Arquivo da tag: Iraque

“Estado Islâmico” usa crianças como armas de guerra em Mossul, diz ONU

Unicef denuncia que jihadistas matam filhos de famílias que tentam fugir da parte sitiada da cidade iraquiana. Mais de mil menores foram mortos desde que grupo extremista tomou um terço do território do país, em 2014.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou nesta quinta-feira (22/06) que combatentes do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) usam crianças como alvos para evitar a fuga de seus familiares de Mossul, enquanto prosseguem os avanços das forças iraquianas para a retomada da cidade.

“Eles estão usando crianças como armas de guerra, para evitar que as pessoas fujam”, afirmou o representante do Unicef no Iraque, Peter Hawkins. “Isso apenas ressalta o quanto essa guerra é indiscriminada e catastrófica.”

O Unicef documentou diversos casos em que os jihadistas mataram os filhos das famílias que tentavam fugir da região sitiada na segunda maior cidade do Iraque, ainda sob controle da milícia. Segundo a agência, 1.075 crianças foram mortas, e 1.130 ficaram feridas desde a tomada de quase um terço do território iraquiano pelo EI, em 2014.

As crianças muitas vezes são forçadas a tomar parte nos combates. O Unicef registrou ao menos 231 casos de menores de idade recrutados pelo EI ou por outros grupos armados.

Apenas nos últimos seis meses, a violência no Iraque deixou 152 crianças mortas e 255 feridas. Além disso, mais de um milhão de crianças tiveram seus estudos interrompidos ou por estarem em áreas controladas pelos jihadistas ou pelo deslocamento forçado.

“O futuro da segurança e do potencial econômico do país é determinado pelo que acontece com as crianças nos dias de hoje”, observou Hawkins.

Estima-se que a luta pela retomada de Mossul já tenha resultado em milhares de mortos e feridos. Segundo o governo do Iraque, mais de 850 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas durante a operação de retomada da cidade, iniciada em outubro. No oeste de Mossul, quarteirões inteiros foram destruídos em razão dos combates, bombardeios aéreos e artilharia.

http://www.dw.com/pt-br/estado-isl%C3%A2mico-usa-crian%C3%A7as-como-armas-de-guerra-em-mossul-diz-onu/a-39368173

Anúncios

Estado islâmico queima mãe e quatro filhos por deixarem o califado

Uma fonte de segurança na província de Kirkuk revelou que o Estado Islâmico queimou uma família de cinco pessoas (mãe e quatro filhos) por deixar a terra do califado, a sudoeste de Kirkuk, informou Alsumaria no sábado.

Membros do Estado Islâmico queimaram toda uma família que consistia em mãe e quatro filhos (três meninas e um bebê de 9 meses) em Hawija, por deixar a terra do califado e fugir para Kirkuk, disse a fonte.

O Estado islâmico capturou a família na estrada que ligava a área de al-Riyad às montanhas de Hamrin, e os queimou na frente de um grupo de civis, que estavam na área de al-Alam a leste de Salahuddin, disse a fonte adicionada na condição de anonimato.

Os membros do Estado Islâmico amarraram a mãe e seus filhos, em seguida, derramou petróleo sobre eles e os incendiou, explicou a fonte.

Imagem: Reuters

https://www.jihadwatch.org/2017/01/islamic-state-burns-mother-and-four-children-for-leaving-the-caliphate

Estado Islâmico afoga homem em aquário

Um homem em Mosul deu uma entrevista a uma rádio dizendo que o planejou fazer uma vez que Mosul fosse liberada do Estado Islâmico – a saber, fazer um brinde (com bebida alcoólica) e comprar “shampoo para se limpar” da sujeira de ISIS.

Os jihadistas do ISIS rastrearam o homem e decidiram matá-lo “medida por medida” – ao afogá-lo em um aquário cheio de água misturada com shampoo.

O vídeo pode ser assistido no link abaixo de Clarion Porject.

