Arquivo da tag: #Irã

Cristãos são punidos com tortura e prisão no Irã

Mohabat News A    Prisão de Evin, também conhecida como “a fábrica de torturas do regime” e “a prisão mais notória do Irã”, atualmente conta entre seus detentos 11 cristãos sendo punidos por sua fé.

A organização anti-perseguição International Christian Concern (ICC) revelou que um dos internos , Nasser Navard Gol-Tapeh , corre o risco de “perder completamente os dentes” devido a tratamento desumano e falta de assistência médica.

Nasser foi sentenciado a uma sentença de 10 anos depois de montar um grupo de oração em sua casa.

O Irã o acusou de “agir contra a segurança nacional através da formação e estabelecimento de uma organização ilegal da igreja em sua casa” e disse que ele deve cumprir sua pena.

Seu advogado Hossein Ahmadi Niaz disse à ICC: “Meu cliente não violou nenhum dos códigos criminais e não é culpado de suas acusações.

Todos os outros cristãos presos com ele também confirmaram que todas as suas reuniões eram estritamente focadas em sua fé e adoração e nada mais.”

Ex-presos revelaram as condições angustiantes dentro da prisão, na capital do Irã.

Um disse que os prisioneiros “nunca são os mesmos” depois de experimentar a vida atrás das grades em Evin.

Ela disse: “Um dia é como um ano, alguns dias você não pode respirar porque não sabe o que vai acontecer com você no dia seguinte.

Quando as pessoas vivenciam a prisão de Evin, elas nunca mais serão as mesmas.

Ela disse que mesmo depois de ser libertado, ex-prisioneiros não podem voltar à vida normal.

Ela disse: “O estresse é demais. Nós não podemos ser as mesmas pessoas. Nós não podemos ser tão felizes quanto antes.

Não gostamos de atividades como pessoas normais, porque o tempo todo pensamos naqueles que ainda estão lá.”

Hormoz Shariat, da organização Iran Alive Ministries, também revelou como é a vida na Prisão de Evin.

Ele disse: “Geralmente, no primeiro ou segundo mês, há tortura para obter todas as informações que podem do prisioneiro.

Se o preso morre sob tortura, eles alegam que ele cometeu suicídio.

“Além disso, quando alguém é preso, outros irmãos e irmãs cortam o relacionamento  com ele e sua família por causa dos riscos de segurança. Então a pessoa e sua família se sentem abandonados e solitários. ”/  Express.co

Publicado em 21 de maio

Com imagem de Al Jazeera   e informações Mohabat

 

No Irã, cristãos convertidos enfrentam sentenças de 10 anos de prisão

Mohabat News – As igrejas católicas dentro do país são monitoradas de perto com câmeras de vigilância para garantir que os muçulmanos não entrem, e as escolas religiosas são limitadas naquilo que podem ensinar, explicou à CNA uma jornalista iraniana, Sohrab Ahmari.

Ahmari está atualmente escrevendo uma memória espiritual sobre sua própria jornada à fé católica para a Ignatius Press. Ele se converteu em 2016 depois de morar nos EUA por mais de duas décadas. Sua conversão teria sido quase impossível se ele ainda estivesse morando no Irã.

No Irã, o catolicismo é principalmente um fenômeno étnico. Há católicos armênios e assírios. Eles têm suas próprias igrejas, mas não podem evangelizar e não podem ter Bíblias em nenhum idioma além do seu”, disse Ahmari, que trabalhou para o Wall Street Journal por vários anos antes de se tornar editor sênior da revista Commentary.

A Constituição iraniana consagra o islamismo xiita como religião do Estado e relega certas outras minorias religiosas a um status protegido, mas de segunda classe, de modo que os judeus e cristãos, principalmente, são pessoas das religiões abraâmicas”, continuou ele. “Essas pessoas têm um certo grau de direitos limitados, mas também têm todos os tipos de desvantagens sociais“.

