Arquivo da tag: #Irã

Dia de Al-Quds: Irã promete destruir Israel, mas milhares de iranianos defendem Israel e rejeitam “terrorismo islâmico”

Alguns jornais ocidentais noticiaram manifestações no Irã contrárias à Israel  no chamado “Dia de Al-Quds“, (Dia de Jerusalém), em apoio aos palestinos na sexta-feira. Palavras de ódio como “morte à israel” e “Jerusalém é a eterna capital da Palestina foram proferidas por milhares de manifestantes.

Porém, a mídia desconsiderou algumas notícias notáveis ​​do ex-muçulmano iraniano Amil Imani:

Enquanto o regime iraniano terrorista e assassino celebrava hoje [o Dia de Al-Quds no qual prometia aniquilar Israel, milhares de iranianos rejeitaram isso e twittaram: #WeStandWithIsrael. O ódio do regime mullah não vai parar o amor, respeito e amizade entre nossos povos. ”

E:
و ترور به سرزمین ایران وارد شده اعلام می کنیم

Tradução:

De Tel Aviv a Teerã, ficamos juntos

Nós, o povo iraniano, não temos hostilidade com Israel nem com nenhuma nação. Nós declaramos a República Islâmica do Irã como um governo ilegítimo e ocupante que foi forçado ao povo do Irã com armas, balas e terror islâmico.

Com imagem LobeLog e informação Jihad Watch

Anúncios

Israel oferece gratuitamente tecnologia ao Irã para resolver a crescente escassez de água

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ofereceu a experiência de água de Israel a um Irã que enfrenta um desastre ambiental devido à persistente seca.

 Em um vídeo em inglês postado online, Netanyahu faz “uma oferta sem precedentes para o Irã“.

Netanyahu explicou: “O povo iraniano é vítima de um regime cruel e tirânico que lhes nega água vital. Israel está com o povo do Irã … A organização meteorológica do Irã diz que quase 96% do Irã sofre com os níveis de seca. Issa Kalantari, ex-ministro da Agricultura do Irã, disse que 50 milhões de iranianos podem ser forçados a deixar suas casas por causa de danos ambientais. 50 milhões! Milhões de crianças iranianas estão sofrendo devido à má administração, incompetência e roubo de recursos vitais pelo regime iraniano “.

Israel resolveu muitos de seus desafios relacionados à água, diz o primeiro-ministro, desenvolvendo “tecnologias de ponta para enfrentá-los“. Israel recicla quase 90% de suas águas residuais. Isso é muito mais do que qualquer outro país do mundo. Nós inventamos a irrigação por gotejamento. Nossa tecnologia tem como alvo plantas individuais com exatamente os nutrientes de que precisam para a planta “.

E então, dado que “o Irã proíbe a visita de israelenses“, Israel está lançando um  site na  língua persa e um  canal Telegram  que dará aos iranianos “o conhecimento para evitar uma catástrofe ambiental no Irã”.

O site inclui “planos detalhados sobre como os iranianos podem reciclar suas águas residuais“Vamos mostrar como os agricultores iranianos podem salvar suas colheitas e alimentar suas famílias”.

No caso de alguém perder o ponto político, ele também explica. “O regime iraniano grita ‘Morte a Israel!’ Em resposta, Israel grita: “A vida para o povo do Irã!” O povo do Irã é bom e decente. Eles não deveriam ter que enfrentar sozinho um regime tão cruel. Nós estamos com você Ajudaremos milhões de iranianos a não sofrerem. O ódio do regime iraniano não impedirá o respeito e a amizade entre nossos dois povos ”.

Com informações de Israel Notícias

República Islâmica do Irã admite ter facilitado os ataques terroristas de “11 de setembro”

“Irã admite facilitar ataques terroristas de “11 de setembro”, por Adam KredoWashington Free Beacon , 8 de junho de 2018:

As autoridades iranianas, em um primeiro momento, admitiram facilitar os ataques terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos, ajudando secretamente as viagens gratuitas de agentes da Al Qaeda que eventualmente levaram aviões comerciais para as Torres Gêmeas na cidade de Nova York, de acordo com observações de um alto funcionário do novo governo iraniano.