(Nota: O Projeto Clarion publica vídeos do Estado islâmico estritamente para propósitos educacionais para que o público em geral nunca se esqueça da barbárie deste e de outros grupos terroristas islâmicos e seja motivado a se juntar a nós e participar da guerra para derrotá-los completamente).

http://www.clarionproject.org/news/warning-graphic-video-isis-drowns-man-aquarium

Estado Islâmico lança homem de telhado por crime de homossexualidade

Extremista? Não. O Alcorão contém numerosas condenações de atividade homossexual “E [Nós tinha enviado] muito quando eu disse ao seu povo: ‘Você comete imoralidade tal como ninguém que lhe Precedido de entre os mundos? Na verdade, você se aproxima de homens com o desejo, em vez de mulheres. Em vez disso, você é um povo transgressor. “… E desencadeamos sobre eles uma chuva [de pedras]. Em seguida, veja como foi o fim dos criminosos “(Alcorão 7: 80-84).

Muhammad especifica a punição para isto em um hadith: “O Mensageiro de Allah (paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) disse:” Quem quer que você encontrar fazendo a ação do povo de Ló, execute a quem o faz e o único a quem ele é feito. ‘ “(Sunan Abu Dawud 4462)

“ISIS iraquiano joga homem de cima do telhado de um edifício por alegado crime de ‘homossexualidade'”, por Leith Fadel, AMN, 09 de janeiro de 2017:

BEIRUTE, Líbano (5:00) – O Estado Islâmico (ISIL) no Iraque continuou com atos de terror na semana passada, jogando um homem do telhado de um edifício por alegadamente ser “homossexual”.

O site de propaganda oficial do grupo terrorista postou imagens da execução na segunda-feira, afirmando que este “crime” ocorreu na capital da província de Ninawa .

O vídeo terrível terminou com um terroristas do ISIS jogando o homem do telhado de um prédio em Mosul, matando o acusado no momento do impacto.

https://www.jihadwatch.org/2017/01/islamic-state-throws-man-off-roof-for-crime-of-homosexuality

Menino mata prisioneiro em vídeo divulgado pelo Estado Islâmico

Uma criança bem pequena aparece atirando contra a cabeça de um prisioneiro em um vídeo chocante divulgado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), neste domingo. De acordo com informações do jornal britânico “Daily Mail”, a gravação pode ter sido feita no Iraque, onde os militantes da organização jihadista tem perdido espaço por forças do governo local.

No vídeo, o menino, que aparenta ter cerca de 4 anos, acompanha um homem até o local onde o prisioneiro está preso. A criança, então, usa uma pistola para atirar contra a cabeça do homem. Imagens do vídeo foram compartilhadas em uma rede social pelo grupo ativista “Raqqa is Being Slaughtered Silently” (Raqqa está sendo abatida silenciosamente, em tradução literal), que denuncia na internet as atrocidades cometidas pelo grupo jihadista.

Menino mata prisioneiro em vídeo chocante
Menino mata prisioneiro em vídeo chocante Foto: Reprodução / Twitter

Entre as estratégias do EI está usar crianças, que são chamadas de “filhotes do califado”, não só para matar inimigos, mas como força de combate na frente de batalha. Os pequenos recebem treinamento militar desde bem jovens, quando aprendem a usar armas e táticas militares.

Segundo a agência de notícias “Reuters”, o EI já perdeu a maior parte de seu território no Iraque desde 2014, mas insurgentes ainda continuam promovendo ataques e matando inimigos na região.

De acordo com o relatório anual sobre terrorismo do Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Estado Islâmico (ISIS em inglês) já ultrapassou a Al-Qaeda como principal grupo terrorista no mundo. O documento aponta a capacidade do grupo em recrutar militantes e divulgar sua mensagem pelo mundo.