A população da república islâmica é 99% muçulmana e suas minorias religiosas reconhecidas são estritamente controladas.

O tratamento fica muito pior para grupos que o regime não reconhece como legítimos”, explicou Ahmari. Isso inclui o cristianismo evangélico e a religião bahá’í.

Depois de serem julgados como apóstatas, cristãos convertidos do islamismo têm sido submetidos a condenações cada vez mais duras, de acordo com o relatório da Comissão Internacional de Liberdade Religiosa de 2018, que observou que “muitos foram condenados a pelo menos 10 anos de prisão por suas atividades religiosas”.

Maryam Naghash Zargaran, uma cristã convertida do Islã, foi libertada da prisão em agosto de 2017, depois de cumprir mais de uma sentença de quatro anos. Mary Ann Glendon, ex-embaixadora dos EUA na Santa Sé, estava entre os que defendiam sua libertação.

Em maio de 2017, quatro cristãos evangélicos foram condenados a 10 anos de prisão por seus esforços de evangelização.

O Departamento de Estado dos EUA designou o Irã como um “país de preocupação particular” para a liberdade religiosa desde 1999.

A crescente capacidade do governo iraniano de censurar e monitorar os usuários da Internet aumenta sua capacidade de reforçar as interpretações religiosas oficiais e a repressão aos ativistas.

Durante os protestos da democracia no Irã, em janeiro de 2018, o governo interrompeu o acesso à Internet, incluindo ferramentas de comunicação de mídia social, de acordo com a USCIRF. Os iranianos protestaram com queixas econômicas e sociais.

Embora os cristãos tenham se saído muito melhor no Irã do que no vizinho Iraque, Ahmani acha importante que os católicos percebam que esses protestos foram diferentes de outras revoltas do Oriente Médio.

Há uma tendência entre alguns católicos conservadores de ver qualquer revolta ou qualquer ferida democrática em um país democrático como automaticamente ruim agora, precisamente porque eles se preocupam com essas comunidades. Eles olham o que aconteceu com o Iraque, o que está acontecendo com os coptas no Egito e eles pensam “não mais revoltas“, disse Ahmari.

O caso no Irã é diferente porque o próprio regime consagra uma espécie de supremacia islâmica e suprime as minorias de várias maneiras. As pessoas que estão subindo querem liberdade religiosa ”, continuou ele.

A liberdade religiosa e os direitos humanos foram o foco do encontro do Papa Francisco com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, em janeiro de 2016. O Irã e a Santa Sé mantêm relações diplomáticas contínuas desde 1954.

No Vaticano, o papa Francis e Rouhani também discutiram a aplicação do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), também conhecido como o “acordo nuclear do Irã, que entrou em vigor apenas dez dias antes da reunião.

Em 8 de maio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, encerrou o JCPOA e re-impôs as sanções anteriormente levantadas.

“O JCPOA não conseguiu lidar com a ameaça do programa de mísseis do Irã e não incluiu um mecanismo forte o suficiente para inspeções e verificação”, segundo o comunicado da Casa Branca.

As violações dos direitos humanos do regime iraniano e a repressão contra os manifestantes também foram condenadas na declaração de 8 de maio anunciando o fim da participação dos EUA no acordo nuclear com o Irã. / Agência de notícias católica.

Além de prisão, os cristãos costuma ser torturados pelo regime, pois a fé cristã é considerada uma ameaça à segurança nacional.

Com imagem de Christians in Pakistan e informações Mohabat News 

Parlamentares iranianos queimam a bandeira dos EUA enquanto gritam “Morte à América!

“O principal líder do Irã e os legisladores atacam os EUA devido  acordo nuclear”, de Nasser Karimi e Amir Vahdat, Associated Press , 09 de maio de 2018:

TEERÃ, Irã (AP) – O líder supremo do Irã repreendeu o presidente Donald Trump na quarta-feira por sua decisão de tirar os Estados Unidos do acordo nuclear de 2015, enquanto os legisladores acendiam uma bandeira dos EUA dentro do parlamento gritando: “Morte à América!”

