Arquivo da tag: Iraque

ONU: 700.000 iraquianos precisam de assistência urgente

Cerca de 700.000 iraquianos precisam de assistência urgente em todo o país, informou a Organização Internacional para as Migrações (IOM) da ONU em um comunicado ontem.

“O número de iraquianos deslocados internamente é atualmente mais de 2,3 milhões, e aqueles que voltaram para seu local de origem são mais de 3,5 milhões”, disse a organização.

A OIM apelou por US $ 26,7 milhões para atender às “necessidades urgentes de mais de 700 mil iraquianos em todo o país – repatriados, membros da comunidade anfitriã e pessoas deslocadas internamente (IDPs), especialmente aqueles que permanecem em acampamentos ou contextos informais e aqueles que podem experimentar deslocamento secundário.”

De acordo com a Matriz de Rastreamento de Deslocamento da IOM Iraque, “cerca de 2.317.698 pessoas continuam deslocadas e 3.511.602 pessoas retornaram desde o início do conflito em janeiro de 2014.”

Leia: O  Iraque perdeu 40% de sua produção agrícola

O comunicado de imprensa também informa: “O retorno das pessoas deslocadas para a sua área de origem excedem atualmente 100.000 por mês”.

“Dos 2,3 milhões de deslocados, mais de 631.000 vivem em campos de refugiados e quase 260.000 vivem em arranjos críticos de abrigo, como assentamentos informais, edifícios inacabados, edifícios religiosos e escolares”.

Em todo o país, os iraquianos continuam a ser afetados pelo impacto do recente conflito e exigem apoio imediato

Disse o chefe de missão da IOM Iraque, Gerard Waite.

Ele acrescentou: “O financiamento solicitado é essencial para fornecer ajuda humanitária contínua aos deslocados e apoiar os repatriados para restaurar a infra-estrutura social, de saúde, habitação e comunitária para que possam reiniciar suas vidas”.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

Anúncios

39 mil presos e suas famílias sofreram abusos no Iraque, segundo relatório

Por Andréa Fernandes

Um novo relatório do Centro de Bagdá para os Direitos Humanos revelou que mais de 39 mil homens e mulheres iraquianos e suas famílias foram abusados ​​e sofreram discriminação sectária nas prisões em 2017.

Segundo o relatório, as violações nas prisões iraquianas aumentaram em 2017 e se exandiram para incluir as famílias dos prisioneiros. As famílias dos prisioneiros foram assediadas quando visitaram os detidos e impediram que eles levassem comida, roupas ou medicamentos para os mesmos, obrigando os prisioneiros a comprar o material necessário da administração da prisão a preços elevados que sobrecarregaram financeiramente as famílias.

A instituição afirma que o relatório é baseado em depoimentos coletados de detidos, além das várias famílias, advogados iraquianos e funcionários da prisão.

O relatório classificou a prisão central de Nasiriyah, sul e a prisão central de Taji, como a pior em termos de maltratar os prisioneiros.

O relatório elenca 38 mil homens e mais de 900 mulheres detidas em prisões iraquianas, ressaltando que o Ministério da Justiça iraquiano bloqueia os dados oficiais ao público, assim como as organizações locais e internacionais de direitos humanos devido às condições precárias em instalações de detenção, prevalência de doenças graves e negligência médica.

Com informações e imagem de Middle East Monitor

4,9% da população iraquiana é formada por trabalhadores infantis

Último censo no Iraque revela que 4,9% da população do país é formada de trabalhadores infantis.

O Ministério de Planejamento e Cooperação para o Desenvolvimento divulgou no início do mês de dezembro o resultado do censo frisando que a população iraquiana é formada de 37 milhões de pessoas.

Segundo a agência Anadolu o trabalho infantil engloba idades de crianças entre 7 e 17 anos, sendo que  milhares delas  são obrigadas a deixar suas escolas para ingressar no mercado de trabalho a fim de ajudar suas famílias.

O mais grave é que essas crianças atuam em profissões perigosas, conforme denúncia de ONGs locais, principalmente funções relacionadas ao conserto de veículos, onde a maioria das empresas não possui medidas de segurança mínimas para evitar acidentes de trabalho num país em que a taxa de desemprego alcançou 32% em 2016.