O EXTRA apresenta as imagens para denunciar a barbárie que a intolerância e um regime radical produzem pelo mundo.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/mundo/menino-mata-prisioneiro-em-video-divulgado-pelo-estado-islamico-20747752.html#ixzz4VI0MDAST

 

Casas de cristãos são queimadas

Como último esforço, antes de entregar as vilas ocupadas, Estado Islâmico (EI) incendiou completamente as casas de cristãos.

Agora que a fumaça começou a baixar na planície de Nínive, o Estado Islâmico programou um golpe final contra os cristãos iraquianos. Antes de entregar as últimas vilas ocupadas e bater em retirada, o grupo incendiou milhares de casas de cristãos. A maioria das casas se tornou inabitável e, de repente, para muitos se tornou impossível voltar para casa.

“Todo o resto se foi”, declara um cristão, que observa o carro coberto de poeira. As únicas coisas que ele conseguiu salvar de sua casa são uma pilha de livros de estudo, um par de sapatos e algumas fotos de família.

Este cristão acaba de voltar para sua casa em Bartella, uma das aldeias cristãs recentemente liberadas no Iraque. No verão de 2014 os militantes do Estado Islâmico forçou sua família a fugir, deixando todos os seus pertences para trás. Nos últimos dois anos outras famílias migraram, mas sua família continuava sonhando em voltar para sua amada aldeia. Só para ver este sonho brutalmente quebrado depois de encontrar sua casa completamente destruída. “Não temos mais nada. Por que devemos ficar neste país por mais tempo? Perdemos toda esperança. “

Em outubro de 2016, quando o ataque ao EI começou e várias aldeias cristãs na Planície de Nínive foram liberadas, houve uma explosão inicial de alívio e celebração entre os cristãos deslocados em Erbil. De repente, seus sonhos de voltar para casa, de ter um futuro como cristãos em sua pátria, pareciam ganhar vida e estavam próximo de ser realizados.

Nas últimas semanas, líderes religiosos e equipes voluntárias da igreja têm mapeado o grau de devastação nas aldeias cristãs. Os resultados têm sido cada vez mais decepcionantes. Em grandes assentamentos cristãos como Bartella, Qaraqosh e Karamles cerca de oitenta por cento das casas estão completamente destruídas por bombas aliadas e morteiros, ou queimadas pelo EI.

O irmão Thabet, líder religiosos da aldeia de Karamles, confirma este relatório. Ele diz que é claro que o EI ateou fogo às casas cristãs apenas dias e, em alguns casos, horas antes de serem expulsos de Karamles pelas forças aliadas.

Mas, ainda assim, Thabet está ansioso para reconstruir sua aldeia, e com uma equipe de voluntários ele já está limpando toda a sujeira e recuperando objetos de sua igreja. Mas ele admite que retornar aqui exigirá muito trabalho. “Temos de nos preparar para um longo período de reconstrução. No entanto, acredito firmemente que este é um terreno cristão, e vou trabalhar duro para ajudar os cristãos a retornar a este lugar, se Deus quiser, para viver aqui em paz “.

Ore pela reconstrução do Iraque. Que os cristãos tenham força e graça para voltar e reconstruir suas cidades.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/12/casas-de-cristaos-sao-queimadas

ISIS corta água para civis em Mosul

Estado islâmico desliga o abastecimento de água para áreas de Mosul que podem ser liberadas pelo exército iraquiano para manter os civis sob controle.

À medida que o exército iraquiano avança em Mosul, o último baluarte do Estado islâmico no Iraque, o ISIS corta a água e a eletricidade de alguns dos distritos que em breve poderão ser libertados pelo exército iraquiano.

“[ISIS] corta a eletricidade para as estações de água que alimentam vários bairros onde as tropas iraquianas estão avançando”, disse à CNN Zuhair Hazem al-Jabouri, um funcionário da cidade de Mosul responsável pela energia e água. “Eles estão privando as pessoas de água potável no leste de Mosul. Eles querem forçar as pessoas a se retirarem com eles para usá-las como escudos humanos”.