A reação do governo refletiu a ampla revolta do Irã com a decisão de Trump, que ameaça destruir o acordo histórico. Enquanto autoridades iranianas, incluindo o presidente do Parlamento, dizem que esperam que a Europa trabalhe com elas para preservar o acordo, muitos são pessimistas.

Em comentários a professores da escola, o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, disse a Trump: “Você não pode fazer nada!” A exortação de Khamenei, que tem a palavra final sobre todos os assuntos do Estado, segue um padrão de líderes iranianos declarando a capacidade de resistir a estrangeiros. pressão ou interferência.

Khamenei descreveu o discurso de Trump na terça-feira anunciando sua decisão como tendo “mais de 10 mentiras”, sem especificar as mesmas. Ele também disse que as declarações de Trump ameaçavam tanto o povo do Irã quanto seu governo teocrático.

O corpo deste homem, Trump, vai se transformar em cinzas e se tornar o alimento dos vermes e formigas, enquanto a República Islâmica continua de pé“, disse Khamenei.

No início da quarta-feira, os legisladores, incluindo um clérigo xiita, atearam fogo à bandeira dos EUA enquanto seus colegas se juntavam aos cantos. Eles também queimaram um pedaço de papel representando o acordo nuclear e pisaram nas cinzas do papel.

Mais tarde, dezenas de radicais incendiaram uma bandeira dos EUA durante um protesto em frente à antiga embaixada dos EUA e pediram uma resposta retaliatória.

Enquanto a queima de bandeiras dos EUA é comum no Irã e as duras críticas à América têm sido um marco da política parlamentar iraniana há anos, foi a primeira vez que observadores políticos se lembraram de qualquer coisa que estivesse sendo queimada dentro do próprio parlamento.

O acordo de 2015 impôs restrições ao programa nuclear do Irã em troca do levantamento da maioria das sanções americanas e internacionais.

No entanto, o acordo veio com limites de tempo e não abordou o programa de mísseis balísticos do Irã ou seu apoio a grupos militantes em toda a região, rotulados como terroristas pelo Ocidente. Trump apontou repetidamente para aquelas omissões em se referir ao acordo como o “pior negócio de todos os tempos”. Os defensores do acordo disseram que esses prazos foram feitos para encorajar mais discussões com o Irã no futuro que poderiam eventualmente resolver outras preocupações.

No final da noite de terça-feira, o presidente Hassan Rouhani disse que enviaria o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, para os países que ainda seguem o acordo – China, França, Alemanha, Rússia e Reino Unido.

Com imagem de Pinterest e informações de Jihad Watch

Merkel diz que a Europa fará tudo para manter o Irã em acordo nuclear

A Alemanha, a França e a Grã-Bretanha farão “tudo” para garantir que o Irã permaneça no marco do acordo nuclear de 2015, afirmou a chanceler Angela Merkel, um dia depois de os EUA terem desistido do acordo.

“Continuaremos comprometidos com este acordo e faremos de tudo para garantir que o Irã cumpra o acordo”, disse Merkel, acrescentando que Berlim tomou a decisão em conjunto com Paris e Londres.

Com informações de The Times of Israel e imagem de Spiegel

Emirados Árabes Unidos e Bahrein apoiam a saída dos EUA do acordo com o Irã

Mais duas nações do Golfo Árabe, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, expressam apoio à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do acordo nuclear com o Irã.

Os Emirados Árabes Unidos dizem que o acordo não garante que o Irã se abstenha de buscar uma arma nuclear no futuro.

O Bahrein, que acusou o Irã de armar e treinar manifestantes xiitas do Bahrein com o objetivo de desestabilizar o país, afirmou na noite de ontem que a decisão de Trump reflete o compromisso dos EUA de enfrentar as “contínuas tentativas do Irã de espalhar o terrorismo na região”.