Mohammad-Javad Larijani, assistente de assuntos internacionais no judiciário iraniano, divulgou num discurso em idioma persa transmitido pela televisão estatal iraniana, que funcionários da inteligência iraniana secretamente ajudaram a dar passagem aos terroristas da Al Qaeda e os abrigou na República Islâmica, segundo para uma tradução em inglês publicada pelo jornal Al Arabiya.

Nosso governo concordou em não carimbar os passaportes de alguns deles porque eles estavam em voos de trânsito por duas horas e estavam retomando seus voos sem ter seus passaportes carimbados. No entanto, seus movimentos estavam sob a supervisão completa da inteligência iraniana ”, disse Larijani.

As declarações representam a primeira vez que autoridades iranianas admitiram publicamente ajudar a Al Qaeda, reconhecendo seu desempenho na função direta de facilitação dos ataques de 11 de setembro.

O governo dos Estados Unidos há muito tempo acusa o Irã de ter um papel nos ataques e até multou os bilhões da República Islâmica como resultado. A Comissão 11/09 dos EUA reunida para investigar os ataques concluiu que o Irã desempenhou um papel na facilitação dos terroristas da Al Qaeda.

Larijani admitiu que as autoridades iranianas não carimbaram os passaportes dos militantes da Al Qaeda para ofuscar seus movimentos e impedir a detecção por parte de governos estrangeiros. O agentes da Al Qaeda também receberam refúgio seguro no Irã.

Com imagem e informações Jihad Watch

Chefe da Otan diz que aliança não ajudará Israel se o Irã atacar

Jens Stoltenberg diz a Der Spiegel que o estado judeu é um parceiro, mas não um membro, e portanto, “garantia de segurança” não se aplica

BERLIM (Reuters) – O secretário-geral da Otan disse no sábado que a aliança não virá em defesa de Israel em caso de ataque do Irã.

Jens Stoltenberg disse à revista Der Spiegel que Israel é um parceiro, mas não um membro e que a “garantia de segurança” da OTAN não se aplica ao Estado judeu.

O tratado da OTAN exige que a aliança defenda militarmente os países membros, dos quais existem 28, mas não parceiros. Ainda assim, os estados parceiros contribuem regularmente para operações da OTAN, como as do Afeganistão e missões navais ao longo da Somália e no Mar Mediterrâneo.

Israel é parceiro da OTAN desde 1994. De 2010 a 2016, suas tentativas de abrir uma missão oficial na sede da organização em Bruxelas foram frustradas pela Turquia.

Ele falou em um momento de crescente tensão entre Israel e Irã. Israel vem travando uma campanha para impedir que o Irã estabeleça uma presença permanente na Síria e no Líbano. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, também liderou a oposição ao acordo nuclear com o Irã, pedindo que ele seja descartado ou consertado. Os EUA se retiraram no mês passado.

Com informações The Israel of Times

 

Cristãos são punidos com tortura e prisão no Irã

Mohabat News A    Prisão de Evin, também conhecida como “a fábrica de torturas do regime” e “a prisão mais notória do Irã”, atualmente conta entre seus detentos 11 cristãos sendo punidos por sua fé.

A organização anti-perseguição International Christian Concern (ICC) revelou que um dos internos , Nasser Navard Gol-Tapeh , corre o risco de “perder completamente os dentes” devido a tratamento desumano e falta de assistência médica.

Nasser foi sentenciado a uma sentença de 10 anos depois de montar um grupo de oração em sua casa.

O Irã o acusou de “agir contra a segurança nacional através da formação e estabelecimento de uma organização ilegal da igreja em sua casa” e disse que ele deve cumprir sua pena.