A U.N. não conseguiu verificar independentemente os relatórios, mas disse que essa estratégia estava de acordo com a conduta do ISIS em outros lugares onde ele tem se esforçado para manter o controle sobre as populações civis, que não tem escrúpulos em usar como escudos humanos.

A situação humanitária foi agravada quando um dos principais canos de água da cidade foi atingido durante os combates. A perda da tubulação cortou a água a 650.000 pessoas, de acordo com Al-Jazeera.

Estamos enfrentando uma catástrofe humanitária “, disse Hussam al-Abar, membro do conselho provincial de Mineul em Nineveh.” Serviços básicos como água, eletricidade, saúde e alimentos são inexistentes “.

Estimativas do número de civis ainda dentro de Mosul variam de um milhão a 1,5 milhão de pessoas.

http://www.clarionproject.org/news/isis-cuts-water-civilians-mosul

Igrejas e tendas cristãs oferecem conforto para os refugiados

“Quando as pessoas virem nas fotos toda essa comodidade vão pensar que tudo já está bem, já que estamos assentados, mas o que queremos mesmo é voltar para as nossas casas e viver em paz”.

Logo depois que os cristãos iraquianos tiveram que deixar suas casas e pertences para fugir da violência do Estado Islâmico, as igrejas tiveram um importante papel de abrigá-los e protegê-los. Líderes sacrificavam tudo o que tinham para acolher milhares de pessoas desesperadas e sem rumo. Quando os templos já estavam lotados, então surgiu a ideia de montar tendas para servir de moradia àquelas famílias. No acampamento improvisado, as acomodações temporárias receberam também o apoio de comunidades locais através de roupas, alimentos e artigos emergenciais. E assim, milhares de famílias suportaram o frio do inverno, chuvas e as crescentes ameaças de que os extremistas estavam chegando novamente perto deles.

As “moradias” foram sendo aperfeiçoadas com o tempo, possuindo banheiros compartilhados, cozinhas e lavabos. A Portas Abertas Internacional ajudou nesse processo de aperfeiçoamento das tendas, criando novos abrigos semi-permanentes e cabines com capacidade para seis pessoas. Escolas e até igrejas já estão disponíveis nesses campos. Aos poucos foram chegando geladeiras, fogões e colchões para o maior conforto desses irmãos.

“Quando as pessoas virem nas fotos toda essa comodidade vão pensar que tudo já está bem, já que estamos assentados, mas o que queremos mesmo é voltar para as nossas casas e viver em paz”, disse um dos cristãos que vive ali. “Quando as igrejas não puderem mais nos sustentar, não teremos mais nada além das roupas do corpo. Vamos precisar de muita sabedoria e da ajuda de Deus para recomeçar do zero”, conclui o cristão perseguido. Ore pela igreja no Iraque.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/11/igrejas-e-tendas-cristas-oferecem-conforto-para-os-refugiados

Iraquiana sequestrada pelo Estado Islâmico: ‘Fui vítima de jihad sexual’

As iraquianas Nadia Murad Basee e Lamiya Aji Bashar foram algumas das centenas de mulheres escravizadas pelo grupo autodenominado Estado Islâmico.

Uma vez libertadas, elas se tornaram porta-vozes das vítimas da campanha de violência sexual empreendida pelos extremistas.

Na semana passada, Nadia e Lamiya receberam da União Europeia o importante prêmio Sájarov à Liberdade de Consciência.

Confira abaixo a história de Nadia que a BBC Brasil publicou em março passado.

Quando integrantes do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI) invadiram a aldeia de Nadia Murad no Iraque, mataram todos os homens, incluindo seis de seus irmãos.

Nadia é da minoria étnica e religiosa yazidi, considerada “infiel” pelos extremistas do EI.

Ela e centenas de outras mulheres yazidis foram sequestradas, vendidas e passadas de mão em mão por homens que as estupraram em grupo. Foram vítimas do que o EI chama de “jihad sexual”.