A Arábia Saudita – um dos mais ferozes inimigos regionais do Irã – apressou-se em expressar seu apoio à decisão de Trump, dizendo que o Irã explorou os benefícios econômicos das sanções para continuar com suas atividades desestabilizadoras.

Omã, uma nação do Golfo Pérsico que ajudou a mediar as conversas entre os EUA e o Irã que levou ao acordo, diz que “valoriza a posição dos cinco parceiros (P5 + 1) em aderir a este acordo, contribuindo para a segurança regional e internacional” e estabilidade ”, referindo-se aos co-signatários do acordo – Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia e China – todos os quais instaram os EUA a aderir ao acordo.

– AP

Com informações de The Times of Israel

Relato de forte explosão em base iraniana na Síria

Uma forte explosão foi ouvida no sábado numa área rural controlada pelo governo sírio ao sul de Aleppo, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, asseverando que a causa da explosão seria desconhecida, assim como seu alvo.

A mídia libanesa noticiou que a explosão aconteceu num depósito de armas e a mídia síria relatou que seriam jatos israelenses bombardeando o local.

Outra versão é apresentada por parte da mídia árabe, ao informar  que um avião não identificado atingiu o depósito de armas perto de Aleppo. Contudo, o Hezbollah nega que a explosão teria sido em virtude de ataque aéreo, após as incursões em alvos do regime pelos EUA, Grã-Bretanha e França.

O depósito, considerado um dos maiores do país, está localizado no Monte Azzan, perto de Aleppo, e teria sido usado pelo grupo libanês Hezbollah, do Irã, e por outras milícias iranianas na Síria.

A rede Sky News informou que a explosão foi provavelmente causada por um ataque aéreo lançado por um jato não identificado, e ainda disse que a área tinha sido previamente evacuada por medo de um ataque norte-americano.

Mas o canal de notícias libanês al-Mayadeen, que tem laços estreitos com o Hezbollah, informou que o grupo terrorista libanês negou qualquer ataque militar e disse que houve algumas explosões controladas perto do local no início do dia.

O relato da explosão ocorreu menos de 24 horas depois que os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França lançaram uma série de ataques aéreos contra vários alvos militares pertencentes ao regime de Assad durante uma operação conjunta de sexta a sábado.

Soldados sírios inspecionam os destroços de um prédio descrito como parte do Complexo do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas (SSRC) no distrito de Barzeh, ao norte de Damasco, durante uma turnê de imprensa organizada pelo Ministério da Informação da Síria, em 14 de abril de 2018. / LOUAI BESHARA)

Soldados sírios inspecionam os destroços de um prédio descrito como parte do Complexo do Centro de Estudos e Pesquisas Científicas (SSRC) no distrito de Barzeh, ao norte de Damasco. / LOUAI BESHARA)

Os alvos incluíam uma instalação de pesquisa científica perto de Damasco, uma instalação de armazenamento de armas químicas a oeste da cidade de Homs, e um terceiro local perto de Homs que continha um posto de comando e uma instalação de armazenamento de armas químicas, disseram os militares dos EUA.

As instalações atingidas teriam sido evacuadas nos últimos dias.

Com informações de Ynet News, Record e The Times of Israel

Rússia e Irã advertem após ataques dos EUA e aliados na Síria: haverá “conseqüências”

Numa declaração oficial às 21h em Washington, Trump afirmou que deu ordem às Forças Armadas norte-americanas para atingir “alvos específicos associados à capacidade de produzir armas químicas do ditador sírio, Bashar al-Assad”.

Há um ano, Assad lançou um ataque químico contra o seu próprio povo, contra inocentes. Os EUA responderam com 58 ataques de mísseis que destruíram 20% da Força Aérea Síria”, acrescentou Trump. O recurso a armas químicas ter-se-á então repetido no último sábado, na cidade de Douma, atribuído a Assad por Trump e pelos seus aliados.