Além disso, o aumento de utilização de crianças em redes de mendicância vem preocupando as autoridades, porém, a ONU se nega a deliberar sobre essas graves violações dos direitos humanos através da agência  OIT (Organização Internacional do Trabalho) , que em dossiê anual  produzido para conferência tem como único foco o Estado de Israel ocultando as evidentes violações praticadas por outros países.

Com informações de Middle East Monitor

“Estado Islâmico” usa crianças como armas de guerra em Mossul, diz ONU

Unicef denuncia que jihadistas matam filhos de famílias que tentam fugir da parte sitiada da cidade iraquiana. Mais de mil menores foram mortos desde que grupo extremista tomou um terço do território do país, em 2014.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou nesta quinta-feira (22/06) que combatentes do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) usam crianças como alvos para evitar a fuga de seus familiares de Mossul, enquanto prosseguem os avanços das forças iraquianas para a retomada da cidade.

“Eles estão usando crianças como armas de guerra, para evitar que as pessoas fujam”, afirmou o representante do Unicef no Iraque, Peter Hawkins. “Isso apenas ressalta o quanto essa guerra é indiscriminada e catastrófica.”

O Unicef documentou diversos casos em que os jihadistas mataram os filhos das famílias que tentavam fugir da região sitiada na segunda maior cidade do Iraque, ainda sob controle da milícia. Segundo a agência, 1.075 crianças foram mortas, e 1.130 ficaram feridas desde a tomada de quase um terço do território iraquiano pelo EI, em 2014.

As crianças muitas vezes são forçadas a tomar parte nos combates. O Unicef registrou ao menos 231 casos de menores de idade recrutados pelo EI ou por outros grupos armados.

Apenas nos últimos seis meses, a violência no Iraque deixou 152 crianças mortas e 255 feridas. Além disso, mais de um milhão de crianças tiveram seus estudos interrompidos ou por estarem em áreas controladas pelos jihadistas ou pelo deslocamento forçado.

“O futuro da segurança e do potencial econômico do país é determinado pelo que acontece com as crianças nos dias de hoje”, observou Hawkins.

Estima-se que a luta pela retomada de Mossul já tenha resultado em milhares de mortos e feridos. Segundo o governo do Iraque, mais de 850 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas durante a operação de retomada da cidade, iniciada em outubro. No oeste de Mossul, quarteirões inteiros foram destruídos em razão dos combates, bombardeios aéreos e artilharia.

http://www.dw.com/pt-br/estado-isl%C3%A2mico-usa-crian%C3%A7as-como-armas-de-guerra-em-mossul-diz-onu/a-39368173

Estado islâmico queima mãe e quatro filhos por deixarem o califado

Uma fonte de segurança na província de Kirkuk revelou que o Estado Islâmico queimou uma família de cinco pessoas (mãe e quatro filhos) por deixar a terra do califado, a sudoeste de Kirkuk, informou Alsumaria no sábado.

Membros do Estado Islâmico queimaram toda uma família que consistia em mãe e quatro filhos (três meninas e um bebê de 9 meses) em Hawija, por deixar a terra do califado e fugir para Kirkuk, disse a fonte.

O Estado islâmico capturou a família na estrada que ligava a área de al-Riyad às montanhas de Hamrin, e os queimou na frente de um grupo de civis, que estavam na área de al-Alam a leste de Salahuddin, disse a fonte adicionada na condição de anonimato.

Os membros do Estado Islâmico amarraram a mãe e seus filhos, em seguida, derramou petróleo sobre eles e os incendiou, explicou a fonte.

Imagem: Reuters

https://www.jihadwatch.org/2017/01/islamic-state-burns-mother-and-four-children-for-leaving-the-caliphate

Estado Islâmico afoga homem em aquário

Um homem em Mosul deu uma entrevista a uma rádio dizendo que o planejou fazer uma vez que Mosul fosse liberada do Estado Islâmico – a saber, fazer um brinde (com bebida alcoólica) e comprar “shampoo para se limpar” da sujeira de ISIS.

Os jihadistas do ISIS rastrearam o homem e decidiram matá-lo “medida por medida” – ao afogá-lo em um aquário cheio de água misturada com shampoo.

O vídeo pode ser assistido no link abaixo de Clarion Porject.