Nadia conseguiu fugir, mas acredita-se que milhares de mulheres continuem presas.

Nadia Murad está em Londres em campanha para chamar a atenção para seu povo.

O ataque

Em 3 de agosto de 2014, o EI atacou os yazidis em Sinjar, região no norte do Iraque próxima a uma montanha de mesmo nome. Antes disso haviam atacado locais como Tal Afar, Mosul e outras comunidades xiitas e cristãs, forçando a saída dos moradores.

“A vida em nosso vilarejo era muito feliz, muito simples. Como em outros vilarejos, as pessoas não viviam em palácios. Nossas casas eram simples, de barro, mas levávamos uma vida feliz, sem problemas. Não incomodávamos os outros e tínhamos boas relações com todos”, contou Nadia ao programa HARDtalk da BBC.

Nesse dia, diz ela, 3 mil homens, idosos, crianças e deficientes foram massacrados pelo EI.

Alguns conseguiram fugir e se refugiar no monte Sinjar, mas a aldeia estava longe da montanha e o EI cercou as saídas.

Perseguidos pelo EI, os yazidis reverenciam a Bíblia e o Alcorão, mas grande parte de sua tradição é oral

“Rodearam a aldeia por alguns dias mas não entraram. Tentamos pedir ajuda por telefone e outros meios. Sabíamos que algo horrível iria acontecer. Mas a ajuda não chegou, nem do Iraque nem de outras partes.”

Depois de alguns dias, o EI encurralou os moradores na escola da aldeia e ali seus militantes mantiveram homens, mulheres e crianças.

“Deram-nos duas opções: a conversão ao Islã ou a morte”, disse Nadia.

Nadia Murad Basee no Conselho Europeu em EstrasburgoImage copyrightEPA
Image captionUma vez libertada, Nadia Murad ganhou refúgio na Alemanha

Assassinatos, sequestros e estupros

Logo separaram os homens, cerca de 700. Levaram todos para fora da aldeia e começaram a baleá-los. Nove irmãos de Nadia estavam entre eles.

Seis dos irmãos de Nadia morreram ─ três ficaram feridos mas escaparam.

“Da janela da escola podíamos ver os homens sendo baleados. Não vi meus irmãos sendo atingidos. Até hoje não pude voltar à aldeia nem ao local da matança. Não há notícias de nenhum dos homens.”

Segundo Nadia, meninas acima de nove anos e meninos acima de quatro anos foram levados a campos de treinamento.

“Depois levaram umas 80 mulheres, todas acima de 45 anos, incluindo minha mãe. Uns diziam que haviam sido mortas, outros que não. Mas quando parte de Sinjar foi liberada encontrou-se uma vala comum com seus corpos”, conta.

Ao todo, 18 membros da família de Nadia morreram ou estão desaparecidos.

Nadia foi levada com outras mulheres. Havia cerca de 150 meninas no grupo, incluindo três sobrinhas dela.

Elas foram divididas em grupos e levadas em ônibus até Mosul.

“No caminho eles tocavam nossos seios e esfregavam as barbas em nossos rostos. Não sabíamos se iam nos matar nem o que fariam conosco. Percebemos que nada de bom iria ocorrer porque já tinham matado os homens e as mulheres mais velhas, e sequestrado os meninos.”

Ao chegar ao quartel-general do EI em Mosul, encontraram muitas jovens, mulheres e meninas, todas yazidis. Tinham sido sequestradas em outras aldeias no dia anterior.

A cada hora, homens do EI chegavam e escolhiam algumas meninas. Elas eram levadas, estupradas e devolvidas.

Nadia percebeu que esse também seria seu destino.

Após fugir com ajuda de uma família muçulmana sem conexão com o EI, Nadia viaja o mundo chamando a atenção para o drama do povo yazidi.

Estado IslâmicoImage copyrightAFP
Image captionEstado Islâmico controla grandes partes do Iraque e da Síria

Sem compaixão

No dia seguinte, um grupo de militantes do EI chegou. Cada um escolheu uma menina, algumas entre 10 e 12 anos.