A nossa informação foi corroborada por múltiplas fontes. O ataque matou e feriu milhares de civis inocentes. Vídeos e imagens mostram resquícios de pelo menos duas bombas de gás  cloro no ataque, coincidentes com bombas de ataques anteriores“.

Para a Casa Branca, o mais recente ataque do Presidente sírio constituiu uma “acentuada escalada no recurso a armas químicas” e, depois de uma semana de tensões e ameaças, os bombardeios dos aliados acabaram por se concretizar. Foi um “ato único“, como o qualificou Jim Mattis, secretário de Defesa norte-americano, para enviar “uma mensagem muito forte a Assad“.

Horas mais tarde, o Pentágono viria a detalhar que o ataque teve três alvos: um centro de investigação científica, perto de Damasco; um depósito de armas químicas situado a Oeste de Homs; e um outro armazém de armas químicas e um “importante centro de comandos“, ambos situados perto do depósito de armas químicas a Oeste de Homs.

O embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, disse em resposta aos ataques aéreos de precisão dos EUA, França e Grã-Bretanha na Síria no  sábado que “Toda a responsabilidade por essas conseqüências cairá sobre Washington, Londres e Paris“.

Os EUA, um país com o maior arsenal de armas químicas, não têm o direito moral de culpar outros países“, disse ele, acrescentando que os ataques são uma ameaça para Moscou.

Também respondendo aos ataques, o Irã alertou para as “conseqüências regionais, informou a AFP.

A embaixada russa nos EUA divulgou um comunicado dizendo que “nós alertamos que tais ações não serão deixadas sem consequências“, acrescentando que Washington, Paris e Londres serão responsabilizados por eles.

Insultar o presidente da Rússia é inaceitável e inadmissível“, disse o comunicado. “Os EUA – o possuidor do maior arsenal de armas químicas – não têm o direito moral de culpar outros países”.

Em um discurso televisionado da Casa Branca, Trump disse: “Para o Irã e para a Rússia, eu pergunto: Que tipo de nação quer ser associada ao assassinato em massa de homens, mulheres e crianças inocentes?

Com o ataque, o presidente dos EUA, Donald Trump, desafia os dois principais aliados da Síria por causa de sua associação com o ataque a gás que teria sido conduzido pelo governo do presidente Bashar al-Assad.

Entre os oito alvos reportados foram atacados bases militares, institutos de pesquisa e instalações de armazenamento de armas químicas na Síria.

Os meios de comunicação estatais na Síria informaram que os ataques são “uma violação flagrante do direito internacional e demonstram o desprezo destes países por esta lei“. A televisão síria transmitiu fotos do centro de Damasco, Aleppo e outras cidades que mostraram rotina apesar dos ataques.

Agitando bandeiras sírias e imagens de Bashar al-Assad, alguns sírios foram para a Praça Al-Amawin em Damasco e elogiaram seu líder na denúncia do ataque.

A oposição síria disse à agência de notícias DFA que os ataques liderados pelos Estados Unidos eram uma mensagem para a administração russa e para os iranianos, “que provaram que as potências ocidentais poderiam agir como iguais ao Conselho de Segurança da ONU“.

Com informações de Haaretz e Público  imagem Veja

Altos funcionários de segurança: “se o Irã agir contra Israel, nós derrubaremos Assad”

“Se os iranianos agirem contra Israel em território sírio, o presidente sírio Bashar Assad e seu regime serão aqueles que pagarão o preço”. 

Essa é a mensagem clara de altos funcionários do establishment de defesa israelense e das Forças de Defesa de Israel (IDF)  depois que o principal assessor do líder supremo do Irã, Ali Khamenei, criticou o ataque à base aérea síria “T-4 ” e disse que o suposto ato “não ficará sem resposta.”