Seu advogado Hossein Ahmadi Niaz disse à ICC: “Meu cliente não violou nenhum dos códigos criminais e não é culpado de suas acusações.

Todos os outros cristãos presos com ele também confirmaram que todas as suas reuniões eram estritamente focadas em sua fé e adoração e nada mais.”

Ex-presos revelaram as condições angustiantes dentro da prisão, na capital do Irã.

Um disse que os prisioneiros “nunca são os mesmos” depois de experimentar a vida atrás das grades em Evin.

Ela disse: “Um dia é como um ano, alguns dias você não pode respirar porque não sabe o que vai acontecer com você no dia seguinte.

Quando as pessoas vivenciam a prisão de Evin, elas nunca mais serão as mesmas.

Ela disse que mesmo depois de ser libertado, ex-prisioneiros não podem voltar à vida normal.

Ela disse: “O estresse é demais. Nós não podemos ser as mesmas pessoas. Nós não podemos ser tão felizes quanto antes.

Não gostamos de atividades como pessoas normais, porque o tempo todo pensamos naqueles que ainda estão lá.”

Hormoz Shariat, da organização Iran Alive Ministries, também revelou como é a vida na Prisão de Evin.

Ele disse: “Geralmente, no primeiro ou segundo mês, há tortura para obter todas as informações que podem do prisioneiro.

Se o preso morre sob tortura, eles alegam que ele cometeu suicídio.

“Além disso, quando alguém é preso, outros irmãos e irmãs cortam o relacionamento  com ele e sua família por causa dos riscos de segurança. Então a pessoa e sua família se sentem abandonados e solitários. ”/  Express.co

Publicado em 21 de maio

Com imagem de Al Jazeera   e informações Mohabat

 

No Irã, cristãos convertidos enfrentam sentenças de 10 anos de prisão

Mohabat News – As igrejas católicas dentro do país são monitoradas de perto com câmeras de vigilância para garantir que os muçulmanos não entrem, e as escolas religiosas são limitadas naquilo que podem ensinar, explicou à CNA uma jornalista iraniana, Sohrab Ahmari.

Ahmari está atualmente escrevendo uma memória espiritual sobre sua própria jornada à fé católica para a Ignatius Press. Ele se converteu em 2016 depois de morar nos EUA por mais de duas décadas. Sua conversão teria sido quase impossível se ele ainda estivesse morando no Irã.

No Irã, o catolicismo é principalmente um fenômeno étnico. Há católicos armênios e assírios. Eles têm suas próprias igrejas, mas não podem evangelizar e não podem ter Bíblias em nenhum idioma além do seu”, disse Ahmari, que trabalhou para o Wall Street Journal por vários anos antes de se tornar editor sênior da revista Commentary.

A Constituição iraniana consagra o islamismo xiita como religião do Estado e relega certas outras minorias religiosas a um status protegido, mas de segunda classe, de modo que os judeus e cristãos, principalmente, são pessoas das religiões abraâmicas”, continuou ele. “Essas pessoas têm um certo grau de direitos limitados, mas também têm todos os tipos de desvantagens sociais“.

A população da república islâmica é 99% muçulmana e suas minorias religiosas reconhecidas são estritamente controladas.

O tratamento fica muito pior para grupos que o regime não reconhece como legítimos”, explicou Ahmari. Isso inclui o cristianismo evangélico e a religião bahá’í.

Depois de serem julgados como apóstatas, cristãos convertidos do islamismo têm sido submetidos a condenações cada vez mais duras, de acordo com o relatório da Comissão Internacional de Liberdade Religiosa de 2018, que observou que “muitos foram condenados a pelo menos 10 anos de prisão por suas atividades religiosas”.

Maryam Naghash Zargaran, uma cristã convertida do Islã, foi libertada da prisão em agosto de 2017, depois de cumprir mais de uma sentença de quatro anos. Mary Ann Glendon, ex-embaixadora dos EUA na Santa Sé, estava entre os que defendiam sua libertação.