“As meninas resistiram, mas foram forçadas a ir. As mais jovens se agarravam às mais velhas. Uma delas tinha a mesma idade de minhas sobrinhas, chorava e se prendia a mim.”

Quando chegou sua vez, Nadia foi selecionada por um homem bem gordo que a levou a outro andar. Um outro militante passou e o convenceu a levá-la ─ mas isso não mudou as coisas.

“O homem mais magro me levou até sua casa, tinha guarda-costas. Estuprou-me, e foi muito doloroso. Nesse momento percebi que teria sofrido do mesmo jeito, não importa com quem.”

Nenhum dos homens mostrou clemência. Todos estupraram as mulheres de forma violenta. “As coisas que fizeram foram horríveis. Nunca imaginamos que coisas tão terríveis aconteceriam conosco.”

Os extremistas podiam manter as mulheres por mais de uma semana, porém frequentemente elas eram vendidas após um dia ou até uma hora.

Algumas mulheres dos irmãos de Nadia estavam grávidas quando foram capturadas e deram à luz no cárcere.

Elas também foram levadas ao tribunal islâmico do EI e forçadas a se converter.

Nadia passou três meses com o homem que a levou. Durante esse período conseguiu conversar com alguns sequestradores.

Embora algumas áreas de Sinjar tenham sido liberadas, ainda há valas comuns por descobrir

“Perguntei por que faziam aquilo conosco, por que haviam matado nossos homens, por que nos estupraram violentamente. Disseram-me que ‘os yazidis são infiéis, não são um povo das Escrituras, são um espólio de guerra e merecem ser destruídos'”.

Ainda que a maior parte desses militantes fossem casados, as famílias – inclusive as mulheres – pareciam aceitar o que faziam, disse Nadia.

Em uma ocasião, ela pediu autorização para fazer uma chamada telefônica porque queria escutar uma voz familiar.

Disseram que poderia ligar para seu sobrinho por um minuto, mas com uma condição: “Que primeiro eu lambesse o dedo do pé que um homem havia coberto com mel.”

Muitas jovens na mesma situação se suicidaram, disse Nadia, mas essa não foi uma opção para ela.

“Acho que todos devemos aceitar o que Deus nos deu, sem importar se é pobre ou sofreu uma injustiça, todos devemos suportar.”

Ela tampouco questionou sua fé. “Deus estava cada minuto em minha mente, ainda quando estava sendo estuprada.”

Nadia tentou fugir pela primeira vez por uma janela, mas um guarda a capturou imediatamente e a colocou em um quarto.

Sob as regras do EI, disse Nadia, uma mulher se converte em espólio de guerra caso seja capturada tentando escapar. Colocam-na em uma cela onde foi estuprada por todos os homens do complexo.

“Fui estuprada em grupo. Chamam isso de jihad sexual.”

YazidisImage copyrightEPA
Image captionYazidis são perseguidos pelo Estado Islâmico

Fuga

Após esse episódio, Nadia não pensou em fugir de novo, mas o último homem com quem viveu em Mosul decidiu vendê-la e foi arranjar roupas para ela.

Quando ordenou que ela tomasse banho e se preparasse para a venda, ela aproveitou para escapar.

“Bati na porta de uma casa onde vivia uma família muçulmana sem conexão com o EI e pedi ajuda. Disse que meu irmão daria o que eles quisessem em troca.”

Por sorte, a família não apoiava o EI e a apoiou inteiramente.

“Deram-me um véu negro, um documento de identidade islâmico e me levaram até a fronteira.”

Agora livre, Nadia Murad se tornou uma ativista que viaja o mundo fazendo campanha para chamar atenção para a tragédia dos yazidis.

Segurança

Ela já visitou os EUA, Europa e países árabes, falou na ONU, conheceu parlamentares e líderes mundiais.

A resposta, contudo, tem sido lenta.