O regime de Assad e o próprio Assad desaparecerão do mapa e do mundo se os iranianos tentarem prejudicar Israel ou seus interesses do território sírio”, disseram autoridades do setor de defesa.

“Nossa recomendação ao Irã é que ele não tente agir, porque Israel está determinado a continuar com essa questão até o fim”, disseram os funcionários.

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Liberman, disse na terça-feira que Israel tomará todas as medidas necessárias para impedir que o Irã estabeleça uma base militar permanente na Síria.

Não importa o preço, não permitiremos que o Irã tenha uma presença permanente [militar] na Síria. Não temos outra escolha”, disse Liberman.

Expandindo os comentários de Liberman, as autoridades de segurança acreditam que o Irã pode tentar retaliar o suposto ataque israelense, seja com armas iranianas transportadas para a Síria pelo Irã ou “emprestando” sistemas do exército sírio.

Autoridades não acreditam que o conflito direto entre Israel, Irã e Síria obrigará o grupo militante libanês Hezbollah a entrar no conflito.

Esperamos que o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah não vá se juntar e ser arrastado para a campanha em caso de transbordamento,” disseram as autoridades de segurança seniores aos jornais ‘The Jerusalem Post e Maariv, na terça-feira.

“Não temos interesse em ampliar a frente, mas, caso isso aconteça, Nasrallah precisa entender que seu destino não será diferente do destino de Assad e ele pagará um preço muito alto”.

Autoridades israelenses teriam dito na terça-feira que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pretendia defender seus comentários referindo-se a um possível ataque americano na Síria, em resposta a outro uso de armamento químico pelas forças de Assad contra seus próprios cidadãos.

Com informações de JPost e imagem de Dinâmica Global

Netanyahu à Putin: “Nós não vamos permitir bases iranianas na Síria”

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu confirmou que falou com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a escalada do uso sírio de armas químicas em civis. O gabinete do primeiro-ministro informou que Netanyahu reiterou a posição israelense de que Israel não permitirá que o Irã estabeleça bases militares na Síria.

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na quarta-feira que não tome nenhuma atitude que possa desestabilizarSíria ou colocar sua segurança em risco, disse o Kremlin.

O Kremlin divulgou a conversa dos dois líderes durante o discurso do primeiro-ministro Netanyahu na cerimônia de comemoração do Dia Memorial do Holocausto, no Museu Memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

No telefonema, o primeiro-ministro reiterou que Israel não permitirá que o Irã estabeleça uma presença militar na Síria, disse uma mensagem do gabinete do primeiro-ministro.

A Síria, o Irã e a Rússia dizem que Israel esteve por trás de um ataque aéreo em uma Base Aérea Militar Tiyas – também conhecida como T-4 – no domingo, matando 14 pessoas, entre elas sete militares iranianos. Israel não confirmou nem negou as acusações.

A declaração do Kremlin disse que Putin “sublinhou a principal importância de observar a soberania da Síria e pediu que se evitem quaisquer ações que desestabilizem ainda mais a situação neste país e apresentem ameaças à sua segurança“.

O telefonema ocorreu depois de uma série de mensagens russas de palavras duras após o ataque perto de Homs.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, disse que o ataque significou um “desenvolvimento perigoso“, enquanto um porta-voz do Kremlin disse que os russos não foram avisados, acrescentando que “comunicamos nossa posição a Israel.

As declarações do presidente russo a Netanyahu ocorreram poucas horas depois de um tweet especialmente combativo do presidente dos EUA, Donald Trump. “A Rússia promete derrubar todos e quaisquer mísseis lançados contra a Síria. Prepare a Rússia, porque eles virão , bons e novos e ‘inteligentes’!”, Dizia o tweet.

O assunto sírio foi discutido, incluindo o recente ataque com mísseis contra a Base Aérea T-4, em Homs, que foi realizado pela Força Aérea de Israel”, disse o comunicado russo.

Com informações de Ynet News e imagem de Al-Manar