Em maio de 2017, quatro cristãos evangélicos foram condenados a 10 anos de prisão por seus esforços de evangelização.

O Departamento de Estado dos EUA designou o Irã como um “país de preocupação particular” para a liberdade religiosa desde 1999.

A crescente capacidade do governo iraniano de censurar e monitorar os usuários da Internet aumenta sua capacidade de reforçar as interpretações religiosas oficiais e a repressão aos ativistas.

Durante os protestos da democracia no Irã, em janeiro de 2018, o governo interrompeu o acesso à Internet, incluindo ferramentas de comunicação de mídia social, de acordo com a USCIRF. Os iranianos protestaram com queixas econômicas e sociais.

Embora os cristãos tenham se saído muito melhor no Irã do que no vizinho Iraque, Ahmani acha importante que os católicos percebam que esses protestos foram diferentes de outras revoltas do Oriente Médio.

Há uma tendência entre alguns católicos conservadores de ver qualquer revolta ou qualquer ferida democrática em um país democrático como automaticamente ruim agora, precisamente porque eles se preocupam com essas comunidades. Eles olham o que aconteceu com o Iraque, o que está acontecendo com os coptas no Egito e eles pensam “não mais revoltas“, disse Ahmari.

O caso no Irã é diferente porque o próprio regime consagra uma espécie de supremacia islâmica e suprime as minorias de várias maneiras. As pessoas que estão subindo querem liberdade religiosa ”, continuou ele.

A liberdade religiosa e os direitos humanos foram o foco do encontro do Papa Francisco com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, em janeiro de 2016. O Irã e a Santa Sé mantêm relações diplomáticas contínuas desde 1954.

No Vaticano, o papa Francis e Rouhani também discutiram a aplicação do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), também conhecido como o “acordo nuclear do Irã, que entrou em vigor apenas dez dias antes da reunião.

Em 8 de maio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encerrou o JCPOA e re-impôs as sanções anteriormente levantadas.

“O JCPOA não conseguiu lidar com a ameaça do programa de mísseis do Irã e não incluiu um mecanismo forte o suficiente para inspeções e verificação”, segundo o comunicado da Casa Branca.

As violações dos direitos humanos do regime iraniano e a repressão contra os manifestantes também foram condenadas na declaração de 8 de maio anunciando o fim da participação dos EUA no acordo nuclear com o Irã. / Agência de notícias católica.

Além de prisão, os cristãos costuma ser torturados pelo regime, pois a fé cristã é considerada uma ameaça à segurança nacional.

Com imagem de Christians in Pakistan e informações Mohabat News 

Parlamentares iranianos queimam a bandeira dos EUA enquanto gritam “Morte à América!

“O principal líder do Irã e os legisladores atacam os EUA devido  acordo nuclear”, de Nasser Karimi e Amir Vahdat, Associated Press , 09 de maio de 2018:

TEERÃ, Irã (AP) – O líder supremo do Irã repreendeu o presidente Donald Trump na quarta-feira por sua decisão de tirar os Estados Unidos do acordo nuclear de 2015, enquanto os legisladores acendiam uma bandeira dos EUA dentro do parlamento gritando: “Morte à América!”

A reação do governo refletiu a ampla revolta do Irã com a decisão de Trump, que ameaça destruir o acordo histórico. Enquanto autoridades iranianas, incluindo o presidente do Parlamento, dizem que esperam que a Europa trabalhe com elas para preservar o acordo, muitos são pessimistas.

Em comentários a professores da escola, o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, disse a Trump: “Você não pode fazer nada!” A exortação de Khamenei, que tem a palavra final sobre todos os assuntos do Estado, segue um padrão de líderes iranianos declarando a capacidade de resistir a estrangeiros. pressão ou interferência.

