Arquivo da tag: #investigação

Alemanha: 3 mortos e pelo menos 30 feridos em possível atentado com veículo num bairro turístico

Um veículo atingiu uma multidão na cidade de Muenster, no oeste da Alemanha. Várias pessoas foram mortas no incidente, segundo a polícia.
As autoridades não forneceram números específicos, apenas confirmando as fatalidades. No entanto, de acordo com o Rheinische Post, citando uma fonte policial, o até o momento são três. Estima-se que cerca de 30 pessoas estejam feridas.

O incidente ocorreu no centro de Muenster. A polícia isolou a área e pediu que as pessoas a evitassem. A natureza do incidente continua “incerta”, disse a polícia em um post no Twitter pedindo a todos que “evitem especulações“.

Fotos da cena parecem mostrar uma van cinza, vista entre as cadeiras e mesas espalhadas em uma rua estreita. O café em questão, chamado Kiepenkerl, é popular entre os habitantes locais e turistas. Está localizado na parte histórica da cidade. A rua onde ocorreu o incidente também está localizada nas proximidades de vários grandes centros comerciais

O motorista do veículo se suicidou, confirmou a polícia alemã à agência de notícias DPA. Autoridades dizem que atualmente não estão procurando por nenhum outro suspeito, e que o perigo provavelmente acabará.

O incidente pode ter sido um ataque terrorista, informou o Rheinische Post alemão, citando fontes policiais. No entanto, nenhuma confirmação oficial foi emitida.

Com informações de RT Question More  e imagem Reprodução/Twitter

Anúncios

IDF negam ter alvejado deliberadamente jornalista morto em protestos violentos na Faixa de Gaza

Centenas no funeral de Yasser Murtaja, que palestinos dizem ter morrido de um tiro que teria sofrido durante as filmagens de sexta-feira em uma área coberta por fumaça preta e espessa

Enlutados e jornalistas carregam o corpo do jornalista palestino Yasser Murtaja, durante seu funeral na Cidade de Gaza em 7 de abril de 2018. (AFP PHOTO / MAHMUD HAMS)

Enlutados jornalistas carregam o corpo do jornalista palestino Yasser Murtaja, durante seu funeral na Cidade de Gaza em 7 de abril de 2018. (AFP PHOTO / MAHMUD HAMS)

 

O Exército israelense negou neste sábado que alvejou deliberadamente um jornalista palestino que, segundo os palestinos, foi morto enquanto cobria protestos em massa ao longo da fronteira israelense no dia anterior, e disse que estava investigando o incidente.

Centenas, incluindo o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, compareceram ao funeral do famoso jornalista palestino Yasser MurtajaMurtaja supostamente morreu de uma ferida de bala que ele teria sofrido durante as filmagens de sexta-feira em uma área envolta em fumaça preta e espessa causada por manifestantes colocando pneus em chamas.

 

Segundo informações palestinas, tropas israelenses abriram fogo do outro lado da fronteira, matando pelo menos nove palestinos e ferindo outras 491 pessoas no segundo protesto em massa em oito dias.  As mortes comunicadas são de pelo menos 31 palestinos por fogo israelense desde a semana passada. Israel não fornece números.

Murtaja estaria a mais de 100 metros da fronteira, usando uma jaqueta colada e “segurando” sua câmera quando foi baleado em uma área exposta logo abaixo da axila, segundo a agência de notícias.

Em um comunicado divulgado no sábado, a IDF disse que não alvejou deliberadamente jornalistas e estava investigando o incidente.

Durante semanas, temos alertado contra a proximidade da cerca e pedimos aos moradores de Gaza que não obedeçam às ordens do grupo terrorista Hamas e se abstenham de atividades terroristas e outros atos violentos contra Israel“, disse a IDF. “Apesar disso, desde a última sexta-feira, as IDF têm lidado com dezenas de milhares de pessoas que se aproximaram da cerca, todas instigadas pelo Hamas.

Em resposta, as forças da IDF estão agindo sob ordens claras projetadas para essas circunstâncias. As IDF não direcionam deliberadamente jornalistas. As circunstâncias em que o jornalista foi supostamente atingido pelo fogo IDF não são conhecidas e estão sendo investigadas ”, disse o Exército.

Haniyeh, o chefe do Hamas, compareceu ao funeral. Ele disse que jornalistas foram atacados por Israel enquanto tentavam mostrar uma “imagem verdadeira de um povo bloqueado e oprimido“.