(Nota: O Projeto Clarion publica vídeos do Estado islâmico estritamente para propósitos educacionais para que o público em geral nunca se esqueça da barbárie deste e de outros grupos terroristas islâmicos e seja motivado a se juntar a nós e participar da guerra para derrotá-los completamente).

http://www.clarionproject.org/news/warning-graphic-video-isis-drowns-man-aquarium

Estado Islâmico lança homem de telhado por crime de homossexualidade

Extremista? Não. O Alcorão contém numerosas condenações de atividade homossexual “E [Nós tinha enviado] muito quando eu disse ao seu povo: ‘Você comete imoralidade tal como ninguém que lhe Precedido de entre os mundos? Na verdade, você se aproxima de homens com o desejo, em vez de mulheres. Em vez disso, você é um povo transgressor. “… E desencadeamos sobre eles uma chuva [de pedras]. Em seguida, veja como foi o fim dos criminosos “(Alcorão 7: 80-84).

Muhammad especifica a punição para isto em um hadith: “O Mensageiro de Allah (paz e bênçãos de Deus estejam sobre ele) disse:” Quem quer que você encontrar fazendo a ação do povo de Ló, execute a quem o faz e o único a quem ele é feito. ‘ “(Sunan Abu Dawud 4462)

“ISIS iraquiano joga homem de cima do telhado de um edifício por alegado crime de ‘homossexualidade'”, por Leith Fadel, AMN, 09 de janeiro de 2017:

BEIRUTE, Líbano (5:00) – O Estado Islâmico (ISIL) no Iraque continuou com atos de terror na semana passada, jogando um homem do telhado de um edifício por alegadamente ser “homossexual”.

O site de propaganda oficial do grupo terrorista postou imagens da execução na segunda-feira, afirmando que este “crime” ocorreu na capital da província de Ninawa .

O vídeo terrível terminou com um terroristas do ISIS jogando o homem do telhado de um prédio em Mosul, matando o acusado no momento do impacto.

https://www.jihadwatch.org/2017/01/islamic-state-throws-man-off-roof-for-crime-of-homosexuality

Menino mata prisioneiro em vídeo divulgado pelo Estado Islâmico

Uma criança bem pequena aparece atirando contra a cabeça de um prisioneiro em um vídeo chocante divulgado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), neste domingo. De acordo com informações do jornal britânico “Daily Mail”, a gravação pode ter sido feita no Iraque, onde os militantes da organização jihadista tem perdido espaço por forças do governo local.

No vídeo, o menino, que aparenta ter cerca de 4 anos, acompanha um homem até o local onde o prisioneiro está preso. A criança, então, usa uma pistola para atirar contra a cabeça do homem. Imagens do vídeo foram compartilhadas em uma rede social pelo grupo ativista “Raqqa is Being Slaughtered Silently” (Raqqa está sendo abatida silenciosamente, em tradução literal), que denuncia na internet as atrocidades cometidas pelo grupo jihadista.

Menino mata prisioneiro em vídeo chocante
Menino mata prisioneiro em vídeo chocante Foto: Reprodução / Twitter

Entre as estratégias do EI está usar crianças, que são chamadas de “filhotes do califado”, não só para matar inimigos, mas como força de combate na frente de batalha. Os pequenos recebem treinamento militar desde bem jovens, quando aprendem a usar armas e táticas militares.

Segundo a agência de notícias “Reuters”, o EI já perdeu a maior parte de seu território no Iraque desde 2014, mas insurgentes ainda continuam promovendo ataques e matando inimigos na região.

De acordo com o relatório anual sobre terrorismo do Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Estado Islâmico (ISIS em inglês) já ultrapassou a Al-Qaeda como principal grupo terrorista no mundo. O documento aponta a capacidade do grupo em recrutar militantes e divulgar sua mensagem pelo mundo.

O EXTRA apresenta as imagens para denunciar a barbárie que a intolerância e um regime radical produzem pelo mundo.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/mundo/menino-mata-prisioneiro-em-video-divulgado-pelo-estado-islamico-20747752.html#ixzz4VI0MDAST

 

Casas de cristãos são queimadas

Como último esforço, antes de entregar as vilas ocupadas, Estado Islâmico (EI) incendiou completamente as casas de cristãos.

Agora que a fumaça começou a baixar na planície de Nínive, o Estado Islâmico programou um golpe final contra os cristãos iraquianos. Antes de entregar as últimas vilas ocupadas e bater em retirada, o grupo incendiou milhares de casas de cristãos. A maioria das casas se tornou inabitável e, de repente, para muitos se tornou impossível voltar para casa.