Khamenei descreveu o discurso de Trump na terça-feira anunciando sua decisão como tendo “mais de 10 mentiras”, sem especificar as mesmas. Ele também disse que as declarações de Trump ameaçavam tanto o povo do Irã quanto seu governo teocrático.

O corpo deste homem, Trump, vai se transformar em cinzas e se tornar o alimento dos vermes e formigas, enquanto a República Islâmica continua de pé“, disse Khamenei.

No início da quarta-feira, os legisladores, incluindo um clérigo xiita, atearam fogo à bandeira dos EUA enquanto seus colegas se juntavam aos cantos. Eles também queimaram um pedaço de papel representando o acordo nuclear e pisaram nas cinzas do papel.

Mais tarde, dezenas de radicais incendiaram uma bandeira dos EUA durante um protesto em frente à antiga embaixada dos EUA e pediram uma resposta retaliatória.

Enquanto a queima de bandeiras dos EUA é comum no Irã e as duras críticas à América têm sido um marco da política parlamentar iraniana há anos, foi a primeira vez que observadores políticos se lembraram de qualquer coisa que estivesse sendo queimada dentro do próprio parlamento.

O acordo de 2015 impôs restrições ao programa nuclear do Irã em troca do levantamento da maioria das sanções americanas e internacionais.

No entanto, o acordo veio com limites de tempo e não abordou o programa de mísseis balísticos do Irã ou seu apoio a grupos militantes em toda a região, rotulados como terroristas pelo Ocidente. Trump apontou repetidamente para aquelas omissões em se referir ao acordo como o “pior negócio de todos os tempos”. Os defensores do acordo disseram que esses prazos foram feitos para encorajar mais discussões com o Irã no futuro que poderiam eventualmente resolver outras preocupações.

No final da noite de terça-feira, o presidente Hassan Rouhani disse que enviaria o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, para os países que ainda seguem o acordo – China, França, Alemanha, Rússia e Reino Unido.

Com imagem de Pinterest e informações de Jihad Watch

Merkel diz que a Europa fará tudo para manter o Irã em acordo nuclear

A Alemanha, a França e a Grã-Bretanha farão “tudo” para garantir que o Irã permaneça no marco do acordo nuclear de 2015, afirmou a chanceler Angela Merkel, um dia depois de os EUA terem desistido do acordo.

“Continuaremos comprometidos com este acordo e faremos de tudo para garantir que o Irã cumpra o acordo”, disse Merkel, acrescentando que Berlim tomou a decisão em conjunto com Paris e Londres.

Com informações de The Times of Israel e imagem de Spiegel

Emirados Árabes Unidos e Bahrein apoiam a saída dos EUA do acordo com o Irã

Mais duas nações do Golfo Árabe, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, expressam apoio à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do acordo nuclear com o Irã.

Os Emirados Árabes Unidos dizem que o acordo não garante que o Irã se abstenha de buscar uma arma nuclear no futuro.

O Bahrein, que acusou o Irã de armar e treinar manifestantes xiitas do Bahrein com o objetivo de desestabilizar o país, afirmou na noite de ontem que a decisão de Trump reflete o compromisso dos EUA de enfrentar as “contínuas tentativas do Irã de espalhar o terrorismo na região”.

A Arábia Saudita – um dos mais ferozes inimigos regionais do Irã – apressou-se em expressar seu apoio à decisão de Trump, dizendo que o Irã explorou os benefícios econômicos das sanções para continuar com suas atividades desestabilizadoras.

Omã, uma nação do Golfo Pérsico que ajudou a mediar as conversas entre os EUA e o Irã que levou ao acordo, diz que “valoriza a posição dos cinco parceiros (P5 + 1) em aderir a este acordo, contribuindo para a segurança regional e internacional” e estabilidade ”, referindo-se aos co-signatários do acordo – Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia e China – todos os quais instaram os EUA a aderir ao acordo.

– AP

Com informações de The Times of Israel