“Todos sabem o que é o Estado Islâmico. Escutam-me com atenção mas não prometem nada”, afirma.

“Dizem que analisarão o caso e verão o que é possível fazer, mas até agora nada aconteceu”, acrescenta.

Após um ano e meio do ataque, ainda há mulheres e meninas sequestradas.

A região ainda não foi completamente liberada. Nas regiões em que o EI foi expulso, há valas comuns ainda não descobertas.

Nadia espera voltar a seu vilarejo para ver o que sobrou e saber do destino dos desaparecidos.

“Juro por Deus que todos estamos muito cansados. Já se passou um ano e meio desde que isso nos aconteceu. Sentimos que estamos abandonados pelo mundo”, disse Nadia, às lágrimas.

“Mataram minha mãe. Meu pai morreu faz tempo. Meu irmão mais velho era como um pai para mim, mas também foi morto. Peço ao mundo que faça algo por nós.”

http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37834876

Muçulmanos do ISIS espancam brutalmente e executam jovem cristão que não aceitou se converter ao islã

Shoebat – Muçulmanos do ISIS no Iraque levaram um jovem cristão e disseram-lhe que se ele se convertesse ao Islã,  não iriam matá-lo. Em seguida, ele declarou: “Eu nunca vou abandonar a minha religião.” Eles o espancaram brutalmente e depois o executaram. Sua mãe, Assaf, compartilhou a história. Aqui está o relatório:

Membros do exército sírio ficaram escondidos na casa de Assaf: “Eu disse ao meu filho que poderia ser morto por causa dos soldados escondidos em nossa casa”, disse ela. “Meu filho respondeu: ‘Eu prefiro morrer do que fugir.” Então, quando o ISIS invadiu o edifício de apartamentos em que vivemos, o meu vizinho veio e perguntou ao meu filho se não seria melhor usar um nome muçulmano,’ Khaled. “Mas ele disse: ‘Não . Não. Eu não quero morrer com o nome ‘Khaled’. “

“Meu filho me disse: ‘Não, mãe, eu não quero morrer com uma identidade que não a minha. Prefiro morrer com o nome de George, “Assaf continuou. “Eu pedi ao meu filho, em seguida, que se escondesse, mas ele recusou e disse, ‘Eu não quero me esconder. Você é a pessoa que me ensinou a seguir o que Cristo disse ‘-‘ qualquer que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus ‘ “.

Infelizmente, Assaf e sua família foram denunciados por vizinhos muçulmanos que informaram ao grupo terrorista que os soldados estavam se escondendo em sua casa. Imediatamente, os combatentes do ISIS invadiram a casa da família e ordenaram-lhes que se convertesse ao Islã.

“Então, eles invadiram a casa como uns loucos e prenderam meu filho”, explicou ela. “Disseram-lhe que não iriam matá-lo se ele abandonasse sua religião. Mas, ele disse-lhes: ‘Eu nunca vou abandonar a minha religião. “Então, eles começaram a espancá-lo no quarto de hóspedes. Levaram-no para o quintal e atiraram nele. E eles o mataram. “

Assad disse que consola-se com o fato de que seu filho morreu como um verdadeiro cristão, mas disse que ainda dói o fato de não saber onde ele foi enterrado.

“O exército o sepultou em uma vala comum, porque há muitas pessoas mortas”, disse ela. “Sim, muitos foram mortos. Eu continuei a procurar o meu filho em hospitais durante dois meses, na esperança de encontrá-lo entre os cadáveres. Eu fui uma e outra vez procurá-lo para não perder a esperança até que eles confirmaram sua morte há um tempo atrás. O meu desejo era encontrar seu corpo e enterrá-lo eu mesmo. “

Muslims Take Christian Man And Tell Him: ‘If You Convert To Islam, We Will Let You Live.’ The Christian Man Declares: ‘I Will Never Abandon My Religion.’ They Brutally Beat Him And Then Execute Him