favoráveis. No Senado, o placar foi ainda mais duro: 97 a 1. Obama chamou a decisão de erro em entrevista à CNN:

— Eu entendo por que isso aconteceu. Obviamente, todos nós ainda carregamos as cicatrizes e o trauma do 11 de Setembro — disse o presidente num programa que foi ao ar na noite de ontem e que debatia, com ouvintes, sua atuação como comandante em chefe das Forças Armadas dos EUA. — Ser visto como alguém que votou contra as famílias do 11 de Setembro antes das eleições é difícil. Foi basicamente um voto político.

Obama aproveitou para voltar a explicar a razão do veto, dizendo que, com a permissão para o processo contra a Arábia Saudita, acaba a imunidade soberana, ou seja, um país poderá ser acionado juridicamente por atos cometidos por cidadãos ou empresas individualmente. Segundo ele, o problema com esta lei é que ela abre a possibilidade de que “nossos homens e mulheres de uniforme em todo o mundo possam começar a ver a nós mesmos sujeitos às leis de reciprocidade”, disse Obama, que voltou a dizer que não estava preocupado com a situação da Arábia Saudita quando vetou a lei.

Mas cedo, o secretário de Imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, disse que a derrubada do veto foi um “desastre” e “um ato constrangedor do Senado”. Mark Toner, porta-voz do Departamento de Estado, demonstrou preocupação:

— Isso pode complicar nossas relações com alguns de nossos mais próximos aliados.

O senador democrata por Nova York Chuck Schumer, coautor da lei junto com o republicano do Texas John Cornyn, defendeu o sentimento majoritário do Congresso: “Era importante derrubar o veto para permitir que as vítimas busquem justiça, mesmo que isso gere alguns problemas diplomáticos”, disse, em comunicado.

Este foi o primeiro veto de Obama derrubado desde que ele chegou à Casa Branca, em janeiro de 2009 — outros 11 seguem valendo. Desde que a Suprema Corte regulamentou os vetos presidenciais, em 1983, estes foram derrubados em outras nove ocasiões: quatro no governo de George W. Bush, duas no de Ronald Reagan, duas no de Bill Clinton, e uma no de George H.W. Bush.

Ameaça de retirada de investimentos

Congressistas que derrubaram o veto admitiam, em entrevistas a meios de comunicação dos EUA, que a lei pode trazer problemas para o país, mas defendiam que ela só dava o direito à ação contra outro país no caso do 11 de Setembro ou em atos de terrorismo. O tema deverá ir à Suprema Corte.

A Arábia Saudita não se pronunciou, mas já havia alertado que, se a lei entrasse em vigor, o país poderia tirar “dezenas de bilhões de dólares” de investimentos dos EUA. Nunca foi provada a existência de uma cumplicidade oficial de Riad nos ataques da al-Qaeda, e o país jamais foi acusado formalmente. No entanto, jihadistas detidos relataram que membros da família real doaram milhões de dólares para a al-Qaeda nos anos 1990. O país nega. Apesar de um problemático histórico em direitos humanos e suposto apoio a grupos extremistas, os sauditas são aliados cruciais dos EUA no Oriente Médio.

Enquanto isso, na disputa pela sucessão de Obama, foi publicada ontem a primeira pesquisa eleitoral integral após o debate de segunda-feira entre Hillary Clinton e Donald Trump. Apesar de a democrata ter sido considerada vencedora, os dados da Reuters/Ipsos, levantados entre anteontem e ontem, permanecem idênticos ao da sondagem anterior: Hillary tem 42%, e Trump, 38%.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/congresso-derruba-veto-de-obama-lei-sobre-vitimas-do-11-de-setembro-20194336#ixzz4LedqtVD7
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Suspeito de espalhar bombas odiava os gays e os EUA, diz ex-namorada

Mãe da filha de Rahami fala em ‘lavagem cerebral’ após viagem ao Afeganistão.

NOVA YORK — O homem preso por implantar bombas em Nova Jersey e Nova York, Ahmad Rahami, odiava os Estados Unidos e os homossexuais. Foi isso que sua ex-namorada, que é mãe da sua filha, relatou ao canal “FoxNews”. Ela conheceu o terrorista na escola e conta que ele sofreu uma “lavagem cerebral” em uma das suas viagens ao Afeganistão — da qual voltou com uma esposa e outro filho.

— Ele falava muito da cultura ocidental e de como, em seu país, era diferente. De como não havia gays no Afeganistão — disse ao canal americano.

Maria — cujo nome completo não foi divulgado — diz que não via Rahami há dois anos. Na escola, era conhecido por ser o aluno brincalhão da turma, mas seu comportamento foi mudando muito durante os anos.

Ainda assim, ela afirma que jamais teria imaginado que ele fosse capaz de fazer algo parecido com o que fez. No último fim de semana, ele implantou bombas em diferentes localidades de Nova York e Nova Jersey.

Ela diz ainda que não quer a filha perto do pai, que não paga a pensão alimentícia da menina. Após ter trocado tiros com agentes polícias ao ser capturado, ele permanece internado em estado crítico, porém estável. Ele foi acusado de quatro delitos por tentativa de homicídio e por possessão de arma de fogo.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/suspeito-de-espalhar-bombas-odiava-os-gays-os-eua-diz-ex-namorada-20150054#ixzz4KxN7LvAD
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.