“Todo o resto se foi”, declara um cristão, que observa o carro coberto de poeira. As únicas coisas que ele conseguiu salvar de sua casa são uma pilha de livros de estudo, um par de sapatos e algumas fotos de família.

Este cristão acaba de voltar para sua casa em Bartella, uma das aldeias cristãs recentemente liberadas no Iraque. No verão de 2014 os militantes do Estado Islâmico forçou sua família a fugir, deixando todos os seus pertences para trás. Nos últimos dois anos outras famílias migraram, mas sua família continuava sonhando em voltar para sua amada aldeia. Só para ver este sonho brutalmente quebrado depois de encontrar sua casa completamente destruída. “Não temos mais nada. Por que devemos ficar neste país por mais tempo? Perdemos toda esperança. “

Em outubro de 2016, quando o ataque ao EI começou e várias aldeias cristãs na Planície de Nínive foram liberadas, houve uma explosão inicial de alívio e celebração entre os cristãos deslocados em Erbil. De repente, seus sonhos de voltar para casa, de ter um futuro como cristãos em sua pátria, pareciam ganhar vida e estavam próximo de ser realizados.

Nas últimas semanas, líderes religiosos e equipes voluntárias da igreja têm mapeado o grau de devastação nas aldeias cristãs. Os resultados têm sido cada vez mais decepcionantes. Em grandes assentamentos cristãos como Bartella, Qaraqosh e Karamles cerca de oitenta por cento das casas estão completamente destruídas por bombas aliadas e morteiros, ou queimadas pelo EI.

O irmão Thabet, líder religiosos da aldeia de Karamles, confirma este relatório. Ele diz que é claro que o EI ateou fogo às casas cristãs apenas dias e, em alguns casos, horas antes de serem expulsos de Karamles pelas forças aliadas.

Mas, ainda assim, Thabet está ansioso para reconstruir sua aldeia, e com uma equipe de voluntários ele já está limpando toda a sujeira e recuperando objetos de sua igreja. Mas ele admite que retornar aqui exigirá muito trabalho. “Temos de nos preparar para um longo período de reconstrução. No entanto, acredito firmemente que este é um terreno cristão, e vou trabalhar duro para ajudar os cristãos a retornar a este lugar, se Deus quiser, para viver aqui em paz “.

Ore pela reconstrução do Iraque. Que os cristãos tenham força e graça para voltar e reconstruir suas cidades.

https://www.portasabertas.org.br/noticias/2016/12/casas-de-cristaos-sao-queimadas

ISIS corta água para civis em Mosul

Estado islâmico desliga o abastecimento de água para áreas de Mosul que podem ser liberadas pelo exército iraquiano para manter os civis sob controle.

À medida que o exército iraquiano avança em Mosul, o último baluarte do Estado islâmico no Iraque, o ISIS corta a água e a eletricidade de alguns dos distritos que em breve poderão ser libertados pelo exército iraquiano.

“[ISIS] corta a eletricidade para as estações de água que alimentam vários bairros onde as tropas iraquianas estão avançando”, disse à CNN Zuhair Hazem al-Jabouri, um funcionário da cidade de Mosul responsável pela energia e água. “Eles estão privando as pessoas de água potável no leste de Mosul. Eles querem forçar as pessoas a se retirarem com eles para usá-las como escudos humanos”.

A U.N. não conseguiu verificar independentemente os relatórios, mas disse que essa estratégia estava de acordo com a conduta do ISIS em outros lugares onde ele tem se esforçado para manter o controle sobre as populações civis, que não tem escrúpulos em usar como escudos humanos.

A situação humanitária foi agravada quando um dos principais canos de água da cidade foi atingido durante os combates. A perda da tubulação cortou a água a 650.000 pessoas, de acordo com Al-Jazeera.

Estamos enfrentando uma catástrofe humanitária “, disse Hussam al-Abar, membro do conselho provincial de Mineul em Nineveh.” Serviços básicos como água, eletricidade, saúde e alimentos são inexistentes “.

Estimativas do número de civis ainda dentro de Mosul variam de um milhão a 1,5 milhão de pessoas.

http://www.clarionproject.org/news/isis-cuts-water-civilians-mosul